Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Meio Ambiente / Créditos de Carbono

Créditos de Carbono

O que é crédito de carbono e qual sua importância em nossas vidas?

PUBLICIDADE

A idéia de se criar o sistema de créditos de carbono foi buscar compensar a emissão de gases que produzem o efeito estufa através de um programa que desperta nos países a vontade política de rever os seus processos industriais e, com isso, diminuir a poluição na atmosfera e o seu impacto no aquecimento do clima.

Em função disso foi criado um certificado que é emitido pelas agências de proteçãoambiental reguladoras, atestando que houve redução de emissão de gases do efeitoestufa.

A quantidade de créditos de carbono recebida varia de acordo com aquantidade de emissão de carbono reduzida.

Foi convencionado que uma tonelada de dióxido de carbono (CO2) equivale a um crédito de carbono.

Outros gases que contribuem para o efeito estufa também podemser convertidos em créditos de carbono, utilizando o conceito de carbono equivalente.

Esse certificado é negociado no mercado internacional, onde a redução de gases do efeito estufa passa a ter um valor monetário para conter a poluição.

Há diversos meios para consegui-lo, alguns exemplos são: reflorestamento; redução das emissões provenientes da queima de combustíveis fósseis; substituição de combustíveis fósseis por energia limpa e renovável, como eólica, solar, biomassa, PCH (Pequena Central Hidrelétrica), entre outras; aproveitamento das emissões que seriam de qualquer forma descarregadas na atmosfera (metano de aterros sanitários) para a produção de energia.

Em acordos internacionais os países desenvolvidos passaram a ter cotas máximaspara emitir esses gases do efeito estufa. Coube a esses países criar leis para restringira emissão desses gases em seus territórios.

Os países ou suas indústrias que ultrapassarem as metas estabelecidas terão que comprar os certificados de crédito de carbono, da mesma forma que quem conseguir reduzir suas emissões poderá vender o excedente dessa redução de emissão de gases nas Bolsas de Valores e de Mercadorias a outros países ou indústrias que necessitem desses créditos.

O mercado de carbono possui um critério que se chama adicionalidade. Segundo este,um projeto precisa absorver dióxido de carbono da atmosfera, no caso de reflorestamentos, ou evitar o lançamento de gases do efeito estufa, no caso deeficiência energética.

Algumas pessoas criticam esses certificados por entenderem que eles autorizampaíses e indústrias a poluir. E isso pode ser verdade, pois a intenção da criação dessecertificado era organizar critérios de neutralização da emissão desses gasespoluidores.

Porém, também havia embutido dentro do programa a intenção de que os países quefossem os maiores poluidores diminuissem suas emissões, e que esse mercado decarbono servisse de estímulo para incentivar os países em desenvolvimento para que,atraídos pelo ganho financeiro, cuidassem melhor de suas florestas e evitassemqueimadas.

Mas não foram suficientes os alertas e os estímulos financeiros. Algumas empresas continuam a destruir as florestas pela sua ganância e ignorância, esquecendo que as conseqüências serão muito graves para todos nós e as gerações futuras.

Os governos foram omissos e permitiram, e ainda permitem, que o desmatamento sem controle furte a nossa maior riqueza: as florestas.

Hoje ainda assistimos governantes de países importantes ignorarem todos os sinais de perigo dados pela natureza contra a vida humana.

Duas atitudes deveriam ser adotadas imediatamente por todos os governos do mundo.A primeira seria a diminuição em percentuais importantes das emissões de gasespoluentes, seja nas indústrias ou nos transportes. A segunda, agir fortemente contra odesmatamento descontrolado das florestas.

Tomamos conhecimento recentemente de que o Incra, órgão ligado ao Governo Federal, é o responsável pelo maior desmatamento em nosso País. Isso causou-nos surpresa e descrédito quanto ao poder público, pois se o governo não consegue controlar nem os seus subordinados como irá fiscalizar os outros?

Por tudo isso, a criação dos créditos de carbono tem um papel importante de conscientização dos países e suas indústrias, mas não será suficiente para resolver esse problema se não houver vontade detodos os envolvidos. Governos, empresas e sociedade devem sentar-se juntos e discutir como mudar esse crime, que é contra o meio ambiente, mas, principalmente, contra nós mesmos.

Para sermos um mundo sustentável são necessários mais que programas de incentivo financeiro ligados ao meio ambiente. É necessário que tenhamos responsabilidadesocioambiental e consciência coletiva da necessidade dessa mudança, agora.

Luiz Fernando do Valle

Fonte: www.alphameioambiente.com.br

Créditos de Carbono

O Que São Créditos de Carbono?

Créditos de Carbono são certificados que autorizam o direito de poluir. O princípio é simples. As agências de proteção ambiental reguladoras emitem certificados autorizando emissões de toneladas de dióxido de enxofre, monóxido de carbono e outros gases poluentes. Inicialmente, selecionam-se indústrias que mais poluem no País e a partir daí são estabelecidas metas para a redução de suas emissões.

A empresas recebem bônus negociáveis na proporção de suas responsabilidades. Cada bônus, cotado em dólares, equivale a uma tonelada de poluentes. Quem não cumpre as metas de redução progressiva estabelecidas por lei, tem que comprar certificados das empresas mais bem sucedidas.

O sistema tem a vantagem de permitir que cada empresa estabeleça seu próprio ritmo de adequação às leis ambientais. Estes certificados podem ser comercializados por intermédio das Bolsas de Valores e de Mercadorias, como o exemplo do Clean Air de 1970, e os contratos na bolsa estadunidense (Emission Trading – Joint Implementation).

Há várias empresas especializadas no desenvolvimento de projetos que reduzem o nível de gás carbônico na atmosfera e na negociação de certificados de emissão do gás, espalhadas pelo mundo, preparando-se para vender cotas dos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, que em geral emitem menos poluentes, para os que poluem mais.

Enfim, preparam-se para negociar contratos de compra e venda de certificados que conferem aos países desenvolvidos o direito de poluir.

Segundo Sergio Besserman Vianna – Presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), “O aquecimento global é uma realidade inegável. Se ele não for tratado pelo mercado financeiro, algum outro mecanismo terá de ser criado para fazêlo”, disse para a Folha de São Paulo.

Por sua vez, Eduardo Viola, Professor Titular do Departamento de Relações Internacionais e Centro de Desenvolvimento Sustentável da UnB, analisa:

Está claro hoje que para proteger o ambiente precisamos ir além dos mecanismos rígidos de comando e controle que predominaram no mundo nos últimos 30 anos. A criação de mecanismos de mercado que valorizam os recursos naturais é uma extraordinária inovação cujo primeiro exemplo deu-se nos EUA com a emenda de 1990 ao Clean Air de 1970. Por causa dessa Emenda de 1990, que criou as cotas comercializáveis de poluição nas bacias aéreas regionais dos EUA, a poluição do ar diminuiu numa media de 40% nos EUA entre 1991 e 1998.

Varias iniciativas, seguindo o mesmo principio, estão em processo de ser adotadas em vários países e internacionalmente (o Protocolo de Kyoto 1997 estabelece as cotas de emissões de carbono comercializáveis entre os países do Anexo 1 e o Clean Development Mechanism entre países desenvolvidos de um lado e médios e pobres do outro).

Os volumes do Mercado de Carbono têm estimativas das mais variadas, e, na maior parte das matérias publicadas pela imprensa, os índices não batem. Cada fonte indica um dado diferente, vai desde U$ 500 milhões até US$ 80 bilhões por ano – os analistas de investimentos consideram o volume estimado pelos especialistas insignificante, comparado com alguns setores que giram volumes equivalentes em um mês. O que pode haver é uma forte demanda por países industrializados e uma expectativa futura de que esse mercado venha a ser um “grande negócio”, uma fonte de investimentos, do ponto de vista estritamente financista. Neste caso, a posição do Brasil é estratégica, em função de uma série de considerações apresentadas adiante.

Qual a Posição do Brasil?

Acontece que, no caso do Brasil, como também no da África, é exigida uma série de certificações e avais em função dos riscos de crédito, por todas as questões de credibilidade: o chamado “Risco Brasil”.

O Brasil não é considerado no mercado internacional um bom pagador. Já existiram escândalos financeiros que assustaram investidores sérios, atraindo ao país investimentos de curtíssimo prazo, capital especulativo e volátil, além dos chamados farejadores das Ilhas Cayman, que adoram negócios “nebulosos” para ancorar as operações de lavagem de dinheiro. Tudo isso entra na contabilidade dos empréstimos internacionais, e o risco que se corre é de acontecer de o dinheiro com taxa baixa ou a fundo perdido chegar na mão do pequeno com taxas altíssimas.

Não se deve esquecer ainda da vulnerabilidade desse indivíduo diante de contratos complexos, projetos duvidosos e pressões de especuladores, interessados em comprar terras abaixo do preço do mercado para se credenciarem a esses investimentos. Existem grandes diferenças entre as Clean Development Mechanisms (CDMs) e as commodities ambientais. Os CDMs ou Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDLs), em síntese, são alternativas que implicam em assumir uma responsabilidade para reduzir as emissões de poluentes e promover o desenvolvimento sustentável. Trata-se de um mecanismo de investimentos, pelo qual os países desenvolvidos podem estabelecer metas de redução de emissões e de aplicação de recursos financeiros em projetos como reflorestamentos e produção de energia limpa.

As empresas, por exemplo, ao invés de utilizar combustíveis fósseis, que são altamente poluentes, passariam a utilizar energia produzida em condições sustentáveis, como é o caso da biomassa. Existe, enfim, uma gama enorme de projetos ambientais e operações de engenharia financeira que podem ser desenvolvidos no Brasil, proprietário das sete matrizes ambientais (água, energia, biodiversidade, madeira, minério, reciclagem e controle de emissão de poluentes – água, solo e ar).

Nem todo projeto de CDM gera necessariamente uma “commodity tradicional” e muito menos uma “commodity ambiental”.

Explico: A troca de créditos de cotas entre países desenvolvidos, que estabelecem limites de “direitos de poluir” (Joint Implemetation e Emission Trading), pode ser transformada em títulos comercializáveis em mercados de balcão (contratos de gaveta – side letters), ou em mercados organizados (Bolsas, Interbancários, Intergovernamentais e outros). Mas chamar poluição de mercadoria é um absurdo conceitual, e de “commodity ambiental”, é uma contradição.

Em primeiro lugar, a poluição não pode ser considerada mercadoria, ainda mais quando se deseja eliminá-la. Em segundo, não serão os pequenos produtores os contemplados nesta troca, porque ela é realizada entre grandes corporações nacionais e transnacionais.

Além disso, só é possível realizar tais trocas em um mercado fortemente globalizado, já que esses títulos migrarão de um país para o outro com a mesma velocidade que migram os investimentos globalizados, num círculo restrito de países mais ou menos desenvolvidos, o que vai contra todas as reivindicações do Fórum Social Mundial realizado no Rio Grande do Sul.

Se de um lado as commodities ambientais têm como seu principal diferencial o modelo da pirâmide, no qual os contemplados pelos recursos financeiros devem diretamente ser os excluídos, o trading emission (compra e venda de créditos de carbono) atende ao tradicional modelo das operações financeiras que todos nós já estamos cansados de conhecer. Ele apenas repete um mecanismo já explorado, com a agravante de ser falacioso, trazendo o argumento ambiental e causando confusão de conceituação.

Mas o CDM pode e deve ser aplicado ao conceito “commodities ambientais”, observadas duas condições: se o projeto de controle de emissão de poluentes estiver gerando uma commodity como energia (biomassa), madeira, biodiversidade, água, minério, reciclagem, e se o modelo vier a promover a geração de emprego e renda e financiar educação, saúde, pesquisa e preservação de área protegidas. Em outras palavras, ela precisa também atender às reivindicações do movimento ambientalista e de grupos de direitos humanos, engajados nesta luta ingrata para preservar o meio ambiente. Nesse sentido, um projeto de reflorestamento com pínus e eucalipto não pode invadir uma área como a Amazônia, ainda que a comunidade científica prove com todos os meios que pínus e eucaliptos captam mais carbono do que uma floresta nativa.

Faca de Dois Gumes

Veja, então, a diferença. Não importa para as “commodities ambientais” o que capta mais carbono. Importa, porém, o que gera mais emprego e mantém mais áreas de preservação. O modelo de “commodities ambientais” que se propõe debater é exatamente produzir uma trava que impeça que um ecossistema seja prejudicado para favorecer a exploração comercial do outro. O marketing dos países ricos, prometendo dinheiro aos projetos ambientais dos países pobres, pode ser uma faca de dois gumes para o meio ambiente.

Existe o risco dos certificados de carbono serem transformados apenas numa operação financeira para dar lucros aos seus investidores e acabar não gerando nenhuma vantagem para o meio ambiente. Isto é, se os instrumentos econômicos forem uma promessa de capturar carbono no futuro.

Como ocorreu, por exemplo, muitas vezes no caso dos incentivos florestais, quando muita gente pegou dinheiro subsidiado do Governo para plantar, mas não plantou ou recebeu dinheiro para plantar mil hectares, terminou plantando somente 200 hectares.

Nestes casos, as travas para se proteger dos especuladores mal-intencionados estão sendo articuladas com o sistema de produção das commodities ambientais.

Sempre existe esse risco quando se lida com o mercado financeiro. Um dia após o outro, criam-se contratos com cláusulas complexas e expressões em inglês não raras vezes escondendo negócios de interesse estrangeiro.

Se isso já é muitas vezes difícil para os especialistas da área entenderem, o que se dirá do pequeno produtor ou do proprietário de uma área florestal que deseja tornar sua floresta um projeto com viabilidade econômica, devendo respeitar as leis de conservação, códigos florestais e outras exigências. Estamos cientes de que a certificação é um caminho, mas não a solução do problema, pois para certificar o produto é necessário produzir em condições sustentáveis, o que requer investimentos.

Tudo isso é caro e leva tempo e dinheiro.

O que acontece hoje é uma concorrência desleal com as altas taxas de juros. Qualquer negócio de longo prazo no Brasil torna-se incompatível com os lucros que os títulos financeiros garantem, sem que seja necessário se preocupar com chuvas, investimentos na produção, a plantação, a colheita, o pagamento de funcionários. Isso explica porque, ao invés de ser aplicado diretamente na produção, o dinheiro subsidiado migra para a especulação financeira.

Mas isso só acontece com a participação de agentes que não são da atividade produtiva, até porque o produtor sozinho, que sequer sabe como captar o recurso para sua lavoura, sabe tampouco atuar no mercado.

Ele tem muitas vezes seu Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) da cooperativa usado em operações de lavagem de dinheiro.

E quando quebram, prejudicam a credibilidade de todos: vide a Cooperativa Agrícola de Cotia e, mais recentemente, o caso da Exportadora das Cooperativas Brasileiras (EXIMCOOP). Não é preciso ir muito longe – agora têm-se os escândalos financeiros que revoltaram os mercados de capitais em 2002 e jogaram as Bolsas de Valores no chão.

A crise no mercado de ações tem sido comparada com os colapsos provocados pelo crash de 1929 e pelas crises do petróleo em 1973 e 1974.

Os Créditos de Carbono, se mal-desenhados e lançados no mercado no afã da euforia, apenas para suprir uma expectativa de captar investimentos internacionais, podem mascarar a ação de muitos “oportunistas de negociatas”.

Ao implantar os Fóruns Regionais BECE (Brazilian Environment Commodities Exchange), no Projeto CTA, está-se tentando descobrir os meios de resolver o problema. Eliminar o risco é impossível, uma utopia.

Mas ele pode ser amenizado, identificando quem realmente merece ser receptor deste dinheiro, traçando com a comunidade uma estratégia de elaboração e de fiscalização de projetos ambientais com comprometimento, para que os produtores e comunidades extrativistas obtenham investimentos sem que os recursos passem pelas mãos de “inimigos ocultos”, espertos na arte de desvirtuar projetos ambientais.

Por isso, criou-se a proposta “BECE”, genuinamente brasileira, porque este é um problema brasileiro. É preciso mapear as reais necessidades brasileiras e fazer a lição de casa para então se conseguir também adotar uma postura mais séria e fazer propostas mais concretas nas relações com a Área de Livre Comércio das Américas (Alca), Mercado Comum do Cone Sul (Mercosul), no Protocolo de Kyoto, e outros. Olhando de frente com coragem e determinação os problemas brasileiros, chegar-se-á mais rápido às soluções, sem ficar enxugando lágrimas em lençóis porque as “commodities tradicionais” do Brasil foram excluídas dos acordos internacionais.

Outro aspecto crucial desse debate é como chegar aos pequenos e fazer com que estes tenham as mesmas oportunidades de financiamento de seus projetos, sejam na área de educação, saúde, meio ambiente ou agropecuária. Está-se, em suma, falando da reconstrução econômica do país, e os projetos para produção de commodities ambientais são soluções potenciais num momento em que se está farto de somente enxergar problemas.

O Projeto CTA (www.sindecon-esp.org.br) fará das palavras de Eduardo Viola a missão de BECE:

O Século 20 nos ensinou, com alegria e tragédia extremas, como o mercado é o mais eficiente mecanismo alocativo inventado pela humanidade.

Também nos ensinou que um mercado sem pleno Estado de Direito e sem indivíduos educados e auto-reflexivos produz uma sociedade extremamente materialista que bloqueia as potencialidades de evolução humana.

Precisamos avançar na direção de um mercado transparente e conscientemente regulado pela sociedade, onde não exista espaço para informações privilegiadas, nem cláusulas ad hoc para favorecer alguns dos competidores, nem possibilidades de lavagem de dinheiro procedente de atividades ilícitas. (…) Acredito que o BECE merece um apoio incisivo do conjunto da comunidade ambientalista para que se realizem urgentemente estudos sistemáticos econômicos, ecológicos e jurídicos com o objetivo de sua implementação. Poderia ser uma grande contribuição iniciada no Brasil para o desenvolvimento sustentável em escala planetária.

Com a proposta BECE e a elaboração de Projetos Econômico-Financeiros para os Mercados de “Commodities Ambientais”, a preservação ambiental estará sendo colocada na contabilidade como ativo/investimento e não como passivo/prejuízo, tentado mudar a visão dos empresários e investidores hoje em relação à questão socioambiental.

Especialmente, onde as commodities ambientais poderiam ajudar a luta pelo combate ao efeito estufa que está comprovadamente aquecendo o planeta e provocando prejuízos enormes com o agravamento das secas, chuvas, tempestades.

Amyra El Khalili

Fonte: saf.cnpgc.embrapa.br

Créditos de Carbono

CRÉDITOS DE CARBOO OU REDUÇÃO CERTIFICADA DE EMISSÕES (RCE)

Créditos de Carbono

São certificados emitidos quando ocorre a redução de emissão de gases do efeito estufa (GEE). Por convenção, uma tonelada de dióxido de carbono (CO2) equivalente corresponde a um crédito de carbono. Este crédito pode ser negociado no mercado internacional. A redução da emissão de outros gases que também contribuem para o efeito estufa também pode ser convertidos em créditos de carbono, utilizando o conceito de Carbono Equivalente.

Créditos de carbono criam um mercado para a redução de GEE dando um valor monetário à poluição. Acordos internacionais como o Protocolo de Kyoto determinam uma cota máxima que países desenvolvidos podem emitir. Os países por sua vez criam leis que restrigem as emissões de GEE. Assim, aqueles países ou indústrias que não conseguem atingir as metas de reduções de emissões, tornam-se compradores de créditos de carbono.

Por outro lado, aquelas indústrias que conseguiram diminuir suas emissões abaixo das cotas determinadas, podem vender o excedente de “redução de emissão” ou “permissão de emissão” no mercado nacional ou internacional.

Os países desenvolvidos podem promover a redução da emissão de gases causadores do efeito estufa (GEE) em países em desenvolvimento através do mercado de carbono quando adquirem créditos de carbono provenientes destes países.

O mercado de carbono e o Protocolo de Kyoto

A preocupação com o meio ambiente levou os países da Organização das Nações Unidas a assinarem um acordo que estipulasse controle sobre as intervenções humanas no clima. Este acordo nasceu em dezembro de 1999 com a assinatura do Protocolo de Kyoto. Desta forma, o mesmo determina que países desenvolvidos signatários, reduzam suas emissões de gases de efeito estufa (GEN) em 5,2%, em média, relativas ao ano de 1990, entre 2008 e 2012. Esse período é também conhecido como primeiro período de compromisso. Para não comprometer as economías desses países, o protocolo estabeleceu que parte desta redução de GEN pode ser feita através de negociação com nações através dos mecanismos de flexibilização.

Um dos mecanismos de flexibilização é o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). O crédito de carbono do MDL é denominado Redução Certificada de Emissão (RCE) – ou em inglês, Certified Emission Reductions (CERs).

Uma RCE corresponde a uma tonelada de dióxido de carbono equivalente. Os países da União Européia fizeram um acordo para diminuir emissões de GEE no período entre 2002 e 2007, ou seja, além da diminuição de emissões de GEE entre 2008 e 2012 do Protocolo de Kyoto, esses países desenvolveram outras metas para o período anterior ao Protocolo de Quioto. As permissões de emissões das diferentes indústrias podem ser negociadas entre elas.

Créditos obtidos a partir de projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) também podem ser usados para diminuir partes das emissões.

Uma tonelada de CO2 equivalente corresponde a um crédito de carbono.

O CO2 equivalente é o resultado da multiplicação das toneladas emitidas do GEE pelo seu potencial de aquecimento global. O potencial de aquecimento global do CO2 foi estipulado como 1. O potencial de aquecimento global do gás metano é 21 vezes maior do que o potencial do CO2, portanto o CO2 equivalente do metano é igual a 21. Portanto, uma tonelada de metano reduzida corresponde a 21 créditos de carbono.

Potencial de aquecimento global dos GEE:

CO2 – Dióxido de Carbono = 1
CH4 –
Metano = 21
N2O –
Óxido nitroso = 310
HFCs –
Hidrofluorcarbonetos = 140 ~ 11700
PFCs –
Perfluorcarbonetos = 6500 ~ 9200
SF6 –
Hexafluoreto de enxofre = 23900

Contraponto

Algumas correntes defendem a idéia de que os créditos de carbono acabam favorecendo mais ao mercado do que ao ambiente, e outras defendem a idéia de que os mesmos são certificados que autorizam aos países desenvolvidos o direito de poluir. No entanto, cada país tem uma cota máxima de créditos de carbono que pode comprar para cumprir as metas do Protocolo de Kyoto; portanto, o assim chamado “direito de poluir” é limitado.

Para o crédito de carbono as tecnologias reclamadas, pelas nações interessadas, devem passar por uma analise a nível universitário para que fique provado (matematicamente) o que foi ou não lançado na atmosfera.

” Uma longa viagem começa com um único passo ” LaoTsé

Luis Antônio dos Santos de Pinho

Fonte: www.criarmlt.com

Créditos de Carbono

Como funcionam os créditos de carbono?

Países desenvolvidos podem comprar créditos para atingir as metas de diminuição da emissão de poluentes.

Créditos de Carbono
As indústrias são responsáveis por 2/3 das emissões de carbono no mundo

Para entender os créditos de carbono, é preciso compreender primeiro o efeito estufa e o Protocolo de Kyoto. O efeito estufa faz parte da dinâmica do planeta e, graças a ele, a Terra é mais quente do que o espaço e tem a temperatura ideal para que os seres vivos sobrevivam.

Funciona da seguinte forma: parte do calor irradiado pelo Sol é devolvido ao espaço. Porém, parte desse calor fica presa na atmosfera e é responsável por manter o planeta aquecido. O problema é que o excesso dos chamados gases estufa (gás carbônico, metano, óxido nitroso, fluoretos de enxofre e vapor d´água) amplifica esse fenômeno e faz com que mais calor seja retido na superfície do planeta, provocando o aquecimento global. Hoje em dia, os pesquisadores descobriram que não são só os gases que provocam esse efeito. O chamado carbono negro, que é a fuligem da fumaça, também tem papel importante nesse mecanismo. “A fuligem provoca o sombreamento da superfície e esquenta a atmosfera. Além disso, modifica a formação das nuvens, o que muda o equilíbrio térmico do planeta”, explica Kenny Tanizaki Fonseca professor do Departamento de Análise Geoambiental da Universidade Federal Fluminense (UFF) e pesquisador associado da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Apesar de ser impossível prever com certeza quanto o planeta deve aquecer nos próximos anos, a preocupação para minimizar os efeitos do aquecimento global é presente no mundo todo. Em 1997, 189 países membros das Nações Unidas se reuniram em Kyoto, no Japão, e assinaram um tratado em que se comprometem a reduzir as emissões de gás estufa em 5% em relação aos níveis de 1991.

Em 2005, esse protocolo entrou em vigor e os países signatários deveriam atingir a meta até 2008. Até 2012 deve ser firmado um novo acordo, que já está em negociações. Uma das críticas ao Protocolo é que só estão obrigados a diminuir as emissões os países na lista de nações desenvolvidas. Ou seja, o Brasil ainda não tem metas a cumprir, apesar de estar na lista dos 20 países que mais poluem. “Ao contrário do que acontece no resto do mundo, 2/3 das emissões brasileiras estão ligadas ao uso do solo – desmatamento, queimadas e conversão de florestas em sistemas agropecuários. O próximo acordo também deve  incluir o desmatamento, que tem a ver diretamente com o nosso país”, afirma Kenny.

Um dos mecanismos a que os países desenvolvidos podem recorrer para cumprir a meta é comprar os chamados créditos de carbono de países que diminuíram suas emissões. Assim, uma empresa brasileira, por exemplo, pode desenvolver um projeto para reduzir as emissões de suas indústrias. Esse projeto passa pela avaliação de órgãos internacionais e, se for aprovado, é elegível para gerar créditos.

Nesse caso, a cada tonelada de CO2 que deixou de ser emitida, a empresa ganha um crédito, que pode ser negociado diretamente com as empresas ou por meio da bolsa de valores. “Porém, os países só podem usar esses créditos para suprir apenas uma pequena parte de suas metas”, explica Kenny Fonseca.

Mesmo com essa restrição, o mercado de crédito de carbono está em pleno desenvolvimento, principalmente por causa do chamado mercado voluntário. Nele, mesmo países que não precisam diminuir suas emissões ou que não assinaram o Protocolo de Kyoto podem negociar créditos. Segundo um relatório divulgado por duas organizações americanas do setor de mercado ambiental, Ecosystem Marketplace e New Carbon Finance, em 2008 o mercado voluntário de carbono movimentou 705 milhões de dólares, por um preço médio de 7,34 dólares por crédito de carbono.

Kenny Fonseca explica que o Brasil é um dos países que mais formulam projetos que geram créditos de carbono e que a expansão desse mercado é inevitável.

“É muito difícil para os países desenvolvidos conseguirem atingir suas metas. Desde que o Protocolo de Kyoto foi assinado, houve um aumento populacional, acompanhado do aumento da necessidade de insumos. E isso acarreta um aumento natural da emissão de poluentes”, afirma.

Fonte: revistaescola.abril.com.br

Créditos de Carbono

O que são créditos de carbono?

Entenda como funciona a compra e venda da não-emissão de poluentes

Uma medida que permite às indústrias e nações reduzirem seus índices de emissão de gases do efeito estufa por um sistema de compensação.

Funciona assim:  conforme o Protocolo de Kyoto, as nações industrializadas devem reduzir suas emissões de gases do efeito estufa, durante o período de 2008 a 2012, em 5,2% em relação aos níveis de 1990.

Os governos calculam quanto precisam diminuir e repassam essa informação às indústrias do país, estabelecendo uma cota para cada uma.

Essas empresas podem adotar medidas de eficiência energética para atingir suas metas ou ir ao mercado e comprar créditos de carbono (um crédito de carbono equivale a 1 tonelada de dióxido de carbono).

Daí a compensação: já que a empresa não vai conseguir reduzir suas emissões, ela compra esse “bônus” de terceiros.

Para que uma empresa tenha direito a vender créditos de carbono, precisa cumprir dois requisitos: contribuir para o desenvolvimento sustentável e adicionar alguma vantagem ao ambiente, seja pela absorção de dióxido de carbono (por exemplo, com o plantio de árvores), seja por evitar o lançamento de gases do efeito estufa na atmosfera – a quantidade de CO2 que ela retirar ou deixar de despejar na atmosfera é que pode ser convertida em créditos de carbono.

Do total desses créditos disponíveis para venda no mercado, 15% vêm do Brasil.

Fonte: planetasustentavel.abril.com.br

Créditos de Carbono

Surgido a partir do Protocolo de Kioto, em 1997, o mercado de crédito de carbono foi a forma encontrada pelas 189 nações signatárias para acelerar as metas de redução das emissões dos gases de efeito estufa. O objetivo final era chegar a níveis inferiores aos de 1990.

Saiba um pouco mais sobre esse mercado bilionário:

1. O que é o comércio de crédito de carbono?

É um sistema que funciona com a compra e venda de unidades correspondentes à redução da emissão de gases que causam o efeito estufa. Os créditos são obtidos com o corte das emissões por países ou empresas.

2. O que são GEEs?

São os gases do efeito estufa, que contribuem para o fenômeno de aquecimento do planeta. Entre eles estão o dióxido de carbono, o monóxido de carbono, metano, óxido nitroso e óxidos de nitrogênio.

3. Como o mercado funciona na prática?

Países ou empresas que conseguem reduzir suas emissões abaixo das metas do Protocolo de Kioto geram créditos por essa redução excedente. Depois, eles podem vender esses créditos aos países que poluem acima de suas metas.

4. Quanto vale cada crédito?

Quando um país ou empresa consegue reduzir sua emissão em uma tonelada de CO2, ganha um crédito. Os créditos de carbono são considerados commodities e podem ser vendidos nos mercados financeiros nacionais e internacionais.

5. Quem lucra com isso?

Além dos vendedores de créditos (ou seja, aqueles que reduzem suas emissões de forma mais eficaz), todos acabam ganhando com o sistema. Quem ainda não consegue cortar suas emissões é incentivado a buscar soluções para deixar de gastar com os créditos.

6. Os créditos de carbono já funcionam no Brasil?

No ano passado, o Brasil já possuía 61 empresas com créditos emitidos, totalizando 11,3 milhões de toneladas de CO2 que deixaram de ir para a atmosfera. Esses créditos produziram uma receita equivalente a 90,4 milhões de euros.

7. De quais setores eram essas empresas?

Papel e celulose, usinas de açúcar, madeireiras e fábricas em geral. A Prefeitura de São Paulo também entrou no mercado, que promoveu dois leilões de créditos de carbono do aterro Sanitário Bandeirantes, na zona norte da cidade, em 2007 e 2008.

Fonte: veja.abril.com.br

Créditos de Carbono

Os créditos de carbono são uma espécie de moeda que se pode obter em negociações internacionais por países que ainda desconsideram o efeito estufa e o aquecimento global. Esses são adquiridos por países que tem um índice de emissão de CO2 reduzidos, através desses fecham negociações com países poluidores.

A quantidade de créditos de carbono recebida varia de acordo com a quantidade de emissão de carbono reduzida. Para cada tonelada reduzida de carbono o país recebe um crédito, o que também vale para a redução do metano, só que neste caso o país recebe cerca de vinte e um créditos.

Os países que mais negociam créditos de carbono são os países da Europa e Japão que por liberarem pouco carbono acumulam grande quantidade de créditos aumentando assim a renda do país, pois aliviam os países que desconsideram o Protocolo de Kyoto, estabelecido em 1997, e o aquecimento global, que compram créditos como ocorre com os Estados Unidos e com a Austrália, esses relacionam o acordo à diminuição do desenvolvimento econômico.

Existem pessoas que discutem sobre este sistema de créditos de carbono, pois julgam que este favorece o mercado e não propriamente o meio ambiente como propõe. Também julgam que tal crédito dá aos países poluidores o direito de continuarem poluindo se pagarem pelos créditos que a priori possui cota de compra limitada. Por outro lado, o sistema de crédito de carbono dá aos países menos poluidores o incentivo para que continuem o processo de valorizar o meio ambiente e em troca melhorar sua economia já que este sistema é altamente rentável aos países que o adere.

GEE e os créditos de carbono

Uma tonelada de CO2 equivalente corresponde a um crédito de carbono.

O CO2 equivalente é o resultado da multiplicação das toneladas emitidas do GEE pelo seu potencial de aquecimento global. O potencial de aquecimento global do CO2 foi estipulado como 1. O potencial de aquecimento global do gás metano é 21 vezes maior do que o potencial do CO2, portanto o CO2 equivalente do metano é igual a 21. Portanto, uma tonelada de metano reduzida corresponde a 21 créditos de carbono.

Potencial de aquecimento global dos GEE:

CO2 – Dióxido de Carbono = 1
CH4 – Metano = 21
N2O – Óxido nitroso = 310
HFCs – Hidrofluorcarbonetos = 140 ~ 11700
PFCs – Perfluorcarbonetos = 6500 ~ 9200
SF6 – Hexafluoreto de enxofre = 23900

Fonte: www.ibrafam.com

Créditos de Carbono

Este trabalho tem por objetivo mostrar como está a questão da geração de Créditos de Carbono no Brasil e em outros países, visando explicar desde sua criação, com o Protocolo de Quioto, passando pelos problemas ambientais, questões econômicas, projetos de geração desses créditos, até sua aplicação na arquitetura e no planejamento urbano.

Créditos de Carbono

É um certificado emitido quando ocorre a redução da emissão de gases do efeito estufa (GEE), tais como: dióxido de carbono, óxido nitoso, metano, enxofre, hidrofluorcarbonetos, perfluorcarbonetos, hexafloureto de enxofre; por convenção, uma tonelada de dióxido de carbono (CO ), corresponde a um crédito de carbono.

Este crédito pode ser negociado no mercado internacional, assim foi criado um mercado para a redução de GEE dando um valor monetário à poluição. E o crédito sendo um incentivo a diminuição desses gases.

Acordos internacionais, como o Protocolo de Quioto, determinam uma quantidade máxima que países desenvolvidos podem emitir desses gases e os próprios países criam leis que restringem as emissões das indústrias. Portanto, as empresas que não conseguem cumprir as metas estabelecidas nacional e internacionalmente, são obrigadas a comprar a cota de poluição que outra empresa ou outro país deixou de emitir. Por sua vez, as indústrias que conseguiram diminuir suas emissões abaixo das cotas determinadas, podem vender o excedente de “redução de emissão” ou “permissão de emissão” no mercado nacional ou internacional.

Ocorre também, de países desenvolvidos promoverem a redução da emissão de gases causadores do efeito estufa (GEE) em países em desenvolvimento através do mercado de carbono quando adquirem créditos de carbono provenientes destes países, ou seja, pagando por esses créditos.

Efeito estufa

Todas as atividades humanas liberam na atmosfera gases que interferem no efeito estufa, sendo que o dióxido de carbono (CO ) é o mais importante deles. O aumento significativo dos níveis 2 dessas emissões tem afetado de maneira perceptível o clima de todas as regiões do planeta.

O Efeito Estufa consiste, basicamente, na ação do dióxido de carbono e outros gases sobre os raios infravermelhos refletidos pela superfície da terra, reenviando-os para ela, mantendo assim uma temperatura estável no planeta. Ao irradiarem a Terra, parte dos raios luminosos oriundos do Sol são absorvidos e transformados em calor, outros são refletidos para o espaço, mas só parte destes chega a deixar a Terra, em conseqüência da ação refletora que os chamados “Gases de Efeito Estufa”(GEE) têm sobre tal radiação reenviando-a para a superfície terrestre na forma de raios infravermelhos.

Créditos de Carbono

O Brasil e o Mundo

O relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) mostra que os países ricos são responsáveis por 70% das emissões de gases estufa, as nações pobres respondem por 2% e os países em desenvolvimento – caso do Brasil – por 28%. Entretanto, quando comparado a outros países, o Brasil já tem uma matriz limpa e renovável, o que dificulta no momento de comprovar a adicionalidade, o que não impede de se ter projetos voltados a fontes renováveis
ainda mais limpas, gerando então os Créditos de Carbono.

O comércio de Crédito de Carbono, está movimentando a economia de grandes países. O Brasil que até há alguns meses ocupava o primeiro lugar no ranking dos principais produtores, acabou perdendo o lugar para a China e a Índia. Esses dois países em conjunto com a Austrália, Coréia do Sul e Japão produzem quase metade dos gases causadores do aquecimento global. O potencial brasileiro é muito grande. Ainda existe uma grande expectativa nesse novo mercado, que é promissor.

Os Estados Unidos é responsável por cerca de 25% da emissão global de carbono. Apesar de não ratificar o Protocolo de Quioto, é o primeiro a criar uma bolsa de venda de créditos de carbono, a Bolsa do Clima de Chicago (CCX), na tentativa de criar um mercado de carbono próprio e alternativo ao Protocolo de Quioto.

Obtenção de Créditos

Créditos de Carbono

Biomassa

“Biomassa energética é qualquer combustível composto por matéria orgânica (álcool, palha, bagaço da cana) resíduos de madeira, palha residual do beneficiamento de arroz, óleos vegetais ou qualquer outro produto usado para fins energéticos gerado pela fotossíntese”. (João Wagner Silva Alves – engenheiro da Divisão de Questões Globais da Cetesb).

Esgoto

Créditos de Carbono

Trata-se também da queima do biogás. O biogás é uma mistura gasosa combustível, composto de 40% a 70% por metano, que é resultante da degradação anaeróbica de matéria orgânica. Lembrando que o metano é um dos maiores poluentes do meio ambiente, sendo cerca de 21 vezes mais prejudicial que o CO2.

Em São Paulo, através do Cenbio, Centro Nacional de Referência em Biomassa, está ligado a dois projetos de transformação do esgoto em energia, um é o que acontece na USP, que é o projeto Purefa, coordenado pela Escola Politécnica; e o de Barueri, o Energ-biog, que é coordenado pelo próprio Cenbio.

O esgoto é captado, purificado e feito o armazenamento do biogás produzido por um biodigestor, o RAFA, Reator Anaeróbico de Fluxo Ascendente, que utiliza as bactérias anaeróbicas.

O esgoto tratado é proveniente do Conjunto Residencial da USP, o Crusp.

O Biogás produzido é tratado e alimenta um motor para gerar energia, esse motor gerou energia pela primeira vez em 2005.

Já em Barueri, o projeto Energ-biog é muito semelhante, porém mais sofisticado, ele gera eletricidade de 30kW com microturbina, tendo como fonte o biogás convertido no processo do tratamento anaeróbico do lodo em biodigestor. Este processo somente é possível em Barueri, pois é lá que se situa a ETE, estação de tratamento de esgotos da Sabesp, a qual recebe um volume grande de esgoto. O projeto é pioneiro na América latina no uso de micro turbina a gás.

O processo é o mesmo do projeto Purefa: degradação da matéria orgânica e formação do biogás. Lá a energia gerada é utilizada na própria estação de tratamento.

A diferença está no fato do Energ-biog possuir um sistema de limpeza do biogás mais sofisticado que o Purefa, por causa das especificações da microturbina.

Protocolo de Quioto

O Protocolo de Quioto constitui-se de um tratado internacional com compromissos mais rígidos para a redução da emissão dos gases que provocam o efeito estufa, considerados, de acordo com a maioria das investigações científicas, como causa do aquecimento global.

Discutido e negociado em Quioto, no Japão, em 1997, foi aberto para assinaturas em 16 de março de 1998 e ratificado em 15 de março de 1999. Oficialmente entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005, depois que a Rússia o ratificou em Novembro de 2004.

Por ele se propõe um calendário pelo qual os países desenvolvidos têm a obrigação de reduzir a emissão de gases do efeito estufa em, pelo menos, 5,2% em relação aos níveis de 1990 no período entre 2008 e 2012, também chamado de primeiro período de compromisso.

Ações básicas do protocolo:

Reformar os setores de energia e transportes
Promover o uso de fontes energéticas renováveis
Eliminar mecanismos financeiros e de mercado inapropriados aos fins da Convenção
Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos
Proteger florestas e outros sumidouros de carbono.

Já em 2007 vemos que a partir dos comprometimentos com o Protocolo de Quioto, muitas tecnologias de geração de energia e substituição dos combustíveis fósseis por outros ecologicamente mais corretos foram desenvolvidas. O Protocolo é um passo para se revolucionar a matriz energética e a economia do planeta.

Se o Protocolo de Quioto obtiver sucesso, estima-se que deva reduzir a temperatura global entre 1,4ºC e 5,8ºC até 2100, entretanto, isto dependerá muito das negociações para o período após 2012, que é quando acaba o tempo de vigência do Protocolo, podendo ser renovado ou não.

O esquema de comércio de emissões da União Européia (EU ETS – European Union Emissions Trading Scheme) é a principal ferramenta para cumprir as metas do Protocolo de Quioto, onde cada país-membro desenvolve um plano nacional de alocações (NAP – National Allocation Plan) no qual determina uma certa quantidade de “permissões” de emissão de gases do efeito estufa para suas indústrias e usinas de energia.

O rascunho do Projeto de Lei de Mudanças Climáticas poderá transformar a Grã-Bretanha no primeiro país a ter metas legais de redução das emissões de dióxido de carbono. A legislação proposta determina uma redução de 60% nas emissões de CO2 do Reino Unido até 2050 – e de pelo menos 26% até 2020.

O fracasso desse plano poderia levar o governo a acertar contas com a justiça. Uma versão mais detalhada do projeto será publicada até o fim do ano. A proposta passará por consultas públicas e parlamentares antes de se tornar lei, provavelmente em 2008.

Exemplo de projetos no Brasil:

Holanda financia usina elétrica movida a biomassa, a partir da queima da casca de arroz no Rio Grande do Sul.
Projetos de aproveitamento do gás metano liberado pelos lixões, de Salvador, BA e de Nova Iguaçu, RJ.
Projeto Carbono Social, na Ilha do Bananal, TO, reúne as qualidades de seqüestro de carbono em sistemas agroflorestais, conservação e regeneração florestal com enfoque principal no desenvolvimento sustentável da comunidade.
Projeto Plantar, créditos provenientes da substituição de uso do carvão mineral para vegetal, melhoria dos fornos de carvão pela redução da emissão do metano e reflorestamento de 23.100 hectares com eucalipto, totalizando 3.5 milhões de ton. de C.

A cana de açúcar

Créditos de Carbono

Desde o cultivo da cana, do preparo do solo, do plantio, do crescimento, da queimada e do corte, ao longo de 12 meses, gera-se um balanço líquido de 220 toneladas de oxigênio por hectare, considerando inclusive a queimada da cana.

No Estado de São Paulo, o setor gera entre 1.200 e 1.500 megawatts para consumo próprio; 40 usinas produzem excedentes de 158 Mw. O potencial de geração de energia da agroindústria canavieira está em torno de 12.000 Mw – a potência total instalada no Brasil é de 70.000 Mw. Prevêse que esse número em 2007 já tenha aumentado em mais 4000 Mw.

A cada ano, os canaviais produzem 6,4 bilhões de litros de álcool anidro, um importante aditivo à gasolina e 5 bilhões de álcool hidratado, que ainda movimenta milhares de automóveis.

Este setor movimenta cerca de US$ 8,3 bilhões, 1,6% do Produto Interno Bruto Brasileiro.

Somente em São Paulo, movimenta US$ 4,9 bilhões. E o açúcar trouxe para o País, em 2001, cerca de US$ 2,27 bilhões, resultado de exportações. Além de gerar 6% dos empregos totais do país.

Arquitetura e Planejamento Urbano

Créditos de Carbono

Legenda:

1. ventilação direcionada com recuperação de ar quente
2. painel fotovoltaico para carga de carros elétricos
3. coletor de água da chuva
4. válvula de descarga
5. fossa séptica
6. tratamento de água cinza
7. armazenagem da água de chuva
8. dispositivos elétricos de baixa energia
9. eletricidade
10. bio-combustível
11. água quente

A aplicação desse sistema de geração de créditos na Arquitetura e no Planejamento Urbano, só será possível em uma escala maior, abrangendo o bairro ou a cidade, senão os números seriam insignificantes. Para isso seria necessária a união de várias medidas que compõem uma cidade mais sustentável, onde se verificaria um ganho desde a produção de matérias primas até o aproveitamento final dos resíduos.

Algumas dessas medidas são:

Sistema distrital de energia, utilizando painéis solares, energia eólica, biomassa e biogás, entre outras, associado ao consumo consciente dos recursos em geral.
Captação e reuso de águas de chuva e águas cinzas.
Redução, reuso e reciclagem do lixo, diminuindo assim o impacto ambiental proveniente da geração de resíduos em geral.
Tratamento de esgotos, direcionando-o para uma estação biodigestora.
Projetos de aterros sanitários com direcionamento do gás metano e tratamento do chorume.
Preservação e liberação de áreas naturais pelos efeitos e vantagens da compacidade urbana.
Proximidade, diversidade e uso misto, com socialização do espaço público.
Maior eficiência energética e menor poluição do sistema de transporte.
Microclimas urbanos mais favoráveis ao uso do espaço público e ao desempenho ambiental das construções
Edifícios “ambientalmente conscientes”.

Mecanismos de flexibilização

Mecanismos de flexibilização são arranjos regulamentados pelo Protocolo de Quioto que facilitam que as partes do Anexo I*² possam atingir suas metas de redução de emissões de GEE.

As alterações ao Protocolo de Quioto criaram três mecanismos de flexibilização:

Comércio Internacional de Emissões (CIE) – realizado entre países listados no Anexo I, de maneira que um país, que tenha diminuído suas emissões abaixo de sua meta, transfira o excesso de suas reduções para outro país que não tenha alcançado tal condição
Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) –
realizados em países que não têm metas de reduções de emissões de GEE ou de captura (ou sequestro) de carbono por parte dos países doAnexo I
Implementação Conjunta (IC) –
implantação de projetos de redução de emissões de GEEs entre países que apresentam metas a cumprir (Países do Anexo I).

Estes mecanismos se aplicam de forma diferente a cada país. Portugal, por exemplo, pode se utilizar de todos eles, por fazer parte do Anexo I, já o Brasil, como “não anexo I” pode utilizar apenas o MDL.

O primeiro projeto de MDL, aprovado pela ONU, no Mundo, foi o do aterro sanitário de Nova Iguaçu, no Estado do Rio de Janeiro, que utiliza tecnologias bem precisas de engenharia sanitária, tendo os créditos de carbono sido negociados diretamente com os Países Baixos.

Tipos de projetos:

Captura de gás em aterro sanitário
Tratamento de dejetos suínos e reaproveitamento de biogás
Troca de combustível
Geração de energia por fontes renováveis (biomassa, energia eólica, pequenas e médias hidroelétricas), energia solar
Compostagem de resíduos sólidos urbanos
Geração de metano a partir de resíduos orgânicas (biogasificação)
Pirólise de resíduos
Florestamento e reflorestamento em áreas degradadas

Créditos de Carbono
Total de Atividades do Projeto de MDL no Mundo

Notas:

1. Proteção de áreas de florestas ou desmatamento evitado ainda não são projetos MDL e portanto não podem requerer RCEs.
2.
Países do Anexo I: são os países que tem metas em relação ao Protocolo de Quioto, e que necessitam diminuir suas emissões, portanto, podem tornar-se compradores de créditos provenientes do MDL.
Países Anexo II:
países desenvolvidos que pagam os custos para países em desenvolvimento.

Leilão de Créditos

No primeiro leilão de créditos de carbono de titularidade de um órgão público, no Brasil, a Prefeitura de São Paulo vendeu um lote de 808.450 Créditos de Carbono, gerados a partir do controle do metano que deixou de ser lançado na atmosfera pelo Aterro Sanitário Bandeirantes. O Fortis Bank NV/AS, da Holanda, arrematou o lote pagando €16,20 por tonelada de carbono equivalente, um ágio de 27,5% sobre o preço mínimo, de €12,70, fixado pela Prefeitura.

De acordo com representantes das empresas EcoSecurities e Ecoinvest, a cotação média no mercado europeu na semana anterior variou entre €12,00 e €16,00 por crédito de carbono. Esse leilão rendeu €13,09 milhões, o equivalente a R$34 milhões à Prefeitura. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, anunciou que o valor arrecadado será integralmente aplicado na melhoria sócio-ambiental na região de Perus e Pirituba, na Zona Norte, vizinhas ao Aterro Sanitário Bandeirantes. Enquanto isso, a Biogás Energia Ambiental assinou um contrato com o banco alemão KFW de €10,00 por crédito. A Biogás e a Prefeitura têm, cada uma, metade dos créditos gerados a partir da queima do metano.

Aterro Sanitário

O Aterro Bandeirantes iniciou-se em 1979, recebendo um volume diário de seis mil toneladas de resíduos domiciliares e inertes durante 28 anos até março de 2007, quando foi finalizada sua operação. No momento a Loga faz apenas a manutenção do aterro, pois o cuidado deverá ser eterno. Com 140 hectares e 105 metros de altura, chega a ter 38 milhões de toneladas de lixo que formam, entre outros resíduos, o gás metano que é 21 vezes mais poluente que o CO2, cuja queima transformando-o em CO2 é uma forma de gerar créditos de carbono.

A Biogás Energia Ambiental é a concessionária contratada pela prefeitura para fazer a captação desse gás e a canalização para geração de energia elétrica. A concessionária e o banco alemão KFW assinaram um contrato de €10,00 por crédito, enquanto a Prefeitura, detentora de metade dos créditos gerados, leiloou sua parte por €16,20. O banco deverá revender esses créditos a seus clientes situados em países desenvolvidos, que precisam cumprir metas de redução de crédito de carbono, conforme previsão do Protocolo de Quioto.

Pós-Quioto: Conferência de Bali

A menos de um mês dos primeiros prazos estabelecidos no Protocolo de Quioto para a redução das emissões GEE em 36 países desenvolvidos, 16 deles ainda estão acima de suas metas e terão de comprar créditos de carbono para cumpri-las.

Entre 3 e 14 de dezembro, mais de 10 mil delegados de cerca de 190 nações, estarão reunidos na ilha indonésia de Bali para a 13º reunião anual do grupo da ONU chamado de Convenção das Partes (COP, na sigla em inglês), para iniciar um período de dois anos de negociações que levem a um tratado que suceda ao Protocolo de Quioto à partir de 2013.

As metas de Quioto, a serem cumpridas pelos países desenvolvidos entre 2008-2012, são consideradas modestas demais num prazo mais longo. O acordo visa a reduzir as emissões nos países industrializados em 5,2%, enquanto seria preciso uma redução de 60% das emissões.

As perspectivas de se chegar a um pacto global foram reforçadas pela decisão tomada pelo presidente norte-americano, George W. Bush, de que os EUA participarão em 2012. As Nações Unidas querem que um novo pacto seja acordado em conferência da ONU a ser realizada em 2009 em Copenhague – quando Bush já terá deixado a Casa Branca. É provável que muitos países queiram esperar para ver qual será a linha seguida pelo próximo presidente dos EUA. Os americanos estão isolados nessa posição, e o único outro país desenvolvido a se recusar a assinar o acordo, a Austrália, aceitou entrar no acordo no dia 3 de dezembro deste ano. Hoje 174 países são signatários do acordo.

A União Européia propôs limitar o esquema de créditos de carbono a 10% do total a ser cortado para que o bloco atinja a meta de reduzir 20% das suas emissões até 2020.

Há pelo menos oito tentativas de criação de mecanismos em discussão na conferência. Uma delas é a proposta brasileira que sugere o financiamento voluntário dos países ricos para as nações em desenvolvimento que comprovarem a redução do desmatamento. Há também um grupo de países que defende a compensação de emissões pelo mercado de carbono, além da proposta da organização não governamental (ONG) Greenpeace, que sugere a adoção de um mecanismo híbrido para compensar financeiramente a conservação das florestas tropicais. Diferentemente da proposta do Brasil, a do Greenpeace é baseada em soluções de mercado, e funcionaria como o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL).

Através desse trabalho foi possível constatar que esse sistema de compra e venda de créditos de carbono tem vantagens econômicas, gerando renda aos países que conseguem diminuir além de sua cota o lançamento dos GEE e que podem assim vender Créditos de Carbono; e vantagens ambientais, pois diminuindo os lançamentos do GEE na atmosfera, diminui-se o ritmo acelerado do Efeito Estufa como está acontecendo hoje, e assim as mudanças climáticas, como o aquecimento global, o mais comentado atualmente.

Suellen Maia

Suzana Bozza

Fonte: www.usp.br

Créditos de Carbono

O secretariado da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima formalizou, em agosto, o contrato que será utilizado como base para a implementação da infra-estrutura eletrônica necessária para gerenciar o comércio de emissões sob o Protocolo de Quioto, sistema este conhecido como ITL, do inglês International Transaction Log.

As principais funções do ITL são realizar a comunicação entre os envolvidos no comércio de emissões e assegurar que as negociações ocorram de acordo com a política e as regras técnicas estabelecidas no Protocolo. Tendo em vista que o comércio das emissões deve ser rastreado e devidamente registrado, o ITL será conectado aos registros de comércio de emissão de todos os países industrializados que assinaram o Protocolo, devendo entrar em operação em abril de 2007 e permanecendo em atividade, pelo menos, até 2015.

O Protocolo de Quioto, adotado em 1997 e em vigor desde fevereiro de 2005, determinou que os países industrializados que o ratificassem deveriam reduzir, entre 2008 e 2012, a emissão global de gases de efeito estufa (GEE) em pelo menos 5% comparativamente aos níveis de 1990. Essa determinação foi resultado das conclusões atingidas na Convenção-Quadro, que reconheceu que os maiores responsáveis pelas emissões de GEE são os Países Desenvolvidos.

Por esse motivo, os Países signatários foram divididos em dois grandes grupos: Partes do Anexo I (Países Desenvolvidos) e Partes não incluídas no Anexo I (demais Países, incluindo o Brasil).

A grande inovação trazida pelo Protocolo foi a criação dos chamados Mecanismos de Flexibilização. Dentre eles, o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) permite que uma Parte do Anexo I adquira, de Partes não pertencentes ao Anexo I, Créditos de Carbono, de modo a atingirem suas metas de redução de GEE. No entanto, não é permitido que um País cumpra suas metas de redução apenas por meio desses mecanismos, tendo em vista que estes devem ser subsidiários às medidas adotadas para as reduções internas de cada País.

O objetivo central do ITL será monitorar a validade das transações conduzidas pelos registros dos Mecanismos de Flexibilização definidos no Protocolo de Quioto, que tratam, além do MDL, da Implementação Conjunta (transferência e aquisição de redução de emissões entre Partes do Anexo I) e do comércio de emissões.

De acordo com o Protocolo, o registro nesse sistema eletrônico é necessário para finalizar a negociação dos Créditos de Carbono.

As condições para o registro impostas pelo ITL são analisadas no estágio inicial de seu cadastro. As negociações a serem validadas devem conter todas as informações relevantes da comercialização, como, por exemplo, qual o Mecanismo de Flexibilização está sendo negociado e sua respectiva unidade de Crédito de Carbono, quantidade de unidades e seus números de série.

Se uma das condições apresentadas pelo ITL não for cumprida, a análise das subseqüentes não será levada adiante, sendo automaticamente emitida uma mensagem negativa pelo sistema. Esta mensagem levará consigo um código indicativo de qual condição não foi cumprida e qual foi o problema impeditivo do registro. Dessa forma, o ITL será capaz de utilizar essa informação para sanar a irregularidade e reenviar a mensagem.

A assinatura do contrato para implementar o ITL é de grande relevância, considerando que afasta parte das preocupações existentes no momento quanto ao funcionamento desse registro, aumentando a confiança no Mercado de Carbono.

Uma amostra do aquecimento desse novo Mercado pode ser verificada com o sucesso do Esquema de Comércio de Emissões da União Européia, criado em 2003. Ele promove, desde 1º de janeiro de 2005, o combate ao efeito estufa em condições economicamente eficientes, por meio de um regime de comércio de licenças de emissão de GEE entre os Países membros.

O Esquema é de extrema relevância para Países em Desenvolvimento como o Brasil. A Diretiva de Ligação, resultado de uma proposta do Parlamento e do Conselho Europeu, permitiu que as Reduções Certificadas de Emissão do MDL fossem convertidas em licenças de emissão comunitárias.

Quando o ITL estiver em pleno funcionamento, ele estará conectado ao registro europeu, que armazena dados de negociações de licenças de emissão de mais de 10 mil instalações dos setores de energia, produção e transformação de metais ferrosos, papel e celulose e indústria mineral.

O desenvolvimento do ITL e sua operação no dia a dia das negociações de instrumentos de redução de emissão de GEE certamente proporcionarão mais segurança e credibilidade à comercialização no Mercado de Carbono mundial, atraindo um maior número de investidores. Segundo dados da Associação Internacional do Comércio de Emissões, esse Mercado movimentou em 2005 mais de US$ 10 bilhões e a previsão para o ano de 2006 é de que essa cifra chegue a triplicar, já que só no primeiro trimestre US$ 7,5 bilhões já foram investidos.

Roberta Danelon Leonhardt

Priscila Andréa Rocco Ignácio

Fonte: www.fbb.org.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Dragagem

Dragagem

Draga é um navio usado para escavar material, sob o nível da água, e aumentando o material extraído da superfície.

Fitorremediação

Fitorremediação

PUBLICIDADE O fitorremediação é a descontaminação de solo, o tratamento de águas residuais ou de …

Buraco na Camada de Ozônio

Buraco na Camada de Ozônio

PUBLICIDADE Os furos na camada de ozono, são causados pelo aumento das concentrações de produtos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+