Breaking News
Home / Meio Ambiente / Créditos de Carbono

Créditos de Carbono

PUBLICIDADE

Definição

Um “crédito de carbono” é basicamente um certificado negociável.

Mais especificamente, é uma licença que dá ao titular o direito de emitir, durante um certo período, dióxido de carbono ou outros gases de efeito estufa (por exemplo, metano, óxido nitroso ou hidrofluorocarbonetos).

O crédito de carbono limita a emissão a uma tonelada de dióxido de carbono ou à massa de outro gás de efeito estufa com um equivalente de dióxido de carbono (tCO2e) correspondente a uma tonelada de dióxido de carbono.

Em outras palavras, 1 crédito de carbono corresponde a 1 tonelada métrica de dióxido de carbono impedida de entrar na atmosfera.

O que são créditos de carbono?

Os créditos de carbono são um produto do movimento em direção a uma maior consciência ambiental e controle da poluição.

A premissa básica por trás do crédito de carbono afirma que as indústrias que criam uma certa quantidade de poluição na forma de emissões de dióxido de carbono (CO2) devem combater essa poluição fazendo coisas ambientalmente saudáveis, como plantar árvores. Se as empresas não puderem executar essas tarefas ambientalmente amigáveis usando seus próprios funcionários e recursos, elas podem comprar créditos de carbono que permitem que a empresa produza uma tonelada métrica de CO2 para cada crédito de carbono adquirido.

Em um esforço para controlar o aquecimento global e a poluição causada por gases de efeito estufa, os créditos de carbono se tornaram um padrão internacional de operação para a indústria. Toda empresa e indivíduo cria uma certa quantidade de poluição de CO2.

Essa poluição industrial é chamada de pegada de carbono.

Os governos de muitos países impuseram limites estritos à emissão de CO2 e desenvolveram um programa no qual países individuais emitem um número definido de créditos de carbono para indústrias, como parte do Protocolo de Kyoto. As empresas que produzem grandes quantidades de CO2 frequentemente compram créditos de carbono de empresas mais eficientes que não usarão todos os seus créditos de carbono alocados. Além de comprar créditos de carbono de outras empresas, algumas empresas também negociam créditos de carbono em troca de produtos ou serviços. Esse mercado global costuma ser chamado de cap-and-trade ou comércio de emissões.

Nos países em que a aplicação estrita dos padrões de emissão de carbono ainda não está em vigor, a regulamentação do carbono e de outros gases de efeito estufa é realizada voluntariamente.

Desde o início de 2011, os Estados Unidos não haviam assinado o Protocolo de Kyoto.

Apesar disso, muitas empresas nos EUA participam voluntariamente de programas projetados para reduzir as emissões de carbono.

Essa participação voluntária provou ser uma decisão sábia, pois os consumidores demonstraram aprovação dessa medida.

Com a conscientização mundial do aquecimento global e dos gases de efeito estufa, muitas pessoas começaram a dar uma olhada em suas próprias vidas diárias e em como suas pegadas de carbono pessoais afetam o meio ambiente também.

Todo indivíduo produz uma certa quantidade de poluição como subproduto de suas atividades e compras. Embora os indivíduos ainda não sejam obrigados a comprar créditos de carbono, as compensações de carbono estão se tornando populares entre aqueles em círculos voltados para o meio ambiente.

Uma indústria inteira foi criada para pessoas ambientalmente conscientes comprarem produtos e serviços que compensam sua produção pessoal de carbono.

Créditos de Carbono – Certificados

Créditos de Carbono são certificados que autorizam o direito de poluir. O princípio é simples.

As agências de proteção ambiental reguladoras emitem certificados autorizando emissões de toneladas de dióxido de enxofre, monóxido de carbono e outros gases poluentes. Inicialmente, selecionam-se indústrias que mais poluem no País e a partir daí são estabelecidas metas para a redução de suas emissões.

A empresas recebem bônus negociáveis na proporção de suas responsabilidades. Cada bônus, cotado em dólares, equivale a uma tonelada de poluentes.

Quem não cumpre as metas de redução progressiva estabelecidas por lei, tem que comprar certificados das empresas mais bem sucedidas.

O sistema tem a vantagem de permitir que cada empresa estabeleça seu próprio ritmo de adequação às leis ambientais.

Estes certificados podem ser comercializados por intermédio das Bolsas de Valores e de Mercadorias, como o exemplo do Clean Air de 1970, e os contratos na bolsa estadunidense (Emission Trading – Joint Implementation).

Há várias empresas especializadas no desenvolvimento de projetos que reduzem o nível de gás carbônico na atmosfera e na negociação de certificados de emissão do gás, espalhadas pelo mundo, preparando-se para vender cotas dos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, que em geral emitem menos poluentes, para os que poluem mais.

Enfim, preparam-se para negociar contratos de compra e venda de certificados que conferem aos países desenvolvidos o direito de poluir.

Créditos de Carbono – Quantidade

Os créditos de carbono são uma espécie de moeda que se pode obter em negociações internacionais por países que ainda desconsideram o efeito estufa e o aquecimento global.

Esses são adquiridos por países que tem um índice de emissão de CO2 reduzidos, através desses fecham negociações com países poluidores.

A quantidade de créditos de carbono recebida varia de acordo com a quantidade de emissão de carbono reduzida. Para cada tonelada reduzida de carbono o país recebe um crédito, o que também vale para a redução do metano, só que neste caso o país recebe cerca de vinte e um créditos.

Os países que mais negociam créditos de carbono são os países da Europa e Japão que por liberarem pouco carbono acumulam grande quantidade de créditos aumentando assim a renda do país, pois aliviam os países que desconsideram o Protocolo de Kyoto, estabelecido em 1997, e o aquecimento global, que compram créditos como ocorre com os Estados Unidos e com a Austrália, esses relacionam o acordo à diminuição do desenvolvimento econômico.

Existem pessoas que discutem sobre este sistema de créditos de carbono, pois julgam que este favorece o mercado e não propriamente o meio ambiente como propõe.

Também julgam que tal crédito dá aos países poluidores o direito de continuarem poluindo se pagarem pelos créditos que a priori possui cota de compra limitada. Por outro lado, o sistema de crédito de carbono dá aos países menos poluidores o incentivo para que continuem o processo de valorizar o meio ambiente e em troca melhorar sua economia já que este sistema é altamente rentável aos países que o adere.

GEE e os créditos de carbono

Uma tonelada de CO2 equivalente corresponde a um crédito de carbono.

O CO2 equivalente é o resultado da multiplicação das toneladas emitidas do GEE pelo seu potencial de aquecimento global. O potencial de aquecimento global do CO2 foi estipulado como 1.

O potencial de aquecimento global do gás metano é 21 vezes maior do que o potencial do CO2, portanto o CO2 equivalente do metano é igual a 21. Portanto, uma tonelada de metano reduzida corresponde a 21 créditos de carbono.

Potencial de aquecimento global dos GEE:

CO2 – Dióxido de Carbono = 1
CH Metano = 21
N2– Óxido nitroso = 310
HFCs – Hidrofluorcarbonetos = 140 ~ 11700
PFCs – Perfluorcarbonetos = 6500 ~ 9200
SF– Hexafluoreto de enxofre = 23900

O que é negociação de crédito de carbono?

O comércio de crédito de carbono oferece uma maneira de as empresas reduzirem sua produção geral de dióxido de carbono, a fim de cumprir as leis e regulamentos de poluição.

Em um esquema típico de comércio de emissões de carbono, as empresas compram ou vendem créditos de carbono. Uma tonelada de carbono é geralmente equivalente a um crédito de carbono. Coletivamente, as empresas comerciais devem aderir a um limite total de emissões de carbono total. O comércio de crédito de carbono também é conhecido como transação de cap and trade, comércio de emissões de carbono, comércio de emissões de CO2 ou simplesmente comércio de emissões.

O comércio de emissões de crédito de carbono ocorre nacional e internacionalmente, e os limites e regras de comércio que se aplicam a cada comércio de emissões variam de país para país.

Alguns países promovem o comércio voluntário de emissões oferecendo créditos tributários ou outros incentivos às empresas que participam dos esquemas.

Outros países tornam obrigatório o comércio de créditos de carbono. Por exemplo, vários países assinaram um acordo internacional de comércio de emissões, conhecido como Protocolo de Kyoto, que torna obrigatório o comércio de créditos de carbono.

Sob o Protocolo de Kyoto, cada país participante deve aderir a certos limites para as emissões de gases de efeito estufa.

Também existem outros esquemas internacionais de crédito de carbono. Um esquema europeu de comércio de emissões, conhecido como Sistema de Comércio de Emissões da União Européia (EU ETS), é um dos maiores esquemas globais de comércio de créditos de carbono. De acordo com o RCLE-UE (Regime Comunitário de Licenças de Emissão da União Europeia), as empresas que emitem grandes quantidades de dióxido de carbono devem supervisionar e reportar seus níveis de emissão. Além disso, a cada ano essas empresas devem conceder ao governo uma quantidade de permissões de emissão equivalente à sua produção total de emissões de carbono.

Seja obrigatório ou voluntário, a maioria dos esquemas de comércio de créditos de carbono funciona de maneira semelhante. Normalmente, as empresas recebem um limite de emissões de carbono por uma agência governamental ou uma autoridade internacional. Se a produção de carbono de uma empresa exceder seu limite total, ela poderá vender o excesso a uma empresa que não atingiu seu limite de crédito de carbono. Em essência, as empresas que emitem muito dióxido de carbono devem pagar pela poluição do meio ambiente, enquanto as empresas que poluem menos são recompensadas financeiramente. A política por trás desse sistema é exigir que as empresas com capacidade de reduzir suas emissões o façam.

O comércio de carbono é um dos maiores mercados financeiros direcionados à redução das emissões de gases de efeito estufa.

Outros tipos de poluentes que podem ser negociados no mercado de emissões incluem chuva ácida, metano, óxido nitroso e hidrofluorcarbonetos. O objetivo desses mercados de comércio de emissões é, em última análise, ajudar a reduzir o crescimento das emissões, ajudando as empresas a cumprir as leis de poluição.

O que é Carbon Trading?

O comércio de carbono é uma prática projetada para reduzir as emissões gerais de dióxido de carbono, juntamente com outros gases de efeito estufa, fornecendo um incentivo regulatório e econômico.

De fato, o termo “comércio de carbono” é um pouco enganador, pois várias emissões de efeito estufa podem ser reguladas sob o que é conhecido como sistemas de cap and trade. Por esse motivo, algumas pessoas preferem o termo “comércio de emissões”, para enfatizar o fato de que muito mais do que apenas carbono está sendo negociado.

Essa prática faz parte de um sistema que é coloquialmente chamado de “limite e comércio”. Sob um sistema de limite e comércio, um governo estabelece uma meta nacional para as emissões totais de gases de efeito estufa por um período determinado, como um quarto ou um ano, e depois aloca “créditos” para as empresas que lhes permitem emitir uma certa quantidade de gases de efeito estufa. Se uma empresa não puder usar todos os seus créditos, poderá vender ou negociar esses créditos com uma empresa que tem medo de exceder sua provisão.

O comércio de carbono fornece um incentivo muito óbvio para as empresas melhorarem sua eficiência e reduzirem suas emissões de gases de efeito estufa, transformando essas reduções em um benefício físico em dinheiro. Além disso, é um desincentivo por ser ineficiente, pois as empresas são efetivamente penalizadas por não cumprirem as metas de emissões.

Dessa maneira, a regulamentação é realizada em grande parte por meios econômicos, e não por medidas draconianas do governo, incentivando as pessoas a se envolverem no comércio de carbono porque é potencialmente lucrativo.

Como regra geral, o comércio de carbono é combinado com uma tentativa geral de reduzir as emissões de carbono em um país por um longo período de tempo, o que significa que a cada ano, o número de créditos disponíveis será reduzido. Ao incentivar as empresas a se tornarem mais eficientes com antecedência, o governo geralmente pode cumprir com mais facilidade as metas de redução de emissões, já que não se espera que as empresas mudem suas práticas da noite para o dia, e o sistema de comércio de carbono cria muito mais flexibilidade do que definir níveis gerais básicos.

Em alguns países, as bolsas de carbono se abriram, operando como as bolsas de valores. Essas organizações facilitam a troca de créditos de carbono, garantindo que fluam sem problemas pelo mercado e fornecem preços padrão para os créditos, com base na demanda do mercado e na saúde econômica geral. Em alguns casos, cidadãos individuais também podem participar do comércio de carbono, adquirindo créditos para compensar suas próprias emissões de gases de efeito estufa, e alguns defensores sugeriram que o comércio de carbono deveria ser formalmente expandido para todos os cidadãos, incentivando o envolvimento global e individual na redução de emissões de gases de efeito estufa.

Créditos de Carbono
Créditos de carbono são usados como incentivo para reduzir as emissões de carbono

Créditos de Carbono
Créditos de Carbono

Fonte: www.goldstandard.org/www.ibrafam.com/native.eco/corporatefinanceinstitute.com/therising.co/www.wisegeek.org/www.indiancarbon.org/www.tni.org/sustainabletravel.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Umidade Absoluta

PUBLICIDADE Definição A umidade absoluta refere-se à quantidade de água contida em uma parcela de ar e …

Ecologia Florestal

PUBLICIDADE Definição A ecologia florestal é a ciência de como os organismos reagem entre si e interagem …

Corrente de Ar

PUBLICIDADE A definição de correntes de ar e vento é o movimento do ar (às vezes com força considerável) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.