Breaking News
Home / Meio Ambiente / Crise Ambiental

Crise Ambiental

PUBLICIDADE

Crise Ambiental – Definição

Um termo que é usado para descrever a soma dos problemas ambientais que enfrentamos hoje.

Os principais problemas ambientais contemporâneos incluem: o efeito estufa e o aquecimento global, o buraco na camada de ozônio, a chuva ácida e o desmatamento de florestas tropicais.

Novas dimensões para a crise ambiental incluem ameaças emergentes e a natureza global, rápida construção e persistência dos problemas. Embora os problemas pareçam ser em grande parte físicos (ambientais), as causas e soluções estão muito mais nas atitudes, valores e expectativas das pessoas.

Vários fatores ajudaram a criar esses problemas, incluindo desenvolvimentos na tecnologia, que deram às pessoas uma maior capacidade de usar o meio ambiente e seus recursos naturais para seus próprios fins (particularmente desde a Revolução Industrial); o rápido aumento da população humana nos últimos séculos, que aumentou significativamente as densidades populacionais em muitos países e levou a um aumento significativo no uso humano dos recursos naturais; o surgimento de economias de livre mercado, nas quais os fatores econômicos desempenham um papel central na tomada de decisões sobre produção, consumo, uso de recursos e tratamento de resíduos; atitudes em relação ao meio ambiente, particularmente entre as culturas ocidentais, que o consideram disponível gratuitamente para as pessoas fazerem o que quiserem; e o horizonte de tempo de curto prazo sobre o qual muitas pessoas, empresas e países tomam decisões, o que significa que a maximização do lucro a curto prazo geralmente tem sido levada mais a sério do que o uso sustentável do meio ambiente a longo prazo.

Crise Ambiental – Planeta

Segundo Miller (1985), nosso planeta pode ser comparado a uma astronave, deslocando-se a uma velocidade de cem mil quilômetros por hora pelo espaço sideral, sem possibilidade de parada para reabastecimento, mas dispondo de um eficiente sistema de aproveitamento de energia solar e de reciclagem de matéria.

Existem atualmente, na astronave, ar, água e alimentos suficientes para manter seus passageiros. Com o progressivo aumento de passageiros, em forma exponencial, e a ausência de portos para reabastecimento, pode-se vislumbrar, a médio e longo prazos, problemas sérios para a manutenção de sua população.

A utilização dos recursos naturais de forma predatória e a conseqüente geração de resíduos pela população alteram a qualidade do meio ambiente no interior da astronave. Assim, o nível da qualidade de vida no planeta depende do equilíbrio entre a população, os recursos naturais disponíveis e os resíduos gerados pela população.

A população mundial cresceu de 2,5 bilhões em 1950 para 6 bilhões no ano 2000 (ONU, 1998) e, atualmente a taxa de crescimento está em aproximadamente 1,3 por cento ao ano.

De acordo com a analogia da astronave, isso significa que atualmente ela transporta 6 bilhões de passageiros e, a cada ano, embarcam outros 78 milhões de passageiros. Esses passageiros são divididos em 230 nações nos cinco continentes, poucas das quais pertencem aos chamados países desenvolvidos, com 20 por cento da população total, e as demais são os chamados países em desenvolvimento ou países subdesenvolvidos, com os restantes 80 por cento da população.

Devido às altas taxas de crescimento populacional que hoje somente ocorrem nos países menos desenvolvidos, essa situação de desequilíbrio tende a se agravar ainda mais.

Após a revolução industrial, com o desenvolvimento tecnológico, a população mundial cresceu vertiginosamente e nos dias atuais a taxa mundial bruta de natalidade é de 365.682 habitantes por dia, enquanto a taxa bruta de mortalidade é de 149.597 habitantes por dia. Portanto a taxa bruta de natalidade é 2,4 vezes maior que a taxa bruta de mortalidade. A diferença entre as duas taxas significa 215 mil novos passageiros por dia, 1,5 milhão por semana ou 78 milhões por ano.

Dentro dessa perspectiva de crescimento, cabe questionar até quando os recursos naturais serão suficientes para sustentar os passageiros da astronave Terra.

Existem vários autores, como Lappe e Collins (1977), que contestam a tese de insuficiência de recursos naturais e responsabilizam a má-distribuição da renda e a má-orientação da produção agrícola pela fome no mundo atualmente.

A crise ambiental

Uma crise sem precedentes

Crise Ambiental

Uma das razões mais convincentes para estudar ciência e gestão ambiental é o fato de que, na opinião de muitas autoridades, estamos passando por uma crise ambiental; de fato, muitos autores afirmaram que a atual crise ambiental é sem precedentes em sua magnitude, ritmo e gravidade

A consciência desta crise ambiental tem crescido desde a década de 1970, em parte como resultado da proeminência dada aos grandes desastres chamados “ambientais”, como as secas do Sahel nos anos 1970 e 1980 e o acidente nuclear de Chernobyl em 1986.

Uma avaliação importante do meio ambiente global publicado em 1999, o relatório UNEP Global Environment Outlook (Perspectivas do Ambiente Global) 2000 (UNEP 1999), chamou a atenção para dois temas críticos e recorrentes:

O fato de que o ecossistema humano global está ameaçado por graves desequilíbrios na produtividade e na distribuição de bens e serviços – como evidenciado pelo fato de que uma grande proporção da população humana vive na pobreza, e que existe uma lacuna cada vez maior entre aqueles que se beneficiam do desenvolvimento econômico e tecnológico e aqueles que não

O fato de que mudanças aceleradas estão ocorrendo em escala global, com taxas de desenvolvimento econômico e social superando o progresso em alcançar uma gestão ambiental internacionalmente coordenada – com o resultado de que as melhorias na proteção ambiental devido às novas tecnologias estão sendo ‘canceladas’ pelo magnitude e ritmo do crescimento da população humana e do desenvolvimento econômico

Consequentemente, surgiu uma ampla gama de problemas ambientais; esses problemas incluem as alterações climáticas antropogénicas («aquecimento global»), o esgotamento do ozono estratosférico (o buraco do ozônio), a acidificação das águas superficiais («chuva ácida»), a destruição das florestas tropicais, o esgotamento e extinção de espécies, e o declínio vertiginoso da biodiversidade. No entanto, embora todos esses problemas tenham manifestações físicas (ambientais), suas causas – e suas soluções potenciais – estão invariavelmente ligadas a atitudes, crenças, valores, necessidades, desejos, expectativas e comportamentos humanos. Assim, os sintomas da crise ambiental não podem ser considerados puramente como problemas físicos que exigem soluções por parte de “especialistas” ambientais; em vez disso, são problemas intrinsecamente humanos e estão intimamente relacionados com a questão do que significa ser humano.

Principais características da crise ambiental

Crise Ambiental

Neste ponto, uma breve visão geral da crise ambiental pode ser útil. É importante enfatizar que existe uma ampla gama de visões sobre a natureza e gravidade da atual crise ambiental, e algumas das questões são altamente controversas.

No entanto, há um amplo consenso de que a crise ambiental abrange as seguintes questões principais:

Mudanças climáticas: as mudanças climáticas antropogênicas devido à poluição da atmosfera por gases de efeito estufa (e outros contaminantes) são agora consideradas como uma das principais questões ambientais globais. Ela ocorre em grande parte como resultado da queima de combustíveis fósseis, emissões da agricultura e pastorícia e mudanças no uso da terra que acompanham a destruição, desmatamento e queima de florestas. A mudança climática já tem efeitos ecológicos e sociais observáveis, e seus impactos projetados podem resultar em mudanças profundas na temperatura média global da superfície, nível do mar, circulação oceânica, padrões de precipitação, zonas climáticas, distribuição de espécies e função do ecossistema.

Destruição do ozônio estratosférico: o esgotamento do ozônio estratosférico devido à poluição da atmosfera por halocarbonos (como clorofluorcarbonos ou CFCs) é outro grave problema ambiental. É uma preocupação significativa porque a falta de ozônio protetor em grandes altitudes resulta no aumento dos níveis de radiação solar ultravioleta (UV-B) prejudicial que atinge a superfície da Terra, causando uma série de impactos ecológicos e relacionados à saúde.

Qualidade do ar degradada: outras formas de poluição do ar também são significativas, principalmente em escalas regionais e locais, pois podem degradar seriamente a qualidade do ar; em todo o mundo, aproximadamente um bilhão de pessoas habitam áreas – principalmente cidades industriais – onde ocorrem níveis insalubres de poluição do ar. Muitos poluentes atmosféricos são responsáveis pela degradação da qualidade do ar, mas alguns poluentes-chave incluem material particulado (como fuligem), ozônio troposférico, óxidos de nitrogênio, óxidos de enxofre, chumbo e vários compostos aromáticos (como benzeno). Muitos poluentes do ar podem causar ou agravar doenças respiratórias e cardiovasculares; alguns são cancerígenos conhecidos; e alguns podem causar danos à vegetação e, por sua vez, produzir uma série de efeitos ecológicos.

Qualidade da água degradada: da mesma forma, a qualidade da água pode ser seriamente degradada pela contaminação com poluentes, dando origem a uma série de efeitos ecológicos e relacionados à saúde (como a degradação dos recifes de coral). Uma das principais fontes de poluição da água é o escoamento terrestre para águas costeiras que ocorre em muitos locais costeiros; esse escoamento pode conter níveis significativamente elevados de nitrogênio e fósforo de terras agrícolas e de assentamentos humanos. Muitas outras atividades humanas levam à poluição da água, incluindo mineração e processos industriais, que podem criar efluentes tóxicos. Derramamentos de petróleo, acúmulo de plásticos e bioacumulação de produtos químicos orgânicos persistentes são algumas das outras causas da grave degradação do ambiente marinho.

Escassez de água doce: além da poluição das fontes de água doce, há uma variedade de outras razões para a escassez de água doce para consumo em muitas partes do mundo – muitas das quais estão relacionadas a más práticas de gestão de recursos hídricos. Por exemplo, a captação excessiva de água dos rios resulta em escassez de água e problemas de salinização a jusante. As práticas de irrigação também podem ser responsáveis pelo esgotamento das fontes de água locais e pela salinização das terras irrigadas. Existem grandes diferenças na segurança hídrica em escala global, refletindo tanto a demanda por água doce quanto a escala do investimento público e privado no abastecimento, tratamento e distribuição de água.

Contaminação do solo: a contaminação do solo ocorre como resultado da poluição química ou radioativa, especialmente por espécies químicas de vida longa (persistentes) que penetram no solo. A contaminação da terra pode causar profundos efeitos ecológicos e apresenta graves restrições ao desenvolvimento, uma vez que a terra contaminada normalmente deve ser reabilitada antes de ser segura para uso na agricultura, construção ou recreação.

Desmatamento: estima-se que cerca de metade das florestas maduras do mundo foram desmatadas por humanos. O desmatamento ocorre por várias razões, mas a maioria do desmatamento agora ocorre quando as florestas tropicais são desmatadas para agricultura e pastoreio; outras razões incluem a destruição de árvores para a produção de carvão e o corte seletivo de florestas para madeira. Enquanto as florestas tropicais cobrem apenas cerca de 6% da superfície da Terra, são uma parte essencial do ecossistema global e da biosfera: ajudam a regular o clima; protegem os solos da erosão; e fornecem habitats para um grande número de espécies de plantas e animais. Uma estimativa sugere que cerca de 90% das espécies do mundo são encontradas em florestas tropicais.

Erosão e degradação do solo: as preocupações com a erosão do solo, a degradação do solo e o problema da desertificação tornaram-se agudas. Em parte, essas preocupações são baseadas nas experiências históricas de erosão dramática do solo e transporte em países do Novo Mundo, incluindo os EUA (durante o ‘Dust Bowl’ da década de 1930) e a Austrália. Embora as análises dos problemas de erosão e degradação do solo tenham se tornado mais sofisticadas, recentemente, fica claro que esses problemas continuam a ter consequências importantes para a produtividade agrícola e pastoril, bem como para o funcionamento dos ecossistemas naturais.

Mudança no uso da terra e perda de habitat: essas questões se sobrepõem a outras, como o desmatamento, mas são mais amplas e incluem o desmatamento para agricultura e pastorícia, a transformação da terra durante o crescimento urbano, o desenvolvimento de novas infraestruturas (como estradas), a drenagem de zonas úmidas e a destruição e remoção de manguezais costeiros.

Perda de biodiversidade: muitas espécies vegetais e animais estão ameaçadas de extinção, devido à disseminação de doenças, destruição e degradação de seus habitats e exploração direta. Em 1999, o PNUMA (1999) estimou que um quarto das espécies de mamíferos do mundo e cerca de um décimo das espécies de aves do mundo enfrentavam um risco significativo de extinção total. As ameaças à biodiversidade não se limitam aos ecossistemas terrestres; sérias preocupações foram levantadas sobre o futuro das espécies marinhas e costeiras como resultado da poluição, sobre-exploração e acidificação dos oceanos e mares.

Fonte: www.geocities.com/www.soas.ac.uk/www.oxfordreference.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Desequilíbrio ambiental

PUBLICIDADE Desequilíbrio ambiental – O que é O desequilíbrio ambiental é uma das questões ambientais que mais …

Competição Ecológica

PUBLICIDADE Competição Ecológica – O que é A competição ecológica é a luta entre dois organismos pelos …

Comensalismo

PUBLICIDADE O comensalismo pode implicar a palavra comunidade, e isso é verdade, porque o comensalismo apresenta duas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.