Breaking News
Home / Meio Ambiente / Lixo Doméstico

Lixo Doméstico

PUBLICIDADE

Resíduos Domésticos ou Resíduos Residenciais, são materiais descartáveis gerados pelas residências. Esses resíduos podem ser compostos por resíduos não perigosos e resíduos perigosos.

Os resíduos não perigosos podem incluir restos de comida, papel, garrafas, etc., que podem ser reciclados ou compostados. Exemplos de resíduos perigosos incluem baterias e produtos de limpeza domésticos.

É importante que os resíduos perigosos sejam manuseados de maneira segura para garantir que sejam descartados adequadamente para que não causem danos.

Lixo Doméstico – O que é

Lixo Doméstico é aquele originado na vida diária das residências, constituído por restos de alimentos, produtos deteriorados, jornais e revistas, garrafas e embalagens, papel higiênico e fralda descartáveis e ainda uma infinidade de itens domésticos.

Lixo doméstico é qualquer resíduo que é produzido no ambiente doméstico.

Os resíduos domésticos mais destacados deste segmento são: restos de alimentos, papel higiênico, carbono, plastificados; fraldas descartáveis, absorventes femininos, tubos de creme dental, barbear, hidratantes, óleos bronzeadores; grande parte das embalagens longa vida; galhos, folhas e sementes.

Este tipo de lixo normalmente não recebe nenhum tipo de tratamento específico. Vai para grandes depósitos – os lixões – onde será deixado para a decomposição, servirá de alimentação para ratos e urubus durante cerca de 60 dias.

Após esse período será aterrado onde as reações envolvidas na fermentação irão gerar principalmente gás metano e o chorume (líquido preto composto por produtos da decomposição do lixo).

Uma pequena parte do lixo orgânico é preparado para a produção de fertilizantes naturais. Através de aterros, o lixo é deixado para decompor sob condições controladas, produzindo húmus.

lixo doméstico é comumente referido como lixo. À medida que a população do mundo se expande, o mesmo acontece com a quantidade de resíduos produzidos. Geralmente, quanto mais automatizadas e industrializadas as sociedades humanas se tornam, mais resíduos elas produzem. Por exemplo, a revolução industrial introduziu novos produtos manufaturados e novos processos de manufatura que se somaram aos resíduos sólidos domésticos e aos resíduos industriais.

O consumismo moderno e o excesso de embalagens de muitos produtos também contribuem significativamente para o aumento da quantidade de resíduos sólidos.

Grande parte do lixo que os americanos produzem (cerca de 40%) é papel e produtos de papel. O papel é responsável por mais de 71 milhões de toneladas de lixo.

Os resíduos de quintal são o próximo resíduo mais comum, contribuindo com mais de 31 milhões de toneladas de resíduos sólidos. Os metais representam mais de 8% de todo o lixo doméstico, e os plásticos estão logo atrás com outros 8% ou 14 milhões de toneladas. O lixo americano também contém cerca de 7% de vidro e quase 20 milhões de toneladas de outros materiais como borracha, têxteis, couro, madeira e resíduos inorgânicos. Grande parte dos resíduos vem de materiais de embalagem. Outros tipos de resíduos produzidos pelos consumidores são bens duráveis, como pneus, eletrodomésticos e móveis, enquanto outros resíduos sólidos domésticos são compostos por bens não duráveis, como papel, produtos descartáveis e roupas. Muitos desses itens podem ser reciclados e reutilizados, de modo que também podem ser considerados um recurso não utilizado.

Lixo Doméstico

Em tempos menos industrializados e ainda hoje em muitos países em desenvolvimento, residências e indústrias descartavam materiais indesejados em corpos d’água ou em lixões. No entanto, essa prática cria efeitos indesejáveis, como riscos à saúde e odores desagradáveis. Os lixões a céu aberto servem como criadouros para organismos portadores de doenças, como ratos e insetos.

À medida que o primeiro mundo se tornou mais alerta para os riscos ambientais, os métodos de disposição de resíduos foram estudados e aprimorados. Hoje, no entanto, governos, formuladores de políticas e indivíduos ainda lutam com o problema de como melhorar os métodos de descarte, armazenamento e reciclagem de resíduos.

Em 1976, o Congresso dos Estados Unidos aprovou a Lei de Conservação e Recuperação de Recursos em um esforço para proteger a saúde humana e o meio ambiente dos perigos associados ao descarte de resíduos.

Além disso, o ato visa conservar energia e recursos naturais e reduzir a quantidade de resíduos gerados pelos americanos. Além disso, a Lei de Conservação e Recuperação de Recursos promove métodos para gerenciar os resíduos de maneira ambientalmente correta. A lei abrange a regulamentação de resíduos sólidos, resíduos perigosos e tanques de armazenamento subterrâneos que contêm produtos petrolíferos e certos produtos químicos.

A maioria dos resíduos sólidos domésticos é retirada das residências por meio da coleta de lixo comunitária e depois levada para aterros sanitários. O lixo nos aterros é enterrado, mas ainda pode produzir odores nocivos. Além disso, a água da chuva pode penetrar nos aterros sanitários e liberar poluentes do lixo do aterro. Estes são então transportados para corpos de água próximos.

Os poluentes também podem contaminar as águas subterrâneas, o que, por sua vez, leva à contaminação da água potável.

Para combater esse problema, foram desenvolvidos aterros sanitários. Revestimentos de barro ou plástico são colocados no solo antes que o lixo seja enterrado.

Isso ajuda a evitar que a água vaze para fora do aterro e para o ambiente ao redor. Nos aterros sanitários, cada vez que uma determinada quantidade de resíduos é adicionada ao aterro, ela é coberta por uma camada de solo. A uma altura predeterminada o local é tampado e coberto com sujeira.

Grama e árvores podem ser plantadas em cima do aterro coberto para ajudar a prevenir a erosão e melhorar a aparência do local. Aterros sanitários são mais caros do que lixões a céu aberto, e muitas comunidades não querem o estigma de ter um aterro próximo a elas. Esses fatores tornam politicamente difícil a abertura de novos aterros. Os aterros sanitários são regulamentados pelos governos estaduais e locais e devem atender aos requisitos mínimos estabelecidos pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos.

Alguns resíduos domésticos perigosos como tintas, óleo de motor usado ou inseticidas não podem ser aceitos em aterros sanitários e devem ser manuseados separadamente.

incineração (queima) de resíduos sólidos oferece uma alternativa à disposição em aterros sanitários. A incineração converte grandes quantidades de resíduos sólidos em quantidades menores de cinzas.

A cinza ainda deve ser descartada, no entanto, e pode conter materiais tóxicos. A incineração liberava fumaça e outros possíveis poluentes no ar. No entanto, os incineradores modernos são equipados com depuradores de chaminés que são bastante eficazes na captura de emissões tóxicas.

Muitos incineradores têm o benefício adicional de gerar eletricidade a partir do lixo que queimam.

A compostagem é uma alternativa viável para aterros e incineração de alguns resíduos sólidos biodegradáveis. Aparas de vegetais, folhas, aparas de grama, palha, esterco de cavalo, lascas de madeira e materiais vegetais semelhantes são todos biodegradáveis e podem ser compostados. O composto ajuda o meio ambiente porque reduz a quantidade de resíduos que vão para aterros sanitários.

A compostagem correta também decompõe o material biodegradável em um aditivo de solo rico em nutrientes que pode ser usado em jardins ou paisagismo. Desta forma, os nutrientes vitais para as plantas são devolvidos ao meio ambiente. Para compostar com sucesso os resíduos biodegradáveis, o processo deve gerar temperaturas altas o suficiente para matar sementes ou organismos no material compostado. Se feito incorretamente, as pilhas de compostagem podem liberar odores desagradáveis.

Famílias e comunidades podem ajudar a reduzir o lixo doméstico fazendo algumas mudanças simples no estilo de vida. Eles podem reduzir os resíduos sólidos reciclando, reparando em vez de substituir bens duráveis, comprando produtos com embalagens mínimas e escolhendo embalagens feitas de materiais reciclados. A redução do material de embalagem é um exemplo de redução da fonte.

Grande parte da responsabilidade pela redução da fonte com os fabricantes. As empresas precisam ser incentivadas a encontrar maneiras inteligentes e econômicas de fabricar e embalar mercadorias, a fim de minimizar o desperdício e reduzir a toxicidade dos resíduos gerados. Os consumidores podem ajudar incentivando as empresas a criar embalagens mais ambientalmente responsáveis por meio de sua escolha de produtos. Por exemplo, os consumidores pressionaram com sucesso o McDonalds a mudar de servir seus sanduíches em caixas de isopor não biodegradáveis para embrulhá-los em papel biodegradável.

Para as famílias individuais podem reduzir a quantidade de resíduos que enviam para aterros através da reciclagem. Recipientes de papel, alumínio, vidro e plástico são os materiais domésticos mais comumente reciclados. As estratégias para a reciclagem doméstica variam de comunidade para comunidade.

Em algumas áreas os materiais devem ser separados por tipo antes da coleta. Em outros, a separação ocorre após a coleta.

A reciclagem preserva os recursos naturais, proporcionando uma alternativa de fornecimento de matéria-prima às indústrias.

Também economiza energia e elimina as emissões de muitos gases tóxicos e poluentes da água. Além disso, a reciclagem ajuda a criar empregos, estimula o desenvolvimento de tecnologias mais ecológicas e conserva recursos para as gerações futuras. Para que a reciclagem seja bem-sucedida, deve haver um mercado final para produtos feitos de materiais reciclados. Os consumidores podem apoiar a reciclagem comprando produtos “verdes” feitos de materiais reciclados.

O descarte de lixo doméstico é um problema internacional que está sendo atacado de várias maneiras em muitos países.

Lixo Doméstico – A sociedade consumidora

Lixo Doméstico
Muitos dos recursos da Terra são usados para permitir à sociedade
consumidora radionalidade em seu trabalho.

Vivemos numa sociedade que consome, ou usa, muitos recursos. É a chamada “sociedade de consumo”, existente nos países capitalistas. Esses países desenvolveram um estilo de vida que exige muitos produtos, como carros, televisores, móveis, refrigeradores, livros e cosméticos. Esse estilo de vida consome muitos recursos naturais.

Mas nem sempre foi assim. Durante a Segunda Guerra Mundial, os materiais e recursos eram escassos, porque os sistemas de comércio não funcionavam ou não podiam funcionar.

Os países tiveram de racionar alimentos e outros produtos, como o petróleo, e o povo foi encorajado a conservar e reciclar materiais. Por exemplo, muitas mulheres reutilizavam o tecido de antigas roupas para confeccionar novas.

Lixo Doméstico
Em muitos países, há pessoas que sobrevivem com a reutilização do lixo de outros. A fotografia mostra
um depósito de lixo nas Filipinas.

Depois da Segunda Guerra Mundial, a população do mundo aumentou consideravelmente.

As cidades cresceram porque houve uma tendência à urbanização: a população rural deixou o campo em busca da vida na cidade.

Esse aumento de população urbana exigiu um aumento no abastecimento de alimentos e bens nas cidades. As pessoas desejam ter uma boa alimentação e artigos de luxo, como freezers e videocassetes.

Usam e depois se desfazem de grande quantidade desses materiais, principalmente embalagens. Na cidade, os sistemas naturais de reciclagem não funcionam adequadamente.

Há uma enorme quantidade de lixo que os sobrecarrega.

Lixo Doméstico – O que fazer

Jogando o lixo fora

Lixo Doméstico
A coleta de lixo doméstico é vital à saúde da comunidade.
Os coletores recolhem-no e jogam-no num caminhão como esse.

Observe o que você joga fora todos os dias. Latas de bebidas, saquinhos de adoçante, restos de comida, papéis e garrafas são apenas alguns dos itens que podemos encontrar numa lata de lixo comum. Você pode achar que tudo isso é refugo, mas eles são aproveitáveis – papel, vidro, plástico, metal.

Grande parte do conteúdo de uma lata de lixo é formada por embalagens. O papelão, o papel e os recipientes plásticos que envolvem um produto são desenhados para torná-lo mais atraente ao comprador, mas não passam de pacotes descartáveis. Papel e cartão constituem dois terços do lixo das residências.

Mas a embalagem não é apenas decorativa. Algumas são necessárias para conservar o alimento limpo e livre de contaminação. Além disso, muitas estão sendo feitas com produtos reciclados. Por exemplo, o papelão é feito com papel reciclado.

Lixo Doméstico
Outro método para a destinação do lixo é a incineração ou queima, que gera energia como subproduto, mas que pode poluir o ar.

Já olharam em torno de si, nas atividades devidas ao homem, quanto lixo é gerado?

A atividade mais tranquila, como sentar-se em frente à televisão, acarretará a geração de um resíduo, que será um resto de um tira-gosto ou uma ponta de cigarro; esses resíduos, pode-se dizer que são devidos ao consumo final de bens. Pensem, agora, que, para produzir esses mesmos bens, quantos resíduos foram gerados nas fábricas de tira-gostos a nas de cigarros.

Pode-se afirmar, com certeza, que o homem é um gerador contínuo de resíduos extra-naturais, se comparado a outros animais.

Dos lixos urbanos, há aqueles chamados lixos domésticos, que são os resíduos gerados no dia-a-dia nas residências dos cidadãos e por extensão, nos restaurantes, hospitais e nos locais de trabalho (neste caso, somente considerando aqueles assemelhados aos gerados nas residências).

Dos lixos domésticos se excluem, para facilitar o entendimento, os pós de varrição, os restos de obras e os líquidos que vão esgoto abaixo, entre outros que não ficam bem caracterizados.

Dessa forma, pode-se dizer que nossos lixos domésticos se constituem basicamente de papéis em geral, embalagens diversas em vidro, metal, plásticos e caixas, além de restos de alimentos (que são a parte orgânica do lixo) e outros eventuais, como utensílios descartáveis com o uso.

Nos países adiantados e em algumas cidades brasileiras de “primeiro mundo”, são feitas, nas residências, segregações primárias do lixo, normalmente utilizando dois recipientes, um para “úmidos”, que são os restos de alimentação e papéis molhados e aqueles na fronteira da dúvida como fraldas, canetas e aparelhos de barbear descartáveis. No outro recipiente, para “secos”, vão as embalagens e jornais.

A coleta dos “úmidos” é feita diariamente e a dos “secos”, uma ou duas vezes por semana, por outra equipe.

Evidente é que, quanto mais rico um país ou cidade, maior é o volume de lixo doméstico gerado. Em média, uma família de quatro pessoas nos E.U.A. – como é mostrado em interessante museu em Cincinnati (Ohio), gera, um lixo úmido por mês correspondente a uma pilha de 3 metros de altura de sacos de 100 litros e com certeza, estão ali misturados, a cada ano, 16 bilhões de fraldas descartáveis, 2 bilhões de lâminas de barbear e 1,6 bilhão de canetas plásticas.

A destinação correta dos lixos domésticos é uma incógnita, porque depende de muitos fatores a serem considerados na decisão. Nos próprios países adiantados, por exemplo, há aterros sanitários para orgânicos (Pittsburgh), onde nem se cogita do aproveitamento dos gases gerados (são queimados) ou de produzir adubos (compostagem), dando-se, todavia, extremo cuidado à proteção do solo e ao tratamento do chorume (caldo orgânico gerado na decomposição) que é altamente poluidor dos corpos hídricos.

Vê-se então que, só no caso dos lixos “úmidos” (orgânicos), há vários caminhos a serem considerados numa decisão: utilizar o gás, fazer a compostagem para produzir adubos ou simplesmente não fazer nada disso.

Para as duas primeiras perguntas serem respondidas, necessário se faz que outras duas também o sejam com relação à demanda: quem vai utilizar gás e como, quem vai utilizar o adubo e vai haver consumo permanente.

Abordando, agora, o caso do apelidado “lixo seco”, muitas variantes também se apresentam e que têm que ser levadas em consideração:

Os lixos “úmidos” e “secos” devem ser segregados na fonte ou na usina de lixo?
As donas de casa aceitariam segregar seus lixos?
A municipalidade garantiria a coleta?
O mercado comprador é firme?

Como conclusão, temos a certeza que as soluções para o lixo doméstico não podem ser padronizadas, haja vista que cada região e cada município têm suas características de cultura e potenciais geradores diferentes e isso ocorre até dentro de um mesmo município. Dessa forma, ao se lançar um projeto de coleta seletiva, esse deve ser previamente muito bem debatido com a população alvo, para que se sinta o que será melhor aceito por ela e também muito bem analisada a demanda, caso contrário, haverá o risco de se gerar outras pilhas de “lixo”.

Fonte: www.sobrelixo.hpg.ig.com.br/www.gpca.com.br/www.encyclopedia.com/www.forgerecycling.co.uk/www.buschsystems.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Predação

PUBLICIDADE Na ecologia, a predação é um mecanismo de controle populacional. Assim, quando o número de predadores …

Desequilíbrio ambiental

PUBLICIDADE Desequilíbrio ambiental – O que é O desequilíbrio ambiental é uma das questões ambientais que mais …

Competição Ecológica

PUBLICIDADE Competição Ecológica – O que é A competição ecológica é a luta entre dois organismos pelos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.