Breaking News
Home / Meio Ambiente / Lixo Espacial

Lixo Espacial

PUBLICIDADE

Definição

Lixo espacial, ou detritos espaciais, é qualquer peça de maquinaria ou detritos deixados pelos seres humanos no espaço.

Pode se referir a objetos grandes, como satélites artificiais mortos, que falharam ou foram deixados em órbita no final de sua missão.

Também pode se referir a coisas menores, como pedaços de detritos ou manchas de tinta que caíram de um foguete.

Atualmente, milhares de satélites mortos orbitam a Terra, além de dezenas de milhares de fragmentos de detritos espaciais.

O lixo espacial, também chamado de lixo orbital, lixo espacial ou detritos espaciais, é uma coleção de objetos feitos por seres humanos que estão em órbita no espaço.

Um grande número desses objetos fazia parte das expedições da humanidade ao espaço, e alguns são pedaços de material formados quando objetos feitos pelo homem colidem com outros objetos solares.

O que é Lixo Espacial (detritos espaciais)?

O Lixo Espacial (detritos espaciais), às vezes menos polidamente chamados de lixo espacial, são detritos de origem humana que estão em órbita ao redor da Terra.

Milhares de objetos foram lançados em órbita desde a década de 1950, e a maioria desses objetos foi deixada no lugar, em vez de ser devolvida. O resultado foi um enorme acúmulo de material orbitando a Terra e, de fato, o problema de lixo espacial se tornou tão grave que muitas espaçonaves e satélites operacionais correm sérios riscos de danos por colisões com pedaços de lixo espacial (detritos espaciais).

Várias coisas contribuíram para o acúmulo de detritos espaciais.

O primeiro são satélites abandonados e outros objetos lançados no espaço.

O segundo é a liberação intencional de vários componentes da espaçonave, como os estágios usados nos foguetes.

O lixo espacial (detritos espaciais) também são causados por lançamentos acidentais, que variam de ferramentas lançadas por astronautas que andam no espaço a seções que caíram de satélites e outros equipamentos no espaço. Explosões de embarcações antigas e instáveis, como satélites com baterias instáveis, são outro fator que contribui.

Cada um desses objetos orbita a Terra em velocidades incrivelmente altas e, quando colide com outro objeto, pode causar sérios danos.

Um pedaço de entulho do tamanho de uma ervilha tem o potencial de desativar um satélite se atingir o ângulo certo, e as colisões criam ainda mais lixo espacial, fazendo com que a arte quebre, exploda ou perca pedaços. Quanto mais colisões, mais detritos serão criados, e quanto mais detritos, maior o risco de colisão.

O resultado é uma série de eventos em cascata que podem preencher rapidamente o céu com objetos que variam em tamanho, desde grãos de areia a satélites inteiros.

Obviamente, o lixo espacial (detritos espaciais) representam um risco significativo para a navegação e, de fato, vários satélites e naves espaciais tripuladas foram forçados a ajustar seu curso para evitar acidentes.

Lixo espacial (detritos espaciais) também são um problema, pois podem sair de órbita e entrar na atmosfera da Terra. No mínimo, isso causará um efeito distinto de meteoro no céu, mas também poderá resultar na introdução de toxinas, como metais pesados, no ambiente da Terra e em ferimentos a pessoas e propriedades.

Várias agências internacionais rastreiam o lixo espacial (detritos espaciais), por preocupação com colisões e para garantir que o lixo espacial (detritos espaciais) não sejam acidentalmente identificados como um míssil que se aproxima ou outra arma. Várias imagens surpreendentes plotando todo o lixo espacial conhecido foram publicadas para destacar o problema.

Nessas imagens, a Terra parece quase totalmente obscurecida por marcas de hachura, cada uma representando uma única peça de detrito espacial.

Várias nações também promoveram planos para reduzir a quantidade de detritos no espaço, desde o design de embarcações que podem ser trazidas de volta à Terra com segurança até a recuperação ativa e a contenção de alguns dos detritos que circundam a Terra.

Quanto lixo espacial há?

Embora existam cerca de 2.000 satélites ativos orbitando a Terra no momento, também existem 3.000 mortos espalhados pelo espaço. Além disso, existem cerca de 34.000 pedaços de lixo espacial com mais de 10 centímetros de tamanho e milhões de pedaços menores que, no entanto, podem ser desastrosos se atingirem outra coisa.

Como o lixo espacial entra no espaço?

Todo o lixo espacial é o resultado de lançarmos objetos da Terra e permanece em órbita até que entre novamente na atmosfera.

Alguns objetos em órbitas inferiores de algumas centenas de quilômetros podem retornar rapidamente. Eles geralmente retornam à atmosfera depois de alguns anos e, na maioria das vezes, queimam – para não alcançar o solo. Mas detritos ou satélites deixados em altitudes mais altas de 36.000 quilômetros – onde satélites de comunicações e meteorológicos são frequentemente colocados em órbitas geoestacionárias – podem continuar a circular a Terra por centenas ou mesmo milhares de anos.

Algum lixo espacial resulta de colisões ou testes anti-satélite em órbita. Quando dois satélites colidem, eles podem se quebrar em milhares de novas peças, criando muitos novos detritos. Isso é raro, mas vários países, incluindo EUA, China e Índia, usaram mísseis para praticar explodir seus próprios satélites. Isso cria milhares de novas peças de detritos perigosos.

Lixo Espacial – Tipos

O lixo espacial, trata-se de toneladas de pedaços de satélites, naves, estágios de foguetes e outras coisas que as missões espaciais americanas e russas deixaram no espaço, são quase 6 mil artefatos que sobrevoam o planeta. O problema é que esse lixo representa um perigo para as estações espaciais e para o ônibus espacial e seus tripulantes. Ainda é um problema para as comunicações, pois esses destroços pode, destruir satélites, interrompendo as comunicações aqui na terra.

Quando a orbita desses corpos se aproximam muito da atmosfera terrestre eles acabem entrando na atmosfera terrestre. A maioria queima na reentrada ou cai no mar, mais pode acontecer de atingirem a terra.

A probabilidade dos destroços caírem no mar é maior apenas porque o mar representa cerca de 74% da superfície terrestre e a maiorias dos continentes tem poucas áreas habitada.

Nem mesmo a lua ficou livre do lixo, as missões que pousaram no nosso satélite natural deixaram lá muitos equipamentos (assim eles traziam menos peso na volta) que hoje são apenas lixo lunar.

Esperamos que as agencias espaciais passem a se preocupar mais com esse problema, que mesmo parecendo ficção e muito serio.

Nestes últimos 40 anos desde o lançamento do satélite artificial soviético Sputnik, em 4 de outubro de 1957, cerca de dezoito mil objetos produzidos pelo homem foram colocados em orbita da Terra.

Até recentemente existiam cerca de dez mil objetos de grande e médio portes ao redor do planeta, além de quarenta mil fragmentos.

Estima-se que a quantidade desses detritos deverá se multiplicar nos próximos vinte ano. E o mais preocupante é que sete mil deles possuem dimensões superiores a vinte centímetros limite mínimo de visibilidade de um radar. Abaixo dessa medida, os objetos não podem ser detectados, apesar de se encontrarem numa região muito próxima da superfície.

Se lembrarmos que a freqüência normal de lançamento de satélites é de cem por ano ou mais, no próximo século a quantidade de detritos espaciais poderá se tornar uma ameaça às atividades humanas no espaço circunvizinho à Terra, bem como um elemento prejudicial às observações astronômicas feitas a partir da superfície do planeta.

Até agora, a maior parte do lixo espacial responsável por colisões desastrosas com naves, satélites e astronautas se constituiu de fragmentos ou resíduos oriundos da atividade pacifica, como satélites de comunicação, de estudos meteorológicos, de levantamento de recursos naturais, etc.. Um exemplo de poluição acidental ocorreu quando o terceiro estagio do foguete francês Ariadne, lançado em novembro de 1986, explodiu, dando origem a 465 fragmentos de tamanho superior a 10 centímetros e a 2330 estilhaços de um milímetro a um centímetro.

No entanto, nos últimos anos, com o inicio dos testes com armas anti-satélites como o programa Guerra nas Estrelas, o problema do lixo espacial vem se agravando de modo assustador.

Em testes realizados com um satélite destruído por um míssil, cerca de 275 fragmentos puderam ser registrados por radares logo após o impacto. Deve existir, porem, um numero muito mais elevado desses fragmentos, que não podem ser observados por serem muito pequenos. Outros testes dessa natureza ? granadas espaciais que, após destruírem o satélite-alvo, deixam uma verdadeira nuvem de estilhaços girando em torno da Terra estão previstos nos programas militares das potências atômicas. O programa Guerra nas Estrelas acabou sendo cancelado devido aos altos custos que o envolviam, mas recentemente os EUA desenvolveram um programa semelhante, com custos mais baixos, mas que provocam o mesmo problema do lixo espacial, embora a uma orbita mais baixa.

Segundo a ultima estimativa norte-americana, existem cerca de 3,5 milhões de resíduos metálicos, lascas de pintura, plásticos, etc.. de dimensões inferiores a um centímetro, orbitando no espaço próximo.

Esta cifra cai para 17.500 com relação aos objetos entre um e dez centímetros, e a 7000 para os detritos de tamanho superior.

Quase três mil toneladas de lixo espacial flutuam a menos de duzentos quilômetros do solo. De acordo com a NASA, este numero, já assustador, devera se duplicar antes do ano 2010. Até lá, e mais alem, os fragmentos vão continuar como um perigo em potencial, pois na velocidade com que orbitam ? 15 mil, 20 mil ou 30 mil quilômetros por hora ? se transformam em formidáveis projeteis, que ameaçam todos os objetos com que possam vir a se chocar.

A maior parte do lixo espacial poderá provocar colisões fatais com naves, sondas e satélites tripulados, numa ameaça às atividades dos astronautas.

Existem vários exemplos de veículos espaciais danificados por colisões com detritos. Em 1982, um pedaço de um foguete soviético arranhou o ônibus espacial Columbia.

Uma caixa de instrumentos eletrônicos do satélite americano Solar Maximum, recuperada pelos astronautas num vôo da Challenger, apresentava 160 perfurações produzidas por lascas de tinta que viajavam à velocidade orbital. Resíduos orbitais danificaram também as células solares do satélite europeu GEOS-2, colocado em orbita pela ESA.

Também sofreram danos o telescópio espacial Hubble, satélites de telecomunicações, etc..

A media de objetos espaciais que reentram em nossa atmosfera é da ordem de 33 a 35 por mês. Alias, todos os objetos lançados em orbita ao redor da Terra deverão, um dia, retornar à superfície do planeta.

Entretanto, muitos deles levarão centenas, milhares ou milhões de anos para cair.

Ao contrario da idéia difundida de que, sendo 2/3 da Terra cobertos por oceanos, a probabilidade de queda em regiões continentais é pequena, e em zonas densamente povoadas ainda muito menor, uma das quedas de resíduos espaciais ocorreu justamente na área urbana da cidade americana de Manitowoc, no estado de Winconsin. De fato, em 1962, o satélite soviético Sputnik 4, ao reentrar na atmosfera, abriu uma cratera bem no centro comercial daquela cidade. Os pedaços encontrados estavam tão quentes que os bombeiros tiveram de esperar algumas horas para recolhê-los.

Um dos maiores objetos espaciais que já reentraram na atmosfera foi o estagio do foguete Saturno II que lançou o Skylab, em 1973. Seu peso era de 38 toneladas, e a sua queda ocorreu em 1975, no Oceano Atlântico, ao sul dos Açores.

Em 11 de marco de 1978, às 1h20min da madrugada, o terceiro estagio de um foguete soviético reentrou na atmosfera em cima do Rio de Janeiro.

O espetáculo pirotécnico formado por inúmeros fragmentos que brilhavam com uma luz intensamente azulada levou a maior parte dos observadores do acontecimento a acreditar ser aquilo uma frota de discos voadores.

Na realidade, se a reentrada tivesse ocorrido minutos antes, o foguete teria caído na área urbana do Rio e não no Oceano Atlântico, como aconteceu.

Mas bem mais preocupante é a queda de satélites portando substancias radioativas, como aconteceu com o Cosmos-954, um engenho militar soviético que caiu próximo ao lago dos Escravos, no Canadá, em janeiro de 79. Ele carregava um reator nuclear que alimentava o seu radar. Os americanos, que acompanhavam a trajetória do Cosmos através de sua rede de radares, quando compreenderam que os cientistas soviéticos haviam perdido o controle da situação, lançaram um alarme atômico generalizado ? embora discreto ? para todas as capitais dos países ocidentais.

Infelizmente, esta não foi a primeira vez que um satélite portador de material radioativo atingiu a superfície terrestre, e conhecem-se alguns casos. Um exemplo recente, envolveu a sonda Cassini, que portava uma carga de plutônio que seria usado para energizar a nave quando já estivesse longe o bastante do Sol para carregar as suas baterias solares, foi lançado há alguns anos atras, com vários protestos da comunidade cientifica e de organizações civis, temendo que a nave explodisse e liberasse uma chuva de plutônio sobre o planeta. Para se ter uma ideia da alta radioatividade do plutônio, uma gota desse material, jogada sobre a Baia do Guanabara, é mais do que suficiente para tornar as águas imprestáveis para consumo humano devido ao risco de câncer. Ou, para citar outro exemplo, recentemente, um navio japonês, levando um carregamento de mais de três toneladas de plutônio para processamento nas usinas nucleares japonesas, foi alvo de protestos mundiais, principalmente dos países por onde o navio navegaria em mares territoriais. Se o navio sofresse um acidente e afundasse, a carga de plutônio, apesar de protegida por contêineres e outras camadas protetoras, se vazasse, poderia dizimar toda a vida no planeta.

Apesar dos protestos contra os lançamentos de satélites com reatores nucleares, não se acredita que eles deixem de ser postos em orbita. O mais lógico será desenvolver métodos de maior proteção.

Um satélite em orbita é menos perigoso que um reator na superfície. Mas recentemente, estão testando um novo método de propulsão de sondas e satélites, usando propulsão iônica, como foi testado com o Deep Space.

A solução para o lixo espacial reside num projeto militar norte-americano que foi desenvolvido alguns anos atras, um laser de alta potência que pode ser direcionado para atingir satélites em orbita a partir da superfície terrestre, com alta precisão. Espera-se que este projeto seja usado para eliminar os detritos espaciais, ou seja, converter um projeto militar para fins pacíficos e assegurar uma exploração mais segura do espaço, sem pôr em risco as atividades humanas.

Nossos tempos modernos estão criando novos problemas ao homem, quase na mesma proporção em que novas tecnologias são criadas. Os problemas chegaram ao céu, e cerca de 2 mil toneladas de lixo espacial (fonte: Agência Estado), de destroços como fragmentos até propulsores de foguetes flutuam ao redor da terra, inclusive criando aos astrônomos a ilusão de termos mais uma Lua orbitando em volta de nosso planeta.

Mesmo já existindo propostas de um grupo de cientistas de agências espaciais de todo o mundo que querem colocar ordem no espaço, a situação de “engarrafamento” continua, e nossa Maricá volta e meia recebe a sua parte desse lixo.

Fonte: www.nhm.ac.uk/starchild.gsfc.nasa.gov/earth.org/dictionary.cambridge.org/www.worldatlas.com/www.wisegeek.org/www.nationalgeographic.com/geocities.yahoo.com.br/www.bio2000.hpg.ig.com.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Umidade Absoluta

PUBLICIDADE Definição A umidade absoluta refere-se à quantidade de água contida em uma parcela de ar e …

Ecologia Florestal

PUBLICIDADE Definição A ecologia florestal é a ciência de como os organismos reagem entre si e interagem …

Corrente de Ar

PUBLICIDADE A definição de correntes de ar e vento é o movimento do ar (às vezes com força considerável) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.