Breaking News
Home / Meio Ambiente / Carbono Zero

Carbono Zero

PUBLICIDADE

 

Carbono Zero – Definição

O Dicionário de Inglês Collins define um crédito de carbono como “um certificado mostrando que um governo ou empresa pagou para ter uma certa quantidade de dióxido de carbono removido do ambiente”.

A Autoridade de Proteção do Meio Ambiente de Vitória define um crédito de carbono como um termo “genérico para atribuir um valor a uma redução ou compensação das emissões de gases de efeito estufa.. geralmente equivalente a uma tonelada de equivalente dióxido de carbono (CO2-e) “.

Definção de um crédito de carbono: “autorização que permite ao seu titular a emitir uma tonelada de dióxido de carbono”… que “podem ser negociados no mercado internacional ao preço de mercado atual”.

Carbono Zero – O que significa

Isto significa que todas as fontes industriais de CO2 têm de ser convertidos para rodar em zero de energias emissores de carbono.

Isso significa que as emissões de carbono não mais sendo adicionados à atmosfera – a partir de qualquer fonte adicional para o equilíbrio natural de carbono de carbono do planeta que existia.

Zero de carbono refere-se a zero as emissões de dióxido de carbono.

É um termo científico e uma realidade científica para a mitigação das mudanças climáticas.

Se qualquer CO2 é adicionado para a estabilização atmosfera de CO2 atmosférico não pode acontecer, que é a realidade científica.

Na verdade fomos adicionando um pouco de carbono para a atmosfera (CO2 e metano), desde as civilizações agrícolas desenvolvidos.

Com a revolução industrial que o carbono adicional começou a aumentar um nd logo estava aumentando a uma taxa exponencial.

O clima do planeta tem se alterado gradativamente. Estudos previam que nossos filhos e netos sofreriam as causas do aquecimento global, mas de acordo com recente estudo desenvolvido pelos maiores pesquisadores mundiais sobre clima (IPCC – Intergovernmental Panel on Climate Change), já estamos sofrendo estas alterações.

Indivíduos, empresas, sociedade, todos contribuímos para o aquecimento global através da energia que consumimos em nossas casas, nossos escritórios, nossas fábricas, no lixo que produzimos, nos edifícios e processos produtivos, e ainda no nosso transporte e deslocamentos que realizamos.

A concentração de CO2 na atmosfera está no nível de 375 ppm (partes por milhão) e, segundo os especialistas, a partir de 600 ppm, essa taxa começa a ser letal. O mais alarmente é que, caso nada seja feito, continuaremos nestes níveis de poluição e chegaremos a 1200 ppm.

Neste momento, não temos outra escolha senão combatermos as alterações climáticas que já estão acontecendo. E isso significa mudar a forma como encaramos nosso dia-a-dia. Ou seja, agir com responsabilidade, de forma consciente e voluntária.

A solução que surge é a redução das emissões de gases que provocam o efeito estufa. Este problema pertence a todos nós e, portanto, a solução também.

O que é de baixo carbono?

Este é um termo confuso e potencialmente perigoso. Ouvimos de carbono muitas vezes, mas zero ‘de baixo carbono “quase nunca.

Em primeiro lugar deve significar zero emissões industriais de carbono.

Se de baixo carbono significa uma redução de emissões de 90%, então faz sentido.

Baixa de carbono não pode evitar uma catástrofe planetária, porque o carbono ainda acumula pousada na atmosfera.

Há referências crescentes à ‘carbono zero’ esses dias, mas muitas vezes apenas como um slogan promocional.

“Baixo carbono”, como o prazo sendo geralmente termo aplicado não funciona para levar-nos a caminho do zero, porque esta versão de baixo carbono depende do uso de combustíveis fósseis de forma mais eficiente.

Certamente precisa para melhorar a conservação e eficiência, mas que não pode ser usado como uma razão para atrasar a conversão na economia mundial totalmente fora de combustíveis fósseis.

O carbono zero real é impossível?

É impossível para nós, com nosso conhecimento atual, para parar todas as emissões de CO2 provenientes das atividades humanas.

Por exemplo não temos nenhuma maneira no momento de parar todas as emissões de CO2 provenientes da agricultura.

Nós podemos fazer grandes reduções nas emissões de carbono agrícolas porque a agricultura de hoje é tão intensivos em carbono e emissão de carbono.

A pesquisa mostra que os métodos da agricultura biológica são os melhores para o balanço de carbono.

Não há nenhuma razão para pensar que, se grandes recursos são aplicados para a investigação sobre a conversão de todas as nossas fontes de carbono a zero de carbono serviços e tecnologias não poderíamos reconstruir um mundo de carbono zero.

Esta é uma possibilidade para o futuro que devemos trabalhar.

O melhor que podemos alcançar com o conhecimento de hoje são as emissões que os cientistas chamam de “zero virtual” de carbono – pelo menos uma redução de 90%.

Para alcançar carbono zero real no sentido científico, os cientistas dizem que devemos desenvolver a capacidade de emissões “de carbono negativo”, ou seja, temos que extrair algumas CO2 diretamente do ar e fixá-lo.

Agora estamos pensando em deixá-lo tarde demais. As melhores propostas são para zero virtual, 20150 e para zero real após o fim deste século.

O efeito líquido de carbono zero virtual e um pouco de carbono é carbono zero negativo verdadeiro.

Carbono zero Virtual + um pouco de carbono negativa = o carbono Zero

Sabemos que podemos fazer de carbono zero virtual (@ redução de 90% das emissões), convertendo todas as fontes de energia de combustíveis fósseis de CO2 a zero de energia o carvão limpo e a desflorestação, parar o desmatamento..

Para carbono negativo, os cientistas dizem que devemos desenvolver “sumidouros de carbono artificiais” sendo o principal deles por CO2 extração de ar. Nós temos tecnologias para tomar CO2 para fora do ar.

Eles não estão sendo desenvolvidos, porque não há dinheiro para isso e nenhum lucro nisso.

O que é neutro em carbono? O que é carbono zero net?

Nós raramente ouvimos sobre o carbono zero. O que ouvimos falar é “carbono neutro” ou “líquido zero”.

Especialistas em clima de mudança, como um relatório de 2008 do Projeto Carbono Global, sugerem que a compensação de carbono pode contribuir para a mitigação das mudanças climáticas. No entanto, estes especialistas estão a adoptar uma abordagem pragmática para a mitigação na esperança de que isso irá resultar em algumas reduções de emissões que podem diminuir os impactos e pode nos colocar no caminho lentamente rumo a um mundo o carbono zero.

Estamos à beira de uma catástrofe planetária – é tarde demais para a melhoria lenta.

Esta abordagem é o pessoal voluntário de pequenos passos no sentido de menos emissões. É tarde demais para esta abordagem e durante 25 anos as organizações ambientais crescentes e os governos têm vindo a promover e educar essa abordagem mudança pessoal de vida. Ele não fez nenhuma diferença.

As emissões são maiores e aumentando mais rápido do que nunca.

Para atender aos requisitos científicos o carbono a zero temos que fazer mudanças radicais revolucionários nas economias nacionais por meio de radicais mudanças políticas revolucionárias.

As principais instituições e organizações devem fazer lobby para essas verdadeiras mudanças o carbono zero.

A forma como estes termos são usados bing é muito enganador. O carbono somente real zero neutro ou líquido é científica o carbono zero + negativo virtual.

Esses termos são utilizados tanto para significar a mesma coisa.

É impossível chegar a qualquer lugar perto de zero o carbono com esta abordagem.

Carbono neutro ou emissões líquidas o carbono zero está sendo entendida para se referir a alcançar emissões líquidas de carbono zero por ‘equilibrar’ a medida certa quantidade de carbono liberada com uma quantidade de créditos de carbono. Isso pressupõe que a mudança do uso da terra pode ser projetado para tirar o CO2 do ciclo do carbono.

Comprar créditos de carbono suficientes para compensar a diferença é ainda tratada como uma forma de carbono neutro.

Esta é perigosamente enganosa. Não há tal coisa como compensação das emissões o carbono a longo prazo.

Radical emergência mitigação das mudanças climáticas agora é essencial quando olhamos para o fato de que as emissões de hoje causar mais aquecimento global que vai durar milhares de anos.

O ciclo de carbono terrestre recicla o carbono terrestre. Enquanto o plantio de árvores é altamente desejável para os benefícios ambientais não pode remover o carbono do ciclo de carbono.

As árvores jovens ocuparão CO2 pela fotossíntese do ar à medida que crescem, e vai devolvê-lo para a atmosfera como eles perdem folhas, decair e morrer em décadas ou séculos.

Também o plantio de árvores se perturba o chão da floresta liberando grandes quantidades de CO2.

Nossas práticas de árvores de reflorestamento plantio tende a tornar as florestas artificiais mais vulnerável a incêndios florestais se espalhando.

Carbono Zero – Neutro

Carbono Zero
Carbono Zero

Carbono Zero refere-se a atingir líquido zero emissões de carbono ao equilibrar uma quantidade medida de carbono liberado com uma quantidade equivalente sequestrado ou compensado, ou comprar um número suficiente de créditos de carbono para compensar a diferença. É utilizado no contexto dos processos de dióxido de carbono de libertação, associados com os processos de transporte de produção de energia, e industrial.

O conceito de carbono neutro pode ser estendido para incluir outros gases de estufa (GEE) medidos em termos de dióxido de carbono equivalência-o impacto que uma tem de GEE na atmosfera expressa na quantidade equivalente de CO2.

O termo clima neutro é usado para refletir o fato de que não é apenas o dióxido de carbono (CO2), que está dirigindo a mudança climática, mesmo que seja o mais abundante, mas também abrange outros gases regulamentados pelo Protocolo de Quioto, a saber: metano (CH4), óxido nitroso (N2O), hidrofluorocarbonetos (HFC), perfluorocarbonos (PFC), e hexafluoreto de enxofre (SF6).

Ambos os termos são usados alternadamente ao longo deste artigo.

Melhores práticas para organizações e indivíduos que procuram status de carbono neutro implica a redução e/ou evitar as emissões de carbono primeiro, para que apenas as emissões inevitáveis são compensadas.

O termo tem dois usos mais comuns:

Pode referir-se à prática de balanceamento de dióxido de carbono liberado na atmosfera pela queima de combustíveis fósseis, com a energia renovável que gera uma quantidade similar de energia útil, de modo que as emissões de carbono são compensados, ou, alternativamente, utilizando apenas energias renováveis que não produzam qualquer dióxido de carbono (também chamado de uma economia pós-carbono).
Ele também é usado para descrever a prática, criticada por alguns, de compensação de carbono, pagando outras pessoas para remover ou sequestro de 100% do dióxido de carbono emitido na atmosfera – por exemplo, o plantio de árvores – ou por financiamento dos projetos de carbono de que deve levar para a prevenção das emissões de gases de efeito estufa no futuro, ou através da compra de créditos de carbono para remover (ou ‘aposentar’)-los através de comércio de carbono. Estas práticas são frequentemente usadas em paralelo, juntamente com conservação de energia medidas para minimizar o uso de energia.
O conceito pode ser estendido para incluir outros gases de efeito estufa medidos em termos de equivalência de dióxido de carbono. A frase foi o New Oxford American Dictionary “Palavra do Ano de 2006.

Processo

De carbono, ou o clima, a neutralidade é geralmente obtida através da combinação das seguintes etapas (embora estes possam variar dependendo se a estratégia é implementada por indivíduos, empresas, organizações, cidades, regiões ou países):

Compromisso: No caso de pessoas singulares, tomada de decisão é susceptível de ser simples, mas por mais complexo set-ups, que normalmente requer liderança política ao mais alto nível e acordo popular ampla que o esforço vale a pena fazer.

Contando e analisando: Contando e analisando as emissões que precisam ser eliminados, e as opções para fazê-lo, é o passo mais importante no ciclo, pois permite estabelecer as prioridades para a ação – a partir dos produtos adquiridos para uso de energia e transporte – e começar a monitorar o progresso.

Isto pode ser conseguido através de um inventário de GEE, que visa responder a perguntas tais como:

Quais são as operações, atividades, as unidades devem ser incluídos?
Quais as fontes devem ser incluídos?
Quem é responsável pelo que as emissões?
Quais gases devem ser incluídos?

Para os indivíduos, as calculadoras de carbono simplificam a compilação de um inventário. Normalmente, eles medir o consumo de eletricidade em kWh, a quantidade e o tipo de combustível utilizado para aquecimento de água e aquecer a casa, e quantos quilômetros por unidades individuais, moscas e passeios em veículos diferentes.

Os indivíduos podem também estabelecer limites de várias partes do sistema que eles estão preocupados com, por exemplo, pessoal de emissões de GEE, as emissões domésticas, ou da empresa em que trabalham.

Há uma abundância de calculadoras de carbono disponíveis on-line, que variam significativamente em sua utilidade e os parâmetros que medem. Alguns, por exemplo, o fator em somente carros, aeronaves e para uso doméstico de energia. Outros cobrem interesses lixo doméstico ou de lazer também. Em algumas circunstâncias, na verdade, para além de carbono neutro (geralmente após um determinado período de tempo necessário para atingir carbono de equilíbrio) é um objetivo.

Ação: Em começando a trabalhar no sentido de neutralidade climática, as empresas e as administrações locais podem fazer uso de um sistema de gestão ambiental (ou sustentabilidade) ou SGA estabelecido pela norma internacional ISO 14001 (desenvolvido pela International Organization for Standardization). Outro quadro EMS é o EMAS, o Gerenciamento Ecológico Europeu e auditoria, usado por muitas empresas em toda a UE. Muitas autoridades locais aplicam o sistema de gestão de determinados setores da sua administração ou certificar suas operações inteiras.

Redução: Um dos argumentos mais fortes para reduzir as emissões de GEE é que, muitas vezes, economizar dinheiro. Os preços da energia em todo o mundo estão a aumentar, tornando mais difícil dar ao luxo de viajar casas, calor e luz e fábricas, e manter uma economia moderna mais típico. Por isso, é tanto o senso comum e sensível para o clima de usar a energia o mais raramente possível.

Exemplos de possíveis ações para reduzir as emissões de GEE são:

Limitando o uso de energia e as emissões de transporte (a pé, usando bicicletas ou transportes públicos, evitando voar, utilizando veículos de baixa energia), bem como de edifícios, equipamentos, animais e processos.
A obtenção de energia eléctrica e outros a partir de uma fonte de energia renovável, quer diretamente por gerá-lo (a instalação de painéis solares no telhado, por exemplo) ou selecionando um fornecedor de energia aprovado verde, e usando baixas emissões de carbono de combustíveis alternativos, como biocombustíveis sustentáveis.

Compensação

Os créditos de carbono visam neutralizar o montante da contribuição de GEE financiando projetos que devem causar uma redução igual de emissões em outro lugar, como o plantio de árvores. Sob a premissa “Primeiro reduzir o que você pode, então, compensar o resto”, a compensação pode ser feito através do apoio a um projeto de carbono responsável, ou através da compra de créditos de carbono, conhecidas como “unidades de carbono” ou “unidades de ar”.

A compensação é muitas vezes visto como uma questão carregada e controverso. Por exemplo, James Hansen descreve deslocamentos como “indulgências modernas, vendidos a um público cada vez mais consciente de carbono para absolver os seus pecados climáticos.”

Todo o conceito de neutralidade de carbono é criticado por Lorenzo Polidori do Projeto emissões zero, que descreve a neutralidade de carbono como impossível calcular de forma precisa e científica.

Avaliação e repetindo

Esta fase inclui a avaliação dos resultados e elaboração de uma lista das melhorias sugeridas, com resultados documentados e relatados, de modo que a experiência adquirida do que faz (e não) o trabalho é compartilhado com aqueles que podem colocá-lo em bom uso.

Finalmente, com tudo o que concluído, o ciclo começa tudo de novo, só que desta vez incorporando as lições aprendidas. Ciência e tecnologia em movimento, os regulamentos se tornam mais rigorosa, as normas da demanda povo subir. Assim, o segundo ciclo vai mais longe do que o primeiro, eo processo vai continuar, cada edifício fase sucessiva, e melhorando o que foi antes.

Ser neutro em carbono está cada vez mais visto como bom corporativa ou responsabilidade social do Estado e uma lista crescente de empresas e estados estão anunciando datas para quando eles pretendem tornar-se totalmente neutro. Eventos como a Cúpula do G8 e organizações como o Banco Mundial também estão usando esquemas de compensação para se tornar neutro em carbono.

Artistas como Rolling Stones e Pink Floyd fizeram álbuns ou passeios de carbono neutro.

As emissões diretas e indiretas

Para ser considerado neutro em carbono, uma organização deve reduzir a sua pegada de carbono a zero. Determinar o que incluir na pegada de carbono depende da organização e as normas que estão seguindo.

Geralmente, as fontes de emissões diretas deve ser reduzida e compensada completamente, enquanto as emissões indiretas de eletricidade comprada pode ser reduzida com compra de energia renováveis.

As emissões diretas incluem a poluição proveniente de veículos de fabricação, de propriedade da empresa e reembolsado de viagens, animais e qualquer outra fonte que é controlada diretamente pelo proprietário.

As emissões indiretas incluem todas as emissões que resultam do uso ou da compra de um produto. Por exemplo, as emissões diretas de uma companhia aérea são de todo o combustível do jato que é queimado, enquanto as emissões indiretas incluem fabricação e descarte de aviões, toda a eletricidade usada para operar escritório da companhia aérea, e as emissões diárias de viagens dos funcionários de e para o trabalho.

Em outro exemplo, a empresa de alimentação tem uma emissão direta de gases de efeito estufa, enquanto que o escritório que compra o considerar uma emissão indireta.

Simplificação das normas e definições

Carbono Zero

Neutro de carbono é um termo usado para descrever os combustíveis que não contribuem para a nem reduzir a quantidade de carbono na atmosfera.

Antes que uma agência pode certificar uma organização ou indivíduo como carbono neutro, é importante para especificar se as emissões indiretas são incluídos no cálculo da pegada de carbono.

Certificadores de carbono mais voluntários neutros, como carbono padrão em os EUA, exigem tanto direta e indireta fontes de ser reduzido e offset. Como exemplo, para uma organização ser certificada carbono neutro por carbono padrão, deve compensar todas as emissões diretas e indiretas de viagens por £ 1 e CO2 por quilômetro de passageiros, e todas as emissões de eletricidade não-diretas de 100%. Indireta compras eléctricas devem ser equalizadas, quer com deslocamentos, ou de compra de energia renovável.

Este padrão é ligeiramente diferente do utilizado World Resource Institute e pode ser mais fácil para calcular e aplicar.

O World Resource Institute, além de publicar várias tabelas e ajudar ajudas para o cálculo da pegada de carbono, apenas requer que as emissões diretas de ser reduzido e equilibrado para o estado neutro em carbono, no entanto, há incentivo suficiente para incluir todas as fontes de emissões.

Com esta contabilidade, existem basicamente dois níveis de Carbono neutro: ou todas as emissões diretas e indiretas, ou apenas as emissões diretas.

Grande parte da confusão em padrões de carbono neutros pode ser atribuída ao número de padrões de voluntários de carbono que estão disponíveis.

Para as organizações que buscam em que as compensações de carbono para comprar, sabendo que as normas são robustos, confiáveis em permanente é vital para a escolha das compensações de carbono direita e projetos para se envolver dentro.

Alguns dos principais padrões no mercado voluntário incluem: o Voluntary Carbon Standard, O Gold Standard e The California Climate Action Registry.

Além disso as empresas podem comprar Reduções Certificadas de Emissões (RCEs) resultantes de emissões de carbono mitigadas de UNFCCC projetos aprovados para fins de voluntários.

Existem vários recursos disponíveis, no entanto, ajudar as empresas a navegar o carbono muitas vezes complexa compensação labirinto de normas.

O conceito de recursos compartilhados também reduz o volume de carbono de uma organização particular, tem de compensar, com todas as emissões a montante e a jusante da responsabilidade de outras organizações ou indivíduos. Se todas as organizações e os indivíduos estiveram envolvidos em seguida, isso não resultaria em qualquer dupla contagem.

Quanto à terminologia no Reino Unido e Irlanda, em dezembro de 2011, a Advertising Standards Authority (ASA, em uma decisão que foi confirmada pelo seu revisor independente, Sir Hayden Phillips) controversa decidiu que nenhum produto fabricado pode ser comercializado como “carbono zero”, porque o carbono foi inevitavelmente emitido durante o seu fabrico.

Esta decisão foi tomada em relação a um sistema de painéis solares cuja encarnada carbono foi pago durante 1,2 anos de uso e parece significar que não há prédios ou produtos manufaturados pode legitimamente ser descrito como zero de carbono em sua jurisdição.

Promessas: Ser neutro em carbono está cada vez mais visto como responsabilidade corporativa ou bom estado social e uma lista crescente de empresas, cidades e estados estão anunciando datas para quando eles pretendem tornar-se totalmente neutro.

Empresas e organizações

A Rede Clima Neutro inicial era um Oregon organização sem fins lucrativos fundada por Sue Hall e incorporada em 1999 para convencer as empresas que sendo de clima neutro foi potencialmente custar poupança, bem como ambientalmente sustentável. Ela se desenvolveu tanto Certificação da Climate Neutral e Clima marca fresco com os principais interessados, como a EPA dos EUA, The Nature Conservancy, Rocky Mountain Institute, Conservação Internacional, eo World Resources Institute e conseguiu se matricular de 2002 Jogos Olímpicos de Inverno para compensar seus associados emissões de gases de efeito estufa.

O site sem fins lucrativos na web em março de 2011, lista da organização como o fechamento de suas portas e os planos para continuar o clima frio em caso de transferência para uma organização sem fins lucrativos novo, desconhecido neste momento. Curiosamente, a empresa de consultoria com fins lucrativos, Climate Neutral Network Business, lista o Salão Sue mesmo como CEO e lista muitas das mesmas empresas que participaram na Rede Clima Neutro originais, como clientes de consultoria.

Poucas empresas têm realmente atingido Certificação Clima Neutro, aplicando-se a um processo rigoroso de análise e estabelecendo que eles têm conseguido líquido zero absoluto, ou melhor impacto no clima do mundo. Shaklee Corporation anunciou que se tornou a primeira empresa Climate Neutral certificada em abril de 2000.

Clima estados rede neutra de negócios que visita-lo certificada Dave Matthews Band em concerto como Climate Neutral. O Christian Science Monitor criticou o uso de NativeEnergy. uma empresa com fins lucrativos que vende créditos de compensações para as empresas e celebridades como Dave Matthews.

Café Salt Spring tornou-se neutra em carbono através da redução das emissões através da redução de longo alcance de caminhões e usando bio-diesel combustível em caminhões de entrega, a atualização para o equipamento de energia eficiente e compra de créditos de carbono. A empresa alega que o café primeiro carbono neutro vendido no Canadá.

Café Salt Spring foi reconhecido pela Fundação David Suzuki, em seu relatório Doing Business 2010 em um novo clima.

Alguns exemplos de empresas de auto-proclamada neutra em carbono e iniciativas climáticas neutros incluem Dell, Google, HSBC, ING Group, PepsiCo, Sky, e Tesco.

Sob a liderança do Secretário-Geral Ban Ki-moon, a Organização das Nações Unidas se comprometeram a trabalhar no sentido de neutralidade climática em dezembro de 2007.

A United Nations Environment Programme (UNEP) anunciou que estava se tornando clima neutro em 2008 e estabeleceu uma Climate Neutral Network para promover a ideia em fevereiro de 2008.

Eventos como a Cúpula do G8 e de organizações como o Banco Mundial também estão usando esquemas de compensação para se tornar neutro em carbono.

Artistas como Rolling Stones e Pink Floyd fizeram álbuns ou passeios de carbono neutro, enquanto o Live Earth diz que os seus sete concertos realizada em 7 de julho de 2007 foram o maior evento de carbono neutro público na história.

Os edifícios são o maior contribuinte para a produção de gases de efeito estufa. O Instituto Americano de Arquitetos Compromisso 2030 é um programa voluntário para as empresas membros da AIA e outras entidades no ambiente construído, que pede a estas organizações se comprometam a desenvolver todos os seus edifícios para ser neutro em carbono até 2030.

Em 2010, escritório de arquitetura HOK trabalhou com energia e consultor de iluminação natural O Grupo Weidt para projetar uma 170735 metros quadrados (15,861.8 m 2) da rede zero de carbono das emissões de Classe Um protótipo edifício de escritórios em São Louis, Missouri, EUA.

Países e comunidades

Vários países e comunidades comprometeram-se a neutralidade de carbono, incluindo:

Costa Rica Costa Rica
Islândia Islândia
Maldivas Maldivas
Nova Zelândia Nova Zelândia
Noruega Noruega
Tuvalu Tuvalu
Cidade do Vaticano Cidade do Vaticano
British Columbia British Columbia
Butão Butão

Costa Rica

A nação centro-americana da Costa Rica pretende ser totalmente neutro em carbono até 2021. Em 2004, 46,7% da Costa Rica de energia primária veio a partir de fontes renováveis, enquanto que 94% da sua eletricidade foi gerada a partir de energia hidrelétrica, eólica fazendas e de energia geotérmica em 2006.

Um imposto de 3,5% sobre a gasolina no país é usado para os pagamentos para compensar proprietários de terras para o cultivo de árvores e proteger as florestas e seu governo está fazendo mais planos para reduzir as emissões provenientes da agricultura, transportes e indústria. Mais de 80 por cento da energia da Costa Rica já é gerada através de fontes renováveis, tais como água e vento.

E biosfera rica do país tropical faz com que os desafios ambientais especialmente alto lá. Ligeiramente menor do que West Virginia, Costa Rica é acreditado para a casa de cerca de 5 por cento das plantas do mundo e as espécies animais.

Dinamarca: Samsø ilha na Dinamarca é o maior assentamento de carbono neutro no planeta, com uma população de 4200, com base na eletricidade eólica e de biomassa de aquecimento urbano. Eles, atualmente, geram energia eólica extra e exportar energia elétrica para compensar petro veículos movidos. Há esperanças para o futuro do uso de veículos elétricos ou biocombustível.

Maldivas

O presidente das Maldivas se comprometeu a fazer o seu país de carbono neutro, dentro de uma década movendo ao vento e energia solar.

O Maldivas, um país composto de muito ilhas baixas, seria um dos primeiros países a serem submersas devido à subida do nível do mar. As Maldivas presidiu a fundação do Fórum Clima Vulnerável.

Nova Zelândia

Outra nação a neutralidade de carbono promessa é a Nova Zelândia.

Sua Carbono Neutro Iniciativa do Setor Público tem como objetivo compensar as emissões de gases de efeito estufa de um grupo inicial de seis agências governamentais até 2012.

As emissões inevitáveis serão compensados, principalmente através de projetos florestais em terras indígenas de regeneração de conservação.

Todas as 34 agências de serviços públicos também precisam ter planos de redução de emissões no lugar. O programa de Serviço Público Carbono Neutro foi interrompido em março de 2009.

Noruega

Em 19 de abril de 2007, o primeiro-ministro Jens Stoltenberg anunciou ao Partido Trabalhista congresso anual que a Noruega é gases de efeito estufa das emissões seria reduzido em 10 por cento mais do que o seu compromisso de Quioto até 2012, e que o governo havia concordado em realizar cortes de emissões de 30 % até 2020.

Ele também propôs que a Noruega deve se tornar carbono neutro até 2050, e apelou a outros países ricos a fazerem o mesmo.

Esta neutralidade de carbono seria alcançado, em parte, por compensação de carbono, uma proposta criticada pelo Greenpeace, que também chamou a Noruega para assumir a responsabilidade para os 500 milhões de toneladas de emissões causadas por suas exportações de petróleo e gás.

World Wildlife Fund Noruega também acredita que a compra de créditos de carbono é inaceitável, dizendo “é um natimorto político a acreditar que a China vai aceitar tranquilamente que a Noruega comprar cotas do clima no exterior “.

O norueguês ambientalista Bellona Foundation acredita que o primeiro-ministro foi forçado a agir devido à pressão do anti- União Europeia membros da coalizão do governo, e chamou o anúncio “visões sem conteúdo”.

Em janeiro de 2008, o governo norueguês foi um passo além e declarou o objetivo de ser neutro em carbono até 2030. Mas o governo não foi específico sobre quaisquer planos para reduzir emissões em casa.

O plano é baseado na compra de créditos de carbono de outros países.

Islândia

Islândia também está se movendo em direção à neutralidade climática. Mais de 99% da produção de eletricidade e quase 80% da produção total de energia vem de hidrelétricas e geotérmicas.

Nenhuma outra nação usa uma proporção tão elevada de recursos energéticos renováveis. Em fevereiro de 2008, Costa Rica, Islândia, Nova Zelândia e Noruega foram os quatro primeiros países a aderir à Climate Neutral Network, uma iniciativa liderada pelo Programa Ambiental das Nações Unidas (UNEP) para catalisar a ação global para economias de baixo carbono e sociedades.

Cidade do Vaticano

Em julho de 2007, Cidade do Vaticano anunciou um plano para se tornar o estado neutro em carbono em primeiro lugar no mundo, seguindo a política do Papa para eliminar o aquecimento global.

O objetivo seria alcançado através da doação da Floresta Ambiental do Vaticano na Hungria. A floresta deve ser dimensionado para compensar as emissões do ano de dióxido de carbono.

No entanto, há árvores foram realmente plantadas a partir de 2008.

A KlimaFa empresa não está mais na existência e não cumpriu suas promessas.

Em novembro de 2008, a cidade-estado também instalado e colocado em operação 2.400 painéis solares no telhado do Centro Paulo VI público corredor.

Colômbia britânica

Em junho de 2011, a província canadense de Colúmbia Britânica anunciaram que tinham-se oficialmente a jurisdição provincial /primeiro estado na América do Norte para alcançar a neutralidade de carbono em operações do setor público: escritório todas as escolas, hospital, universidade, Crown corporação, e do governo medido, relatados e comprado créditos de carbono em todos os seus 2010 Gases de Efeito Estufa emissões como exigido pela legislação.

Iniciativas de carbono zero: Muitas iniciativas procuram ajudar pessoas, empresas e estados para reduzir sua pegada de carbono ou alcançar a neutralidade climática.

Estes incluem projetos de neutralização de sites como o CO2 Stats e, iniciativa semelhante Europeia CO2 site neutro, bem como a Climate Neutral Network, Caring for Climate, e junto de campanha.

Certificação

Embora atualmente não existe qualquer sistema internacional de certificação de carbono ou a neutralidade climática, alguns países criaram sistemas de certificação nacionais.

Exemplos incluem Programa Eco-Farol norueguês.

Certificações também estão disponíveis a partir do BSI ( PAS 2.060 ) e da Companhia CarbonNeutral (CarbonNeutral ®).

Crédito de carbono

Um crédito de carbono é um termo genérico para qualquer certificado negociável ou permitir que representa o direito de emitir uma tonelada de dióxido de carbono ou a massa de um outro gás de efeito estufa com dióxido de carbono equivalente (tCO2 e) equivalente a uma tonelada de dióxido de carbono.

Os créditos de carbono e os mercados de carbono são uma componente nacional e as tentativas internacionais para mitigar o aumento das concentrações de gases de efeito estufa (GEE).

Um crédito de carbono é igual a uma tonelada métrica de dióxido de carbono, ou, em alguns mercados, gases de carbono equivalentes de dióxido.

O comércio de carbono é uma aplicação de um comércio de emissões abordagem. Emissões de gases de efeito estufa são limitadas e, em seguida, os mercados são usados para alocar as emissões entre o grupo de fontes regulamentadas.

O objetivo é permitir que os mecanismos de mercado para conduzir processos industriais e comerciais na direção da baixa emissão ou abordagens menos intensivos em carbono do que aqueles usados quando não há custo para emissão de dióxido de carbono e outros GEE para a atmosfera.

Desde projetos de mitigação de GEE gerar créditos, esta abordagem pode ser usada para financiar programas de redução de carbono entre os parceiros comerciais e ao redor do mundo.

Há também muitas empresas que vendem créditos de carbono para clientes comerciais e individuais que estão interessados em reduzir sua pegada de carbono em uma base voluntária.

Estes offsetters carbono comprar os créditos de um fundo de investimento ou uma empresa de desenvolvimento de carbono que agregou os créditos de projetos individuais.

Compradores e vendedores também pode usar uma plataforma de intercâmbio para o comércio, como o Carbon Trade Exchange, que é como uma bolsa de créditos de carbono.

A qualidade dos créditos é baseado em parte no processo de validação e sofisticação da empresa de fundo ou de desenvolvimento que atuou como patrocinador para o projeto de carbono. Isso se reflete no seu preço; unidades voluntárias geralmente têm menos valor do que as unidades vendidas pela rigorosamente validados Mecanismo de Desenvolvimento Limpo.

Antecedentes

A queima de combustíveis fósseis é uma importante fonte de gases de efeito estufa de emissões, especialmente para cimento, energia, siderurgia, têxtil, fertilizantes e muitos outros setores que dependem de combustíveis fósseis (carvão, eletricidade derivada do carvão, gás natural e óleo).

Os gases de estufa principais emitidos por estas indústrias são o dióxido de carbono, metano, óxido nitroso, hidrofluorocarbonetos (HFC), etc, os quais aumentam a capacidade da atmosfera para interceptar a energia infravermelha, afetando assim o clima.

O conceito de créditos de carbono surgiu como resultado do aumento da consciência da necessidade de controlar as emissões.

O IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima) tem observado que:

Políticas que fornecem um preço real ou implícito do carbono podem criar incentivos para os produtores e consumidores investirem de forma significativa em baixa de GEE produtos, tecnologias e processos. Essas políticas poderiam incluir instrumentos econômicos, financiamento e regulação do governo, enquanto notando que um sistema de licenças negociáveis é um dos instrumentos de política que tem sido demonstrado ambientalmente eficaz no setor industrial, desde que há níveis razoáveis de previsibilidade sobre o mecanismo de alocação inicial e de longo prazo dos preços.

O mecanismo foi formalizado no Protocolo de Kyoto, um acordo internacional entre mais de 170 países, e os mecanismos de mercado foram acordados através dos seguintes Acordos de Marraquexe.

O mecanismo utilizado foi semelhante ao sucesso EUA Programa chuva ácida para reduzir alguns poluentes industriais.

Licenças de emissão

Sob o Protocolo de Kyoto, o ‘caps’ ou quotas de gases de efeito estufa para os países desenvolvidos do Anexo 1 países são conhecidos como Os montantes atribuídos e estão listados no Anexo B.

A quantidade do valor inicial atribuído for expresso em unidades individuais, chamado Atribuído unidades de quantidade (UQA), cada um deles representa o direito de emitir uma tonelada métrica de dióxido de carbono equivalente, e estes são inseridos no cadastro nacional do país.

Por sua vez, esses países definir cotas para as emissões de instalações executados por empresas locais e outras organizações, genericamente denominadas de operadores.

Países gerenciar isso através de seus registros nacionais, que são necessários para ser validada e monitorizada para o cumprimento, pela UNFCCC.

Cada operador tem um subsídio de créditos, onde cada unidade dá ao proprietário o direito de emitir uma tonelada métrica de dióxido de carbono ou outra equivalente de gás de efeito estufa.

Operadores que não tenham esgotado a sua quota podem vender as suas licenças não utilizadas como créditos de carbono, enquanto as empresas que estão prestes a exceder as suas quotas pode comprar as licenças suplementares como créditos, privada ou no mercado aberto. Como a demanda por energia cresce ao longo do tempo, as emissões totais ainda deve ficar dentro da tampa, mas que permite flexibilidade e previsibilidade alguma indústria em seu planejamento para acomodar isso.

Ao permitir licenças de emissão a ser comprado e vendido, um operador pode procurar a forma mais custo-eficaz de reduzir suas emissões, seja através do investimento em “mais limpa” máquinas e práticas, ou através da compra de emissões de um outro operador que já tem “capacidade” em excesso.

Desde 2005, o mecanismo de Quioto foi adoptado por CO2 por negociação todos os países da União Europeia no âmbito do seu regime de comércio europeu (EU ETS) com a Comissão Europeia como a sua autoridade de validação. A partir de 2008, os participantes da UE deve vincular com os outros países desenvolvidos que ratificaram o Anexo I do protocolo, e trocar os seis mais significativos antrópicas de gases de efeito estufa. No Estados Unidos, que não ratificou Kyoto, e Austrália, cuja ratificação entrou em vigor em março de 2008, sistemas semelhantes estão sendo considerados.

O mercado de carbono e o Protocolo de Kyoto

Um crédito negociáveis pode ser um subsídio de emissões ou uma unidade de quantidade atribuída, que foi inicialmente atribuído ou leiloadas pelos administradores nacionais de Kyoto-compliant esquema cap-and-trade, ou pode ser uma compensação de emissões.

Tais atividades de compensação e mitigação pode ocorrer em qualquer país em desenvolvimento que ratificaram o Protocolo de Kyoto, e tem um acordo nacional para validar seu projeto de carbono através de um dos UNFCCC ‘s mecanismos aprovados. Uma vez aprovado, essas unidades são chamadas Reduções Certificadas de Emissão, ou RCEs.

O Protocolo permite que esses projetos devem ser construídos e creditado com antecedência do período de negociação de Quioto.

O Protocolo de Quioto prevê três mecanismos que permitam aos países ou operadores em países desenvolvidos adquirir créditos de redução de gases de efeito estufa

Sob a Implementação Conjunta (JI) um país desenvolvido com custos relativamente elevados de redução de efeito estufa doméstica iria criar um projeto em outro país desenvolvido.
Sob o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) um país desenvolvido pode “patrocinar” um projeto de redução de gases de efeito estufa em um país em desenvolvimento onde o custo de gases de efeito estufa atividades do projeto de redução é geralmente muito menor, mas o efeito atmosférico é globalmente equivalente. O país desenvolvido seria dado créditos para cumprir suas metas de redução de emissões, enquanto o país em desenvolvimento iriam receber o investimento de capital e tecnologia limpa ou benéfica mudança no uso da terra.
Sob Internacional de Comércio de Emissões (IET) os países podem negociar no mercado internacional de créditos de carbono para cobrir seu déficit em unidades de quantidade atribuída. Países com unidades em excesso pode vendê-los aos países que estão superando suas metas de emissões ao abrigo do anexo B do Protocolo de Quioto.
Esses projetos de carbono pode ser criado por um governo nacional ou por um operador no interior do país. Na realidade, a maioria das operações não são realizadas pelos governos nacionais diretamente, mas por operadores que tenham sido estabelecidas quotas por seu país.

Mercados de emissões

Para fins comerciais, um subsídio ou CER é considerada equivalente a uma tonelada métrica de emissões de CO2.

Estes subsídios podem ser vendidos ou privada no mercado internacional ao preço de mercado vigente. Esses comerciais e estabelecer subsídios a nível internacional e, portanto, permitir que sejam transferidos entre países. Cada transferência internacional é validado pela UNFCCC. Cada transferência de propriedade no seio da União Europeia está ainda validada pela Comissão Europeia.

Trocas climáticas foram estabelecidos para fornecer um mercado spot de licenças, bem como futuros e opções de mercado para ajudar a descobrir um preço de mercado e manter a liquidez.

Preços de carbono são normalmente citado em Euros por tonelada de dióxido de carbono ou o seu equivalente (CO2 e). Outros gases de estufa também pode ser comercializado, mas são cotados em múltiplos padrões de dióxido de carbono no que diz respeito ao seu potencial de aquecimento global. Esses recursos reduzem o impacto financeiro da cota de negócios, garantindo simultaneamente que as quotas sejam cumpridas a nível nacional e internacional.

Atualmente, existem seis trocas de comércio de licenças de carbono: o Chicago Climate Exchange, European Climate Exchange, Nasdaq OMX Commodities Europa, Powernext, Commodity Exchange Bratislava ea troca Europeia da Energia.

NASDAQ OMX Commodities Europa listado um contrato para negociar compensações geradas por um MDL projeto de carbono chamados Reduções Certificadas de Emissões (RCEs).

Muitas empresas já se engajar em redução de emissões, a compensação, e os programas de seqüestro de gerar créditos que podem ser vendidos em uma das bolsas.

Pelo menos um mercado privado eletrônico foi criado em 2008: CantorCO2e. Os créditos de carbono na Bolsa de Mercadorias Bratislava são negociadas na plataforma especial – lugar de carbono

A gestão das emissões é um dos segmentos que mais crescem em serviços financeiros na City de Londres com um mercado estimado em cerca de 30 bilhões em 2007. Louis Redshaw, chefe de mercados ambientais na Barclays Capital prevê que “O carbono será mercado o maior do mundo de commodities, e poderia se tornar o maior mercado do mundo em geral”.

A definição de um preço de mercado para o carbono

Desmarcada, os níveis de emissão de energia uso e, portanto, estão previstas para continuar a subir ao longo do tempo. Assim, o número de empresas que precisam comprar créditos vão aumentar, e as regras da oferta e da procura vai subir o preço de mercado, incentivando mais grupos para realizar atividades ambientalmente amigáveis que criam créditos de carbono para vender.

Um subsídio individual, tal como uma unidade de quantidade atribuída (AAU) ou seu equivalente europeu quase Provisão União (EUA), pode ter um valor de mercado diferente a uma tal deslocamento como uma CER. Isto é devido à falta de um mercado desenvolvido secundário para RCEs, uma falta de homogeneidade entre os projetos que causa dificuldade na fixação de preços, bem como questões devido ao princípio da complementaridade e sua vida útil.

Além disso, deslocamentos gerados por um projeto de carbono sob o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo são potencialmente limitado em termos de valor, porque os operadores no RCLE-UE são restritas a que porcentagem do seu subsídio pode ser satisfeita através destes mecanismos flexíveis.

Universidade de Yale, professor de economia William Nordhaus argumenta que o preço do carbono precisa ser alta o suficiente para motivar as mudanças de comportamento e mudanças nos sistemas de produção econômicos necessários para efetivamente limitar as emissões de gases de efeito estufa:

Aumentar o preço do carbono vai atingir quatro metas. Primeiro, ele irá fornecer sinais aos consumidores sobre que bens e serviços são de alto carbono mais e deve ser usado com mais moderação. Em segundo lugar, ele irá fornecer sinais aos produtores sobre os quais utilizam insumos mais carbono (como o carvão eo petróleo) e que use nenhum ou menos (como gás natural ou energia nuclear), induzindo as empresas a substituir insumos de baixo carbono. Terceiro, ele vai dar incentivos de mercado para inventores e inovadores para desenvolver e introduzir produtos de baixo carbono e processos que podem substituir a atual geração de tecnologias. Quarto, e mais importante, um preço alto carbono vai economizar na informação que é necessário para fazer todos os três destas tarefas. Através do mecanismo de mercado, um preço alto carbono vai aumentar o preço dos produtos de acordo com seu conteúdo de carbono. Os consumidores de hoje éticos, na esperança de minimizar a sua “pegada de carbono” têm pouca chance de fazer um cálculo preciso do uso do carbono em relação, digamos, dirigir 250 quilômetros em comparação com o vôo 250 milhas. Um imposto sobre o carbono harmonizada elevaria o preço de um bem proporcionalmente exatamente a quantidade de CO2 que é emitida em todas as fases da produção que estão envolvidos na produção desse bem. Se 0,01 de uma tonelada de resultados de emissão de carbono a partir do cultivo de trigo ea moagem ea de caminhões e assar um pão, em seguida, um imposto de US $ 30 por tonelada de carbono vai aumentar o preço do pão por US $ 0,30. A “pegada de carbono” é automaticamente calculado pelo sistema de preços. Os consumidores que ainda não sabe o quanto do preço é devido às emissões de carbono, mas eles poderiam tomar suas decisões confiantes de que estão pagando o custo social de sua pegada de carbono.

Nordhaus sugeriu, com base no custo social de emissões de carbono, que o melhor preço do carbono está em torno de $ 30 (EUA) por tonelada e será necessário aumentar com a inflação.

O custo social do carbono é o dano adicional causado por uma tonelada adicional de emissões de carbono. … O preço do carbono ideal, ou imposto sobre o carbono ideal, é o preço de mercado (ou imposto sobre o carbono) sobre as emissões de carbono que equilibra os custos incrementais de redução das emissões de carbono com os benefícios incrementais de redução de danos climáticos. … país queria impor um imposto de carbono de US $ 30 por tonelada de carbono, isso implicaria um imposto sobre a gasolina de cerca de 9 centavos de dólar por galão. Da mesma forma, o imposto sobre o carvão da eletricidade gerada seria de cerca de 1 centavo por kWh, ou 10 por cento do preço de varejo atual. Aos níveis atuais de emissões de carbono nos Estados Unidos, um imposto de US $ 30 por tonelada de carbono poderia gerar $ 50 bilhões de receita por ano.

Como comprar créditos de carbono pode reduzir as emissões

Créditos de carbono criam um mercado para reduzir as emissões de efeito estufa, dando um valor monetário para o custo da poluição do ar.

Emissões de tornar-se um custo interno de fazer negócios e são visíveis no balanço ao lado de matérias-primas e outros passivos ou ativos.

Por exemplo, considere uma empresa que possui uma fábrica de colocar para fora 100.000 toneladas de emissões de gases de efeito estufa em um ano. Seu governo é um país do Anexo I, que promulga uma lei para limitar as emissões que a empresa pode produzir. Assim, a fábrica é dada uma cota de, digamos, 80.000 toneladas por ano. A fábrica quer reduzir as suas emissões para 80.000 toneladas, ou é obrigado a comprar créditos de carbono para compensar o excesso. Depois de custar até alternativas a empresa pode decidir que não é rentável ou inviável para investir em novas máquinas para esse ano.

Em vez disso, pode optar por comprar créditos de carbono no mercado aberto de organizações que tenham sido aprovados como sendo capaz de vender créditos de carbono legítimos.

Devemos considerar o impacto da fabricação de fontes alternativas de energia. Por exemplo, a energia consumida eo carbono emitida no fabrico e transporte de uma grande turbina eólica proibiria um crédito sendo emitida por um período de tempo predeterminado.

Um vendedor pode ser uma empresa que irá oferecer para compensar as emissões através de um projeto no mundo em desenvolvimento, como a recuperação de metano a partir de uma granja de suínos para alimentar uma usina que anteriormente iria usar combustíveis fósseis. Assim, embora a fábrica continua a emitir gases, que pagaria um outro grupo para reduzir o equivalente a 20.000 toneladas de emissões de dióxido de carbono da atmosfera para esse ano.
Outro vendedor pode já investiram em máquinas de baixa emissão de novo e ter um excedente de licenças como resultado. A fábrica poderia compensar suas emissões comprando 20.000 toneladas de licenças de emissão a partir deles. O custo de novas máquinas do vendedor seria subsidiado pela venda de licenças. Tanto o comprador e o vendedor não prestar contas de suas emissões para provar que suas licenças foram cumpridas corretamente.

Créditos contra impostos

Os créditos de carbono e os impostos de carbono cada um tem suas vantagens e desvantagens. Créditos foram escolhidos pelos signatários do Protocolo de Quioto como uma alternativa para os impostos de carbono.

Uma crítica do imposto de sensibilização esquemas é que eles não são frequentemente relacionados com a utilização, e assim parte ou a totalidade da tributação criado por um governo seria aplicada com base no que o governo da nação em particular considere mais adequado. No entanto, alguns argumentam que o comércio de carbono é baseada em torno de criar um mercado lucrativo artificial, e, manipulados por empresas do mercado livre, pois é, o comércio de carbono não é necessariamente uma solução concentrada ou facilmente regulado.

Ao tratar das emissões como um mercado de commodities alguns defensores insistem que se torna mais fácil para as empresas a entender e gerenciar suas atividades, enquanto os economistas e os comerciantes podem tentar prever preços futuros utilizando as teorias de mercado. Assim, as principais vantagens de um crédito de carbono negociável por um imposto sobre o carbono.

Argumenta-se:

O preço pode ser mais provável a ser percebido como justo por aqueles que pagá-lo. Os investidores em créditos pode ter mais controle sobre suas próprias despesas.
Os mecanismos flexíveis do Protocolo de Kyoto ajudar a garantir que todo o investimento vai em verdadeiros programas de redução sustentável de carbono através de um processo de validação aprovado internacionalmente.
Alguns defensores afirmam que, se corretamente implementado um nível alvo de reduções de emissões podem de alguma forma ser alcançado com mais certeza, enquanto que sob um imposto às emissões reais podem variar ao longo do tempo.
Pode fornecer um quadro para recompensar as pessoas ou empresas que plantam árvores ou cumprem as normas exclusivamente reconhecidos como “verde”

As vantagens de um imposto sobre o carbono

Argumenta-se:

Possivelmente menos complexo, dispendioso e demorado para implementar. Essa vantagem é especialmente grande quando aplicada a mercados como a gasolina ou o óleo de aquecimento doméstico.
Talvez alguma redução do risco de certos tipos de fraude, embora em ambos os créditos e impostos, as emissões devem ser verificadas.
Incentivos reduzidos para as empresas a adiar melhorias de eficiência anteriores ao estabelecimento da linha de base se os créditos são distribuídos proporcionalmente às emissões passadas.
Quando os créditos estão salvaguardados, este coloca as empresas novas ou em crescimento em desvantagem em relação às empresas mais estabelecidas.
Permite uma maior manipulação centralizada dos ganhos adquiridos
Pena de carbono é estabilizada por regulação governamental em vez de flutuações do mercado. Condições ruins de mercado e o interesse do investidor fraco ter um impacto diminuído em matéria de tributação, em oposição ao comércio de carbono.

O princípio da Suplementaridade dentro do Protocolo de Kyoto significa que a redução interna de emissões devem prevalecer diante de um país compra de créditos de carbono. No entanto, também estabeleceu o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo como um mecanismo flexível em que as entidades cobertas poderia desenvolver reais, mensuráveis e permanentes reduções de emissões voluntariamente em setores fora da tampa.

Muitas críticas de créditos de carbono derivam do fato de que o estabelecimento que a emissão de gases de efeito estufa CO2-equivalente foi realmente reduzida envolve um processo complexo.

Este processo tem evoluído como o conceito de um projeto de carbono tem sido aperfeiçoado ao longo dos últimos 10 anos.

O primeiro passo para determinar se ou não um projeto de carbono tem legitimamente levou à redução de reais, mensuráveis e as emissões permanentes é a compreensão do processo de metodologia MDL.

Este é o processo pelo qual os patrocinadores do projeto apresentar, através de uma Entidade Operacional Designada (DOE), os seus conceitos para as emissões de criação de redução.

O Conselho Executivo do MDL, com o Painel de Metodologia do MDL e seus consultores especialistas, analisar cada projeto e decidir como e se eles efetivamente resultem em reduções que sejam adicionais.

Adicionalidade e sua importância

Também é importante para qualquer crédito de carbono (offset) para provar um conceito chamado de adicionalidade.

O conceito de adicionalidade aborda a questão de saber se o projeto teria acontecido de qualquer maneira, mesmo na ausência de receitas de créditos de carbono. Créditos de carbono de projetos que são “adicional” ao cenário business-as-usual representar um benefício líquido para o ambiente. Projetos de carbono que geram fortes retornos financeiros, mesmo na ausência de receitas de créditos de carbono, ou que são obrigados pelos regulamentos, ou que representam uma prática comum em uma indústria geralmente não são considerados complementares, embora a determinação completa da adicionalidade requer revisão especialista.

É geralmente aceite que os projetos de compensação de carbono voluntários também devem provar a adicionalidade, a fim de garantir a legitimidade das reivindicações de gestão ambiental decorrentes da aposentadoria do crédito de carbono (offset). Segundo o World Resources Institute /World Business Council for Sustainable Development (WRI/WBCSD): “Os programas de troca de emissões de GEE funcionar pelo nivelamento das emissões de um número fixo de instalações individuais ou fontes de acordo com esses programas, negociáveis” créditos de compensação “são emitidos para projetos baseados em reduções de GEE que ocorrem em fontes não abrangidas pelo programa. Cada crédito permite compensar instalações cujas emissões estão limitadas a emitir mais, em proporção direta com as reduções de GEE representados pelo crédito. A ideia é atingir um crescimento zero na net emissões de GEE, pois cada tonelada de emissões de aumento é “compensada” pelo projeto baseados em reduções de GEE. A dificuldade é que muitos projetos que reduzam as emissões de gases de efeito estufa (em relação aos níveis históricos) que aconteceria independentemente da existência de um programa de GEE e sem qualquer preocupação para a mitigação das mudanças climáticas. Se um projeto que teria acontecido de qualquer maneira “, em seguida, emitir créditos de compensação para as suas reduções de gases de efeito estufa vai realmente permitir um aumento líquido positivo nas emissões de GEE, comprometendo o objetivo de emissões do programa de GEE.

Adicionalidade é, portanto, fundamental para o sucesso e integridade dos programas de GEE que reconhecem projeto baseados em reduções de GEE. ”

Críticas

O mecanismo de Kyoto é o único mecanismo internacional acordado para regular as atividades de crédito de carbono, e, crucialmente, inclui verificações de adicionalidade e eficácia geral. A sua organização de apoio, a UNFCCC, é a única organização com um mandato global sobre a eficácia global dos sistemas de controle de emissões, embora o cumprimento de decisões depende nacional de cooperação.

O período de negociação de Quioto só se aplica a cinco anos entre 2008 e 2012. A primeira fase do sistema ETS da UE começou antes disso, e deverá continuar em uma terceira fase, depois, e pode coordenar com o que for acordado internacionalmente, mas há a incerteza geral sobre o que será acordado em pós-Protocolo de Quioto negociações sobre as emissões de gases de efeito estufa.

Como o investimento das empresas muitas vezes funciona ao longo de décadas, este acrescenta o risco ea incerteza de seus planos. Como vários países responsáveis por uma grande proporção das emissões globais (notadamente EUA, Austrália, China) têm evitado limites obrigatórios, isto também significa que as empresas nos países em tampadas pode perceber-se a trabalhar em desvantagem competitiva em relação aos dos países não niveladas como elas são agora pagando por seus custos de carbono diretamente.

Um conceito-chave por trás do sistema cap and trade é que as quotas nacionais deve ser escolhido para representar reduções genuínas e significativas na produção nacional de emissões.

Isso não só garantir que as emissões globais sejam reduzidas, mas também que os custos do comércio de emissões são realizadas de forma justa entre todas as partes do sistema de negociação. No entanto, os governos dos países cobertas podem procurar enfraquecer unilateralmente os seus compromissos, como o demonstram os 2006 e 2007 planos nacionais de atribuição para vários países no RCLE-UE, que foram submetidos tarde e, em seguida, foram inicialmente rejeitadas pela Comissão Europeia por ser demasiado permissivo.

A questão foi levantada sobre a existência de direitos adquiridos de licenças. Países no âmbito do RCLE UE concederam seus negócios históricos mais ou todas as suas licenças gratuitamente.

Isto às vezes pode ser percebida como um obstáculo protecionista para os novos operadores em seus mercados. Houve também acusações de geradores de energia recebendo uma ‘colheita’ de lucro, passando em ‘acusações’ essas emissões aos seus clientes. Como os movimentos ETS da UE em sua segunda fase e se junta com Kyoto, parece provável que esses problemas será reduzido a mais licenças serão leiloadas.

Fonte: onlyzerocarbon.org/www.greenco2.net/en.wikipedia.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Efeito La Niña

PUBLICIDADE Efeito La Niña – O que é Tradicionalmente, La Niña tem recebido menos atenção do que …

Poluição Industrial

PUBLICIDADE Muitos processos de fabricação industrial usam ou produzem produtos químicos que podem prejudicar a …

Biotecnologia Ambiental

Biotecnologia Ambiental

PUBLICIDADE Definição A biotecnologia ambiental, em particular, é a aplicação de processos para a proteção e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.