Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Meio Ambiente / Arborização Urbana

Arborização Urbana

PUBLICIDADE

 

ARBORIZAÇÃO E FLORESTAS URBANAS -TERMINOLOGIA ADOTADA PARA A COBERTURA ARBÓREA DAS CIDADES BRASILEIRAS

INTRODUÇÃO

Dois conceitos têm sido usados no Brasil para designar o conjunto da vegetação arbórea, presente nas cidades: Arborização Urbana e Floresta Urbana.

Ambos tiveram o seu conteúdo redefinido recentemente, tendo como base provável os termos estabelecidos por canadenses e norte americanos a partir da década de sessenta. O histórico do conceito de “Urban Forest” (Floresta Urbana), está ligado à expansão das cidades e a demanda crescente de métodos e técnicas que pudessem ser aplicados ao conjunto arbóreo destes espaços. Grey & Deneke (1986) explicam que esta definição surgiu inicialmente no Canadá, citada por Erik Jorgensen (1970), o qual já descrevia Floresta Urbana como o conjunto de todas as árvores da cidade, presentes nas ruas, bacias hidrográficas, áreas de recreação, suas interfaces e espaços de influências.

A maneira mais fácil de se entender este conceito de “Urban Forest”, seria através de um sobrevôo imaginário sobre a cidade ou se um conjunto de imagens aéreas estivesse disponível na tela de um computador. No mosaico, poderia perceber os fragmentos de florestas e outras áreas verdes. Seria possível ver a cobertura da copa das árvores, ora continua, ora em linhas ou pequenos grupos, ora isoladas.

Miller (1997) sintetiza esta definição: “é o conjunto de toda a vegetação arbórea e suas associações dentro e ao redor das cidades, desde pequenos núcleos urbanos até as grandes regiões metropolitanas”. Inclui as árvores de ruas, avenidas, praças, parques, unidades de conservação, áreas de preservação, áreas públicas ou privadas, remanescentes de ecossistemas naturais ou plantadas.

Esta definição tem aspectos interessantes; estabelece uma delimitação a partir da sua macroestrutura, com uma visão ampla da paisagem. Além disto, analisa a cobertura arbórea integrando todas as situações, árvores isoladas, em grupos ou florestas. Mas, por outro lado, traz problemas quando se considera estes elementos de maneira mais próxima e por este motivo não foi aceita por diversos autores (Hultman, 1976; Rydberg & Falck, 2000). Eles discordaram da idéia de se imaginar o conjunto de árvores isoladas da cidade, como integrantes de uma floresta. Para eles, árvores e florestas devem ser entendidas como componentes distintos, principalmente para o seu tratamento e administração. Esta visão é defendida, por exemplo, por Hultman (1976), que lembra que a própria lUFRO (União Internacional de Organizações de Pesquisa Florestal) passou a adotar como tema” Arboriculture and Urban Forestry” (Arboricultura e Manejo de Florestas Urbanas) e organizou seminários sobre este assunto, intitulado “Árvores e Florestas para as Cidades” separando claramente estes componentes.

No Brasil, o termo “Urban Forest” foi traduzido inicialmente como “Arborização Urbanà”, adotando-se a mesma abrangência dada pelos autores norte americanos.

Segundo Milano (1992), Arborização Urbana é o “conjunto de terras públicas e privadas com vegetação predominantemente arbórea ou em estado natural que uma cidade apresenta” e neste inclui as árvores de ruas e avenidas, parques públicos e demais áreas verdes. Alguns autores, no entanto, sugerem a utilização do termo “Floresta Urbana”, também com o mesmo conteúdo (Gonçalves, 2000).

ALGUMAS SUGESTÕES PARA A CONSOLIDAÇÃO DOS CONCEITOS REFERENTES À COBERTURA ARBÓREA URBANA

Considerando o item anterior, dois aspectos deveriam ser considerados no entendimento destes conceitos. O primeiro se refere à discordância no uso de uma definição que inclua toda a vegetação arbórea. A utilização de um só termo para designar árvores isoladas e florestas tem sido contestada. O segundo se refere a como esta deve ser traduzida e/ou adotada em nosso país. Este mesmo conjunto ora tem sido designado como arborização urbana, ora como floresta urbana.

A adoção de terminologia técnica é influenciada quase sempre por um conjunto amplo de fatores e, no caso tratado, a dinâmica futura é que irá determinar se este ou aquele termo se consagrará de forma mais consistente.

No entanto, alguns aspectos poderiam ajudar a nortear e dar referências importantes nesta busca.

O primeiro destes aspectos é que procura-se designar componentes de ecossistemas, que apresentam estrutura e função e estas deveriam ser consideradas(Magalhães 2004). Árvores isoladas ou mesmo em pequenos grupos são bastante distintas de florestas. As florestas nas cidades estão em áreas maiores e continuas e constituem ecossistemas característicos, com o estabelecimento de relações especificas com o solo, água, nutrientes, a fauna e outros componentes ambientais. As relações, funções e benefícios para as comunidades antrópicas presentes também são especificas, como áreas de lazer, parques ou unidades de conservação.

Por outro lado, árvores isoladas ou em pequenos grupos estão presentes em quase toda a malha urbana, incluindo áreas predominantemente edificadas. São cultivadas e mantidas como indivíduos, são planejadas para ocupar o espaço na sua forma dendrológica plena. Afetam e são afetadas pelo ambiente também como indivíduos. A sua arquitetura individual é quase sempre trabalhada para o planejamento.

O segundo aspecto guarda uma estreita relação com o primeiro. As diferenças de estrutura e função resultaram em práticas e métodos completamente diferenciados para os dois tipos de componentes. Isto é tão forte que a arboricultura em muitos lugares se desenvolveu como disciplina separada da silvicultura.

Este aspecto é muito importante e a adoção de conceitos gerais ou específicos tem conseqüências no manejo e na administração da cobertura arbórea urbana. O conceito a ser adotado não pode desconsiderar as diferenças existentes entre a condução de árvores e o manejo de florestas urbanas.

Mesmo os autores que adotam definições gerais, no momento de detalhar o seu planejamento acabam separando as árvores de ruas das florestas e tratando cada uma à parte (Miller, 1997).

Finalmente, o terceiro aspecto se refere à terminologia técnica adotada e aos significados de alguns dos termos usados. No Brasil, algumas definições ainda mantêm fortes ligações aos significados utilizados no cotidiano e a sua adoção tem gerado resistências e confusões. O termo arborização sempre foi utilizado para a ação ou para o resultado do plantio e da manutenção de árvores, individuais ou em pequenos grupos. É usado, há bastante tempo, em atividades de ruas, praças e outros espaços deste tipo, como canteiros e jardins, e guarda ainda uma significativa (e quase única) conotação com estas atividades.

Ele sempre foi definido como “ato ou efeito de arborizar” ; arborizar, por sua vez, é defInido como “plantar árvores, guarnecer com árvores” e a palavra arborizado entendida como “plantado ou cheio de árvores” (Ferreira, 1971 ). Esta conotação sempre foi muito usada e distinta para a que se adota para floresta.

A definição usada para a palavra florestar era de “plantar árvores florestais, cobrir de florestas” e está ligada à atividade da silvicultura. Na língua portuguesa existe um outro termo que poderia ser útil – arvoredo, que tem o significado ligado a pequenos grupos de árvores. Este tipo não chega a formar ecossistemas florestais e é de grande aplicação em projetos paisagísticos.

Considerando estes significados, tanto o termo arborização teria dificuldades em atingir as atividades florestais, como o termo floresta urbana também dificilmente seria aplicado para árvores de rua, por exemplo. E isto se confirma na prática. Arborização é um termo usado com freqüência nos trabalhos com árvores Isoladas ou em pequenos grupos, mas sua aplicação é rara ou inexistente quando se trata da atividade florestal, como reflorestamento, e não tem qualquer ligação com atividades em florestas naturais, como de manejo de áreas silvestres.

CONCLUSÕES

O uso de todos estes termos se encontra numa dinâmica ainda intensa e eles deverão se consolidar, ou não, de acordo com os fatores que vem influenciando a sua adoção. No futuro, independente da terminologia que estará consagrada para designar o conjunto arbóreo urbano, a arboricultura e a silvicultura estarão atuando em estruturas distintas, sendo necessário que estas disciplinas e suas diferenças sejam incorporadas à pesquisa, à formação de profissionais e às políticas de administração destes componentes, nas cidades.

Considerando todas as diferenças citadas, seria interessante manter conceitos diferenciados para os componentes florestais e para as árvores isoladas ou em pequenos grupos: O primeiro poderia ser incluído no conceito de Floresta Urbana, ligado à atividade de Silvicultura Urbana; o segundo deveria ser definido no grupo de Arborização Urbana e estaria ligado às atividades de Arboricultura.

O uso de algum dos dois termos para designar todo o conjunto arbóreo certamente encontraria dificuldades. Deveria se buscar definições que incluíssem todos os componentes de maneira confortável. Até que este termo fosse encontrado e aceito plenamente, seria mais prudente a utilização de termos mais abrangentes, como Cobertura Arbórea Urbana, Vegeta o Arbórea Urbana ou Arborização e Floresta Urbana.

A definição proposta não trabalharia contra a integração e o enfoque abrangente que estes componentes merecem. Pelo contrário, o reconhecimento destas diferenças enriqueceria e aumentaria as possibilidades de integração, aperfeiçoando ainda mais a administração destes recursos.

Luís Mauro S. Magalhães

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FERREIRA, A.B.H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Edit. Nova Fronteira. 1971. 1517p.
GONÇALVES, W. Florestas Urbanas. Ação Ambiental. Viçosa. Ano n, Número 9, p 17-19.2000. GREY, W.G. ;
DENEKE, F. J. 1986 Urban Forestry. JoJm Wiley & Sons. 1986. 279p.
HULTMAN, S. Urban Forests in Sweden: their use for recreation and timber Growing. 1976. In: Proceedings of Papers Presented During Symposia -Trees and Forests for Human Settlements IUFRO. Toronto. p36-42.
MAGALHÃES, L.M.S. Funções e Estrutura da Cobertura Arbórea Urbana. EDUR – Editora da UFRRJ. 73p.2004
Ml.ANO, M.S. A cidade, os espaços abertos e a vegetação. h6: Anais do 1. Congresso Brasileiro sobre Arborização Urbana. 1992. Vitória. Sociedade Brasileira Arborização Urbana. 1992. Vo1.1. p3-14.
MILLER, R.W. Urban Foresty – Planning and Managing Urban Greenspaces. 2ªEd. Prentice Hall. 1997.502p.
RYDBERG, D.; FALCK, J. Urban Foresty in Sweden from a silvicultural perspective: a review. Landscape and Urban Planning. V.47 n.1-2, 2000. p.1-18.

Fonte: www.floram.org

Arborização Urbana

ARBORIZAÇÃO URBANA: IMPORTÂNCIA E ASPECTOS JURÍDICOS

Ultimamente temos observado que está aumentando na população a preocupação em relação ao meio ambiente urbano e a qualidade de vida de nossas cidades.

Fala-se muito em áreas verdes e arborização, mas o que significam e qual a relação que há entre si? Especificamente, qual é a importância da arborização e quais são seus aspectos jurídicos? É o que tentaremos analisar. Arborizar quer dizer plantar ou guarnecer de árvores um local. Por sua vez arborização é o efeito de arborizar. Porém, quando pronunciamos estas palavras tem-se a impressão, a primeira vista, de que estamos nos referindo a uma região rural, mas estes termos são muito mais utilizados em áreas urbanas do que nas rurais.

A arborização urbana é caracterizada principalmente pela plantação de arvores de porte em praças, parques, nas calçadas de vias públicas e nas alamedas e se constitui hoje em dia uma das mais relevantes atividades da gestão urbana, devendo fazer parte dos planos, projetos e programas urbanísticos das cidades.

Todo o complexo arbóreo de uma cidade, quer seja plantado ou natural, compõe em termos globais a sua área verde.

Todavia, costuma-se excluir a arborização ao longo das vias públicas como integrante de sua área verde, por se considerar acessória e ter objetivos distintos, já que as áreas verdes são destinadas principalmente à recreação e ao lazer e aquela tem a finalidade estética, de ornamentação e sombreamento (José Afonso da Silva. Direito Urbanístico Brasileiro, 2. ed. São Paulo. Malheiros, 1997, pg247-248). Isto se deve também ao fato de que a legislação de uso e parcelamento do solo (Lei 6766/79) obrigar aos loteamentos apenas a destinar uma área verde para praças, silenciando-se sobre arborização das ruas. Outros ainda afirmam que falta de permeabilidade em vista das calçadas, descaracteriza esta forma de arborização como área verde.

Realmente se analisarmos apenas pelas suas finalidades principais, são distintas, mas se analisarmos do ponto de vista ambiental, podemos concluir que as árvores existentes ao logo das vias públicas não podem ser excluídas do complexo de áreas verdes da cidade, pois apesar de estarem dispostas de forma linear ou paralela, constituem-se muitas vezes em uma “massa verde contínua”, propiciando praticamente os mesmos efeitos das áreas consideradas como verdes das praças e parques. Ademais, normalmente estas árvores estão protegidas pela legislação municipal contra cortes, de forma que sua localização acaba sendo perene, fortalecendo o entendimento de que compõem efetivamente a “massa verde urbana”. Além disso, este tipo de arborização tem a finalidade de propiciar um equilíbrio ambiental entre as áreas construídas e o ambiente natural alterado. Para nós toda a vegetação existente na cidade deve ser considerada como área verde, inclusive as árvores de porte que estão nos quintais, ou seja em áreas particulares. Não são áreas verdes da cidade? Evidente que são, pois também estão sob fiscalização do Poder Público, por força do contexto jurídico atual que as protege.

Em suma, toda vegetação ou árvore isolada, quer seja ela pública ou particular, ou de qualquer forma de disposição que exista na cidade, constitui a “massa verde urbana”, por conseqüência a sua área verde.

Aliás, há divergências até quanto a forma de se obter o índice área verde/habitante, pois alguns utilizam em seus cálculos somente as áreas públicas, enquanto outros toda a “massa verde” da cidade. Para nós, deve-se considerar as áreas verdes particulares (quintais e jardins), que muitas vezes são visivelmente maiores que as públicas. Assim, quando falamos em áreas verdes, estamos englobando também as áreas onde houve processo de arborização público ou particular, sem exceção. Atualmente, as áreas verdes ou espaços verdes são essenciais a qualquer planejamento urbano, tanto que na carta de Atenas há recomendação para sua criação em bairros residenciais, bem como essas áreas devem ser definidas claramente que são para recreação, escolas, parques infantis, para jogos de adolescentes e outros, sempre para uso comunitário.

Além das destinações citadas, as áreas verdes têm outras funções importantes tais como: higiênica, paisagística, estética, plástica, de valorização da qualidade de vida local, de valorização econômica das propriedades ao entorno etc. Em termos de Direito Urbanístico o art. 22 da Lei 6766/79- Lei do Parcelamento do Solo- impõe para o registro de parcelamento a constituição e integração ao domínio público das vias de comunicação, praças e os espaços livres. Nestes últimos estão incluídas as áreas verdes. Pelo art. 23 da citada lei, os espaços livres- entre eles as áreas verdes, como dito- passam a integrar o domínio público do município e em muitos deles as leis de parcelamento do solo determinam que nos projetos de loteamento sejam destinadas percentuais do imóvel a áreas verdes.

Assim, os espaços verdes ou áreas verdes, incluindo-se aí as árvores que ladeiam as vias públicas fruto da arborização urbana, também por serem seus acessórios que devem acompanhar o principal, são bens públicos de uso comum do povo, nos termos do art. 66 do Código Civil, estando à disposição da coletividade, o que implica na obrigação municipal de gestão, devendo o poder público local cuidar destes bens públicos de forma a manter a sua condição de utilização.

A arborização é essencial a qualquer planejamento urbano e tem funções importantíssimas como: propiciar sombra, purificar o ar, atrair aves, diminuir a poluição sonora, constituir fator estético e paisagístico, diminuir o impacto das chuvas, contribuir para o balanço hídrico, valorizar a qualidade de vida local, assim como economicamente as propriedades ao entorno. Além disso é fator educacional. Funções estas também presentes nos parques e praças. Ademais, por se constituírem em muitos casos em redutos de espécies da fauna e flora local, até com espécies ameaçadas de extinção, as árvores e áreas verdes urbanas tornam-se espaços territoriais importantíssimos em termos preservacionistas, o que aumenta ainda mais sua importância para a coletividade, agregando-se aí também o fator ecológico. Estas funções e características reforçam seu caráter de bem difuso, ou seja de todos, afinal o meio ambiente sadio é um direito de todo cidadão (art.225, Constituição Federal).

Aliás, por se tratar de uma atividade de ordem pública imprescindível ao bem estar da população, nos termos dos arts.30,VIII, 183 e 183 da Constituição Federal e do Estatuto da Cidade (Lei 10.257/01), cabe ao Poder Público municipal em sua política de desenvolvimento urbano, entre outras atribuições, criar, preservar e proteger as áreas verdes da cidade, mediante leis específica, bem como regulamentar o sistema de arborização. Disciplinar a poda das árvores e criar viveiros municipais de mudas, estão entre as providências específicas neste sentido, sem contar na importância de normas sobre o tema no plano diretor, por exemplo. Além disso, a legislação urbanística municipal pode e deve incentivar ao particular a conservação de áreas verdes em sua propriedade, assim como incentivar a sua criação e manutenção, possibilitando inclusive desconto no IPTU ao proprietário que constitui ou mantém áreas verdes no seu imóvel, como já ocorrem em algumas cidades. Oportuno lembrar ainda Hely Lopes Meirelles quando diz que entre as atribuições urbanísticas estão as composições estéticas e as paisagísticas da cidade (Direito Municipal Brasileiro. Malheiros. 9ª edição. 1997. pg382), nas quais se inclui perfeitamente a arborização.

Por sua vez, quem destrói ou danifica, lesa ou maltrata, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedades privadas alheias, comete crime ambiental penalizado nos termos do art.49, da Lei 9.605/98.

Portanto, pela condição jurídica de bem comum do povo as áreas verdes naturais ou arborizadas podem e devem ser protegidas legalmente pela coletividade através das associações de bairro por meio da ação civil pública (Lei 7347/85), ou pelo Ministério Público, ou ainda pelo cidadão através da ação popular (Lei 4717/65). Afinal, por sua importância sócio-ambiental representam valores inestimáveis aos cidadãos, bem como às empresas que nada mais são do que a extensão de nossas atividades e conseqüentemente de nossos anseios e bem estar.

Arborização de vias públicas e áreas verdes

Costuma-se excluir a arborização ao longo das vias públicas como integrante de sua área verde, por se considerar acessória e ter objetivos distintos, já que as áreas verdes são destinadas principalmente à recreação e ao lazer e aquela tem a finalidade estética, de ornamentação e sombreamento (José Afonso da Silva. Direito Urbanístico Brasileiro, 2. ed. São Paulo. Malheiros, 1997, pg247-248). Isto se deve também ao fato de que a legislação de uso e parcelamento do solo (Lei 6766/79) obrigar aos loteamentos apenas a destinar uma área verde para praças, silenciando-se sobre arborização das ruas. Outros ainda afirmam que falta de permeabilidade em vista das calçadas, descaracteriza esta forma de arborização como área verde.

Arborização sob o ponto de vista ambiental

Se analisarmos apenas pelas suas finalidades principais, são distintas, mas se analisarmos do ponto de vista ambiental, podemos concluir que as árvores existentes ao logo das vias públicas não podem ser excluídas do complexo de áreas verdes da cidade, pois apesar de estarem dispostas de forma linear ou paralela, constituem-se muitas vezes em uma “massa verde contínua”, propiciando praticamente os mesmos efeitos das áreas consideradas como verdes das praças e parques. Ademais, normalmente estas árvores estão protegidas pela legislação municipal contra cortes, de forma que sua localização acaba sendo perene, fortalecendo o entendimento de que compõem efetivamente a “massa verde urbana”. Além disso, este tipo de arborização tem a finalidade de propiciar um equilíbrio ambiental entre as áreas construídas e o ambiente natural alterado. Para nós toda a vegetação existente na cidade deve ser considerada como área verde, inclusive as árvores de porte que estão nos quintais, ou seja em áreas particulares. Não são áreas verdes da cidade? Evidente que são, pois também estão sob fiscalização do Poder Público, por força do contexto jurídico atual que as protege.

“Massa verde urbana”

Toda vegetação ou árvore isolada, quer seja ela pública ou particular, ou de qualquer forma de disposição que exista na cidade, constitui a “massa verde urbana”, por conseqüência a sua área verde. Entretanto, há divergências até quanto a forma de se obter o índice área verde/habitante, pois alguns utilizam em seus cálculos somente as áreas públicas, enquanto outros toda a “massa verde” da cidade. Para nós, deve-se considerar as áreas verdes particulares (quintais e jardins), que muitas vezes são visivelmente maiores que as públicas. Assim, quando falamos em áreas verdes, estamos englobando também as áreas onde houve processo de arborização público ou particular, sem exceção.

Funções principais das áreas verdes

São: higiênica, paisagística, estética, plástica, de valorização da qualidade de vida local, de valorização econômica das propriedades ao entorno etc.

Bens públicos

Em termos de Direito Urbanístico o art. 22 da Lei 6766/79- Lei do Parcelamento do Solo- impõe para o registro de parcelamento a constituição e integração ao domínio público das vias de comunicação, praças e os espaços livres. Nestes últimos estão incluídas as áreas verdes. Pelo art. 23 da citada lei, os espaços livres- entre eles as áreas verdes, como dito- passam a integrar o domínio público do município e em muitos deles as leis de parcelamento do solo determinam que nos projetos de loteamento sejam destinadas percentuais do imóvel a áreas verdes. Assim, os espaços verdes ou áreas verdes, incluindo-se aí as árvores que ladeiam as vias públicas fruto da arborização urbana, também por serem seus acessórios que devem acompanhar o principal, são bens públicos de uso comum do povo, nos termos do art. 66 do Código Civil, estando à disposição da coletividade, o que implica na obrigação municipal de gestão, devendo o poder público local cuidar destes bens públicos de forma a manter a sua condição de utilização.

Arborização Urbana

Funções principais da arborização

A arborização é essencial a qualquer planejamento urbano e tem funções importantíssimas como:

Propiciar sombra
Purificar o ar
Atrair aves
Diminuir a poluição sonora
Constituir fator estético e paisagístico
Diminuir o impacto das chuvas
Contribuir para o balanço hídrico
Valorizar a qualidade de vida local
Assim como valoriza economicamente as propriedades ao entorno
É ainda fator educacional.

Fator ecológico

Além disso, por se constituírem em muitos casos em redutos de espécies da fauna e flora local, até com espécies ameaçadas de extinção, as árvores e áreas verdes urbanas tornam-se espaços territoriais importantíssimos em termos preservacionistas, o que aumenta ainda mais sua importância para a coletividade, agregando-se aí também o fator ecológico.

Bem difuso

Estas funções e características reforçam seu caráter de bem difuso (art. 82, Código do Consumidor, Lei 8.078/90), ou seja de todos, afinal o meio ambiente sadio é um direito de todo cidadão (art. 225, Constituição Federal).

Poder Público: obrigação

Por se tratar de uma atividade de ordem pública imprescindível ao bem estar da população, nos termos dos arts.30,VIII, 183 e 183 da Constituição Federal e do Estatuto da Cidade (Lei 10.257/01), cabe ao Poder Público municipal em sua política de desenvolvimento urbano, entre outras atribuições, criar, preservar e proteger as áreas verdes da cidade, mediante leis específica, bem como regulamentar o sistema de arborização. Disciplinar a poda das árvores e criar viveiros municipais de mudas, estão entre as providências específicas neste sentido, sem contar na importância de normas sobre o tema no plano diretor, por exemplo.

Além disso, a legislação urbanística municipal pode e deve incentivar ao particular a conservação de áreas verdes em sua propriedade, assim como incentivar a sua criação e manutenção, possibilitando inclusive desconto no IPTU ao proprietário que constitui ou mantém áreas verdes no seu imóvel, como já ocorrem em algumas cidades. Oportuno lembrar ainda Hely Lopes Meirelles quando diz que entre as atribuições urbanísticas estão as composições estéticas e as paisagísticas da cidade (Direito Municipal Brasileiro. Malheiros. 9ª edição. 1997. pg382), nas quais se inclui perfeitamente a arborização.

Crimes contra a arborização

Quem destrói ou danifica, lesa ou maltrata, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedades privadas alheias, comete crime ambiental penalizado nos termos do art.49, da Lei 9.605/98.

Legislação Principal

Conheça algumas das principais leis citadas nos nossos textos e relacionadas ao tema, lembrando que cada Município pode e deve ter legislações específicas.

Constituição Federal: arts. 30, VIII; 182/183; 225
Código Civil:
art. 66
Lei 4717/65:
Ação Popular
Lei 6766/79:
Parcelamento do Solo
Lei 7347/85:
Ação Civil Pública
Lei 8.078/90:
Código de Defesa do Consumidor, art. 82.
Lei 9.605/98:
Crimes Ambientais, art. 49
Lei 10.257/01:
Estatuto da Cidade

ANTÔNIO SILVEIRA RIBEIRO DOS SANTOS

Bibliografia

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Municipal Brasileiro. Malheiros. 9ª edição. 1997. pg. 382.
SILVA, José Afonso da. Direito Urbanístico Brasileiro. 2 ed. rev. at. 2ª tiragem. São Paulo: Malheiros Editores, 1997.
SIRVINSKAS, Luís Paulo. Arborização Urbana e Meio Ambiente. Aspectos Jurídicos in Revista de Direito Ambiental, n.º 16, out.- dez. 1999. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999. pgs. 192-201.

Fonte: www.mp.ba.gov.br

Arborização Urbana

P L A N T E   U M A   Á R V O R E

Na época do descobrimento do Brasil, a Mata Atlântica possuía 1.085.544 quilômetros quadrados de área; hoje, restam apenas 5% da mata original.

As árvores têm papel fundamental na questão do aquecimento do planeta, o chamado efeito estufa, na medida em que depende delas a redução de gás carbônico da atmosfera. Portanto, uma maneira de lutar contra isso é plantar uma árvore, o que pode ser muito mais simples do que você imagina.

Você sabia?

Há dez mil anos atrás, antes de haver agricultura, mais de 60 milhões de quilômetros quadrados de área do planeta eram revestidos de florestas.

Atualmente, mal temos 30 milhões de quilômetros quadrados onde ainda existem árvores. Só entre os anos 50 e 90 deste século, 40% de superfície de florestas da Terra foi devastada, o que equivale a pouco menos de dois Brasis.

A arborização urbana é caracterizada principalmente pela plantação de arvores de porte em praças, parques, nas calçadas de vias públicas e nas alamedas.

Constitui hoje em dia uma das mais relevantes atividades da gestão urbana, devendo fazer parte dos planos, projetos e programas urbanísticos das cidades.

Todo o complexo arbóreo de uma cidade quer seja plantado ou natural, compõe em termos globais a sua área verde.

Arborização de vias públicas e áreas verdes

Costumam-se excluir a arborização ao longo das vias públicas como integrante de sua área verde, por se considerar acessória e ter objetivos distintos, já que as áreas verdes são destinadas principalmente à recreação e ao lazer e aquela tem a finalidade estética, de ornamentação e sombreamento (José Afonso da Silva.

Direito Urbanístico Brasileiro, 2. ed. São Paulo. Malheiros, 1997, pg247-248).  Isto se deve também ao fato de que a legislação de uso e parcelamento do solo (Lei 6766/79) obrigar aos loteamentos apenas a destinar uma área verde para praças, silenciando-se sobre arborização das ruas. Outros ainda afirmam que falta de permeabilidade em vista das calçadas, descaracteriza esta forma de arborização como área verde.

Se analisarmos apenas pelas suas finalidades principais, são distintas, mas se analisarmos do ponto de vista ambiental, podemos concluir que as árvores existentes ao logo das vias públicas não podem ser excluídas do complexo de áreas verdes da cidade, pois apesar de estarem dispostas de forma linear ou paralela, constituem-se muitas vezes em uma “massa verde contínua”, propiciando praticamente os mesmos efeitos das áreas consideradas como verdes das praças e parques.

Ademais, normalmente estas árvores estão protegidas pela legislação municipal contra cortes, de forma que sua localização acaba sendo perene, fortalecendo o entendimento de que compõem efetivamente a “massa verde urbana”, uma vez que exercem inúmeras funções como: higiênica, paisagística, estética, plástica, de valorização da qualidade de vida local, de valorização econômica das propriedades ao entorno etc.

O desproporcional crescimento da população urbana do mundo pode provocar uma grande perda de muitas formas de vida, alertam especialistas em mudança climática e biodiversidade. Há quase 200 anos, Londres era a única cidade do mundo com uma população superior a um milhão de habitantes. Hoje, são mais de 400 cidades. Embora estas ocupem apenas 2% da superfície do planeta, seus habitantes respondem por, pelo menos, 75% do consumo de recursos, incluída uma enorme quantidade de combustíveis fósseis, segundo o informe da ONU intitulado “Perspectivas de População no Mundo”.

A mudança climática é um dos principais responsáveis pela enorme perda de biodiversidade na Terra, segundo especialistas. As mudanças em longo prazo nas temperaturas médias podem alterar drasticamente os habitat onde convivem numerosas espécies vegetais e animais. Hoje, com mais de 3,2 bilhões de pessoas, pela primeira vez a população urbana do mundo excede a das áreas rurais. Desde seu surgimento na Terra, os seres humanos nunca destruíram tantos habitats como nos últimos 50 anos, segundo o informe “Avaliação de Ecossistemas do Milênio”, da Organização das Nações Unidas.

O estudo mostra que antes da era industrial quase 47% da superfície terrestre estava coberta de florestas. Hoje, restam apenas 10%. “Consumindo recursos naturais a um ritmo que supera o de sua regeneração. Vivemos além dos meios e da capacidade de nosso planeta”, disse Ahmed Djoghlaf, secretário-executivo da Convenção sobre Diversidade biológica da ONU. O informe de 2007, que envolveu mais de 1.300 cientistas de 85 países, indica que a cada ano cerca de 10 milhões de hectares de florestas do mundo são perdidos pela aplicação de insustentáveis mecanismos de desenvolvimento econômico.

Grande parte das florestas do mundo estão localizadas em regiões tropicais, de grande biodiversidade. Nessas florestas, que cobrem apenas 7% da superfície do planeta, desenvolveram-se cerca de 80% das espécies vegetais e animais, segundo o informe. Além de causar erosão costeira e reduzir a produtividade agrícola, o aquecimento global também terminará matando muitas espécies nas próximas décadas, alerta o estudo. Especialistas em biodiversidade advertem que as espécies vegetais e animais agora desaparecem a um ritmo entre cem e mil vezes superior ao da extinção natural.

As estatísticas sobre a perda de biodiversidade sugerem que, pelo menos, 20% das espécies de pássaros já desapareceram completamente e que 23% dos mamíferos, 25% das coníferas, 32% dos anfíbios e 52% das cícadas (família de plantas perenes semelhantes às palmeiras, mas sem parentesco) continuam seriamente ameaçadas de extinção. Djoghlaf e os cientistas envolvidos no informe concordam que a perda de biodiversidade do planeta exige uma ação urgente.

De outro modo, em meados deste século aproximadamente um quinto das espécies vegetais do mundo podem estar condenadas.

No contexto do Convênio da ONU sobre Diversidade Biológica, assinado por 188 países, se requer que os governos dêem determinados passos que “reduziriam significativamente” a perda de biodiversidade até 2010. Mas várias nações pobres ficam muito atrasadas na execução de planos para reverter a perda de espécies, devido, em parte, ao rápido crescimento da urbanização não planejada. Vários destes países em desenvolvimento também são os mais ricos em termos de biodiversidade.

Por exemplo, milhares de pobres rurais na Índia se mudam a cada dia para grandes cidades onde as políticas de proteção ambiental são insuficientes. Embora se radiquem nas urbes em busca de uma vida melhor, muitos pobres acabam vivendo em favelas, sem acesso à água segura ou saneamento. Além disso, sua demanda por alimentos e energia se soma à já elevada dos que moram nas cidades quando chegam. Se a tendência não for revertida nos próximos anos, é provável que até 2050, 700 milhões de pobres rurais tenham se mudado para as cidades da Índia, segundo estudos das Nações Unidas.

Com 45 mil espécies vegetais e quase 90 mil de animais, a Índia é considerada um dos países mais megadiversos do mundo. Os especialistas dizem que o crescimento continuado de sua população urbana poderia levar a uma enorme perda de biodiversidade. Até agora, o país não conseguiu mostrar esforços sérios de planejamento para enfrentar o impacto ambiental da urbanização. Djoghlaf assinalou que na China, Indonésia e África do Sul – três países megadiversos em desenvolvimento – os planejadores urbanos tampouco conseguiram incorporar medidas de preservação ambiental.

Mas o Brasil, que conta com mais de 56 mil espécies vegetais, tomou a dianteira no estabelecimento de novas tendências em planejamento urbano. As autoridades da “cidade verde” de Curitiba demonstraram que o planejamento urbano pode ser amigável com o meio ambiente. Os 1,8 milhões de habitantes da cidade consomem 23% menos combustível por pessoa do que a média nacional. A cidade tem 16 parques, 14 bosques e cerca de mil áreas públicas verdes. Há pouco, Curitiba exibiu perante prefeitos de todo mundo sua contribuição para a agenda global sobre biodiversidade, em geral, e sobre planejamento urbano, em particular.

“As cidades não são o problema, são a solução”, disse aos participantes da reunião Jaime Lerner, um dos arquitetos envolvidos no planejamento da paisagem da cidade. Lerner afirmou que um manejo urbano pouco sólido não é o destino inevitável das cidades e que urbanização e ecologia podem coexistir. Mas acrescentou, isso requer uma participação cada vez mais ativa de todas as partes envolvidas, incluindo os setores  público e privado, bem como os cidadãos comuns.

Alguns importantes especialistas ambientais sugerem que em muitas partes do mundo em desenvolvimento os políticos não conseguem planejar e executar políticas ambientais sólidas porque carecem de contato próximo com a comunidade científica. Robert Watson, que dirigiu o Grupo Intergovernamental sobre a Mudança Climática (IPCC) de1996 a2002 e agora trabalha no Banco Mundial, considera improvável uma mudança drástica na elaboração de políticas ambientais, a menos que os especialistas em mudança climática e biodiversidade tomem a iniciativa de se aproximar dos governos.

“Pelo bem do planeta, a comunidade científica que estuda a biodiversidade deve criar um modo de organização para recomendar aos governos maneiras de frear a potencialidade catastrófica perda de espécies”, disse Watson. Mas Djoghlaf acredita que compartilhar a carga de responsabilidade também requer que políticos e administradores locais comecem a prestar muita atenção na preservação da biodiversidade, bem como em converter pensamentos em atos. “As cidades determinarão o destino da biodiversidade que ficará em nosso planeta. A batalha pela vida será ganha ou perdida ali”, assegurou.

Em algumas áreas, o desflorestamento aumenta a taxas assustadoras. Um americano médio usa o equivalente e sete árvores por ano; no total, são mais de 1,5 bilhões de árvores anualmente, apenas nos Estados Unidos.

A cada ano são destruídos 112 mil quilômetros quadrados de florestas tropicais; alguns países que até pouco tempo eram exportadores de madeira, como a Nigéria hoje se vê obrigados a importá-la.

No Estado do Paraná, nos últimos 2o anos, a cobertura vegetal nativa baixou de 83% para apenas 5%. Isso é um absurdo.

A interdependência entre árvores, vida animal e vida humana é fundamental: para viver necessitamos de oxigênio e eliminamos gás carbônico, e o oposto acontece com as árvores, ou seja: elas consumem gás carbônico e eliminam o oxigênio. Qualquer redução significativa da área de florestas afeta a atmosfera terrestre e, por extensão a todas as formas de vida.

Através do gás carbônico, as árvores “neutralizam” o efeito estufa. Só a queima de combustíveis fósseis lança 5,6 bilhões de toneladas de gás carbônico na atmosfera, e árvores são responsáveis pela absorção de 50% disso. Estima-se que cada árvore adulta consome, em média, cerca de 6 quilos de gás carbônico por ano. É importante dizer que, segundo os pesquisadores,  as árvores urbanas consomem quinze vezes mais gás carbônico do que as rurais.

A perda de uma árvore reduz não apenas o consumo de gás carbônico presente na atmosfera, ma acrescenta mais gás carbônico ao ar que respiramos. Quando uma árvore morre naturalmente, esse gás que ficou acumulado é liberado de maneira muito lenta; porém quando a árvore é cortada ou queimada, a liberação do gás é súbita e rápida, o que torna a absorção pela atmosfera muito mais difícil. Em termos planetários, a destruição de árvores é o fator responsável por 25% do total de gás carbônico presente no ar.

As árvores também afetam a temperatura local – novamente, árvores urbanas mais do que rurais – , pelo fato de oferecerem sombra e resfriarem certas áreas pela evaporação de água. A existência de pequenos bosques urbanos pode significar, portanto, uma redução de até 12ºC na temperatura ambiente, o que implica em menos dispêndio de energia, por exemplo, com aparelhos de ar-condicionado.

Para saber mais sobre arborização urbana veja abaixo algumas dicas que ajudarão você a plantar e cuidar de suas árvores:

Porte

Nome popular

Nome científico

Forma

Observações

Pequenas Pata-de-vaca Bauhinia cupulata arredondada crescimento rápido, atraem pássaros
Unha-de-vaca Bauhinia blakeana arredondada crescimento rápido, atraem pássaros
Flamboyant-zinho Caesalpinea pulcherrima arredondada crescimento rápido
Calistemon Callistemon speciosus irregular bastante ornamental
Resedá Largestroemia indica arredondada crescimento lento; bastante ornamental
Diadema Stifftia crysantha Piramidal bastante ornamental
Médias Caroba Jacaranda macrantha piramidal folhas caducas; flores atraem avifauna
Falsa-murta Murraya paniculata arredondada crescimento lento; perfumada; frutos atraem avifauna
Tingui-preto Dictyoloma vandellianum arredondada crescimento rápido
Ipê-amarelo Tabebuia chysotricha arredondada folhas caducas
Barbatimão-falso Cassia leptophylla arredondada bastante ornamental
Grandes Agelim-doce Andira fraxinifolia arredondada bastante resistente
Sombreiro Clitoria fairchildiana arredondada crescimento rápido; folhas caducas
Dedaleiro Lafoensia pacari arredondada folhas caducas
Faveira Pterodon emarginatus irregular folhas caducas; necessita pouca água
Pinanga Koelreuteria paniculata arredondada bastante ornamental
Inadequadas Flamboyant Delonix regia oblonga raízes superficiais e grande diâmetro de copa
Pinheiro Pinus spp colunar atingem grandes dimensões e apresentam derrama natural
Araucária Araucaria spp colunar atingem grandes dimensões e apresentam derrama natural
Figueira Ficus spp arredondada atingem grandes dimensões; raízes superficiais
Falsa-seringueira Ficus spp arredondada atingem grandes dimensões; raízes superficiais
Chapéu-de-sol Terminalia catappa oblonga raízes superficiais; copa atinge grandes dimensões
Chorão Salix babylobica pendente forma de copa inadequada para uso em vias públicas
Eucalipto Eucalyptus spp colunar atingem grandes dimensões e apresentam derrama natural

Quando plantamos uma árvore trazemos inúmeros benefícios, além das maravilhosas sombras, as árvores diminuem a poluição sonora, ajudam a regular a temperatura, liberam oxigênio na atmosfera aumentando a umidade do ar e conseqüentemente absorvendo gás carbônico, o principal vilão da camada de ozônio.

Mas os cuidados são proporcionais aos benefícios, ao decidir plantar uma árvore você deverá ficar atento a algumas regras, como conhecer a espécie escolhida e saber se ela se adaptara ao clima da região, se a espécie produz frutos ou qual a época de floração; tomar cuidado com redes elétricas e hidráulicas além da sinalização de trânsito e qual o tamanho que árvore atingira em sua fase adulta.

A ARBORIZAÇÃO É ESSENCIAL A QUALQUER PLANEJAMENTO URBANO E TEM FUNÇÕES IMPORTANTÍSSIMAS COMO:

Propiciar sombra;
Purificar o ar pela fixação de poeiras e gases tóxicos e pela reciclagem de gases através dos mecanismos fotossintéticos;
Melhoria do microclima da cidade, pela retenção de umidade do solo e do ar e pela geração de sombra, evitando que os raios solares incidam diretamente sobre as pessoas;
Amortecimento de ruídos.
Atrair aves;
Diminuir a poluição sonora; Redução na velocidade do vento;
Constituir fator estético e paisagístico;
Diminuir o impacto das chuvas;
Contribuir para o balanço hídrico, favorecendo infiltração da água no solo e provocando evapo-transpiração mais lenta
Valorizar a qualidade de vida local;
Assim como valoriza economicamente as propriedades ao entorno;
Em muitos casos, como redutos  de espécies da fauna e flora local, até com espécies ameaçadas de extinção, as árvores e áreas verdes urbanas tornam-se espaços territoriais importantíssimos em termos preservacionistas, o que aumenta ainda mais sua importância para a coletividade, agregando-se aí também o fator ecológico, propiciando uma variedade maior de espécies, conseqüentemente influenciando positivamente para um maior equilíbrio das cadeias alimentares e diminuição de pragas e agentes vetores de doenças;

Outra função importante da arborização que acompanha o sistema viário é seu préstimo como corredor ecológico, interligando as áreas livres vegetadas da cidade, como praças e parques. Além disso, em muitas ocasiões, a árvore na frente da residência confere a esta uma identidade particular e propicia o contato direto dos moradores com um elemento natural significativo, considerando todos os seus benefícios.

Quem destrói ou danifica lesa ou maltrata, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedades privadas alheias, comete crime ambiental penalizado nos termos do art.49, da Lei 9.605/98.

CONCLUSÃO

Portanto, pela condição jurídica de bem comum do povo as áreas verdes naturais ou arborizadas podem e devem ser protegidas legalmente pela coletividade através das associações de bairro por meio da ação civil pública (Lei 7347/85), ou pelo Ministério Público, ou ainda pelo cidadão através da ação popular (Lei 4717/65).

Afinal, por sua importância sócio-ambiental representam valores inestimáveis aos cidadãos.

PIERRE SIRIACO MARTINS

Fonte: www.pierreambiental.com.br

Arborização Urbana

Arborização urbana é o conjunto de árvores e arbustos existentes no perímetro urbano de uma cidade, seja em terras públicas ou particulares, que cumprem diversas funções dentro da paisagem, principalmente regulando o microclima das cidades.

As áreas de preservação permanente são especialmente importantes, principalmente as margens de rios e as encostas dos morros.

Além disso é fundamental observar um bom planejamento para a arborização.

Infelizmente a realidade de nossas cidades não é bem assim. No Brasil, as estimativas mostram que 70% da população vive nos centros urbanos. Com o crescimento das cidades, sem planejamento, as áreas verdes foram substituídas pelas construções e os centros urbanos são hoje caracterizados pela pavimentação e construções, que o impermeabilizam. O município de Rio do Sul não foge à regra.

Os materiais utilizados são vidros, cerâmicas, ferro, asfalto e concreto, que absorvem os raios solares, tornando as cidades muito quentes durante o dia. Além da substituição das áreas verdes pelas construções, há ainda a poluição atmosférica, a hídrica, a visual e a sonora, que torna a qualidade de vida nos centros urbanos, pior do que em ambientes naturais.

Nas áreas construídas a água não penetra no solo, resultando em regiões de baixa umidade relativa do ar. Sem árvores, o clima do centro das cidades se torna bastante árido. As construções, o tráfego intenso de veículos, a queima de combustíveis, madeira e carvão, lançados por pequenas e grandes chaminés, são fontes de poeira e fumaça que continuamente poluem o ar e podem causar doenças.

Por que arborizar?

As plantas proporcionam conforto ambiental, porque interceptam, absorvem e refletem os raios solares. As áreas bem arborizadas apresentam temperaturas mais estáveis e em geral mais frescas. Além disso, podem ser plantadas árvores frutíferas, cujos frutos atraem pássaros. Os pássaros ajudam a espalhar as sementes que produzem novas plantas e ajudam no controle biológico dos insetos.

As árvores são como bombas hidráulicas que, usando as suas raízes, trazem a água do subsolo para a atmosfera. Elas refrescam e tornam a umidade relativa do ar mais apropriada para os seres humanos.

Praças, ruas e residências bem arborizadas, contribuem para a retenção de materiais poluentes. Quando o ar poluído passa pela copa das árvores, diminui a velocidade, permitindo a deposição das partículas sobre a superfície das folhas. Outra vantagem é que as folhas das árvores absorvem gases tóxicos como o dióxido de enxofre e de carbono.

Arborização Urbana

Os benefícios sociais da arborização urbana são uma conseqüência natural. O equilíbrio climático e o controle da poluição não são os únicos resultados, uma boa arborização também ajuda a saúde física e mental da população. O paisagismo bem feito aumenta também o valor das propriedades, pelo conforto e beleza, gerando benefícios na área turística. Felizmente já temos no Brasil alguns exemplos de cidades que estão beneficiando muito pelo fato de terem uma boa arborização associada a um belo paisagismo. Praças e parques arborizados são espaços que convidam e atraem as pessoas para momentos de lazer, descanso e reflexão. Segundo a Associação Brasileira de Arborização Urbana o índice ideal de áreas verdes nas cidades é de 15 m2 por habitante.

A Apremavi espera que a discussão em torno da derrubada das árvores da Avenida Oscar Barcellos, em Rio do Sul, possa servir de ponto de partida para a implantação de um amplo programa de arborização na cidade, para o bem da qualidade de vida de todos os habitantes.

Miriam Prochnow

Fonte: www.apremavi.org.br

Arborização Urbana

No processo de planejamento urbano, a arborização tem um destaque especial no tocante à qualidade de vida e estética da cidade. Ela tornou-se parte de um todo, que constitui, em relação à área construída, um espaço recriado, no qual o homem pode reencontrar e amenizar os impactos sobre o meio. A cidade seria uma forma de ocupação organizada do meio ambiente, assim como uma colméia ou um formigueiro. Atualmente, o que se busca é a cidade ambiental e paisagisticamente correta, com uma arborização adequada a cada espaço aberto dentro de suas vias.

A convivência do homem em sociedade data desde a Pré-História. Paralelamente, a importância da vegetação vem variando ao logo do tempo com os diversos povos e suas gerações. Enquanto, para alguns, a presença das plantas era de máxima relevância para a sobrevivência da comunidade, para outros, elas tinham um caráter meramente estético. Nos dias atuais, a presença da vegetação dentro dos centros urbanos vem adquirindo extrema importância, pois quebra a artificialidade do meio, além de possuir um papel primordial na melhoria da qualidade do mesmo. Dessa forma, a arborização urbana vem se tornando cada vez mais um agente importante na melhoria do micro-clima local, assim como na diminuição da poluição, sem contar o papel estético inerente ao seu próprio uso.

A cada dia, a cidade vem ganhando mais destaque e interesse na vida de cada indivíduo, uma vez que, passo a passo, a humanidade caminha para uma vida eminentemente urbana, definida em seus aspectos quantitativos e qualitativos, suas dinâmicas e conteúdos. Ela reproduz a história, assim como as relações que o homem teve, e tem, do espaço, do habitar, do trabalhar, do comer, do beber, do conviver, enfim do viver (BONAMETTI, 2000).

Com o crescimento da população urbana e, por conseguinte, da área urbanizada, tem havido por parte das administrações públicas um maior interesse em prol da arborização das cidades, principalmente no que se refere à qualidade e preservação dos espaços de circulação dentro destas. Isto vem sendo fortalecido e incentivado pela própria comunidade, assim como influenciado pelo atual discurso ecológico, o qual incorpora esses espaços como sinal de uma melhor qualidade de vida, progresso e desenvolvimento urbano. Dependendo da escala, do porte e da localização das áreas de arborização urbana, os efeitos de amenização da paisagem, juntamente como os de melhoria no micro-clima local, podem indubitavelmente beneficiar de modo direto a vida da população.

A prática e uso corretos da arborização nos centros urbanos conduzem, de um lado, à transformação morfológica de áreas já ocupadas e, de outro, à incorporação de novas áreas, sob diferentes formas, ao espaço urbano. No caso das grandes cidades, ocorre progressivamente a deteriorização do centro e/ou das áreas centrais, as quais passam a ser ocupadas por casas de diversão noturna, pensões, zonas de prostituição, etc.. A vegetação e tratamento paisagístico podem contribuir para a revalorização desses espaços contemporâneos. Ao mesmo tempo, essa mesma vegetação pode vir a contribuir para a redução de níveis de poluição atmosférica e sonora, a estruturação de vias e a criação de espaços de identidade e referência na cidade.

A arborização urbana explica-se através da sociedade que a produz. Em outras palavras, pode-se dizer que é um produto da história das relações materiais dos homens e que, a cada momento, adquire uma nova dimensão, específica de um determinado estágio do processo de trabalho objetivado e materializado, o qual aparece através da relação entre o construído (casas, ruas, avenidas, estradas, edificações, praças e parques) e o não-construído (o natural) de um lado e, do outro, o movimento, no que se refere ao deslocamento de homens e mercadorias, como signos que representam momentos históricos diferentes, produzindo assim uma interação entre as vias de circulação e a vegetação da cidade.

É de suma importância discutir e analisar o papel da arborização urbana para um melhor aproveitamento dos espaços não-edificados da cidade, melhorando assim a qualidade de meio ambiente. Para tanto, se faz indispensável a efetivação da política de pesquisar e estudar como a arborização das vias urbanas pode preencher corretamente o espaço da cidade, para depois se proporem medidas adequadas à melhoria funcional e estética destas áreas. A questão da arborização urbana é sempre o reflexo da relação entre o homem e a natureza, e pode ser vista como uma tentativa de ordenar o entorno com base em uma paisagem natural.

O modo como ela é projetada e construída reflete uma cultura, que é o resultado da observação que se tem do ambiente e também da experiência individual ou coletiva com relação a ele.

Assim,

Se é possível identificar os elementos que compõem o nosso entorno visível, identificar sua origem e desenvolvimento, suas inter-relações e suas manifestações específicas em cada lugar, deve-se reconhecer que esses elementos não são duradouros, mas, ao contrário, estão em contínua e incessante mutação. Da mesma forma, a experiência individual ou coletiva está, também, sujeita a variações contínuas, a uma dinâmica que deriva do processo histórico de qualificação, sobre o qual incidem os fatores mais variados, desde a evolução das relações políticas, econômicas e sociais, até o desenvolvimento das técnicas, das artes, das religiões, da filosofia (LEITE, 1994).

Igualmente importante é uma leitura por meio daquilo que não se vê, mas com que se identifica, ou melhor, por meio daquilo que não se consegue ver, mas se sente; enfim, por meio de tudo o que ajuda a ter sensações ou, ainda, por meio de tudo o que torna a visão possível, o que faz ver mais do se poderia ver; Por exemplo, as árvores que, à noite, tornam-se espectros e o vento que invade o intervalo entre elas.

A arborização urbana é na forma mais simples um conjunto de terras urbanas com cobertura arbórea que uma cidade apresenta; entretanto, este conceito é, normalmente, considerado de forma mais abrangente, aproximando-se do conceito de “área livre”. Admite-se, assim, no contexto da arborização urbana, as áreas, as quais, independentemente do porte da vegetação, apresentam-se predominantemente naturais e não ocupadas, incluindo porções gramadas, lagos, etc.

As cidades brasileiras possuem na sua maioria áreas urbanas arborizadas, mas estas são pouco organizadas e com quase nenhuma preocupação quanto à escolha adequada das espécies vegetais, principalmente nas vias urbanas. Os profissionais da área já reconhecem que esses espaços deveriam ser tratados sistematicamente; porém, na prática, isto ocorre apenas em alguns centros urbanos.

Conforme TARNOWSKI (1991), as espécies em uso na cidade deveriam estar de acordo com a paisagem urbana, “cooperando para realçar ou atenuar os efeitos de ocupação do solo pelas edificações”, como que re-equacionando os sistemas de transporte coletivo e de circulação viária, com uma melhor hierarquia das vias.

Tendo em vista que o sistema viário é fundamental na estruturação do espaço urbano, este deveria passar a ser o principal referencial paisagístico.

Assim, as vias deixariam de estar organicamente relacionadas apenas às edificações, mas também seria subordinada a elas toda a circulação da cidade (veículos e pedestres). Faz-se assim necessária a intervenção de profissionais qualificados para que diminuam os problemas da má qualidade de arborização urbana no sistema viário. Somente com a reflexão deste tema, pode-se detectar quais os fatos que estão acarretando todos os graves problemas enfrentados pela sociedade, dia-a-dia, devido à vegetação inadequada nas vias urbanas. O planejamento urbano do sistema viário, quanto à sua arborização, deve seguir uma lógica natural na escolha das espécies vegetais e o espaço físico para as mesmas, respeitando o ecossistema, ao invés de se colocar uma cobertura arbórea inadequada àquela área.

Desse modo, a arborização urbana ganharia restrições, devendo ser planejada de acordo com a disponibilidade das áreas, além de levar em conta as vias para os pedestres e os padrões variados de pavimentação, combinados com os componentes dos mobiliários e equipamentos urbanos. Quando os conflitos, em determinado espaço urbano, tornam-se muito evidentes, faz-se necessária uma análise para se revitalizar esse espaço, criando um ambiente que integre o meio às novas expectativas sócio-culturais e funcionais, para então surgir um novo espaço paisagístico com elevado grau de legitimidade, o que melhoraria, sem dúvida, a qualidade de vida da população.

Podemos dizer, então, que o verde urbano reflete um alto grau cultural da sociedade quando esta entende que a vegetação, assim como o solo, o ar e a água, é uma necessidade do cenário urbano. Por fim, somente através de uma prática paisagística consciente poder-se-á contar com um ambiente urbano ao mesmo tempo agradável e eficiente, que respeite tanto o Homem como a Natureza.

João Henrique Bonametti

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BONAMETTI, J. H. A ação do IPPUC na transformação da paisagem urbana de Curitiba a partir da área central. 2000. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo, Área de Tecnologia do Ambiente Construído)-Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo – EESC/USP, São Carlos.
FARRET, R. L. O espaço da cidade. São Paulo: Projetos Editores, 1985. KOHLSDORF, M. E. A apresentação da forma da cidade. Brasília: Universidade de Brasília – UnB, 1996.
LEITE, M. A. F. P. Destruição ou deconstrução. São Paulo: Hucitec-FAPESP,1994.
MEMÓRIAS DA CURITIBA URBANA. Curitiba: Depoimento 5, 1990.
MERCANTE, M. A. A vegetação urbana: diretrizes preliminares para uma proposta metodológica. In: NEMA, 3º Encontro Nacional de Estudos sobre o Meio Ambiente. Anais. Londrina: Universidade Estadual de Londrina – UEL, 1991.
RELPH, E. A paisagem urbana moderna. Lisboa: Edições 70, 1987. SANTOS, M. Espaço & método. São Paulo: Nobel, 1985. TARNOWSKI, L. C. Preservação do meio ambiente e a arborização urbana. In:
NEMA, 3º Encontro Nacional de Estudos sobre o Meio Ambiente. Anais. Londrina: Universidade Estadual de Londrina – UEL, 1991.

Fonte: web.unifil.br

Arborização Urbana

Impactos Ambientais A Transformação do Ambiente Natural em Urbano

Antes da existência dos centros urbanos, onde hoje eles se erguem, o ambiente era composto por florestas, campos e cursos d’água. Em conjunto e convivendo harmoniosamente com a vegetação, a água e outros elementos naturais, existiam inúmeros animais silvestres.

Atualmente, a maioria da população mora em cidades, obedecendo a uma tendência de concentração que somente tende a crescer.

Isto acarretou algumas modificações ao sistema natural, como a impermeabilização do solo por pavimentação e construções, a utilização maciça de materiais como concreto, vidro, ferro, asfalto e cerâmica, a redução drástica da cobertura vegetal e o aumento da poluição atmosférica, hídrica, visual e sonora. Como conseqüência, o padrão do ambiente urbano tornou-se muito inferior àquele necessário para dar condições de vida humana mais adequadas.

Entretanto, se o processo de urbanização é irreversível, o que se deve buscar é tornar este ambiente urbano o mais próximo possível do ambiente natural, compatibilizando o desenvolvimento com a preservação ambiental e proporcionando uma melhor qualidade de vida à população do município.

Benefícios da Arborização

Arborizar uma cidade não significa apenas plantar árvores em ruas, jardins e praças, criar áreas verdes de recreação pública e proteger áreas verdes particulares.

Além disso, a arborização deve atingir objetivos de ornamentação, melhoria microclimática e diminuição da poluição, entre outros, como se pode verificar a seguir.

Redução da Temperatura

As árvores e outros vegetais interceptam, refletem, absorvem e transmitem radiação solar, melhorando a temperatura do ar no ambiente urbano. No entanto, a eficiência do processo depende das características da espécie utilizada, tais como a forma da folha, a densidade foliar e o tipo de ramificação. O vento também afeta o conforto humano e seu efeito pode ser positivo ou negativo, dependendo grandemente da presença de vegetação urbana. No verão, a ação do vento, retirando as moléculas de água transpiradas por homens e árvores, aumenta a evaporação. No inverno, significa um aumento do resfriamento do ar.

Redução da Poluição Urbana

As árvores no ambiente urbano têm considerável potencial de remoção de partículas e gases poluentes da atmosfera. No entanto, a capacidade de retenção ou tolerância a poluentes varia entre espécies e mesmo entre indivíduos da mesma espécie. Algumas árvores têm a capacidade de filtrar compostos químicos poluentes, como o dióxido de enxofre (SO2), o ozônio (O3) e o flúor. Mesmo considerando-se que as árvores podem agir com eficiência para minimizar os efeitos da poluição, isso só será possível por meio da utilização de espécies tolerantes ou resistentes. Os danos provocados pela poluição atmosférica podem ser muito significativos, dependendo principalmente das espécies utilizadas e dos índices de poluição.

Redução dos Ruídos

O nível de ruído excessivo nas cidades, provocado pelo tráfego e por diversas outras fontes, afeta psicológica e fisicamente as pessoas. A presença das árvores reduz os níveis da poluição sonora ao impedir que os ruídos e barulhos fiquem refletindo continuamente nas paredes das casas e edifícios, causando uma sensação de um som permanente, similar ao que sentimos ao falar numa sala vazia, sem móveis. Isto é, as árvores e suas folhas contribuem para absorver a energia sonora fazendo com que os sons emitidos desapareçam rapidamente.

O Valor de uma Árvore

Pode-se atribuir às árvores um valor sentimental, cultural ou histórico. Alguns deles são valores subjetivos, difíceis, portanto, de quantificar. A maioria das pessoas considera o fator estético como o principal na arborização urbana, em virtude da aparência das árvores ser direta e imediatamente perceptível, ao contrário dos demais benefícios.

As alterações que as árvores sofrem em função das estações do ano fazem com que estas se apresentem ora com flores, ora com folhas ou sem folhas. Estas modificações são importantes pela renovação da paisagem urbana. Elementos como textura, estrutura, forma e cor, inerentes às arvores, alteram o aspecto da cidade, quebrando a monotonia e a frieza típica das construções.

Outras qualidades que podem ser atribuídas às árvores urbanas são seu poder de interferir em microclimas e de reduzir a poluição, os ruídos e a temperatura. A estes atributos, associam-se as contribuições sociais, que podem ser definidas como a saúde física e mental do homem, as opções de recreação propiciadas pela arborização e o aumento do valor das propriedades em função da existência de árvores ou áreas verdes.

Por este conjunto de razões, é difícil estimar quanto vale uma árvore, mas a Associação Americana dos Engenheiros Florestais realizou um estudo comparativo que chegou a um valor estimado de US$ 273/árvore/ano. Considerando-se um tempo de vida de 50 anos e uma taxa de juros de 5% ao ano, o valor de uma árvore urbana chega à incrível marca de US$ 57.151.

Embora possam ser discutíveis estes valores, os custos de produção e manutenção de uma árvore somados aos seus custos ambientais poderão servir de bases para aplicação de multas pelas prefeituras.

Legislação

De acordo com a Constituição Federal, toda cidade com mais de 20 mil habitantes deve, obrigatoriamente, contar com plano diretor aprovado pela Câmara Municipal. Daí a existência de zoneamentos urbanos identificando setores com vocações, destinações e regras de ocupação específicas. Os zoneamentos determinam as regras de ocupação específicas que, por sua vez, geram facilidades e/ou dificuldades para a existência da arborização urbana.

Somam-se a estes instrumentos legais básicos as leis normativas complementares como os Códigos de Obras ou Posturas Municipais e os Códigos de Loteamentos ou parcelamento do solo urbano.

A junção destas determinações legais básicas define as possibilidades de efetivação da arborização urbana em seus diferentes aspectos.

A criação de praças e parques públicos requer para sua efetivação, além de embasamento legal e recursos econômicos, a disponibilidade de espaços físicos. As leis de zoneamento urbano e de loteamentos ao definirem regras e condições de parcelamento, destinação e ocupação do solo urbano podem garantir esses espaços, constituindo instrumentos de grande eficácia para a efetivação de um adequado sistema de arborização.

As Leis que atribuem às prefeituras a responsabilidade sobre a realização da poda são o Art. 65 do Código Civil e o Art. 151 do Código das Águas.

As Leis que determinam e regulamentam as áreas de preservação permanente e as espécies arbóreas nativas imunes de corte são a Lei Federal n. 4.771 de 15 de setembro de 1965 – Código Florestal e a Lei Estadual n. 8.518 de 21 de janeiro de 1992 – Código Florestal Estadual.

Em áreas urbanas os cortes e as podas são licenciados pelos municípios, normalmente pelas Secretarias de Agricultura e de Meio Ambiente.

Nas áreas rurais o licenciamento para corte de árvores nativas deve ser solicitado junto a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, mais especificamente, no DEFAP – Departamento de Florestas e Áreas Protegidas. Nos municípios que habilitados para o licenciamento de atividades de impacto ambiental local, também é possível a obtenção de licenciamentos para cortes de árvores nativas.

Fonte: www.rge-rs.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Dragagem

Dragagem

Draga é um navio usado para escavar material, sob o nível da água, e aumentando o material extraído da superfície.

Fitorremediação

Fitorremediação

PUBLICIDADE O fitorremediação é a descontaminação de solo, o tratamento de águas residuais ou de …

Buraco na Camada de Ozônio

Buraco na Camada de Ozônio

PUBLICIDADE Os furos na camada de ozono, são causados pelo aumento das concentrações de produtos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+