Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Meio Ambiente / Saco Plástico

Saco Plástico

PUBLICIDADE

 

Saco Plástico

A farra dos sacos plásticos

O Brasil é definitivamente o paraíso dos sacos plásticos.

Todos os supermercados, farmácias e boa parte do comércio varejista embalam em saquinhos tudo o que passa pela caixa registradora. Não importa o tamanho do produto que se tenha à mão, aguarde a sua vez porque ele será embalado num saquinho plástico. O pior é que isso já foi incorporado na nossa rotina como algo normal, como se o destino de cada produto comprado fosse mesmo um saco plástico.

Nossa dependência é tamanha, que quando ele não está disponível, costumamos reagir com reclamações indignadas.

Quem recusa a embalagem de plástico é considerado, no mínimo, exótico. Outro dia fui comprar lâminas de barbear numa farmácia e me deparei com uma situação curiosa. A caixinha com as lâminas cabia perfeitamente na minha pochete. Meu plano era levar para casa assim mesmo. Mas num gesto automático, a funcionária registrou a compra e enfiou rapidamente a mísera caixinha num saco onde caberiam seguramente outras dez. Pelas razões que explicarei abaixo, recusei gentilmente a embalagem.

A plasticomania vem tomando conta do planeta desde que o inglês Alexander Parkes inventou o primeiro plástico em 1862. O novo material sintético reduziu os custos dos comerciantes e incrementou a sanha consumista da civilização moderna.

Mas os estragos causados pelo derrame indiscriminado de plásticos na natureza tornou o consumidor um colaborador passivo de um desastre ambiental de grandes proporções. Feitos de resina sintética originadas do petróleo, esses sacos não são biodegradáveis e levam séculos para se decompor na natureza. Usando a linguagem dos cientistas, esses saquinhos são feitos de cadeias moleculares inquebráveis, e é impossível definir com precisão quanto tempo levam para desaparecer no meio natural.

No caso específico das sacolas de supermercado, por exemplo, a matéria-prima é o plástico filme, produzido a partir de uma resina chamada polietileno de baixa densidade (PEBD). No Brasil são produzidas 210 mil toneladas anuais de plástico filme, que já representa 9,7% de todo o lixo do país. Abandonados em vazadouros, esses sacos plásticos impedem a passagem da água – retardando a decomposição dos materiais biodegradáveis – e dificultam a compactação dos detritos.

Essa realidade que tanto preocupa os ambientalistas no Brasil, já justificou mudanças importantes na legislação – e na cultura – de vários países europeus.

Na Alemanha, por exemplo, a plasticomania deu lugar à sacolamania. Quem não anda com sua própria sacola a tiracolo para levar as compras é obrigado a pagar uma taxa extra pelo uso de sacos plásticos.

O preço é salgado: o equivalente a sessenta centavos a unidade.

A guerra contra os sacos plásticos ganhou força em 1991, quando foi aprovada uma lei que obriga os produtores e distribuidores de embalagens a aceitar de volta e a reciclar seus produtos após o uso.

E o que fizeram os empresários? Repassaram imediatamente os custos para o consumidor. Além de anti-ecológico, ficou bem mais caro usar sacos plásticos na Alemanha.

Na Irlanda, desde 1997 paga-se um imposto de nove centavos de libra irlandesa por cada saco plástico. A criação da taxa fez multiplicar o número de irlandeses indo às compras com suas próprias sacolas de pano, de palha, e mochilas.

Em toda a Grã-Bretanha, a rede de supermercados CO-OP mobilizou a atenção dos consumidores com uma campanha original e ecológica: todas as lojas da rede terão seus produtos embalados em sacos plásticos 100% biodegradáveis.

Até dezembro deste ano, pelo menos 2/3 de todos os saquinhos usados na rede serão feitos de um material que, segundo testes em laboratório, se decompõe dezoito meses depois de descartados.

Com um detalhe interessante: se por acaso não houver contato com a água, o plástico se dissolve assim mesmo, porque serve de alimento para microorganismos encontrados na natureza.

Não há desculpas para nós brasileiros não estarmos igualmente preocupados com a multiplicação indiscriminada de sacos plásticos na natureza.

O país que sediou a Rio-92 (Conferência Mundial da ONU sobre Desenvolvimento e Meio Ambiente) e que tem uma das legislações ambientais mais avançadas do planeta, ainda não acordou para o problema do descarte de embalagens em geral, e dos sacos plásticos em particular.

A única iniciativa de regulamentar o que hoje acontece de forma aleatória e caótica, foi rechaçada pelo Congresso na legislatura passada. O então deputado Emerson Kapaz foi o relator da comissão criada para elaborar a “Política Nacional de Resíduos Sólidos”. Entre outros objetivos, o projeto apresentava propostas para a destinação inteligente dos resíduos, a redução do volume de lixo no Brasil, e definia regras claras para que produtores e comerciantes assumissem novas responsabilidades em relação aos resíduos que descartam na natureza, assumindo o ônus pela coleta e processamento de materiais que degradam o meio ambiente e a qualidade de vida.

O projeto elaborado pela comissão não chegou a ser votado. Não se sabe quando será. Sabe-se apenas que não está na pauta do Congresso. Omissão grave dos nossos parlamentares que não pode ser atribuída ao mero esquecimento. Há um lobby poderoso no Congresso trabalhando no sentido de esvaziar esse conjunto de propostas que atinge determinados setores da indústria e do comércio.

É preciso declarar guerra contra a plasticomania e se rebelar contra a ausência de uma legislação específica para a gestão dos resíduos sólidos. Há muitos interesses em jogo. Qual é o seu?

André Trigueiro

Fonte: www.mundosustentavel.com.br

Saco Plástico

CONSUMO CONSCIENTE DE SACOLAS PLÁSTICAS

Aceitar sacolas plásticas em todas as oportunidades acreditando em seu custo zero mascara a realidade do alto custo ambiental coletivo que elas oferecem. As sacolas plásticas foram inventadas em 1862 e criou uma revolução para o comércio por sua praticidade e por ser barata. Apesar de antiga a invenção veio explodir no Brasil a partir da década de 80, no entanto só agora sabemos que elas são um dos grandes vilões do meio ambiente, bem como várias outras coisas que antes utilizávamos sem nenhuma consciência.

O saco plástico é um derivado do petróleo, substância não renovável, feita de uma resina chamada polietileno de baixa densidade (PEBD) e sua degradação no ambiente pode levar séculos. Os primeiros plásticos produzidos existem até hoje. No mundo são distribuídas entre 500 bilhões e 1 trilhão de sacolas plásticas por ano. No Brasil, o número gira em torno de 12 bilhões anuais. Cada brasileiro consome cerca de 66 sacolas plásticas por mês.

Os números impressionam e chamam a atenção para este hábito inconseqüente na sociedade humana de aceitar o que é de graça e descartável, sem pensar nas conseqüências pós-consumo desta atitude. No Brasil aproximadamente 9,7% de todo o lixo é composto por sacos plásticos, além disso, a produção do plástico é ambientalmente nociva. Para produzir uma tonelada de plástico são necessários 1.140 KW/hora (esta energia daria para manter aproximadamente 7600 residências iluminadas com lâmpadas econômicas por 1 hora), sem contar a água utilizada no processo e os dejetos resultantes. A reciclagem desse material é de difícil mensuração, poucos sacos plásticos são corretamente destinados, estando geralmente misturados a outros resíduos, ficando contaminados e inutilizados para a reciclagem.

O descarte das sacolas plásticas em locais inadequados causa à poluição dos mares por este tipo de lixo.

Sacos plásticos no mar são confundidos por peixes e, principalmente, pelas tartarugas marinhas como águas vivas, um de seus alimentos. Assim ao ingerir os sacos plásticos as tartarugas morrem por obstrução do aparelho digestivo. No Projeto Tamar estão expostos vários cadáveres de tartarugas que morreram desta forma.

Os sacos plásticos também são uma das causas do entupimento da passagem de água em bueiros e córregos, contribuindo para as inundações e retenção de mais lixo. Em aterros e lixões, os plásticos prejudicam a decomposição de matérias biologicamente degradáveis, pois criam camadas impermeáveis que afetam as trocas de líquidos e gases gerados pela decomposição de matéria orgânica, ou seja, se alguma matéria orgânica estiver contida em sacola plástica sofrerá a decomposição anaeróbica produzindo um dos principais gases estufa, o gás metano. Os plásticos ocupam espaços nos aterros provocando a necessidade de abertura de novas áreas para depósitos de resíduos sólidos.

A redução do consumo desnecessário das sacolas plásticas deve ser o primeiro ato. Em seguida a reutilização, ou para novas compras ou como saco de lixo, ou a doação para feirantes ou peixarias.

O importante é o consumo consciente e descarte correto das sacolas plásticas.

Seguem algumas dicas de como começar a gerenciar o uso das sacolas descartáveis:

Utilizar toda a capacidade da sacola tanto nas compras como na hora de reutilizá-la como saco de lixo. Disponha de lixeiras compatíveis com o volume dos sacos que frequentemente adquirimos. Portanto a lixeira do banheiro pode ser pequena para armazenar sacos pequenos, como os sacos transparentes que usamos para por verduras. A lixeira do banheiro deve ser pequena, de no máximo cinco litros, pois o lixo depositado nelas geram mau cheiro com o tempo. As outras lixeiras podem ter entre 13 e 16 litros que é ideal para a maioria das sacolas de supermercado.
Comece a levar uma sacola própria para fazer as compras, seja no supermercado, na venda, quitanda ou feira. Não importa que nela não caibam todas as suas compras, pelo menos uma parte delas vai para a sua casa sem utilizar os sacos,
As famosas “sacolas de feira” são uma grande dica, seja ela de plástico resistente, seja de pano,
Se a quantidade de compras seja muito grande, peça no supermercado caixas de papelão para transportar as compras. Algumas redes de supermercados já oferecem esta opção,
Caso seu supermercado utilize sacolas biodegradáveis, de preferência para estas,
De preferência pelos sacos de papel,
Verifique as datas de validade dos produtos. Você poderá estar levando um produto que irá para o lixo. Além do desperdício de dinheiro você terá utilizado um ou vários saquinhos sem necessidade,
Repensem suas compras. Será que tudo que você está comprando será utilizado ou boa parte irá estragar e ir para o lixo? Você precisa mesmo do que está comprando ou foi a propaganda que lhe disse para comprar? Quanto menos compras, menos sacos serão utilizados,
Não dê nós extremamente apertados na alças das sacolas, pois estes a danificarão quando forem abertas. Geralmente os nós não são desfeitos e o usuário acaba rasgando a sacola,
Tenha um local para guardar as sacolas plásticas, no caso de sua utilização como saco lixo, percebendo o excesso de sacolas, doe a feirantes e peixarias.
Recuse as sacolas plásticas minúsculas que as farmácias pões remédios dentro.
Não descarte seu lixo em qualquer lugar e
Realize a coleta seletiva de lixo.

A intenção de incentivar o consumo consciente de sacolas, a adoção de alternativas como sacolas retornáveis e carrinhos de feira, é demonstrar que esta atitude é apenas o começo de um comportamento ambiental responsável. Recusar sacolas plásticas em estabelecimentos comerciais sempre que possível, é uma das atitudes incentivadas.

Em todas as suas dimensões o consumo sustentável é a meta coletiva maior a ser alcançada e que começa com pequenas, mas significativas mudanças de atitude no cotidiano de cada pessoa, instituição ou empresa. A discussão sobre sacolas plásticas traz à luz uma das ações mais comuns do cotidiano da sociedade atual, quando a quantidade do uso, demonstra a magnitude do impacto negativo acumulado que a população humana pode gerar, a partir de hábitos adotados sem reflexão sobre suas conseqüências ao meio ambiente.

Fonte: www.mar.mil.br

Saco Plástico

O que é

O saco de plástico popularmente sacolinha é um objeto utilizado no quotidiano para transportar pequenas quantidades de mercadorias.

Introduzidos nos anos 70, os sacos de plásticos depressa se tornaram muito populares, especialmente através da sua distribuição gratuita nos supermercados e outras lojas.

Os Famosos Sacos Plásticos

Saco Plástico

Todo mundo já ouviu falar, e provavelmente na sua casa existem vários deles. Sem contar que é uma peça essencial no estoque de super-mercados, padarias, farmácias, lojinhas de presente, papelarias ou outro estabelecimento onde se vende algo.

Eles estão em todo lugar, e o pior de tudo é ter que admitir que são muito eficientes na hora de juntar o lixo de casa.

Os sacos plásticos, apesar de úteis, causam uma tremenda poluição ao meio ambiente. Isso porque eles são feitos de cadeias moleculares inquebráveis, ou seja, são difíceis de serem decompostos. Podem levar cerca de 400 anos para desaparecer completamente.

Além disso, a manufatura do polietileno – substância do qual é feito o saco plástico – faz-se a partir de combustíveis fósseis, o que acarreta a emissão de gases poluentes. Mas o maior problema é o destino final que damos a esses saquinhos plásticos.

Eles sempre acabam nos aterros sanitários, ou nos rios e oceanos quando o esgoto é jogado sem tratamento.

Nos aterros sanitários e mesmo lixões a céu aberto, os sacos plásticos dificultam e impedem a decomposição dos materiais orgânicos e/ou biodegradáveis. Além disso, comprometem a capacidade do aterro, deixam o terreno muito impermeável e instável para uma boa adequação dos resíduos.

Já no mar, o saco plástico além de poluir visualmente, e diminuir a qualidade da água, provoca asfixia em animais marinhos.

Baleias, tartarugas e golfinhos podem confundir as sacolas com algas e águas-vivas e acabarem sufocados, o que os certamente leva à morte.

Saco Plástico

O caso mais dramático ocorreu em 2002, quando uma baleia-anã apareceu morta na costa da Normandia com cerca de 800 kg de sacos de plástico encravados no estômago.

Alguns lugares do mundo já tomaram suas atitudes para acabar com o uso dos sacos plásticos.

Na Europa, vários países – Alemanha e Dinamarca, entre outros – já evitam a entrega gratuita de sacos pelos supermercados à clientela. Na Irlanda, por exemplo, há um imposto de 0,22 € para cada saco plástico distribuído, o que reduziu em 90% o uso.

E melhor ainda: todo o dinheiro recolhido vai para projetos ambientais.

Alguns supermercados já fazem propaganda do uso de sacolas verdes, isso é, sacolas bio-, fotobio-, oxibiodegradáveis e hidrossolúveis. O custo total pela substituição por esses plásticos mais avançados é quase o mesmo dos convencionais, devido à procura cada vez maior, que vem barateando a novidade. A adoção desses plásticos também traz benefícios com relação a preservação ambiental e marketing verde.

Cada vez mais pesquisas nos surpreendem, e o Brasil ainda não tomou uma atitude sobre isso. Existem infinitas opções para substituir os usuais sacos plásticos que tanto nos trazem problemas.

Cada família brasileira descarta em média 40 kg de plástico por ano.

Mais de 40 países já utilizam as sacolas plásticas oxibiodegradáveis. Estas aceleram a decomposição do material numa velocidade até cem vezes maior (o plástico comum levaria dezenas de anos para se degradar).

Porém a opção tem seus aspectos negativos: o alto custo dos materiais, partículas derivadas de metais pesados que poderiam contaminar os lençóis freáticos.

Ainda assim existem as opções de plásticos degradáveis e biodegradáveis que não causam impacto no meio ambiente, como por exemplo, os plásticos d2w® que já começam a se degradar mesmo ao ar livre e levam de 2 meses a 6 anos para sumir completamente.

Muitas empresas estão adotando essa novidade que pode até ser uma iniciativa de marketing positiva, já que virou moda preservar a natureza.

De qualquer maneira quem ganha com isso somos nós com melhor qualidade de vida e o planeta que vêm sendo tão explorado e poluído, tendo a chance de ser um lugar mais ecologicamente equilibrado.

Preservem o meio ambiente!

Andrea Mieko

Fonte: makaehcult.com

Saco Plástico

Sacos plásticos – Entre um passado consumista e um futuro ecológico

Saco Plástico

Uma frase perdida nos confins da internet relembra: “o planeta não é descartável”. E mesmo que alguns poucos saibam disso, ou que a ecologia ainda esteja se incorporando às nossas disciplinas básicas, continuamos tratando o planeta como um mero objeto de consumo. Numa época onde a propaganda, as marcas, a moda e as bolsas reinam, isso não poderia ser diferente.

Vivemos num paradigma profundamente interessante: ou paramos e reavaliamos exatamente agora as consequências de nosso modo de vida ou vamos sentir com cada vez mais velocidade e impacto os resultados dessa inconsciência devastadora. Com a mesma força de furacões, tsunamis, terremotos e vulcões em erupção, nós, a humanidade, também somos capazes de destruições globais.

E a certo ponto é até engraçado pensar que um mínimo saco plástico possa fazer alguma diferença num mundo tão grande e com tanta capacidade de se modificar, mas é assim que é.

Hoje, o pequeno e solitário saco plástico já não está tão só: é parte de uma família talvez mais inumerável que as estrelas do universo.

Basta pensar no poder que as máquinas têm de gerar sacos plásticos por minuto, e comparar com a eternidade o universo leva para preparar suas criações, para ver que fica difícil acompanhar esse ritmo frenético. Para não dizer descontrolado.

Quando se fala em sacos plásticos os números são alarmantes. Para se ter uma idéia da quantidade exorbitante de sacos plásticos produzidos, podemos usar como base o Rio de Janeiro. Apenas na cidade do Cristo Redentor são usados cerca de 1 bilhão de sacos plásticos por ano. Já seu vizinho São Paulo, produz 210 mil toneladas de plástico filme anualmente.

O plástico filme, o preferido dos supermercados, é feito de polietileno de baixa densidade (PEBD), material que já representa cerca de 10% do lixo nacional.

O pequeno saco plástico leva em média 40 anos pra se decompor, e enquanto não chega até seu fim de ciclo, fica causando problemas na superfície da Terra.

Entope bueiros e canteiros nas cidades, polui rios e lagoas, e chega até a ser causa de enchente quando obstrui rios.

O saco plástico impede a passagem da água nos vazadouros, o que atrasa a decomposição de dejetos biodegradáveis e atrapalha na compactação dos detritos.

No meio desse panorama nada positivo, surge o saco plástico ecológico, feito a partir do milho, como alternativa menos impactante. Mas apesar de biodegradável, leva cerca de três para se decompor, o plástico ecológico também não é a solução. Derivado do petróleo, ele tem metais pesados em sua composição e produz gases que provocam o efeito estufa.

As tradicionais sacolas de papel voltam a ser valorizadas, apesar de não serem ideais para todos os casos, como comprar grandes ou pesadas. O papel é menos poluidor, leva menos tempo para se decompor e pode ser reciclado.

Mas também tem um porém: a decomposição da celulose produz gases nocivos.

Para ficar mesmo a favor do meio ambiente às vezes é preciso ser radical. Especialistas defendem que a solução ideal é a sacola permanente, feita de pano ou palha ou outros materiais. O principal atributo dessas bolsas retornáveis, ou ecobags como costumam chamar, é que elas não viram lixo depois de usadas. Pelo contrário, são o próprio exemplo da cultura anti-lixo, vivo e circulando pelas ruas.

Fonte: www.vivaviver.com.br

Saco Plástico

Saco Plástico

Tudo começou com aquele filme, Beleza Americana, filme muito bom por sinal. O que nunca saiu da minha cabeça é qual era a daquele cara que ficava filmando um saco plástico voando ao vento. Ele dizia que o saco estava dançando e que era a coisa mais bonita que ele já tinha visto (doía até). Talvez tenha sido daí que começou, o meu ódio contra as sacolinhas.

Sacos plásticos além de ser um grande problema para a natureza, já que não são degradáveis biologicamente, ainda ficam voando por aí, grudando no pé da gente, fazendo barulho a noite, rasgando, furando e molhando!

E esses malditos sacos voam mesmo. Além de tudo eles ainda tem um desenho aerodinâmico que facilita sua distribuição e propagação. Não é raro eu ver quando eu estou deitado em minha cama um ponto branco se deslocando no céu azul, carregado pelo vento – Caralho! Lá vai mais um maldito saco plástico!

Vamos ao perfil do vilão, segunda a Wikipédia:

Os sacos de plástico podem ser feitos de polietileno de baixa densidade, polietileno linear, polietileno de alta densidade ou de polipropileno, polímeros de plástico não biodegradável, com espessura variável entre 18 e 30 micrometros. Anualmente, circulam em todo o mundo entre 500 biliões a 1 trilião destes objetos.

Sacos plásticos não tem vida própria, só tem utilidade quando utilizado em conjunto com outros objetos. E pior, é uma utilidade passageira, depois de transportar compras no supermercado ele já não é mais útil.

Mas qual seria o problema? O problema é que depois que ele deixa de ser útil ele não volta para o supermercado para ser útil novamente, ele tem ainda uma longa vida perambulando pelo mundo afora.

E os sacos plásticos são espertos, eles te dão uma sensação de que você um dia vai precisar dele (e provavelmente vai mesmo) que te faz guardar alguns por segurança. É uma sensação de desperdício jogar vários sacos plásticos no lixo (outro saco plástico!). Assim eles foram conseguindo permanecer no mundo, e lentamente tomaram conta de tudo.

E o pior é que quando você vai no supermercado eles tentam te empurrar dezenas de sacos plásticos de uma vez só.

Já não bastassem as embalagens plásticas que vão ser descartadas quase imediatamente ainda colocam um saco plástico pra cada item.

É bem comum a cena, eu estou passando umas coisas no supermercado e coloco dois itens em uma mesma sacola e o caixa diz:

Coloca aqui esse nessa sacola – tira o item de dentro da sacola – e põe nessa. Deixe só uma coisa por sacola.
Não, muito obrigado. Eu só vou com isso do caixa até ali no carro, não preciso de tantas sacolas. Obrigado.
Não, eu faço questão! Tome, tome mais essas sacolas! Olha esse refrigerante, coloca duas sacolas, porque aí não rasga.
Duas sacolas? Não não não precisa se preocupar. Eu vou ter cuidado para o refrigerante não cair, obrigado.

Alguém pode me explicar porque eles fazem isso? É uma conspiração para entupir o mundo dessas malditas sacolas plásticas? Alguém sabe de alguma coisa que eu não sei?

Tá certo que quando eles distribuem gratuitamente sacolas com suas marcas estampadas eles estão conseguindo uma forma de publicidade barata, mas isso não chega a compensar, nem de longe, os danos. Eu não colocaria minha marca estampada num saco plástico.

Mas nem só de tristeza eu vivo. Lentamente um levante de ideias e ações em todo o planeta faz estremecer esse império plástico e eu já podemos vislumbrar um mundo livre do uso indiscriminado de sacos plásticos.

Austrália: Comerciantes são incentivados à comprarem a chamada “sacola verde” que podem ser reutilizadas várias vezes. A cidade de Coles Bay baniu o uso de sacos plásticos.
Taiwan:
Sacos plásticos foram banidos. Se te pegarem usandos saco plástico eles te cortam um braço. Brincadeira, não cortam teu braço não, mas as sacolas de plástico foram banidas mesmo.
Irlanda:
Há um imposto de 0,22€ para cada saco plástico distribuído. O dinheiro vai para projetos ambientais. Com o imposto houve um decréscimo de 90% no uso dos malditos sacos plásticos. Legal, pra eles mas o Brasil não precisa de mais um imposto, aqui cairia bem uma contrapartida, como isenções para supermercados que banissem o saco plástico.
Alemanha:
As lojas vendem sacos plásticos por preços que variam de 5 a 25 centavos de euro dependendo do tipo de sacola. Sacolas mais fortes e reutilizáveis são vendidas por cerca de 1€. Mesmo assim há lojas que distribuem sacos plásticos descartáveis.
Zanzibar:
Baniu o uso de sacos plásticos. Devido aos danos a vida marinha o turismo, principal atividade da economia, estava sendo prejudicado. Usou um saco é seis meses de xadrez ou multa de 2000 dólares (dessa vez é sério, não tô brincando).
Bangladesh:
Baniu os sacos plásticos. Lá os sacos plásticos além de tudo entopem esgotos que por sua vez causavam enchentes. Ser pego com um saco plástico dá uma pesada multa e até prisão.

Quando eu era pequeno, eu morava numa cidade pequena e distante, no alto de uma serra. Nós fazíamos compras aos domingos numa feira local onde os produtores se reuniam para vender seus produtos. Era uma cena muito típica minha mãe pegando uma velha sacola (de plástico também, mas um plástico bem firme) e levando mais uma vez para a feira.

Eu não me lembro de isso ser um estorvo, era algo comum, simples e normal. Todos viviam suas vidinhas sem sacos plásticos e talvez sem saber éramos mais felizes.

Talvez Sam Mendes, o diretor de Beleza Americana, seja assim como eu um inimigo declarado dos sacos plásticos.

Talvez ele tenha o usado como símbolo de um consumismo desenfreado e irracional, em contra ponto à beleza passageira dos pequenos instantes.

Fonte: eupodiatamatando.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Dragagem

Dragagem

Draga é um navio usado para escavar material, sob o nível da água, e aumentando o material extraído da superfície.

Fitorremediação

Fitorremediação

PUBLICIDADE O fitorremediação é a descontaminação de solo, o tratamento de águas residuais ou de …

Buraco na Camada de Ozônio

Buraco na Camada de Ozônio

PUBLICIDADE Os furos na camada de ozono, são causados pelo aumento das concentrações de produtos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+