Breaking News
Home / Meio Ambiente / Espécies em Extinção

Espécies em Extinção

PUBLICIDADE

Espécies em Extinção – O que são

As espécies ficam ameaçadas se puderem os seus abrigos e o alimento. Os herbívoros podem morrer de fome se as plantas de que se alimentam desaparecerem.

Então os predadores também morrem porque há menos herbívoros e podem começar atacar outras presas. E assim sucessivamente.

As espécies extinguem-se quando se afeta o equilíbrio do seu meio ambiente. Isto pode acontecer devido a causas naturais, mas atualmente deve-se subretudo aos resultados da intervenção humana.

A extinção de espécies é um processo natural que ocorreu durante toda a história da vida. Uma nova espécie surge num ponto de tempo e floresce, aumentando a população e nicho, mas após certo tempo perde o vigor e desaparece. Estima-se que somente 2-4% de todas as espécies que surgiram vivem hoje.

Os motivos variam de caso a caso, tais como mudança de clima, esgotamento de recursos, surgimento de novas espécies mais fortes que ocupam o mesmo habitat, e catástrofe natural.

A ciência detectou nos registros geológicos muitos episódios de aumento de taxa de extinção ao longo das centenas de milhões de anos de história da evolução de vida.

Alguns deles são marcantes por altas taxas de extinção e são chamados de extinção em massa. Cinco episódios são freqüentemente citados, inclusive o último de 65 milhões de anos atrás quando dinossauros foram extintos, mas há outros episódios de menores escalas. Por exemplo, houve nove ocorrências de relativamente altas taxas de extinção nos últimos 250 milhões de anos.

Apesar de a extinção de espécies ser discutida muitas vezes em termos de extinção em massa, ela é um processo contínuo com taxas variáveis, acentuado por acontecimentos catastróficos isolados.

Segundo a teoria mais aceita, a extinção de dinossauros foi iniciada pela queda de um asteroide.

A maioria de fatalidades pode ter ocorrido num curto período de tempo mas o processo de extinção de uma espécie pode progredir lentamente durante um longo tempo.

Cada episódio de extinção em massa foi um processo que continuou durante milhões de anos.

Desde os tempos pré-históricos, dezenas de milhares de anos atrás, o homem causou extinção de espécies, especialmente grandes animais como o mastodonte e tigres com dente de sabre. Mais recentemente, após a colonização pelo homem das ilhas do Oceano Pacífico e do novo mundo, diversos pássaros e outros animais indígenas foram extintos. Nos últimos séculos, especialmente nas últimas décadas, a taxa de extinção de espécies aumentou explosivamente, incluindo todas as formas de vida.

Este fenômeno é às vezes chamado sexto episódio de extinção em massa. Estima-se que entre um terço e dois terços de todas as espécies serão perdidas nos próximos cem anos.

Praticamente todas as extinções atuais se devem a atividades humanas. As causas principais são a destruição e fragmentação de habitat, poluição, introdução de espécies não indígenas, mudança de clima, caça e diversas formas de utilização abusiva.

extinção de espécies tornou-se um assunto de discussão mundial nas últimas décadas devido ao reconhecimento crescente destes fatos e da deterioração geral do meio ambiente.

O motivo de se preocupar com a extinção varia entre indivíduos, de interesse econômico até princípio filosófico.

Os motivos frequentemente mencionados incluem a perda de materiais genéticos ainda desconhecidos que poderiam ser usados para benefício do homem nas formas de remédios e alimentos, perda de conhecimento científico, perda de animais carismáticos e plantas ornamentais, receio de perturbação da biosfera e seus efeitos negativos ao homem, sentimento de culpa pela perda de herança para as gerações futuras, perda de reservas genéticas que prejudicariam futura evolução de novas espécies, e o princípio de que é errado eliminar vidas que desenvolveram ao longo de milhões de anos.

A história mostra que o tempo necessário para o surgimento de novas espécies e a recuperação da biodiversidade após um episódio de extinção em massa é da ordem de 5-20 milhões de anos.

Na escala humana de tempo, cada extinção significa uma diminuição definitiva e eterna da biodiversidade, uma perda no valor inerente da biosfera, independente do interesse ou convicção de indivíduos.

Espécies em perigo

Espécies em Extinção

Uma espécie ameaçada de planta, animal ou microrganismo está em risco de extinção iminente ou extirpação em toda ou na maior parte de sua área de distribuição.

Espécies extintas não existem mais em nenhum lugar da Terra e, uma vez que se vão, desaparecem para sempre. Espécies extirpadas desapareceram local ou regionalmente, mas ainda sobrevivem em outras regiões ou em cativeiro. Espécies ameaçadas correm o risco de se tornarem ameaçadas no futuro próximo. Nos Estados Unidos, a Lei de Espécies Ameaçadas (ESA) de 1973 protege espécies ameaçadas e ameaçadas de extinção que atendem a critérios específicos. Muitas nações têm sua própria versão da ESA e, como os Estados Unidos, são membros da União Mundial de Conservação (IUCN) e signatários da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens (CITES).

As espécies foram extintas ao longo da história geológica. A evolução biológica, impulsionada por mudanças climáticas naturais, eventos geológicos catastróficos e competição de espécies mais bem adaptadas, resultou na extinção de bilhões de espécies desde o advento da vida na Terra há cerca de três bilhões de anos. De fato, de acordo com o registro fóssil, apenas 2 a 4% das espécies que existiram na Terra existem hoje.

Nos tempos modernos, no entanto, espécies ameaçadas por atividades humanas estão se extinguindo a uma taxa que excede em muito o ritmo de extinção ao longo da maior parte da história geológica. (As extinções em massa de espécies que ocorreram no final das eras Paleozóica e Mesozóica são exceções notáveis a essa generalização.

Dados geológicos mostram evidências de que um aglomerado de impactos de meteoritos muito grandes matou cerca de 85% das espécies da Terra, incluindo os dinossauros, cerca de 65 milhões anos atrás, no final do Cretáceo Mesozóico. Apesar dos impactos de meteoritos, os cientistas estimam que as taxas de extinção atuais são 1.000 a 10.000 vezes maiores do que a taxa média de extinção natural.

Causas humanas de extinção e perigo

As atividades humanas que influenciam a extinção e ameaça de espécies selvagens se enquadram em várias categorias:

1) caça e colheita insustentáveis que causam mortalidade em taxas que excedem o recrutamento de novos indivíduos,
2)
 práticas de uso da terra como desmatamento, desenvolvimento urbano e suburbano, cultivo agrícola e projetos de gestão da água que invadem e/ou destroem o habitat natural,
3) 
introdução intencional ou não intencional de doenças destrutivas, parasitas e predadores,
4)
 danos ecológicos causados pela poluição da água, do ar e do solo, e
5)
 mudança climática global antropogênica (causada pelo homem). Sozinhos ou combinados, esses estressores resultam em populações pequenas e fragmentadas de flora e fauna selvagens que se tornam cada vez mais suscetíveis à endogamia e aos riscos inerentes à pequena abundância, também chamada de instabilidade demográfica. Sem intervenção, as populações estressadas geralmente diminuem ainda mais e ficam ameaçadas.

Por que as espécies ameaçadas são importantes?

Ações sociopolíticas empreendidas para preservar espécies ameaçadas e seus habitats naturais muitas vezes entram em conflito com os interesses econômicos humanos. Na verdade, os esforços para proteger uma espécie ameaçada geralmente exigem um sacrifício econômico da própria empresa ou governo que ameaçou a planta ou o animal em primeiro lugar. É necessário, portanto, definir as espécies ameaçadas de extinção em termos de seu valor estético, prático e econômico para os seres humanos.

A preservação de espécies ameaçadas é importante e prática por várias razões:

1) outros organismos que não humanos têm valor moral e ético intrínseco e um direito natural de existir,
2)
 muitas plantas e animais têm um valor econômico estabelecido, como é no caso de espécies domesticadas e animais selvagens explorados como veados, salmões e árvores,
3)
 outras espécies, incluindo plantas medicinais não descobertas e espécies agrícolas potenciais, têm valor econômico ainda desconhecido e
4)
 a maioria das espécies desempenha um papel crítico na manutenção da saúde e integridade de seu ecossistema e, portanto, são indiretamente importantes para o bem-estar humano.

Esses papéis ecológicos incluem ciclagem de nutrientes, controle de pragas e ervas daninhas, regulação da população de espécies, limpeza da poluição química e orgânica da água e do ar, controle da erosão, produção de oxigênio atmosférico e remoção de dióxido de carbono atmosférico.

As taxas de ameaça e extinção aumentaram rapidamente em conjunto com o crescimento da população humana.

Embora a aceleração da perda de hábitos e as taxas de extinção sejam marcas da crise da biodiversidade moderna, a ligação entre o empreendimento humano e a extinção de espécies existe há quase 100.000 anos, período durante o qual a Austrália, as Américas e as ilhas do mundo perderam 74-86% da seus animais maiores que 97 lb (44 kg). Nas Américas do Norte e do Sul, o desaparecimento de numerosos animais de grande porte, incluindo espécies extraordinárias como mamutes, gatos-dentes-de-sabre, preguiças gigantes e gliptodontes blindados, coincidiu com a chegada de uma população significativa de humanos entre 11.000 e 13.000 anos atrás. Mais de 700 animais vertebrados, incluindo cerca de 160 espécies de aves e 100 mamíferos, foram extintos desde 1600 dC.

Não há estimativa precisa do número de espécies ameaçadas de extinção. Um censo completo dos menores e mais numerosos habitantes da Terra – insetos, microorganismos marinhos e plantas – ainda não foi realizado. Além disso, os ecologistas acreditam que uma grande porcentagem da biodiversidade da Terra ainda não catalogada reside nas florestas tropicais equatoriais.

Como o desenvolvimento humano está convertendo rapidamente seu habitat de floresta tropical em terras agrícolas e assentamentos, muitas das espécies não identificadas de animais e plantas tropicais provavelmente estão ameaçadas.

A Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de 2006 da IUCN lista 16.118 espécies de plantas e animais em extinção iminente. A Lista Vermelha inclui aproximadamente 1 em cada 5 espécies de mamíferos e 1 em cada 8 espécies de aves. Enquanto apenas 3% de todas as espécies de plantas estão incluídas na Lista Vermelha; quase um terço de todas as gimnospermas estão na lista. Nos Estados Unidos, onde as espécies devem atender a um conjunto rigoroso de critérios para serem listadas como ameaçadas pela ESA, em 2006 a lista de espécies ameaçadas incluiu 932 espécies animais e 599 espécies vegetais.

O sudeste úmido e o noroeste do Pacífico têm o maior número de espécies ameaçadas de extinção nos Estados Unidos. Essas regiões tendem a ter comunidades ecológicas únicas com muitas espécies endêmicas estreitamente distribuídas, bem como extensa urbanização humana e desenvolvimento de recursos que as ameaçam.

Existem inúmeros exemplos de espécies ameaçadas de extinção. Nesta seção, são escolhidos alguns casos que ilustram as principais causas de extinção, os conflitos socioeconômicos relacionados à proteção de espécies ameaçadas e algumas possíveis estratégias bem-sucedidas para proteção da vida selvagem e resolução de conflitos.

Espécies ameaçadas pela caça insustentável

A caça excessiva e a pesca excessiva ameaçaram as espécies animais desde que os aborígenes europeus, australianos e americanos desenvolveram uma tecnologia de caça eficaz há milhares de anos. O dodô, o pombo-passageiro, o arau-gigante e a vaca marinha de Steller foram caçados até a extinção. A caça e a pesca insustentáveis continuam a pôr em perigo numerosos animais em todo o mundo. Nos Estados Unidos, muitos dos animais considerados símbolos nacionais – águia careca, urso pardo, lobo-bravo, bisão americano, carneiro selvagem e tartarugas marinhas do Golfo do México – foram ameaçados pela caça excessiva. (Os bisões americanos, aliás, não são mais considerados ameaçados, mas existem principalmente em rebanhos manejados e nunca repovoaram sua ampla distribuição no oeste americano e canadense.)

O maçarico esquimó é um grande maçarico que era abundante na América do Norte no século XIX.

As aves foram implacavelmente caçadas por artilheiros do mercado durante sua migração das pradarias e costas do Canadá e dos Estados Unidos para seus locais de invernada nos pampas e costas da América do Sul.

O maçarico esquimó tornou-se muito raro no final do século XIX. A última observação de um ninho de maçarico foi em 1866, e a última “coleção” de pássaros foi em 1922. Houve alguns avistamentos confiáveis de indivíduos no Ártico canadense e pequenos bandos migratórios no Texas desde então, mas os avistamentos são tão raros que a classificação das espécies muda para extinta entre cada uma.

A foca de Guadalupe era abundante ao longo da costa oeste do México no século XIX, chegando a 200.000 indivíduos. Este mamífero marinho foi caçado por sua valiosa pele e quase foi extinto na década de 1920.

Felizmente, uma colônia de 14 focas, incluindo filhotes, foi descoberta na Baja California, na ilha de Guadalupe, em 1950. A ilha de Guadalupe foi declarada um santuário em 1975; a espécie agora conta com mais de 1.000 animais e começou a se espalhar por toda a sua área anterior. O lobo-marinho Juan Fernandez do Chile teve uma história semelhante. Mais de três milhões de indivíduos foram mortos por suas peles entre 1797 e 1804, quando a espécie foi declarada extinta. O selo de Juan Fernandez foi redescoberto em 1965; e sua população atualmente é de vários milhares de indivíduos.

A caça comercial de carne e óleo desde o século XVIII ameaçou a maioria das espécies de baleias de barbatanas do mundo, e várias baleias dentadas, de extinção. (As baleias de barbatana se alimentam coando microorganismos da água do mar.) Diante do grave esgotamento do estoque de baleias, 14 nações baleeiras formaram a Comissão Baleeira Internacional (IWC) em 1946. Embora a IWC tenha tido algum sucesso em restaurar as populações de baleias, ela não tem autoridade para impor a caça proibições e nações não-membros muitas vezes ameaçam desconsiderar as diretrizes da IWC. A Lei de Proteção de Mamíferos Marinhos de 1972 proibiu toda a caça às baleias nas águas dos Estados Unidos, o tratado CITES protege todas as espécies de baleias e muitas baleias foram protegidas pela ESA.

Apesar dessas medidas, apenas algumas espécies de baleias recuperaram suas populações pré-baleeiras, e várias espécies permanecem à beira da extinção.

Oito baleias permanecem na lista da ESA hoje: baleia azul, baleia-da-groenlândia, baleia-finback, baleia-cinzenta, baleia-sei, baleia-jubarte, baleia-franca e cachalote. A baleia cinzenta da Califórnia é uma rara história de sucesso.

Esta espécie foi caçada duas vezes perto da extinção, mas recuperou sua população pré-caça de cerca de 21.000 indivíduos. Em 1994, a baleia cinzenta foi retirada do leste do Oceano Pacífico, mas continua sendo uma espécie ameaçada de extinção no oeste do Oceano Pacífico.

Grandes predadores e troféus

Muitos grandes predadores são mortos porque competem com caçadores humanos por caça selvagem como veados e alces, porque atacam animais domésticos como ovelhas, ou às vezes porque ameaçam humanos.

Consequentemente, quase todos os grandes predadores cuja área anterior foi desenvolvida por humanos foram extirpados ou ameaçados de extinção.

A lista de grandes predadores ameaçados nos Estados Unidos inclui a maioria das espécies que anteriormente ocupavam o topo da cadeia alimentar e que regulavam populações de animais e peixes menores: urso pardo, urso preto, lobo cinza, lobo vermelho, kit San Joaquin raposa, onça, lince, puma, leão da montanha, pantera da Flórida, águia careca, falcão do norte, jacaré americano e crocodilo americano.

Várias espécies geralmente inofensivas estão ameaçadas por causa de sua aparência ou reputação ameaçadora, incluindo vários tipos de morcegos, condores, cobras não venenosas, anfíbios e lagartos. Internacionalmente, muitas espécies ameaçadas de extinção enfrentam a extinção por causa de sua própria escassez. Embora os acordos da CITES tentem interromper o comércio de animais raros e produtos animais, caçadores de troféus, colecionadores de animais raros e comerciantes de produtos animais de luxo continuam a ameaçar inúmeras espécies. A demanda internacional por produtos como marfim de presas de elefante, chifres de rinoceronte, peixes de aquário, peles de ursos e gatos, pássaros tropicais de estimação, couro de répteis e cascos de tartarugas afetou muitos dos animais mais extraordinários da Terra.

Perigo causado por espécies introduzidas

Em muitos lugares, espécies nativas vulneráveis foram dizimadas por espécies não nativas importadas por humanos. Predadores como cães e gatos domésticos, herbívoros como gado e ovelhas, doenças e onívoros que se alimentam amplamente, como porcos, mataram, morreram de fome e geralmente superaram as espécies nativas após a introdução. Algumas introduções de espécies destrutivas, como a importação de mangustos para as ilhas do Pacífico para controlar cobras, são intencionais, mas a maioria dos danos causados por espécies exóticas e doenças não é intencional.

Por exemplo, as aves nativas do arquipélago havaiano são dominadas por uma família de cerca de 25 espécies conhecidas como trepadeiras.

Treze espécies de trepadeiras foram extintas por predadores introduzidos e perda de habitat desde que os polinésios descobriram as ilhas, e especialmente desde a colonização europeia. As 12 espécies sobreviventes de trepadeiras estão todas ameaçadas de extinção; eles continuam a enfrentar sérias ameaças de doenças introduzidas, como a malária aviária, para a qual não têm imunidade.

A introdução deliberada da perca do Nilo causou danos terríveis à população de peixes nativos do Lago Vitória, no leste da África. Os gerentes de pesca abasteceram o Lago Vitória, o segundo maior lago do mundo, com perca do Nilo em 1954. Na década de 1980, a perca tornou-se um importante recurso pesqueiro e experimentou um aumento populacional espetacular que foi alimentado pela predação na comunidade extremamente diversificada de peixes ciclídeos do lago.

O colapso da comunidade de peixes nativos do Lago Vitória, que originalmente incluía mais de 400 espécies, 90% das quais ocorreram apenas no Lago Vitória, resultou na extinção de cerca de metade das espécies de ciclídeos da Terra. Hoje, a maioria dos ciclídeos restantes está ameaçada de extinção, e muitas dessas espécies existem apenas em cativeiro.

Espécies que vivem em ilhas são especialmente vulneráveis a predadores introduzidos. Em um caso, a introdução acidental da cobra marrom predatória na ilha de Guam, no Pacífico, no final da década de 1940, causou um declínio severo de aves nativas. Antes da introdução da cobra, havia 11 espécies nativas de aves em Guam, a maioria das quais abundantes. Em meados da década de 1980, sete das espécies nativas foram extintas ou extirpadas em Guam, e mais quatro estavam criticamente ameaçadas. O trilho de Guam, um pássaro que não voa, agora está extinto na natureza, embora sobreviva em cativeiro e espera-se que seja criado em cativeiro e liberado para uma ilha próxima e livre de cobras.

Perigo causado pela destruição do habitat

Muitas espécies foram extintas ou ameaçadas de extinção à medida que seu habitat natural foi convertido para fins de uso humano da terra. O pica-pau americano de bico de marfim, por exemplo, já viveu em florestas maduras de madeira de lei e pântanos de ciprestes em todo o sudeste dos Estados Unidos. Esses habitats foram fortemente explorados e/ou convertidos em terras agrícolas no início de 1900.

Por mais de 40 anos, não houve avistamentos confiáveis do pica-pau americano, e foi considerado extinto na América do Norte. No entanto, em 2002 e novamente em 2004, os avistamentos do pica-pau de bico de marfim foram confirmados no centro de Arkansas. Grandes esforços estão em andamento para proteger este habitat de animais raros. Uma subespécie relacionada, o pica-pau-de-bico-de-marfim cubano, também está criticamente ameaçada devido à perda de habitat, assim como o pica-pau imperial do México, intimamente relacionado.

O furão de patas negras foi descoberto pela primeira vez na pradaria norte-americana em 1851.

Este pequeno predador tornou-se ameaçado de extinção quando a maioria de seu habitat de pastagem foi convertido para uso agrícola.

A agricultura nas planícies americanas e canadenses também reduziu drasticamente a população de cães da pradaria, o alimento preferido do furão de patas negras.

O piolho de Furbish é um exemplo de uma espécie botânica ameaçada pela destruição do habitat. Esta planta herbácea ocorre apenas ao longo de um alcance de 230 km do rio St. John em Maine e New Brunswick.

Foi considerado extinto até que um botânico o “redescobriu” no Maine em 1976. Naquela época, um reservatório hidrelétrico proposto ameaçava todo o habitat do piolho de Furbish. No final, a polêmica barragem não foi construída, mas o piolho continua ameaçado por qualquer perda de seu habitat.

A coruja manchada do norte vive nas antigas florestas de coníferas do noroeste do Pacífico da América do Norte. Essas pequenas corujas exigem grandes áreas de floresta não cortada para se reproduzir e ficaram ameaçadas quando seu habitat foi bastante reduzido e fragmentado pela extração pesada de madeira.

A Lei de Espécies Ambientais prescreve e exige legalmente a preservação de grandes áreas de floresta extremamente valiosa para proteger a coruja manchada do norte.

Ao receber seu status de espécie ameaçada de extinção, a coruja se tornou um símbolo do conflito entre preservação ambiental e empreendimento comercial. Para os ambientalistas, a classificação em extinção da coruja malhada do norte trouxe a possibilidade de proteger as florestas de toda exploração; para os trabalhadores da indústria madeireira, a decisão representou a escolha do governo de preservar um pequeno pássaro em vez de seu sustento.

Pequenas lojas nas estradas secundárias do noroeste do Pacífico expressaram seu ressentimento pela ESA anunciando especialidades como “churrasco de coruja manchada” e atividades como “caça à coruja manchada”.

Como a coruja manchada do norte, o pica-pau de cocar vermelho ameaçado de extinção do sudeste dos Estados Unidos requer floresta de pinheiros antigos para sobreviver. O pica-pau escava cavidades de ninhos em árvores apodrecidas, e as árvores mais jovens das plantações não atendem às suas necessidades. Florestas adequadas foram muito reduzidas pela conversão para agricultura, extração de madeira e desenvolvimento residencial. Perturbações naturais, como furacões e incêndios florestais, ameaçam as populações remanescentes diminuídas e fragmentadas de pica-paus-de-bico-vermelho.

A ESA tentou proteger o pica-pau-de-bico-vermelho estabelecendo reservas ecológicas e zonas tampão não colhidas em redor de colónias de nidificação conhecidas fora das reservas.

Também como a coruja manchada, o pica-pau de cocar vermelho é difamado por agricultores, madeireiros e desenvolvedores por seu papel em sua restrição econômica.

Atualmente, o desmatamento tropical representa a maior ameaça às espécies ameaçadas de extinção, embora a destruição de habitats marinhos costeiros e rasos associados ao aquecimento global antropogênico possa apresentar desafios ainda maiores no futuro. Embora tenha havido pouca mudança líquida (-2%) na cobertura florestal total da América do Norte entre as décadas de 1960 e 1980, a área global de terras florestadas diminuiu 17% durante esse período.

A conversão de florestas tropicais ricas em espécies na América Central, América do Sul, África e ilhas do Pacífico em terras agrícolas não florestadas é responsável pela maior parte do declínio. (Ironicamente, os solos tropicais têm uma estrutura e conteúdo de nutrientes tão pobres que geralmente não podem sustentar uma agricultura lucrativa uma vez que a biomassa florestal tenha sido removida.)

Em meados da década de 1980, as florestas tropicais estavam sendo desmatadas a uma taxa de 15 a 20 milhões de acres (6 a 8 milhões de hectares) por ano, ou cerca de 6 a 8% da área total de floresta equatorial.

As causas do desmatamento tropical incluem a conversão para agricultura de subsistência e de mercado, extração de madeira e colheita de lenha. Todas essas atividades representam enormes ameaças à multiplicidade de espécies ameaçadas de extinção nativas de países tropicais.

Esforços recentes para diminuir a taxa de desmatamento incluíram ajuda financeira e científica internacional para ajudar as nações tropicais mais pobres a proteger ecossistemas importantes e adotar métodos novos e mais sustentáveis de uso lucrativo de recursos.

Ações para proteger espécies ameaçadas

Numerosos acordos internacionais tratam de questões relacionadas à conservação e proteção de espécies ameaçadas de extinção.

O esforço científico para catalogar com mais precisão as espécies e definir melhor o escopo da biodiversidade aumentou drasticamente o número de espécies ameaçadas e ameaçadas de extinção registradas nos últimos anos. Apesar dessas estatísticas chocantes de ameaça, há muitas evidências de que os esforços nacionais e internacionais para preservar espécies ameaçadas foram muito bem-sucedidos.

Algumas das convenções internacionais mais importantes são ratificadas pela maioria das nações do mundo e tiveram um poder significativo para fazer cumprir os acordos nas décadas desde sua introdução:

1) a Convenção de 1971 sobre Zonas Úmidas de Importância Internacional, que promove o uso racional das zonas úmidas e incentiva designação de zonas úmidas importantes como reservas ecológicas;
2)
 a Convenção de 1972 sobre a Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural, que designa Sítios do Patrimônio Mundial de alto perfil para proteção de seus valores naturais e culturais;
3)
 a Convenção de 1973 sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens (CITES);
4) 
a Convenção de 1979 sobre a Conservação de Espécies Migratórias de Animais Silvestres de 1979 que trata de espécies que cruzam regularmente as fronteiras nacionais ou que ocorrem em águas internacionais; e
5)
 a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) de 1992.

A CDB foi apresentada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento no Rio de Janeiro, Brasil, em 1992, e tem sido atualizada regularmente desde então; a mais recente conferência da CBD ocorreu em 2006 em Curitiba, Brasil. A CDB é um elemento central de outro programa internacional chamado Estratégia Global de Biodiversidade, um esforço conjunto da IUCN, PNUMA e do Instituto de Recursos Mundiais para estudar e conservar a biodiversidade.

Efeitos de extinção

Apesar da intensa discussão e preocupação mundial sobre a extinção de espécies, não haverá efeitos imediatos que a maioria das pessoas poderão ver ou sentir, exceto alguns casos como um colapso de pescaria de uma espécie popular ou o desaparecimento de um animal ou pássaro simbólico. Porém, ao longo prazo, pode ser prevista uma série de consequências contrárias ao interesse do homem.

Talvez a consequência mais fundamental seja uma mudança das condições físico-químicas da Terra. Seres vivos criaram as condições atuais, tais como o oxigênio no ar e a temperatura adequada, por meio de absorção de gás dióxido de carbono e de foto-síntese. A ciência mostra que houve mudanças de clima na história da Terra como altas temperaturas e eras de gelo.

Estas mudanças podem ser iniciadas por uma pequena variação de um parâmetro como aumento da concentração atmosférica de gases do efeito estufa, aumento de precipitação, perda de florestas e algas marinhas que absorvem o dióxido de carbono. Pesquisas recentes indicam que, além das variações climáticas bem conhecidas, houve cerca de 700 milhões de anos atrás vários ciclos de climas extremos na Terra, inclusive fase de congelamento total até das zonas equatoriais e fase de altas temperaturas.

Mudanças na biosfera podem causar um ciclo vicioso que inviabiliza a continuação da civilização global.

Muitas espécies são úteis como fontes de remédios, alimentos, combustíveis, materiais para construção, e matéria prima para a fabricação de móveis e outras utilidades.

Globalmente entre 10.000 e 20.000 espécies de planta são usadas na medicina. Plantas utilizam a energia solar para produzir materiais sólidos e são a base de toda a cadeia de alimento.

As plantas de grãos cultivadas atualmente foram criadas a partir de espécies selvagens. Hoje a maioria do cultivo de grãos é de mono-cultura de grande escala susceptível a doenças ou surto de pragas.

Os materiais genéticos nas espécies selvagens são reservas de segurança no futuro contra estas possibilidades. Em alguns países em desenvolvimento e em certas regiões no norte, animais selvagens são fontes de alimento, roupa e renda. Cerca de 100 milhões de toneladas de peixes e outros frutos do mar são colhidos anualmente, suprindo uma parte considerável de alimentos no mundo.

A biodiversidade é uma fonte de prazer e satisfaz necessidades da mente humana. Como Rachel Carson descreveu, primavera sem o canto de pássaros será triste e desoladora.

Fotografias de manadas de animais na savana da África ou na região norte do Canadá dão uma sensação de milagre de vida.

Muitas pessoas acham companhias em animais e diversos povos no mundo inteiro adotaram animais como suporte espiritual nas suas religiões.

Flores e outras plantas ornamentais são necessidades diárias e fontes de conforto espiritual. A extinção de espécies diminui o valor intrínseco da natureza.

Fonte: web.rcts.pt/www.encyclopedia.com/eolfv.vilabol.uol.com.br/port.pravda.ru

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Efeito La Niña

PUBLICIDADE Efeito La Niña – O que é Tradicionalmente, La Niña tem recebido menos atenção do que …

Poluição Industrial

PUBLICIDADE Muitos processos de fabricação industrial usam ou produzem produtos químicos que podem prejudicar a …

Biotecnologia Ambiental

Biotecnologia Ambiental

PUBLICIDADE Definição A biotecnologia ambiental, em particular, é a aplicação de processos para a proteção e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.