Breaking News
Home / Meio Ambiente / Plásticos

Plásticos

PUBLICIDADE

Plásticos – Definição

A expressão resina sintética aparece geralmente associada a plásticos.

Faz supor que a resina sintética, elaborada pelos químicos nos laboratórios, é a reprodução servil de uma resina natural. No entanto, as resinas sintéticas que dão origem à maioria dos plásticos, geralmente não são produtos artificiais que copiam com exatidão a estrutura química das resinas encontradas na natureza.

A expressão resina sintética aparece geralmente associada a plásticos.

Faz supor que a resina sintética, elaborada pelos químicos nos laboratórios, é a reprodução servil de uma resina natural. No entanto, as resinas sintéticas que dão origem à maioria dos plásticos, geralmente não são produtos artificiais que copiam com exatidão a estrutura química das resinas encontradas na natureza.

Ao contrário, são resinas que não existem na natureza, mas, sim, foram criadas pelo homem após observações e experiências das mais diversas.

Assim, há plásticos que tem como matéria-prima uma resina sintética proveniente, por sua vez, de outras substâncias que, combinadas, lhe deram origem.

A palavra plástico tem origem no grego plastikos, que significa moldáveis, uma característica essencial destes materiais.

Os plásticos são materiais constituídos por longas cadeias de moléculas chamadas polímeros.

Plástico é a denominação de uma numerosa e prolífica família de materiais sintéticos formados por grandes moléculas. São materiais amolecíveis por calor ou solventes e, neste estado, facilmente moldáveis. Aliás, o vocábulo plástico indica a relativa facilidade de levar-se tais materiais ao estado plástico. Podem receber aditivos, como estabilizadores, que lhes conferem resistência a ácidos, calor e raios solares, e também pigmentos, que lhes dão as cores e tonalidades desejadas.

Plásticos – História

plástico (do grego plassein, que significa moldar ou moldar uma substância macia) foi originalmente inventado como substituto dos recursos naturais; no final do século XX, no entanto, tornou-se um material por si só, não mais simulando substâncias orgânicas, mas sendo usado para criar produtos inteiramente novos, desde utensílios de mesa a carrocerias de carros e corações artificiais. Mais do que qualquer outro material, o plástico mudou a vida na América do século XX, mesmo quando passou a simbolizar uma cultura particularmente artificial e superficial preocupada mais com as aparências do que com a substância, mais com a imitação do que com a realidade. No vernáculo popular, “plástico” assumiu uma conotação pejorativa desde o início, para significar falso ou falso ou falso.

As primeiras estrelas de Hollywood eram chamadas de “mulheres de celulóide”; em 1962, Ken Kesey usou a frase: “seu sorriso de plástico fixo” em seus escritos.

Em uma declaração irônica sobre a condição da cultura, um personagem do filme The Graduate (O graduado) confidenciou estas palavras de encorajamento ao personagem de Dustin Hoffman: “Eu só quero dizer uma palavra para você, Ben. Apenas uma palavra. Plásticos.”

O primeiro material semelhante ao plástico, o celulóide (um derivado da celulose), foi inventado em 1869 por John Wesley Hyatt, um homem em busca de um substituto para o marfim usado nas bolas de bilhar.

Embora o celulóide nunca tenha sido usado com sucesso para esse propósito recreativo, tornou-se um substituto viável para coral, mármore, osso e marfim e foi usado para fazer coisas como teclas de piano, colares, punhos, novidades, pentes e escovas. O celulóide democratizou uma série de bens de consumo ao fabricar bens outrora caros a partir de um substituto mais barato, mas igualmente funcional, para esses materiais raros.

Além disso, refletia o crescente desejo e disposição das pessoas de aproveitar os produtos da natureza e controlá-los para seus próprios interesses, expressos com mais frequência na florescente ética industrial.

O celulóide encontrou muitas aplicações além das domésticas: na década de 1920, era usado como película transparente em automóveis para vidros traseiros e pára-brisas. O acetato de celulose, uma versão não inflamável do celulóide, pode ser moldado por meio de moldagem por injeção em uma variedade de objetos, desde a adição de chaves de máquina e cabos de facas a bobinas e armações de óculos.

O uso do celulóide que mais afetou a cultura americana – e em grande escala – foi sua aplicação nas indústrias de fotografia e cinema.

George Eastman revolucionou a fotografia ao aperfeiçoar um filme de celulóide flexível revestido de gelatina em 1889, que permitia aos fotógrafos tirar fotos sem o estorvo de um grande aparato e uma sala escura.

Tão popular era essa nova técnica fotográfica portátil que, na virada do século, cerca de 40.000 toneladas do filme eram vendidas a cada ano.

Thomas Edison encomendou filme de Eastman para usar em seu cinetoscópio e abriu os primeiros shows de “peep” nas cidades americanas em 1894. Adaptados de técnicas de projeção inventadas na França, os filmes de Edison democratizaram a produção de imagens. As imagens em movimento de celulóide tiraram o poder da reprodução cultural da academia e tiraram seus produtos dos museus, expondo-os a massas de pessoas. Como o historiador Stephen Fenichell apontou, “o filme de celulóide conseguiu elevar o perfil cultural do primeiro plástico de um meio de mera mímica para um repositório inestimável da memória humana”.

Derivado da celulose, o celulóide teve suas raízes na natureza. A baquelite, em contraste, foi o primeiro plástico quimicamente sintético; foi inventado em 1907 por Leo H. Baekland, mais tarde apelidado de “o pai dos plásticos”. Conhecida como “o material de mil usos”, a baquelite foi comercializada não como um substituto de materiais naturais, mas como um material inovador por si só.

Uma grande vantagem da baquelite sobre a borracha dura e outros materiais era sua capacidade de se adequar aos detalhes exatos de um molde.

Ele encontrou aplicações prontas na indústria de energia como isolantes elétricos, mas sua formação em hastes de tubos, bolas de bilhar, botões, cabos de facas, rádios, telefones, piteiras, joias, canetas e até hélices de avião indicavam o grau em que os americanos estavam dispostos aceitar materiais totalmente novos em seus próprios termos, e não como substitutos da natureza. De fato, a baquelite foi o material da Art Déco dos anos 1920. O designer industrial Henry Dreyfuss usou o plástico em seu redesenho do telefone Bell, criando sua forma por excelência combinando o ouvido e o bocal em um único aparelho, dando a todo o objeto uma silhueta aerodinâmica. Raymond Loewy melhorou o design de uma máquina mimeográfica em 1929, adicionando uma concha de baquelite que escondia seu funcionamento interno, criando um objeto artístico e utilitário para o escritório. Walter Dorwin Teague usou baquelite marrom em 1934 para o corpo da câmera “Baby Brownie” que ele projetou para a Kodak; era tão popular que quatro milhões deles foram vendidos no primeiro ano — nas profundezas da Depressão.

O sucesso da baquelite e a subsequente popularidade de outros tipos de plástico – muitos dos quais eram muito mais coloridos e versáteis do que o celulóide e a baquelite – moveram os Estados Unidos da Era da Máquina para a Era do Plástico.

A palavra “plástico” tornou-se uma palavra familiar entre as guerras mundiais e passou a ser um símbolo de modernidade popularmente entendido.

Como acontece com todas as coisas novas, no entanto, a crescente intrusão de itens de plástico na vida das pessoas foi recebida com ambivalência generalizada. Ao mesmo tempo, permitiu que as pessoas escapassem das forças e recursos frequentemente limitados da natureza e ameaçou uma disjunção abrupta com materiais e processos de fabricação passados. Durante as décadas de 1920 e 1930, o mundo do plástico era esperançoso e estável, brilhante e não ameaçado pela ferrugem e pela deterioração. No final dos anos 1930 e 1940, os utópicos conservadores viam o plástico como uma substância que prometia estabilidade social, substituindo a escassez pela abundância e permitindo que muito mais pessoas possuíssem bens de consumo.

Nas décadas de 1960 e 1970, os ambientalistas estavam preocupados com o excesso de materiais plásticos, especialmente recipientes de comida descartáveis, fraldas descartáveis e sacolas plásticas que estavam entupindo aterros sanitários e sujando a paisagem.

O utopismo social, em parte, levou à popularidade de produtos plásticos como o celofane, uma invenção francesa da qual a DuPont comprou os direitos na década de 1920.

Os primeiros produtos americanos embrulhados em celofane, os chocolates Whitman’s, logo foram seguidos pelos maços de cigarros, que prometiam ser frescos se embrulhados em folhas desse plástico nítido e transparente. Durante o resto da década, tudo parecia estar embrulhado em celofane — de lençóis e toalhas a pneus e pianos.

Ofereceu uma nova sensibilidade baseada em ideias de limpeza e esterilidade: as pessoas queriam ver os produtos que estavam comprando, mas também queriam ter certeza de sua pureza e frescor.

Lucite e Plexiglas, formas mais substanciais de plástico transparente que também exploravam esse ethos popular, entraram no mercado em 1937. O celofane também tornou as coisas glamourosas, conferindo imediatamente uma espécie de brilho e apelo sexual aos objetos mais mundanos.

A canção de 1934 de Cole Porter, “You’re the Top”, exclamou: “Você é a luz roxa de uma noite de verão na Espanha/Você é a Galeria Nacional/Você é o salário de Garbo/Você é celofane!”

O filme plástico fino também tinha usos práticos, além de realçar os aspectos fetichizados dos bens de consumo.

Em 1930, Richard Drew, engenheiro da 3M (então Minnesota Mining and Manufacturing Company), desenvolveu uma maneira de revestir celofane com adesivo sensível à pressão, criando a fita “Scotch”, uma conveniência moderna duradoura.

O celofane também foi usado como lente para máscaras de gás na Segunda Guerra Mundial e serviu como uma membrana semipermeável ideal para máquinas de diálise. Em uma pesquisa de 1940, as palavras mais bonitas em inglês foram identificadas como “mãe”, “memória” e “celofane”.

Rayon, ou viscose, também um derivado da celulose, era um tecido feito de fibras de celulose, o que lhe dava um brilho atraente e um brilho semelhante à seda. Elsa Schiaparelli, designer de vanguarda, incorporou esse material prosaico em suas modas, democratizando imediatamente o luxo com seus trajes drapeados e justos. As vendas de roupas íntimas de rayon aumentaram cinco vezes entre 1925 e 1928 e, em meados da década de 1930, cerca de 85% de todos os vestidos americanos tinham conteúdo de rayon, movendo os sintéticos para o reino anteriormente monopolizado por materiais orgânicos como algodão, lã, seda e seda. linho. As pessoas agora estavam dispostas a colocar plásticos intimamente perto de seus corpos (“envolver-se em plástico”, como um ácido Ralph Nader zombou na década de 1970).

O cloreto de polivinila (também conhecido como PVC e mais comumente chamado de vinil), foi desenvolvido em um material viável em 1926 por Waldo Semon.

Ele descobriu que era resistente à água e à prova de fogo e que poderia ser moldado e extrudado em várias formas. Semon colocou sua nova invenção para fazer coisas como cortinas de chuveiro, capas de chuva, estofados de navios e fios elétricos codificados por cores. Um sintético relacionado, o polietileno, foi usado para revestir o cabo coaxial, uma inovação que permitiu telecomunicações de alta velocidade e revolucionou os métodos pelos quais as pessoas se comunicavam.

O nylon, que era usado principalmente para cerdas de escovas de dentes antes da Segunda Guerra Mundial, foi uma das melhores histórias de sucesso do plástico.

A seda era cara e não durável o suficiente para as necessidades de guerra. Além disso, a maioria das importações de seda vinha do Japão, um fornecedor não confiável no final da década de 1930.

Inventado pelo químico Wallace Carothers da DuPont, o nylon foi a primeira fibra verdadeiramente artificial que podia ser tecida. Embora as meias de nylon (geralmente chamadas de “nylons”) fossem mais caras do que suas precursoras de seda, as mulheres as compravam em massa na esperança de que fossem mais duráveis (eram, mas apenas ligeiramente); as mulheres também adoravam a transparência do nylon, uma mudança bem-vinda em relação à opacidade das meias de seda.

Como as bainhas de celofane que realçavam e glamourizavam os produtos que embrulhavam, os nylons funcionavam de forma semelhante para as mulheres que os usavam: eram vistos como travessos, mas sexy. O dia 15 de maio de 1940, conhecido como “dia N”, marcou o início das vendas nacionais de meias de nylon.

Eles se mostraram tão populares que todos os cinco milhões de pares foram vendidos até o final do dia.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os plásticos voltaram aos seus propósitos originais como substitutos de materiais naturais escassos, e o nylon não foi exceção. Foi feito em cordas para planadores, pára-quedas e cordas para pneus de borracha sintética, entre outras coisas. Como resultado, as mulheres tiveram que desistir de seus amados nylons e muitas vezes ostentavam o visual de “pernas nuas” para significar seu patriotismo, muitas vezes pintando uma linha na parte de trás das pernas para simular a costura da meia ausente, o nylon era uma presença muito cultural.

Outros plásticos que participaram do esforço de guerra incluíam o Naugahyde, uma forma de vinil, usada para estofar veículos e móveis militares; pára-brisas borbulhantes de Plexiglas que substituíram o vidro nas cabines, permitindo que os pilotos observassem seus arredores sem interferência visual; resina fenólica, um parente da baquelite, que substituiu o aço como um forro de capacete viável; e Teflon, cuja durabilidade e escorregadia o tornaram ideal para revestir as válvulas e gaxetas usadas no processamento e teste de urânio no Projeto Manhattan.

O sucesso do plástico durante a guerra convenceu o público americano de seu valor e valor – as pessoas podiam confiar nele porque ajudou a causa aliada a vencer a guerra.

Como Fenichell afirmou: “Se antes da guerra a imagem do plástico tinha sido definida pela frivolidade, trumpery e, acima de tudo, uma pretensão desprezível ao luxo, quando o Teflon foi alistado no esforço da bomba atômica, os materiais plásticos haviam amadurecido sob o fogo”.

No final da década de 1940, o plástico, por mais artificial que fosse, estava firmemente enraizado na vida material de todos os americanos, especialmente na esfera doméstica. Tupperware, feito de polietileno, foi uma marca de utilidades domésticas desenvolvida por Earl S. Tupper em 1942. Mesmo antes do fim da guerra, a Tupperware e seu método de comercialização e distribuição de vendas domésticas, que combinava empreendedorismo com tarefas domésticas, teve grande sucesso entre as donas de casa suburbanas. A Tupperware explorava a própria plasticidade dos plásticos – copos, tigelas, talheres e recipientes resseláveis – eram duráveis, mas macios, estranhamente orgânicos e vinham em muitas formas e cores, como em tons pastéis rosa, azul, laranja, amarelo e verde. Dacron, outra forma de poliéster, foi inventado em 1948 pelo químico da DuPont Hale Charch e tecido em tecido para fazer roupas. Mesmo derretendo, amontoando-se facilmente e causando aderência estática, esses tecidos prometiam roupas secas por gotejamento que eram laváveis na máquina em vez de exigir limpeza a seco.

Partículas de metal magnético embutidas em filme de poliéster tornaram as fitas de áudio uma opção viável para os consumidores em 1949.

O vinil experimentou popularidade semelhante no pós-guerra. O naugahyde, um substituto mais barato e mais resistente do couro, agora era usado para estofar poltronas reclináveis como La-Z-Boys e Barcaloungers e passou a simbolizar uma masculinidade durável em forma material. Em 1946, a RCA comercializou os primeiros discos fonográficos de vinil, que tiveram um desempenho melhor do que as versões anteriores feitas de goma-laca quebradiça. Estes foram melhorados ainda mais em 1949, à medida que mais grooves foram pressionados no vinil, produzindo assim o primeiro álbum de gravação “long-play”. O envoltório Saran, um filme de vinil, podia grudar em si mesmo e, portanto, era usado para fornecer proteção hermética; encontrou uso como uma espécie de Tupperware descartável, cobrindo alimentos sob refrigeração ou sendo transportados.

Outros plásticos que existiam há décadas não experimentaram seu apogeu até serem usados especialmente no pós-guerra doméstico.

O durável mas liso Teflon, por exemplo, que foi inventado em 1938 por Roy Plunkett, tinha qualidades únicas que dificultavam sua aplicação à vida normal: não queimava, congelava nem conduzia eletricidade.

Como material original da era espacial, o Teflon foi usado na exploração espacial e como lubrificante industrial. Mas não foi até que o Teflon foi aplicado a panelas para torná-lo antiaderente que ganhou uma posição na cultura popular.

Formica compartilhou uma história semelhante. Inventado em 1913 pelos engenheiros da Westinghouse Daniel J. O’Connor e Harold A. Faber, este primo da baquelite foi usado em ambientes institucionais como uma superfície de mesa facilmente limpável, durável e resistente ao calor, mais adequada para hotéis, lanchonetes e fontes de refrigerante.

Como as folhas de fórmica podiam ser fabricadas com qualquer número de desenhos, frequentemente eram usadas para simular superfícies naturais como grãos de madeira ou mármore. Depois da guerra, apareceu na mesa de jantar, ou melhor, na mesa de jantar como uma superfície de mobiliário popular.

Embora utilitária, ela também “fornecia uma tela em branco para a projeção inconsciente de uma ansiedade dos anos cinqüenta: a bomba atômica… Fenichell.

A exuberância expressa na América do pós-guerra ao se deleitar com sua abundância material foi vista mais claramente em objetos de plástico. As crianças foram cercadas por brinquedos de plástico, de Legos educativos a peculiares Silly Putty e Hula-Hoops e Frisbees. As versões adultas dessas novidades incluíam ornamentos de gramado de flamingo rosa ou élfico. O velcro (“gancho de veludo”), aperfeiçoado em 1957, foi inspirado no poder de aderência do carrapicho na natureza. Pedaços de velcro presos juntos podiam ser facilmente separados uns dos outros, mas exigiam uma força de cisalhamento considerável para puxar as peças para os lados. O Houston Astrodome, completo com céu Lucite e grama Astroturf, era um ambiente quase totalmente plastificado.

A criação da Disneylândia e de outros lugares de fantasia semelhantes durante esse período simbolizava a disposição dos Estados Unidos de se contentar com o artificial em vez do real e de preferir o mundo feito pelo homem da falsidade plastificada ao da natureza.

Esse conforto com o irreal surgiria, nas décadas de 1980 e 1990, em uma cultura pós-moderna de simulacros que aceitava não apenas réplicas artificiais da natureza, mas também réplicas das réplicas.

A estética pop dos anos 1960, influenciada pela modernidade, pelo voo espacial e pelas inter-relações do homem e da máquina, abraçou as cores, texturas e formas do plástico, destacando a materialidade do plástico.

Móveis infláveis, botas go-go de vinil e capacetes de plástico bolha gozaram de grande popularidade. Paco Rabanne conectou peças de plástico rígido umas às outras com anéis de metal, criando vestidos, coletes e peças de joalheria semelhantes a cotas de malha. Betsey Johnson projetou uma linha inteira de roupas transparentes feitas de celofane. O artista conceitual Christo tornou sua marca registrada envolver edifícios e paisagens em tecidos plásticos, como parte da costa australiana, para celebrar a beleza dos materiais sintéticos justapostos à paisagem natural.

Na década de 1970, qualquer romance apegado entre pessoas e plástico havia desaparecido. Nesta década, as ligações entre plásticos e câncer estavam se tornando mais claras, até mesmo para a indústria de plásticos, que descobriu que seus gases tóxicos ameaçavam a saúde dos trabalhadores industriais. O descarte por atacado de produtos plásticos convenientes – de lentes de contato a copos e fraldas – foi visto como um risco ambiental agudo. Muitas formas de plástico não seriam biodegradáveis, tornando-as poluidoras das praias e uma ameaça à vida marinha. No final da década de 1980, uma campanha anti-isopor lançada em um refeitório de Milford, Nova Jersey, acabou pressionando o McDonald’s a encontrar uma alternativa mais ecologicamente correta para seus recipientes de isopor para sanduíches e xícaras de café.

Os consumidores também debateram os méritos relativos das sacolas plásticas e de papel nos supermercados com pouco consenso; no final do século XX, ambos ainda eram oferecidos na maioria das lojas dos EUA, embora o movimento “verde” pareça ter tido mais impacto sobre esses assuntos na Europa. Na mesma época, os médicos diagnosticaram uma nova doença chamada de “doença ambiental”, “doença do século XX” ou “síndrome do edifício doente”, que fez algumas pessoas desenvolverem uma hipersensibilidade ao ambiente tóxico ao seu redor. Paralelamente, o primeiro coração artificial feito de plástico, o Jarvik-7, foi implantado com sucesso em Barney Clark, ressaltando o fato de que o plástico não existia mais apenas no mundo externo das pessoas, mas que também poderia se tornar, literalmente, parte delas.

O plástico entrou na vida material dos americanos a tal ponto que se livrar de sua dependência do material simulado agora seria impossível sem um sério impacto no padrão de vida dos EUA. O material tornou-se tão “naturalizado” que muitas vezes parece mais real, tangível e honesto do que a própria natureza. Ela permeia todos os aspectos da vida cotidiana, mesmo na medida em que muitas transações de consumo são realizadas por meio de cartões de crédito que são genericamente chamados de “plástico”. Como um termo descritivo aplicado a pessoas, “plástico” passou a refletir as tendências mais amplas da cultura americana que obscureceram a distinção entre seres animados e bens inanimados que os cercam. Ronald Reagan gozou de notoriedade como o “presidente de Teflon” porque nada de terrível que aconteceu durante seu tempo no cargo manteve sua reputação. Em tentativas de auto-embelezamento, um grande número de mulheres e homens recorreu à cirurgia plástica para alterar narizes e sobrancelhas e dispensar rugas e gordura – talvez emulando suas contrapartes plásticas idealizadas, Barbie e Ken, cujas figuras elegantes continuam sendo por vezes inalcançáveis. meta para milhões de americanos com sobrepeso e envelhecimento. Em pouco mais de um século, o ethos do plástico abraçou não apenas o material versátil, mas também o estilo de vida e a mentalidade que o acompanhavam, transformando a América em um ambiente simulado e pré-fabricado, cheio de pessoas famintas por superfícies brilhantes desprovidas de deterioração, incluindo até as suas próprias.

Plásticos – Origem

Plásticos

A origem da palavra plástico vem do grego plastikós, que significa adequado à moldagem.

Plásticos são materiais formados pela união de grandes cadeias moleculares chamadas polímeros que, por sua vez, são formadas por moléculas menores denominadas monômeros.

Os plásticos são produzidos através de um processo químico conhecido como polimerização, a união química de monômeros que forma polímeros.

Os polímeros podem ser naturais ou sintéticos.

São polímeros naturais, entre outros, algodão, madeira, cabelos, chifre de boi, látex. Estes polímeros são comuns em plantas e animais.

São polímeros sintéticos os plásticos, obtidos através de reações químicas.

O tamanho e estrutura da molécula do polímero determinam as propriedades do material plástico.

Os polímeros dividem-se em:

Termoplásticos: São plásticos que não sofrem alterações na sua estrutura química durante o aquecimento e que podem ser novamente fundidos após o resfriamento.
Exemplos:
 prolipropileno (PP), polietileno de alta densidade (PEAD), polietileno de baixa densidade (PEBD), polietileno tereftalato (PET), poliestireno (PS), policloreto de vinila (PVC) etc.
Termofixos: 
São aqueles que não fundem com o reaquecimento.
Exemplos:
 resinas fenólicas, epóxi, poliuretanos etc.

PlásticosPlásticos

Plásticos – Cotidiano

Não se pode negar a importância dos plásticos em nosso cotidiano.

O plástico é responsável por grandes avanços, e traz uma serie de benefícios indiscutíveis na sociedade moderna.

Uma industria que gera milhões de empregos e divisas para o nosso país, e que esta presente em quase todos os setores da economia.

Mas não se pode negar os problemas ambientais que as embalagens plásticas tem trazido ao mundo moderno, e nem negar a discussão ambiental em torno do tema.

A maioria dos plásticos é reciclável e a sua reciclagem representa alem de uma atividade ecologicamente correta um incremento na economia.

Aqui você encontrara muitas informações sobre este mercado, que tem crescido em muitos setores.

O mercado de reciclagem vem crescendo em alguns setores mais até do que o próprio consumo de resinas plásticas.

Plásticos – Importância para a Vida

Os plásticos têm centenas de aplicações. Impermeáveis, maleáveis, duráveis e com uma excelente relação custo/benefício, contribuem para o desenvolvimento social, econômico e científico.

E protegem o meio ambiente.

Proteções de plástico auxiliam na produção, estocagem e distribuição de milhares de toneladas de alimentos. Evitam desperdícios e perdas por transporte ou por alterações do clima.

Embalagens de plástico garantem que hortifrútis, carnes, laticínios e bebidas cheguem à mesa em perfeitas condições para seu consumo.

Bolsas de sangue e de soro, catéteres, máquinas de circulação extracorpórea e embalagens para resíduos hospitalares são alguns exemplos de materiais plásticos que ajudam na cura e na prevenção de doenças. São os plásticos salvando vidas.

Impedir a contaminação dos solos, evitar erosões, canalizar esgotos, preservar a água e gerar energia são importantes contribuições dos plásticos à preservação do meio ambiente.

Com plástico reciclado fabrica-se uma infinidade de produtos como vestuário, componentes automotivos, conduítes, carpetes, bolsas, artigos de comunicação visual, solados, páletes e móveis, entre vários outros.

A cadeia produtiva dos plásticos contribui decisivamente para o Desenvolvimento Sustentável, ajudando na conservação dos recursos naturais, melhorando a qualidade de vida das pessoas e contribuindo para o crescimento econômico.

Custos competitivos, facilidade de instalação e baixa manutenção tornam os plásticos perfeitamente adequados para o atendimento das necessidades básicas: habitação, saneamento, suprimento de água e saúde.

Plásticos – Matéria Prima

A matéria-prima dos plásticos é o petróleo, formado por uma complexa mistura de compostos. Pelo fato de estes compostos possuírem diferentes temperaturas de ebulição, é possível separá-los através de um processo conhecido como destilação ou craqueamento.

A fração nafta resultante do craqueamento é fornecida para as centrais petroquímicas, onde passa por uma série de processos, dando origem aos principais monômeros como, por exemplo, o eteno.

É importante observar que apenas uma pequena parcela da produção mundial de petróleo é usada para a obtenção dos plásticos, em processos totalmente controlados que não afetam o meio ambiente e muito menos contribuem para o aquecimento global.

Como é utilizado o petróleo – Mais de um terço de todo o petróleo extraído é usado em aquecimento de ambientes (particularmente no hemisfério norte), e quase outro tanto é usado na produção de combustíveis.

Um quinto do total vai para a geração de energia elétrica. E somente 4% bastam para a produção dos plásticos.

Plásticos no Brasil

Pesquisados desde 1930, os chamados plásticos biodegradáveis têm por característica serem destruídos por microrganismos do próprio meio, transformando-se em gás carbônico e água. No Brasil, um desses plásticos, o PHB, foi desenvolvido a partir da sacarose da cana de açúcar. Sua produção, ainda pequena, é voltada para o mercado externo de embalagens, vasos e materiais descartáveis.

Sua utilização, entretanto, na maioria das aplicações ainda não se tem mostrado viável do ponto de vista econômico. E por ser biodegradável, não consegue substituir os plásticos derivados de petróleo – mais duráveis e seguros -, em embalagens de remédios, alimentos, bebidas carbonatadas, cosméticos, defensivos agrícolas, e em uma grande série de outros produtos.

Mais recentemente, começaram a ser fabricadas no Brasil sacolas de plástico convencional que recebem um aditivo para acelerar o tempo de degradação em condições ambientais favoráveis.

Pela mesma razão acima, também esse tipo de plástico não consegue substituir os plásticos convencionais na maioria de suas aplicações.

E os efeitos de sua degradação no meio ambiente ainda estão sendo pesquisados.

Plásticos – Tipos

Identificação, principais aplicações e benefícios Utilizados em quase todos os setores da economia, tais como: construção civil, agrícola, de calçados, móveis, alimentos, têxtil, lazer, telecomunicações, eletroeletrônicos, automobilísticos, médico-hospitalar e distribuição de energia.

Nestes setores, os plásticos estão presentes nos mais diferentes produtos, a exemplo dos geossintéticos, que assumem cada vez maior importância na drenagem, controle de erosão e reforço do solo de aterros sanitários, tanques industriais, entre outras utilidades.

O setor de embalagens para alimentos e bebidas vem se destacando pela utilização crescente dos plásticos, em função de suas excelentes características, entre elas: transparência, resistência, leveza e atoxidade.

Os plásticos são reunidos em sete grupos ou categorias:

1. PET
2.
 PEAD
3.
 PVC
4.
 PEBD/PELBD
5.
 PP
6.
 PS
7. 
Outros (ABS/SAN, EVA, PA, PC).

O símbolo da reciclagem com um número ou uma sigla no centro, muitas vezes encontrado no fundo dos produtos, identifica o plástico utilizado.

PET – Polietileno tereftalato

PlásticosSímbolo de identificação do PET

Produtos: embalagens para detergentes e óleos automotivos, sacolas de supermercados, garrafeiras, tampas, tambores para tintas, potes, utilidades domésticas, etc.

Benefícios: inquebrável, resistente a baixas temperaturas, leve, impermeável, rígido e com resistência química.

PEAD – Polietileno de alta densidade

Produtos: embalagens para detergentes e óleos automotivos, sacolas de supermercados, garrafeiras, tampas, tambores para tintas, potes, utilidades domésticas, etc.

Benefícios: inquebrável, resistente a baixas temperaturas, leve, impermeável, rígido e com resistência química.

PVC – Policloreto de vinila

Produtos: embalagens para água mineral, óleos comestíveis, maioneses, sucos. Perfis para janelas, tubulações de água e esgotos, mangueiras, embalagens para remédios, brinquedos, bolsas de sangue, material hospitalar, etc.

Benefícios: rígido, transparente, impermeável, resistente à temperatura e inquebrável.

PEBD/PELBD – Polietileno de baixa densidade/polietileno linear de baixa densidade

Produtos: sacolas para supermercados e boutiques, filmes para embalar leite e outros alimentos, sacaria industrial, filmes para fraldas descartáveis, bolsa para soro medicinal, sacos de lixo, etc.

Benefícios: flexível, leve transparente e impermeável.

PP – Polipropileno

Produtos: filmes para embalagens e alimentos, embalagens industriais, cordas, tubos para água quente, fios e cabos, frascos, caixas de bebidas, autopeças, fibras para tapetes utilidades domésticas, potes, fraldas e seringas descartáveis, etc.

Benefícios: conserva o aroma, inquebrável, transparente, brilhante, rígido e resistente a mudanças de temperatura.

PS – Poliestireno

Produtos: potes para iogurtes, sorvetes, doces, frascos, bandejas de supermercados, geladeiras (parte interna da porta), pratos, tampas, aparelhos de barbear descartáveis, brinquedos, etc.

Benefícios: impermeável, inquebrável, rígido, transparente, leve e brilhante.

Outros

Neste grupo encontram-se, entre outros, os seguintes plásticos: ABS/SAN, EVA, PA e PC.

Produtos: solados, autopeças, chinelos, pneus, acessórios esportivos e náuticos, plásticos especiais e de engenharia, CDs, eletrodomésticos, corpos de computadores, etc.

Benefícios: flexibilidade, leveza, resistência à abrasão, possibilidade de design diferenciado.

Plásticos – Classificação

Os plásticos são representados por um triângulo eqüilátero, composto por três setas e o numero de identificação ao centro. Em tese todos os materiais plásticos deveriam conter tal simbologia gravada em algum lugar da peça ou embalagem a fim de facilitar o processo de reciclagem, porem não é raro encontrarmos algum produto ou embalagem que não possui tal simbologia. A maioria dos profissionais quando não a detecta utiliza um método prático, que produz resultados satisfatórios na maioria dos casos…

Plásticos
PET
Polietileno Tereftalato

Transparente e inquebrável o PET é uma material extremamente leve.

Usado principalmente na fabricação de embalagens de bebidas carbonatadas (refrigerantes), além da Indústria alimentícia esta presente também nos setores hospitalar, cosméticos, têxteis, etc.

Plásticos
PEAD
Polietileno de alta densidade

Material leve, inquebrável, rígido e com excelente resistência química.

Muito usado em embalagens de produtos para uso domiciliar tais como: Detergentes, amaciantes, sacos e sacolas de supermercado, potes, utilidades domesticas, etc.

Seu uso em outros setores também é muito grande tais como: Embalagens de óleo, bombonas para produtos químicos, tambores de tinta, peças técnicas, etc.

Plásticos
PVC
Policloreto de Vinila

Material transparente, leve, resistente a temperatura, inquebrável. Normalmente usado em embalagens para água mineral, óleos comestíveis, etc. Além da indústria alimentícia é muito encontrado nos setores farmacêuticos em bolsas de soro, sangue, material hospitalar, etc. Uma forte presença também no setor de construção civil, principalmente em tubos e esquadrias.

Plásticos
PEBD
Polietileno de baixa densidade

Material flexível, leve, transparente e impermeável.

Pelas suas qualidades é muito usado em embalagens flexíveis tais como: Sacolas e saquinhos para supermercados, leites e iogurtes, sacaria industrial, sacos de lixo, mudas de plantas, plasticultura, embalagens têxteis, etc.

Plásticos
PP
Polipropileno

Material rígido, brilhante com capacidade de conservar o aroma e resistente às mudanças de temperatura. Normalmente é encontrado em pecas técnicas, caixarias em geral, utilidades domesticas, fios e cabos , etc. Potes e embalagens mais resistentes

Plásticos
PS
Poliestireno

Material impermeável, leve, transparente, rígido e brilhante. Usado e potes para iogurtes, sorvetes, doces, pratos, tampas, aparelhos de barbear descartáveis, revestimento interno de geladeiras, etc

Plásticos
OUTROS
Outros tipos de Plásticos

Neste grupo estão classificados os outros tipos de plásticos.

Entre eles: ABS/SAN, EVA, PA, etc.

Normalmente são encontrados em peças técnicas e de engenharia, soldados de calçados, material esportivo, corpos de computadores e telefones, CD’S, etc.

Fonte: www.plastivida.org.br/www.simplago.org.br/www.reciclaveis.com.br/www.encyclopedia.com(Wendy Woloson)/www.intraplas.pt

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Efeito La Niña

PUBLICIDADE Efeito La Niña – O que é Tradicionalmente, La Niña tem recebido menos atenção do que …

Poluição Industrial

PUBLICIDADE Muitos processos de fabricação industrial usam ou produzem produtos químicos que podem prejudicar a …

Biotecnologia Ambiental

Biotecnologia Ambiental

PUBLICIDADE Definição A biotecnologia ambiental, em particular, é a aplicação de processos para a proteção e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.