Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Como Identificar Plásticos  Voltar

Como Identificar Plásticos

 

Identificação de Plásticos

Introdução

O aprimoramento técnico presenciado hoje é fruto do incansável trabalho de cientistas e profissionais ligados ao mundo dos materiais plásticos.

As pesquisas, tanto nas universidades quanto nas indústrias, têm se mostrado muito eficazes na obtenção de novos materiais, principalmente as blendas poliméricas, na melhoria da qualidade e na redução de custos.

Os equipamentos utilizados em tais processos podem ser todos concentrados numa simples ferramenta: os testes.

Mas, neste ponto surge uma dúvida: O que é um teste?

Análise dos Elementos Contidos no Polímero

Nesta etapa pode-se determinar a presença dos elementos: Nitrogênio, Enxofre, Cloro, Bromo, Iodo, Flúor, Oxigênio e outros através de análise química.

Identificação Final

Após as 4 etapas descritas acima, torna-se fácil a identificação final do polímero. Cabe ressaltar que não será necessário realizar todas as etapas. Pode ser que com apenas uma ou duas etapas já se consiga a sua identificação.

No caso específico do PEAD, PEBD, PEBDL, PEMD, PP, o teste de aquecimento apresenta o mesmo resultado. Será necessário então, fazer-se o uso de um dos métodos auxiliares que poderia ser o teste de Dureza, pois todos os materiais apresentam faixas diferentes de dureza, o que possibilitaria a sua identificação.

Cabe ressaltar que o método mais rápido para a identificação destes materiais acima citados, seria através do Teste de Gradiente de Densidade (ASTM D1505).

Temos ainda, outros métodos mais preciso para a identificação dos polímeros, com a utilização de equipamentos sofisticados realizando ensaios, tais como: Espectroscopia por Infra Vermelho, Análise Térmica Diferencial (ATD), Ressonância Nuclear Magnética (NMR), Espectrofotometria por Absorção Atômica e muitos outros. Discorreremos resumidamente a metodologia e os recursos de alguns destes equipamentos.

Espectroscopia po Infra Vermelho

Com a utilização do Infra Vermelho, torna-se fácil à identificação de muitos polímeros. Baseia-se na absorção de energia da região do infra vermelho do espectro eletromagnético, pela ligações internas das estruturas contidas no polímero.

Para cada material tem-se picos e depressões de absorção determinada, por exemplo, grupos: -C=O, -C-H, -CºN, -C-OH, ETC.

Estes picos e depressões de absorção são registrados em cartas de absorbância ou transmição versus comprimento de onda, e com a comparação dos padrões de polímeros anteriormente determinados, torna-se possível a sua identificação.

Através da Espectroscopia por Infra Vermelho são possíveis as seguintes informações: estrutura do polímero, tipos de aditivos, cristalinidade, comprimento da cadeia, orientação, degradação e muitos outros.

Análise Térmica Diferencial

Este método consiste no aquecimento do material a uma taxa constante de velocidade, juntamente com um padrão termicamente inerte (normalmente é utilizado o Coríndon ou Óxido de Alumínio Alfa).

São registradas em curvas termo-diferencial ou termograma as diferenças de temperatura entre o padrão e o material em teste. Ocorrem transformações endotérmicas ou exotérmicas, eatravés da posição, forma e intensidade destes picos torna-se possível a sua identificação.

São possíveis as seguintes informações com o uso de ATD: determinação de Tg (temperatura de transição vítrea) e de Tm (temperatura de fusão), reações químicas de oxidação, degradação, desidratação, diagrama de fases de copolímeros, cristalização e recristalização de polímeros e outros.

Ressonância Nuclear Magnética (NMR)

É baseado no fato dos prótons absorverem radiofreqüências quando estão em presença de fortes campos magnéticos. É muito utilizado para a identificação qualitativa de substâncias puras.

Existem ainda muitas outras técnicas para a identificação de polímeros que não foram mencionados. Atualmente, devido ao avanço constante da tecnologia, diversas outras novas técnicas de identificação estão sendo desenvolvidas.

Identificação Prática dos Plásticos

Todos os plásticos devem receber o símbolo do material com qual foram fabricados a fim de facilitar sua destinação final.

Porém não é raro acontecer casos em que os materiais não apresentam o símbolo, e um fator que colabora para que isto ocorra se deve a algumas industrias não colocarem em seus produtos qual o tipo de resina usada no produto.É muito comum também que os materiais cheguem à recicladora aos pedaços, quando fica praticamente impossível determinar o tipo de resina com que o produto foi fabricado independentemente da experiência do operador ou profissional encarregado pela separação do material. Uma forma muito comum e prática de identificar o tipo de resina é através da queima do material.

Ao queimar o material pode-se observar a cor e o tipo da chama, o odor e algumas características sutis. Apresentamos abaixo uma tabela para auxilia-lo neste tipo de teste.

Apresentamos abaixo uma tabela para auxilia-lo neste tipo de teste:

Resina Teste de Chama Obs Odor Fusão Densidade 6/cm³
Polietileno
de
baixa densidade
Chama
Azul
Vértice amarelo
Pinga
como
vela
Cheiro
de
vela
105 0,89
0,93
Polietileno
de
alta
densidade
Chama
Azul
Vértice amarelo
Pinga
como
vela
Cheiro
de
vela
130 0,94
0,98
Polipropileno Chama amarela, crepita ao queimar, fumaça fuliginosa Pinga
como
vela
Cheiro Agressivo 165 0,85
0,92
ABS Chama amarela, crepita ao queimar, fumaça fuliginosa Amolece
e
pinga 
Monômero de
estireno
230 1,04
1,06
SAN Tal qual PS e ABS, porém fumaça menos fuliginosa Amolece
e
Pinga
Borracha queimada 175 1,04
1,06
Poliacetal Chama azul sem fumaça com centelha Amolece
e
borbulha
Monômero de
estireno
130 1,08
Acetato de celulose Chama amarela, centelhas queimando Cuidado
ao
cheirar
Formaldeído 175 1,42
1,43
Acetato
de
butirato
de
celulose
Chama azul faiscando - Ácido acético 230 1,25
1,35
PET Chama amarela, fumaça mas centelha - Manteiga rançosa 180 1,15
1.25
Acetato
de
vinila
Chama amarela esverdeada - - 255 1,38
1,41
PVC
rígido
Chama amarela, vértice verde Chama
auto extinguível
- 127 1,34
1,37
PVC
flexível
Chama amarela, vértice verde Chama
auto extinguível
Cheiro
de
cloro
150 1,19
1,35
Policarbonato Decompõe-se, fumaça fuliginosa com brilho  Chama
auto extinguível
Cheiro
de
cloro
150 1,19
1,35
Poliuretanos Bastante fumaça - Acre 230 1,20
1,22
PTFE Deforma-se Chama
auto extinguível
- 205
327
1,21
2,14
2,17
Nylon-6 Chama azul, vértice amarelo, centelhas, difíceis de queimar Formam bolas
na
ponta
- 215 1,12
1,16
Nylon-66 Chama azul, vértice amarelo, centelhas, difíceis de queimar Formam bolas
na
ponta
Pena
e
cabelo queimado
260 1,12
1,16
Nylon - 6,10 Chama azul, vértice amarelo, centelhas, difíceis de queimar Formam bolas
na
ponta
Pena
e
cabelo queimado
215 1,09
Nylon - 11 Chama
azul,
vértice amarelo, centelhas, difíceis de queimar
Formam bolas
na
ponta
Pena
e
cabelo queimado
180 1,04
Poli (metacrilato de metila) Queima lentamente, mantendo a chama, chama amarela em cima, azul em baixo. Amolece e quase não apresenta carbonização Não
pinga
Cheiro
de
alho
ou
resina
de
dentista
160 1,16
1,20

Fonte: www.planetaplastico.com.br

Como Identificar Plásticos

Densidade

A dificuldade em reciclar os resíduos plásticos pós-consumo reside, justamente, no fato de que estes se encontram misturados, existindo a necessidade de se separar os diferentes tipos, por alguns serem incompatíveis entre si.

Existe outra forma simples de identificar alguns dos plásticos encontrados no lixo.

Essa metodologia é baseada em algumas características físicas e de degradação térmica dos plásticos. Pode, também, ser muito útil quando existirem dúvidas quanto ao tipo de resina.

Algumas dessas caracteríticas são mostradas a seguir:

Características

Polietilenos de baixa e alta densidade


baixa densidade (flutua na água);
amolecem a baixa temperatura (PEBD = 85ºC; PEAD = 120ºC);
queimam como vela liberando cheiro de parafina;
superfície lisa e "cerosa";

Polipropileno

baixa densidade (flutuam na água);
amolece à baixa temperatura (150ºC);
queima como vela liberando cheiro de parafina;
filmes quando apertados nas mãos fazem barulho semelhante ao celofane;

Poli (cloreto de vinila)

alta densidade (afunda na água);
amolece a baixa temperatura (80ºC);
queima com grande dificuldade liberando um cheiro acre;
é soldável através de solventes (cetonas);

Poliestireno

alta densidade (afunda na água);
quebradiço;
amolece a baixas temperaturas (80 a 100ºC)
queima relativamente fácil liberando cheiro de "estireno";
é afetado por muitos solventes;

Poli (tereftalato de etileno)

alta densidade (afunda na água);
muito resistente;
amolece a baixa temperatura (80ºC);
utilizado no Brasil em embalagens de refrigerentes gasosos e começando a ser utilizado em embalagens de óleos vegetais, água mineral e etc.

Pode-se verificar, pelo exposto anteriormente, que os plásticos têm algumas características diferentes entre si que podem ser úteis para a sua separação e purificação dos plásticos através da diferença de densidade (alguns plásticos flutuam na água, outros submergem e desta forma podem ser separados).

A título de ilustração, o quadro a seguir mostra as densidades de alguns plásticos.

Densidade de plásticos peletizados

Tipos de plástico Densidade (g/cm3)
Polipropileno 0,900 - 0,910
Polietileno de Baixa Densidade 0,910 - 0,930
Polietileno de Alta Densidade 0,940 - 0,960
Poliestireno 1,040 - 1,080
Poli (cloreto de vinila) 1,220 - 1,300
Poli (tereflalato de etileno) 1,220 - 1,400

Obs.: a densidade da água é 1g/cm3

Materiais x tipos de plásticos

Tipos de plástico

baldes, garrafas de álcool, bombonas PEAD
condutores para fios e cabos elétricos PVC - PEBD - PP
copos de água mineral PP - PS
copos descartáveis (café, água, cerveja etc.) PS
embalagens de massas e biscoitos PP - PEBD
frascos de detergentes e produtos de limpeza PP - PEAD - PEBD - PVC
frascos de xampus e artigos de higiene PEBD - PEAD - PP
gabinetes de aparelhos de som e TV PS
garrafas de água mineral - usualmente PVC
garrafas de água mineral - ocasionalmente PEAD - PP - PET
garrafas de refrigerantes - corpo PET
garrafas de refrigerantes - base PEAD
garrafas de refrigerantes - tampa PP
garrafas de refrigerantes - retentor da tampa EVA
isopor PS
lonas agrícolas PEBD - PVC
potes de margarinas PP
sacos de adubo PEBD
sacos de leite PEBD
sacos de lixo PEBD - PVC
sacos de ráfia PP
tubos de água e esgoto: usualmente PVC
tubos de água e esgoto: ocasionalmente PEAD - PP

Além disso, algumas embalagens e alguns artefatos são tão tradicionais que a sua identificação torna-se relativamente simples.

Fonte: www.cepis.org.pe

Como Identificar Plásticos

Como identificar os tipos de plástico?

Das empresas brasileiras que se dedicam à recuperação e/ou reciclagem de materiais plásticos, uma grande parte trabalha apenas com resíduos industriais, os quais, quando provenientes de empresas idôneas apresentam qualidade muito boa tanto com relação á homogeneidade, quanto á contaminação por outros plásticos ou materiais.

Porém, devido ao baixo custo da matéria-prima, várias pequenas e microempresas operan com plásticos coletados em lixões, centros de triagem de lixo, sucateiros que adquirem materiais de catadores, lixo da indústria e comercio. Sabe-se que alguns recocladores utilizam, inclusive, plásticod de lixo hospitalar e embalagens de defensivos agrícolas. A dificultade em reciclar os resíduos plásticos reside, justamente, no fato de que estes se encontram misturados, existindo a necessidade de se separar os diferentes tipos, por serem incompatíveis entre si e não poderem ser processados em equipamento convencional.

Sendo assim, os recicladores procuram adquirir a matéria-prima desejada previamente separada, embora sempre haja necessidade proceder a uma inspeção visual para separar plásticos indesejados, os quais invariavelmente estão presentes em cada lote recebido.

A separação dos diversos plásticos por tipo de resina é um problema que también anida não foi resolvido e é um dos motivos que tem restringido a recoclagem dos plásticos. Apesar dos muitos estudos e pesquisas já realizados e em desenvolvimento não se chegou, até hoje, a um processo que possa, de maneira rápida, automática e eficiente, efetuar a perfeita separacao dos plásticos. Muiros artefatos são farbicados com mais do que um tipo de resina, o que dificulta ainda mais a separação.

Entretanto, já existe no exterior e começa a ser aplicada por algumas empresas brasileiras, uma codifição das resinas utilizadas na fabricação de artefatos plásticos.

A idéia é imprimir, no artefato ou na embalagem ou no rótulo, o código correspondente à resina utilizada ou as preponderantes quando de uma mistura, de acordo com sistema mostrado na Figura abaixo:

Como Identificar Plásticos
PET
Sistema internacional de codificação de plásticos

Esse sistema desenvolvido para auxiliar os recicladores a identificar e separar os plásticos manualmente, enquanto se aguarda o desenvolvimento de um sistema automátivo para cumprir esta tarefa.

Existe outra forma simples de identificar alguns dos plásticos encontgrados no lixo. Essa metodologia é baseada em algumas características físicas e de degradação térmica dos plásticos Pode também, ser muito útil quando existirem dúvidas quanto ao tipo de resina.

Algumas dessas características são mostradas a seguir:

Polietilenos de baixa e de alta desidade:

baixa densidad (flutuam na água);
amolecem a bixas temperatura (PEBD=85ºC; PEAD = 120ºC);
queimam como vela liberando cheiro de parafina;
superficie lisa e "cerosa";

Polipropileno

baixa densidade (flutua na água);
amoles à baixa temperatura (150ºC);
queima como vela liberando cheiro de parafina;
filmes quando apertados na mãos fazem barulho semelhante ao celofane;

Poli (cloreto de vinila):

alta densidade (afunda na água);
amolece à bixa temperatura (80ºC);
queima com grande difuculdade liberando um cheiro acre;
é soldàvel atravès de solventes (cetonas);

Poliestireno:

alta densidade (afunda na água);
quegbradiço;
amolece a baixas temperaturas (80 a 100ºC);
queima relativamente fácil liberando cheiro de "estireno";
é afetado por muitos solventes;

Poli (tereftalato de etileno):

alta densidade (afunda na água);
muito resistente;
amolece à bixa temperatura (80ºC);
utilizado no Brasil em embalagens de refrigerantes gasosos e começando a ser utilizado em embalagens de óleos begetais, água mineral etc.

Pode-se verificar, pelo exposto anteriormente, que os plàticos têm algumas caracterìsticas diferentes entre si que podem se úteis para a sua separação.

De fato, grade parte, senão a maioria das empresa recicladorea de plástico de lixo , faz a separação e purificação dos plásticos a través da diferença de densidade (alguns plásticos flutuam na água, outros submergem e desta forma podem ser separados).

A título de ilustração, o Quadro abaixo mostra a densidades de alguns plásticos:

Densidade de plásticos peletizados

Tipos de plástico Densidade (g/cm3)
Polipropileno
Polietileno de Baixa Densidade
Polietileno de Alta Densidade
Poliestireno
Poli(cloreto de vinila)
Poli(tereftalato de eitileno)
0,900-0,910
0,910-0,930
0,940-0,960
1,040-1,080
1,220-1,300
1,220-1,400

Obs. a densidade da água é 1g/cm3.

Além disso, algumas embalagens e alguns artefatos são tão tradicionais que a sua identificação torna-se relativamente simples.

Materiais X Tipos de plástico

Baldes, garrafas de álcool, bombonas: PEAD
Condutores para fios e cabos elétricos: PVC, PEBD,PP
Copos de água mineral: PP e PS
Copos descartáveis (café , água, cerveja etc.):
PS
Embalagens de massas e biscoitos ; PP, PEBD
Frascos de detergentes e produtos de limpeza: PP, PEAD, PEBD e PVC
Frascos de xampus e artigos de higiene:PEBD, PEAD, PP
Gabinetes de aparelhos de som e TV: PS
Garrafa de àgua mineral: a maioria fabricada em PVC, prém, também se encontram em PEAD, PP e PET
Garrafas de refrigerantes; fabricada em PET, com a base em PEAD e a tampa em PP com retentor em EVA
Isopor: PS
Lona agrìcola; PEBD, PVC
Potes de margarinas: PP
Sacos de adubo: PEBD
Sacos de leite: PEBD
Sacos de lixo:
PEBD, PVC
Sacos de ráfia: PP
Tubos de água e esgoto: a maior parte fabricada em PVC, prém, também se encontram em PEAD e PP

Fonte: www.cepis.org.pe

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal