Breaking News
Home / Química / Clorofluorcarboneto (CFC)

Clorofluorcarboneto (CFC)

PUBLICIDADE

Definição

Clorofluorcarboneto (CFC) é qualquer um de uma classe de compostos de carbono, hidrogênio, cloro e flúor, normalmente gases usados em refrigerantes e propulsores de aerossóis.

Eles são nocivos para a camada de ozônio na atmosfera da terra devido à liberação de átomos de cloro na exposição à radiação ultravioleta.

O que é Clorofluorcarboneto?

Um clorofluorocarboneto (CFC) é um composto gasoso de vários elementos básicos, incluindo flúor, cloro, carbono e hidrogênio.

Desenvolvido na década de 1930, os clorofluorcarbonos tornaram-se extremamente populares nas tecnologias de refrigeração e aerossol devido à sua relativa estabilidade e segurança.

As descobertas científicas do final do século XX revelaram que os CFCs desempenham um papel significativo no esgotamento da camada de ozônio; desde essa descoberta, os tratados ambientais internacionais reduziram bastante o uso de CFCs em todo o mundo.

A criação de compostos de clorofluorocarbono remonta ao século XIX, mas a produção comercial dos compostos não foi aperfeiçoada até a década de 1930.

Enquanto procurava uma alternativa segura e não tóxica aos materiais venenosos e explosivos usados na refrigeração e no resfriamento, como amônia, dióxido de enxofre e até propano.

Thomas Midgely, um inventor americano, começou a experimentar a adição de flúor aos hidrocarbonetos.

O resultado de seu exame foi um composto que forneceu propriedades de refrigerante sem o alto risco de inflamabilidade; Midgely foi aclamado como um gênio, e a paisagem da refrigeração mudou rápida e indelevelmente.

Além de seu uso como agentes de refrigeração, os compostos de clorofluorocarbono encontrados rapidamente se tornaram populares em outros produtos de consumo.

Verificou-se que novas variações de clorofluorocarboneto funcionam extremamente bem como propulsores, tornando-os ideais para sprays e suspensões líquidas. Creme de barbear, inaladores de asma, spray de cabelo e todos os tipos de produtos de spray ou espuma usavam rotineiramente CFCs para criar um sistema de distribuição uniforme e não tóxico.

Como os cientistas logo descobriram, as maravilhosas propriedades dos clorofluorcarbonos possuíam um perigo oculto, em grande parte devido ao cloro em sua composição.

À medida que os CFCs sobem pela atmosfera, eles são atingidos por raios ultravioletas que causam uma quebra química, liberando o cloro de sua ligação. O cloro, que é naturalmente incomum na atmosfera, é capaz de consumir e destruir moléculas de ozônio.

Com a enorme popularidade comercial do clorofluorocarboneto ao longo do século XX, os seres humanos de repente começaram a liberar grandes quantidades de CFCs no ar, levando a um esgotamento gradual, mas grave, da camada protetora de ozônio da atmosfera.

Em 1985, muitos cientistas haviam confirmado um buraco que crescia rapidamente na camada de ozônio, e consideravam os compostos de clorofluorocarbono os principais responsáveis por sua existência.

Na tentativa de reduzir os danos e dar ao ozônio uma chance de reparo, muitos países começaram a assinar protocolos que proibiam ou limitavam severamente o uso dos compostos em quase todos os produtos.

Embora o uso de CFCs tenha sido bastante reduzido desde o final do século 20, os compostos de CFC podem permanecer na atmosfera por até um século, o que significa que a extensão total dos danos e a capacidade de recuperação permanece desconhecida.

O que são CFCs?

Os clorofluorocarbonetos, dos CFCs, são compostos químicos desenvolvidos como uma alternativa aos produtos químicos mais perigosos para uma variedade de aplicações.

Eles foram desenvolvidos na década de 1930 para uso principalmente em refrigeração e como substância para propulsores em produtos como latas de aerossol.

No entanto, embora representem uma ameaça direta menor para os indivíduos, eles podem fornecer uma ameaça indireta ao ambiente global.

Os CFCs contêm vários compostos orgânicos e as fórmulas podem variar. No entanto, os compostos orgânicos mais comuns utilizados são carbono, flúor, cloro e hidrogênio. Esses compostos não são tóxicos nem inflamáveis, o que os tornou ideais para uso como propulsores e outros usos domésticos. Um dos nomes comerciais dos CFCs é freon, que é usado como refrigerante não apenas em geladeiras, mas também em aparelhos de ar condicionado, tanto em veículos quanto em residências.

Os CFCs, após sua criação na década de 1930, rapidamente se tornaram o produto de escolha para muitos fabricantes.

No entanto, como os CFCs aumentaram sua presença no mercado, muitos não perceberam o quão prejudiciais eram em certas partes do ambiente.

Portanto, o uso inabalável dos produtos químicos ao longo dos anos começou a cobrar seu preço, especialmente na camada de ozônio, uma camada da atmosfera da Terra que ajuda a desviar os raios ultravioletas (UV).

Além disso, os CFCs também contribuem para o aquecimento global. Devido a esses problemas, alguns países, como os Estados Unidos, proibiram amplamente o uso de CFCs.

A camada de ozônio é uma parte muito vulnerável e vital da proteção da Terra contra os raios UV prejudiciais do sol. Muitas pessoas se referem a um “buraco” no ozônio que se desenvolveu em partes do hemisfério sul, principalmente nas proximidades e sobre a Antártica. Aqueles que vivem no extremo sul da América do Sul, sul da Austrália e latitudes semelhantes notaram um aumento nos efeitos nocivos dos raios UV mais fortes, incluindo mais casos de câncer de pele e problemas de visão.

A razão pela qual os CFCs são tão prejudiciais à camada de ozônio é devido à presença de cloro que faz parte do composto.

Os raios solares trabalham para quebrar os CFCs liberados na atmosfera e o cloro, que normalmente não está presente na atmosfera em concentrações muito altas, começa a quebrar a camada de ozônio.

Os CFCs têm uma vida na atmosfera de 20 a 100 anos, o que significa que os efeitos nocivos podem ser sentidos por décadas.

O elemento prejudicial que funciona com relação ao aquecimento global é o carbono. O carbono ajuda a manter o calor na atmosfera, recusando-se a refletir novamente no espaço. Como o carbono é quebrado nos CFCs, os efeitos do aquecimento global são intensificados.

História do CFC

As geladeiras do final do século XIX até 1929 usavam gases tóxicos, amônia (NH3), cloreto de metila (CH3Cl) e dióxido de enxofre (SO2), como refrigerantes. Vários acidentes fatais ocorreram na década de 1920 por causa do vazamento de cloreto de metila nos refrigeradores. As pessoas começaram a deixar seus refrigeradores nos quintais. Um esforço colaborativo começou entre três empresas americanas, Frigidaire, General Motors e DuPont, na busca de um método menos perigoso de refrigeração.

Em 1928, Thomas Midgley Jr., auxiliado por Charles Franklin Kettering, inventou um “composto milagroso” chamado Freon. Freon representa vários clorofluorcarbonetos diferentes, ou CFCs, usados no comércio e na indústria.

Os CFCs são um grupo de compostos orgânicos alifáticos que contêm os elementos carbono e flúor e, em muitos casos, outros halogênios (principalmente cloro) e hidrogênio. Freons são gases ou líquidos incolores, inodoro, não inflamável, não corrosivo.

Clorofluorocarbonetos (CFCs) são compostos altamente estáveis que foram usados como propulsores em latas de spray e em unidades de refrigeração. São vários compostos orgânicos compostos de carbono, flúor, cloro e hidrogênio. Os CFCs são fabricados com o nome comercial Freon.

A invenção dos clorofluorocarbonetos (CFCs) no final da década de 1920 e no início da década de 1930 surgiu do apelo a alternativas mais seguras aos dióxido de enxofre e refrigerantes de amônia usados na época, os CFCs tiveram ampla aplicação após a Segunda Guerra Mundial.

Os clorofluorcarbonetos foram criados pela primeira vez em 1928 como refrigerantes não tóxicos e não inflamáveis e foram produzidos comercialmente pela DuPont nos anos 30.

O primeiro clorofluorocarbono foi o CFC-12, um único carbono com dois cloro e dois flúor ligados a ele.

Esses hidrocarbonetos halogenados, notavelmente triclorofluorometano (CFC-11 ou F-11) e diclorodifluorometano (CFC-12 ou F-12), foram amplamente utilizados como propulsores de aerossol, refrigerantes, solventes e agentes de sopro de espuma. Eles são adequados para essas e outras aplicações, porque são atóxicos e não inflamáveis e podem ser facilmente convertidos de líquido em gás e vice-versa.

Clorofluorocarbonetos ou CFCs (também conhecidos como Freon) são não-tóxicos, não-inflamáveis e não-cancerígenos. Eles contêm átomos de flúor, átomos de carbono e átomos de cloro.

Os 5 principais CFCs incluem CFC-11 (triclorofluorometano – CFCl3), CFC-12 (dicloro-difluorometano – CF2Cl2), CFC-113 (tricloro-trifluoroetano – C2F3Cl3), CFC-114 (dicloro-tetrfluoroetano – C2F4Cl2) 115 (cloropentafluoroetano – C2F5Cl).

Verificou-se que os CFCs representam uma séria ameaça ambiental. Estudos realizados por vários cientistas durante a década de 1970 revelaram que os CFCs liberados na atmosfera se acumulam na estratosfera, onde tiveram um efeito deletério na camada de ozônio.

O ozônio estratosférico protege os organismos vivos da Terra dos efeitos nocivos da radiação ultravioleta do Sol; mesmo uma diminuição relativamente pequena na concentração de ozônio estratosférico pode resultar em um aumento da incidência de câncer de pele em humanos e em danos genéticos em muitos organismos.

Na estratosfera, as moléculas de CFC se decompõem pela ação da radiação ultravioleta solar e liberam seus átomos constituintes de cloro. Estes reagem com as moléculas de ozônio, resultando em sua remoção.

Os CFCs têm uma vida útil na atmosfera de cerca de 20 a 100 anos e, conseqüentemente, um átomo de cloro livre de uma molécula de CFC pode causar muitos danos, destruindo as moléculas de ozônio por um longo tempo.

Embora as emissões de CFCs em todo o mundo desenvolvido tenham cessado em grande parte devido a acordos internacionais de controle, os danos à camada de ozônio estratosférico continuarão até o século XXI.

Em 1978, o Protocolo de Montreal foi adotado como uma estrutura para a cooperação internacional em relação ao controle do CFC, com base na Convenção de Viena para a Proteção da Camada de Ozônio.

Fonte: www.esrl.noaa.gov/toxtown.nlm.nih.gov/www.acs.org/www.wisegeek.org/www.theozonehole.com/apps.sepa.org.uk/www.ch.ic.ac.uk/www.des.nh.gov/www.ozone-hole.org.uk

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Xileno

PUBLICIDADE Definição O termo xileno refere-se a um grupo de três derivados de benzeno, cada …

Processo Químico

PUBLICIDADE Definição de Processo Químico Os processos químicos, físicos e biológicos podem ser vistos como reações …

Cátodo

Cátodo

PUBLICIDADE Um cátodo é um eletrodo de metal carregado negativamente a partir do qual a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.