Breaking News
Home / Química / Eletronegatividade

Eletronegatividade

PUBLICIDADE

O que é

Eletronegatividade é o grau em que um átomo pode atrair elétrons de ligação para si mesmo.

Os componentes desta medida relativa consistem na capacidade de um átomo de ganhar electrões e de os reter.

As diferenças entre os eletronegatividades de dois átomos pode ser usada para prever a resistência relativa da ligação.

Escalas diferentes foram propostas para expressar eletronegatividade.

Ligações químicas são as forças atrativas entre átomos que criam moléculas. As moléculas são os blocos de construção de toda a matéria. A natureza das ligações químicas determina muitas das propriedades moleculares.

Os elétrons viajam em conchas em torno de núcleos atômicos. Os átomos são mais estáveis quando seus depósitos de elétrons estão cheios ou meio cheios.

Ligações covalentes ocorrem quando um ou mais elétrons são compartilhados entre átomos. O elétron orbita mais próximo ao átomo mais eletronegativo.

Embora o elétron seja compartilhado em ligações covalentes, toda a estrutura molecular é mais forte.

Em ligações iônicas, a diferença eletronegativa entre dois ou mais átomos é tão grande que o elétron é removido do átomo menos eletronegativo. Estas ligações são polares, como ímãs minúsculos. Podem dissociar-se em água ou outros solventes em dois ou mais iões separados.

Em 1934, o cientista americano Robert S. Muliken sugeriu que a eletronegatividade fosse medida como a metade da diferença entre a energia de ionização (EI) e a afinidade eletrônica (AE).

A energia de ionização é a energia necessária para remover um elétron de um átomo, afinidade eletrônica é a energia liberada quando um átomo ganha um elétron.

Sua escala não foi adotada porque a afinidade eletrônica era difícil de medir na época.

Um outro cientista americano, Linus Pauling, tinha desenvolvido uma escala mais adiantada baseada na força relativa de ligações químicas.

O flúor, o átomo mais eletronegativo, recebeu uma eletronegatividade de 4,0.

O Lítio, no lado oposto da tabela periódica, foi atribuído um valor de 1,0.

O césio, com um valor de 0,7, está abaixo do lítio.

Em geral, eletronegatividade aumenta da esquerda para a direita através da tabela periódica. Ele diminui de cima para baixo.

A escala de Pauling dá uma boa medida do tipo de ligação que os átomos formam. A diferença eletronegativa entre dois átomos não metálicos é pequena.

Assim, são formadas ligações covalentes. O carbono-azoto (ligação C-N) em piridina (C5H5N) é um exemplo.

O carbono tem uma eletronegatividade de 2,5.

O azoto é 3,0; e a diferença é 0,5.

Um metal não-metálico e um átomo de metal formam uma ligação iônica devido à grande diferença eletronegativa. O cloreto de potássio é um exemplo (KCl). O potássio tem um valor de 0,8.

O cloreto tem um valor de 3,0; e a diferença é 2.2.

Definição

Eletronegatividade é o poder de um átomo em uma molécula para atrair elétrons para si mesmo.

A eletronegatividade é uma medida da tendência de um átomo para atrair um par de ligação de elétrons.

A escala de Pauling é a mais comumente usada.

Medida

Eletronegatividade
Eletronegatividade

Eletronegatividade é uma propriedade química que descreve a tendência de um átomo ou um grupo funcional para atrair electrões (ou densidade eletrônica) para si.

A Eletronegatividade de um átomo é afetado por ambos o seu número atômico e a distância em que seus elétrons de valência residem no núcleo carregado.

Quanto maior o número de eletronegatividade associado, mais um elemento ou composto atrai elétrons para ele.

O termo “eletronegatividade” foi introduzido por Jöns Jacob Berzelius em 1811, embora o conceito era conhecido mesmo antes disso e foi estudado por muitos químicos, incluindo Avogadro.

Apesar de sua longa história, uma escala precisa de eletronegatividade teve que esperar até 1932, quando Linus Pauling propôs uma escala de eletronegatividade, que depende de energias de ligação, como um desenvolvimento da ligação de valência.

Foi demonstrado correlacionar-se com um número de outras propriedades químicas.

A eletronegatividade não pode ser medida diretamente e deve ser calculada a partir de outras propriedades atômicas ou moleculares.

Vários métodos de cálculo foram propostos, e, embora possa haver pequenas diferenças nos valores numéricos de eletronegatividade, todos os métodos apresentam as mesmas propriedades periódicas entre elementos .

O método de cálculo mais utilizado é o originalmente proposto por Linus Pauling.

Isto dá uma quantidade adimensional, vulgarmente referida como a escala Pauling, em um funcionamento escala relativa de cerca de 0,7 a 3,98 ( de hidrogênio = 2,20).

Quando são utilizados outros métodos de cálculo, é convencional (embora não obrigatório) para citar os resultados em uma escala que cobre o mesmo intervalo de valores numéricos: isto é conhecido como um eletronegatividade em unidades Pauling.

Como é normalmente calculada, eletronegatividade não é uma propriedade de um átomo sozinho, mas em vez de uma propriedade de um átomo numa molécula.

Propriedades de um átomo livre incluem energia de ionização e afinidade eletrônica. É de se esperar que a eletronegatividade de um elemento irá variar de acordo com o seu ambiente químico, mas é geralmente considerado como sendo uma propriedade transferível, que é dizer que os valores semelhantes serão válidos em uma variedade de situações.

No nível mais básico, eletronegatividade é determinada por fatores como a carga nuclear (os mais prótons de um átomo tem, mais “puxar” que terá sobre elétrons) e o número / localização de outros elétrons presentes nas camadas atómicas (quanto mais elétrons de um átomo tem, quanto mais longe do núcleo os elétrons de valência será, e como resultado, a taxa de menos positivo eles vão experimentar, tanto devido à sua maior distância do núcleo, e porque os outros elétrons no núcleo de energia mais baixos orbitais vai agir para proteger os elétrons de valência do núcleo de carga positiva).

O oposto de eletronegatividade é eletropositividade: uma medida da capacidade de um elemento para doar elétrons.

O césio é o elemento menos eletronegativo na tabela periódica (= 0,79), enquanto que flúor é mais eletronegativo (= 3,98).

Francium e césio foram originalmente ambos atribuídos 0,7; valor de césio foi posteriormente refinado para 0,79, mas não há dados experimentais permite um refinamento semelhante para francium.

No entanto, de francium a Energia de ionização é conhecido por ser ligeiramente superior ao de césio de, em conformidade com o relativista estabilização da 7s orbital, e isto por sua vez implica que o frâncio é na verdade mais eletronegativo que césio.

Tendências da Eletronegatividade na Tabela Periódica

Linus Pauling não só introduziu a eletronegatividade, mas também apresentou valores de eletronegatividade para cada elemento da tabela periódica, como podemos ver aqui (ver vídeo). Abaixo do símbolo de cada elemento, há um número que representa a eletronegatividade do elemento. Por exemplo, hidrogênio (H), tem uma eletronegatividade de 2,20.

Com base nos valores de eletronegatividade descritos nesta tabela periódica (vide vídeo), você pode notar que há uma tendência geral para a eletronegatividade.

Vejamos alguns exemplos.

Observando o segundo período em boro (simbolizado pela letra B) e carbono (simbolizado pela letra C), vemos que o boro é menos eletronegativo do que o carbono. Você também pode ver que o carbono é mais à direita do que o boro. Isso segue a tendência de eletronegatividade ao longo de um período.

Movendo-se para o Grupo 17 na tabela periódica, continuando a tendência, vemos que o flúor (simbolizado pela letra F) é mais eletronegativo do que o cloro (simbolizado pelas letras Cl).

Agora, porque a maioria das regras ou padrões têm exceções, precisamos dar uma olhada em Grupo 18, que é um grupo chamado gases nobres. É importante mencionar que seus valores de eletronegatividade não seguem as tendências. Isso ocorre porque esses elementos já têm seus orbitais totalmente preenchido, o que os torna inerte (não reativo); Pense nestes gases nobres como pessoas dignas e nobres que não mostram emoção ou reação tão facilmente.

Nesse sentido, esses elementos do Grupo 18 não estão olhando para reagir com quaisquer outros elementos. Eles não estão olhando para atrair elétrons.

A Eletronegatividade

Eletronegatividade é a capacidade que um átomo tem, de atrair elétrons de outro átomo quando os dois formam uma ligação química. Assim, um átomo que, quando isolado, possui grande potencial de ionização e grande afinidade eletrônica também apresentará, quando ligado a outro átomo, grande atração por elétrons, ou seja, terá uma alta eletronegatividade.

Podemos dizer que a eletronegatividade depende de dois fatores: tamanho do átomo e número de elétrons na última camada.

Já conhecemos a influência do primeiro desses fatores: quanto menor é o átomo, maior é sua capacidade de atrair elétrons, já que a distância destes ao núcleo é menor. O segundo fator se deve à tendência que os átomos possuem de se tornarem mais estáveis quando completam oito elétrons na última camada.

Átomos com maior número de elétrons na última camada exercem maior atração sobre os elétrons de outros átomos. É o balanço entre esses fatores que determina qual, dentre dois átomos, é o mais eletronegativo. Por exemplo, o cloro tem sete elétrons na última camada e o oxigênio, seis. Se fosse considerado apenas esse fator, o cloro seria mais eletronegativo que o oxigênio por precisar de apenas um elétron para completar o octeto.

Entretanto, o átomo de oxigênio é tão menor que o de cloro que essa característica acaba por superar o outro fator. Como resultado, o oxigênio se revela mais eletronegativo que o cloro.

Isso nos permite dizer que, de modo geral: Quanto menor o átomo e maior o número de elétrons na última camada, maior é sua eletronegatividade.

Resumindo:

Eletronegatividade e a grandeza que mede a atração exercida sobre os elétrons de uma ligação. essa forca de atração tem relação com o raio atômico: quanto menor o tamanho do átomo, maior será a forca de atração, pois a distancia núcleo eletronsfera da ligação é menor. Existem algumas escalas que relacionam a eletronegatividade dos elementos, sendo que a escala de Pauling é a mais utilizada.

Então a eletronegatividade é a tendência em atrair eletrons de uma ligação química, o raio e inversamente proporcional a eletronegatividade. Raio atômico cresce pra esquerda e pra baixo (tabela) e a eletronegatividade é o contrario.

Fonte: www.chemguide.co.uk/www.wisegeek.com/en.wikipedia.org/study.com/www.poli.usp.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Permetrina

PUBLICIDADE A permetrina é um composto químico sintético, juntamente com outros piretróides, semelhante ao produzido …

A água perfeitamente destilada contém apenas moléculas de hidrogênio e oxigênio.

Água Destilada

PUBLICIDADE Definição A água destilada é criada através do processo de destilação. Basicamente, no processo de destilação, …

Terpenos

PUBLICIDADE Definição Terpenos, qualquer um dos vários hidrocarbonetos isoméricos 10H16 encontrados presentes em óleos essenciais …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.