Breaking News
Home / Química / Dietanolamina

Dietanolamina

PUBLICIDADE

Definição

Dietanolamina (DEA) e ingredientes relacionados a DEA são substâncias orgânicas que funcionam como emulsificantes para produzir espuma e bolhas em cosméticos.

Esses ingredientes também podem ser usados para ajustar o pH de um produto.

A dietanolamina apresenta-se como um líquido oleoso incolor ou como cristais sólidos brancos.

Leve odor de peixe podre ou amônia.

Mais denso que a água.

dietanolamina é um membro da classe das etanolaminas que é a etanolamina com um substituinte N-hidroxietil.

Tem uma função como metabólito xenobiótico humano.

É derivado de uma etanolamina.

Fórmula molecular: C4H11NOou CH2CH2OH)2NH

O que é dietanolamina?

Dietanolamina, ou DEA, é um composto orgânico sintetizado a partir de uma reação de óxido de etileno e amônia, e tem sido produzido em grandes quantidades industriais desde o início dos anos 1930.

Em temperatura ambiente, é um líquido transparente e higroscópico que atrai a umidade do ar ou um sólido cristalino branco que pode ter um leve cheiro de amônia conforme a temperatura aumenta.

O composto pode ser usado para muitos fins comerciais, mas o principal deles é como um agente umectante intermediário em cosméticos e auxiliares de saúde e beleza, como shampoo, loções e cremes, pois atua para criar uma espuma espessa ou consistência cremosa quando misturado com água ou espalhe na superfície da pele.

A dietanolamina também é usada na fabricação de têxteis, produtos farmacêuticos e herbicidas.

Um uso industrial importante é como purificador de gás nas indústrias de petróleo e gás natural para remover subprodutos perigosos do gás sulfureto de hidrogênio produzidos no refino.

Já se sabe há algum tempo que a dietanolamina cria riscos à saúde ao ser exposta nas muitas indústrias onde é usada, incluindo como ingrediente em ceras aplicadas à mão, polidores e inibidores de corrosão.

O maior risco para a saúde humana que representa, no entanto, é como ingrediente em produtos cosméticos aplicados direta e repetidamente na pele. A pesquisa mostrou que, com o tempo, o DEA reagirá quimicamente com outros constituintes desses produtos para criar uma substância química carcinogênica extremamente potente chamada nitrosodietanolamina (NDEA).

Relatórios de efeitos adversos da nitrosodietanolamina NDEA na saúde humana relacionam-na com cânceres de estômago, esôfago, fígado e bexiga.

Estudos mostraram que nitrosodietanolamina NDEA é cancerígeno e tóxico em 44 espécies diferentes de animais experimentais nos quais foi testado. Embora a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) e a Food and Drug Administration (Administração de Alimentos e Medicamentos) (FDA) reconheçam os riscos à saúde da dietanolamina, existe pouca documentação formal do governo quanto à toxicologia específica e detalhada, devido ao fato de que os cosméticos são regulamentados apenas casualmente pelo governo federal dos EUA.

É amplamente considerado, no entanto, como um dos compostos químicos mais arriscados usados em produtos cosméticos a partir de 2011, devido em parte à sua propensão a se degradar para nitrosodietanolamina NDEA.

Quando a dietanolamina é vendida por produtores químicos, ela está disponível em diferentes níveis de concentração que podem conter oligoelementos de compostos de amina relacionados, como monoetanolamina e trietanolamina. Este fato levou à rotulagem de DEA de várias maneiras, com o produto químico tendo pelo menos 11 outros nomes comerciais que incluem cocamida DEA, TEA-lauril sulfato, cocamida MEA, DEA olet-3 fosfato, lauramida DEA, DEA-cetil fosfato, linoleamida MEA, oleamida DEA, estearamida MEA, miristamida DEA e trietanolamina.

Cada um desses compostos pode conter oligoelementos de dietanolamina ou pode ser o ingrediente principal de tais produtos químicos. Isso é resultado do fato de que é um produto químico polifuncional que se liga prontamente a compostos à base de amina ou amônia e diol ou etileno.

Quando vendido como DEA, o produto químico é geralmente DEA 99,3% puro e é comercialmente um oligoelemento de 0,45% de monoetanolamina e um constituinte de 0,25% de trietanolamina.

Alguns produtores industriais também oferecem uma concentração reduzida de dietanolamina a 85% misturada com 15% de água desionizada para transporte para climas mais frios, pois tem alguma capacidade de inibir o congelamento de produtos. O maior uso do produto nos Estados Unidos é como surfactante ou agente espumante em 39%, e 30% da produção de DEA vai para a indústria de gás como um químico de limpeza. Os usos restantes são divididos entre têxteis, metalurgia, agricultura e interesses comerciais relacionados.

Dietanolamina
Dietanolamina pode ser adicionada a xampus para criar espuma

Uso da Dietanolamina

dietanolamina é usada em vários produtos de consumo, como xampus, cosméticos e produtos farmacêuticos.

Há informações limitadas disponíveis sobre os efeitos da dietanolamina na saúde.

A exposição por inalação aguda (curto prazo) à dietanolamina em humanos pode resultar em irritação do nariz e da garganta, e a exposição cutânea pode irritar a pele.

Não há informações disponíveis sobre os efeitos crônicos (longo prazo), reprodutivos, de desenvolvimento ou carcinogênicos da dietanolamina em humanos. Estudos em animais relataram efeitos no fígado, rins, sangue e sistema nervoso central (SNC) da exposição oral crônica à dietanolamina.

Produção da Dietanolamina

dietanolamina é a substância mais comumente usada para criar ingredientes mais complexos, usados em uma ampla variedade de produtos de higiene pessoal, cosméticos, produtos de limpeza e utensílios domésticos. Isso inclui xampus, cosméticos, desodorantes, tintura de cabelo, detergentes para louça e produtos químicos usados na produção de têxteis.

A dietanolamina também é uma das principais matérias-primas (substâncias usadas para produzir outras substâncias) para a produção de glifosato

A produção da substância envolve a reação de óxido de etileno com amônia.

O óxido de etileno, um produto químico associado a vários tipos de câncer, é aplicado durante a produção em um processo chamado etoxilação. A etoxilação pode levar à contaminação com 1,4-dioxano, que também é um conhecido agente cancerígeno.

Fonte: pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/cosmeticsinfo.org/www.epa.gov/publications.iarc.fr/www.wisegeek.org/www.fda.gov/www.petrochemistry.eu/www.madesafe.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Bico de Bunsen

Bico de Bunsen

PUBLICIDADE O que é um Bico de Bunsen? Um bico de Bunsen é um dispositivo de laboratório …

Teoria atômica

Teoria atômica

Teoria atômica – Definição PUBLICIDADE John Dalton (1766-1844) é o cientista creditado por propor a teoria …

Noradrenalina

PUBLICIDADE Noradrenalina – Definição Produto químico produzido por algumas células nervosas e na glândula adrenal. …