Breaking News
Home / Química / Guerra Química

Guerra Química

PUBLICIDADE

Definição

guerra química é o uso das propriedades tóxicas de substâncias químicas para matar, ferir ou incapacitar um inimigo na guerra e nas operações militares associadas.

Entre as armas de destruição em massa, a guerra química é provavelmente uma das mais brutais criadas pela humanidade em comparação com a guerra biológica e nuclear.

As armas químicas são baratas e relativamente fáceis de produzir, mesmo por pequenos grupos terroristas, para criar baixas em massa com pequenas quantidades.

Uma arma química é qualquer produto químico tóxico que pode causar morte, ferimentos, incapacitação e irritação sensorial, implantado por meio de um sistema de lançamento, como uma granada de artilharia, foguete ou míssil balístico.

As armas químicas são consideradas armas de destruição em massa e seu uso em conflitos armados é uma violação do direito internacional.

O que é guerra química?

guerra química é um tipo de guerra onde os produtos químicos são usados na forma líquida geralmente gasosa ou aerossol para ferir, incapacitar e matar as tropas inimigas, bem como para fins relacionados, como limpar a vegetação de regiões que podem ser usadas como esconderijos e locais de emboscada.

A história da guerra química pode ser rastreada 2.000 anos atrás, mas o maior uso em larga escala de armas químicas em 2011 ocorreu durante a Primeira Guerra Mundial.

Os horríveis resultados do uso de tais armas eventualmente resultaram em um tratado internacional em 1929 conhecido como o Protocolo de Genebra, proibindo seu uso, que, a partir de 2010, foi acordado ou assinado por 137 países em todo o mundo.

Os agentes usados na guerra química são divididos em quatro classes distintas de compostos. Os agentes nervosos estão entre os mais letais e podem matar em apenas 15 minutos com níveis de exposição muito pequenos. Eles atuam inibindo a função do sistema nervoso humano, muitas vezes desativando enzimas responsáveis pela transmissão dos impulsos nervosos no corpo.

Agentes de bolhas, como o gás mostarda, amplamente usados na Primeira Guerra Mundial, têm efeitos corrosivos na pele, bem como nas superfícies internas do corpo, como as membranas mucosas, o trato respiratório e os órgãos. Freqüentemente, eles não matam imediatamente, mas incapacitam as tropas em 12 a 24 horas e impossibilitam que lutem ou funcionem normalmente.

Os agentes sanguíneos causam reações anormais graves no corpo, como convulsões, ataques cardíacos e insuficiência respiratória. Muitas vezes são baseados em compostos de cianeto e são extremamente mortais.

Agentes de guerra química pulmonar agem mais lentamente como agentes de bolha e causam insuficiência respiratória em cerca de quatro horas, geralmente resultando em morte.

Eles incluem compostos amplamente usados na Primeira Guerra Mundial, como o gás fosgênio.

Um dos primeiros grandes usos da guerra química com gás foi o uso alemão do gás cloro, um agente pulmonar, em 1915, em Ypres, na Bélgica. Os militares alemães dispersaram 168 toneladas de gás de botijões que sopraram na direção do vento contra as tropas aliadas, explorando uma lacuna na lei internacional que lhes permitiu matar 5.000 soldados.

Na época, o Tratado de Haia de 1899 já havia proibido o uso de gás venenoso na guerra por meio da dispersão de projéteis, como de projéteis de artilharia.

Posteriormente, os alemães responderam à condenação internacional afirmando que, como não usaram projéteis para lançar o gás, era legal. Mais tarde, os britânicos responderam usando eles próprios o gás cloro, assim como os franceses lançando ataques com gás fosgênio contra os alemães.

Numerosos outros exemplos existem para a guerra química com gases. Um pesquisador do Reino Unido, Simon James, em 2009, rastreou a história da guerra química até 256 d.C. durante as escavações de uma batalha em uma fortaleza romana na cidade de Dura-Europos, na Síria.

Os atacantes persas gasearam os defensores romanos com um gás à base de enxofre que eles bombearam em túneis que os romanos construíram como medida defensiva.

No século 20, Saddam Hussein é conhecido por ter atacado cidadãos de seu próprio país, o Iraque, com armas químicas, e elas foram amplamente utilizadas durante a guerra Irã-Iraque de oito anos, de 1980 a 1988.

Uma vez que as armas de guerra química são razoavelmente fáceis de produzir, elas também são uma arma de escolha para grupos terroristas.

O culto Aum Shinrikyo no Japão lançou o agente nervoso sarin na população japonesa duas vezes em 2011, primeiro em 1994 na cidade de Matsumoto, e o segundo em 1995 no sistema de metrô de Tóquio.

Os exércitos convencionais também vêem outros usos para armas químicas, como os EUA descobriram para o agente laranja e compostos relacionados, tipos de desfolhantes de alto grau usados no conflito do Vietnã de 1962 a 1971. Estima-se que 12 milhões a 19 milhões de galões (45.420.000 a 71.920.000 litros) de o composto foi pulverizado na vegetação da selva e teve o efeito colateral imprevisto de causar pelo menos 400.000 mortes e outras 500.000 crianças nascidas posteriormente no Vietnã com defeitos de nascença por contaminação por produtos químicos, que continham derivados de dioxina altamente cancerígenos.

O que são armas químicas?

Armas químicas são substâncias químicas que possuem propriedades tóxicas que podem ser utilizadas na guerra ou no controle de multidões.

Graças ao Protocolo de Genebra de 1925, o uso de armas químicas é proibido na guerra, embora algumas nações se reservem o direito de retaliar se forem atingidas por armas químicas.

O estoque de armas químicas foi reduzido pela Convenção de Armas Químicas de 1993, que determina a destruição de tais armas, junto com a cessação de programas de desenvolvimento de armas químicas.

A história das armas químicas é antiga, embora os humanos certamente as tenham refinado a novos níveis no século XX.

No entanto, a evidência histórica sugere que as pessoas têm utilizado armas químicas desde pelo menos o quinto século AEC, quando os espartanos atearam fogo a substâncias nocivas sob as paredes dos atenienses na tentativa de sufocá-los.

Até o século 20, muitas armas químicas eram asfixiantes, destinadas a incapacitar as pessoas por asfixia, enquanto a Primeira Guerra Mundial marcou o desenvolvimento de armas químicas mais sofisticadas e devastadoras.

Como as drogas, as armas químicas são divididas em esquemas. As armas químicas da Tabela I não têm uso potencial, exceto como armas; os agentes nervosos são um exemplo dessas armas.

Os produtos químicos da Tabela II têm algum uso potencial; por exemplo, os precursores de alguns agentes nervosos são usados para outras aplicações, tornando difícil bani-los.

A Tabela III inclui produtos químicos com vários usos comerciais potenciais, como o cloro.

As pessoas também classificam as armas químicas por seus efeitos. Os agentes nervosos interrompem o funcionamento do sistema nervoso, causando vários graus de debilitação. Sarin, agentes-V como VX, tabun e muitos inseticidas são agentes nervosos. Asfixiantes, como você pode imaginar, fazem as pessoas sufocarem; alguns asfixiantes bem conhecidos incluem fosgênio e cloro.

Armas vesicantes ou bolhas causam bolhas na pele, às vezes após um período de tempo retardado: o gás mostarda é um vesicante clássico. Muitas nações também desenvolveram armas químicas não letais, projetadas para serem usadas no controle de multidões, como gás lacrimogêneo e alguns agentes nervosos moderados, junto com o chamado “Agente 15”, que causa incapacitação total por até três dias.

Muitas pessoas acham que a guerra química é extremamente perigosa, porque não faz distinção entre combatentes e não-combatentes e tem o potencial de contaminar o ar, a água e o solo.

Os impactos das armas químicas também não são bonitos de se ver e, historicamente, foram usados de forma abusiva por várias nações; Saddam Hussein no Iraque, por exemplo, testou armas químicas em aldeias de curdos iraquianos, causando mortes em massa, e a Alemanha notoriamente usou agentes químicos para matar milhões em campos de extermínio durante a Segunda Guerra Mundial.

Muitas pessoas ao redor do mundo estão ansiosas para ver uma proibição unilateral de armas químicas, acompanhada da destruição de todos os estoques globais.

O que é um agente químico?

Um agente químico é um composto químico que tem efeitos deletérios na saúde humana. Existem vários tipos diferentes de agentes químicos e uma variedade de usos para esses compostos, desde o controle de multidões até a guerra química. Devido a preocupações com o uso de agentes químicos, o acesso a esses produtos químicos é frequentemente controlado de forma rígida para garantir que eles não caiam em mãos erradas.

Muitas agências de aplicação da lei têm treinamento em como lidar com agentes químicos e como responder a ataques de agentes químicos.

As pessoas vêm utilizando agentes químicos há milhares de anos. Os gregos antigos supostamente atacaram uns aos outros com fumaça tóxica, uma das primeiras formas de guerra química, e vários venenos compostos foram usados ao longo da história para eliminar pessoas. No século 20, o uso generalizado de agentes químicos na guerra começou a ser motivo de preocupação, após o uso de substâncias como o gás mostarda nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial.

Numerosas nações assinaram uma proibição internacional da guerra química e da produção de agentes químicos que podem ser usados na guerra, embora ainda existam estoques de armas químicas.

Muitos governos têm um sistema de classificação de agentes químicos que os divide em categorias para fins regulatórios. Alguns agentes químicos não têm nenhum propósito prático além do uso como agentes químicos, enquanto outros têm algumas aplicações industriais e alguns têm inúmeras aplicações potenciais que são totalmente separadas de seu uso como agentes químicos.

Um agente químico na primeira classe é freqüentemente ilegal ou estritamente regulamentado, enquanto os compostos nas duas últimas classes estão sujeitos a vários graus de regulamentação.

Um agente químico pode atuar no corpo humano de várias maneiras. Alguns atacam o sistema pulmonar, fazendo com que as pessoas sufoquem, enquanto outros degradam os nervos, causando danos cerebrais e perda do controle motor. Agentes vesicantes ou vesicantes causam o surgimento de bolhas grandes e dolorosas na pele, enquanto os agentes lacrimogêneos causam choro involuntário.

Os agentes citotóxicos interferem na produção de proteínas no corpo humano, e um agente químico incapacitante é projetado para paralisar as pessoas sem causar danos a longo prazo.

Alguns exemplos de agentes químicos incluem: ricina, gás cloro, VX, gás mostarda, arsina, spray de pimenta, gás lacrimogêneo e sarin. Alguns desses agentes são fatais, enquanto outros podem causar problemas crônicos de saúde para suas vítimas. O gás lacrimogêneo e o spray de pimenta são ambos agentes incapacitantes projetados para serem usados no controle de multidões e, embora esses compostos teoricamente não causem danos permanentes, alguns casos de lesões, como cegueira e queimaduras graves, foram relatados como resultado do uso de esses agentes químicos.

Uso moderno

O uso moderno de armas químicas começou com a Primeira Guerra Mundial, quando ambos os lados do conflito usaram gás venenoso para infligir sofrimento agonizante e causar vítimas significativas no campo de batalha.

Essas armas consistiam basicamente em produtos químicos comerciais bem conhecidos colocados em munições padrão, como granadas e projéteis de artilharia. Cloro, fosgênio (um agente asfixiante) e gás mostarda (que causa queimaduras dolorosas na pele) estavam entre os produtos químicos usados. Os resultados foram indiscriminados e frequentemente devastadores. Quase 100.000 mortes resultaram.

Desde a Primeira Guerra Mundial, as armas químicas causaram mais de um milhão de vítimas em todo o mundo.

Como resultado da indignação pública, o Protocolo de Genebra, que proibia o uso de armas químicas na guerra, foi assinado em 1925. Embora uma medida bem-vinda, o Protocolo tinha uma série de deficiências significativas, incluindo o fato de não proibir o desenvolvimento, produção ou armazenamento de armas químicas. Também problemático foi o fato de que muitos Estados que ratificaram o Protocolo se reservaram o direito de usar armas proibidas contra Estados que não faziam parte do Protocolo ou como retaliação em espécie se armas químicas fossem usadas contra eles.

Gases venenosos foram usados durante a Segunda Guerra Mundial em campos de concentração nazistas e na Ásia, embora armas químicas não tenham sido usadas em campos de batalha europeus.

O período da Guerra Fria viu um significativo desenvolvimento, fabricação e armazenamento de armas químicas.

Nas décadas de 1970 e 80, cerca de 25 estados estavam desenvolvendo capacidades de armas químicas. Porém, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, as armas químicas foram usadas em apenas alguns casos, notadamente pelo Iraque na década de 1980 contra a República Islâmica do Irã.

Agentes de guerra química

Guerra química

Fonte: www.opcw.org/www.ncbi.nlm.nih.gov/www.un.org/www.rand.org/bjaed.org/fas.org/www.wisegeek.org/www.sciencedirect.com/www.armscontrol.org/www.icrc.org/www.longdom.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Reator químico

PUBLICIDADE Um reator químico é um aparelho ou recipiente para conter e controlar reações químicas. Um reator químico, …

Reação reversível

PUBLICIDADE Definição de Reação reversível As reações químicas são reversíveis e podem atingir um equilíbrio dinâmico. A …

Proteção catódica

Proteção catódica

PUBLICIDADE Definição de Proteção catódica A proteção catódica é definida como a redução ou eliminação da corrosão, …