Breaking News
Home / Química / Teoria atômica

Teoria atômica

Teoria atômica – Definição

PUBLICIDADE

John Dalton (1766-1844) é o cientista creditado por propor a teoria atômica.

Essa teoria explica vários conceitos que são relevantes no mundo observável: a composição de um colar de ouro puro, o que torna o colar de ouro puro diferente de um colar de prata pura e o que ocorre quando ouro puro é misturado com cobre puro.

Em química, qualquer uma das várias teorias que descrevem a estrutura, o comportamento e outras propriedades do átomo e suas partes componentes.

O que é teoria atômica?

A teoria atômica é a ideia de que a matéria é composta de pequenas unidades chamadas átomos. Quando o antigo filósofo grego Demócrito teve a ideia no século 5 a.C, originalmente se referia a unidades indivisíveis.

Em 1897, o cientista britânico J.J. Thomson descobriu que os átomos são, na verdade, compostos de partículas menores.

Hoje, essa teoria se refere à matéria sendo composta de unidades que são indivisíveis apenas algumas vezes. As exceções incluem plasmas, como fogo, outros arranjos iônicos, como os encontrados no corpo, materiais radioativos e muitos mais.

Teoria atômica
A teoria atômica afirma que toda matéria é composta de minúsculos átomos

Embora a teoria atômica hoje seja uma pedra angular familiar da ciência moderna, como a teoria dos germes ou a evolução, ao longo da maior parte da história humana, as pessoas acreditavam que a matéria provavelmente era contínua e poderia ser dividida em quantidades arbitrariamente pequenas.

Só em 1803, ou possivelmente um pouco antes, o químico inglês John Dalton reviveu a velha ideia e a usou para resolver vários problemas que os químicos enfrentavam na época.

Em vez de qualquer experimento que levou à ideia, surgiu da análise de vários experimentos envolvendo as propriedades de gases e reações químicas.

Sua teoria foi popularizada e confirmada experimentalmente ao longo do início do século XIX.

A teoria atômica de Dalton tinha cinco pontos principais:

– Toda matéria consiste em partículas minúsculas chamadas átomos.
– Todos os átomos de um determinado elemento são idênticos entre si.
– Todos os átomos de um determinado elemento são diferentes dos de outros elementos.
– Os átomos de um elemento combinam-se com outros elementos para criar compostos. Eles sempre se combinam em quantidades iguais.
– Os átomos não podem ser criados, divididos ou destruídos.

A maior parte do acima ainda é aceita pelos cientistas hoje, exceto por alguns pontos. Em primeiro lugar, a descoberta da fusão/fissão nuclear e da radioatividade motivou a revisão do ponto # 2.

Os isótopos provam que átomos do mesmo elemento podem, na verdade, ter pequenas diferenças devido a um número diferente de nêutrons. Além disso, a existência de íons com vários números de elétrons também contradiz este ponto.

O quinto ponto também é invalidado pela física nuclear, uma vez que os átomos podem de fato ser destruídos em reações em cadeia nuclear.

O segundo item do ponto # 4 também é bastante incorreto, pois, por exemplo, água é H2O, não HO. Sua insistência em que os átomos se combinam em quantidades iguais para criar compostos impediu a aceitação de sua teoria por anos. Apesar disso, do ponto de vista de hoje, Dalton contribuiu notavelmente para sua época, e seu nome continua a ser reverenciado por sua associação com a teoria.

Teoria Atômica Primitiva

Teoria atômica
Teoria Atômica de Dalton

Embora a ideia do átomo tenha sido sugerida pela primeira vez por Demócrito no século IV aC, suas suposições não foram úteis para explicar os fenômenos químicos, porque não havia nenhuma evidência experimental para apoiá-los.

Foi só no final dos anos 1700 que os primeiros químicos começaram a explicar o comportamento químico em termos do átomo.

Joseph Priestly, Antoine Lavoisier e outros prepararam o terreno para a fundação da química. Eles demonstraram que as substâncias podem se combinar para formar novos materiais.

Foi o químico inglês John Dalton quem juntou as peças do quebra-cabeça e desenvolveu uma teoria atômica em 1803.

A teoria atômica de Dalton contém cinco suposições básicas:

Toda matéria consiste em minúsculas partículas chamadas átomos. Dalton e outros imaginaram os átomos que compunham toda a matéria como pequenas esferas sólidas em vários estágios de movimento.
Os átomos são indestrutíveis e imutáveis. Os átomos de um elemento não podem ser criados, destruídos, divididos em pedaços menores ou transformados em átomos de outro elemento. Dalton baseou essa hipótese na lei da conservação da massa, conforme declarado por Antoine Lavoisier e outros por volta de 1785.
Os elementos são caracterizados pelo peso de seus átomos. Dalton sugeriu que todos os átomos do mesmo elemento têm pesos idênticos. Portanto, cada átomo de um elemento como o oxigênio é idêntico a todos os outros átomos de oxigênio. No entanto, átomos de elementos diferentes, como oxigênio e mercúrio, são diferentes uns dos outros.
Nas reações químicas, os átomos se combinam em pequenas proporções de números inteiros. Experimentos que Dalton e outros realizaram indicaram que as reações químicas ocorrem de acordo com relações átomo a átomo que eram precisas e bem definidas.
Quando os elementos reagem, seus átomos podem se combinar em mais de uma razão de número inteiro. Dalton usou essa suposição para explicar por que as proporções de dois elementos em vários compostos, como o oxigênio e o nitrogênio nos óxidos de nitrogênio, diferiam entre si.

teoria atômica de John Dalton foi geralmente aceita porque explicava as leis de conservação da massa, proporções definidas, proporções múltiplas e outras observações. Embora as exceções à teoria de Dalton sejam agora conhecidas, sua teoria resistiu razoavelmente bem, com modificações, ao longo dos anos.

História da Teoria Atômica de Dalton

Embora o conceito de átomo remonte às idéias de Demócrito, o meteorologista e químico inglês John Dalton formulou a primeira descrição moderna dele como o bloco de construção fundamental das estruturas químicas.

Dalton desenvolveu a lei das proporções múltiplas (apresentada pela primeira vez em 1803) estudando e expandindo as obras de Antoine Lavoisier e Joseph Proust.

Proust estudou os óxidos de estanho e descobriu que suas massas eram 88,1% de estanho e 11,9% de oxigênio ou 78,7% de estanho e 21,3% de oxigênio (estes eram óxido de estanho (II) e dióxido de estanho, respectivamente). Dalton observou, a partir dessas porcentagens, que 100g de estanho combinam-se com 13,5g ou 27g de oxigênio; 13,5 e 27 formam uma proporção de 1:2.

Dalton descobriu que uma teoria atômica da matéria poderia explicar com elegância esse padrão comum na química – no caso dos óxidos de estanho de Proust, um átomo de estanho se combinaria com um ou dois átomos de oxigênio.

Dalton também acreditava que a teoria atômica poderia explicar por que a água absorveu gases diferentes em proporções diferentes: por exemplo, ele descobriu que a água absorve dióxido de carbono muito melhor do que absorve nitrogênio. Dalton hipotetizou que isso era devido às diferenças na massa e complexidade das respectivas partículas dos gases.

Na verdade, as moléculas de dióxido de carbono (CO2) são mais pesadas e maiores do que as moléculas de nitrogênio (N2).

Dalton propôs que cada elemento químico é composto de átomos de um tipo único e único e, embora eles não possam ser alterados ou destruídos por meios químicos, eles podem se combinar para formar estruturas mais complexas (compostos químicos).

Como Dalton chegou às suas conclusões por meio da experimentação e do exame dos resultados de uma forma empírica, isso marcou a primeira teoria verdadeiramente científica do átomo.

Fonte: chem.libretexts.org/www.abcte.org/www.wisegeek.org/courses.lumenlearning.com/saylordotorg.github.io/dr282zn36sxxg.cloudfront.net

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Bico de Bunsen

Bico de Bunsen

PUBLICIDADE O que é um Bico de Bunsen? Um bico de Bunsen é um dispositivo de laboratório …

Noradrenalina

PUBLICIDADE Noradrenalina – Definição Produto químico produzido por algumas células nervosas e na glândula adrenal. …

Produto Químico

PUBLICIDADE Produto químico – Definição Um produto químico é qualquer substância que consiste em matéria. Isso inclui …