Breaking News
Home / Biografias / Aníbal

Aníbal

Aníbal, o General que derrotou Roma

PUBLICIDADE

Aníbal é considerado o maior gênio da Estratégia em toda a História. E não é exagero.

Suas campanhas e batalhas são estudadas até hoje na Academia Militar de Sandhurst, na Inglaterra, em West Point, nos Estados Unidos, e na Academia Militar das Agulhas Negras, no Brasil, entre outras. Passados mais de 2.200 anos desde que ele derrotou Roma de forma esmagadora, o fato de sua estratégia ainda ser estudada é prova de seu gênio como líder, general, e estrategista.

Ele nasceu em Cartago, em 247 A.C. e faleceu em 183. A.C. com 64 anos. Cartago era uma colônia Fenícia no norte da África. A colônia se desenvolveu e chegou a dominar um território em volta do Mediterrâneo maior do que o que Roma controlava na época.

Aníbal viveu durante um período de tensão no Mediterrâneo, quando Roma era uma República (isso foi bem antes de César e dos Imperadores. Para você ter uma idéia de tempo, Cesar nasceu cerca de 147 anos depois de Aníbal nascer, e Augusto, o Primeiro Imperador, assumiu o Governo cerca de 220 anos depois de Aníbal nascer).

Uma das frases mais famosas de Aníbal é: “Ou encontraremos um caminho, ou faremos um.”

Esta frase mostra bem quem foi Aníbal.

O pai de Aníbal chamava-se Amílcar Barca, e também foi um grande general, tendo comandado o exército de Cartago durante a Primeira Guerra Púnica (264 a 241 A.C.) , entre Roma e Cartago. O nome de “Guerra Púnica” vem do fato de que os Romanos chamavam os Cartagineses de “Poeni” ou “Fenícios” (vê como conhecer um pouco de Latim é útil?). A vida e a alma de Amilcar ficaram marcadas pela derrota para os Romanos. Quando o pequeno Aníbal tinha apenas 10 anos, seu pai o levou ao templo do deus Melcarte (Hércules ou Heracles) e o fez jurar que jamais seria amigo dos Romanos. Logo em seguida, ele foi levado pelo pai para a Península Ibérica, onde Amílcar concentrou as forças de Cartago para conseguir dominar as tribos Hispânicas e aumentar o poder de Cartago.

Dos dez anos em diante ele viveu a vida de militar, acompanhando o pai e aprendendo a ser um bom militar, um líder e um estrategista. Quando Amílcar Barca morreu em combate, o cunhado de Aníbal, Asdrúbal, assumiu o comando das tropas. E quando Asdrúbal por sua vez foi assassinado, em 221 A.C., Aníbal foi aclamado chefe do exército e governador da Hispania. Ele tinha apenas 26 anos.

A partir do momento em que assumiu o comando do exército cartaginês, Aníbal começou a se preparar para enfrentar os Romanos. Seu cunhado Asdrúbal havia assinado um tratado com os Romanos segundo o qual os Cartagineses ocupariam a região ao sul do Rio Ebro, e os Romanos a região ao Norte.

No entanto, os Romanos resolveram declarar a cidade de Saguntum como Protetorado Romano. Ocorre que Saguntum ficava no território que o tratado havia designado para Cartago. Aníbal achara o motivo que procurava para irritar e provocar os Romanos. Resolveu então sitiar a cidade.

Mesmo antes de chegar com seu exército lá, os Romanos enviaram dois embaixadores para avisá-lo que qualquer ataque a Saguntum seria considerado uma agressão a Roma (esse truque já foi usado várias vezes nos últimos dois mil anos…).

Aníbal recebeu-os e calmamente declarou que estava ciente. E continuou a avançar para sitiar Saguntum.

Os embaixadores foram a Cartago, na África, e perante o Senado Cartaginês apresentaram o ultimato: Se Saguntum fosse atacada, Roma entraria em guerra de novo contra Cartago – seria a Segunda Guerra Púnica.

O Senado de Cartago ouviu-os e declarou: “Então estamos em guerra.”

Aníbal sitiou Saguntum por oito meses e finalmente tomou a cidade e a saqueou, como era costume na época – os soldados eram pagos com os resultados dos saques e a venda dos habitantes como escravos.

Ele então decidiu atacar os Romanos da forma mais surpreendente e inesperada. Marchando através da Espanha, cruzando os Pirineus, atravessando a Gália (França), os Alpes, entrando na Itália pelo Norte, onde os Romanos acreditavam que as altas montanhas os protegiam, e descendo até o vale do rio Po (onde as tropas brasileiras lutaram durante a Segunda Guerra, mas isso já é outra história…).

Saiu da cidade de Nova Cartago (hoje Cartagena) em 218 A. C. com um exército de 75.000 homens na infantaria, 9.000 na cavalaria e 36 elefantes de guerra.

Vale lembrar que naquela época ainda não havia sido inventado o estribo, uma das invenções mais revolucionárias na arte da guerra. O estribo permitiu à cavalaria firmar-se no animal e avançar com longas lanças e tornar-se uma arma pesada. Então naquela época os cavaleiros se mantinham a galope apenas com a forca das pernas.

Os elefantes de guerra eram totalmente desconhecidos na Europa, e tinham um efeito nas tropas Romanas semelhante ao de tanques de guerra atuais sobre grupos de infantaria. Até os cavalos romanos entravam em pânico, nunca tendo visto aquelas estranhas e enormes criaturas.

Aníbal deixou cerca de 11.000 homens na base dos Pirineus, e prosseguiu a marcha com 50.000 homens de infantaria e 9.000 de cavalaria. Ao longo da rota tiveram de enfrentar as tribos Hispânicas que o atacavam usando táticas de guerrilha nas montanhas, mas conseguiram ganhar os Gauleses como aliados.

Conseguiram atravessar os Alpes, enfrentando neve, frio, tempestades (lembre que os cartagineses eram originários da África, sem experiência em climas frios, nem agasalhos proteção para frio e neve). Finalmente o exercito de Cartago desceu os Alpes e chegou à Itália com 28.000 homens de infantaria, 6.000 de cavalaria e 30 elefantes. Nunca um exército havia atravessado os Alpes no inverno, com elefantes e cavalos, e essa manobra de Aníbal é considerada uma façanha de tenacidade e de liderança.

Enquanto isso, os Romanos planejavam atacar Cartago. Mas a súbita aparição das tropas de Aníbal ao norte de Roma pôs por terra todo o planejamento de Roma. Agora seria necessário defender o território Italiano e Latino. E a própria cidade de Roma. Os Romanos enviaram uma legião sob o comando de Publius Cornelius Scipio para enfrentar Aníbal, e foram derrotados na batalha de Ticinus, no norte da Península Italiana.

É importante guardar o nome desse general romano, pois apesar de ter sido derrotado, ele é o pai de Publius Cornelius Scipio Major, que no final dessa história você vai saber que foi o general que derrotou Aníbal e destruiu Cartago, depois de muitas derrotas sofridas pelos romanos. Um aspecto interessante sobre os romanos é a capacidade que sempre tiveram de aprender com as derrotas e com o inimigo, tanto em estratégia, com tática, como em armamento. O gládio romano, usado pelos legionários e que deu origem ao termo gladiador, na verdade era usado pelas tribo hispânicas.

Roma era derrotada, e isso ocorreu várias vezes. Mas nunca aceitava a derrota como definitiva. Os romanos tinham uma formação e uma mentalidade extremamente pragmática, então depois das derrotas se reuniam para analisar as batalhas, os erros e acertos, deles e dos inimigos, e definir mudanças para não deixar ocorrer de novo a mesma situação. Esse tipo de mentalidade teria ajudado os Estados Unidos, principalmente depois da guerra do Vietnam, a evitar a guerra do Iraque… Por isso Roma foi um Império que durou mais de dois mil anos, e o Império Americano, que não aprende Historia nem a valoriza, deve durar cinqüenta anos.

Já os Cartagineses tinham uma vantagem diferente. Os Cônsules romanos eram eleitos e ficavam no comando do exército por apenas um ano, já que os romanos tinham pavor de que alguém tentasse de novo assumir o titulo de rei (foi esse pavor que levou os senadores a assassinarem César). Os comandantes cartagineses eram profissionais que passavam toda sua vida adulta como militares, que era considerada uma carreira de grande honra. Os generais cartagineses podiam aprender e vivenciar mais lições ao longo de sua carreira.

Mas voltando a Aníbal. Após a vitoria sobre P. C. Scipio, ele conseguiu fazer alianças com os Gauleses do norte da Itália e com isso aumentar sua força. Os romanos estavam cada vez mais apavorados. Haviam enviado um Cônsul, Sempronius Longus, para a Sicilia a fim de prepara uma invasão de Cartago, e tiveram de chamá-lo às pressas para defender o território romano. As forças de Scipio e de Sempronius Longus se uniram e enfrentaram Aníbal na batalha de Trebia. Os soldados romanos não haviam se alimentado, estavam fracos, e tiveram de cruzar a nado um rio quase congelado. Mas, além disso, mais uma vez demonstrando seu gênio estratégico, Aníbal fez com que seu irmão Mago atacasse os Romanos por trás, enquanto ele os enfrentava de frente. Os romanos perderam 20.000 homens de um exército de 40.000. Tiveram de bater em retirada.

Enquanto isso, os gauleses aderiam ao exercito de Aníbal, levando o total a cerca de 60 mil homens.

Com a tenacidade de sempre, o Senado Romano organizou dois novos exércitos em 217 A.C. para enfrentar Aníbal. Um deles comandado pelo Cônsul Gnaeus Servilius Geminus e o outro pelo Cônsul Gaius Flaminius (todos os anos o Senado elegia dois Cônsules, os dois com os mesmos poderes, mais uma vez para evitar que um único homem governasse Roma).

O exército de Flaminius marchou para o sul e acampou na cidade de Arretium. Aníbal, que estava mais ao sul, subiu e deu a volta em torno do exército de Flaminius. Esta é considerada a primeira vez em que na história militar foi registrado um movimento deliberado de contornar o inimigo.

Aníbal queria provocar Flaminius para um enfrentamento. Mas o romano não se movia. Então o Cartaginês começou a destruir e arrasar as vilas e cidades da região, o que provocou pressões dos habitantes para que o Cônsul assumisse a ofensiva. Finalmente ele se decidiu e avançou.

E caiu em mais uma armadilha de Aníbal.

Havia um lago na região chamado Trasimene. Aníbal sabia que as tropas romanas teriam de passar por uma estrada que margeia o lago. Colocou seus homens fora da estrada, escondidos no mato e na floresta, em silencio absoluto – imagine 40 mil homens na floresta, imóveis e silenciosos. Imagine a disciplina deste exercito.

Como a estrada era estreita, os romanos não podiam avançar em formação de combate com suas legiões, divididas em coortes. Tinham de marchar em ritmo acelerado e mais preocupados em rapidez do que com segurança.

No momento adequado, as trombetas cartaginesas soaram e os homens de Aníbal caíram sobre os romanos com toda a fúria, e foi um massacre. Os romanos foram empurrados literalmente para dentro do lago.

Em três horas todo o exercito romano foi aniquilado. De um total de 36.000 homens, apenas 10.000 conseguiram regressar a Roma, os outros 26.000 foram mortos, ou se afogaram no lago, ou capturados pelos cartagineses. O próprio Flaminius foi morto por um gaulês, Ducarius. As perdas de Aníbal não chegaram a 1.500 homens. Aníbal havia planejado e executado a maior manobra de emboscada da história.

Em Roma a notícia causou um verdadeiro pânico, a tal ponto que apesar de sua aversão ao governo de um homem só, os romanos elegeram como Dictator Quintus Fabius Maximus, que passou a adotar uma estratégia de evitar combates com os cartagineses. Preferia evitar batalhas e tentar uma estratégia de desgaste contra Aníbal. Este então ficou livre para tomar a Apulia até que os romanos encerraram a Ditadura e elegeram como Cônsules Aemilius Paulus e Gaius Terentius Varro. Estes dois iriam levar Roma a sua pior derrota em todos os tempos, a batalha de Canas.

Mesmo que você não se interesse muito por estratégia e história militar, vale a pena conhecer pelo menos a história desta batalha, que talvez seja a mais estudada da história, a mais famosa, a mais genial, e que serviu de base para a estratégia alemã na Primeira Guerra, na Segunda Guerra, e em outras. Até na Guerra do Golfo ela foi aplicada. Portanto, se em toda sua vida você for conhecer apenas uma batalha, deve ser a de Canas.

Vou tentar descrever de forma simplificada o que aconteceu. Além disso, aqui ao lado você tem duas figuras mostrando a disposição das tropas no inicio e ao final da batalha.

Os romanos se colocaram em sua tradicional formação de batalha, com as legiões em três linhas de frente. A cavalaria ficava no lado direito e no esquerdo, para proteger a infantaria. Os cartagineses se colocaram um pouco diferentes, como você pode ver na figura, eles estão em azul. Ficaram com uma formação parecida com uma seta, com os lados recuados e o meio avançado. Dos lados, como os romanos, Aníbal colocou cavalaria à direita e à esquerda. Mas com um toque de gênio – um dos lados bem mais forte.

Os romanos resolveram atacar dos dois lados com a cavalaria. Nessa hora, o lado em que a cavalaria cartaginesa era mais forte conseguiu destruir a cavalaria romana e colocá-los em fuga. (Na figura é o lado esquerdo de Aníbal, onde você vê dois retângulos com uma diagonal, simbolizando uma massa dupla de cavaleiros.)

Quando a cavalaria de Aníbal conseguiu destruir a dos romanos no lado esquerdo, em lugar de ficar parada, ou de atacar a infantaria, fez uma manobra incrível.

Aproveitando que a cavalaria romana havia fugido, avançou e passou por trás das tropas romanas!

E foi se unir com a cavalaria Númida, do outro lado da cavalaria cartaginesa!

As duas cavalarias, unidas, destruíram o que restava da cavalaria romana, no outro flanco.

Sem cavalaria para defender os flancos dos romanos, os cartagineses puderam agora usar sua forte cavalaria e atacar os romanos por trás, enquanto a infantaria de Aníbal os atacava pela frente.

Ao mesmo tempo, Aníbal deu ordens para que o centro de sua infantaria recuasse, criando uma cilada para os Romanos, que com isso acharam que estavam pondo os gauleses da infantaria de Aníbal em fuga. Os romanos do centro avançaram, e os dois lados da infantaria cartaginesa se fecharam sobre eles como uma pinça.

Assim Aníbal conseguiu fechar os romanos em um espaço cada vez menor, espremendo-os entre sua infantaria na frente e sua cavalaria por trás. E foi apertando o cerco, e os romanos perdendo espaço para manobrar, e os cartagineses destruindo cada vez mais o exercito de Roma.

Os romanos haviam iniciado a batalha com 87.000 homens. Cerca de 75.000 romanos foram mortos ou capturados em Canas, incluindo o Cônsul Lucius Aemilius Paullus, e oitenta Senadores Romanos (o Senado nesta época tinha 300 Senadores). Os cartagineses tinham 39.000, ou menos da metade. Os cartagineses perderam um total de 16.000 homens. Em termos de perda de vidas em um único dia, Canas está entre as 30 batalhas com mais perdas da história da humanidade.

Contam que antes da batalha um oficial cartaginês chamado Gisgo comentou com Aníbal que o exercito romano era bem maior. Aníbal teria respondido “um detalhe que você não percebeu, Gisgo, é ainda mais incrível – é que apesar deles serem tantos, não existe entre eles nenhum que se chame Gisgo.”

Roma entrou em estado de choque, declarou um dia oficial de luta, já que todos os cidadãos tinham pelo menos um parente ou amigo que morrera em Canas.

Ficaram completamente perdidos.

Naquela época os romanos usavam como sinal de aristocracia um anel de ouro. Aníbal mandou recolher os anéis de ouro no campo de Canas e enviou para Cartago mais de 200 anéis de ouro como prova de sua vitoria. Seu emissário despejou um saco cheio de anéis no chão do Senado de Cartago, provocando espanto entre os Senadores.

Aníbal havia derrotado na campanha da Itália o equivalente a oito exércitos consulares. Em três campanhas, Roma havia perdido um quinto de todos os cidadãos com mais de dezessete anos de idade. Todo o sul da Itália se aliou a Aníbal. As cidades gregas da Sicilia se revoltaram contra Roma, e o rei da Macedônia, Filipe V, se aliou a Aníbal, iniciando a Primeira Guerra Macedônia contra Roma.

Logo após a batalha, o comandante da cavalaria cartaginesa, o veterano Maharbal, que havia sido um dos heróis de Canas, insistiu com Aníbal para que avançassem sobre a cidade de Roma imediatamente, aproveitando o estado de choque em que ficaram os romanos.

Aníbal teria respondido: “Elogio seu empenho, mas necessito de tempo para avaliar o que você propõe.” Maharbal teria respondido “Realmente, nenhum homem foi abençoado pelos deuses com todas as bênçãos. Você, Aníbal, sabe como obter uma vitoria; mas não sabe com utilizá-la”.

A frase em Latim, que ficou famosa, é “Vincere scis, Hannibal; victoria uti nescis.”

Mas na verdade Aníbal tinha boas razões, suas perdas haviam sido pesadas também. Com o que lhe restava não teria sido possível tomar Roma, que ainda dispunha de um grande numero de homens dentro da cidade para resistir.

Logo após Canas, Aníbal enviou uma delegação ao Senado Romano para oferecer uma paz em termos razoáveis. Apesar da inúmeras catástrofes, o Senado recusou-se a negociar. Aqui se pode ver uma das características que fizeram Roma ser o maior Império do mundo e durar milênios. Em vez de negociar, o Senado recrutou novas legiões.

A palavra “Paz” foi proibida. O luto foi estipulado a no máximo trinta dias, e lágrimas em público permitidas apenas para as mulheres. Os romanos haviam aprendido e iriam aplicar os ensinamentos. Pelo restante da campanha na Itália não iriam mais aceitar batalhas em campo aberto com Aníbal. Iriam usar a estratégia de atrito e desgaste das forças cartaginesas.

Finalmente, o Senado enviou uma força expedicionária sob o comando de Publius Cornelius Scipio Major para a África. Como a maior parte do exército cartaginês estava na Itália com Aníbal, os romanos conseguiram várias vitórias em torno de Cartago, e o Senado Cartaginês resolveu ordenar a Aníbal que voltasse para defender sua terra.

No dia 19 de Outubro de 202 A.C. Scipio enfrentou Aníbal na Batalha de Zama, perto de Cartago, e o venceu, pondo fim a uma guerra de 17 anos, e praticamente encerrando a carreira militar de Aníbal.

A persistência e a determinação romanas haviam vencido mais uma vez.

Scipio a partir daí adotou o nome de Publius Cornelius Scipio Africanus Major, adicionando como era o costume o Cognomem “Africanus” para lembrar seus feitos na África.

Ao ser derrotado por Scipio, Aníbal ainda estava com 43 anos. Foi eleito magistrado em Cartago, mas sob pressão de Roma, 14 anos após a batalha de Zama, partiu para um exílio voluntário em Tyro, a cidade-mãe de Cartago, e em seguida em Efeso, onde foi recebido pelo rei Antiochus III da Síria, que estava preparando-se para uma guerra contra Roma.

Depois foi para Creta, em seguida para a Ásia Menor. Os Romanos ainda o consideravam e temiam, e continuavam perseguindo-o. Aníbal, no entanto, estava decidido a nunca ser capturado por seus velhos inimigos. Em Libissa nas margens orientais do Mar de Marmara, ele tomou veneno, que sempre carregava consigo em um anel.

Por coincidência, Aníbal morreu no mesmo ano em que Scipio Africanus.

Anibal – Vida

247 – 183 a. C.

Hannibal, (nascido em 247 aC, o Norte de África, morreu c. 183-181 aC, Libyssa, Bitínia [perto de Gebze, Turquia]), general cartaginês, um dos grandes líderes militares da antiguidade, que comandou as forças cartaginesas contra Roma no Segunda Guerra Púnica (218-201 aC) e que continuou a se opor a Roma e seus satélites até sua morte.

Hannibal foi o filho do grande general cartaginês Amílcar Barca.

Aníbal era um brilhante general,que criou muitas táticas fantásticas de guerra que sao usadas ate hoje.

Ele aprendeu a cultura grega,atraves de um serviçal de seu pai,um espartano.

Aprendeu táticas do eterno imperador Alexandre Magno.

Seu pai dirigia a guerra com roma bem antes dele assumir funções de General,ele jurou diante de seu pai odio eterno e que ele derramaria sangue romano,e lutaria ate a morte contra seus inimigos: Os Romanos.

Como ele foi colocado nas guerras Púnicas?

Em 265a.c. Roma era uma cidadezinha pequena feita de barro,que nao chegava aos pés de cartago,Mas Roma tinha ambição então, depois de dominar quase toda Peninsula Italica Roma queria mais, e isto custaria as riquezas de uma potencia do mundo antigo,rica e linda assim era cartago a cidade que todas as civilizações invejavam.

Cartago ficava numa dominava posições estratégicas, e por isso dominava o Mediterrâneo, mas para dominar um mar precisa-se de uma marinha forte , assim era a marianha cartaginesa , os melhores homens e os melhores barcos, e uma posição geografia , que ,assegurava riquezas ,pois dominava a entrada e saida de bens para Itália , Norte da África , Ásia e também da península ibérica.

Entao voce se pergunta por que os Romanos ganharam a guerra?

Por que Cartago fez o pior erro que podia fazer, perder seus projetos de seus navios

Os barcos cartagineses eram organizados num tipo de alfabeto:

A – Primeira Parte
B –
Segunda Parte

E assim por diante , assim facilitavam a vida dos constrtures que , podiam construir os barcos aonde fossem , mas Roma teve uma grande sorte pois um barco catagines encalhou na costa da Sicilia , entao Roma teve acesso aos melhores barcos de guerra da epoca.

Com este segredo em maos os romanos em 2 meses fizeram uma marinha forte o suficiente para confrontar a superpotencia africana , e assim Roma nao perdeu tempo e construiu em 2 meses 120 navios de guerra.

Anibal queria provocar a guerra e assim como provocaçao atacou a cidade de Saguntun na Espanha , Provocou os romanos que embora nao dominasse tinham uma area de atuaçao.

As duas superpotencias tinha uma acordo e ele foi desrespeitos por Anibal.

Uma coisa que voces tem que saber que alem da genialidade de anibal outra característica chamava mais atençao.A Imprevisibilidade.

Todos achavam que Anibal ficaria na espanha para lutar e os romanos estavam preocupados pois ja dominavam o mar e a Italia era Protegida pelos Alpes espanhóis.

Mas eles estavam errados.

Travessia dos Alpes

Anibal fez uma das coisas mais impressionantes ate hoje atravessar os alpes com 50 mil homens e 37 elefantes , uma travessia dificil varias toneladas de alimentos e muitos litros de agua.
Uma coisa era mais difícil ainda os soldados nao eram oficiais cartagineses pois eles nao tinham um exercito fixo , eram mercenarios , em tese ficariam insatisfeitos mais facilmente , mas Anibal liderava seus soldados com destreza dava o exemplo , comia da msm comida e dormia no chao como seus homens , axo que foi isso que conseguiu fazer com que o general tomasse o controle dos seus homens.
A travessia custou a metade do exercito , com ataques gauleses e pelo frio, os homens nao resistiam a temperaturas tao baixas.

Chegando na Italia

Anibal conseguiu formar uma força de combate formidavel , seus mercenarios dos mais diversos paises tinha formas de lutar diferentes que davam vantagem aos romanos.
Soldados Numidias , Ibéricos,Africanos reuniam tecnicas diferentes de combate, e os elefantes que baixariam a moral dos inimigos.
Ele tinha a disposição um exercito muito experiente , pois lutar era seu trabalho.
Os soldados Iberos usavam a falcata, a espada em forma de curva e composta por um ferro muito resistente , pois ele era enterrado e ficava quase 2 anos la , entao apenas a parte forte do ferro resistia entao o ferro era extremamente bom.
Os Fundeiro Baleares tambem era usados, recebia pagamento em mulheres.
Cavalaria Numidia, usavam cavalos rápidos, jogavam as lanças e saiam em seguida , quase nao tinham baixas .
Os elefantes eram armas imprevisiveis , pois era embebedados antes da luta , e eram mortos caso ficassem desesperados.
Anibal era tao abilitoso como general por fazer o inesperado.

O enfrentamento

O exercito romano era gigante bem maior que o cartagines e agora eles combatiam no sul da Itália .
Anibal mandou seus homens fazerem fila unica par enfrentar o exercito romano.
Pois o exercito romano lutava em posiçoes retangulares.
E nos cantos colocou mais uma porçao de infantaria e tambem colocou sua enorme cavalaria nos flancos , assim como uma linha maleavel a infantaria cercou a grande quantidade de romanos e assim massacrou o enorme numero de romanos.
A estratégia de Anibal era cercar os romanos a tempo, por que suas linhas foram empurradas e assim foram cercados e massacraos.
Mas a guerra so termina quando um lado pede a rendiçao e esse foi uma das bobeiras que os cartagineses deram.
E os romanos nao aceitaram a derrota.

COMO OS ROMANOS VENCERAM ANIBAL?

Eles venceram evitando ataques, por 14 anos eles vagaram na península itálica sem nenhum tipo de combate de os soldados gostam de combater e vencer , com isso a qualidade e a quantidade do exercito cartagines caiu, por outro lado o exercito romano aumentou quantidade e qualidade.

O encontro de Sipiao,O africano , com seu arque inimigo, foi na primeira batalha.

Ele conhecia bem o general cartagines, entao decidiu imitar suas taticas de combate e foi pra Cartago , Anibal foi chamado a sua cidade natal pra combater o inimigo.

A batalha de Zama

Roma consegue reunir um contingente de 80 elefantes, maquinas aterrorizantes de guerra e com grande quantidade de cavalaria numidia.

Mas Sipiao conseguiu treinar seus homens que abriam fileiras ate serem mortos por lanças ou pedras e alguns elefantes voltaram pra as tropas de Anibal causando pânico entre as tropas a vitória romana foi finalizada com a cavalaria pegandoa retaguarda de anibal.

Anibal – História

Hannibal era conhecido por liderar o exército cartaginês e uma equipe de elefantes em toda a Europa do Sul e Montanhas dos Alpes contra Roma na Segunda Guerra Púnica.

Hannibal, general do exército cartaginês, viveu no segundo e terceiro século aC Ele nasceu em uma família militar cartaginês e fez jurar hostilidade em direção a Roma.

Durante a Segunda Guerra Púnica, Hannibal varreu o sul da Europa e através dos Alpes, de forma consistente derrotar o exército romano, mas sem tirar a própria cidade. Roma contra-atacou e ele foi forçado a retornar a Cartago, onde foi derrotado.

Ele trabalhou por um tempo como um estadista, antes que ele foi forçado ao exílio por Roma. Para evitar a captura pelos romanos, ele finalmente tirou a própria vida.

Anibal – Quem foi

Hannibal Barca nasceu em Cartago (atual Tunísia) em cerca de 247 aC Ele era o filho de Amílcar general cartaginês Barca (Barca significa “raio”). Após a derrota de Cartago pelos romanos na Primeira Guerra Púnica, em 241 aC, Amílcar dedicou-se a melhorar tanto as suas fortunas e Cartago das. Em tenra idade, ele tomou Hannibal para a Espanha e fez-lhe jurar eterna hostilidade em direção ao Império Romano.

Aos 26 anos, Hannibal foi dado o comando de um exército e imediatamente partiu para consolidar o controle cartaginês da Iberia. Casou-se com Imilce, uma princesa Ibérica, e conquistou ou aliado com numerosas tribos ibéricas. Ele fez o porto de Qart Hadasht (“Cidade Nova”, agora Cartagena) sua base. Em 219 aC, Hannibal atacou a cidade de Sagunto (Sagunto, Espanha), aumentando a ira de Roma e de iniciar a Segunda Guerra Púnica.

As técnicas de combate inventadas por Aníbal nas batalhas que travou contra os exércitos romanos foram consagradas pela história dos conflitos bélicos. O emprego de armamento pesado móvel e de movimentos envolventes no palco de operações faz parte do legado transmitido por aquele que foi talvez o maior gênio militar da antiguidade. Filho de Amílcar Barca, fundador do império cartaginês na Espanha e comandante da primeira guerra púnica contra os romanos, Aníbal nasceu em Cartago no ano 247 a.C. Aos 26 anos, depois do assassinato do pai e do cunhado Asdrúbal, assumiu o comando do exército. Dedicou-se inicialmente à consolidação do domínio cartaginês na península ibérica e para esse fim fez várias viagens pelo império, no decorrer das quais arregimentou Tribos Celtas e iberas que viriam a constituir a base de seu exército.

A segunda guerra púnica começou em 219 a.C., quando os cartagineses cercaram Sagunto, aliada de Roma. Em resposta, os romanos declararam guerra a Cartago. Aníbal reagiu organizando uma expedição à Itália, composta de aproximadamente quarenta mil homens e grande número de elefantes. Após a travessia dos Pireneus e dos Alpes, o cartaginês infligiu aos romanos a primeira derrota em Trébia, no vale do rio Pó, onde incorporou a suas tropas os gauleses cisalpinos.

Na batalha de Trasimeno esmagou as forças de Flamínio, estimadas em 15.000 homens, e conquistou o domínio da Itália central.

Em Canas obteve outra retumbante vitória contra um contingente romano duas vezes mais numeroso que as tropas cartaginesas. Durante quatro anos procurou consolidar o domínio cartaginês no sul da Itália e em 212 a.C. ocupou ainda Cápua e Taranto. Sem reforços e abastecimento, foi obrigado a adiar o projeto de tomar Roma e refugiou-se no extremo sul da Itália. Esperou em vão a adesão dos povos itálicos ou a chegada do exército comandado por seu irmão Asdrúbal Barca, dizimado pelos romanos na batalha do rio Metauro, em 217 a.C.

O inimigo passou à contra-ofensiva e recuperou progressivamente suas posições. Durante as campanhas de Aníbal na Itália, o cônsul Publius Cornelius Cipião, o Africano, conquistou todos os territórios espanhóis que estavam sob controle cartaginês. Em 203 a.C. levou a guerra até Cartago, forçando Aníbal a atravessar o oceano para defender sua cidade. Na batalha de Zama, Aníbal foi definitivamente derrotado, mas ainda tentou, durante alguns anos, restaurar Cartago. Em 195 a.C. Roma exigiu sua rendição, e ele procurou refúgio na corte de Antiocus, na Síria. Três anos mais tarde seu protetor foi derrotado pelos romanos e Aníbal asilou-se na Bitínia. Quando Roma, em 183 a.C., pediu sua extradição, preferiu suicidar-se com veneno.

Anibal – Biografia

Aníbal
Anibal

General cartaginês.

Filho de Amílcar Barca, conta a tradição que com a idade de nove anos jura ódio eterno aos Romanos. Entre 238 e 229 acompanha o pai nas suas campanhas militares na Hispânia. Quando da morte de Amílcar viaja para Cartago, mas rapidamente regressa à Hispânia, onde combate às ordens do seu irmão Asdrúbal. Este é assassinado e o exército cartaginês escolhe para chefe Aníbal, que tem então vinte e seis anos.

A partir de então, Aníbal entrega-se à tarefa já proposta por seu pai e que também se converte no objetivo da sua vida: a destruição do poderio romano. Esmaga as tribos aguerridas da Península Ibérica e, assim, não deixa qualquer ameaça nas suas costas. No decurso da segunda guerra púnica sitia Sagunto, cidade aliada aos Romanos, e incendeia-a (219).

Em Cartagena forma um exército de 100000 homens, com que atravessa os Pirenéus, o Ródano e os Alpes. Não se atemoriza perante os obstáculos que colocam no seu caminho tanto a natureza como os seus inimigos. Segundo a tradição, leva consigo ao longo de todo o trajeto os seus elefantes. Quando chega a terras italianas, o seu exército está reduzido a 26000 homens, pelo que o fortalece com guerreiros gauleses.

A partir deste momento, a vida de Aníbal está referenciada com uma série de êxitos bélicos extraordinários. Nas margens do rio Tesino vence o cônsul Cipião e nas margens do Trébia o cônsul Semprónio (218).

Franqueia os Apeninos em pleno Inverno e cruza as zonas pantanosas da Etrúria, onde perde um olho. Apanha o cônsul Flamíneo nos desfiladeiros próximos do lago Trasímeno, onde o derrota (217). Finalmente, em Canas reduz a nada os exércitos dos cônsules Terêncio Varrão e Paulo Emílio (216).

Não se atreve a assediar Roma com um exército pouco numeroso, apodera-se de Cápua, onde passa o Inverno.

E em Cápua acontece o inesperado: Aníbal, instalado nesta cidade com toda a comodidade, interrompe a sua campanha no momento em que Roma está quase indefesa, ao alcance da sua espada. A expressão «as delícias de Cápua» passa a ser uma frase feita que refere a atitude de quem, com a vitória próxima, se entrega à moleza e a perde.

Aníbal começa a retroceder: perde Cápua, toda a Campânia e Tarento.

No ano de 207 tenta unir-se ao seu irmão Asdrúbal, que vem em seu socorro da Hispânia com novas forças. Mas o cônsul Nero, após vencer Asdrúbal na Batalha de Metauro (207), manda atirar a cabeça deste para o acampamento de Aníbal. «Reconheço com este gesto o destino de Cartago», disse Aníbal, segundo a tradição. De seguida retira-se para o extremo meridional da Itália, onde resiste vários anos. Chora de raiva, abandona as terras onde combate durante dezasseis anos. No ano 202 é vencido na batalha de Zama, com que termina a segunda guerra púnica.

Nomeado primeiro magistrado de Cartago, reforma a administração, reprime os abusos e instala os seus veteranos como colonos dedicados à exploração dos olivais. Inicia negociações secretas para combater Roma, mas, perseguido no seu próprio país por uma facção pró-romana, exila-se. Passa o resto da sua vida a fugir até que os Romanos exigem a Prúsias, rei de Bitínia, onde na ocasião está Aníbal, a sua cabeça. Então Aníbal envenena-se e assim se entrega à morte. Tem então sessenta e quatro anos.

Vídeos

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Parte 5

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Samuel Morse

Samuel Morse

PUBLICIDADE Samuel Morse – Vida/Biografia Samuel Morse foi um artista e inventor norte-americano mais lembrado por …

Jean-Antoine Nollet

Jean-Antoine Nollet

PUBLICIDADE Quem foi Jean-Antoine Nollet? Nascimento: 19 de dezembro de 1700, Pimprez Morte: 25 de …

Vasco da Gama

Vasco da Gama

PUBLICIDADE Quem foi Vasco da Gama? Nascimento: 1469, Sines, Alentejo, Portugal Morte: 24 de dezembro de 1524, …