Breaking News
Home / Biografias / Virgínia Woolf

Virgínia Woolf

PUBLICIDADE

Data de nascimento: 25 de janeiro de 1882

Data do falecimento: 28 de março de 1941

Local de nascimento: Kensington, Londres, Inglaterra, Reino Unido

Lugar da morte: Perto de Lewes, East Sussex, Inglaterra, Reino Unido

Nome completo: Adeline Virginia Woolf

Virgínia Woolf
Virgínia Woolf

Virginia Woolf – Jornalista, Autora (1882-1941)

Autor inglês Virginia Woolf escreveu clássicos modernistas, incluindo “Sra. Dalloway ‘e’ Para o Farol ‘, bem como textos feministas pioneiros, ‘Um Teto Todo Seu’ e ‘Três Guinés.’

Quem era Virginia Woolf?

Nasceu em uma casa inglesa privilegiada em 1882, a autora Virginia Woolf foi criada por pais que pensavam livremente.

Ela começou a escrever como uma jovem e publicou seu primeiro romance,A viagem para fora, em 1915.

Ela escreveu clássicos modernistas, incluindo a Sra. Dalloway, Ao Farol e Orlando, bem como trabalhos feministas pioneiros, Um Quarto que Seja Seu e Tres guineas.

Na sua vida pessoal, sofreu ataques de depressão profunda.

Ela cometeu suicídio em 1941, com a idade de 59 anos.

Vida

Nascida em 25 de janeiro de 1882, Adeline Virginia Stephen cresceu em uma casa notável.

Seu pai, Sir Leslie Stephen, era um historiador e autor, bem como uma das figuras mais proeminentes na idade de ouro do alpinismo.

A mãe de Woolf, Julia Prinsep Stephen, nasceu na Índia e depois serviu de modelo para vários pintores pré-rafaelitas. Ela também era uma enfermeira e escreveu um livro sobre a profissão.

Woolf teve três irmãos cheios – Thoby, Vanessa e Adrian – e quatro meio-irmãos – Laura Makepeace Stephen e George, Gerald e Stella Duckworth. Os oito filhos viveram sob um teto no 22 Hyde Park Gate, Kensington.

Virgínia Woolf
Virgínia Woolf – 1902

Biografia de Virgínia Woolf

A romancista, crítica e ensaísta inglesa Virginia Woolf é classificada como uma das escritoras mais distinguidas da Inglaterra na metade do século XX. Suas novelas podem talvez ser descritas como impressionistas, um estilo literário que tenta inspirar impressões em vez de recriar a realidade.

Primeiros anos e casamento

Virginia Stephen nasceu em Londres em 25 de janeiro de 1882. Ela era filha de Sir Leslie Stephen, um estudioso e filósofo famoso (um buscador de conhecimento) que, entre muitas ocupações literárias, era editor de Cornhill Magazine e o Dicionário da biografia nacional.

James Russell Lowell, o poeta americano, era seu padrinho. Sua mãe, Julia Jackson, morreu quando a criança tinha doze ou treze anos de idade. Virginia e sua irmã foram educadas em casa na biblioteca de seu pai, onde Virgínia também conheceu seus famosos amigos que incluíram G. E. Moore (1873-1958) e E. M. Forster (1879-1970). A jovem Virgínia logo caiu no mundo da literatura.

Em 1912, oito anos depois da morte de seu pai, Virginia se casou com Leonard Woolf, um brilhante escritor e crítico de Cambridge, na Inglaterra, cujos interesses na literatura, bem como na economia e no movimento trabalhista eram bem adaptados aos dela.

Em 1917, por diversão, eles fundaram a Hogarth Press, definindo e de manuscrito em uma impressora velha Duas Histórias por “L. e V. Woolf.” O volume foi um sucesso, e ao longo dos anos eles publicaram muitos livros importantes, incluindo o Prelúdio de Katherine Mansfield (1888-1923), então um escritor desconhecido; Poemas de T. S. Eliot (1888-1965); e Kew Gardens pela Virginia Woolf.

A política da Hogarth Press foi publicar o melhor e mais original trabalho que chamou a atenção, e os Woolfs como editores favoreceram escritores jovens e desconhecidos. A irmã mais velha de Virgínia, Vanessa, que se casou com o crítico Clive Bell, participou desse empreendimento ao projetar jaquetas para os livros publicados pela Hogarth Press.

A casa de Virginia Woolf, na Praça Tavistock, Bloomsbury, tornou-se um centro de arte e literatura, atraindo intelectuais tão diversos como Lytton Strachey (1880-1932), Arthur Waley (1889-1966), Victoria Sackville-West (1892-1962), John Maynard Keynes (1883-1943) e Roger Fry (1866-1934).

Esses artistas, críticos e escritores se tornaram conhecidos como o grupo Bloomsbury.

A teoria da arte de Roger Fry pode ter influenciado a técnica de Virginia como um romancista.

Em termos gerais, o grupo de Bloomsbury extraiu dos interesses filosóficos de seus membros (que tinham sido educados em Cambridge) os valores do amor e da beleza como essenciais para a vida.

Como crítica e ensaísta

Virginia Woolf começou a redigir ensaios para o Times Literary Supplement (London) quando era jovem e, ao longo dos anos, estes e outros ensaios foram coletados em uma série de dois volumes chamada O leitor comum (1925, 1933). Esses estudos variam com carinho e compreensão em toda a literatura inglesa.

Estudantes de ficção recorreram a essas críticas como um meio de entender a direção de Virginia Woolf como um romancista.

Um ensaio freqüentemente estudado é “Sr. Bennett e Sra. Brown”, escrito em 1924, no qual Virginia Woolf descreveu a maneira pela qual o romancista da geração mais velha Arnold Bennett teria retratado a Sra. Brown, uma mulher casualmente conhecida em uma carruagem ferroviária, dando-lhe uma casa e mobiliário e uma posição no mundo.

Ela então contrastou esse método com outro: um que exibe um novo interesse na Sra. Brown, os mistérios de sua pessoa, sua consciência e a consciência do observador respondendo a ela.

Realização como romancista

Dois dos romances de Virginia Woolf em particular, Mrs. Dalloway (1925) e Para o Farol (1927), seguiram com sucesso a sua última abordagem. A primeira novela cobre um dia na vida da Sra. Dalloway na Londres pós-guerra; ela consegue sua visão da realidade através da recepção pela mente da Sra. Dalloway sobre o que Virginia Woolf chamou dessas “miríades de impressões – triviais, fantásticas, evanescentes ou gravadas com a nitidez do aço”.

Para o farol é, em certo sentido, um retrato de família e história representada em profundidade subjetiva (caracterizada por pontos de vista pessoais) através de pontos selecionados no tempo.

A Parte I trata do tempo entre as seis horas da noite e o jantar. Principalmente através da consciência da Sra. Ramsay, apresenta o choque das sensibilidades masculinas e femininas na família. A Sra. Ramsay funcionava como um meio de equilíbrio e resolução de disputas.

A Parte II é uma seção móvel de perda durante o intervalo entre a morte da Sra. Ramsay e a visita da família à casa.

A Parte III move-se para a conclusão deste retrato complexo através da adição de um último detalhe a uma pintura de um artista convidado, Lily Briscoe, e através da conclusão final de um plano, rejeitado pelo pai na Parte I, para ele e as crianças para Navegue até o farol.

Últimos anos e outros livros

Virgínia Woolf
Virgínia Woolf

Virginia Woolf foi autora de cerca de quinze livros, o último, Diário do escritor, postumamente (após a morte), publicado em 1953.

Sua morte, afugentada em Lewes, Sussex, Inglaterra, em 28 de março de 1941, tem sido freqüentemente considerada um suicídio provocada pelas insuportáveis tensões da vida durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Uma guerra entre os poderes do Eixo: Japão, Itália e Alemanha – e os Aliados: França, Inglaterra, União Soviética e Estados Unidos).

A verdadeira explicação parece ser que ela sentiu regularmente sintomas de uma quebra mental e temia que fosse permanente.

Mrs. Dalloway, Para o Farol e Quarto de Jacob (1922) representam as principais realizações de Virginia Woolf.

O Viagem para fora (1915) primeiro trouxe sua atenção crítica. Noite e Dia (1919) é tradicional em método.

As histórias curtas de segunda-feira ou terça-feira (1921) trouxeram elogios críticos.

Em As ondas (1931), ela empregou magistralmente a técnica de fluxo de consciência que enfatiza a “escrita livre”.

Outras novelas experimentais incluem Orlando (1928), Os anos (1937) e Entre o Ato (1941). O campeonato de direitos da mulher de Virginia Woolf é refletido nos ensaios em Um quarto de um (1929) e em Três guineas (1938).

Fonte: www.notablebiographies.com/www.biography.com/www.goodreads.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Friedrich Nietzsche

Friedrich Nietzsche

PUBLICIDADE Quem foi Friedrich Nietzsche? O filósofo alemão influente Friedrich Nietzsche (1844-1900) é conhecido por seus …

Ricardo Boechat

Ricardo Boechat

PUBLICIDADE Biografia de Ricardo Boechat Ricardo Eugênio Boechat (13 de julho de 1952 – 11 …

Samuel Morse

Samuel Morse

PUBLICIDADE Samuel Morse – Vida/Biografia Samuel Morse foi um artista e inventor norte-americano mais lembrado por …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.