Breaking News
Home / Biografias / Pierre-Auguste Renoir

Pierre-Auguste Renoir

PUBLICIDADE

Nascimento: 25 de fevereiro de 1841, Limoges, França.

Morte: 3 de dezembro de 1919, Cagnes-sur-Mer, França.

Pierre-Auguste Renoir
Pierre-Auguste Renoir

Um pintor impressionista, Pierre-Auguste Renoir era um dos mais famosos artistas do início do século XX.

Um artista inovador, Pierre-Auguste Renoir nasceu em 25 de Fevereiro de 1841, em Limoges, França.

Ele começou como aprendiz de um pintor porcelana e estudou desenho em seu tempo livre.

Depois de anos como um pintor lutando, Renoir ajudou a lançar um movimento artístico chamado impressionismo na década de 1870.

Ele se tornou um dos artistas mais conceituados do seu tempo.

Ele morreu em Cagnes-sur-Mer, França, em 1919.

Pierre-Auguste Renoir – Biografia

Pierre-Auguste Renoir
Pierre-Auguste Renoi – Auto retrato

Juventude

Pierre-Auguste Renoir nasceu em Limoges, Haute-Vienne, França, filho de uma família de classe trabalhadora.

Como um menino, ele trabalhou em uma fábrica de porcelana, onde seus talentos de desenho o levou a ser escolhido para pintar desenhos em porcelana fina.

Ele também pintou cortinas para missionários no exterior e decorações em ventiladores antes de ele se matriculou na escola de arte. Durante esses primeiros anos, muitas vezes ele visitou o Louvre para estudar os pintores franceses.

Em 1862 ele começou a estudar arte sob Charles Gleyre, em Paris. Lá ele conheceu Alfred Sisley, Frédéric Bazille e Claude Monet. Por vezes, durante a década de 1860, ele não tem dinheiro suficiente para comprar tinta.

Embora Renoir começou exibindo pinturas no Salão de Paris em 1864, o reconhecimento não veio por mais dez anos, devido, em parte, à turbulência da Guerra Franco-Prussiana.

Durante a Comuna de Paris em 1871, enquanto pintava nas margens do Rio Sena, alguns membros de um grupo comuna achava que ele era um espião, e estavam prestes a jogá-lo no rio quando um líder comunitário, Raoul Rigault, reconhecido Renoir como o homem que o havia protegido em ocasião anterior.

Em 1874, uma amizade de dez anos com Jules Le Coeur e sua família acabou, e Renoir perdeu não só o valioso apoio adquirida pela associação, mas um generoso bem-vindo para ficar em sua propriedade perto de Fontainebleau e sua floresta cênica. Esta perda de um local favorito pintura resultou em uma mudança distinta de assuntos.

Maturidade

Renoir experimentou sua aclamação inicial quando seis dos seus quadros pendurados na primeira exposição impressionista em 1874. No mesmo ano, duas de suas obras foram mostradas com Durand-Ruel, em Londres.

Em 1881, ele viajou para a Argélia, um país que ele associado com Eugène Delacroix, em seguida, para Madrid, na Espanha, para ver o trabalho de Diego Velázquez. Seguindo que ele viajou para a Itália para ver obras-primas de Ticiano em Florença, e as pinturas de Rafael em Roma.

Em 15 de janeiro de 1882 Renoir conheceu o compositor Richard Wagner em sua casa em Palermo, Sicília. Renoir pintou o retrato de Wagner em apenas trinta e cinco minutos. No mesmo ano, Renoir convalescia durante seis semanas na Argélia depois de contrair pneumonia, o que poderia causar danos permanentes ao seu sistema respiratório.

Em 1883, ele passou o verão em Guernsey, criando quinze pinturas em pouco mais de um mês. A maioria destes apresentam Moulin Huet, uma baía em Saint Martin, Guernsey. Guernsey é uma das Ilhas do Canal no Canal Inglês, e tem uma paisagem variada que inclui praias, falésias, baías, florestas e montanhas. Estas pinturas foram objeto de um conjunto de selos postais comemorativos, emitido pelo Bailiado de Guernsey, em 1983.

Enquanto vivendo e trabalhando em Montmartre, Renoir empregado como um modelo Suzanne Valadon, que posou para ele ( As Banhistas, 1885-7 ; Dança em Bougival, 1883 ) e muitos de seus colegas pintores, enquanto estudava suas técnicas; Eventualmente, ela se tornou um dos principais pintores do dia.

Em 1887, um ano quando a rainha Victoria comemorou seu Jubileu de Ouro, e, a pedido do associado da rainha, Phillip Richbourg, ele doou várias pinturas à “francesa Pinturas impressionistas” catálogo como um símbolo de sua lealdade.

Em 1890 ele se casou com Aline Victorine Charigot, que, junto com um número de amigos do artista, já tinha servido como modelo para Les Déjeuner des canotiers ( Almoço do partido do barco, 1881 ), e com quem ele já havia tido um filho, Pierre, em 1885.

Após seu casamento Renoir pintou muitas cenas de sua esposa e vida familiar diária, incluindo seus filhos e sua enfermeira, primo de Aline Gabrielle Renard.

Renoir teve três filhos, um dos quais, Jean, tornou-se um cineasta de nota e outra, Pierre, tornou-se um ator de teatro e cinema.

Anos depois

Por volta de 1892, Renoir desenvolveu artrite reumatóide.

Em 1907, mudou-se para o clima mais quente de “Les Collettes”, uma fazenda em Cagnes-sur-Mer, perto da costa do Mediterrâneo.

Renoir pintou durante os últimos vinte anos de sua vida, mesmo quando a artrite limita severamente seu movimento, e ele estava em cadeira de rodas. Ele desenvolveu deformidades progressivas em suas mãos e anquilose de seu ombro direito, que o obriga a adaptar sua técnica de pintura. Em estágios avançados da sua artrite, pintou por ter um pincel amarrado a seus dedos paralisados.

Durante este período, ele criou esculturas dirigindo um assistente que trabalhou o barro.

Renoir também usou uma tela em movimento, ou o rolamento de imagens, para facilitar a pintar grandes obras com o da mobilidade articular limitada.

Em 1919, Renoir visitou o Louvre para ver suas pinturas penduradas com os velhos mestres. Ele morreu na aldeia de Cagnes-sur-Mer, Provence-Alpes-Côte d’Azur, em 3 de Dezembro.

Obras

As pinturas de Renoir são notáveis para suas luz vibrante e cor saturada, o mais frequentemente focalizando em povos em composições íntimos e cândidos. O nu feminino era um de seus temas principais. Em estilo impressionista característica, Renoir sugeriu que os detalhes de uma cena através de toques escovado livremente de cor, de modo que suas figuras suavemente fusível com o outro e seus arredores.

Suas pinturas iniciais mostram a influência da colourism de Eugène Delacroix e a luminosidade de Camille Corot. Ele também admirava o realismo de Gustave Courbet e Édouard Manet, e seus primeiros trabalhos se assemelha a deles em seu uso do preto como cor. Como assim, Renoir admirado sensação de movimento Edgar Degas “. Outro pintor Renoir admirava era o mestre do século 18 François Boucher.

Um bom exemplo dos primeiros trabalhos de Renoir, e as evidências da influência do realismo de Courbet, é Diana, 1867. Ostensivamente um tema mitológico, a pintura é um trabalho de estúdio naturalista, a figura cuidadosamente observados, solidamente modelada, sobrepondo-se uma paisagem artificial. Se o trabalho ainda é uma peça “estudante”, já resposta pessoal agravada de Renoir a sensualidade feminina está presente. O modelo foi Lise Tréhot, em seguida, a amante do artista e inspiração para uma série de pinturas.

No final da década de 1860, através da prática da pintura de luz e água en plein air (ao ar livre), ele e seu amigo Claude Monet descobriu que a cor de sombras não é marrom ou preta, mas a cor refletida dos objetos em torno deles . Vários pares de pinturas existem em que Renoir e Monet, side-by-side de trabalho, representado as mesmas cenas ( La Grenouillere, 1869 ).

Uma das obras impressionistas mais conhecidos é 1876 Renoir Dance no Le Moulin de la Galette (Le Bal au Moulin de la Galette) . A pintura retrata uma cena ao ar livre, cheio de gente, em um jardim de dança popular na Butte Montmartre, perto de onde morava.

As obras de sua maturidade precoce foram tipicamente instantâneos impressionistas de vida real, cheia de cor e luz cintilante.

Em meados da década de 1880, porém, ele tinha quebrado com o movimento para aplicar uma técnica mais disciplinado, formal para retratos e pinturas de figuras, em particular das mulheres, tais como As Banhistas , que foi criado durante 1884-1887. Foi uma viagem para a Itália em 1881, quando ele viu obras de Rafael e outros mestres da Renascença, que o convenceu de que ele estava no caminho errado, e para os próximos anos ele pintou em um estilo mais grave, em uma tentativa de voltar ao classicismo. Isso às vezes é chamado de seu “período de Ingres”, como ele se concentrou em seu desenho e enfatizou os contornos das figuras.

Depois de 1890, porém, ele mudou de rumo novamente, voltando para o uso da cor finamente escovado que dissolveu contornos como em seus trabalhos anteriores. A partir desse período ele se concentrou especialmente na nus monumentais e cenas domésticas, bons exemplos das quais são meninas no piano, 1892 e Grandes Baigneuses, 1918-19. A última pintura é a mais típica e bem sucedida de tarde, nus abundantemente polpa de Renoir.

Um artista prolífico, ele fez vários milhares de pinturas.

A sensualidade quente do estilo de Renoir fez suas pinturas algumas das obras mais conhecidas e frequentemente-reproduzido em história da arte.

Pierre-Auguste Renoir – Vida

Pierre-Auguste Renoir
Pierre-Auguste Renoi

Pierre-Auguste Renoir nasceu em Limoges, em 25 de fevereiro de 1841.

Seu pai, um alfaiate, decidiu mudar-se com a família para Paris, por volta de 1845, e aos 13 anos o jovem Renoir trabalhava numa fábrica de porcelana, decorando as peças com buquês de flores.

A partir de 1862 freqüentou cursos noturnos de desenho e anatomia na Escola de Belas-Artes e, paralelamente, estudou com o suíço Charles Gleyre, em cujas aulas conheceu Claude Monet, Alfred Sisley e Jean-Frédéric Bazille. Formou com esses pintores um grupo de idéias revolucionárias, que a crítica da época rotulou, com desprezo, de “impressionista”.

Influenciados pela proposta de Manet, os quatro alunos de Gleyre passaram a primavera de 1864 na floresta de Fontainebleau, onde se dedicaram a pintar diretamente da natureza, ao contrário da regra que confinava o artista ao estúdio, buscando apreender a cor local e tratar de forma espontânea os efeitos de luz.

Essas idéias se assemelhavam às de outros três iniciadores da escola, Édouard Manet, Paul Cézanne e Camille Pissarro. Desde 1874, já ocorrida a fusão dos dois grupos, Renoir figurou nas polêmicas exposições dos impressionistas, e por toda uma década participou do movimento.

Pintando flagrantes do quotidiano, sugerindo com toques multicores as vibrações da atmosfera, dando à pele das jovens mulheres uma tonalidade quase dourada, criou a partir de 1875 uma série de telas bem identificadas com o espírito impressionista.

Exemplos típicos dessa fase são os grandes quadros “Le Moulin de la Galette” (Louvre), de 1876, e “O almoço dos remadores” (National Gallery of Art, Washington), de 1881.

Após várias viagens, em 1881-1882, à Itália, Argélia e Provença, de consideráveis efeitos sobre sua vida e sua arte, Renoir se convenceu de que o uso sistemático da técnica impressionista já não lhe bastava. Concluiu também que o preto não merecia a rejeição antes proposta por seus colegas, sendo até capaz, em certos casos, de ter um efeito notável para acentuar a intensidade das cores.

A descoberta da obra de Rafael e o fascínio pela pureza das linhas clássicas, a que sucumbiu na Itália, confirmaram-no em suas novas idéias.

Na maioria, as telas que pintou a partir de 1883-1884 são de tal maneira marcadas pela disciplina formal que alguns historiadores da arte agruparam-nas como as da “fase Ingres”, em alusão a sua vaga semelhança com o estilo do pintor clássico francês.

A formação impressionista persistiu, no entanto, na mestria de Renoir no manejo das cores, evidente na longa série “Banhistas”.

A partir de 1907, radicado definitivamente em Cagnes-sur-Mer, onde já costumava passar longas temporadas, Renoir realizou no fim da vida algumas esculturas, que se somaram aos quase quatro mil quadros que compõem sua obra.

Nem o reumatismo crônico, que o obrigava a amarrar o pincel na mão para pintar, turvou a luminosidade de suas telas, reflexo de uma atitude otimista.

Renoir morreu em seu retiro, naquela cidade da Provença, à beira do Mediterrâneo, em 3 de dezembro de 1919.

Pierre-Auguste Renoir – Pintor

Pierre-Auguste Renoir
Pierre-Auguste Renoi

Pierre-Auguste Renoi nasceu em Limoges, no dia 25 de fevereiro de 1841.

O pai era um alfaiate que se mudou para Paris onde o jovem artista, aos quatorze anos, entrou como aprendiz numa firma de pintores de porcelana.

Seu talento natural para as cores recebeu nova direção quando ele passou nos exames para a Ecole des Beux-Arts, ingressando no ateliê Charles Gleyre onde conheceu outros jovens pintores que, mais tarde, seriam rotulados impressionistas.

Os primeiros trabalhos desses rapazes foram ridicularizados pelas instituições artísticas parisienses e tiveram sua exposição recusada pelo Salão oficial. Para sobreviver, Renoir pintava retratos convencionais, mas também expunha suas obras rejeitadas pelo Salão no Salon des Refusés.

Pintor francês que, junto com Monet, amigo pessoal, formou o núcleo do grupo impressionista. Uma visita à Itália, entre 1881 e 1882, inspirou-o a buscar maior consistência para sua obra. As figuras tornaram-se mais imponentes e formais, e muitas vezes abordou temas da mitologia clássica. Nos seus últimos anos de vida, também dedicou-se à escultura, com o auxílio de assistentes.

Embora Pierre Auguste Renoir fosse um dos fundadores do Impressionismo e um pintor e um pintor revolucionário, sua verdadeira ambição, descoberta somente em 1881 quando esteve na Itália, era ser um artista em grande estilo renascentista, como Ticiano. Antes disso, sua pintura era decorativa, com uma delicada percepção de cor que havia desenvolvido como aprendiz de pintura em porcelana.

No ateliê Gleyre, Renoir fez amizade com Claude Monet e os dois começaram a pintar juntos, principalmente em Argenteuil, perto de Paris, onde Monet tinha uma casa que se tornou ponto de encontro desses novos pintores.

Em 1874, cansados de serem rejeitados pelo Salão, vários desses artistas, inclusive Renoir, Monet, Sisley e Berthe Morisot, organizaram sua própria exposição. Renoir incluiu sete quadros nesta mostra, que não foi um sucesso financeiro mas deu aos pintores o nome de “Impressionistas”, termo que no início era usado como uma forma de ridicularizá-los.

Na segunda Exposição Impressionista, em 1876, Renoir apresentou 15 trabalhos. Neste período, seus quadros estavam agradando cada vez mais, como Madame Charpentier e suas filhas alcançando um enorme sucesso no Salão em 1879.

Aí aconteceu a sua viagem à Itália, em 1881. Ele ficou tão impressionado com o trabalho dos renascentistas italianos que chegou à conclusão de que nada sabia de desenho, e muito pouco de pintura. A parti daí, firmaria o seu traço e abandonaria aos poucos a maneira impressionista de aplicar as tintas em pequenas pinceladas, passando a usar o método tradicional de espalhá-las em camadas e vernizes.

A visita de Cézanne em L’Estaque, perto de Marselha, ao voltar da Itália par casa, confirmou esta sua nova abordagem. Cézanne havia rompido com Impressionismo para desenvolver um rígido estilo estrutural próprio. Renoir, então, concentrou-se em criar as suas próprias e novas técnicas. Seu Guarda-chuvas, pintado durante vários anos, no início da década de 1880, foi uma composição formal cheia de planos de cores e com rígida estrutura de um quadro de Cézanne.

Percebendo que traço firme e riqueza de colorido eram coisas incompatíveis, Renoir concentrou-se em combinar o que tinha aprendido sobre cor, durante seu período impressionista, com métodos tradicionais de aplicação de tinta. o resultado foi uma série de obras-primas bem no estilo Ticiano, assim como de Fragonard e Boucher, a quem ele admirava. Os trabalhos que Renoir incluiu em uma mostra individual de 70, organizada pelo marchand Paul Durand-Ruel, foram elogiados, e seu primeiro reconhecimento oficial veio quando o governo francês comprou Ao Piano, em 1892.

Em 1885 nasce Pierre, filho de Renoir e Aline Charigot, há muito tempo sua amante e modelo. Três anos depois, visitando Cézanne em Aix-en-Provance, Renoir descobriu Cagnes que passou a ser sua residência de inverno quando começou a sofrer de artrite e reumatismo.

Passava longos períodos no sul com Aline, agora sua esposa, somando à família mais dois meninos: Jean, nascido em 1894, que seria um dos maiores diretores de cinema na França, Claude (Coco), nascido em 1901. A casa em Cagnes, Les Colletes, que Renoir construiu em 1907, se tornou um importante refúgio para o trabalho e a vida doméstica.

Piorando da artrite, Renoir sentia cada vez mais dificuldades para segurar os pincéis e acabou tendo que amarrá-los às mãos. Começou também a esculpir, na esperança de poder expressar seu espírito criativo através da modelagem, mas até para isso ele precisou de ajuda, que veio na forma de dois jovens artistas, Richard Gieino e Louis Morel, que trabalhavam segundo suas instruções.

Apesar das graves limitações físicas, Renoir continuou trabalhando até o último dia de sua vida. Sua grande tela exposta no Louvre, As Banhistas, foi terminada em 1918. Em 1917, ele recebeu a visita de um jovem pintor chamado Henri Matisse, que estava destinado a transportar suas idéias sobre cor a uma nova era.

Renoir morreu em Cagnes, no dia 3 de dezembro de 1919, aos 78 anos, e reconhecido como um dos maiores pintores da França.

Pierre-Auguste Renoir – Movimento Impressionista

Pierre-Auguste Renoir
Pierre-Auguste Renoir

Pierre-Auguste Renoir, pintor francês originalmente associado com o movimento impressionista.

Seus primeiros trabalhos foram tipicamente instantâneos impressionistas de vida real, cheia de cor e luz cintilante.

Pierre-Auguste Renoir nasceu em Limoges (França), em 1841. Viria a tornar-se um dos mais famosos pintores do movimento impressionista. A sua forma de ver, muito em particular a natureza, tornam-no inconfundível e a luz que se espalha pelos seus quadros constitui algo do mais bonito que desde sempre se pintou. Além do mais, produziu uma enorme quantidade de trabalhos, cerca de 6000, talvez a obra de maior vulto, a seguir à de Picasso.

Renoir começou, com treze anos, como um pintor de porcelana numa fábrica de Paris, o que lhe deu grande experiência no trabalho com as cores e uma técnica muito aperfeiçoada. Desde cedo que o entusiasmaram os tons delicados e a força luminosa das cores. A mecanização do fabrico das porcelanas levou-o a ser dispensado deste trabalho, tendo-se dedicado então à pintura de leques e reposteiros. Aos 21 anos já possuía meios que lhe permitiram dedicar-se ao estudo da pintura.

Em 1862 entrou na École des Beaux Arts. Ao mesmo tempo começou a frequentar as aulas de Gleyre, onde conheceu e se tornou grande amigo de Bazille, Sisley e Monet, todos participantes no importante movimento de renovação da pintura que então nascia.

A sua relação com Monet foi particularmente importante e decisiva para o aparecimento do movimento “Impressionista”. Ambos defendiam que era muito importante pintar no exterior e interpretar as cores tal como estas podiam ser vistas na natureza. A interpretação das cores da sombra, do rico colorido desta e dos seus cambiantes com a hora do dia e com o reflexo das cores adjacentes, torna-se uma preocupação constante na sua pintura.

Mas para Renoir, apesar das dificuldades porque passava, pintar era sempre exprimir a beleza e a alegria proporcionada pelas cores. Quer para ele, quer para Monet, preocupava-lhes mais a falta de dinheiro para comprar as tintas do que o que lhes faltava para a comida.

Escreveu um dia, cerca do ano de 1870 a Bazille: “Apesar de não comermos todos os dias, estamos de boa disposição” e nunca ninguém os viu pintar quadros que expressassem pessimismo ou depressão.

A partir dos anos 80, sobretudo por mérito do galerista Paul Durand-Ruel, que o havia descoberto dez anos antes e farejara o seu talento, Renoir passa a vender regularmente os seus trabalhos e deixa de se debater com os problemas económicos. Em 1883, Ruel organiza uma exposição especial sobre Renoir. Mas é precisamente nessa época que se dá uma profunda modificação no trabalho do pintor, que considera que o impressionismo se está a esgotar, chegando a afirmar que tem de reaprender a pintar e a desenhar. Os impressionistas começam a ser acusados de apenas representar as aparências exteriores.

Entre 84 e 87 Renoir entrou num novo período que designou por “manière aigre”. “Os Guarda-Chuvas” marcam muito bem este período de mudança. Houve quem temesse que esta crise afetasse definitivamente o trabalho de Renoir. Os seus companheiros Monet, Degas e Pissarro sofriam crises semelhantes. Era a rotura com o impressionismo. O oitavo e último salão dos impressionistas deu-se em 1886, já sem a participação de Renoir.

Ao mesmo tempo, porém, Durand Ruel apresentou 32 quadros de Renoir em Nova York abrindo caminho para os impressionistas no mercado americano.

Entretanto a pintura de Pierre-Auguste vai-se modificando lentamente. Os seus temas favoritos deixam de ser as festas e as cenas da vida quotidiana e passam a ser mais universais. As figuras femininas ganham dimensões mais universais, por vezes mitológicas. As crianças são temas favoritos e pinta várias vezes a sua futura mulher e o filho mais velho, cujo nascimento foi já um pouco tardio. As naturezas mortas dão ao pintor um especial prazer e chega a afirmar que a pintar flores se atreve a experiências, inovações e aplicações de cores que nunca se atreveria na representação da figura humana, pelo medo de estragar a correção desta. No entanto, a experiência apreendida na pintura das flores torna-se-lhe muito útil, posteriormente, na figura humana.

Nos últimos trinta anos da sua vida Renoir era plenamente reconhecido e a venda dos trabalhos garantia-lhe uma vida desafogada. Durante este período viajou mais, tomou contato com a pintura italiana e espanhola e pintou com outros pintores seus contemporâneos, nomeadamente Cézanne que muito o admirava.

Em 1892 Durand-Ruel organizou nova exposição de Renoir, na qual expôs 110 quadros. Apesar da ainda grande relutância na aceitação dos impressionistas – que eram por vezes associados aos anarquistas – o Estado francês comprou nesta exposição, pela primeira vez, um quadro do pintor.

No final da década de 80 começa a ser atacado pelo reumatismo, que se vai acentuando até que, em 1910, cada vez mais magro, fica definitivamente preso a uma cadeira de rodas. A doença leva-o a escolher o Sul de França para viver e, em 1905, muda-se definitivamente para a Côte d’Azur. Nascera entretanto, em 1901, o seu terceiro filho, que lhe serviu frequentemente de modelo.

Em 1907 o Metropolitan Museum de Nova York compra num leilão o famoso retrato de “Madame Charpentier e as suas filhas”, pintado em 1878, quadro que na época em que Renoir era tão criticado teve a sua importância, já que Charpentier era um conhecido editor que acreditou no valor do pintor ao ponto de lhe encomendar o retrato da sua família. É também em 1907 que o pintor compra a quinta “Les Collettes”.

A partir de 1904 a doença começou a tornar-se insuportável, mas nem por isso Renoir deixa de pintar, chegando a um ponto em que lhe entalavam os pincéis entre os dedos, nas mãos ligadas. Apesar disso o pintor só interrompia o trabalho quando as dores lhe eram completamente intoleráveis. Chegou mesmo a tornar-se escultor sem poder utilizar as próprias mãos, dando indicações aos assistentes que iam moldando no barro, conforme as suas instruções. O espanhol Guino foi o seu mais dedicado assistente e interpretou de tal modo as instruções recebidas que é o traço de Renoir que ressalta das esculturas.

Apesar da doença e do sofrimento nunca se deixou dominar pelo pessimismo ou pela tristeza. Renoir mostrou um grande desprezo pela estupidez da guerra, na qual ficaram feridos dois dos seus filhos.

Um deles, Jean Renoir, veio a tornar-se famoso realizador de cinema e escreveu, em 1962, uma preciosa biografia sobre seu pai: “Renoir, mon pére”.

Renoir manteve sempre um intenso contato com a natureza e mandou construir na sua casa de Cagnes um estúdio ao ar livre, onde pudesse observar a cor em todo o seu esplendor. No final da sua obra é especialmente impressionante a “festa” da luz, muito em particular a que envolve ricamente as figuras femininas, tema ainda predileto, mas agora mais amadurecido e por isso mais universal. Gabrielle, que tomava conta do seu filho mais novo, tornou-se um modelo favorito e ficou por ele eternizada como um símbolo visual do feminino.

Em 1919 foi levado de cadeira de rodas a visitar o Louvre, onde viu um dos seus quadros ao lado de Veronese.

Nesse ano, Pierre-Auguste Renoir comentava que ainda fazia progressos e chegou a afirmar então: “Creio que, aos poucos, começo a perceber disto”.

Acometido em Novembro por uma pneumonia, veio a falecer em 3 de Dezembro e está sepultado em Essoyes, ao lado de Aline, sua mulher.

Fonte: www.biography.com/www.pierre-auguste-renoir.org/www.ibiblio.org

 

Veja também

Kim Jong-un

Kim Jong-un

PUBLICIDADE Biografia de Kim Jong-un Líder Militar e Ditador Famoso como: líder supremo da Coreia …

Angela Merkel

Angela Merkel

PUBLICIDADE Nome: Angela Merkel Ocupação: Chanceler da Alemanha Data de nascimento: 17 de julho de 1954 Educação: Universidade de …

Gilberto Freyre

PUBLICIDADE Biografia Nascimento: 15 de março de 1900, Recife, Pernambuco Falecimento: 18 de julho de 1987, Recife, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.