Breaking News
Home / Biografias / Sêneca

Sêneca

História

PUBLICIDADE

A obra literária e filosófica de Sêneca, tido como modelo do pensador estóico durante o Renascimento, inspirou o desenvolvimento da tragédia na Europa.

Lucius Aneu Seneca, conhecido como Sêneca o Jovem, nasceu em Córdoba, Espanha, por volta do ano 4 a.C.

Oriundo de família ilustre, era filho de Lucius Aneu Seneca o Velho, célebre orador.

Ainda criança, foi enviado a Roma para estudar oratória e filosofia. Com a saúde abalada pelo rigor dos estudos, passou uma temporada no Egito para se recuperar e regressou a Roma por volta do ano 31 da era cristã. Nessa ocasião, iniciou carreira como orador e advogado e logo chegou ao Senado.

Em 41 envolveu-se num processo por causa de uma ligação com Julia Livila, sobrinha do imperador Claudius I, que o desterrou.

No exílio, Seneca dedicou-se aos estudos e redigiu vários de seus principais tratados filosóficos, entre os três intitulados Consolationes (Consolos), em que expõe os ideais estóicos clássicos de renúncia aos bens materiais e busca da tranqüilidade da alma mediante o conhecimento e a contemplação.

Por influência de Agrippina II, sobrinha do imperador e uma das mulheres com quem este se casou, Sêneca retornou a Roma em 49.

Agripina tornou-o preceptor de seu filho, o jovem Nero, e elevou-o a pretor em 50. Seneca contraiu matrimônio com Pompeia Paulina e organizou um poderoso grupo de amigos.

Logo após a morte de Claudius I, ocorrida em 54, o escritor vingou-se com um escrito que foi considerado obra-prima das sátiras romanas, Apocolocyntosis divi Claudii (Transformação em abóbora do divino Claudius).

Nessa obra, Seneca critica o autoritarismo do imperador e narra como ele é recusado pelos deuses.

Quando Nero foi nomeado imperador, Seneca converteu-se em seu principal conselheiro e tentou orientá-lo para uma política justa e humanitária.

Durante algum tempo, exerceu influência benéfica sobre o jovem, mas aos poucos foi forçado a adotar atitudes de complacência.

Chegou mesmo a redigir uma carta ao Senado na qual justificava a execução de Agrippina II em 59. Foi então muito criticado pela fraca oposição à tirania e à acumulação de riquezas de Nero, incompatíveis com as concepções estóicas.

O escritor e filósofo destacou-se como estilista.

Numa prosa coloquial, seus trabalhos exemplificam a maneira de escrever retórica, declamatória, com frases curtas, conclusões epigramáticas e emprego de metáforas.

A ironia é a arma da qual se utiliza com mestria, principalmente nas tragédias que escreveu, as únicas do gênero na literatura da antiga Roma.

Versões retóricas de peças gregas, elas substituem o elemento dramático por efeitos brutais, como assassinatos em cena, espectros vingativos e discursos violentos, numa visão trágica e mais individualista da existência. Seneca retirou-se da vida pública em 62.

Entre seus últimos textos estão a compilação científica Naturales quaestiones (Problemas naturais), os tratados De tranquillitate animi (Sobre a tranqüilidade da alma), De vita beata (Sobre a vida beata) e, talvez sua obra mais profunda, as Epistolae morales dirigidas a Lucilius, em que reúne conselhos estóicos e elementos epicuristas na pregação de uma fraternidade universal mais tarde considerada próxima ao cristianismo.

Acusado de participar na conjuração de Pisão, em 65, Seneca recebeu de Nero a ordem de suicidar-se, que executou em Roma, no mesmo ano, com o ânimo sereno que defendia em sua filosofia.

Vida

Sêneca seneca-11
Sêneca

Nascido na Espanha, em 4 aC, Lucius Annaeus Seneca foi educado em Roma e tornou-se famoso não só como dramaturgo, mas como orador e filósofo também. Ele serviu como tutor do jovem Nero, e quando o menino tornou-se imperador em 54 dC, ele manteve Seneca como seu assessor.

Durante vários anos, Seneca exerceu uma influência calmante sobre o jovem imperador.

Depois que se aposentou em 62 dC, no entanto, ele perdeu o favor com seu ex-aluno e, em 65 dC, ele foi acusado de conspirar contra Nero e foi forçado a cometer suicídio.

Das peças Seneca deixou para trás, pelo menos, 8 sobreviveram, incluindo The Trojan Women, Édipo, Medea, The Mad Hercules, The fenícia Mulheres, Phaedra, Agamemnon e Thyestes.

Mais duas peças de teatro, Octavia e Hércules no Eta foram às vezes atribuída a Seneca embora muitos estudiosos duvidam de sua autenticidade. Hércules no Eta é geralmente considerada como uma imitação não digna de Sêneca tragédia, e Octavia parece ter sido escrito após a morte de Nero, descontando-se, assim, Seneca como o autor.

Todos os oito das autênticas tragédias Sêneca são adaptados a partir do trabalho de outros dramaturgos. Édipo é adaptado de Édipo de Sófocles Tyrannus, Agamenon é uma adaptação da peça de Ésquilo, Thyestes é adaptado de um desconhecido – provavelmente Latina – source, eo resto são adaptados a partir das peças de Eurípides. Seneca nunca se permitiu ser obrigado, no entanto, pelo texto original, descartando livremente cenas, reorganizando, e usando apenas o material que ele achou útil.

Não é certo se as peças de Seneca foram efetivamente realizadas em teatros romanos ou se foram simplesmente destinado a recitação diante de uma pequena audiência privada.

Alguns estudiosos têm sugerido que os ricos Seneca teria considerado baixo dele para escrever para o teatro, e as próprias peças muitas vezes mostram uma falta de preocupação com as exigências físicas do palco. No entanto, com um pouco de imaginação, eles são certamente stageable, e é inegável que as peças de Seneca teve uma profunda influência sobre o desenvolvimento de forma trágica em tempos posteriores, especialmente na época de Shakespeare.

Tragédias de Sêneca são divididos em cinco episódios separados por interlúdios corais. Esta forma de cinco ato se tornaria o padrão durante o Renascimento.

Outra das convenções de Sêneca, o uso de solilóquios e apartes, também iria revelar essencial para a evolução do teatro Renaissance.

Seneca foi talvez o mais conhecido, no entanto, por suas cenas de violência e horror.

Em Édipo, por exemplo, Jocasta rasga abrir seu ventre, e em Thyestes, os corpos das crianças são servidos num banquete.

Outros escritores mais tarde iria imitar essas cenas de violência e horror.

Considere, por exemplo, de John Webster A Duquesa de Malfi em que os inimigos da duquesa criar uma cena cera medonho de seu marido e filhos assassinados.

O fascínio de Seneca com a magia, a morte, e o sobrenatural também seria imitado por muitos dramaturgos elisabetanos, incluindo, entre outros, Christopher Marlowe.

Fonte: www.nomismatike.hpg.ig.com.br/www.imagi-nation.com

 

Veja também

Kim Jong-un

Kim Jong-un

PUBLICIDADE Biografia de Kim Jong-un Líder Militar e Ditador Famoso como: líder supremo da Coreia …

Angela Merkel

Angela Merkel

PUBLICIDADE Nome: Angela Merkel Ocupação: Chanceler da Alemanha Data de nascimento: 17 de julho de 1954 Educação: Universidade de …

Gilberto Freyre

PUBLICIDADE Biografia Nascimento: 15 de março de 1900, Recife, Pernambuco Falecimento: 18 de julho de 1987, Recife, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.