Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Nostradamus

Nostradamus

Quem foi Nostradamus?

PUBLICIDADE

Nostradamus
Nostradamus

Nostradamus (Michael de Notre Dame) foi o famoso profeta do século 16.

Ele é conhecido por ter “previsto” a Revolução Francesa, Napoleão, Adolph Hitler, a bomba atômica, atrocidade de 11 de setembro , e os assassinatos de JFK (John Fitzgerald Kennedy)e RFK 9Robert Francis Kennedy), e apenas sobre tudo o que aconteceu desde o momento de suas previsões. Esta página irá examinar algumas de suas previsões para mostrar o quão incrível eles realmente são.

Nostradamus – Vida

Nostradamus nasceu Michel de Nostradame em Saint-Remy-de-Provence, França em 1503. Ele estudou medicina e se tornou um médico, tratando vítimas da peste em toda a França e Itália. Acredita-se que ele tinha um despertar psíquico. Ele começou a praticar o ocultismo e fazer previsões do futuro, que ele publicou em As Profecias. Muitas pessoas hoje acreditam que suas previsões se tornaram realidade ou será no futuro.

Nostradamus era um médico (médico) e astrólogo (alguém que acredita que o futuro pode ser aprendido estudando as estrelas e planetas).

Hoje Nostradamus é recordado principalmente pelas previsões que ele fez de eventos futuros.

Obra

Nostradamus
Nostradamus

Grande obra Nostradamus de profecias, agora referido como “As Centúrias“, foi publicado em parcelas ao longo de vários anos.

O trabalho consistiu de cerca de mil quadras, versos de quatro linhas, coletados em grupos de cem.

O título “As Centúrias“, que refere-se à estrutura de organização do trabalho, não para períodos de tempo, aparentemente foi acrescentado após a época de Nostradamus.

O original era simplesmente “As Profecias de Michel Nostradamus“.

Nostradamus – História

Ele era ligeiramente menor que a altura média, fisicamente robusto, vivo e vigoroso

Tinha sobrancelhas largas, amplas, retas, bem como o nariz, olhos acinzentados, de olhar suave, mas que faiscavam quando estava bravo.

Seu semblante era severo e sorridente, de forma que sua severidade era vista como tempero de grande humanidade.

Suas bochechas eram avermelhadas, até mesmo na idade avançada, a barba era longa e grossa e, exceto na velhice, era vigoroso e enérgico, com todos os seus sentidos acurados e relativamente inatingível.

Com respeito à sua mente, era viva e idônea, facilmente capaz de entender qualquer coisa que quisesse.

O julgamento era refinado, a memória admirável e segura.

Ele era por natureza taciturno, pensava muito e falava pouco, ainda que discursasse perfeitamente bem conforme o tempo e o lugar exigiam.

De resto, era alerta, sujeito a raivas súbitas, imediatas, contudo, um trabalhador paciente.

Dormia somente quatro ou cinco horas por noite.

Prezava e valorizava a liberdade de expressão e era por natureza alegre, como também jocoso, picante, e gozador.

Aprovava o cerimonial da Igreja Romana e permaneceu fiel à fé católica e religião, defendendo que fora dela não havia salvação.

Reprovou firmemente os que se afastaram do seu círculo, que estavam se deixando beber e alimentar por condenáveis doutrinas estrangeiras de liberdades permissivas.

O fim deles, afirmou, seria ruim e desagradável.

Não deveria eu esquecer de mencionar que ele era um médico inclinado a prescrever jejuns, orações, doações de esmolas, e austeridade.

Detestava vício e o condenava severamente.

De fato, recordo que ao dar ao pobre, aos quais ele era muito generoso e caridoso, constantemente estavam nos seus lábios estas palavras da Sagrada Escritura: “Ama a retidão e odeia a iniqüidade” – Salmos, 33: 5

Nostradamus
Nostradamus

Nascimento: 14 dezembro 1503, em Saint Remy de Provence.

1º casamento

Por volta de 1534 com uma jovem, com quem teve um filho e uma filha.

Essa esposa e esses filhos morreram vitimados pela peste (1538).

Há controvérsias sobre quem teria sido essa jovem. Uns estudiosos afirmam que ela teria sido uma desconhecida. Outros, que ela teria sido Adriette de Loubejac ou Audiette de Roque-Lobajac (esses são contestados pelos que garantem que tal Adriette ou Audiette teria sido a jovem de dezesseis anos de idade que teria sido esposada pelo fisósofo Jules-César Scaliger (nascido como César de L’Escalle ou L’Escallet), o quinqüagenário amigo de Michel Nostradamus.

Um terceiro grupo de estudiosos ficou com a opinião de que essa primeira mulher de Michel teria sido Anne de Cabrejas uma moça catalã, de Perpignan. Pelo que há na parte secreta das Centúrias, pelo menos entre as quatrocentas e vinte e nove (429) primeiras abordadas, a possibilidade maior é a de que essa Anne de Cabrejas tenha sido a verdadeira primeira cônjuge deste Michel. (Parágrafo corrigido em 24 agosto 2005 e 07 janeiro 2006).

2º casamento

Em 11 ou 26 novembro 1547 com Anne Ponce Gemelle, uma jovem viúva cujo nome é apresentado de diversas formas, tais como: Anne Ponsard Jumelle, Anne Pons Gimelle, Anne Ponce Gimelle etc.

Deste matrimônio nasceram seis filhos.

E todos, Anne e os meninos e meninas, sobreviveram a Michel. (Parágrafo corrigido em 24 agosto 2005).

Nascimento do filho Cesar ao qual dedicou o prefácio de “As Centúrias”: por volta de 1553-1554.

Morte: 02 julho 1566, em Salon-de-Provence.

Primeira edição das Centúrias: (incompleta pois nela haviam apenas as três primeiras centúrias e parte da quarta): 1555.
Segunda edição das Centúrias:
(com as sete primeiras centúrias):1557. (Com duas impressões; a primeira, cheia de erros, chamada 1557 – Du Rosne, e a segunda, uma correção desta primeira, denominada 1557 – Du Rosne – Utrecht). (Parágrafo corrigido em 24 agosto 2005).
Terceira edição das Centúrias (completas):
1566 (ano da morte do autor). Esta edição, afirmada, pelos seus leiloadores e pelos comercializadores de suas cópias em fac-símile, como verdadeira e como a mais recentemente descoberta, recebeu o nome de “1566 – Edition Princeps”.
Quarta edição das Centúrias:
(já completas e incluindo uma carta ao rei Henry II): 1558 (Póstuma, portanto).

Nota complementar

Os filhos de Nostradamus

Nomes e datas dos nascimentos dos seis (6) filhos do casamento (1547) de Michel Nostradamus com Anne Ponsarde Gemelle (ou Anne Ponce Gemelle ou Anna Pontia Gemella): Madeleine (1551), Cesar (1553 ou 1554), Charles (1556), André (1557), Anne (1558) e Diane (1561).

Nostradamus – Biografia

1503 – 1566

Nostradamus
Nostradamus

O maior profeta de todos os tempos veio ao mundo ao meio-dia de 14 de dezembro de 1503 – uma quinta-feira, em Saint Rémy de Provence, sul da França, região próxima do Mediterrâneo.

Descendente de família judia recém-convertida – ou, como se dizia na época, cristãos novos -, o profeta freqüentava a igreja regularmente.

O sobrenome da família Notre-Dame (em português, Nossa-Senhora) foi tomado do bairro epônimo de Avinhão, cidade do sul da França onde já viviam em fins do século XV.

Em Avinhão, aos 14 anos, o jovem Michel começou a estudar humanidades, gramática, filosofia, retórica e arte num famoso centro renascentista. Já dominava o grego e o latim. Ali teria entrado em contato com pessoas de idéias avançadas para a época, que vislumbravam uma nova teoria revolucionária, o heliocentrismo, postulado considerado herético pelo cânones.

Por isso, em 1522, sua família, ciente de suas idéias “subversivas”, com medo da Inquisição, achou por bem enviá-lo a Montpellier para estudar medicina na universidade local, cujo renome equiparava-se à de Paris.

Três anos depois o jovem Michel obteve o grau de bacharelado, recebendo licença para praticar a medicina. Saiu então a andarilhar pelas províncias em auxílio às vítimas da peste negra que assolava a Europa. Quatro anos depois retornou a Montpellier para terminar os estudos, rematriculando-se em 23 de outubro de 1529.

Doutorou-se, recebendo o chapéu quadrado, que identificava os médicos (o mesmo chapéu que se vê em seu retrato na igreja de Salon), o anel de ouro, e um exemplar das obras de Hipócrates. Foi-lhe oferecido um lugar de mestre na escola, e ele lecionou aí durante mais ou menos um ano.

Em 1532, por aí, andarilhou novamente, assistindo os enfermos de Narbonne, Toulouse, La Rochelle e Bordéus. Ganhando a vida como médico, Nostradamus também vendia cosméticos, perfumes e filtros de amor que ele mesmo preparava. Em 1534 estava em Agen, onde conheceu e logo se casou com Adriette du Loubejac, jovem de alta posição, com quem teve um casal de filhos (há quem diga que eram dois meninos). Em 1537 a peste chega a Agen e Adriette e os filhos morrem repentinamente, e o profeta se retira – dizem alguns biógrafos – ao mosteiro de Orval, no Luxemburgo.

Depois andarilhou novamente, percorrendo a França e a Itália. Em 1544 passou a residir em Marselha, passando a trabalhar contra a peste. Em 1547 seu irmão Bertrand manda chamá-lo a Salon e apresenta-lhe uma jovem viúva rica – Anne Ponsard Gemelle, com a qual se casa em 11 de novembro, tendo com ela três filhos e três filhas.

Morando em Salon, passou então a escrever um almanaque anual que era vendido pelos mascates às populações rurais. Esse almanaque, que fazia grande sucesso, basicamente tratava de previsões metereólogicas ordinárias, das plantações, condições locais e regionais.

Publicou ainda o Adornos e Cheiros Para Embelezar o Rosto, e em 1552 o Traité de Fardements et Confitures (Tratado de Adornos e Confeitaria), um livro de receitas diversas onde expõe métodos de assepsia para a conservação de doces em compotas, além de cosmética.

Em MAIO DE 1555, Nostradamuspublicou seu famoso livro de profecias – AS CENTÚRIAS -, pela casa Macé Bonhomme, de Lyon. Essa primeira edição continha apenas as três primeiras Centúrias e mais 54 quadras da quarta, precedidas pelo Prefácio de M. Nostradamusàs suas Profecias, dedicado ao seu filho César, recém-nascido.

Com o sucesso, a rainha Catarina de Médicis, apaixonada por ciências ocultas, mandou chamá-lo à Corte, onde chegou em 15 de agosto de 1555. Instalado, por fim, no palácio de Nevers, a nobreza vinha procurá-lo para horóscopos e palpites.

Em 1557 saiu uma segunda edição de As Centúrias, aumentada até a sétima. Em 1558 o editor de Lyon, Pierre Rigaud, imprimiu o livro com seu corpo principal, incluindo uma longa epístola supostamente dedicada a Henrique II. Em edições posteriores seriam acrescentados as Sextilhas e os Presságios, além de quadras suplementares.

A consagração de Nostradamuscomo grande profeta aconteceu ainda durante seu tempo de vida, com a morte trágica de Henrique II, em 10 de julho de 1559, prevista pelo profeta na quadra 35 da Centúria I. Mas, em 1561, cansado da superficialidade da corte, retornou a Salon, retomando seu trabalho. Montou então no ápice de sua bela residência um laboratório-observatório. A casa ainda pode ser vista na Place de la Poissonnerie.

Em 1561 consta também a impressão, em Paris, do seu Le Remède Très Utile Contre la Peste et Toutes Flèvres Pestilentielles (O Remédio Muito Útil Contra a Peste e Todas as Febres Pestilentas).

Já na velhice, escreveu o Moultes Opuscules, onde narra sua atuação contra a peste na Provença, além de esporádicas passagens de suas andanças, particularmente pela Itália. Em 1572 imprimiu-se em Lyon seu Traité des Singulières Recettes pour Entretenis la Santé du Corps; les Confitures; Opuscule de Plusieurs Exquises Recette (Tratado de Receitas Singulares para Manter a Saúde do Corpo; Confeitarias; Opúsculo de Várias Receitas Esquisitas). Deixou também manuscritos onde parafraseava o Hórus Apolo, e uma paráfrase de Galeno.

O grande mago de Salon, atormentado pela gota, que evoluiu para hidropisia, sabendo que sua morte estava próxima, fez seu testamento em 17 de junho de 1566. No dia 30 o grande profeta acrescentou um codicilo ao seu testamento, e no dia seguinte o sacerdote local deu-lhe a extrema unção.

Nostradamus disse então ao seu grande amigo e discípulo, Jean-Aimé Chavigny: “Amanhã de manhã já não mais me vereis com vida ao nascer do sol.”.

Na manhã do dia 2 de julho de 1566 foi encontrado morto no seu gabinete de trabalho.

No presságio 141, última quadra de suas CENTÚRIAS, Nostradamusprediz a própria morte:

De retorno da Embaixada, tendo o presente do rei colocado no lugar,
Nada mais fará, será levado a Deus:
Os parentes mais próximos, amigos, irmãos de sangue,
Encontrá-lo-ão morto perto do leito e do banco.

Foi sepultado na igreja do Convento de Cordeliers.

Em seu túmulo constava um epitáfio, em latim, encomendado pela esposa:

“Aqui estão os restos mortais do mui ilustre Michel Nostradamus, o único, na opinião de todos os mortais, cuja pena, quase divina, foi digna de escrever segundo o movimento dos astros, os futuros acontecimentos que hão de acontecer no mundo inteiro. Viveu 62 anos, 6 meses e 17 dias. Morreu em Salon no ano de 1566. Que a posteridade não perturbe o seu repouso. Ana Ponsard, sua segunda esposa, deseja ao seu excelente esposo um eterno descanso”.

No decorrer da história seu túmulo foi visitado por muitas personalidades, entre elas Luís XIII, em 1622, Luís XIV e o cardeal Mazarino, em 1660.

Em 1700, quando exumaram-lhe os restos mortais para outro local do Convento, foi encontrada junto dos ossos uma placa escrita: 1700! Em 1793, durante a Revolução Francesa, quando se destruíam conventos, soldados marselheses antimonarquistas violaram as tumbas, e um deles arrombou o caixão de Nostradamuse espalhou os ossos pelo local. Mas quando foram lembrados de que o profeta havia profetizado claramente o ano da queda da monarquia (“E durará esta até o ano de 1792…” Vide a Epístola a Henrique), os soldados recolheram os ossos de volta ao caixão, que foi então transladado para a capela da Virgem, na igreja de Saint-Laurent, em Salon. Seu túmulo ainda está lá, acompanhado de um retrato, e pode ser visto ainda hoje.

Fonte: www.biography.com/geocities.yahoo.com.br

Nostradamus

Conselheiro de três reis da França – Henrique II, Francisco II e Carlos IX – e homem de confiança da Rainha Catarina de Médicis, Michel de Nostredame, mais conhecido como Nostradamus, foi certamente uma figura excepcional.

Formou-se em medicina, mas dedicou muito de seu tempo à astrologia, à alquimia, à teologia e à literatura, chegando a ser considerado por alguns de seus biógrafos “um dos homens mais eruditos de sua época”.

Mesmo assim, não é fácil compor sua biografia: os dados e as informações disponíveis nem sempre se mostram coerentes entre si.

Nostradamusnasceu na França, mais precisamente na pequena cidade de Saint-Rémy, na Provença, por volta de 12 horas do dia 14 de dezembro de 1503, uma quinta-feira. Seu pai, Jacques de Nostredame, era o tabelião da localidade e descendia de família um tanto modesta. Por parte da mãe, Renée de Saint-Rémy, há entretanto ascendentes mais ilustres, tanto no campo da matemática como no da medicina.

A família, que professava o judaísmo, converteu-se à fé cristã quando Michel contava 9 anos de idade. Ainda bem jovem, depois de aprender latim, grego, hebraico, matemática e astrologia com seu avô materno, Michel foi mandado para Avignon para estudar a humanidade, mas logo se viu atraído pela medicina.

Assim, como decorrência natural, acabou sendo matriculado na Escola de Medicina da Universidade de Montpellier.

Em 1525, com 22 anos, Nostradamuscomeça sua carreira de médico, enfrentando os primeiros obstáculos. Tenta fixar-se em Narbonne, passa por Toulouse e acaba ficando quatro anos em Bordeaux, onde combate uma epidemia de peste em condições muito precárias. Em seguida, retorna a Montpellier para aperfeiçoar-se, tenta novamente Toulouse e, finalmente, fixa-se em Agen, à margem do rio Garona, onde se casa e tem dois filhos (um menino e um menina). Mas a peste não respeita ninguém, nem mesmo a família dos médicos. É assim que Nostradamusfica sem família, só no mundo e “sem paz”, como diria.

Passa algum tempo viajando pela Itália e depois volta a sua terra natal, a Provença, para descansar e recuperar-se. Quando retorna à atividade, vai primeiro para Marselha e, depois, para Aix, capital da Provença, onde permanece três anos a serviço da cidade.

E Aix desafia-o com uma situação tão dramática como a de Bordeaux: a peste de 1546.

A parada seguinte é Salon-de-Craux, onde se casa novamente com uma viúva, Ana Gemella, e tem seis filhos (três homens e três mulheres). O primeiro deles é César, o qual mais tarde dedicaria as primeiras Centúrias.

É nessa época que Nostradamuscomeça a escrever suas Centúrias e outras mensagens proféticas – mas, receoso de incorrer em desagrado e perseguições, prefere adiar a sua publicação. Seu desejo de vê-las conhecidas, porém, é mais forte. Manda-as então para a impressão e, em breve tempo, suas profecias se tornam famosas.

O próprio Rei Henrique II da França, perturbado pelas previsões sobre os anos imediatos – nelas Nostradamusfalava de carestia, peste, seca e de mares e terras tingindos de sangue, convida o vidente a fazer parte de seus conselheiros, na corte. Era 1556.

Com a morte de Henrique II em 1559 (prevista na Centúria 1-35), Nostradamuscontinua nas mesmas funções com o sucessor, Francisco II, e com o sucessor deste, Carlos IX. Contam os biógrafos que Carlos IX quis ir pessoalmente, acompanhado de seus principais dignitários, para entregar ao sábio, em sua casa, o documento com o qual o nomeava médico pessoal do rei. Dizem que, durante a visita, Nostradamuspediu para examinar as manchas no corpo de um jovem que fazia parte de um séquilo real, e predisse que um dia ele seria rei da França.

O rapaz era Henrique de Navarra, que mais tarde veio a se tornar Henrique IV. É o momento em que a estrela de Nostradamusbrilha com mais força.

Sua fama de médico e de adivinho ultrapassa as fronteiras da França; de todos os cantos da Europa, chegam celebridades para conversar com ele e “obter uma luz, ainda que tênue, sobre o futuro”.

A saúde de Nostradamus, entretanto, não acompanha todo esse brilho. Já há alguns anos ele vinha sofrendo de artrite e gota, enfermidades que, com o passar do tempo, dominam cada vez mais o seu organismo. Em meados de 1566, sofre um forte ataque de hidropisia (acumulação de líquido nos tecidos) que o obriga a permanecer no leito.

No dia 1º de julho chama um criado e pede­lhe para arrumar o quarto, “pois não estaria mais vivo ao alvorecer do dia seguinte”. E assim foi. Nostradamusmorreu em 2 de julho de 1566, sendo sepultado de pé numa das paredes da Igreja de Cordeliers, em Salon.

Sobre o túmulo, sua esposa mandou gravar um epitáfio, semelhante ao do historiador romano Tito Lívio.

Durante a Revolução Francesa, no entanto, o túmulo de Nostradamusfoi aberto por soldados supersticiosos. Seus restos foram então reenterrados em outra igreja de Salon, a Igreja de São Lourenço, onde permanecem até hoje.

A época de Nostradamus

Quando Nostradamusnasceu, a América estava descoberta havia onze anos, e Roma encaminhava­se para o seu período de maior brilho no Renascimento: Leonardo da Vinci estava pintando sua La Gioconda, o arquiteto italiano Bramante iniciava a construção da Basílica de São Pedro e o famoso Michelangelo dava as primeiras pinceladas dos afrescos da Capela Sistina, no Vaticano, por encomenda do Papa Júlio II.

Paris já era um centro de cultura e de artes: são dessa época belíssimos edifícios, como o Hotel de Sens, o Hotel de Cluny e as igrejas de Saint­Merri e de Saint­ Etienne­du­ Mont. Passam-se alguns anos, e eis Maquiavel escrevendo O Príncipe e o poeta italiano Ludovico Ariosto, o seu Orlando furioso.

Há no ar um fermento cultural que invade todos os setores da sociedade. E é nesse clima tão rico de experiências e de idéias que caem as primeiras sementes do que mais tarde seriam chamadas de “guerras religiosas”.

Em 1517, Lutero publica as 95 teses contra a doutrina das indulgências, entrando em conflito com a igreja, razão pela qual, quatro anos depois, é excomungado pelo Papa Leão X e, a pedido deste, banido da Alemanha pelo Imperador Carlos V.

Dez anos depois, exatamente, as tropas imperiais saqueiam Roma.

E, em 1545, tem início o Concílio de Trento, realizado em um quadro histórico muito vivo e agitado. É a época em que Nostradamusse encontra em Marselha, retornando a sua vida de médico da primeira esposa. Dois anos depois, em 1547, Henrique II sobe ao trono da França, enquanto na Grã­Bretanha, com o Rei Eduardo VI, acentua­se a orientação protestante da igreja Anglicana.

Na França, a política adotada por Henrique II reaviva as dissensões entre as grandes famílias feudais e somente a habilidade diplomática de sua mulher, Catarina de Médicis, consegue contornar as crises.

É o tempo dos “reis meninos”: com a morte de Henrique II, a coroa passa para seu primogênito Francisco II, um adolescente doentio de 15 anos, que casara aos 13 com a Rainha Maria Stuart, da Escócia.

Seu reinado, no entanto, dura bem pouco: ele morre aos 16, deixando a coroa para o irmão Carlos IX, de apenas 9 anos, ficando o poder nas mãos de sua mãe Catarina, como regente.

Nesse período, acentua-se na corte a influência de um grupo de nobres liderados pelo Duque Francisco de Guise, irmão do Cardeal de Lorena, e pela poderosa família dos Montmorency, idealizadores da política de repressão religiosa e defensores de uma contra­ofensiva católica.

Outro grupo forte, na corte, era formado pelos nobres que haviam aderido à reforma por motivos políticos, e por isso eram chamados de “Huguenotes de Estado”. Catarina de Médicis esforçou­se muito em realizar uma política de conciliação entre as duas facções, mas as pessoas ainda não estavam maduras.

Em 1560, alguns nobres “reformados” tentaram raptar o Rei Carlos IX para subtraí­lo à influência da família de Guise. A tentativa, conhecida como Conjuração de Amboise, resultou numa sangrenta repressão aos inimigos de Guise.

Passaram­se dois anos, e a insistência de Catarina de Médicis em conseguir a conciliação obtém alguns resultados positivos: ela sente­se suficientemente forte para promulgar um edito que permite a “liberdade de culto fora das cidades cercadas de muros”. A medida parece agradar a todos, mas não satisfaz os seguidores da família de Guise, que provocam novos incidentes.

O mais grave ocorre em março de 1562, quando o Duque de Guise, à testa de seus homens, ataca um grupo de calvinistas que realizavam seu culto em Vassy. O massacre é aprovado com entusiasmo pela população parisiense. Sentindo-se ameaçados, os calvinistas pedem ajuda à Grã­Bretanha. É a guerra entre os dois países. E a violência espalha­se rapidamente. Incansável, Catarina de Médicis insiste em sua ação mediadora e consegue a deposição das armas com o edito de Amboise (19 de março de 1563).

Esse rápido resumo histórico mostra como foram cheios de acontecimentos preocupantes os anos em que viveu Nostradamus. E nesse clima de incerteza e de medo, pode-se entender com que interesse eram recebidas as suas premonições, tanto na corte como junto ao próprio povo.

Mesmo nos momentos de maior confusão, Nostradamus sempre repetia: “É a violência que respeitará os últimos anos de minha vida”.

Foi exato na sua previsão, pois quando a guerra recomeçou, no outono de 1568, Nostradamusjá repousava em paz, havia dois anos, na Igreja dos Cordeliers.

Prólogo às Profecias As Centúrias de Nostradamus foram escritas em linguagem bastante hermética.

Ele conhecia com perfeição as línguas clássicas e também o romance (língua vulgar, derivada do latim, falada em certos países após o declínio de Roma).

Nostradamus utilizou esses conhecimentos para apresentar suas mensagens proféticas de forma acessível a poucas pessoas. Não bastasse isso, ainda lançava mão de alguns truques ­ como a inversão de letras, sua substituição por outras, anagramas e alcunhas, aumentando as dificuldades a serem vencidas pelos estudiosos de sua obra.

O vidente escreve Rapis em vez de Paris, Nercaf por France. Eiovas por Savoie, Arge por Alger, Loin por Lyon e assim por diante.

Para entender melhor os textos é necesário ainda considerar a época em que viveu Nostradamus, muito difícil por causa das lutas religiosas entre católicos e huguenotes.

Uma mensagem ainda que exposta claramente, mas mal interpretada por uma das facções, poderia provocar um aumento da violência e acarretar perseguições ao seu autor.

A primeira edição de Les Prophéties de M. Michel Nostradamusde M. Michel Nostradamusveio à luz em Lyon no de 1555. Três anos depois saiu uma segunda edição, impressa por Pierre Rigaud, e em 1568 (dois anos após sua morte) Benoist Rigaud publicou uma edição completa. No total, as Centúrias são doze, três delas estão incompletas, as de número 7, 11 e 12.

A elas devem ser acrescentados os Presságios (1550­67) e as outras profecias, encontrados parte em cartas enviadas aos reis e a outras personalidades com as quais Nostradamustinha contado.

Fonte: www.dicionarioesoterico.com.br

Nostradamus

O Vidente dos Reis

Nos últimos anos nenhum vidente conheceu a fama e o prestígio de Michel de Nostradamus, nascido na França em 14 de dezembro de 1503, neto de um astrólogo e apaixonado por fazer prognósticos.

Até os dias de hoje, aqui e ali, dependendo das circunstâncias, alguma das suas profecias, sempre registradas em linguagem enigmática, são lembradas para confirmar algum tipo de acontecimento sensacional.

A esperança e o temor

Nostradamus
Nostradamus (1503-1566)

A França do século XVI tornara-se o lugar de pasto dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse. A fome, a peste, a guerra e a morte, com sua foice tenebrosa, devastavam o pais de alto a baixo devido as Guerras de Religião. Travava-se do sangrento embate entre os católicos, integrantes da Liga, e os seus inimigos, os huguenotes, como os protestantes franceses eram conhecidos.

O reino encontrava-se de fato nas mãos de uma mulher, a rainha Catarina de Médicis, uma italiana intrigante que crescera em meio ao clima de conspirações que cercavam a sua família de banqueiros de Florença. Obcecada por astrólogos, ocultistas e magos, assim que soube da arte dos prognósticos do doutor Michel de Nostradamus, resolveu consultá-lo.

O vidente era um médico do sul da França, nascido em Saint-Remy da Provença, em 14 de dezembro de 1503, há quinhentos anos atrás, e que atingira fama imediata pela publicação das famosas Centúrias, em 1555, o que fez a rainha convencer o seu marido, o rei Henrique II, a dar-lhe um posto entre os seus conselheiros, encarregando-o de fazer os horóscopos dos príncipes.

Diga-se que era costume entre os potentados daquela época, assombrados pelas superstições medievais e pela paranóia natural de quem exerce o poder, terem sempre um adivinho ou um áuspice ao seu inteiro dispor (como hoje é comum entre os executivos e donos das grande empresas norte-americanas carregarem um psicanalista à tiracolo). Kepler, por exemplo, um dos maiores cientistas daquele século, vivia preparando mapas astrais para os seus clientes ricos, e até Isaac Newton, que viveu na dita Era Clássica da Razão, com um pé no Iluminismo, não se furtou em exercitar-se na astrologia. Foi o poeta romano Luciano quem disse certa vez ser a Esperança e o Temor, sensações diversas, quem mais enchia os bolsos dos magos, dos bruxos, dos quiromantes e dos astrólogos.

Sátira e realidade

Nostradamus
Catarina de Médici (1519-1589), protetora de Nostradamus

François Rabelais, o maior escritor satírico da Renascença francesa. que formou-se em medicina em Montpellier, a mesma de Nostradamus, chegou a ironizar esse costume, publicando ele mesmo um Almanaque Pantagruel, onde, entre tantos outros divertidos disparates, escreveu: “Este ano os cegos enxergarão bem pouco, os surdos ouvirão muito mal, os mudos não falarão nada, os ricos se sairão um pouco melhor do que os pobres, os sãos bem melhor do que os doentes…a velhice será incurável este ano devido aos anos passados”, prevendo também que, para aquele ano, haveria “um mal horribilíssimo , temidíssimo , maligno e perverso,….a falta de dinheiro! ”

Pois bem, independente das ironias do seu colega Rabelais, Nostradamus era um sucesso. Pináculo ainda maior da sua fama deu-se por ele ter previsto a dolorosa morte do rei Henrique II, vitimado em 1559, ao participar de uma liça contra um cavaleiro inglês, cuja lança perfurara-lhe a vista. Numa das suas quadras (Centúria I, 35) constava que “O jovem leão há de vencer o velho/ Em duelo no campo de batalha/ Há de furar-lhe o olho em jaula área/ Dois em um ferimento, e crua morte.” De fato, o soberano agonizou em grande sofrimento e Catarina, tornada viúva e rainha-mãe, entendeu que Nostradamus era um fenômeno.

Causou sensação a visita que ela, acompanhada pelo seu filho, o jovem rei Carlos IX, fez à Salon, em 1564, lugarejo da Provença onde o profeta se recolhera e onde mantinha a sua clínica médica e o seu laboratório de alquimia (Goethe, no “Fausto”, teria se inspirado na descrição do gabinete de Nostradamus ). Imagine-se o que representou de prestígio para ele o fato da mulher mais poderosa do reino procurar o doutor Notre-Dame (como era o seu nome original), mesmo sabendo-se que o principal motivo dela andar na região da Provença era para acalmar os ânimos exaltados pelos ódios religiosos.

Ancestral arte dos prognósticos

Pelo lado materno é que Michel de Notre-Dame (latinizado para Nostradamus ) herdou o gosto pelos mistérios celestiais, as doidices dos cometas e pelo raro ofício do vaticínio. Um avô dele, Jean de Saint-Remy, sábio e astrólogo, são quem mais o influenciou, fazendo com que ele fosse iniciado no latim, no grego, no hebraico, na matemática e na astrologia. Graduado em 1529, foi quase um caminho natural para ele entregar-se bem mais às contemplações cósmicas do que à medicina. Os segredos da sua paixão pela arte da vidência ele expôs em dois textos célebres. O primeiro deles – datado de março de 1555 – ele dedicou ao filho César Nostradamus , que lhe seguiu nas manhas astrológicas; o outro, mais longo, ele remeteu ao rei Henrique II, em 1557.

Nesta carta, apresentou uma súmula da sua obra, com uma série de outros dados enriquecedores ao entendimento do seu ofício de ocultista. Como todos os seus predecessores nas artes da adivinhação, Nostradamus sentia-se alguém escolhido por forças tremendas, divinas, que o indicaram, entre tantos, para a missão de servir como o arauto do devir. Alguém capaz de – instruído nos mistérios que lhe permitiriam dominar as sutilíssimas e inconstantes leis que regem o Cosmo -, prever então como o futuro se descortinaria.

Um parceiro dos deuses

Nostradamus
Sacerdotisa Sibylla (gravura de R. Schiaminossi)

Este espírito, o dom do vaticínio, assegurou ele ao filho César, certamente lhe fora alcançado pelo “Deus imortal e pelos Anjos bons”.

Não se tratava de magia, atividade que ele abominava, mas de uma estranha e misteriosa prática que se alimentava da “ luz sobrenatural” e que o permitiu entender a doutrina do planetas A inspiração revelada, por sua vez, recebida por vezes por um emissário angelical, fazia do vidente uma espécie de parceiro do Deus Criador, quase que um confessor da divindade, a quem ela, em segredo, recorria para lhe transmitir como seriam os anos futuros dos homens, dos povos, e das casas ilustres. Como ele expressou “A sós, sem meu secreto gabinete/ Na érea cadeira meditando à noite/ Exígua chama flamejando ao lume/ Faz-me dizer o que não digo em vão.” (Centúria I, Quadra 1ª)

Aquela chama do presságio, tal como a luz natural para os filósofos, punha-o em contato com as forças tremendas que dominavam o Universo. Eram os sinais que ele recebia quando se concentrava que o convenciam de que o Todo-Poderoso comunicava-se em código com ele, portanto, a linguagem do vidente jamais poderia ser clara e facilmente inteligível.

Ao Ser Supremo apraz os mistérios, gosta de ocultar-se do mundo e dos homens para assim melhor impressioná-los. Expressava ele assim a velha lógica que movia os videntes em outras épocas passadas, a mesma das pitonisas do Templo de Apolo em Delfos, que sempre se colocaram entre os poucos eleitos pela divindade.

Uma lente para ver o futuro

Na Grécia antiga, para atenderem a clientela, as sacerdotisas sentavam-se num trípode (um pequeno banco de três pernas) no interior do templo, onde, curvando a cabeça em direção a uma fenda aberta no chão, na rocha, aspiravam os “eflúvios divinos”. Em pouco tempo, devido aos gases que ali emanavam, elas entravam em transe murmurando coisas desconexas, expressões ditas “sibilinas”, que jamais eram diretas, inteligíveis. Quem fazia a consulta ao arúspice recebia de volta uma frase enigmática, transcrita numa tabuinha, tratando então de interpretar segundo os seus sentimentos e expectativas pessoais.

As sacerdotisas, por encontrarem-se exatamente sobre o ônfalos, o chamado umbigo do mundo, local em Delfos no qual o templo de Apolo fora erguido, também sentiam-se como as receptadoras das mensagens crípticas enviadas pelos deuses olímpicos aos mortais. Nostradamus , um seguidor de Abraão, – para ele, o supremo astrólogo – fechado sozinho no seu gabinete, recorria a outro procedimento. Tendo na mão a haste da adivinhação, uma vara bifurcada, enfiava o pé e parte da perna numa vasilha de bronze com água e ficava no aguardo até que o Divino Esplendor se manifestasse. Então, num repente, tremendo, punha-se a escrever. Por isso, pela forte emoção, as quadras que saiam da sua pena eram tão herméticas como as sentenças do oráculo de Apolo em Delfos.

Sentia que recebera um tipo de lente especial oferecido pelo poder do céu para que pudesse enxergar através dos nevoentos espaços, conseguindo ver com antecipação as calamidades naturais e humanas que ainda estavam por vir. Os seus prognósticos, assegurou ao filho, eram válidos até o fim do terceiro milênio do cristianismo, mais precisamente até o ano de 3797.

As estrofes astronômicas

A escrita do adivinho, tanto como a poesia, fazia largo uso de metáforas.

Por exemplo: “Barco” ou “Barco de Pesca”, para ele era quase sempre a Igreja Católica; “Balbec”, uma cidade da Síria, era o símbolo do crescente mal no mundo, enquanto a palavra “ dilúvio” servia para designar todas as desgraças que ainda aguardavam a humanidade. Há, pois um código especial que deve ser entendido por quem deseja decifrar os quadros de Nostradamus . Durante trinta anos seguidos ele juntou seus versos esotéricos – chamados de Estrofes Astronômicas – até que achou conveniente publicá-los em 1555.

Ao invés de estarem organizados em capítulos, ele os colocou em 7 centúrias, depois ampliadas para 12. O número total delas deveria atingir 1.200 previsões, todavia, com o tempo, muitas delas se perderam para sempre. Além disso, preparou uma série de Presságios, que foram publicados entre 1550 até a sua morte em 1566, e inúmeras outras contribuições feitas para os almanaques que anualmente era editados para atender ao crescente público leitor.

Ocorreu então um interessante fenômeno: mesmo depois da edição definitiva de 1672, as quadras dele deram por circular pelo mundo de modo independente.

Aqui e ali, alguém guardava uma delas e , conforme a ocasião se dava, tratava de divulgá-la ou publicá-la, procurando sempre fazer uma analogia entre o que Nostradamus havia escrito e um acontecimento qualquer que estava ocorrendo naquele momento, para mostrar a todos que o Grão-mestre dos poderes ocultos fazia tempo que havia previsto a desgraça.

Visões do futuro

Profetas, videntes e áugures, não são famosos por vislumbrarem situações felizes ou enternecedoras. Ao contrário, exprimem uma visão trágica da existência. Eles não estão no mundo para celebrar, mas para avisar e assustar. Não sem motivos, a palavra apocalipse, “revelação” em hebraico, tornou-se sinônimo de grande cataclisma, de pavoroso flagelo, de fim de mundo. Portanto, nada de muito bom pode se esperar quando um pressagiador anuncia o porvir. Profetas não têm censo de humor.

Envolvido pelas paixões do seu tempo, pelos desatinos que as perseguições e batalhas provocavam – especialmente pelo ódio teológico provocado pela Reforma Luterana, cujo reflexo na França foi a rivalidade mortífera entre os duques de Guise, católicos , e o Almirante Coligny, o campeão dos huguenotes -, Nostradamus acreditou que o mundo, por imposição de Saturno, “se aproximava de sua revolução anaragônica (a que traz mortes sem fim).

Por isso, afirmou equivocadamente, que a Terra ficaria despovoada, fazendo com que as ervas daninhas, antes dos próximos 177 anos, dominariam os terrenos outrora cultivados. Para ele estava-se vivendo no fim de um dos milênios, o sétimo, nas vésperas de ascender ao oitavo e último milênio, ocasião em que o grandíssimo Deus colocaria um fim em todas as revoluções, reiniciando um novo ciclo de vida cósmica.

Entrementes, muito sangue iria correr, muita espada desembainhada sairia em busca de vítimas, visto que ele recebera uma mensagem que dissera: “Visitarei suas inquietudes com uma haste de ferro e com golpes os ferirei”, sem contar outras tantas manifestações da natureza indomada que ainda iriam ocorrer, tais como enchentes, inundações, desabamentos e queimadas pavorosas.

Enterrado em pé

A fama de Nostradamus não se devia somente aos presságios, mas também à encenação que o cercava e que ele alimentou com gosto. Um adivinho que se preze sempre está muito próximo a inclinar-se pelo esquisito, o bizarro e o excêntrico. Quando sentiu que suas forças lhe faltavam, abalado pela hidropisia, determinou que seu corpo fosse sepultado em pé para que ninguém pisasse nos seus ossos. Para isso, emparedaram-no num dos lados da Igreja dos Cordelliers em Salon, no dia 2 de julho de 1566. Consta a lenda que quando, durante as desordens da Revolução Francesa, um bando de soldados bêbados resolveu profanar-lhe a tumba, ao abrirem a tampa do caixão, porém, deram com uma placa escrita “maio , 1791”. Exatamente o mês e o ano do arrombamento e exposição dos seus ossos. Coisas de Nostradamus .

Neste tempo todo, desde a sua morte, vários foram os escritores e outros ocultistas que lançaram-se a fazer atualizações dos escritos do mago de Salon. Suas quadras se prestam a que, em cada século, alguém tente demonstrar como Nostradamus estava certo, de como ele bem havia predito isto ou aquilo – desde a ascensão de Mussolini e de Hitler, à invenção da aviação civil e da militar. Até mesmo resultados finais de campeonatos de futebol teriam sido anunciados bem antes pelo soberbo adivinho. Sim, porque Nostradamus consagrando-se como a mais popular dos profetas da idade moderna, não poderia ficar de fora de também palpitar sobre o espetáculo favorito das massas.

Goethe, que largamente inspirou-se nele na construção do seu personagem “Fausto”, um cientista e mágico que entregara a sua alma ao diabo Mefistófeles, entendendo-o como um profeta dos tempos góticos, homenageou-o com a seguinte passagem enigmática:

“Sus! Percorrei a vastidão da Terra!
Não vos será bastante companhia/Este escrito repleto de mistério,
Escrito pelo próprio Nostradamus ?
Compreendereis o curso das estrelas/
E a lição de Natura expandirá/ A força de vossa alma, como quando
Um com um outro Espírito se entende.”
Goethe
(Fausto, Ato I, Cena I)

As quadras proféticas (*)

Centúria e quadra Estrofe astronômica Acontecimento
I, 35 “Jovem leão há de vencer o velho, em duelo

no campo de batalha, há de furar-lhe o olho
em jaula áurea, dois em um ferimento, e
crua morte”
.

A agonia e morte do rei Henrique II, em 1559
VII, 17 “O príncipe, tão clemente e piedoso, após

assegurar a paz aos seus, por morte mudará
seu grande engenho, depois de longa paz o
reino sofre”.

A morte de Henrique IV, de Navarra, rei francês que assegurou a liberdade religiosa aos huguenotes e que, por isso, foi assassinado por Ravaillac, em 1610
VII, 63 “À noite virá pela floresta de Reines, Duas partes, Voltorte Herne, a pedra branca. O monge negro e gris, dentro de Varennes, Eleito o capitão, há fogo e sangue”. A captura de Luís XVI em Varennes, quando fugia de Paris vestindo-se em trajes simples, em 1791.
III, 7 “Fugitivos, nos piques tendo o raio, combatem,
junto aos corvos que crocitam, gritam da terra, pedem ao céu ajuda, Quando junto á muralha batem os homens.”
A tomada da Bastilha pelo povo de Paris, em 14 de julho de 1789

(*) Estima-se que bem menos de 10% das previsões dele se confirmaram. Ocorre que ela ainda têm validade, conforme ele especificou, até quase o ano de 4000.

Fonte: www.terra.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+