Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão  Voltar

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

 

A pressão arterial elevada (hipertensão) é uma doença crônica caracterizada por um aumento contínuo no número de pressão arterial nas artérias. Embora não haja um limite estrito para definir a fronteira entre o risco e segurança, em conformidade com o consenso internacional, a pressão sistólica sustentada acima 139 milímetros Hg ou uma pressão diastólica superior a 89 mm sustentada Hg , estão associados com o aumento risco mensurável de aterosclerose e hipertensão, por conseguinte, é considerado clinicamente significativo.

A hipertensão está associada com taxas de morbidade e mortalidade consideravelmente maior, por isso é considerado um dos mais importantes problemas de saúde pública, especialmente em países desenvolvidos , afetando cerca de um bilhão de pessoas em todo o mundo. A hipertensão é uma doença assintomática e fácil de detectar, no entanto, apresenta-se com complicações graves e letais se não tratados precocemente. Hipertensão crônica é a mais importante de risco modificável para doenças cardiovasculares e para doença cerebrovascular e renal. Também é sabido que os homens são mais propensos a desenvolver hipertensão do que as mulheres, uma situação que mudou quando as mulheres atingem a menopausa, pois antes disso tem os hormônios de proteção que desaparecem neste período, a partir do momento a frequência é igual, portanto, as mulheres devem ser monitoradas para a doença nos anos de menopausa.

Hipertensão, de modo silencioso, produz mudanças no fluxo sanguíneo , a macro e microvasculares , por sua vez causada pela disfunção da camada interna dos vasos sanguíneos e remodelação da parede arteriolar resistência, que são responsável por manter o tônus vascular periférico. Muitas dessas mudanças no tempo anterior à elevação da pressão arterial e produzir lesões orgânicas específicas.

Em 90% dos casos a causa da hipertensão é desconhecida, o que é chamado de "hipertensão essencial", com uma forte influência hereditária. Entre 5 e 10% dos casos há uma causa diretamente responsável pela elevação da pressão sanguínea. Esta forma de hipertensão é chamado de "hipertensão secundária", que não só pode ser tratada e, por vezes, desaparecer para sempre sem requerer tratamento a longo prazo, mas também pode ser o aviso para localizar as doenças mais graves, dos quais HT é só uma manifestação clínica.

Os diuréticos e beta-bloqueadores reduzir a ocorrência de eventos adversos relacionados a hipertensão doença cerebrovascular . No entanto, os diuréticos são mais eficazes na redução de eventos relacionados com doença cardíaca coronária . Pacientes hipertensos que se encontram tratamento são menos propensos a desenvolver hipertensão grave ou insuficiência cardíaca congestiva . Na maioria dos casos, no idoso usando baixas doses de diuréticos como terapia anti-hipertensiva inicial. Em pacientes idosos com hipertensão sistólica isolada é frequentemente utilizado como uma alternativa de canal de cálcio terapia com inibidor de longa ação tipo dihidropiridina . Em pacientes idosos com hipertensão não complicada, mais ensaios estão em andamento para avaliar os efeitos de longo prazo da inibidores de enzima conversora de angiotensina e os bloqueadores do receptor da angiotensina-II . A hipertensão é chamada de "peste silenciosa do século XXI".

O Dia Mundial da Hipertensão é comemorado em 17 maio.

Etiologia

Alguns dos fatores ambientais que contribuem para o desenvolvimento da hipertensão incluem obesidade , o álcool , o tamanho da família, circunstâncias do nascimento e profissões de stress. Foi notado que, em sociedades economicamente prósperas, esses fatores aumentam a incidência de hipertensão com a idade.

Exame Físico

O médico irá fazer um exame físico, que deve incluir as seguintes informações:

• Inspeção da aparência geral, principalmente as fácies, cor tegumento, hábitos, humor, nível de consciência e orientação ;

• Antropometria : peso, altura, índice de massa corporal (IMC), circunferência da cintura (PC, a medição da altura das cristas ilíacas ) e relação cintura / quadril (RCQ);

• Medição do pulso e da pressão arterial na posição sentada e após 5 minutos de repouso, pelo menos três vezes na primeira consulta. Ele considera a média aritmética ou a média de figuras como o valor representativo para a visita. É necessário medir a pressão em ambos os braços, registrar o maior valor e registro no arquivo corresponde ao qual braço para medir-lo no futuro membro. Os procedimentos para a medição correta discutido anteriormente. Recomendamos tomar a pressão quando está de pé caso de pacientes idosos para governar ortostase , ou se suspeita de disautonomia (diabéticos crônicos, por exemplo).

• Fundus : considerar a classificação de Keith-Wagener da retinopatia hipertensiva, se for o caso, mas não aplicá-la oftalmologistas, buscará maior brilho arteriais patológicas travessias arteriovenosas (assinar Gunn ), perda de relacionamento venoarterial, exsudatos , hemorragia e anormalidades do disco óptico e da retina periferia. Deve ser lembrado que os sinais de retinopatia hipertensiva incipiente (mudanças em relação arteriovenosa, por exemplo) são inespecíficos, com exceção de hemorragias e exsudatos. É cada vez menos comum em vista papiledema clínica.

• Pescoço: Inspeção de veias jugulares, palpação e ausculta das artérias carótidas, avaliação da glândula tireóide ;

• Exploração exaustiva cardiopulmonar, descrevendo aparecimento e expansão de tórax , ventilação pulmonar, ponto de impulso máximo (PMI) dos sons emoções coração, e o coração, acessórios normais e patológicos ou;

• O tecido adiposo abdominal, presença de pulsações visíveis, a circulação venosa adicional, visceromegalias, tumores;

• Exploração dos pulsos periféricos (amplitude, onda de pulso, simetria), enchimento capilar, áreas de temperatura acrais, redes venosos periféricos;

• Exame neurológico básico, que deve ser concluída em caso de lesão anterior ou atual do sistema nervoso central ou periférico): alunos, movimentos oculares, simetria facial, audição, equilíbrio, coordenação, língua e palato mole, força de membros, sensação, reflexos tendão e músculo cutâneo, normal ou patológico.

Testes de laboratório

Recomendamos os seguintes estudos de laboratório central para todos os pacientes hipertensos:

• Hematócrito ou hemoglobina : não precisa fazer um hemograma completo apenas se a hipertensão é estudado.

• Creatinina sérica ( BUN sangue é opcional mas é necessário se AHF).

• Potássio sérico (alguns especialistas chamam de sódio no soro também para a detecção de hiponatremia , se a clínica é sugerido).

• Glicose em jejum e 2 horas pós-prandial (após as refeições). Um teste de tolerância à glicose oral (TTG) pode ser necessário

• Perfil lipídico: colesterol total / HDL e triglicéridos (jejum de 12-14 h ), o colesterol LDL pode ser calculado pela fórmula de Friedewald se os triglicéridos estão abaixo de 400 mg%: [(TC - HDL-C) - TG / 5 ].

• Ácido úrico , especialmente se o paciente é do sexo masculino ou mulheres grávidas.

• Exame de urina.

• Microalbumina na urina se exame de urina não mostra proteinúria lesão renal e é suspeito pela quantidade e tipo de fatores de risco presentes (diabetes mellitus, por exemplo).
Outros exames laboratoriais devem ser dados em situações especiais.

Estudos adicionais

Alguns procedimentos de diagnóstico do armário são úteis para o estudo de todos os pacientes hipertensos. Destina-se a confirmar o diagnóstico, afastar causas secundárias e determinar a presença (ou faixa) de lesões em órgãos-alvo e sua gravidade.

• Eletrocardiograma . Essencial para o diagnóstico de hipertrofia ventricular esquerda, a avaliação das arritmias , a presença de zonas de isquemia, necrose ou lesão correntes, diagnóstico perturbação electrolítica.

• Radiografia de tórax; radiografias laterais podem ser indicados, se necessário. Nós estimamos silhueta cardíaca, aorta, hilos pulmonares, mediastino , osso do peito e parênquima pulmonar.

• Teste ergométrico ou teste de esforço ECG. Ajuda a avaliar a aptidão, a resposta pressórica ao exercício em pacientes já tratados e da presença ou ausência de isquemia induzível ou arritmias. Não é um estudo de cuidados primários, mas tem aplicação em alguns pacientes e deve ser considerada se houver um elevado risco coronário ou presença de angina de exercício.

• A pressão arterial ambulatorial de 24 horas. É frequentemente subutilizados recurso.

• Ecocardiograma com Doppler colorido . Diagnóstico não invasivo de alto desempenho. Não é um estudo de primeiro nível, pois requer equipamentos sofisticados e pessoal altamente treinado, portanto, seu custo é relativamente alto. Nós não recomendamos ecocardiografia de rotina em pacientes com hipertensão sem sintomas ou evidência clínica de lesão de órgão cardíaco.

Outros procedimentos (da artéria renal Doppler, Holter , estudos autonômicas, a prova de mecânico ou função endotelial vascular, os estudos de medicina nuclear , tomografia computadorizada, ressonância magnética) pode ser necessária em alguns pacientes, mas não são considerados obrigatórios para os níveis básicos de cuidados. Ele deve determinar, especificá-los, a relação custo / benefício para cada indivíduo em particular, independente dos recursos disponíveis.

Tratamento

O tratamento da hipertensão está associada a uma menor incidência de derrame de 35-40%, de enfarte do miocárdio e de 20-25% de insuficiência cardíaca em mais de 50%. 11
É indicado para tratamento de hipertensão arterial:

• pacientes com pressão sanguínea diastólica superior a 90 mm Hg ou sistólica superior a 140 mm Hg em medições repetidas;

• doentes com uma pressão diastólica inferior a 89 mm Hg sistólica uma tensão superior a 160 mm Hg ;

• doentes com uma pressão diastólica de 85-90 milímetros Hg que têm diabetes mellitus ou aterosclerose vascular demonstrado.

Ou pacientes pré-hipertensos que não se qualificam para receber tratamento específico deve ser modificada para ajustar os seus hábitos, incluindo:

• perda de peso em pacientes que estão com sobrepeso ou obesos , principalmente com exercícios e uma dieta rica em frutas, legumes e produtos lácteos sem gordura ( ver : DASH Diet );

• limitar o consumo de bebidas alcoólicas e álcool a não mais do que 30 ml de etanol por dia para homens (isto é, 720 ml [24 oz ] de cerveja , 300 ml [10 oz] de vinho , 60 ml [2 oz] de whisky ) ou 15 ml (0,5 oz) de etanol por dia para mulheres ou homens com peso mais leve;

• redução da ingestão diária de cloreto de sódio não (sal de cozinha), mais de 6 gramas (2,4 gramas de sódio )

• Uma ingestão adequada de potássio na dieta (frutas e verduras);

• Uma ingestão adequada de cálcio e magnésio ;

• consumo cessar cigarros ou outras formas de nicotina e cafeína e reduzir a ingestão de gordura saturada e colesterol .

A Comissão de Sétimo sugere, como drogas linha inicial para a hipertensão, as seguintes disposições:

• pacientes pré-hipertensos, ou seja, com uma pressão arterial de 120-139/80-89: não indicado drogas.

• hipertensão estágio 1 (140-159/90-99): diuréticos tipo diuréticos são recomendados para a maioria dos pacientes. Os inibidores da ECA , BRAs , bloqueadores beta , bloqueadores dos canais de cálcio , ou uma combinação deles pode ser considerado.

• hipertensão estágio 2, com uma pressão arterial maior que 160/100: A combinação de dois medicamentos , geralmente um diurético tiazídico com um inibidor da ECA, BRA, beta bloqueador ou CCB.

Além da terapia de droga, em todos os pacientes (independentemente do estágio) tentará ajustar os hábitos acima mencionados modificados.

Prevenção

Apesar de não ser possível eliminar completamente a hipertensão, várias ações são muito úteis e necessárias para evitar a sua ocorrência e para prevenir o agravamento de sintomas:

• aumentar a atividade física aeróbica ;

• manter um peso corporal dentro de padrões para a idade e altura por sexo;

• minimizando álcool: não ser consumido diariamente ao longo de 30 ml de etanol , igual a 720 ml (2 latas) de cerveja, 300 ml de vinho (dois copos, um copo cheio com 250 ml), 60 ml uísque (quinto copo), em homens, em mulheres, a metade;

• reduzir a ingestão de sódio, a suplementação de potássio fazer;

• Comer uma dieta rica em frutas e vegetais, produtos lácteos com baixo teor de gordura reduzido de gordura saturada e total;

• privados de todos os tipos de rapé (cigarro, cachimbo, charuto, etc),

• controle da glicemia (especialmente se a pessoa tem diabetes ).

Referências

1. ? a b Kumar, MBBS, MD, FRCPath, V., Abul K. Abbas, MBBS, Nelson Fausto, MD e Jon Aster, MD (2009). 'Cap. 11 Doença hipertensiva vascular ". Em Saunders (Elsevier). Robbins & Cotran Base Patológica da Doença (8 ª edição). ISBN 978-1-4160-3121-5 .
2. ? a b c d e Dreisbach, Albert W, sab Sharma e Claude Kortas (Fev 2010). " Hipertensão " (em Inglês) . Nefrologia: Hipertensão e do Rim . eMedicine.com. Página visitada em 05 de julho de 2010.
3. ? Joseph F. Guadalajara Boo (Chefe de Serviço Clínica do Instituto Nacional de Cardiologia Ignacio Chávez). programa de atualização continua a Cardiologia . pp p8.
4. ? a b DIAZ, Monica. Como iniciar o tratamento de hipertensos? . Argentina Journal of Cardiology [online]. 2006, vol.74, no.3 [citado 2010/07/23], p. 191-193. ISSN 1850-3748.
5. ? Sigerist, Henry E. (1965). Aerzte Große . Munique (Alemanha): J. F. Lehmans Verlag (5. Auflage) (1. Auflage 1958). placa 26, p. 120.
6. ? Girish Dwivedi e Shridhar Dwivedi (2007): "'História da Medicina: Sushruta, a excelência médico-professor" , no Centro Nacional de Informática (Governo da Índia).
7. ? a b c d e f Esunge PM (Outubro de 1991). " A partir de pressão arterial para hipertensão: a história da pesquisa . " JR Soc Med 84 (10): p. 621. PMID 1744849 .
8. ? editado por JD Swales. (1995). Handbook da hipertensão . Oxford: Blackwell Science. pp xiii. ISBN 0-86542-861-1 .
9. ? editado por JD Swales. (1995). Handbook da hipertensão . Oxford: Blackwell Science. pp xiii. ISBN 0-86542-861-1 .
10. ? Princípios de Harrison de Medicina Interna 16 ª edição (2006). " Capítulo 230. Vasculopatia hipertensiva " (em espanhol) . Harrison online em espanhol . McGraw-Hill . Retirado em 16 de junho de 2008.
11. ? a b c d e f g Chobanian AV, Bakris GL, Preto RH, et al. (Dezembro de 2003). ". Sétimo relatório do Comité Misto Nacional de Prevenção, Detecção, avaliação e tratamento da Hipertensão Arterial" Hipertensão 42(6): p. . 1206-1252 doi : 10.1161/01.HYP.0000107251.49515.c2 . PMID 14656957 .
12. ? a b Mancia G, De Backer G, Dominiczack A, et al. (2007). " 2007 Diretrizes para o controle da hipertensão arterial " (em Inglês) . European Heart Journal (28): p. De 1462 a 1536. Arquivados. Modelo: o erro de citação .
13. ? a b Mancia G, De Backer G, Dominiczack A, et al. (2007). " diretrizes de prática clínica para o tratamento de hipertensão 2007 " (em espanhol) . Rev Esp Cardiol. 9 (60): p. 968.e1-E94 .
14. ? a b c " Hipertensão: manejo clínico da hipertensão arterial primária em adultos ". Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica . Página visitada em 30/12/2012.
15. ? Mancia G, Bertinieri G, G Grassi, Parati G, Pomidosi G, Ferrari A, et al. Efeitos de medidas de pressão arterial pelo médico sobre a pressão arterial do paciente `s e freqüência cardíaca . Lancet. 1983;. 2:695-8
16. ? Calhoun DA, Jones D, Textor S, et al. (Junho de 2008). "Hipertensão resistente: diagnóstico, avaliação e tratamento. A afirmação científica da American Heart Association Professional Comissão de Educação do Conselho de Pesquisa High Blood Pressure ". Hipertensão 51 (6): p. . 1403-1419 doi : 10.1161/HYPERTENSIONAHA.108.189141 . PMID 18391085 .
17. ? " CG34 Hipertensão - Guia de Referência Rápida ". (PDF) do Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica (28 de junho de 2006). Página visitada em 2009/04/03.
18. ? Jetté M, Landry F, G Blümchen (Abril de 1987). "Exercício hipertensão em indivíduos saudáveis normotensos. Implicações, avaliação e interpretação ". Herz 12 (2): p. 110-8. PMID 3583204 .
19. ? Pickering TG (Abril de 1987). "A fisiopatologia da hipertensão exercício." Herz 12 (2): p. 119-24. PMID 2953661 .
20. ? a b Rost R, H Heck (Abril de 1987). "[Hipertensão Exercício - a importância do ponto de vista desportivo]" (em alemão) . Herz 12 (2): p. 125-33. PMID 3583205 .
21. ? a b Klaus D (Abril de 1987). "[Terapia diferencial da hipertensão exercício]" (em alemão) . Herz 12 (2): p. 146-55. PMID 3583208 .
22. ? Mancia G, Bertinieri G, G Grassi, Parati G, Pomidosi G, Ferrari A, et al:. "Efeitos de medidas de pressão arterial pelo médico sobre a pressão arterial do paciente e da frequência cardíaca", em The Lancet , 1983, 2 pp . 695-698
23. ? http://www.jstage.jst.go.jp/article/jphs/100/5/370/_pdf um elo perdido entre alta ingestão de sal para pressão arterial e aumentar: Makoto Katori e Masataka Majima, Departamento de Farmacologia, Kitasato University School of Medicine, Kitasato, Sagamihara, Kanagawa, Japão 08 de fevereiro de 2006
24. ? Silverberg DS, Oksenberg Iaina A e A. (Janeiro de 2002) " Tratar Apnéia Obstrutiva do Sono Melhora Hipertensão Essencial e Qualidade de Vida ". americano Family Physician 65 (2): p. 229-36. PMID11820487 .
25. ? Duke, James (2006) (em espanhol) . Anestesia (3 ª edição). Elsevier , Espanha. pp 12. ISBN 8481749419 .
26. ? Pocock, Gillian (2005) (em espanhol) . Fisiologia Humana: A base da medicina . (2 ª edição) Elsevier , Espanha. pp 12. ISBN 8445814796 .
27. ? Pimenta E, Oparil S (2009). " Papel de aliscireno em cardio-renal proteção e uso em hipertensos com múltiplos fatores de risco ". Saúde Vascular e Gestão de Risco 5 (1): p. 453-63. PMID 19475781 .
28. ? Takahashi H (agosto de 2008). "[Hiperatividade simpática na hipertensão]" (em japonês) . Nippon Rinsho. Jornal japonês de Clínica Médica 66 (8): p. 1495-502. PMID 18700548 .
29. ? Svetkey LP, Moore TJ, DASH Pesquisa Colaborativa Grupo et al. genótipo Angiotensinogênio "ea resposta da pressão arterial nas aproximações dietéticas para parar estudo Hypertension (DASH)" (em Inglês), em J Hypertens , novembro de 2001, 19 (11 ): p. De 1949 a 1956. Último acesso 27 de julho de 2010. PMID: 11677359.
30. ? Seu guia para diminuir a sua pressão arterial com DASH (artigo completo disponível em Inglês). National Institutes of Health , 2006.
31. ? a b (em espanhol) manual para enfermeiros (ATS / DUE). Agenda de oposições . MAD-Eduforma. pp 44. ISBN 8466522735 .
32. ? J. Feng Eu, Graham A. MacGregor: "How Far deve ser reduzida a ingestão de sal?" (artigo completo em Inglês), em Hipertensão . 2003, 42:1093. Último Acesso: 27 de julho de 2010.
33. ? Cálcio e hipertensão:
• Zozaya GARCIA, José Luis: "Fatores nutricionais na hipertensão" em Arquivos venezuelanos de Farmacologia e Terapêutica [online], janeiro de 2000, vol. 19, n. º 1 [citado 27 jul 2010], p. 39-44. ISSN 0798-0264.
• PALACIOS, Cristina: "O cálcio e doença crônica: um resumo das provas" em W Venez. Nutr. [online], junho de 2003, vol. 16, n. º 2 [citado 27 jul 2010], p. 78-84. ISSN 0798-0752.
Magnésio e hipertensão:
• Cílios, Abad, PINERO, Sandy, TERESA, provérbio, et al:. "O sulfato de magnésio:? uma panacéia" , no INCI [online], setembro de 2005, vol. 30, n. º 9 [citado 27 jul 2010], p. 36-50. ISSN 0378-1844.
34. ? OD. Alven, Jesus A e Arreaza, Indriago: "Gestão de Odontologia do paciente hipertenso" em Odontol lei. Venez [online], janeiro de 2007, vol. 45, n. º 1 [citado 27 jul 2010], p. 120-124. ISSN 0001-6365.

Fonte: es.wikipedia.org

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

26 de abril

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

O que é a Hipertensão Arterial?

Hipertensão arterial ou pressão alta ocorre quando a pressão sistólica (pressão arterial quando o coração se contrai bombeando o sangue) em repouso é superior a 140 mm Hg ou quando a pressão diastólica (quando o coração relaxa entre duas batidas) em repouso é superior 90 mm Hg ou ambos.

A hipertensão, embora pouco conhecida, atinge uma média de 20% a 25% da população brasileira, sendo que esta estatística sobe para 50% nas faixas etárias mais avançadas. A Organização Mundial de Saúde (OMS) apontou-a como uma das 10 principais causas de morte no mundo. Além disso, a hipertensão é um fator agravante para as doenças cardiovasculares – a número um em causa de mortes no planeta.

Por ser um grave problema na idade adulta é que a prevenção deve começar desde a infância. Irritabilidade, ganho de peso e crescimento inadequados, cansaço excessivo durante as mamadas e os exercícios físicos são sintomas da Hipertensão Arterial. Porém, na maioria dos casos, a criança não apresenta indícios da doença.

Tipos de hipertensão

Existem dois tipos de hipertensão arterial (HA): hipertensão primária e secundária. A HA primária caracteriza-se por não apresentar uma causa conhecida, enquanto na HA secundária já é possível identificar uma causa para a hipertensão, como por exemplo problemas renais, problemas na artéria aorta, tumores (feocromocitoma) e algumas doenças endocrinológicas.

Diagnóstico

O ideal é medir a pressão pelo menos a cada seis meses, ou com intervalo máximo de um ano. Assim é possível se diagnosticar a doença tão logo ela surja. A pressão considerada normal está abaixo de 13 por 8,5. A faixa de risco está entre 13 por 8,5 e 13,9 por 8,9. Hipertenso é todo indivíduo que tenha pressão igual ou acima de 14 por 9.

Prevenção

Como medida de prevenção, deve-se controlar os fatores de risco, como o excesso de peso, sedentarismo, elevada ingestão de sal, baixa ingestão de potássio e consumo excessivo de álcool e, em alguns casos, intolerância à glicose e diabete, tabagismo, estresse e menopausa.

A doença tem tratamento, mas não cura, o que acaba onerando, em muito, os gastos pessoais do doente e o investimento do serviço público de saúde.

Doença silenciosa, ela ocorre porque os vasos nos quais o sangue circula se contraem e fazem com que a pressão do sangue se eleve. Essa elevação da pressão acaba causando danos à camada interna dos vasos, fazendo com que se tornem endurecidos e estreitados, podendo, com o passar dos anos, entupir ou romper-se. Isso pode levar a problemas sérios, como Angina e Infarto,"derrame cerebral" ou AVC, e a paralisação dos rins.

Fonte: hcnet.usp

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

LEI Nº 10.439, DE 30 DE ABRIL DE 2002.

Institui o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º É instituído o "Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial", a ser comemorado anualmente no dia 26 de abril, com o objetivo de conscientizar a população sobre o diagnóstico preventivo e o tratamento da doença.

Art. 2º Na semana que antecede ao dia fixado no art. 1º, o Ministério da Saúde é autorizado a desenvolver, em todo o território nacional, campanhas educativas de diagnóstico preventivo da hipertensão arterial e de doenças cardiovasculares em geral.

Art. 3º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 30 de abril de 2002; 181º da Independência e 114º da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Barjas Negri

D.O.U. de 2.5.2002

Fonte: www.planalto.gov.br

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

26 de abril

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

A importância desta data

Em 26 de abril, comemora-se o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as Doenças Crônicas Não Transmissíveis –DCNT – (a hipertensão é uma delas) são responsáveis por 59% dos óbitos no mundo e chegando a 75% das mortes nos países das Américas e do Caribe.

No Brasil, 62,8% do total de mortes por causas conhecidas, em 2004, estavam relacionados às DCNT.

A campanha anual do Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão (26 de abril) é organizada desde 2002, quando foi instituído o Dia Nacional de Prevenção e Combate Hipertensão Arterial pela Lei Federal 10.439.

Sobre a hipertensão

A hipertensão é grave, também, por ser uma “inimiga silenciosa”, pois muitas vezes o paciente não sente nada. As manifestações mais comuns a ela atribuídas, entre as quais dor de cabeça, cansaço, tonturas, sangramento pelo nariz podem não ter uma relação de causa e efeito com a elevação da pressão arterial.

A hipertensão arterial ou pressão alta é a maior causa de derrames cerebrais, insuficiência renal ou paralisação dos rins, infarto do coração, insuficiência cardíaca, angina do peito, lesões nas artérias e alterações na retina que podem levar à cegueira.

Por que conscientizar

A pressão alta não tem cura, mas seu controle melhora muito a qualidade de vida do paciente. Entretanto, atitudes como medir a pressão arterial regularmente, adotar uma alimentação saudável, reduzir o consumo de sal, manter um peso ideal, evitar o consumo de bebidas alcoólicas em excesso, praticar atividade física regularmente, não fumar e diminuir o estresse ainda não são hábitos comuns da maioria da população.

As conseqüências graves da hipertensão, que prejudicam a qualidade de vida da população e oneram a saúde pública, podem ser evitadas, desde que os hipertensos conheçam a sua condição e mantenham-se em tratamento.

Tratar a Pressão Alta é um Ato de Fé na Vida

O tema “Tratar a Pressão Alta é um ato de Fé na Vida“ traz como objetivo fazer com que a adesão ao tratamento, a um novo estilo de vida e orientações médicas seja ampliada.

Apenas 23% dos hipertensos controlam corretamente a doença. 36% não fazem controle algum e 41% abandonam o tratamento, após melhora inicial da pressão arterial.

O tratamento da pressão alta exige uma dedicação extrema dos indivíduos, pois envolve mudanças de comportamento e novos hábitos alimentares.

Independente da religião, a fé é importante no cuidado diário de doenças crônicas. A fé significa crença a compromissos e promessas. E é nesse sentido, de comprometimento com o tratamento que a nossa campanha foca. E o apoio das diversas religiões ajuda que a mensagem chegue a um maior número de pessoas.

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

Principais Mensagens

É preciso medir a pressão uma vez ao ano, usando o dia de seu aniversário para marcar a data.

Não abandonar o tratamento médico, pois a pressão alta não tem cura, mas pode ser controlada .

Os 10 mandamentos para prevenção e controle da pressão alta:

01. Meça a pressão pelo menos uma vez por ano.
02. Pratique atividades físicas todos os dias.
03. Mantenha o peso ideal, evite a obesidade.
04. Adote alimentação saudável: pouco sal, sem frituras e mais frutas, verduras e legumes.
05. Reduza o consumo de álcool. Se possível, não beba.
06. Abandone o cigarro.
07. Nunca pare o tratamento, é para a vida toda.
08. Siga as orientações do seu médico ou profissional da saúde.
09. Evite o estresse. Tenha tempo para a família, os amigos e o lazer.
10. Ame e seja amado.

A importância da conscientização do controle e tratamento:

As graves conseqüências da pressão alta podem ser evitadas, desde que os hipertensos conheçam sua condição e mantenham-se em tratamento. Como não há cura, é preciso controlar a doença com atividade física e com uma alimentação adequada.

Em apenas 29% das consultas médicas no Brasil se faz a medição da pressão. Apenas 23% dos hipertensos controlam corretamente a doença. 36% não fazem controle algum e 41% abandonam o tratamento, após melhora inicial da pressão arterial.

Fonte: departamentos.cardiol.br

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

26 de abril

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

Em 26 de abril, comemora-se o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. Com a finalidade de celebrar a data, a Coordenação Estadual do Programa de Hipertensão e Diabetes realiza de 24 a 27 palestras, distribuição de material informativo, café-da-manhã para hipertensos e diabéticos e verificação de pressão arterial. As atividades ocorrem nos módulos de saúde da família Rui Lino, Mocinha Magalhães, Jardim Primavera e Centro de Formação do Tucumã.

Segundo a Organização Mundial de Saúde- OMS-, as doenças crônicas não transmissíveis- DCNT- (incluindo-se a hipertensão arterial) são responsáveis por 59% dos óbitos no mundo e chegando a 75% das mortes nos países das Américas e do Caribe. Em 2004, no Brasil, mais de 62% das mortes por causas conhecidas estavam relacionadas às DCNT.

De acordo com a coordenadora Estadual do Programa de Hipertensão e Diabetes, Jocelene Soares de Souza, no Acre, estima-se que 46 mil pessoas acima dos 40 anos sejam hipertensas, dessas, 25 mil já foram diagnosticadas e são acompanhadas nas unidades de saúde. “É importante lembrar que a hipertensão é grave por ser uma doença silenciosa, e que na maioria das vezes o paciente não sente nada”, ressalta.

A coordenadora destacar, ainda, que a doença é a maior causa de derrames cerebrais, insuficiência renal ou paralisação dos rins, infarto cardíaco, insuficiência cardíaca, angina do peito, lesões nas artérias e alterações na retina, essa ultima, pode até causar à cegueira. As manifestações mais comuns a ela atribuídas, entre as quais dor de cabeça, cansaço, tonturas, sangramento pelo nariz, podem não ter uma relação de causa e efeito com a elevação da pressão arterial.

A pressão alta não tem cura, mas seu controle melhora muito a qualidade de vida do paciente. Entretanto, atitudes como medir a pressão arterial regularmente, adotar uma alimentação saudável, reduzir o consumo de sal, manter um peso ideal, evitar o consumo de bebidas alcoólicas em excesso, praticar atividade física regularmente, não fumar e diminuir o estresse ainda não são hábitos comuns da maioria da população.

Fonte: www.diabetenet.com.br

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

 

26 de abril

As doenças crônicas são responsáveis por 60% das mortes em todo o mundo, afetando igualmente homens e mulheres. Aproximadamente metade dessas mortes ocorre em pessoas com menos de 70 anos de idade.

O controle dos fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas tem um grande impacto na sua prevenção. A hipertensão arterial é um importante fator de risco para o desenvolvimento de problemas cardiovasculares, neurológicos e renais.

No dia 26 de abril comemora-se o Dia Nacional de Prevenção à Hipertensão Arterial.

Aproveitando esse momento, seguem algumas dicas importantes:

Medir a pressão arterial ao menos uma vez por ano
Praticar atividade física pelo menos três vezes por semana
Manter o peso ideal, evitando a obesidade
Adotar alimentação saudável: pouco sal, sem frituras e mais frutas, verduras e legumes
Reduzir o consumo de álcool - se possível, não beber
Abandonar o cigarro
Não parar o tratamento da hipertensão e seguir as orientações do seu medico ou profissional da saúde
Evitar o estresse. Tenha tempo para a família, para os amigos e para o lazer.

Adotando hábitos alimentares saudáveis, seguindo as orientações médicas e praticando atividades físicas regulares é possível melhorar a qualidade de vida.

Fonte: www.einstein.br

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

26 de abril

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

Vinte seis de abril é o Dia Nacional de Prevenção a Hipertensão, doença que pode afetar os indivíduos em diversas faixas etárias, sendo frequente nas idades mais avançadas. Nada mais importante do queconscientizar a população para os riscos da hipertensão e as formas de controle.

Os níveis da pressão são alterados, ao longo do dia e da noite, conforme a necessidade de sangue no corpo, a força das batidas do coração e a contração dos vasos. No entanto, estas mudanças não significam que uma pessoa possui hipertensão. A doença se revela a partir do momento em que os níveis permanecem elevados em diversos momentos, horários e posições corporais.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), os valores considerados ideais para a pressão arterial são de 120 x 80 mmHG (milímetros de mercúrio). Valores superiores a 140 x 90 mmHG são caracterizados como hipertensão. Em adultos com mais de 18 anos, a doença é considerada grave a partir de 180 x 110 mmHG.

A hipertensão aumenta muito o risco de problemas cardiovasculares futuros, como infartos, acidentes vasculares e insuficiência renal. Menos de 30% dos hipertensos em tratamento estão compensados. Por isso, é fundamental conscientizar os pacientes que a doença não tem cura, mas pode e precisa ser controlada.

O consumo exagerado de sal é um dos principais responsáveis pela hipertensão, já que retêm líquidos e aumenta a pressão. De acordo com a recomendação da OMS, uma pessoa deve ingerir no máximo seis gramas de sal ao dia. No Brasil essa média chega a superar 10 gramas.

Uma alternativa ao sal é sua versão light, que possui menor quantidade de cloreto de sódio e é rico em potássio, elemento que atua na redução da pressão arterial. No entanto, a retirada total do sal da alimentação também é prejudicial, provocando sonolência e fraqueza.

Geralmente a Hipertensão não apresenta sintomas claramente identificáveis. É isto que a torna perigosa e nociva.

Porém, os mais comuns são: dores de cabeça, alterações na visão, tonturas, zumbido no ouvido, sangramento no nariz e palpitações. O acompanhamento médico é fundamental para a identificação da doença e do tratamento adequado.

José Renato das Neves

Fonte: www.samaritano.org.br

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

26 de abril

Doença maligna e silenciosa ainda atinge um entre três brasileiros

Região Sul apresenta segunda maior incidência e metade de toda a população hipertensa do País sequer sabe que tem pressão alta

Embora seja um dos mais conhecidos e comentados fatores de risco para doenças cardiovasculares, como infarto agudo, insuficiência cardíaca e derrame, além de insuficiência renal, a hipertensão ainda acomete um terço da população brasileira. De acordo com o estudo "Corações do Brasil", realizado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia, 28,5% dos brasileiros têm pressão arterial acima dos 140 por 90 mmHg – nível já considerado alto pela Medicina. Na verdade, qualquer resultado acima de 120 por 80 mmHg já requer mais cuidados. A pesquisa ainda mostra que a segunda maior incidência dos casos encontra-se no Sul do País, onde 30,4% dos habitantes apresentam o problema, ficando atrás apenas do Nordeste (31,8%).

Por ser uma doença silenciosa, já que 90% da população afetada não apresenta sintomas, metade dos hipertensos sequer sabe que tem pressão acima do normal. A falta da cultura da prevenção é o principal motivo dos números continuarem alarmantes. "Como não sente dores ou qualquer outro sintoma que atrapalhe o dia-a-dia, a pessoa não procura um médico e, portanto, não trata do problema. Um simples check up poderia salvá-lo do que, um dia, pode se transformar em um infarto agudo", explica Marcos Bubna, chefe do departamento de Cardiologia do Hospital Cardiológico Costantini, de Curitiba. A partir do diagnóstico da doença, medidas simples de prevenção já conhecidas pela maioria das pessoas podem ajudar a controlar a pressão arterial. "Basta adotar uma dieta com baixos índices de gordura e sódio (sal) e rica em potássio, além de exercícios físicos regulares, controle de peso e auxílio de medicamentos prescritos por médicos", explica Bubna.

O acompanhamento médico é imprescindível, uma vez que alguns remédios podem colaborar no aumento da pressão arterial – especialmente os corticóides, anti-inflamatórios, anticoncepcionais e anorexígenos. "Os corticóides, por exemplo, aumentam a retenção de líquido e de sal no organismo, o que pode elevar a pressão arterial", afirma o cardiologista. Isso não significa que os hipertensos não possam ser tratados com tais medicamentos. "Trata-se de um alerta para que, em hipótese alguma, as pessoas consumam remédios de forma indiscriminada e sem acompanhamento médico", completa.

Hipertensão do avental branco

Pelo menos 20% da população que chega aos consultórios apresenta a chamada hipertensão do avental branco – ou seja, tem pressão arterial elevada apenas quando está diante do médico. "É um aumento reacional da pressão arterial, causado pelo estresse que algumas pessoas sentem ao entrar em um consultório", afirma o cardiologista Marcos Bubna. Ele explica que o estresse libera dois hormônios que colaboram no aumento da pressão arterial – a adrenalina, que faz acelerar o coração e contrair as artérias, e o cortisol, que aumenta a retenção de água e sal pelo organismo. "O estresse altera o metabolismo do colesterol e da glicemia no organismo", completa Bubna.

A hipertensão do avental branco mostra que apenas uma medida da pressão arterial não basta para comprovar a existência da doença. O cardiologista conta que, quando um paciente apresenta hipertensão na primeira medida em consultório, várias outras medições devem ser feitas ao longo da consulta. "Ainda assim, havendo suspeita de hipertensão do avental branco, o ideal é fazer o acompanhamento da pressão arterial por meio de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (Mapa), em que um aparelho fica conectado ao paciente durante 24 horas, fazendo medições freqüentes", diz o cardiologista. O Mapa realiza cerca de 70 medições da pressão arterial ao longo das 24 horas.

Genética

Quem tem pressão alta precisa ter cuidados para toda a vida. Não fumar, ter acompanhamento médico, remédios adequados, alimentação controlada, exercícios físicos e controle do estresse devem ser medidas de ordem para o paciente. De acordo com o cardiologista Marcos Bubna, o número de pessoas que abandonam o tratamento e agravam seu estado é muito alto. "Devido falta de sintomas, alguns pacientes acreditam que basta tomar uma cartela de remédios, que está tudo resolvido. Mas, o medicamento nunca pode ser abandonado", alerta.

Enquanto isso, a Medicina continua avançando no esforço de descobrir novas maneiras de prevenir e tratar a hipertensão. Uma das novidades está na genética. Bubna conta que os estudos caminham para que, em um futuro breve, o mapa genético do paciente mostre se ele apresenta uma tendência à doença, facilitando a antecipação de medidas preventivas, e quais os medicamentos mais indicados.

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

(*) Pressão sistólica é a chamada máxima, medida quando o coração está no auge da contração e o sangue recebe a maior força para circular.

(**) Pressão diastólica é a chamada mínima, medida quando o coração está no momento de repouso, entre uma contração e outra.

Fonte: www.hospitalcostantini.com.br

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

26 de abril

Inimiga silenciosa

Assim é conhecida a doença que não causa sintomas: a hipertensão arterial. Estima-se que 21,6% da população com idade de 18 anos ou mais seja hipertensa, o que representa cerca de 26,5 milhões de pessoas. Elas disseram ser portadoras da doença em pesquisa do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde.

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

No entanto, apenas 5.076.631 estão cadastradas no Sistema Nacional de Cadastro e Monitoramento de Hipertensos e Diabéticos (SIS-HIPERDIA). Elas são atendidas na rede básica de saúde em 4.724 municípios. Do total de cadastrados, 3.396.352 são mulheres e 1.680.279 são homens. Além disso, mais 1.478.304 são portadores das duas doenças juntas.

Para estimular as pessoas a procurar tratamento, no dia 26/04 foi comemorado o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial.

O tema deste ano é "Tratar a pressão alta é um ato de fé na vida". O evento é uma parceria do Ministério da Saúde com a rede de paróquias da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), com as Sociedades Brasileiras de Cardiologia, Hipertensão e Nefroliga e diversas entidades de portadores.

Foram distribuídas, pelo ministério, cerca de 100 mil cartilhas para toda a rede básica e equipes do Programa de Saúde da Família. A cartilha traz informações sobre hipertensão arterial e alertas de por que tratá-la e como controlá-la. Viver com qualidade e prevenir a doença é possível.

Modificações no estilo de vida, como alimentação adequada, consumo moderado de sal, controle do peso, prática de atividade física e evitar o tabagismo e o uso abusivo do álcool ajudam no tratamento e na prevenção da doença. A hipertensão arterial é mais freqüente das doenças cardiovasculares e também é o principal fator de risco para as complicações mais comuns, como acidente vascular cerebral, infarto e doenças renais crônicas.

O Ministério da Saúde desenvolve diversas ações em conjunto com as secretarias estaduais e municipais de saúde que visam melhorar a atenção aos portadores de hipertensão.

Entre elas:

1. - Protocolos clínicos (Caderno de Atenção Básica nº 15 distribuído para todos os médicos e enfermeiros da rede básica de saúde);

2. - Capacitação de médicos e enfermeiros da rede básica de saúde para prevenção, diagnóstico e tratamento precoce;

3. - Assistência Farmacêutica ampla em toda a rede básica do país. Em 2007 o elenco de medicamentos foi ampliado, assim como o repasse de recursos financeiros para os municípios;

4. - Ampliação do acesso a medicamentos por meio das drogarias e farmácias privadas credenciadas que exibem a marca "Aqui Tem Farmácia Popular", com descontos de até 90%. Do total das pessoas atendidas mensalmente nestas drogarias, 810 mil adquirem mensalmente medicamentos para o controle da hipertensão e diabetes. Destes, 60% são hipertensos, 25% diabéticos, e 15% apresentam as duas doenças.

5. - Criação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família, para reforçarem as ações de prevenção dos fatores de risco para os hipertensos e suas famílias e, principalmente, a adesão ao tratamento, que é o maior problema no controle da hipertensão.

Dados do Vigitel

A cidade do Rio de Janeiro é a capital com maior índice de hipertensos: 27%.

O menor percentual é de Palmas (TO): 13,8%.

No Distrito Federal, a hipertensão é referida por 18,4% dos entrevistados. Entre os homens, Recife é a capital com mais diagnóstico auto-referido de hipertensão (25,5%). O Rio de Janeiro é a capital onde mais mulheres declaram ter a doença (31%) no país.

Fonte: www.cqh.org.br

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

Hipertensão ( HTN ) ou pressão arterial elevada , às vezes chamada de hipertensão arterial , é uma condição médica na qual a pressão sanguínea nas artérias é elevada. Isso requer que o coração trabalhe mais do que o normal para circular o sangue através dos vasos sanguíneos.

A pressão arterial é resumido por duas medições, sistólica e diastólica.

A pressão sanguínea normal em repouso está dentro do intervalo de 100-140mmHg sistólica (leitura superior) e 60-90mmHg (leitura inferior) diastólica.

A pressão arterial elevada é dito estar presentes se for persistentemente em ou acima de 140/90 mmHg.

A hipertensão é classificada como hipertensão primária ou hipertensão secundária , cerca de 90-95% dos casos são classificados como "hipertensão primária", que significa a pressão arterial sem causa subjacente óbvia médica. O restante 5-10% de casos (hipertensão secundária) são causados ??por outras condições que afetam os rins, artérias do coração ou do sistema endócrino.

Hipertensão

Medidor de pressão arterial

A hipertensão é um importante fator de risco para acidente vascular cerebral, infarto do miocárdio (ataque cardíaco), insuficiência cardíaca , aneurisma de artérias (por exemplo, aneurisma da aorta ), doença arterial periférica e é uma causa de doença renal crônica .

Mesmo elevação moderada da pressão sanguínea arterial é associada com uma reduzida esperança de vida. Mudanças na dieta e estilo de vida pode melhorar o controle da pressão arterial e diminuir o risco de complicações de saúde associadas, embora o tratamento de drogas é muitas vezes necessário em pessoas para quem a vida muda se revelarem ineficazes ou insuficientes.

Os sinais e sintomas

A hipertensão arterial é raramente acompanhada de quaisquer sintomas, e sua identificação é geralmente através de triagem , ou quando há procura de tratamento para um problema não relacionado. A proporção de pessoas com pressão arterial elevada relatam dores de cabeça (principalmente na parte de trás da cabeça e na parte da manhã), bem como tontura , vertigem , zumbido (zumbido ou assobio nos ouvidos), visão alterada ou episódios de desmaio. Estes sintomas, porém, são mais susceptíveis de ser associados relacionados com ansiedade que a pressão arterial elevada em si.

No exame físico , a hipertensão pode ser suspeito com base na presença de retinopatia hipertensiva detectada pelo exame do fundo ocular ptico encontrada na parte posterior do olho utilizando oftalmoscopia . Classicamente, a gravidade das alterações de retinopatia hipertensiva é avaliada a partir do grau I-IV, embora os tipos mais leves pode ser difícil distinguir uma da outra.

Em lactentes e crianças

Falha de crescimento , convulsões , irritabilidade , falta de energia e dificuldade de respiração pode ser associada com hipertensão arterial em neonatos e lactentes jovens. Em lactentes e crianças mais velhas, a hipertensão pode causar irritabilidade, dor de cabeça inexplicável, fadiga , déficit de crescimento , visão turva , hemorragias nasais  e paralisia facial.

Prevenção

Grande parte da carga de doença da pressão arterial elevada é vivida por pessoas que não são rotulados como hipertensos.  Por conseguinte, as estratégias da população são obrigadas a reduzir as consequências de pressão arterial e reduzir a necessidade de terapia de droga anti-hipertensiva. 

Mudanças de estilo de vida são recomendadas para diminuir a pressão arterial, antes de iniciar a terapia medicamentosa. 

As diretrizes de 2004 da Sociedade Britânica de Hipertensão propôs as mudanças de estilo de vida seguintes consistentes com as definidas pela Alta Nacional dos EUA Programa de Educação BP em 2002  para a prevenção primária da hipertensão:

1. manter o peso corporal normal para adultos (por exemplo, índice de massa corporal 20-25 kg / m 2 )

2. reduzir o consumo de sódio na dieta para <100 mmol / dia (<6 g de cloreto de sódio ou <2,4 g de sódio por dia)

3. envolver-se em atividades físicas aeróbicas regulares, como caminhada rápida (= 30 min por dia, a maioria dos dias da semana)

4. limitar o consumo de álcool a não mais do que 3 unidades / dia nos homens e não mais do que 2 unidades / dia em mulheres

5. consumir uma dieta rica em frutas e vegetais (por exemplo, pelo menos cinco porções por dia);

Modificação do estilo eficaz pode reduzir a pressão arterial tanto droga de um indivíduo anti-hipertensiva. Combinações de duas ou mais modificações de estilo de vida pode alcançar resultados ainda melhores.

Fonte: en.wikipedia.org

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

26 de abril

A hipertensão é um mal silencioso. A ausência de sintomas bem definidos retarda o diagnóstico da doença que, muitas vezes, é feito somente quando problemas mais sérios aparecem. E quando falamos em problemas sérios, estamos falando de comprometimentos vasculares, tanto cerebrais, quanto cardíacos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão, dentre os fatores de risco para mortalidade, a hipertensão explica 40% das mortes por AVC (Acidente Vascular Cerebral) e 25% daquelas por doença coronariana.

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

Qual a dieta apropriada para auxiliar o controle da doença?

A hipertensão é um mal silencioso. A ausência de sintomas bem definidos retarda o diagnóstico da doença que, muitas vezes, é feito somente quando problemas mais sérios aparecem. E quando falamos em problemas sérios, estamos falando de comprometimentos vasculares, tanto cerebrais, quanto cardíacos. Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão, dentre os fatores de risco para mortalidade, a hipertensão explica 40% das mortes por AVC (Acidente Vascular Cerebral) e 25% daquelas por doença coronariana.

No Brasil, a principal causa de morte em todas as regiões do país é o AVC, o popular derrame, acometendo as mulheres em maior proporção. Segundo o Ministério da Saúde, dos que sobrevivem à ocorrência de derrames, 50% ficam com algum grau de comprometimento. “A única forma de saber se a pessoa apresenta o problema é medir sua pressão em exames de rotina, realizados anualmente”, informa a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Citen, Centro Integrado de Terapia Nutricional.

A Sociedade Brasileira de Hipertensão recomenda que a pressão arterial deve ser medida regularmente, no mínimo, uma vez por ano, inclusive por aqueles que não têm ou desconhecem ter a doença. A recomendação se aplica também às crianças, a partir dos três anos de idade. Já para os hipertensos, a verificação da pressão deve ser muito mais freqüente para o controle adequado da doença.

Hipertensão no Brasil:

Diagnóstico médico prévio de hipertensão arterial

No sexo masculino, as maiores freqüências foram observadas em Recife (22,5%), Belo Horizonte (22,7%) e Vitória (23,1%) e as menores em Florianópolis (14,9%), Palmas (14,9%) e Brasília (15,5%). Entre mulheres, as maiores freqüências foram observadas em Recife (26,8%), Salvador (27,3%) e Rio de Janeiro (28,0%) e as menores em Palmas (15,3%), Teresina (18,4%) e Manaus (19,2%).

Gênero

O levantamento aponta que mais mulheres (24,4%) do que homens (18,4%) referem o diagnóstico médico prévio de hipertensão arterial. Em ambos os sexos, o diagnóstico de hipertensão arterial se torna mais comum com a idade, alcançando cerca de 5% dos indivíduos entre os 18 e os 24 anos de idade e mais de 50% na faixa etária de 65 anos ou mais de idade.

Causas da hipertensão

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão

Considera-se que a pessoa é hipertensa se, medindo a pressão arterial em repouso, obtêm-se valores acima de 140x90mmHg. Esses são os números de corte. Acima deles, a pressão é considerada elevada; abaixo, é normal. Esse valor independe da idade, tanto faz se a pessoa tem 20 ou 60 anos. Por isto, é tão importante medir a pressão regularmente. Como a hipertensão é uma doença assintomática, ela deve ser aferida regularmente, mesmo nas pessoas aparentemente livres da doença. “O intervalo entre uma medição e outra deve ser de no máximo um ano. Isso nos permite garantir um diagnóstico nas fases iniciais de uma eventual doença”, recomenda a médica.

Não se sabe ao certo a razão para o aparecimento da hipertensão arterial, mas fatores genéticos são os mais importantes, uma vez que a presença da mesma em um ou ambos os pais, já torna o filho um candidato a se tornar hipertenso também. Além disso, a hipertensão arterial tem características vasculares, neurológicas, nefrológicas, cardiológicas e endócrinas, o que a torna uma doença estudada e tratada por muitas especialidades médicas.

Do ponto de vista endocrinológico, sabemos que fatores hormonais são responsáveis pela redução da elasticidade dos vasos sangüíneos e, por conseguinte, pelo aumento da pressão arterial. A conseqüência, a longo prazo, é um trabalhoso esforço do coração para conseguir bombear o sangue nesse extenso leito vascular estreitado, exercendo uma atividade de musculação contínua, diária, exaustiva, fazendo com que a musculatura do coração sofra hipertrofia como o bíceps de um halterofilista.

O excesso de peso também é um dos fatores causais da hipertensão. Ele é responsável pelo aumento de 2 a 6 vezes do risco de hipertensão. Os hipertensos com excesso de peso devem seguir programas para redução de peso. Segundo as IV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial, o IMC, Índice de Massa Corporal, deve ser inferior a 25kg/m2 e a circunferência da cintura inferior a 94cm para homens e 80cm para mulheres. Uma redução de 5% a 10% do peso inicial já é capaz de baixar a pressão arterial.

A dieta do hipertenso

“Entre as influências nutricionais na hipertensão arterial o sal é sem dúvida o fator mais importante, uma vez que seu excesso na dieta influencia não somente o agravamento da doença, como concorre para uma maior incidência de hipertensos em uma população sadia. Logo, comer menos sal faz parte da prevenção da hipertensão arterial e também do seu tratamento”, explica a endocrinologista.

Comer porções normais de sal implica em dois cuidados: não o adicionar na comida pronta e cozinhar com pouco sal. “O ideal é que a pessoa ingira de 6g a 8g de sal por dia. Na verdade, se ela eliminar totalmente o sal no preparo das refeições, ainda assim estará ingerindo dois ou três gramas por dia, porque alguns alimentos já contêm um pouco sal em sua composição. Apesar de tais recomendações, a média de ingestão de sal dos brasileiros gira em torno de 15g”, diz Ellen Paiva.

Quem come fora, regularmente, tem mais dificuldade para controlar o consumo de sal, mas sempre é possível fazê-lo. Não há a necessidade de abolir o sal da dieta do hipertenso, porque ele não interfere no tratamento, se a pessoa não exagerar no consumo. “Eliminar completamente o sal da dieta dificulta muito a vida dos hipertensos, pois é muito difícil conseguir a adesão dos pacientes à dieta e ao tratamento, se eles forem muito restritivos”, diz a endocrinologista.

Dados da Sociedade Brasileira de Hipertensão revelam que a adesão ao tratamento é muito difícil. Um ano após o diagnóstico de hipertensão, mais da metade dos pacientes abandona o tratamento. Daqueles que continuam a terapia, apenas 50% toma pelo menos 80% dos medicamentos prescritos. “Se as proibições forem muitas, o paciente não as tolera. Temos que orientá-lo a comer pouco sal de uma forma que sua dieta e sua vida não fiquem sem sabor”, diz a especialista.

5 passos para reduzir o consumo de sal:

1. Use o mínimo de sal no preparo dos alimentos, substituindo-o por temperos naturais como alho, salsinha, cebola, orégano, hortelã, limão, manjericão, gengibre, coentro e cominho;

2. Evite temperos industrializados como ketchup, mostarda, molho shoyu e caldos concentrados. Atenção para o aditivo glutamato monossódico, utilizado em alguns condimentos e nas sopas de pacote;

3. Cuidado com as conservas como picles, azeitona, aspargo, patês e palmito, enlatados como extrato de tomate, milho e ervilha – alimentos conservados em sal e os salgadinhos como batata frita, amendoim salgado, cajuzinho.

4. Evite carnes salgadas como bacalhau, charque, carne-seca e defumados;

5. Nunca tenha um saleiro à mesa.

Além dos cuidados em relação ao consumo de sal, o paciente hipertenso deve ser estimulado a seguir uma dieta balanceada, privilegiando frutas e verduras, carne magra, laticínios desnatados, grãos e cereais. Aumentar o consumo de potássio também auxilia o controle da pressão, isto pode ser feito através do aumento no consumo de frutas e verduras. “Uma dieta rica em vegetais e frutas contém 2 a 4g de potássio/dia e pode ser útil na redução da pressão e prevenção da hipertensão arterial. Os substitutos do sal contendo cloreto de potássio e menos cloreto de sódio (30% a 50%) são úteis para reduzir a ingestão de sódio e aumentar a de potássio”, diz a médica.

“A redução da ingestão de álcool também auxilia o controle da pressão arterial naquelas pessoas que consomem grandes quantidades de bebidas alcoólicas”, diz Ellen Paiva, que também é nutróloga.

A recomendação médica é a seguinte: para os consumidores de álcool, a ingestão de bebida alcoólica deve ser limitada a 30g álcool/dia contidas em 600 ml de cerveja (5% de álcool) ou 250 ml de vinho (12% de álcool) ou 60ml de destilados (whisky, vodka, aguardente - 50% de álcool). Este limite deve ser reduzido à metade para homens de baixo peso, mulheres e indivíduos com sobrepeso e/ou triglicérides elevados.

“É importante destacar que a dieta é apenas uma das medidas para controle da pressão do hipertenso.

Ela deve ser acompanhada da adoção de outros hábitos de vida saudável, tais como: prática de atividade física regular, abandono do tabagismo, ingestão moderada de bebidas alcoólicas, controle do estresse e manutenção do tratamento medicamentoso, quando houver prescrição médica para tal”, diz Ellen Paiva.

Recomendações dietéticas para hipertensos

Preferir:

Alimentos cozidos, assados, grelhados ou refogados

Temperos naturais: limão, ervas, alho, cebola, salsa e cebolinha

Verduras, legumes, frutas, grãos e fibras

Peixes e aves preparadas sem pele

Produtos lácteos desnatados.

Limitar:

Sal

Álcool

Gema de ovo: no máximo três/semana

Crustáceos

Margarinas, dando preferência às cremosas, alvarinas e ricas em fitosterol.

Evitar:

Açúcares e doces

Frituras

Derivados de leite na forma integral, com gordura

Carnes vermelhas com gordura aparente e vísceras

Alimentos processados e industrializados: embutidos, conservas, enlatados, defumados e salgados de pacote.

Fonte: www.servidorpublico.net

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal