Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia Mundial da Saúde  Voltar

Dia Mundial da Saúde

 

7 de Abril

Segundo a Organização Mundial de Saúde - OMS, saúde é o mais completo estado de bem-estar físico, mental e social e não a simples ausência de doença.

Ou seja, uma pessoa saudável não é aquela que não está doente, mas a que tem o corpo e a mente funcionando em harmonia, desempenhando os papéis que cabem a cada um e proporcionando o máximo de bem-estar, disposição e vitalidade.

Vida Saudável

A saúde é uma das maiores riquezas do ser humano, é sinônimo de vida. Por isso, é importante que você procure ter hábitos que ajudem a manter uma boa saúde, garantindo uma vida mais ativa e alegre.

Aqui estão alguns deles:

Alimentação adequada

A alimentação está para o corpo humano assim como o combustível está para uma máquina. Proteínas, hidratos de carbono (açúcares), gorduras, vitaminas e sais minerais, que estão contidos nos alimentos que consumimos diariamente, são os nutrientes para nosso corpo.

Hambúrguer com refrigerante e cachorro-quente com fritas podem parecer apetitosos e irresistíveis, mas não são a base da alimentação. O leite e seus derivados, a carne e os ovos são as principais fontes de proteínas. Já as frutas, legumes e verduras são ricos em vitaminas e sais minerais.

Na sua alimentação também não pode faltar água. Ela é fundamental para o equilíbrio do corpo, pois é indispensável ao metabolismo do movimento muscular.

Veja alguns alimentos importantes para a boa saúde e sua contribuição para o organismo:

Vitamina C: Limão, caju, laranja, folhas verdes etc.

Sais Minerais: Tomate, maçã, legumes, folhas etc.

Potássio: Banana, goiaba, maçã, queijo branco, leite etc.

Cálcio: Leite e seus derivados, repolho, alface, feijão etc.

Vitamina A: Cenoura, agrião, abóbora, manga, caqui etc.

Fibras: Hortaliças em geral, legumes, frutas e cereais.

Ferro: Vagem, espinafre, couve, folha de nabo, brócolis.

A falta destes alimentos pode causar problemas à saúde: fraqueza, resfriados, anemia, ossos e dentes fracos, pele feia, entre outros.

Mas atenção! A alimentação deve ser adequada à idade da pessoa e as quantidades dos alimentos não podem ser insuficientes nem excessivas.

Ovos, por exemplo, contêm colesterol. Se você ingeri-los em grande quantidade ou com muita freqüência, estará aumentando seu colesterol, uma substância presente no sangue que em excesso pode entupir artérias e provocar problemas de circulação.

Gorduras animais também têm o mesmo efeito na corrente sangüínea. Por isso, não se deve abusar de alimentos como creme de leite, manteiga, queijo tipo prato, banha, frituras, entre outros.

Cuidado com a auto-medicação

Na hora de se medicar, evite tomar remédios por conta própria ou seguir conselhos de amigos ou balconistas de farmácia. A pessoa mais indicada para receitar um medicamento é o médico.

A auto-medicação pode ter efeitos indesejados e imprevistos, pois o remédio errado não só não cura como pode piorar a saúde.

Evite comprar medicamentos em feiras, camelôs e em farmácias e drogarias que você não conhece. Fique atento também com promoções e liquidações, pois preços muito baixos podem indicar que o medicamento tem origem duvidosa.

Não esqueça de verificar na embalagem do remédio:

Se consta a data de validade;
Se o nome do produto pode ser lido facilmente;
Se não há rasgos, rasuras ou alguma informação que tenha sido apagada ou raspada;
Se consta o nome do farmacêutico responsável pela fabricação e o número de sua inscrição no Conselho Regional de Farmácia . O registro do farmacêutico responsável deve ser do mesmo Estado em que a fábrica do medicamento está instalada;
Se consta o número do registro do medicamento no Ministério da Saúde;
Se o número do lote, que vem impresso na parte de fora, é igual ao que vem impresso no frasco ou na cartela interna;
Se você suspeitar que o remédio é falsificado, ligue para o Disque Saúde e peça orientação. O número é 0800-611997 e a ligação é gratuita.

Higiene

Cuidando de sua higiene pessoal, você estará cuidando também de sua saúde. São hábitos de higiene:

Lavar as mãos antes das refeições, depois de ir ao sanitário e ao voltar da rua;
Escovar os dentes ao acordar, após as refeições e ao deitar;
Manter a casa sempre limpa e varrida;
Lavar diariamente os vasos sanitários;
Colocar o lixo em sacos plásticos, sempre fechados e em locais adequados;
Ir ao dentista e ao médico pelo menos uma vez ao ano;
Tomar apenas água filtrada ou fervida;

Sono tranquilo e regular

O sono é parte essencial da vida, pois é um período de restauração física que nos protege do desgaste natural das atividades que desempenhamos quando estamos acordados.

Não existe um número de horas ideal para se dormir por dia. A quantidade de sono necessária para se sentir alerta durante o dia varia de pessoa para pessoa. Aqui vão alguns conselhos para preservar um bom sono.

Durma apenas o necessário para sentir-se recuperado. Muito tempo na cama interfere na qualidade do sono na noite seguinte.

Tenha horário regular para levantar sete dias por semana.

Não tome bebidas com cafeína à noite. O café, chá preto, chimarrão, chocolate, guaraná e refrigerantes à base de cola (Coca e Pepsi) estimulam o sistema nervoso.

Pare de fumar ou não fume à noite. A nicotina tem efeitos diversos sobre o sistema nervoso e é prejudicial ao sono.

Não tome bebidas alcoólicas à noite. Pode prejudicar a respiração, estimular o ronco e sonhos desagradáveis. Além disso, o álcool cria dependência física e psíquica.

Durma em ambiente escuro, silencioso, bem ventilado e com temperatura agradável.

Não durma com fome.

Não faça refeições pesadas até três horas antes de dormir. Prefira refeições leves à noite.

Numa eventual noite de insônia não se deve permanecer na cama forçando o sono. Procure uma atividade fora da cama e só retorne quando sentir novamente sono.

Prática regular de exercícios

Andar, falar, trabalhar e alimentar-se são atividades que exigem uma condição física normal do indivíduo. Entretanto, a maioria das pessoas sente-se cansada quando faz um exercício mais desgastante, como subir escadas, por exemplo.

Praticar esportes é um hábito saudável, que contribui para que o indivíduo adquira uma boa condição física, estando melhor preparado para atividades que requerem um esforço maior. Mas aí vai um toque: os especialistas recomendam que os esportes sejam praticados regularmente, em três ou mais dias na semana, durante pelo menos 30 minutos seguidos.

Outras vantagens da prática de esportes regular são:

Trabalho mais eficiente de coração e pulmões;
F ortalecimento dos músculos, que se tornam mais resistentes e ágeis;
A umento da capacidade vital;
P revenção da obesidade e do envelhecimento prematuro;
M elhor condição psicológica, alegria de viver;

A boa condição física dá-nos mais disposição para o lazer, maior resistência contra doenças e maior rendimento nas tarefas diárias. O quadro abaixo, sobre prática de exercícios físicos, apresenta dados interessantes.

Prática de exercícios físicos: Nordeste e Sudeste - 1996/1997Apesar de vivermos num mundo moderno e dinâmico, é comum encontrar pessoas que levam uma vida sedentária, isto é, não praticam exercícios, têm alimentação inadequada e falta de disposição para as atividades físicas simples.

O sedentarismo contribui para a obesidade, eleva os níveis de gordura no sangue e a pressão arterial.

Ao praticar exercícios, você estará diminuindo os riscos de doença. Mas lembre-se de que os exercícios devem ser praticados com moderação.

É comum, sobretudo entre os jovens e atletas, a vontade de ter um corpo bem modelado e forte.

E para isso às vezes eles recorrem ao uso de substâncias denominadas esteróides, que melhoram a força e o desempenho do corpo. Só que os efeitos colaterais são muito graves: agressividade, doenças cardíacas, disfunções sexuais, calvície, diminuição da expectativa de vida, entre outros.

Doenças sexualmente transmissíveis

Assim como a Aids, existem outras doenças sexualmente transmissíveis, conhecidas como DST. Desde a Grécia Antiga que elas acometem pessoas de todas as classes e sexo. Eram chamadas de doenças venéreas, em referência a Vênus, Deusa do Amor.

As mais conhecias são: sífilis, gonorréia, clamídia, tricomoníase, condiloma acuminado, cancro mole, herpes genital e hepatite B.

Somente a hepatite B e a sífilis, a exemplo da Aids, podem ser transmitidas por sangue infectado e pela mulher grávida infectada durante o parto, gestação ou amamentação. As demais DST só são transmitidas pela relação sexual.

Os sintomas das DST não são facilmente reconhecidos, o que aumenta o risco à saúde. Secreções, bolhas, úlceras ou verrugas nos órgãos genitais, ardência ao urinar, dor durante a relação sexual ou abdominal podem ser sinais de que alguma coisa está errada no organismo.

Algumas DST, se não forem tratadas rapidamente, podem causar sérios danos à saúde como, por exemplo, a esterilidade tanto em homens como em mulheres.

Podem também tornar o paciente predisposto ao câncer, causar lesões no coração e no cérebro. Quando não tratadas na mulher grávida, se estendem também à criança que pode ser contaminada dentro do útero, pelo sangue da mãe, o durante o parto.

Com obesidade não se brinca

Uma das maneiras de avaliar a saúde da população é através do índice de massa corporal (IMC) das pessoas com 20 anos de idade ou mais.

Para calcular o IMC é preciso dividir o peso (em quilos) pela altura ao quadrado (em metros).

De acordo com especialistas, o IMC ideal para um adulto deve ser entre 18,5 e 25.

Pessoas com IMC abaixo de 18,5 são consideradas desnutridas. De 25 a 30, está acima do peso ideal e, acima de 30, obesa. Por exemplo, se você pesa 52 quilos e mede 1m69, seu IMC será 18,2.

Segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003 (POF), um total de 40% da população adulta do Brasil apresenta excesso de peso, com IMC igual ou superior a 25.

A pesquisa também revelou que o problema se agrava com a idade. No entanto, os homens tendem a ganhar peso de forma mais rápida e as mulheres de forma mais lenta e em um espaço maior de tempo.

A faixa etária que vai dos 20 aos 44 anos concentra o maior número de homens com excesso de peso, e as mulheres predominam nas faixas posteriores.

Em termos regionais, o total de homens com excesso de peso é maior nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste do que no Norte e Nordeste. E ainda, o problema afeta mais os homens das áreas urbanas do que das rurais.

Entre mulheres, o excesso de peso difere menos entre as regiões, exceto no Nordeste. Ao contrário dos homens, há mais mulheres com esse problema nas áreas rurais do que nas urbanas.

Outra informação importante é em relação às pessoas obesas, problema caracterizado por IMC igual ou superior a 30.

Assim, segundo a pesquisa, a obesidade afeta 8,9% dos homens adultos e 13,1% das mulheres adultas do País. E mais: os obesos representam cerca de 20% do total de homens e um terço do total de mulheres com excesso de peso.

Jovens mães

Quando uma adolescente engravida, geralmente ela se vê numa situação não planejada e até mesmo indesejada.

Na maioria das vezes a gravidez na adolescência ocorre entre a primeira e a quinta relação sexual.

E quando a jovem tem menos de 16 anos, por sua imaturidade física, funcional e emocional, crescem os riscos de complicações como o aborto espontâneo, parto prematuro, maior incidência de cesárea, ruptura dos tecidos da genitália durante o parto, dificuldades na amamentação e depressão. Por tudo isso, a maternidade antes dos 16 anos é desaconselhável.

O jovem casal deve ter em mente que um filho inesperado pode significar ter que rever seus projetos de vida, interromper os estudos ou cancelando planos futuros de vida profissional.

Uma criança exige atenção, amor, dedicação, além dos cuidados físicos. Durante muito tempo ela será totalmente dependente dos pais, que deverão educá-la e contribuir para a formação de seu caráter.

Nas duas últimas décadas, a incidência de casos tem aumentado significativamente ao mesmo tempo que tem diminuído a média de idade das adolescentes grávidas.

Fique atento aos itens abaixo, pois eles são as causas mais freqüentes da gravidez na adolescência:

1. Desconhecimento dos métodos para evitar a gravidez

Ainda hoje encontram-se rapazes e moças totalmente desinformados em relação aos conhecimentos elementares sobre o funcionamento do corpo humano e aos métodos para evitar a gravidez.

2. Método conhecido, mas não praticado

Um grande número de adolescentes não usa nenhum método anticoncepcional, apesar de conhecer alguns deles.

3. Uso de método anticoncepcional de baixa eficiência

A falta de informação correta faz com que os adolescentes usem métodos de elevada taxa de falha como a tabelinha e o coito interrompido que não exigem consulta médica.

4. Uso incorreto ou falha no uso de um método

Se a jovem se esquecer de tomar a pílula ou se a camisinha se romper por uso incorreto o risco de gravidez é grande.

História do Dia Mundial da Saúde

Dia Mundial da Saúde foi criado pela OMS em 7 de abril de 1950, quando da realização da primeira Assembléia

O Dia Mundial da Saúde evoca a criação da Organização Mundial da Saúde (OMS, bandeira acima), fundada nessa data em 1948, e é o esforço mais vísivel desta organização para chamar a atenção para um aspecto-chave global escolhido anualmente.

A primeira Assembléia da Saúde Mundial criou o evento, em 1948, que é comemorado a 7 de Abril desde 1950.

Ao longo dos seus 60 anos, a Organização Mundial da Saúde enfrentou vários desafios da saúde pública que se foram colocando ao homem e ao mundo, concretamente, a luta contra certas doenças - a tuberculose, o tétano, a poliomielite, o HIV, a luta contra o tabaco.

O Dia Mundial da Saúde, comemorado dia 7 de abril, assinala, assim, a entrada em vigor da Constituição da OMS que, tendo alcançado a erradicação da varicela , continua ainda a trabalhar no programa do controlo da malária, uma das suas grandes batalhas a nível global.

Para o 2008, a OMS escolheu como tema a protecção da saúde contra os efeitos das alterações climáticas

Para 2009 O Dia Mundial da Saúde tem como tema “Salvar vidas - Hospitais seguros em situações de emergência”.

Os profissionais, os edifícios e os serviços de saúde também podem tornar-se vítimas em situações de emergência, acidentes ou outras catástrofes, naturais, biológicas, tecnológicas, sociais ou conflitos armados.

As populações podem ver-se, assim, privadas de serviços de saúde cruciais para salvar vidas.

O tema escolhido para 2009 destaca a importância de garantir que as unidades de saúde, sejam elas hospitais ou centros de saúde, têm a resistência física necessária para manter o respectivo funcionamento e a segurança dos profissionais de saúde, assegurando que as populações afectadas são devidamente atendidas.

Em cada ano, a OMS aproveita a ocasião para fomentar a consciência sobre alguns temas chave relacionados com a saúde mundial. Neste sentido, organiza eventos a nível internacional, regional e local para promover o tema escolhido em matéria de saúde.

O Dia Mundial da Saúde evoca a criação da Organização Mundial da Saúde (OMS, bandeira acima), fundada nessa data em 1948, e é o esforço mais vísivel desta organização para chamar a atenção para um aspecto-chave global escolhido anualmente.

A primeira Assembléia da Saúde Mundial criou o evento, em 1948, que é comemorado a 7 de Abril desde 1950.

Ao longo dos seus 60 anos, a Organização Mundial da Saúde enfrentou vários desafios da saúde pública que se foram colocando ao homem e ao mundo, concretamente, a luta contra certas doenças - a tuberculose, o tétano, a poliomielite, o HIV, a luta contra o tabaco.

O Dia Mundial da Saúde, que hoje se comemora, assinala, assim, a entrada em vigor da Constituição da OMS que, tendo alcançado a erradicação da varicela , continua ainda a trabalhar no programa do controlo da malária, uma das suas grandes batalhas a nível global.

Para o 2008, a OMS escolheu como tema a protecção da saúde contra os efeitos das alterações climáticas

Para 2009 O Dia Mundial da Saúde tem como tema “Salvar vidas - Hospitais seguros em situações de emergência”.

Os profissionais, os edifícios e os serviços de saúde também podem tornar-se vítimas em situações de emergência, acidentes ou outras catástrofes, naturais, biológicas, tecnológicas, sociais ou conflitos armados. As populações podem ver-se, assim, privadas de serviços de saúde cruciais para salvar vidas.

O tema escolhido para 2009 destaca a importância de garantir que as unidades de saúde, sejam elas hospitais ou centros de saúde, têm a resistência física necessária para manter o respectivo funcionamento e a segurança dos profissionais de saúde, assegurando que as populações afectadas são devidamente atendidas.

Dia Mundial da Saúde, comemorado no dia 7 de Abril desde 1950, celebra a criação da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1948.

Em cada ano, a OMS aproveita a ocasião para fomentar a consciência sobre alguns temas chave relacionados com a saúde mundial. Neste sentido, organiza eventos a nível internacional, regional e local para promover o tema escolhido em matéria de saúde.

7 de Abril

As crianças são o nosso futuro e as suas mães são as suas guardiãs. Contudo, só este ano, mais de meio milhão de mulheres morrerá durante a gravidez ou o parto. Quase 11 milhões de crianças morrerão, antes de completarem os cinco anos – quatro milhões delas durante o primeiro mês de vida. Quase todas estas mortes, muitas das quais se poderiam evitar, se registarão nos países em desenvolvimento.

Foi sobre esta crise de saúde pública, tão descurada e de que a imprensa fala tão pouco, que se centrou o World Health Report 2005 – Make every mother and child count (Relatório de 2005 sobre a Saúde no Mundo – Fazer com que todas as mães e crianças contem).

Contam porque valorizamos todas as vidas humanas. E contam porque mães e filhos saudáveis são a base em que assentam as comunidades e nações saudáveis e prósperas.

Quando foram adotados, os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, há cinco anos, os governos de todo o mundo prometeram reduzir, até 2015, a mortalidade materna em três quartos e a mortalidade de menores de cinco anos em dois terços.

Em algumas regiões, foram alcançados progressos, mas, noutras, assistiu-se a uma estagnação. E, em alguns países, registou-se mesmo um retrocesso.

O Dia Mundial da Saúde é uma oportunidade não só de dar destaque a este problema mas também de incentivar a ação.

É um momento para lançar um apelo a todos os nosso parceiros – Governos, doadores internacionais, sociedade civil, setor privado, meios de comunicação social, famílias e público em geral - para que organizem iniciativas sustentáveis a favor da sobrevivência, saúde e bem-estar das mães e das crainças. Neste Dia Mundial da Saúde, reafirmemos a nossa dedicação a esta missão.

Fontewww.ibge.gov.br/www.cmqv.org/Centro Regional de Informação da ONU em Bruxelas - RUNIC

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal