Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia do Capoeirista  Voltar

Dia do Capoeirista

 

03 de Agosto

Século 19. Abolida a escravidão, nas principais cidades portuárias negros se oferecem para carregar móveis, mercadorias, dejetos.

Defendem-se por meio da capoeira. Ora empregando a agilidade, ora valendo-se também de cacetes e facas.

Maltas aterrorizavam a população. Com a República, em 1889, Deodoro da Fonseca (1827-1892) inicia campanha de combate à capoeira.

Em outubro de 1890, promulga a Lei 487, de Sampaio Ferraz, que prevê de dois a seis meses de trabalho forçado na Ilha de Fernando de Noronha. No art. 402, “Dos vadios capoeiras”, lê-se:

Fazer nas ruas e praças públicas exercícios de agilidade e destreza corporal conhecidos pela denominação capoeiragem; andar em correria, com armas ou instrumentos capazes de produzir uma lesão corporal, provocando tumulto ou desordem, ameaçando pessoa certa ou incerta, ou incutindo temor de algum mal.

Pena – prisão celular de dois a seis meses.

Parágrafo único – é considerada circunstância agravante pertencer o capoeira a algum bando ou malta. Aos chefes e cabeças se imporá a pena em dobro.

Ao assumir o poder com a Revolução de 1930, Getúlio Vargas liberou uma série de manifestações populares, entre elas a capoeira, que hoje aspira até a figurar nos jogos olímpicos.

Espírito do Capoeirista

1- Conhecer-se é dominar-se. dominar é triunfar.

2- Sempre ceder para vencer.

3- Capoeira é o que possui, inteligência para compreender aquilo que não lhe ensinam, paciência para ensinar o que aprendeu, e fé para acreditar naquilo que não compreende.

4- Quem teme perde, já está vencido.

5- Somente se aproxima da perfeição quem procura com constância, sabedoria, e sobre tudo com muita humildade.

6- Saber cada dia um pouco mais e usá-lo todos os dias para o bem é o caminho dos verdadeiros capoeiristas.

7- Quando verificarmos com tristeza, que não sabemos nada, terá feito o teu primeiro progresso na capoeira.

8- O corpo é uma arma, cuja a eficiência depende da precisão com que a sua inteligência.

9- Praticar capoeira é ensinar a inteligência e pensar com velocidade e exatidão e, ao corpo obedecer com justiça.

10- A fraqueza é susceptível, a ignorância é rancorosa, o saber e a força dão a compreensão, quem compreende perdoa.

11- O homem que domina sua mente jamais será escravo.

12- O que parece dificuldade constitui a chance de seu progresso.

13- Em tudo que fizeres, põe tua esperança a frente;

14- Um Mestre é alguém que tem a coragem de pensar, acreditar e até errar;

15- O importante é que transmita seus ensinamentos.

Fonte: Almanaque Brasil

Dia do Capoeirista

03 de Agosto

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A capoeira é uma manifestação cultural nascida com os escravos no Brasil, originada no século XVI com os negros trazidos de Angola na época do Brasil colônia. Ela sofreu grande perseguição até meados do século XX quando foi considerada prática esportiva que inclui ao mesmo tempo luta, dança e jogo e por essa razão é considerada um meio de defesa pessoal, arte e esporte.

As manobras e golpes aplicadas durante a prática têm origem religiosa do candomblé. Predominase por um sistema de ataque e defesa com movimentos rápidos e circulares de alta velocidade e bruscos com frequência junto ao chão e normalmente encontramse de cabeça para baixo, no entanto a sobrecarga imposta sobre aparelho locomotor humano devido a quantidade de repetição de saltos, giros e aterrissagens é totalmente desconhecida.

As manobras de esquiva têm como uma de suas principais funções facilitar na redução de traumas. Enquanto as manobras de ataque, apresentamse por movimentos circulares que junto à rapidez do atleta aumentam a potência dos golpes no momento de sua execução.

Sabese através de outros autores e confirmase nesta pesquisa que a pratica esportiva intensa e realizada por muitos anos frequentemente acarretam em uma série de lesões e problemas posturais.

Para que se possa ter um entendimento mais amplo, a definição mais comum de postura é a posição que o corpo humano se encontra em relação ao espaço. Para uma postura adequada o sistema neuromuscular deve estar em equilíbrio e harmonia. Uma boa postura nada mais é do que a habilidade em manter o centro da massa corporal em relação a base de sustentação e dessa forma evitase quedas e a execução dos movimentos ocorrem com maior exatidão.

Enquanto a má postura, é uma série de desalinhamentos do corpo em que a causa pode ocorrer por diferentes fatores sendo a mais provável pela inatividade do músculo causada pela pausa na prática esportiva ou até mesmo o sedentarismo. Isso não quer dizer que o atleta não apresente disfunções posturais.

Pelo contrário na maioria dos estudos observase que cada modalidade apresenta um perfil postural diferente do que se considera como postura “normal”. Geralmente, ela é caracterizada por mudanças nas cadeias musculares. Cada pessoa possui características individuais de postura e uma alteração não ocorre de forma isolada pois os músculos trabalham em conjunto tanto para sua estática quanto para sua dinâmica e são organizados, interligados e harmonizados entre si em forma de cadeias e qualquer alteração de postura gera a retração dessas cadeias musculares.

O principal objetivo da pesquisa foi descrever o perfil postural dos capoeiristas e identificar as principais alterações posturais ligadas a essa pratica esportiva.

Com os resultados percebemos que a idade, o tempo de treino, a freqüência, o tempo de horas dedicadas a cada treino são fatores caracterizam a postura de um capoeirista.

Observase que, diferente de outras modalidades esportivas, o auge da carreira esportiva de um capoeirista ocorre quando adultos. Entretanto, muitos decidem iniciar a prática após os 20 anos. Em um estudo realizado em 2001, a Confederação Brasileira de Capoeira apresentava 18 mil atletas com mais de 35 anos. E apesar da maioria se encontrar na fase adulta muitos relataram ter iniciado a capoeira ainda muito jovens na faixa dos 15 anos de idade.

A maioria dos capoeiristas não realizam outras atividades físicas e têm grande dedicação regular o que demonstram que são fiéis aos treinos.

Apesar de todos esses fatos, mais de 70% relatam ter sofrido lesões sendo os pés e tornozelos as regiões mais acometidas. A provável hipótese para o alto índice de lesões está associado ao tempo de pratica e quantidade de horas dedicadas semanalmente pois, sabese que quanto maior o tempo de prática, maior a probabilidade do surgimento de lesões. Além das lesões propriamente ditas, o gesto esportivo específico de cada modalidade gera alterações posturais devido à necessidade do organismo se reorganizar em cadeias musculares de compensação.

Em relação à avaliação postural, as alterações mais evidentes foram encontradas em praticantes com tempo de treino superior a 10 anos, demonstrando que todos os jogadores que praticam a capoeira há muitos anos apresentam desequilíbrios musculares em comum.

De forma generalizada os capoeiristas apresentam os membros superiores com ombros protrusos, escápulas aladas e antebraços pronados ou seja, apresentam os ombros para frente, e a linha do cotovelo encontrase virada para baixo com o dorso da mão para cima . Isso acontece devido ao encurtamentos de alguns músculos da região do braço e tórax. Essas alterações podem ser justificadas pela posição adotada durante a ginga quando o atleta entra em posição de defesa, ele abre os braços em torno de 90°, faz flexão de antebraço, levando o membro superior à frente da face, em uma posição de proteção.

Em relação a coluna a única região que não apresenta disfunções em 100% dos casos é a torácica pois tanto a região cervical quanto a lombar têm alterações importantes. A cervical em 81,25% analisados apresentam protrusão de cabeça (pescoço para frente) e, a lombar em mais de 50% dos casos apresenta hiperlordose o que significa que há o aumento da curvatura natural da coluna lombar.

Quanto ao quadril média de 80% têm anteversão de pelve que significa que acompanhado ao aumento da curvatura da coluna lombar o capoeirista tem o arqueamento da região do quadril. A prática de lutas em nível competitivo sobrecarrega as articulações e os músculos da coluna e do quadril e desencadeiam alterações posturais devido ao encurtamento dos músculos flexores de coxa (região anterior de coxa) e a flexibilidade excessiva dos isquiotibiais (região posterior da coxa), que favorecem a inclinação de pelve.

Na capoeira esses resultados podem estar associados com a execução de manobras que consistem em saltos que exigem grande força de propulsão e favorece a protrusão cervical. Na execução de um golpe o corpo do capoeirista realiza flexão de uma perna com a outra estendida enquanto o tronco se mantém levemente fletido e a cabeça encontrase anteriorizada, com a finalidade de manter o equilíbrio do jogador para não cair na aterrissagem.

Quanto a postura dos joelhos mais de 60% dos atletas com média de 8 anos de prática apresentam hiperextensão de pernas o que significa o aumento da curvatura posterior da perna, pois quando olhamos na vista lateral, não enxergamos a curvatura que a articulação do joelho realiza entre a perna e a coxa (Anexo1). Essa alteração pode estar relacionada ao encurtamento da cadeia muscular posterior do corpo.

Entretanto, apesar dos capoeiristas apresentarem cadeia posterior aparentemente alongada, as manobras são realizadas através do mecanismo compensatório da coluna vertebral com a finalidade de aumentar o ângulo do chute.

Quanto aos pés, 100% dos capoeiristas avaliados apresentam pronação (pé chato, sem curvaturas). Nos treinamentos e competições de capoeira os sujeitos treinam descalços. Entretanto, a falta de calçado esportivo pode reduzir a sustentação dos ossos do pé, gerando um desabamento do arco longitudinal, devido a ação da descarga de peso corporal associado à aterrissagens.

Quando o capoeirista executa um golpe de ataque, ou manobra aérea ele utiliza o membro inferior dominante para aplicar o chute e quando retorna a sua posição inicial, em que os pés tocam o solo há uma reação de equilíbrio do corpo e uma descarga de peso de uma perna para outra e ocorre o desabamento do arco plantar.

Uma outra hipótese explicativa é que o lutador necessita de uma base de sustentação ampla que reflete na formação do pé pronado para conseguir manter o equilíbrio.

Aqueles que praticam há mais de 10 anos apresentam alterações posturais em comum tais como protração de cervical, protrusão de ombros, escápulas aladas, antebraços pronados, hiperlordose lombar, anteversão pélvica, hiperextensão de joelho e pés pronados.

Com os resultados obtidos pôdese sugerir o provável padrão postural dos praticantes de capoeira.

Deve ser do interesse da área da saúde desportiva obter mais informações quanto as questões fisiológicas benéficas ou não ao sistema músculoesquelético, pois há um leque de informações que não foram analisadas e discutidas minuciosamente por outros especialistas.

Fonte: www.palmares.gov.br

Dia do Capoeirista

03 de Agosto

A capoeira é uma expressão cultural afro-brasileira que mistura luta, dança, cultura popular, músicaesporte, artes macias,e talvez até brincadeira. Desenvolvida no Brasil por escravos africanos e seus descendentes, é caracterizada por golpes e movimentos ágeis e complexos, utilizando os pés, as mãos, a cabeça, os joelhos, cotovelos, elementos ginástico-acrobáticos, e golpes desferidos com bastões e facões, estes últimos provenientes do Maculelê. Uma característica que a distingue da maioria das outras artes marciais é o fato de ser acompanhada por música.

Acredita-se que a palavra capoeira seja originária do tupi e refira-se às áreas de mata rasteira do interior do Brasil. Foi sugerido que a capoeira obteve o nome a partir dos locais que cercavam as grandes propriedades rurais de base escravocrata.

Há porém, uma enorme polêmica acerca da origem etimológica do termo. Existe a teoria de base lusófona na explicação de alguns etimólogos como sendo originária do português "capo", uma vez que, o jogo dançante era praticado por escravos de ganho, vendedores de aves, que assentavam ao chão as gaiolas de seus capos, antes da prática.

No entanto, muitos especialista consideram a teoria um tanto simplista e artigos acadêmicos que questionam o rigor científico dos estudos sobre a capoeira podem ser encontrados na web. As teorias indígenas apontam tanto o tupi quanto o guarani nos termos kapwera ou tupwera, relacionando-a à vegetação debastada pela prática.

Internacionalmente, os dicionários etimológicos acompanham a controvérsia, ora apresentando o vocábulo capoeira como oriundo do quicongo "kipura" sofrendo influência latina para cap, ora apresentando o português antigo "capon", frango ou galo jovem castrado, ave esta vendida em gaiolas pelos escravos de ganho praticantes da capoeira.

Desde o século XVI, Portugal enviou escravos para o Brasil, provenientes da África Ocidental. O Brasil foi o maior receptor da migração de escravos, com 42% de todos os escravos enviados através do Oceano Atlântico.

Os seguintes povos foram os que mais frequentemente eram vendidos no Brasil: grupo sudanês, composto principalmente pelos povos Iorubá e Daomé, o grupo guineo-sudanês dos povos Malesi e Hausa, e o grupo banto (incluindo os kongos, os Kimbundos e os Kasanjes) de Angola, Congo e Moçambique.

Os negros trouxeram consigo para o Novo Mundo as suas tradições culturais e religião. A homogeneização dos povos africanos e seus descendentes no Brasil sob a opressão da escravatura foi o catalisador da capoeira.

A capoeira foi desenvolvida pelos escravos do Brasil, como forma de elevar o seu moral, transmitir a sua cultura e principalmente como forma de resistir aos seus escravizadores. Geralmente era praticada nas capoeiras e, à noite, nas senzalas onde os escravos ficavam acorrentados pelos braços.

O que explicaria o fato de a maioria dos golpes serem desferidos com os pés. Foi também muito praticada nos quilombos, onde os escravos fugitivos tinham liberdade para expressar sua cultura. Há relatos de historiadores de que Zumbi dos Palmares e seus quilombolas comandados só conseguiram defender o Quilombo dos Palmares dos ataques das tropas coloniais porque eram exímios capoeiristas.

Mesmo possuindo material bélico muito aquém dos utilizados pelas tropas coloniais e geralmente combatendo em menor número, resistiram a pelo menos vinte e quatro ataques de grupos com até três mil integrantes comandados por capitães-do-mato. Foram necessários dezoito grandes ataques de tropas militares ao Quilombo dos Palmares para derrotar os quilombolas.

Soldados de Portugal relatavam ser necessário mais de um dragão (militar) para capturar um quilombola porque se defendiam com estranha técnica de ginga, pernas, cabeça e braços. Muitos comandantes de tropa portugueses e até um governador-geral consideraram ser mais difícil derrotar os quilombolas do que os holandeses.

Há registros da prática da capoeira nos séculos XVIII e XIX nas cidades de Salvador, Rio de Janeiro e Recife, porém durante anos a capoeira foi considerada subversiva, sendo sua prática proibida e duramente reprimida. Devido a essa repressão, a capoeira praticamente se extinguiu no Rio de Janeiro, onde os grupos de capoeiristas eram conhecidos como maltas, e em Recife, onde segundo alguns a capoeira deu origem à dança do frevo, conhecida como o passo.

Em 1932, Mestre Bimba fundou a primeira academia de capoeira do Brasil em Salvador. Mestre Bimba acrescentou movimentos de outras artes marciais e desenvolveu um treinamento sistemático para a capoeira, estilo este que passou a ser conhecido como Regional.

Em contraponto, Mestre Pastinha pregava a tradição da capoeira com um jogo matreiro, de disfarce e ludibriação, estilo que passou a ser conhecido como Angola. Da dedicação desses dois grandes mestres, a capoeira deixou de ser marginalizada e se espalhou da Bahia para todos os estados brasileiros.

No vídeo de B. M. Farias "Relíquias da Capoeira - Depoimento do Mestre Bimba", o próprio Manuel dos Reis Machado, criador da capoeira de regional, comenta sobre os motivos que o fizeram se mudar para Goiânia. Depois, em uma reunião de especialistas em capoeira no Rio de Janeiro, explica-se mais sobre o nome do esporte, a criação da capoeira de Angola e esse lendário personagem chamado Mestre Bimba. A palavra capoeira quer dizer:Capo:mato Eira:cortado.

A capoeira já foi motivo de grande controvérsia entre os estudiosos de sua história, sobretudo no que se refere ao período compreendido entre o seu surgimento – supostamente no século XVII, quando ocorreram os primeiros movimentos escravos de fuga e rebeldia – e o século XIX, quando aparecem os primeiros registros confiáveis, com descrições detalhadas sobre sua prática.

Capoeiristas históricos

Besouro Mangangá capoeirista baiano do século XIX, imortalizado nas músicas da capoeira.

Manduca da Praia temido capoeirista no Rio de Janeiro do século XIX.

Madame Satã polêmico capoeirista do Rio de Janeiro do século XX, sua vida foi retratada em filme.

Mestre Waldemar foi alvo de vários estudos acadêmicos na década de 1950 e inventor das ladainhas.

Capoeira fora do Brasil

Capoeira está crescendo no mundo inteiro. Houve comparações feitas entre a forma de arte americana do Afro-Norte dos azuis e da capoeira. Ambos foram praticados e desenvolvidos por escravos Africanos, com qualidades culturais africanas; ambos se desenvolveram e promoveram um sentido profundo do orgulho Afrocentric.

“Artur Emídio foi provalvelmente o primeiro capoeirista a executar uma performace no exterior; ” nos anos 50s e 60s ele foi a Argentina, a México, aos E.U., e a Europa. Grupos tais como Brasil tropical, dirigido por Domingos Campos e M. Camisa Roxa, Europa excursionada nos anos 70 a dança Brasil de Jelon Vieira, fundado em New York City em 1977, fez grande parte na influencia em capoeira entre audiências americanas.

Os mestres de capoeira dos meados dos anos 70, começaram a emigrar e ensinar o capoeira nos Estados Unidos e em outros países. Neste tempo a capoeira no Brasil era praticada ainda primeiramente entre o mais pobre e mais negro dos brasileiros. Com sua imigração aos USA, entretanto, muito do estigma com que foi associado historicamente no Brasil, foi invertido.

Hoje há muitas escolas de capoeira pelo mundo inteiro. A capoeira está ganhando terreno no Japão, Europa, e por todo os Estados Unidos. Com sua popularidade atraíram estudantes multiculturais, multiracial. Capoeira ganhou tambem a popularidade entre não-Brasileiros e não-Africanos em seus movimentos.

No Estados Unidos, Califórnia, temos Mestre Penteado, um dos mestres mais profissionais da capoeira no mundo. Seu metodo de ensino da capoeira e um dos mais tecnicos e modernos da atualidade.

Mestre Penteado treina capoeira por 28 anos. Foi campeao brasileiro de capoeira, tres vezes consecutivas, de 1999 a 2001 (JEB Jogos Estudantis Brasileiro). Aluno do Mestre Suassuna, Mestre Penteado faz parte do grupo "Cordao de Ouro" que é um dos maiores grupos de capoeira no mundo. Mestre Penteado e tambem mestrado em Educacao Fisica.

Capoeira Angola

Mestre Pastinha (Vicente Ferreira Pastinha) fundou a primeira escola de capoeira legalizada pelo governo baiano.

Certidão de nascimento de Mestre Pastinha

Mestre João Pequeno: aluno de Pastinha, é o mais velho e importante mestre da Capoeira Angola em atividade.

Mestre João Grande: aluno de mestre Pastinha, é um dos mais importantes mestres de Angola vivos e comanda hoje sua importante academia na cidade de Nova York.

Capoeira Regional

Mestre Bimba (Manuel dos Reis Machado): criador da capoeira regional

Mestre Eziquiel: aluno de Bimba, divulgou a capoeira pelo mundo e foi um de seus maiores cantadores e compositores.

Mestre Capixaba: fundador da A.C.A.P.O.E.I.R.A.. Considerado por Mestre João Grande uns dos maiores mestres vivos. Difundiu e difunde a capoeira nos cinco continentes.

Música

A música é um componente fundamental da capoeira. Foi introduzida como forma de ludibriar os escravizadores, fazendo-os acreditar que os escravos estavam dançando e cantando, quando na verdade também estavam treinando golpes para se defenderem.

Ela determina o ritmo e o estilo do jogo que é jogado durante a roda de capoeira. A música é composta de instrumentos e de canções, podendo o ritmo variar de acordo com o Toque de Capoeira de bem lento (Angola) a bastante acelerado (São Bento Grande). Muitas canções são na forma de pequenas estrofes intercaladas por um refrão, enquanto outras vêm na forma de longas narrativas (ladainhas). As canções de capoeira têm assuntos dos mais variados.

Algumas canções são sobre histórias de capoeiristas famosos, outras podem falar do cotidiano de uma lavadeira.

Algumas canções são sobre o que está acontecendo na roda de capoeira, outras sobre a vida ou um amor perdido, e outras ainda são alegres e falam de coisas tolas, cantadas apenas para se divertir.

Os capoeiristas mudam o estilo das canções frequentemente de acordo com o ritmo do berimbau. Desta maneira, é na verdade a música que comanda a capoeira, e não só no ritmo mas também no conteúdo.

O toque Cavalaria era usado para avisar os integrantes da roda que a polícia estava chegando; por sua vez, a letra é constantemente usada para passar mensagens para um dos capoeiristas, na maioria das vezes de maneira velada e sutil.

Os instrumentos são tocados numa linha chamada bateria. O principal instrumento é o berimbau, que é feito de um bastão de madeira envergado por um cabo de aço em forma de arco e uma cabaça usada como caixa de reverberação.

O berimbau varia de afinação, podendo ser o Berimbau Gunga (mais grave), Médio (médio) e viola (mais agudo). Os outros instrumentos são: pandeiro, atabaque, caxixi e com menos freqüência o ganzá e o agogô.

Berimbaus. Da Esquerda para direita: Viola, Médio e Gunga ou Berra-Boi

Dia do Capoeirista

Toques de capoeira

Os diferentes ritmos utilizados na capoeira, como tocados no berimbau, são conhecidos como toques; estes são alguns dos toques mais comumente utilizados:

Angola

São Bento Grande de Bimba

São Bento Grande de Angola

São Bento Pequeno

Iúna

Cavalaria

Samango

Santa Maria

Benguela

Amazonas

Idalina

Regional de Bimba

A dança na capoeira

O batuque, maculelê, puxada de rede e samba de roda são danças (manifestações culturais) fortemente ligadas à capoeira.

Roda de capoeira regional

Os capoeiristas se perfilam na roda de capoeira batendo palma no ritmo do berimbau e cantando a música enquanto dois capoeiristas jogam capoeira. O jogo entre dois capoeiristas pode terminar ao comando do capoeirista no berimbau ou quando algum capoeirista da roda entra entre os dois e inicia um novo jogo com um deles.

Em geral a capoeira não busca destruir o oponente, porém contusões devido a combates mais agressivos não são raras. Entretanto, de maneira geral o capoeirista prefere mostrar sua superioridade "marcando" o golpe no oponente sem no entanto completá-lo. Se o seu oponente não pode evitar um ataque lento, não existe razão para utilizar um golpe mais rápido.

A ginga é o movimento básico da capoeira, é um movimento de pernas no ritmo do toque que lembra uma dança, porém capoeiristas experientes raramente ficam gingando pois estão constantemente atacando, defendendo, e "floreando" (movimentos acrobáticos). Além da ginga são muito comuns os chutes em rotação, rasteiras, golpes com as mãos, cabeçadas, esquivas, saltos, mortais, giros apoiados nas mãos e na cabeça, movimentos acrobáticos e de grande elasticidade e movimentos próximos ao solo.

Movimentos da capoeira.

Embora os nomes dos golpes de capoeira variem de grupo para grupo, alguns dos principais são:

Armada

Baiana
Banda
Benção
Cabeçada
Chapa
Galopante
Macaco
Martelo
Martelo Cruzado
Meia-lua
Meia-lua de compasso
Meia-lua de frente
Pisão
Ponteira
Queixada
Rabo-de-arraia
Rasteira
Ponte
Giro de mão
Quebra de rins
Esquiva
Esquiva com rolê
Giro de cabeça
Ginga

Estilos de capoeira

Angola

A Angola é o estilo mais próximo de como os negros escravos jogavam a Capoeira. Caracterizada por ser mais lenta, porém rápida, movimentos furtivos executados perto do solo, como em cima, ela enfatiza as tradições da Capoeira, que em sua raiz está ligada aos rituais afro-brasileiros, caracterizado pelo Candomblé, sua música é cadenciada, orgânica e ritualizada, e o correto é estar sempre acompanhada por uma bateria completa de 08 instrumentos.

A designação "Angola" aparece com os negros que vinham para o Brasil oriundos da África, embarcados no Porto de Luanda que, independente de sua origem, eram designados na chegada ao Brasil de "Negros de Angola", vide ABC da Capoeira Angola escrito pelo Mestre Noronha quando ele cita o Centro de Capoeira Angola Conceição da Praia, criado pela nata da capoeiragem baiana no início dos anos 1920. Mestre Pastinha (Vicente Ferrera Pastinha) foi o grande ícone do estilo.

Grande defensor da preservação da Capoeira Angola, inaugurou em 23 de fevereiro de 1941 o Centro Esportivo de Capoeira Angola (CECA). Dos ensinamentos do Mestre Pastinha foram formados grandes mestres da capoeiragem Angola, a exemplo dos Mestres: João Pequeno, João Grande, Valdomiro Malvadeza, Albertino da Hora, Raimundo Natividade, Gaguinho Moreno, 45, Pessoa Bá-Bá-Bá, Trovoada, Bola Sete, dentre outros que continuam transmitindo seus conhecimentos para os novos angoleiros, como Mestre Morais.

É comum a primeira vista ver o jogo de Angola como não perigoso ou não elaborado, contudo o jogo Angola se assemelha ao xadrez pela complexidade dos elementos envolvidos. Por ter uma sistemática estruturada em rituais de aprendizado completamente diferentes da Regional, seu domínio é muito mais complicado, envolvendo não só a parte mecânica do jogo mas também características como sutileza, o subterfúgio, a dissimulação, a teatralização, a mandinga e/ou mesmo a brincadeira para superar o oponente. Um jogo de Angola pode ser tão ou mais perigoso do que um jogo de Regional.

Regional

A capoeira regional foi criada por Mestre Bimba em Manuel dos Reis Machado, (1900-1974). Bimba criou sequências de ensino e metodizou o ensino de capoeira. Inicialmente, Bimba chamou sua capoeira de "Luta regional baiana", de onde surgiu o nome regional.

Manoel dos Reis Machado, conhecido por ser um habilidoso lutador nos ringues, e inclusive, ser um exímio praticante da capoeira Angola, procurou fazer com que a capoeira tivesse uma maior força como luta e fez isto incorporando a ela novos golpes. Um fato que é conhecido, é de que Bimba teria incorporado golpes do batuque, uma luta já extinta, que era rica em golpes traumáticos e desequilibrantes. Inclusive, sabe-se que o pai de Mestre Bimba era praticante desta luta.

Há muita discussão também sobre se Bimba teria ou não absorvido golpes de outras lutas, como judô, o jiu-jitsu, a luta livre e o savate, luta de origem francesa, para compor sua capoeira Regional. Entre os velhos mestres, essa é a opinião vigente, mas, apesar disso, eles não acham que este fato seja negativo ou descaracterizador.

A Regional surgiu por volta de 1930. Mas Mestre Bimba se preocupou não só em fazer com que a capoeira fosse reconhecida como luta, ele também criou o primeiro método de ensino da capoeira, as "sequências de ensino" que auxiliavam o aluno a desenvolver os movimentos fundamentais da capoeira.

Em 1932, foi fundada por Mestre Bimba a primeira academia de capoeira registrada oficialmente, em Salvador, com o nome de "Centro de Cultura Física e Capoeira Regional da Bahia".

Das muitas apresentações que Mestre Bimba fez, talvez a mais conhecida tenha sido a ocorrida em 1953, para o então presidente Getúlio Vargas, ocasião em que teria ouvido do presidente: "A capoeira é o único esporte verdadeiramente nacional."

Na academia de Mestre Bimba, a rigorosa disciplina que vigorava determinava três níveis hierárquicos: "calouro", "formado" e "formado especializado". Uma das maiores honras para um discípulo era poder jogar Iúna, isto é, jogar na roda de capoeira ao som do toque denominado Iúna, executado pelo berimbau.

O jogo de Iúna tinha a função simbólica de promover a demarcação do grupo dos formados para o grupo dos calouros. A única peculiaridade técnica do jogo de Iúna em relação aos jogos realizados em outros momentos no ritual da roda de capoeira era a obrigatoriedade da aplicação de um golpe ligado no desenrolar do jogo, além do fato de destacar-se pela maior habilidade dos capoeiristas que o executavam.

O jogo de Iúna era praticado apenas ao som do berimbau, sem palmas ou outros instrumentos o que reforçava seu caráter solene. Ao final de cada jogo, todos os participantes aplaudiam os capoeiristas que saíam da roda.

A Regional é mais recente, com elementos fortes de artes-marciais em seu jogo. A Regional (Luta Regional Baiana) tornou-se rapidamente popular, levando a Capoeira ao grande público e mudando a imagem do capoeirista tido no Brasil até então como um marginal.

Seu jogo é mais rápido, mas também existem jogos mais lentos e compassados. Apesar do que muitos pensam, na capoeira regional não são utilizados saltos mortais, pois um dos fundamentos da capoeira regional, segundo Mestre Bimba é manter no mínimo uma base ao solo (um dos pés ou uma das mãos). O forte da capoeira regional são as quedas, rasteiras, cabeçadas.

Em toques rápidos como São Bento Grande de Bimba se faz um jogo mais rápido, porém sempre com manobras de ataque e defesa (importante ressaltar que todos os golpes devem ter objetivo), mas sempre respeitando o camarada vencido (parar o golpe se perceber que ele machucará o parceiro, mostrando assim sua superioridade e humildade diante do camarada). Ambos os estilos são marcados pelo uso de dissimulação e subterfúgio - a famosa mandinga - e são bastante ativos no chão, sendo frequentes as rasteiras, pontapés, chapas e cabeçadas.

Capoeira Contemporânea

Foi criada na década de 70 por rapazes do Rio de Janeiro que certa vez viram um capoeirista brigando numa festa e ficaram fascinados. Tentaram então aprender a arte na periferia carioca, único lugar onde poderiam encontrar capoeiristas, porém não foram aceitos por serem de classe média.

Decidiram, então, uma vez por ano, viajar para a Bahia e cada um começou a treinar com um mestre diferente. Na volta passavam os conhecimentos adquiridos uns para os outros e criaram um novo estilo conhecido como Contemporâneo. Os rapazes montaram um grupo com nome de Senzala e participaram de um campeonato com vários capoeiristas, vencendo-o.

Graduação

O sistema de graduação varia de grupo para grupo. Nos grupos de capoeira regional ou de capoeira angola e regional, a graduação é normalmente representada pelas cores de cordas ou cordéis amarrados na cintura do jogador.

Existem várias entidades(Ligas, Federações e Confederações) que tentam organizar a graduação na capoeira. Atualmente a Confederação Brasileira de Capoeira adota o sistema de graduação feito por cordões e seguindo as cores da bandeira brasileira. Temos então a seguinte ordem do iniciante ao mestre:

Sistema oficial de graduação da Confederação Brasileira de Capoeira

A - Graduação Infantil (até 14 anos)

1º iniciante: sem corda ou sem cordão

2º batizado infantil: cinza claro e verde

3º graduado infantil: cinza claro e amarelo

4º graduado infantil: cinza claro e azul

5º intermediário infantil: cinza claro, verde e amarelo

6º avançado infantil: cinza claro, verde e azul

7º estagiário infantil: cinza claro, amarelo e azul

8º Formado infantil:cinza claro,verde,amarelo e azul

B - Graduação Adulta (a partir de 14 anos)

9º iniciante: sem corda ou cordão

10º batizado: verde

11º graduado: amarelo

12º graduado: azul

13º intermediário: verde e amarelo

14º avançado: verde e azul

15º estagiário: amarelo e azul

C - Docente de capoeira

16º estágio - Formado: verde, amarelo e azul

17º estágio - Monitor: verde e branco

18º estágio - Professor: amarelo e branco

19º estágio - Contra-mestre: azul e branco

20º estágio - Mestre: branco

Obs: Após a 8º graduação o aluno formado infantil passa para a 10º graduação que é a primeira corda adulta, corda verde, em alguns casos (dependendo de seu desempenho) pode pegar a 11º que é a corda amarela, segunda corda adulta.

Repressão

Decretado por marechal Deodoro da Fonseca o Decreto Lei 487 dizia que: A partir de 11 de Outubro de 1890 todo capoeira pego em flagrante seria desterrado para a Ilha de Fernando de Noronha por um período de dois a seis meses de prisão. Parágrafo único: É considerada circunstância agravante pertencer o capoeira, a alguma banda ou malta, aos chefes impor-se-á a pena em dobro.

Os capoeiristas costumavam usar calças boca de sino e no período em que a capoeira ficou proibida por lei (1890-1937 a polícia, para detectar os capoeiristas, colocava um limão dentro das calças do indivíduo. Se o limão saísse pela boca das calças, a pessoa era considerada capoeirista.

Em 1824, os escravos que fossem pegos praticando capoeira recebiam trezentas chibatadas e eram enviados para a Ilha das Cobras para realizar trabalhos forçados durante três meses.

3 de agosto - Dia do capoeirista – Lei Estadual de São Paulo(1985) instituiu o Dia do Capoeirista.

Curiosidades

As primeiras mestras de Capoeira Angola surgem somente no início do século XXI, sendo representadas pelas Mestras Janja e Paulinha, discípulas de Mestre Morais, Cobra Mansa e João Grande e atualmente líderes (junto ao Mestre Poloca) do Grupo Nzinga de Capoeira Angola[2]

Mestre Pastinha começou a treinar capoeira por intermédio de um africano que o viu apanhar de um rival em sua infância.

Mesmo depois de perder a visão mestre pastinha era temido por quem estava jogando com ele.

Foi mestre Pastinha que falou a famosa frase "A capoeira é Mandinga, é manha, é malícia, é tudo o que a boca come"

Dos 50 golpes bem aplicados da capoeira que Mestre Bimba ensinou, 22 eram mortais.

Em 1930, o famoso caratê não era conhecido na Bahia.

Mestre Bimba foi o Capitão da Navegação Baiana.

Mestre Bimba teve sua primeira escola de capoeira Angola, em 1918 com apenas 18 anos, obtendo apenas em 1937 o alvará da Academia de Capoeira Regional.

Segundo Mestre Noronha, o berimbau em seu tempo, era uma arma maligna e mortal. A verga (o pau do berimbau), era usado como cassetete e a varinha servia para furar os olhos do adversário que tivesse má conduta. Na época em que a capoeira era proibida.

Segundo Luis Edmundo, nos fins do século XVIII, no Rio de Janeiro, as aventuras dos capoeiras eram de tal jeito que o governo, através da portaria de 31 de outubro de 1821, estabeleceu castigos corporais e outras medidas de repressão à prática de capoeira.

Na Bahia, de acordo com Manuel Querino, os capoeiristas se distinguiam dos demais negros porque usavam uma argolinha de ouro na orelha, como insígnia de força e valentia, e o nunca esquecido chapéu à banda.

Os capoeiristas eram contratados pelos políticos para bagunçar no dia das eleições. Enquanto as pessoas desviavam a atenção para a confusão dos capoeiras um indivíduo colocava um maço dechapas na urna ou na linguagem da época "emprenhava a urna". Vencia as eleições o candidato que dispunha de maior n.º de capoeiras.

Milhares de capoeiristas foram para a Guerra do Paraguai, pois havia sido prometida a liberdade no final do conflito àqueles que participassem da batalha.

Mestre Bimba é o mestre da capoeira regional.

Antes do arame, o "fio" do berimbau era feito de tripas de animais.

Fonte: www.edfisicauniban.com.br

Dia do Capoeirista

03 de Agosto

Capoeiristas históricos

Grandes nomes do universo da capoeiragem

Mestre Bimba
Mestre Aranha
Mestre Pastinha
Mestre Boneco
Mestre Paulão
Mestre Paulinho Sabiá
Bentinho
Aberrê
Mestre João Pequeno
Mestre João Grande
Mestre Eziquiel
Waldemar da Paixão
Mestre Caiçara
Besouro Mangangá
Manduca da Praia
Madame Satã
Mestre Traira
Mestre Artur Emidio de Oliveira
Mestre Mintirinha
Mestre Suassuna
Mestre Itapoã
Mestre Acordeon
Mestre Peixinho
Mestre Toni Vargas
Cobrinha Verde
Siri de Mangue
Mestre Camisa
Camafeu de Oxossi

Durante o século XVI, Portugal enviou escravos para a América do Sul, provenientes da África Ocidental. O Brasil foi o maior receptor da migração de escravos, com 42% de todos os escravos enviados através do Atlântico.

Os seguintes povos foram os que mais frequentemente eram vendidos no Brasil: grupo sudanês, composto principalmente pelos povos Iorubá e Daomé, o grupo guineo-sudanês dos povos Malesi e Hausa, e o grupo banto (incluindo os kongos, os Kimbundos e os Kasanjes) de Angola, Congo e Moçambique.

Os negros trouxeram consigo para o Novo Mundo as suas tradições culturais e religião. A homogeneização dos povos africanos sob a opressão da escravatura foi o catalisador da capoeira.

A capoeira foi desenvolvida pelos escravos do Brasil como forma de resistir aos seus opressores, praticar em segredo a sua arte, transmitir a sua cultura e melhorar o seu moral.

Há registros da prática da capoeira nos séculos XVIII e XIX nas cidades de Salvador, Rio de Janeiro, e Recife, porém durante anos a capoeira foi considerada subversiva, sua prática era proibida e duramente reprimida.

Devido a essa repressão, a capoeira praticamente se extinguiu no Rio de Janeiro, onde os grupos de capoeiristas eram conhecidos como maltas, e em Recife, onde segundo alguns a capoeira deu origem à dança do frevo, conhecida como o passo. Em 1932, Mestre Bimba fundou a primeira academia de capoeira do Brasil em Salvador.

Mestre Bimba acrescentou movimentos de artes marciais e desenvolveu um treinamento sistemático para a capoeira, estilo que passou a ser conhecido como Regional.

Em contraponto, Mestre Pastinha pregava a tradição da capoeira com um jogo matreiro, de disfarce e ludibriação, estilo que passou a ser conhecido como Angola. Da dedicação desses dois grandes mestres, a capoeira deixou de ser marginalizada, e se espalhou da Bahia para todos os estados brasileiros.

Música na capoeira

A música é um componente fundamental da capoeira. Ela determina o ritmo e o estilo do jogo que é jogado durante a roda de capoeira. A música é composta de instrumentos e de canções, podendo o ritmo variar de acordo com o Toque de Capoeira de bem lento (Angola) a bastante acelerado (São Bento Grande).

Muitas canções são na forma de pequenas estrofes intercaladas por um refrão, enquanto outras vêm na forma de longas narrativas (ladainhas). As canções de capoeira têm assuntos dos mais variados. Algumas canções são sobre histórias de capoeiristas famosos, outras podem falar do cotidiano de uma lavadeira.

Algumas canções são sobre o que está acontecendo na roda de capoeira, outras sobre a vida ou um amor perdido, e outras ainda são alegres e falam de coisas tolas, cantadas apenas para se divertir. Os capoeiristas mudam o estilo das canções freqüentemente de acordo com o ritmo do berimbau.

Desta maneira, é na verdade a música que comanda a capoeira, e não só no ritmo mas também no conteúdo. O toque Cavalaria era usado para avisar os integrantes da roda que a polícia estava chegando; por sua vez, a letra é constantemente usada para passar mensagens para um dos capoeiristas, na maioria das vezes de maneira velada e sutil.

Os instrumentos são tocados numa linha chamada bateria. O principal instrumento é o berimbau, que é feito de um bastão de madeira envergado por um cabo de aço em forma de arco e uma cabaça usada como caixa de reverberação.

O berimbau varia de afinação, podendo ser o Berimbau Gunga (mais grave), Médio (médio) e viola (mais agudo). Os outros instrumentos são: pandeiro, atabaque, caxixi e com menos freqüência o ganzá e o agogô.

Fonte: www.magalicapoeira.com

Dia do Capoeirista

03 de Agosto

Qual foi o melhor capoeirista do Brasil

Um dos melhores capoeiristas do brasil foi o mestre Bimba, ele foi um mestre muito renomado na capoeira, ainda é lembrado por muitos capoeiristas importantes, por seus grandes feitos, este mestre foi a pessoa que fundou a capoeira regional um dos três estilos de capoeira e ele um dos que organizou a capoeira, uma das coisas mais importantes que ele fez foi o caso das vestimentas, ele foi a pessoa que trouse a calça branca para a capoeira, a calça branca agora é lei no jogo da capoeira e outras vestimentas ele tirou como bermuda e outros acessorios como corrente, brinco e acessorios como estes.

Dia do Capoeirista
Mestre Bimba fundador e rei da capoeira Regional

Fonte: amora2009esportes.pbworks.com

Dia do Capoeirista

03 de Agosto

Regulamentação da Atividade Capoeira

Regulamentação no Projeto de Lei PL 5222/2009 Dispõe sobre a regulamentação da atividade de capoeira e dá outras providências.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º.É livre o exercício da atividade de capoeira em todo território nacional.

Art. 2º. A atividade de capoeirista aplica-se a todas as modalidades em que a capoeira se manifesta, seja como esporte, luta, dança, cultura popular e música.

Art. 3º. A capoeira, em todas as suas modalidades, é declarada bem de natureza imaterial, na forma do art. 216 da Constituição Federal, devendo o Poder Executivo tomar as providências necessárias para proceder ao seu registro e divulgação.

Art. 4º. É livre a atividade de capoeira nas modalidades de esporte, luta, dança, cultura popular e música, devendo ser incentivadas e apoiadas pelas instituições públicas e privadas.

Parágrafo único. A capoeira nas modalidades luta e esporte é considerada como atividade física e desportiva, podendo ser exercida na forma lúdica, amadora e profissional.

Art. 5º. Ficam reconhecidas como profissão as atividades de 2 capoeira nas modalidades luta e esporte.

Parágrafo único. Ficam reconhecidos como Contramestre e Mestre os profissionais com dez anos ou mais na profissão.

Art. 6º. É privativo do capoeirista profissional:

I – o desenvolvimento com crianças, jovem e adultos das atividades esportivas e culturais que compõem a prática da capoeira em estabelecimentos de ensino e em academias;

II – ministrar aulas e treinamento especializado em capoeira para atletas de diferentes esportes, instituições ou academias;

III – a instrução acerca dos princípios e regras inerentes às modalidades e estilos da capoeira;

IV – a avaliação e a supervisão dos praticantes de capoeira;

V – o acompanhamento e a supervisão de práticas desportivas de capoeira e a apresentação de profissionais;

VI – a elaboração de informes técnicos e científicos nas áreas de atividades físicas e do desporto ligados à capoeira.

Art.7º. Fica a cargo do Poder Executivo a criação dos Conselhos Federal e Regionais dos capoeiras.

Art.8º. As unidades de ensino superior que ministrem cursos de graduação em Educação Física manterão em sua grade curricular a formação em capoeira nas modalidades luta e esporte.

Art.9º. As unidades de ensino fundamental e médio integrarão em sua grade curricular a prática da capoeira nas modalidades de luta, dança, cultura popular e música.

Art.10. Fica instituído o Dia Nacional da Capoeira e do Capoeirista a ser comemorado anualmente no dia 12 de setembro.

Art.11. Compete aos órgãos públicos de educação, esporte, cultura e lazer promover atividades que explorem as origens culturais e históricas 3 da capoeira, bem como sua prática nas diversas modalidades referidas nesta lei.

Art. 12. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

JUSTIFICATIVA

A capoeira é uma expressão cultural que mistura esporte, luta, dança, cultura popular e brincadeira, desenvolvida por descendentes de escravos africanos trazidos ao Brasil, além de representar a resistência dos negros à escravidão.

Poucos se lembram, mas um dia a arte da capoeira já foi considerada criminosa e sua prática banida. Estávamos no início do período republicano e uma das providências do Presidente Marechal Deodoro da Fonseca foi editar um decreto (Decreto-Lei nº 487, de 1890), determinando que todo capoeirista pego em flagrante seria desterrado para a Ilha de Fernando de Noronha.

A criminalização durou até 1937, quando, por iniciativa do Presidente Getúlio Vargas, a capoeira foi descriminalizada e reconhecida como esporte autenticamente nacional.

Desde então a capoeira vem crescendo no Brasil e se espalhando pelo mundo. Tendo em vista a importância da capoeira como patrimônio de nossa cultura e sua disseminação como esporte, dança, cultura popular, lazer e meio de inserção social, propomos o presente Projeto de Lei como forma de regulamentar e incentivar a capoeira no Brasil.

A capoeira é inequivocamente um traço cultural indelével de nossa identidade cultural, expressando-se como arte, ofício e alternativa profissional para muitos brasileiros. A capoeira tem estrutura bem diferenciada, conseguindo, a um só tempo, manifestar-se como luta, jogo e dança, além de configurar um eficiente sistema de autodefesa genuinamente brasileiro.

O folclorista Francisco Pereira da Silva assevera que

“Nenhum fato relacionado com a cultura popular brasileira terá suscitado tanto e tão prolongado debate quanto a Capoeira. Sua procedência, a origem do nome, as implicações na ordem social determinaram discussões que até tempos recentes incitaram os espíritos.

Etimologistas, antropólogos, folcloristas, historiadores, têm participado na pugne literária com os seus pareceres, testemunhos ou palpites. Enquanto isso ia à polícia ‘contribuindo’ com o argumento velho do chanfalho e pata de cavalaria…”

A ilustre Deputada Alice Portugal, em seu Projeto de Lei nº 1.271, que “Acrescenta parágrafo único ao art. 2º da Lei nº 9.696, de 1º de setembro de 1998?, tece profundas e pertinentes ponderações sobre a capoeira, razão pela qual pedimos a devida vênia para incluir aqui parte de sua justificação dessa valiosíssima atividade cultural nacional:

“A Capoeira já foi motivo de grande controvérsia entre os estudiosos de sua história, sobretudo no que se refere ao período compreendido entre o seu surgimento – supostamente no século XVII, quando ocorreram os primeiros movimentos escravos de fuga e rebeldia – e o século XIX, quando aparecem os primeiros registros confiáveis, com descrições detalhadas sobre sua prática.

Tem ela uma história acidentada, pontilhada de episódios vexatórios e truculentos. Perseguida desde o começo, no caldeirão que misturou as várias etnias que formam o nosso povo, ganhou fama de má prática, coisa de “malandros”, “vadios”.

A perseguição durou até a década de 1930, quando, graças principalmente ao trabalho de Mestre Bimba – “Grande Mestre da Capoeira” – e seus discípulos, inaugurou-se a fase de efetiva sistematização do ensino da capoeira e de seu reconhecimento social, assim como o de todas as outras manifestações culturais de matriz africana.

O nome “CAPOEIRA” deu-se em função do seguinte: os Escravos ao fugirem para as matas tinham no seu encalço os famigerados Capitães do Mato, enviados pelos senhores.

Os escravos em fuga reagiam e os atacavam nas clareiras de mato ralo, cujo nome é capoeira, com pés, mãos e cabeças, dando-lhes surras ou até mesmo matando-os. Os que sobreviviam voltavam para os seus patrões indignados. Estes perguntavam: “Cadê os negros? e a resposta era: “Eles nos pegaram na capoeira”. Referindo-se ao local onde foram vencidos.

A Capoeira no meio das matas era praticada como luta mortal. Já nas fazendas, era praticada como brinquedo inofensivo, pois ela estava sendo feita sob os olhares dos Senhores de Engenho. Naquele momento se transformou em dança. Para disfarçarem a luta utilizavam a ginga, a base de qualquer “capoeirista”; e é dela que saem todos os golpes. Esse disfarce foi fundamental para a sobrevivência dos escravos, pois a Capoeira é, principalmente, na sua origem, uma luta de resistência.

A capoeira reúne todos estes componentes originais, o que lhe outorga uma excepcional riqueza artística, melódica e dinâmica; um enorme potencial evolutivo e finalmente, uma gama intensa de aplicações esportivas, coreográficas, terapêuticas, pedagógicas etc., que abrange desde o simples jogo às franjas das artes marciais e da defesa pessoal.”

Pelo exposto, peço aos nobres pares o apoio necessário para a aprovação da matéria. Sala das Sessões, em 19 de fevereiro de 2008. Deputado Calos Zarattini.

Fonte: cev.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal