Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia Mundial do Canhoto  Voltar

Dia Mundial do Canhoto

 

13 de Agosto

Para uma parte das pessoas, escolher qual mão estender para cumprimentar alguém não é automático. Ao contrário dos destros, que são 90% da população mundial, os canhotos - os 10% restantes - diariamente se adaptam a um mundo (e a tesouras e abridores de latas) que não foi feito exatamente para eles e precisam oferecer a mão direita ao invés da esquerda, pois essa é a convenção social.

Para lembrar dessas pequenas dificuldades diárias, a Left-Handers Internacional (uma associação de canhotos em Topeka, nos Estados Unidos, hoje já extinta) instituiu, na década de 70, o dia Internacional dos Canhotos em 13 de agosto.

O porquê da escolha do dia não se sabe ao certo. Mas a data é por si só sinistra (outra palavra usada para designar um canhoto e que significa funesto e pernicioso, segundo o dicionário), já que 13 sempre foi considerado número de azar e agosto é o mês oficial do mau-agouro.

Isso sinaliza um pouco dos problemas que canhotos tiveram no passado e ainda têm em algumas culturas.

A causa do canhotismo ainda é desconhecida, mas há várias teorias a esse respeito. Algumas, inclusive, sendo estudadas por pesquisadores dentro das universidades brasileiras.

De forma geral, no canhoto, as funções motoras são comandadas pelo lado direito do cérebro. E só isso é consenso entre pesquisadores.

A partir daí há teorias que dizem que o cérebro direito comanda a criatividade, emoções e intuição e que, portanto, as pessoas canhotas seriam mais sensíveis e ligadas a manifestações artísticas. Nada comprovado, diga-se de passagem.

Fonte: Universia Brasil

Dia Mundial do Canhoto

13 de Agosto

Mundo 'direito' rejeita os canhotos

Toda vez que você usar um abridor de lata, abrir uma maçaneta, fazer a mudança de marcha no seu carro ou cortar papel usando uma tesoura, pare por um minuto e pense nos canhotos.Pois, pelo menos levando em conta a forma como as coisas são projetadas, parece que pouca gente pensa neles.

Segundo estatísticas mundiais, cerca de 90% da humanidade é formada por pessoas que escrevem e usam para atividades diárias a mão direita. Estas são chamadas de destras.

Os outros 10% se dividem entre pessoas que utilizam as duas mãos para realizar tarefas cotidianas e os canhotos, aqueles que só conseguem escrever e fazer trabalhos manuais usando a mão esquerda.

E eles sofrem em um "mundo direito", onde praticamente tudo é voltado para os destros.

Você já parou para pensar que há certo preconceito contra os canhotos na maioria das regras de etiqueta e superstições?

Afinal, quando crianças aprendemos a fazer o Sinal-da-Cruz com a mão direita, e não o contrário – embora nos seus sermões, quando estava na Paróquia barbosense, o padre Mariano Callegari incentivasse as pessoas a fazer o ritual também com a mão esquerda.

O hábito de cumprimentar uma pessoa também é feito, por instinto, com a mão direita.

Quando a pessoa está passando por um dia péssimo, ela não diz que acordou com o pé esquerdo?

E a lista de superstições não pára por aí, tanto que uma parte da página, abaixo, teve que ser reservada só para elas. Curioso como a maioria das religiões relaciona a mão esquerda, ou o lado esquerdo, com o demônio e o Mal.

Até mesmo na política os canhotos estão "separados"; afinal, existem os políticos "de direita", que são os conservadores, e os "esquerdistas", tradicionalmente a oposição parlamentar, ou os que defendem a reforma socialista.

No Brasil as pessoas que usam a mão esquerda são chamadas de canhotas, palavra que, segundo o Dicionário Aurélio, também quer dizer "inábil, desajeitado e desastrado"; em francês o canhoto é chamado "gauche", que também significa desajeitado; já em italiano, a palavra "maldestro" quer dizer desengonçado e maldito.

Claro que esta tradição cercada de preconceitos e misticismo pouco influi no dia-a-dia de uma pessoa canhota, mas mesmo assim as dificuldades que ela encontra no mundo projetado por destros são várias.

Estas dificuldades começam na infância, quando alguns pais ainda obrigam as crianças a escrever com a mão direita, atitude que pode acarretar em sérios problemas de aprendizagem – de escrita mais lenta até problemas para ler e se expressar.

Nas escolas onde as cadeiras têm braços para apoiar os cadernos, estes estão sempre do lado direito. Também é difícil encontrar no mercado produtos voltados especificamente para canhotos, como tesouras. Usando uma tesoura normal, os canhotos não conseguem enxergar a chamada "linha de corte" (você já tentou cortar as unhas da mão direita usando a esquerda?).

Na vida adulta, podem acontecer até acidentes de trabalho em função da necessidade de adaptação a máquinas e instrumentos originalmente projetados para destros.

Na rotina diária, as dificuldades são várias, mas uma das principais é aprender a mudar a marcha no carro usando a mão direita ao invés da esquerda.

Telefones públicos sempre têm o depósito de fichas ou o local para inserir o cartão no lado direito. Em bancos e repartições públicas, normalmente as canetas presas por cordões ficam do lado direito, dificultando o ato de assinar para o canhoto. Sem falar que os números e as setas direcionais do teclado do computador estão todas no lado direito. Até maçanetas são projetadas para destros.

Instrumentos musicais de corda, como violões e guitarras, também são projetados para os destros. Os canhotos precisam aprender tudo invertido, mas nesse ponto se destacam – Edgard Scandurra, do Ira!, é um dos melhores guitarristas brasileiros, e é canhoto; assim como o ex-Beatle Paul McCartney.

Enquanto o mundo direito continua se esquecendo dos canhotos, a vida para quem usa a mão esquerda continua ficando mais complicada em seus pequenos detalhes.

Atualmente estão surgindo associações, como a Abracan, no Brasil, e a Left-Handers International, que é mundial. Na Internet existem sites voltados ao canhotismo, como o "Ao Avesso"

SUPERTIÇÕES

Em alguns locais na Europa, na América e parte da África, e entre grupos de ciganos, quando a palma da mão direita coçar é sinal que a pessoa irá receber algum dinheiro; se for a palma da mão esquerda que coçar, então a pessoa perderá dinheiro.

Na Escócia os supersticiosos acreditam que quem entra em casa pisando primeiro com o pé esquerdo acaba trazendo demônios ou má sorte para dentro do lar.

Na tradição judaica, o Príncipe dos Demônios, que era chefe de Satanás, se chamava Samuel, ou Se’mol, uma palavra hebraica que significa "o lado esquerdo". A partir desta lenda, os esquimós têm a crença de que todos os canhotos são poderosos feiticeiros; em Marrocos, canhotos são considerados pessoas malvadas e demônios!

Usar a mão esquerda, no Irã, é considerado uma atitude desonrosa. Assim, quando um ladrão era capturado, tinha a mão direita decepada como punição.

Quando uma pessoa está infeliz, dizem que ela acordou "com o pé esquerdo".

No passado, os judaicos tinham que manter-se longe da lista dos "Cem Defeitos Físicos" citados por Mai-monides. Entre eles, cegos, mancos, anões e, claro, canhotos.

No Antigo Egito, o deus Set (que pode ser relacionado ao Satanás do Cristianismo) era também chamado de "O Olho Esquerdo do Sol", e era demoníaco e destrutivo, enquanto Horus, o Deus da Vida, era "O Olho Direito do Sol".

No Budismo, Buda descreve que o caminho para o Nirvana (purificação e salvação) se divide em duas partes: um é o caminho da mão esquerda, que representa o jeito errado de se viver, e outro é o caminho da mão direita, digno para a purificação da alma.

Nos países islâmicos e na Índia, a mão esquerda é considerada "suja" e as pessoas são proibidas de comer com a canhota.

Ciência não sabe porque as pessoas nascem canhotas

Apesar de muitas pesquisas desde o século 19, a ciência ainda não sabe explicar porque algumas pessoas nascem canhotas e a maioria nasce predisposta a usar a mão direita.

Por muito tempo, os canhotos chegaram a ser considerados pessoas diferentes e geniais. Tudo porque alguns dos maiores expoentes da arte, da cultura e da ciência eram canhotos, ou "sinistros", como também são chamados.

Esta hipótese tem pouco a ver com a verdade, porque se gênios como Leonardo DaVinci, Albert Einstein e Isaac Newton eram canhotos, por outro lado também o eram Jack, o Estripador (o famoso assassino de prostitutas que aterrorizou Londres no final do século 19), o pistoleiro Billy the Kid e a heroína francesa (meio santa, meio louca) Joana D’Arc.

Também durante anos acreditava-se que era possível saber se a criança seria destra ou canhota ainda quando recém-nascida: bastava observar a forma como o bebê dormia, e se ele voltasse o rosto sempre para o lado esquerdo seria canhoto. Esta teoria também não vingou.

Na verdade, o que determina se a pessoa será destra ou canhota é o cérebro.

Este é dividido em dois hemisférios, sendo que cada um controla a parte oposta do corpo. Assim, os movimentos que a pessoa faz com a mão esquerda, pé esquerdo e olho esquerdo são inteiramente controlados pelo lado direito do cérebro, e vice-versa.

Um "lado" do cérebro não influi na atividade do outro. Nos primeiro anos, a criança manifesta preferência por um dos lados. Há outra teoria de que o ambiente onde a criança vive influenciaria na sua decisão, mas podem nascer destros em família de canhotos, assim como o contrário.

"A preferência para usar uma mão mais do que a outra é chamada dominância lateral", explicou a psicóloga barbosense Sandra Maria Camini Fachini. "A determinação da dominância de uma pessoa pode ser difícil, uma vez que nem todos preferem uma mão para fazer todas as tarefas. Por exemplo, poderá pegar o lápis com a sua mão esquerda, mesmo que use sua mão direita para escrever".

Os cientistas concordam, embora ainda não existam provas confiáveis, que a causa do canhotismo pode ser genética, e, portanto, hereditária. O fato de que muitos membros da família real da Inglaterra são canhotos (o rei George II, o rei George VI, a rainha Victoria, a rainha Elizabeth e o príncipe Charles) é citado como exemplo do envolvimento genético no canhotismo.

Hereditário ou não, até os seis anos a criança aprende a utilizar um dos lados do cérebro como dominante, aprendendo a realizar atividades com uma das mãos melhor do que com a outra. Mas isso não quer dizer que a outra mão seja desajeitada.

A melhor forma de explicar este "lado dominante", que persiste até o fim da vida, é o uso dos olhos. Quando é preciso olhar pelo buraco de uma fechadura, ou no microscópio, a pessoa normalmente opta por um dos olhos, ou o esquerdo ou o direito. Isso não significa que o outro olho "enxergue menos". É apenas mais uma manifestação do lado dominante do cérebro.

Na opinião de Sandra, "nenhuma cultura encorajou o canhotismo. Muitas culturas têm considerado o destro como ‘melhor’ que o canhoto, levando a condutas como forçar as crianças a usar a mão direita, chegando a extremos de amarrar a mão esquerda. A incompreensão dos pais ou adultos que trabalham com crianças sobre estas questões podem levar a condutas incorretas, como a de forçar a criança a usar a mão oposta à da sua dominância, podendo surgir problemas desde distúrbios de aprendizagem até insegurança e dificuldades na auto-estima da criança". Ela recomenda que seja oferecido um ambiente livre de tensões e limitações para as crianças, encarando com naturalidade se ela preferir a mão esquerda à direita.

CANHOTOS FAMOSOS

Alexandre, o Grande

Supõe-se que um dos maiores generais da História, que foi rei da Macedônia em 356 antes de Cristo e estendeu seu império até a Índia, usava com maior habilidade a mão esquerda

Albert Einstein

Físico alemão que elaborou a Teoria da Relatividade

Ayrton Senna

Tricampeão mundial brasileiro de Fórmula 1

Bill Gates

dono da maior empresa de informática do planeta, a Microsoft, e um dos homens mais ricos do mundo

Fidel Castro

Líder revolucionário e estadista cubano, atual presidente de Cuba
Ayrton Senna

Kurt Cobain

Ídolo de toda uma geração, comandou a banda americana Nirvana nos anos 90

Leonardo DaVinci

O gênio italiano usava com desenvoltura tanto a mão esquerda quando a direita, mas ficou famoso por escrever "ao contrário", da direita para a esquerda, para que seus escritos só pudessem ser lidos refletidos no espelho

Ludwig Van Beethoven

Compositor de obras famosas como a Nona Sinfonia

Machado de Assis

Escritor brasileiro de obras como Dom Casmurro, fundador e primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras

Mahatma Gandhi

Líder nacionalista indiano

Napoleão Bonaparte

Imperador francês

Paul McCartney

baixista dos Beatles

Pelé

O Atleta do Século chutava com a direita, mas escreve com a esquerda.

Fonte: www.jornalcontexto.com.br

Dia Mundial do Canhoto

13 de Agosto

Filho canhoto

Ser canhoto é uma característica da criança que não se pode, nem se deve corrigir. Os estudos indicam que entre 12 e 15% da população mundial infantil é canhota. Também revelam que o fenômeno de ser canhoto, é mais comum nos meninos (cerca de 11%) que nas meninas (em torno de 9%), sem que esteja determinado o porquê.

Uma pessoa canhota é a que tem preferência em usar a mão esquerda para a maior variedade de ações, como pegar, alcançar, jogar, brincar, assinar, escrever e manipular.

Também inclui uma predileção por preferir o pé esquerdo para dar o primeiro passo para caminhar, montar um triciclo, chutar uma bola, pular corda, etc. Em geral, ser canhoto significa ter em algum grau um domínio do lado direito do cérebro.

Há tempos atrás, uma criança canhota não era vista com normalidade. Pensava-se que ser canhoto era um problema de saúde. Hoje em dia, já se sabe que ser canhoto não é uma enfermidade. É apenas uma característica da criança que não se pode nem se deve corrigir.

Quando se detecta que uma criança é canhota

Normalmente é na escola que se detecta que uma criança é canhota, porque é quando começa a utilizar as mãos com mais frequência. Até os 3 ou 4 anos, as crianças utilizam as mãos com mais frequência. Até os 3 ou 4 anos, as crianças utilizam as duas mãos indistintamente.

Para comprovar se uma criança é canhota ou destra, deve-se observar que mão, pé ou olho ela utiliza quando:

Chuta uma bola. 
Escova os dentes. 
Se penteia.
Bebe um copo d’água. 
Pula corda. 
Tampa ou destampa um frasco. 
Olha por um caleidoscópio. 
Escreve.
Tira uma fotografia.

O olho, a mão ou o pé escolhido naturalmente para realizar as ações, supõe ser o dominante.

A criança que nasce destra ou canhota

Uma criança é canhota não porque ela decidiu assim. Os especialistas confirmam que uma pessoa é destra ou canhota, desde o momento que nasce. Muitos pais se perguntam se existem técnicas que possam alterar o domínio da mão esquerda do seu filho para a direita, como se isso fosse uma decisão do menino ou da menina.

O domínio da mão, seja direita ou esquerda, quem determina é o cérebro. O lado direito controla a mão esquerda e o esquerdo a mão direita. Por essa razão, a uma criança canhota, não se pode obrigar a escrever com a mão direita. Não existe treinamento algum que a faça mudar. Por mais esforços que tente, a criança continuará tendo que usar sua mão esquerda para a realização de ações, já que isto é parte da sua natureza e não de um hábito ou um costume que ela tenha adquirido.

Se obrigarmos uma criança a utilizar a mão mais débil e menos hábil na realização das tarefas, os resultados podem ser frustrantes para ela. Ela se sentirá esgotada sem razão e a tornará mais tímida. Mudar as preferências laterais das crianças implica em desvantagens como dificuldades para distinguir a direita da esquerda, transtornos na escrita, dislexia e inclusive gagueira. A principal preocupação que deve existir com a criança canhota, é a adaptação dela a um mundo feito na sua maioria para destros.

O que leva uma criança a ser canhota

Alguns estudos afirmam que a genética é uma das causas de ser canhoto. Uma criança que tem um pai canhoto, tem aproximadamente 10% de probabilidade de sê-lo também. No caso que seja a mãe canhota, esta probabilidade aumenta 20%. E se tanto o pai como a mãe são canhotos, a criança tem a probabilidade de 50% em nascer canhota. No entanto, existem outros fatores que também explicam o porque do filho nascer canhoto. Existem pesquisas que relacionam um alto nível de testosterona (hormônio masculino) presente no útero da mãe antes do nascimento do bebê.

Outras pesquisas revelam que lesões em um hemisfério cerebral do bebê, durante a gravidez ou nos dois primeiros meses de vida, podem induzir que um deles se desenvolva mais. Se é o hemisfério esquerdo o lesionado, provavelmente se desenvolva uma criança canhota.

Fonte: br.guiainfantil.com

Dia Mundial do Canhoto

13 de Agosto

Como os canhotos bem sabem, o mundo ainda é dos destros. Tesouras, abridores de lata, saca-rolhas, acessórios de computador, e até colheres tortas para bebês são feitas para a mão direita. Mas por que mais de 90% das pessoas preferem usar a mão direita? Na verdade, por que existe qualquer preferência pelo uso de uma das mãos, seja qual for?

Não é preciso especular muito para achar uma vantagem para o uso preferencial de uma das mãos. Se não houvesse preferência, os dois lados do corpo, igualmente capazes, poderiam entrar em disputa na hora de começar a andar, alcançar a chave do carro, jogar a bola, ou pegar o lápis e escrever. Já imaginou ter que perder tempo decidindo com que pé chutar a bola de futebol que cai do céu redondinha, sozinha entre você e o gol? A preferência "automática" por um dos lados do corpo resolve esse problema, e assim você pode se concentrar em coisas mais importantes, como driblar a defesa se aproximando.

Além de resolver o problema da escolha, a preferência por um dos lados do corpo é econômica: todos os esforços do treinamento podem se concentrar em uma só mão, braço, ou pé. O problema é que os efeitos benéficos da prática são específicos para o lado treinado, e por isso não seria muito econômico precisar treinar as duas mãos para fazer a mesma tarefa. Já pensou quanto tempo a gente passaria na escola se todo mundo precisasse aprender a escrever bem com as duas mãos? Ou aprendesse a tocar violão dos dois lados? Ou treinasse o saque ora com um braço, ora com o outro?

Tudo isso justifica a lateralização, e não só no homem. De fato, outros animais que usam as mãos para comer ou manipular objetos, como aves, mamíferos, e até mesmo sapos, também têm preferência por uma das patas. A diferença é que a distribuição de preferências é mais democrática neles do que no homem. No camundongo, por exemplo, 50% dos animais preferem usar a pata esquera, e 50% preferem a direita. A questão realmente cabeluda é por que nos homens a preferência é 90% das vezes a favor do lado direito do corpo, controlado pelo lado esquerdo do cérebro.

O que tem de tão especial no lado esquerdo do cérebro? Pra começo de conversa, tem a primeira função cuja localização no córtex cerebral foi descoberta: a linguagem. Em 96% das pessoas, é o lado esquerdo do cérebro que abriga a capacidade de produzir a fala. Será que o uso da mão direita pode ser apenas uma conseqüência da fala ser dominada pelo cérebro esquerdo?

Sim e não. Sim porque, como seria de se esperar, a incidência de controle da fala pelo outro lado do cérebro é maior nos canhotos: 27% deles falam com o lado direito do cérebro, contra 15% dos ambidestros, e apenas 4% dos destros. Mas isso não pode ser tudo - senão, setenta por cento dos canhotos não deveriam ser canhotos...

Qual é então a base para a preferência para a mão direita? Ainda não se sabe ao certo (oooooohh...), mas é certo que a explicação deve levar em consideraçnao uma série de fatores diferentes:

1- a genética, já que é sabido que há famílias com alta incidência de preferência pela mão esquerda, muito acima dos 8-10% da população em geral. A chance de ter uma criança canhota é de 10% quando pai e mãe são destros, 20% quando ou o pai ou a mãe é canhoto (especialmente se for a mãe), e 26% quando ambos são canhotos. Exemplos famosos na história são a família real inglesa e o clã escocês dos Kerr - quem, inclusive, construiam em seus castelos escadas espirais ao contrário, no sentido anti-horário, que davam vantagem aos espadachins canhotos da família.

2- hormônios, como a testosterona, que influenciam tanto a lateralização funcional do cérebro quanto a diferença entre os sexos, já que há mais canhotos (12.6% dos homens) do que canhotas (9.9% das mulheres) no mundo. Dita assim a diferença pode não parecer muita, mas fazendo as contas, há quase 30% mais homens canhotos do que mulheres canhotas! Uma das teorias mais aceitas reza que um aumento do efeito da testosterona no cérebro durante a gestação atrasaria o desenvolvimento do lado esquerdo do cérebro, dando vantagem ao lado direito.

3- a influência sócio-cultural como a repressão do uso da mão esquerda ou mesmo a conversão forçada;

4- fatores mecânicos, como a posição do feto no útero, que influenciam o desenvolvimento da lateralização funcional no cérebro antes mesmo do nascimento, já que ao nascer o cérebro já tem assimetrias, e já existem diferenças no movimento das duas mãos;

5- patologias ou problemas no parto que perturbam o desenvolvimento normal da lateralização funcional do cérebro. Complicações no parto são mais comuns entre canhotos (nos filhos, não nas mães!), e são associadas a vários problemas também tradicionalmente relacionados à preferência pela mão esquerda: autismo, epilepsia, paralisia cerebral, síndrome de Down, nascimento prematuro, estrabismo, e até esquizofrenia. ATENÇÃO: isto não quer dizer que canhotos tendem a ter esses problemas, e sim que pessoas que têm esses problemas são canhotas mais frequentemente do que as outras; e

6- o simples uso das mãos e do cérebro, estimulando e direcionando a lateralização funcional, já que o grau de preferência por uma das mãos aumenta com a idade.

Já deu pra sentir que deve haver várias maneiras de se tornar destro ou canhoto, não é? Para piorar a vida dos pesquisadores, provavelmente vários desses fatores interagem entre si, uns compensando ou exacerbando o efeito dos outros... Por isso, na opinião de alguns cientistas, não há uma única forma de ser canhoto, mas ao menos quatro: o uso preferencial da mão esquerda pode ser hereditário, inato sem ser herdado (ou seja, congênito), aprendido, ou resultar de danos ao cérebro.

Independente do que causa a preferência manual, alguma diferença deve haver entre o cérebro de destros e canhotos. De fato, há diferenças anatômicas e funcionais. Nos homens destros, o sulco central - aquela fenda que atravessa o alto do cérebro de uma orelha à outra - é mais profundo no lado esquerdo do que no lado direito do cérebro; nos homens canhotos, essa assimetria é menor, ou é invertida. Mas não há nenhuma diferença entre o sulco central de mulheres destras ou canhotas... Uma outra estrutura, chamada plano temporal - aquela que dizem que era maior no cérebro do Einstein -, é assimétrica nos destros (maior do lado esquerdo), e simétrica nos canhotos. Mas descobrir o que isso quer dizer são outros quinhentos...

As diferenças funcionais conhecidas estão na representação das sensações e dos movimentos das mãos, como era de se esperar. No córtex motor, a região do cérebro que dá a ordem de se movimentar, há mais células para cuidar dos movimentos da mão direita nos destros, e da mão esquerda nos canhotos - o que provavelmente garante movimentos mais precisos na mão preferida de cada um. No córtex somatossensorial dos destros, a região que recebe os sinais da mão direita é maior do que a esquerda. Mas apenas na metade dos canhotos a representação da mão esquerda é maior do que a da direita - o que por um lado é curioso, mas por outro ajuda a explicar por que os canhotos usam melhor a mão direita do que os destros usam a esquerda...

O problema é que todas essas diferenças podem perfeitamente ser o RESULTADO de ser destro ou canhoto, e não a causa! Já se sabe, há alguns anos, que o so modifica a representação das sensações e dos movimentos no cérebro - e provavelmente é por isso que a sensibilidade e as habilidades melhoram com a prática. Nos violinistas profissionais, por exemplo, a representação no cérebro dos dedos da mão esquerda, extremamente exercitados no dedilhado, é muito maior do que a dos dedos da mão direita, que apenas seguram o arco. E ninguém acredita seriamente que esses violinistas já nasceram assim. Principalmente porque quanto mais anos de prática eles têm, maior é a representação da mão esquerda...

Enquanto isso, o mundo vai continuando na mão dos destros. A não ser, é claro, na opinião dos últimos três presidentes dos EUA, homens de extrema influência sobre o destino dos homems. Ronald Reagan, George Bush, e Bill Clinton são canhotos...

Fonte: www.portaldascuriosidades.com

Dia Mundial do Canhoto

13 de Agosto

Seu filho é destro, canhoto ou ambidestro?

De acordo com algumas pesquisas, a habilidade da criança em escrever com a mão direita, esquerda ou com ambas pode revelar um pouco do seu comportamento escolar.

Seu filho é destro, canhoto ou ambidestro? Além da habilidade em escrever com a mão direita, esquerda ou com ambas, essa característica pode influenciar no desenvolvimento escolar das crianças. Uma pesquisa realizada por uma empresa alemã de materiais de escrita, com 2.000 crianças entre 7 e 11 anos, mostrou que os canhotos são mais propensos a gostar da escola e ter um relacionamento mais próximo com os professores, além de se destacarem em aulas de arte e música.

Porém, quando se trata de lição de casa e de escrever, são os destros que se saem melhor. Dados do estudo mostram que mais de 30% deles entregam as tarefas no tempo certo e bem-feitas e 57% deles dizem que adoram escrever.

Já os ambidestros têm a vantagem de ter uma capacidade de adaptação muito grande, uma vez que dispõem de ambas as mãos ou pés nas atividades cotidianas. Entretanto, dados de uma outra pesquisa realizada com cerca de 8 mil pessoas na Finlândia sugerem que crianças com essa habilidade podem ter dificuldades escolares e no aprendizado, como déficit de atenção e hiperatividade, principalmente entre os 7 e 8 anos.

Para Antônio Carlos de Farias, neuropediatra do Hospital Pequeno Príncipe, uma possível explicação para essa dificuldade no aprendizado está no desenvolvimento dos dois lados do cérebro da criança. Enquanto o lado esquerdo responde melhor aos estímulos da fala e da escrita, o direito atende à linguagem não verbal, como as expressões faciais e os movimentos do corpo. Como nos ambidestros esse desenvolvimento se dá simultaneamente, eles poderiam apresentar alguma dificuldade de aprendizado. No entanto, segundo o especialista, a ambidestria tende a diminuir com o processo de amadurecimento do cérebro.

Quem pode ser canhoto?

Pesquisa feita no início dos anos 90 revelou que filhos de pais destros têm 9,5% de chance de ser canhotos. Mas, quando o pai ou a mãe é canhoto, a possibilidade sobe para 19,5%. Outro dado concreto é que a dominância é mais forte nas mãos, porque elas exigem atividades mais sofisticadas, ou finas, como a escrita. Essa "facilidade" com o lado esquerdo aparece logo no primeiro ano de vida. Segundo Raquel Caruso, psicomotricista, psicopedagoga e fonoaudióloga, a criança escolhe uma mão para conhecer o mundo. "Ela apalpa os objetos, tenta pegar alguma coisa, faz os primeiros rabiscos no papel", diz. Mas a confirmação real virá em torno dos 6 anos, quando a criança começa a ser alfabetizada.

Cinco formas de facilitar a vida do canhoto

1 - Se você notou que seu filho pequeno tem tendência a ser canhoto, avise a escola para que os educadores o ajudem nessa descoberta.

2 - Caso a criança esteja sendo alfabetizada, converse com a escola para que seja providenciada uma carteira adequada.

3 - Não "corrija" a criança mudando os objetos da mão esquerda para a direita. Senão ela pode ter dificuldade de aprendizado.

4 - Mesmo com poucas ofertas, compre o que for desenvolvido para ele. Alguns cuidados melhoram o desempenho escolar dessa garotada.

5 - Para manter bem a autoestima do filho, invente histórias de reis, rainhas, heróis e heroínas canhotos.

Fonte: revistacrescer.globo.com

Dia Mundial do Canhoto

13 de Agosto

Ser canhoto significa em várias línguas alguém que trabalha melhor com a mão esquerda, mas também que é desajeitado, tolo ou pateta.

Estudos científicos indicam o contrário

Afinal, pensam mais rápido quando conduzem, praticam desporto ou jogam no computador.

O mundo está pensado para os destros e, por isso, a 13 de Agosto de 1992, o clube britânico Left-Handers lançou o Dia Internacional dos Canhotos, numa forma de protesto contra a discriminação que sofrem os esquerdinos no mundo dos que usam essencialmente a mão direita.

Apesar da mudança de mentalidades que fez desaparecer os castigos escolares para obrigar as crianças a usarem a mão direita e perante as indicações científicas de que, na prática, os canhotos até pensam mais rápido quando fazem algumas atividades, a verdade é que no léxico ainda perdura o sentido pejorativo da palavra.

Ser canhoto, no dicionário de português, é alguém que trabalha melhor com a mão esquerda mas também que é desajeitado.

Também nas línguas francesa, espanhola, italiana e inglesa a palavra canhoto tem o mesmo significado pejorativo: tolo, pateta, trapalhão, sinistro, desajeitado.

Destro, ao contrário, é aquele que é dotado de destreza, hábil, ágil, astuto.

A excepção à regra é o grego, o único a favor da esquerda:

O termo que designa a mão esquerda tem o sentido de melhor e a mesma origem da palavra aristocracia.

Expressões populares valorizam de forma diferente os dois hemisférios do corpo

Após uma sequência de reveses, diz-se que o desafortunado acordou com o pé esquerdo e, na passagem de ano, desejamos ao próximo que entre com o pé direito.

Nada que incomode os canhotos do tempo atual.

Ser canhoto é simplesmente ser alguém que usa predominantemente a mão esquerda nas suas atividades e as dificuldades inicialmente encontradas são em grande parte ultrapassadas com o uso de utensílios adaptados ou através de estratagemas.

Fonte: www3.uma.pt

Dia Mundial do Canhoto

13 de Agosto

A 13 de Agosto (dia do azar, mês do mau agouro), celebra-se anualmente o Dia Mundial do Canhoto. Uma data “sinistra” (termo italiano que designa algo funesto e pernicioso), que rende homenagem aos 10 por cento da população que parecem viver do lado errado do espelho…

Se nos colocarmos diante de um espelho e ali realizarmos uma das nossas tarefas quotidianas – pintar os olhos, lavar os dentes, limpar o rosto ou pentear o cabelo –, a imagem que veremos refletida será sempre a de alguém que nos imita em todos os gestos, mas usando a mão contrária.

Se somos dextros (e essa será a realidade em cerca de 90 por cento dos casos), então o que temos diante de nós, encerrado na superfície envidraçada do espelho, será a imagem do que para nós se parecerá com um canhoto. Como que presos desse lado do espelho, num mundo onde tudo parece funcionar ao contrário, vivem os esquerdinos, que hoje ascendem a mais de 10 por cento da população do planeta.

No Dia Mundial do Canhoto, O PRIMEIRO DE JANEIRO dá a conhecer uma realidade diferente, de um grupo de pessoas que não têm representação em qualquer associação, mas que, de acordo com o que a nossa reportagem conseguiu apurar, enfrentam quotidianas dificuldades em termos de adaptação ao mundo à sua volta.

Porque diariamente há milhões de pessoas que não cedem ao impulso de estender a mão para um cumprimento sem pensarem se essa será a mão correta, e porque diariamente essas pessoas têm de se adaptar a uma realidade que não os teve em conta, a Left-Handers Internacional (associação norte-americana entretanto extinta, mas que nos anos 70 fervilhava de atividade) instituiu o Dia Mundial do Canhoto na data de hoje, que curiosamente congrega o número 13, normalmente conotado com o azar, com aquele que se convencionou ser o mês do mau agouro.

A palavra escolhida em várias línguas para definir os esquerdinos tem também quase sempre um significado pejorativo, funcionando porventura como causa ou consequência de um certo preconceito que sempre existiu contra os canhotos, que levaram muitos adultos a tentar mudar esse comportamento nas suas crianças.

Curiosidades

A circunstância de ser esquerdino está associada a comportamentos curiosos: quando desenham, por exemplo, os canhotos tendem a posicionar os objetos voltados para o lado direito. Há uma propensão elevada para a existência de um canhoto em cada par de gémeos, e a gaguês e a dislexia são também mais frequentes naquelas pessoas, nomeadamente quando na infância foram forçados a trocar o lado mais forte. Atingem a puberdade quatro a cinco meses mais tarde do que os dextros, mas nem tudo é mau: têm maior capacidade de adaptação à visão subaquática e são particularmente dotados para desportos como ténis, basebol e natação.

Lateralidade Brincar e descobrir

O conceito de “lateralidade” define, em termos técnicos, a predominância cerebral de um lado do corpo sobre o outro, tendo em conta o uso que se faz das mãos, dos pés e dos olhos.

O lado dominante define-se por volta dos quatro ou cinco anos de idade, tendo em conta a utilização preferencial do lado direito (em cerca de 90 por cento dos casos) ou do esquerdo (10 por cento), havendo ainda casos em que as crianças demonstram singular aptidão com os dois lados do corpo, ou que usam de forma preferencial a mão esquerda, mas o pé direito, por exemplo, fenómeno que se define como “lateralidade cruzada”.

A aferição da predominância lateral em cada criança pode ser feita através da observação do modo como brinca e realiza tarefas determinadas, e estimulada através de jogos específicos.

Pintar a cara…

Muito ao gosto da generalidade das meninas, a pintura do rosto é uma brincadeira que também agrada aos rapazes (se for para se parecerem com os índios), e serve de forma exemplar o objetivo de aferição da lateralidade. Em permanente diálogo com os mais novos, os adultos poderão pedir-lhes que pintem o lado direito da cara ou a sobrancelha esquerda, e ensiná-los de forma simples a diferença entre os dois conceitos.

Quase sem perceber que está a fazê-lo, a criança aprenderá a distinguir a direita da esquerda, e assim desenvolverá a sua lateralidade. No entanto, avisam os especialistas, em nenhum caso a criança deve ser contrariada no seu impulso de usar uma ou outra mão, já que, ao obrigar a inverter uma programação definida a nível cerebral, os pais estarão a condicionar o desenvolvimento natural dos filhos.

Fonte: universocanhoto.wordpress.com

Dia Mundial do Canhoto

13 de Agosto

CANHOTO ENFRENTA O "SER GAUCHE NA VIDA"

O que há em comum entre uma tesoura, uma régua e um abridor de latas? Se hesitou na resposta, é provável que você seja um destro e, como tal, não perceba que o mundo não é feito para os canhotos. Os três objetos representam a hegemonia daqueles que têm mais habilidade com a mão direita.

Ao tentar manuseá-los, o canhoto apenas reforça a imagem de desastrado, a mais comum das associações negativas que costuma provocar.

Ser canhoto é ter de se adaptar a uma realidade espelhada, que se apresenta ao avesso, impondo um mundo invertido, ao contrário daquele que seu cérebro considera natural. Não que essa adaptação seja sempre difícil. Até entre os canhotos, a maioria, resignada, talvez não se dê conta do esforço.

Seria exagero afirmar que o canhoto é estigmatizado como no tempo de nossos avós. Mas os resquícios de uma época em que essa minoria não tinha vez ainda estão presentes, para muito além daqueles três prosaicos utensílios. Sim, há uma discriminação contra o canhoto, ainda que involuntária —e foi para chamar a atenção contra essa atitude que se comemorou, em 13 de agosto, o Dia Internacional do Canhoto.

A expressão "internacional" mais indica um desejo do que descreve um fato. No Brasil, por exemplo, só o mais militante dos canhotos terá se lembrado da data.

O Dia Internacional dos Canhotos (comemorado com feiras de produtos para esse nicho de mercado e por competições esportivas em que os destros ficaram de fora) é mais uma invenção dos britânicos em prol da "categoria". A mais conhecida delas foi estabelecer que os carros circulam do lado esquerdo da rua. Essa iniciativa, como se sabe, não pegou na maior parte do mundo. Nem teve como objetivo facilitar a vida dos canhotos.

Acredita-se que o hábito tenha tido origem no período medieval: cavaleiros seguravam o escudo com a mão esquerda, para proteger o coração, e a lança com a direita, fazendo com que eles trafegassem do lado esquerdo das estradas, em caso de ataques. De qualquer maneira, é nesse Reino Unido campeão dos direitos das minorias que prospera um incipiente movimento dos canhotos. É provável, portanto, que não por acaso o país tenha sido o berço de um trabalho que mapeia os preconceitos contra canhotos.

Trata-se do livro de Chris McManus, professor de psicologia da University College de Londres. Lançado em março, o estudo resulta de 30 anos de pesquisas sobre o uso da mão esquerda no decorrer da história em diferentes culturas. "Mão Direita, Mão Esquerda", a ser lançado em setembro nos EUA, recebeu resenhas positivas da mídia especializada, como a revista científica "Nature", uma das mais prestigiadas do mundo, e leiga, tendo sido elogiado pelos jornais "The Times", "Financial Times" e "The Spectator", entre outros.

O autor mostra que o lado esquerdo é sempre visto de forma negativa. "Há indícios de preconceito contra os canhotos desde que os homens têm usado a linguagem, há 100 mil anos ou mais", disse McManus à Folha. A discriminação, na verdade, começa na própria língua, qualquer que seja ela. Em português, canhoto também tem o sentido de inábil, desajeitado. Destro, ao contrário, significa aquele que é dotado de destreza, hábil, ágil, direito, correto. Em francês, o adjetivo canhoto ("gauche") é sinônimo de inepto, acanhado, sem refinamento. "Vai, Carlos, ser "gauche' na vida", escreveu Drummond de Andrade, um destro com alma canhota. "Sinistro", em italiano, é algo de mau agouro, fúnebre, ameaçador.

O termo inglês ("left-handed") é descritivo, neutro, mas levantamento citado por McManus aponta mais de 80 sinônimos pejorativos na língua. Expressões populares atribuem juízo de valor aos dois hemisférios do corpo: após uma sequência de reveses, diz-se que o desafortunado acordou com o pé esquerdo; no Réveillon, desejamos ao próximo entrar no ano com o pé direito, e assim por diante. A etiqueta também não ajuda. Cumprimenta-se com a mão direita e, à mesa, corta-se o alimento com a faca na mão direita, o que pode levar a um "choque de asas" entre o canhoto e o destro ao lado. Até a religião oferece chancela de peso ao preconceito.

Segundo a Bíblia, Jesus Cristo se sentava do lado direito de Deus. Quanto ao Diabo, não apenas seria canhoto, como batizava os seguidores com a mão esquerda, segundo idéia difundida no século 17. Na política, a distinção é fortíssima.

Na monarquia francesa, os nobres se sentavam à direita do rei e o Terceiro Estado —burgueses e outros, que acabaram derrubando o regime— ficavam à esquerda.

Comunistas, anarquistas e outros integrantes da esquerda política ainda são associados à quebra da ordem vigente, cuja manutenção é defendida pelos "conservadores", a direita.

A questão não se restringe à cultura e à política ocidental. No Alcorão, no dia do Juízo Final, aqueles que carregam os livros na mão esquerda sinalizam os que não foram bem-aventurados.

O capítulo 56 do livro sagrado muçulmano descreve o destino de cada grupo. Enquanto aos bem-aventurados está reservado o melhor —tronos, água corrente, árvores frondosas— os outros são recebidos com água fervente, ventos escaldantes, uma sombra de fumaça negra. "Os ditos do profeta determinam as ações de cada mão", explica o xeque Armando Hussein Saleh, da Mesquita Brasil. "A mão direita é a das boas ações, como se alimentar, cumprimentar as pessoas.

A mão esquerda é usada por Satanás e os demônios, em seus atos, por isso usamos a mão direita para contrariar aquele que é nosso inimigo nº 1."

À mão esquerda estão reservadas as tarefas impuras, como a higienização, poupando a direita para as ações puras. Essa noção ainda é observada em Estados islâmicos mais conservadores, como os do Golfo Pérsico.

Até hoje não se sabe bem o que leva uma pessoa a ter mais habilidade com uma das mãos. Acredita-se que haja influência genética, mas não se sabe qual ou quais genes estariam ligados a essa característica.

Também não se sabe qual a porcentagem da população que terá esse traço. Cerca de 10% das pessoas são canhotas, mas, devido à discriminação, essa proporção era de 3% no início do século 20.

"A influência ambiental é decisiva em eventualmente converter um canhoto em falso destro ou em definir um indivíduo sem determinação inata óbvia na expressão de uso de membros", afirma Luiz Eugênio de Mello, professor de neurofisiologia da Universidade Federal de São Paulo. Ser classificado canhoto ou destro não é tão simples quanto parece. Ninguém é 100% um ou outro.

"Considera-se canhota a pessoa que tem o domínio da habilidade motora manual, do pé ou do olho esquerdo", explica o neurologista Luiz Celso Vilanova, chefe do setor de neurologia infantil da Unifesp. "Mas a concordância não é obrigatória", acrescenta Mello.

Isto é, a mesma pessoa pode ter o pé direito e a mão esquerda dominantes, por exemplo. Por uma convenção social, se valoriza mais a predominância manual do que as outras duas. Do ponto de vista neurológico, destros têm o domínio do hemisfério cerebral esquerdo. Curiosamente, nem todos os canhotos são o oposto, apresentando o domínio do hemisfério direito.

Essa questão da dominância está na raiz de um dos muitos mitos sobre os canhotos: o de que seriam mais artísticos do que os destros, que, por sua vez, teriam maior desenvoltura ao lidar com códigos lógicos, situados do lado esquerdo do cérebro.

Uma área em que canhotos podem comemorar vantagem é a esportiva, pois os jogadores estão mais acostumados a enfrentar adversários destros. Estatisticamente, mostra McManus, esportistas canhotos bem-sucedidos existem em proporção maior do que na população geral.

As mais variadas teorias tentam entender o canhotismo. Há não tanto tempo, definia-se que o "normal" era ser manidestro e que o canhotismo era resultado de um nascimento traumático. O resultado é que fazia-se de tudo —e alguns ainda fazem— para tirar a criança do "mau caminho". Quando o bebê começava a pegar objetos com a mão esquerda, batia-se naquela mão e o objeto era colocado na mão direita. Divulgação Capa do livro "Right Hand, Left Hand" Professores também têm um histórico de repressão ao uso da mão esquerda.

A criança canhota era obrigada a aprender a escrever com a mão direita. As canhotas autorizadas a usar a mão preferida eram corrigidas por escrever "torto", com o caderno inclinado à direita.

Material escolar é um problema para canhotos: a espiral atrapalha o punho, réguas têm a numeração da esquerda para direita (para canhotos o mais fácil é traçar uma linha no sentido contrário) e as tesouras impedem que vejam a linha sendo cortada.

Enquanto em países como o Reino Unido é possível encontrar produtos feitos para canhotos, no Brasil esses objetos são praticamente inexistentes. Segundo Valmor Luiz Marchi, gerente industrial do grupo Eberle-Mundial, que produz facas, tesouras e alicates para canhotos, vendidos no Brasil e também exportados, o mercado consumidor não é proporcional ao número de canhotos.

"Mesmo o mercado americano desses produtos varia de 3% a 5% da população, sendo que os canhotos representam mais ou menos 10% do total", afirma.

Enfrentar essa série de pequenos desafios produz efeitos diversos nos integrantes dessa minoria silenciosa. Em um dos poucos sites brasileiros sobre o tema, o "livro de assinaturas" traz comentários de canhotos que se vangloriam da condição ou se envergonham da "deficiência". As causas e as consequências associadas ao uso preferencial de uma das mãos têm sido objeto de vários estudos nos últimos 20 anos.

Eles estão inseridos na discussão a respeito de lateralidade: a idéia de uma linha imaginária que divide tudo ao meio e um lado é diferente ou predomina sobre o outro. Há até, no Reino Unido, uma revista sobre o tema: "Lateralidade -Assimetrias do Corpo, do Cérebro e da Cognição".

Um dos editores é o próprio Chris McManus. O subtítulo do livro de McManus dá uma idéia mais precisa sobre o ponto onde o autor quer chegar: "As Origens da Assimetria: do Big Bang à Mente Humana". Sua intenção é abraçar todas as áreas que promovem estudos sobre o tema: psicologia, biologia, química e neurociência, em uma tentativa de unificá-las, mesmo que de maneira informal —o livro é muito mais informativo do que teórico.

Os capítulos do livro começam com perguntas: Por que existem canhotos e destros? Por que os espelhos refletem imagens invertidas no sentido esquerda-direita e não norte-sul? Por que nosso coração está do lado esquerdo do corpo? Segundo o autor, a lateralidade está inserida em um contexto maior, o de assimetria.

McManus discute as questões históricas e filosóficas a respeito da existência da assimetria, especificamente a premissa de que esquerda e direita podem ser conceitos relativos ou absolutos.

A idéia é que essa lateralidade está nas menores formas de vida (as moléculas de DNA são "canhotas", isto é, sua espiral gira para o lado esquerdo), passando pela lateralidade humana (a preferência pelo uso de uma das mãos), até a escala macro, como a dispersão irregular das galáxias no espaço. Se traçarmos uma linha dividindo o corpo, vemos duas partes simétricas.

Mas a realidade é que o homem é surpreendentemente assimétrico: a distribuição de órgãos é irregular, o sistema vascular é distribuído de forma irregular pelo corpo, os dois hemisférios do cérebro têm tarefas bastante distintas e usamos de forma bastante desigual as nossas mãos. "Nosso corpo tem uma clara assimetria, ainda que por vezes pareça haver um predomínio da simetria.

Em geral, o lado esquerdo do nosso sistema nervoso, que controla o lado direito do nosso corpo, é anatomicamente e funcionalmente assimétrico em relação ao lado direito", afirma Mello.

Fonte: intervox.nce.ufrj.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal