Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia do Salva-Vida  Voltar

Dia do Salva-Vidas

28 de Dezembro

O mar sempre exerceu uma enorme influência sobre o homem, servindo-lhe como fonte de alimentos e de via de transporte, e, muitas vezes, como meio de defesa. Assim é, que as antigas civilizações floresceram junto ao mar.

Com o passar dos tempos, o mar foi sendo utilizado como fonte de lazer, e a procura de praias balneáveis foi acompanhada das tragédias por afogamento, evitadas, então, por marinheiros e populações costeiras que, conhecedores do mar e de seus segredos, agiam no socorro de afogados.

Dia do Salva-Vidas
Salva-Vidas

Porém, com o deslocamento em massa das populações dos grandes centros urbanos para veranear nos litorais, já neste século, o afogamento no mar deixou de ser exclusivo de embarcações em alto mar (de lá surgiram expressões do tipo “homem ao mar”, “S O S”), e passou a estar presente também para pessoas comuns que se aventuravam nas praias, por diversão.

As primeiras organizações de salva-vidas no mundo são oriundas da França, com a Societé Centrale de Sauvatage de Naufragés, em 1865 e os Hospitaliers Sauvateurs Bretons, em 1873, entidades que em 1901 foram reconhecidas como de utilidade pública.

Um dos alicerces da comemoração do dia dos salva-vidas é bíblico, onde menciona como sendo o dia 28 de dezembro o dia de proteção do anjo Damabiah, da hierarquia do Arcanjo Gabriel, responsável pelo Bem-Estar das pessoas que vivem do mar, para o mar e próximos do mar.

No Rio Grande do Sul, a atividade teve seus primórdios em voluntários, oriundos da população litorânea- principalmente pescadores- os quais, no início da década de 50, postavam-se à beira da praia de Tramandaí, sem nenhuma retribuição além do reconhecimento público a sua coragem e espírito de humanidade.

Curiosamente, no dia 28 de dezembro de 1970, a Brigada Militar encampou o serviço de Salva Vidas, com a primeira turma de policiais militares formados em Porto Alegre exclusivamente para o trabalho de Salva-Vidas que antes era de responsabilidade dos municípios, passando, desde então, a missão de salvamento no mar para o estado.

Há alguns anos os Salva Vidas do Litoral Norte organizam competições técnico profissionais no seu dia, que servem, além de testar a eficiência dos homens do mar, também para garantir que a comunidade gaúcha tenha um serviço de qualidade em constante evolução.

Fonte: www.sobrasa.org

Dia do Salva-Vidas

28 de Dezembro

Quem nunca ouviu falar daqueles profissionais que ficam na orla marítima para salvar quem se afoga?

O Salva-Vidas tem um trabalho muito útil e também trabalham em clubes e em praias de água doce.

Eles previnem situações de risco e executam salvamentos aquáticos, protegendo pessoas e resgatando vidas.

Também são eles os responsáveis por salvar pessoas acometidas por choque térmico ou que se machucam surfando.

Ao salvar alguém que se afogou, o salva-vidas dá os primeiros-socorros além de verificar o estado da vítima. Eles também realizam o procedimento adequado para que a pessoa não fique com nenhuma seqüela do afogamento.

Além de atuar diretamente no salvamento, eles realizam campanhas educativas para prevenção de riscos e dão cursos para treinar e formar voluntários de emergência. Os salva-vidas que trabalham na orla marítima recebem treinamento de salva-vidas da Polícia Militar.

Fonte: UFGNet

Dia do Salva-Vidas

28 de Dezembro

Os Salva-Vidas cuidam da segurança das pessoas nas praias e nas piscinas, fornecendo orientação e socorro e evitando afogamentos.

O número de mortes por afogamento ainda é grande, pois a costa brasileira é vastíssima, há poucos Salva-Vidas e muita imprudência por parte dos banhistas.

Não há quem não se emocione quando o Salva-Vidas entra em ação. É comum formar-se uma platéia à beira do mar para vê-lo socorrer um nadador que se aventurou além da arrebentação e não consegue voltar porque se desespera.

O Salva-Vidas põe-se em ação, mergulha no mar bravio, transpõe ondas, rápido como um raio, chega perto da vítima que se debate e, depois de imobilizá-la, afronta as águas novamente para trazê-la de volta à praia. É um herói!

Fora esses momentos de heroísmo, há o trabalho preventivo, de sinalização: ele detecta os trechos perigosos e os marca com uma bandeira vermelha ou aviso de "Perigo, correnteza".

O Salva-Vidas também dá dicas para o banhista aproveitar as delícias do mar com segurança: não nadar em locais em que a água esteja escura, pois é o local mais fundo e perigoso; não nadar em locais em que a onda chega fraca, mas naquele em que há ondas, bastante espuma e água clara; não se desesperar; relaxar e deixar-se levar; não nadar em linha reta, mas na diagonal, para furar o canal; evitar nadar perto das pedras; não nadar quando o mar estiver "puxando" , para evitar a corrente lateral ou de retorno.

Fonte: www.paulinas.org.br

Dia do Salva-Vidas

28 de Dezembro

É preciso preparo físico de atleta para exercer a profissão

Quando o assunto é salva-vidas, logo vem à cabeça as belas loiras de maiô vermelho do seriado norte-americano SOS Malibu. Na vida real, zelar pela segurança de banhistas em piscinas e praias exige preparo físico de atleta e o conhecimento de técnicas de resgate dentro e fora d'água.

Natação é pré-requisito para qualquer candidato a salva-vidas, que passa por treinamento puxado, que inclui curso de primeiros socorros. O profissional mantém a resistência aeróbia correndo ou nadando cerca de uma hora ao dia. O treino é complementado com três a quatro sessões de musculação por semana - sempre com trabalho de resistência - e simulações de resgate.

A alimentação é de atleta: verduras, legumes, frutas e bastante líquido. Protetor solar, sunga, camiseta, apito, óculos escuros e boné compõem o uniforme.

O salva-vidas Ricardo Lourenção, 22 anos, trabalha em um parque aquático há 4 anos e afirma que a preparação é fundamental para o sucesso de uma ação de resgate. "Para saber agir no momento de crise, o profissional tem que estar bem preparado tanto física quanto emocionalmente para poder assistir à vítima."

Gustavo Rodrigues, 19 anos, optou pela função por dois motivos. Admiração ao pai, bombeiro aposentado que foi salva-vidas em clubes, e por uma fratura na perna que poderia tê-lo deixado sem andar. A natação foi fundamental na sua recuperação. Apesar de considerar a melhor parte da profissão o momento que alguém é resgatado, explica que o mais importante é prevenir. "Temos que tentar evitar os problemas, por isso é importante conversar com as pessoas e explicar o que pode ser perigoso".

A preparação dos salva-vidas é intensa para alcançar a boa forma na alta temporada, quando os turistas invadem as praias e o trabalho é dobrado. Com o objetivo de ganhar resistência aeróbia, anaeróbia e muscular localizada, força, velocidade, agilidade e flexibilidade, o treinamento é dividido em corridas, natação e musculação. O 1º Tenente Maurício Cunha, responsável pelo treinamento físico do 17º Grupamento de Bombeiros do Litoral Paulista (comanda a área de Ubatuba a Ilha Comprida), explica que a preparação vai de abril a outubro, pois durante a temporada há somente o trabalho de manutenção.

Durante os meses de abril e maio, praticam corridas de 3 a 4 mil metros, com duração de 20 minutos. Ao longo do período a intensidade aumenta para 5 a 6 mil metros em 30 minutos. Os treinos de natação em piscina e mar aberto começam com 1 a 2 mil metros, com duração de 30 a 40 minutos, e chegam a 2 a 3 mil metros, em 40 a 50 minutos.

Intercalados aos treinos de natação e corrida são aplicados exercícios de resistência muscular localizada sem aplicação de cargas, como abdominais, flexão de braços, flexões na barra e flexões dorsais. Os exercícios nas primeiras semanas são de 3 a 4 séries com 15 a 20 repetições. No término do período, chegam de 5 a 6 séries com 20 a 30 repetições.

Entre junho e julho, a preparação física enfoca a força muscular e a resistência anaeróbia. O treino é composto por tiros de velocidade. Ao final de julho, ocorrem treinos de velocidade e agilidade, com circuitos de mudança de sentido e direção e tiros de 1 minuto intercalados por trote e caminhada de 2 minutos.

Os treinos de natação continuam com tiros de 50, 100, 200, 300, 400 e 500 metros, gradativamente, com intervalos de descanso de 1 a 5 minutos. Nestes meses são reforçadas as instruções de técnicas de primeiros socorros, reanimação cardiopulmonar com oxigenoterapia e salvamento e resgate de vítimas no mar com nadadeiras, flutuadores e pranchões.

Para complementar a preparação são feitos exercícios de musculação visando a resistência localizada. Na primeira quinzena são feitas 3 séries de 15 repetições, passando para 3 séries de 20 na segunda quinzena, 4 séries de 20 e, no final da etapa, 4 séries de 15 repetições com aumento da sobrecarga (sempre de baixa intensidade). Os grupos musculares trabalhados são peitorais, dorsais, ombros, abdominais, bíceps, tríceps, quadríceps, flexores posteriores da coxa e gastrocnêmios, com aplicação de dois exercícios para cada grupo.

São eles: para peitorais - supino e peck deck; dorsais - puxada no pulley e remada; ombros - desenvolvimento e crucifixo lateral de pé; abdominais - prancha inclinada com sobrecarga e flexão de membros inferiores em direção ao tórax suspenso na barra; bíceps - rosca direta e rosca scotch ou concentrada tríceps no pulley e francês; quadríceps - cadeira extensora e agachamento; flexores posteriores da coxa e gastrocnêmios - mesa romana e flexão plantar dos pés.

No final da preparação, os treinos de musculação são reduzidos e as atividades visando resistência aeróbia intensificadas. As corridas voltam com média intensidade (5 a 6 mil metros), chegando, no final de outubro, a longas distâncias (7 a 10 mil metros). Os treinos de natação aumentam, atingindo percursos de 4 a 7 mil metros, em ritmo intenso.

Renata Rondini

Fonte: www.interesportes.com.br

Dia do Salva-Vidas

28 de Dezembro

Verão no Brasil é sinônimo de praia, rio, cachoeira e piscina. O calor dessa época do ano convida até os que não sabem nadar a se refrescarem na beirinha.

Porém, nem sempre essa investida é bem sucedida, e uma câimbra ou uma correnteza inesperada pode acabar com a diversão. Ainda bem que existem os salva-vidas para nos socorrer nessas situações.

Conforme o levantamento da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho e Emprego, em 2007 o Brasil contava com 4.141 profissionais atuando com carteira assinada, sendo o estado do Rio de Janeiro o maior contratante - com 1.199 salva-vidas.

Porém uma surpresa, apesar de as praias nordestinas serem frequentemente lembradas como destino de veraneio, é o estado de São Paulo que aparece na segunda posição, com 1.160 registros. A Bahia surge logo depois, com 427 profissionais.

Em termos regionais o Sudeste do país tem em seu quadro 2.932 salva-vidas, enquanto o Nordeste possui 835 trabalhadores em atividade. O Sul, por sua vez, conta com 181 profissionais, seguido pelos 142 registrados no Centro-Oeste. Já a Região Norte, apesar do número de rios presente na região, possui apenas 41 carteiras de trabalho assinadas nesta ocupação.

O Dia

Embora não haja uma data oficial criada por lei, no Brasil é costume comemorar o Dia do Salva-vidas em 28 de dezembro. A escolha da data remonta a origem bíblica, já que se refere ao dia do Anjo Damabiah - da hierarquia do arcanjo Gabriel - responsável pelo bem-estar das pessoas que vivem do mar, para o mar e próximos do mar.

Na TV

Durante a década de 90 a profissão ficou mais popular com a exibição do seriado norte americano Baywatch (ou SOS Malibu, como foi traduzido no Brasil). A série retratava o dia-a-dia de salva-vidas da Califórnia que, usando trajes de banho cada vez mais ousados, patrulhavam as praias lotadas de Los Angeles. Segundo o livro Guinness de Recordes Mundiais, Baywatch foi o programa de TV mais assistido no mundo, com 1,1 milhão de telespectadores.

Curiosidade

Antes de existir a profissão de salva-vidas, os resgates marítimos eram realizados por marinheiros, pescadores e populações costeiras. Vale lembrar que as primeiras organizações de salva-vidas no mundo surgiram na França com a Societé Centrale de Sauvatage de Naufragés, em 1865, e com os Hospitaliers Sauvateurs Bretons, em 1873; entidades que em 1901 foram reconhecidas como de utilidade pública.

Fonte: www.jusbrasil.com.br

Dia do Salva-Vidas

28 de Dezembro

Os versos de Caetano Veloso consagram os rapazes que, de sunga preta e camiseta vermelha, vivem atentos à beira-mar. Os banhistas depositam toda fé nos salva-vidas.

O Grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro socorreu 8.420 pessoas em 1999. Apenas seis mortes. Também combatem incêndios em ilhas e embarcações. A disciplina é rigorosa.

Dia do Salva-Vidas
…eu já não tenho medo de me afogar conheço moço lindo que é salva-vidas que é fera na doçura, na força e na graça…

Às 7 horas, 8 km de corrida e muita natação. Para encarar o mar grande, coragem, resistência, devoção.

Os moços de músculos fortes e pele bronzeada alertam: a aparente calmaria das águas engana muitas vítimas, principalmente homens de 10 a 19 anos.

Fonte: www.almanaquebrasil.com.br

Dia do Salva-Vidas

28 de Dezembro

A importância do Salva-Vidas na arena do rodeio

Eles são considerados os anjos da guarda de plantão das arenas brasileiras. Tirando sua camisa colorida, suas calças largas e a cara pintada, o trabalho do palhaço salva vidas é extremamente sério é preciso ter amor à profissão e compaixão à vida dos companheiros, deixando muitas vezes de levar em consideração sua própria vida.

Dia do Salva-Vidas

Estão sempre atentos e prontos a entrar em ação a cada montaria. Sua função é distrair o animal depois de passados os 8 segundos ou quando o competidor cai antes do tempo. A distração causada pelos palhaços dão a chance aos peãos de correrem para longe do touro sem que o mesmo corra atrás deles.

As vezes acontece de um cowboy enroscar a mão na corda americana e ficar preso ao touro, nesta hora é exigida a habilidade dos salva vidas para soltar a mão do cowboy, mesmo com o touro em movimento.

Para ser um bom salva-vidas são exigidas algumas habilidades: velocidade, agilidade, o conhecimento dos touros e sua natureza, coragem e o companheirismo. É comum ver um salva vidas rezando antes de entrar na arena, eles tem a consciência que além de salvar os cowboys, é a própria vida que está em risco.

Os pioneiros dessa profissão no Brasil, foram os irmãos Django e Meio Quilo. Eles atuam a mais de 20 anos nas arenas e continuam dando um show de habilidade.

Contudo, o risco que o salva-vidas correm é muito grande, um touro de rodeio pode chegar a pesar uma tonelada e sua força é algo incomum. Há quem diga, que aos homens só é possível sobreviver porque o touro ignora sua força e agilidade, e mesmo sabendo disso, é comum ver um salva-vidas voar para cima do animal e desamarrar a mão enroscada do peão.

Capear um boi como dizem eles, é uma arte, se não for antes uma benção.

Fonte: www.vtrine.com.br

Dia do Salva-Vidas

28 de Dezembro

Muitos jovens estão apostando na carreira de salva-vidas para conseguir sucesso e satisfação profissional, mas essa profissão é bem mais complicada do que parece. Em primeiro lugar o aprendiz de salva-vidas precisa ter aptidão para nadar, tanto em piscinas como no mar, somente dessa forma ele conseguirá salvar as vítimas de afogamento.

O salva-vidas precisa ter um bom preparo físico, nadar com facilidade e passar por treinamento profissional para aprender as atividades de pronto-socorro. Em função de todas as competências mencionadas, foi criado o curso técnico de salva-vidas que habilita uma pessoa a atuar nessa profissão.

Também conhecido como guarda-vidas, o salva-vidas tem compromisso com as orientações educacionais e deve orientar os banhistas sobre todos os perigos que o ambiente aquático pode oferecer.

Muitos cogitam essa profissão como de risco, mas se o profissional estiver bem treinado e contar com bons equipamentos, ele realizará o salvamento sem qualquer dificuldade.

Existem dois perfis de salva-vidas: o profissional que trabalha nos clubes e faz salvamentos em piscinas e o outro que atua nas praias e tem uma rotina mais perigosa para resgatar as vítimas em alto mar.

As escolas responsáveis pela profissionalização de salva-vidas estão preparadas para capacitar esses dois tipos de profissionais através dos cursos.

Existem muitos cursos de salva-vidas em SP, sendo que o principal deles é o realizado no Guarujá. Os alunos do CGV passam por um treinamento árduo para fazer os resgates aquáticos nas praias do litoral paulista.

Ao longo da formação de salva vidas em SP, os rapazes e moças desenvolvem velocidade, disciplina, boa capacidade pulmonar, aprendem a trabalhar em equipe e participam de várias simulações em função do treinamento.

O mercado de trabalho para o salva-vidas é bem amplo, em especial nas cidades litorâneas. Aqueles que possuem formação na área podem prestar concursos e conseguir estabilidade no cargo.

Fonte: www.mundodastribos.com

Dia do Salva-Vidas

28 de Dezembro

Na piscina, na praia, eles estão sempre lá, no alto vigiando e observando os banhistas. Qualquer sinal de perigo mergulham na água para fazer o resgate. Já salvaram a vida de muitas pessoas, evitando o afogamento. Dar os primeiros-socorros de forma adequada é fundamental para que a vítima não fique com seqüelas. Salve nossos heróis salva-vidas!

Muitas vezes vemos na praia sinais com avisos: correnteza forte, proibido para banho, entre outros. É muito importante respeitar os sinais e obedecer aos comandos do salva-vidas. Afinal eles estão nos protegendo. De resto é só aventura e brincadeira na água.

No dia 28 de dezembro é comemorado, em todo o território nacional, o Dia do Salva-vidas.

Embora não haja uma data oficial criada por lei, no Brasil é costume comemorar o Dia do Salva-vidas em 28 de dezembro. A escolha da data remonta a origem bíblica, já que se refere ao dia do Anjo Damabiah - da hierarquia do arcanjo Gabriel - responsável pelo bem-estar das pessoas que vivem do mar, para o mar e próximos do mar.

Salva-vidas, guarda-vidas (português brasileiro) ou nadador-salvador, banheiro (português europeu) é a pessoa que tem o escopo de evitar afogamentos e assim preservar a vida de quem se vê envolvido em uma situação crítica no mar, em rios ou piscinas.

Em muitas cidades litorâneas, há salva-vidas em praias mais frequentadas e/ou perigosas, para pronto atendimento aos banhistas ou para avisar dos riscos provocados por animais como águas-vivas ou tubarões. A vigência do serviço pode ser permanente ou restringida à época balnear.

A formação de um salva-vidas deve ser completa: nadar muito bem, conhecimento das técnicas de respiração e massagem cardíaca,oceanografia, cuidados com o banhista e agilidade nas ações de prevenção e salvamento, onde segundos tornam-se preciosos.

Bandeiras de aviso

As bandeiras colocadas em postos ou cadeirões funcionam como indicadoras das condições de banho no dia, são de três cores diferentes:

Verde, que indica que é seguro nadar

Amarela que indica que se pode tomar banho, mas que não se deve nadar

Vermelha, que indica que se não se deve tomar banho

Funcionam na equivalência de um semáforo. Sem esquecer das bandeiras vermelhas que são postas nas praias com o seguinte dizer "local perigoso" são colocadas na frente das correntes de retorno (rip), não é permitido a entrada de banhistas nestes locais, pois, é aí que acontecem os afogamentos por imprudência e até mesmo falta de informação dos banhistas que na grande maioria das vezes são visitantes ocasionais ou veranistas.

Esta corrente pode variar de lugar para lugar dependendo do vento, lua e, até mesmo, pressão atmosférica. Sua velocidade é de 3 m/s; isto significa que nem o melhor nadador que nada 2m/s consegue nadar contra essa corrente. A melhor maneira seria, 1º nem ter entrado nela pois com certeza estaria sinalizada, 2º não tentar vir diretamente para terra, pois assim você estaria desafiando a natureza e com ela não dá para competir e 3º nade para o lado procurando assim o banco de areia se não conseguir nade até o final da corrente, depois saia pelo lado. Além das atividades de salvamento, cabe ao Guarda-Vidas as atividades prevencionistas objetivando evitar acidentes nas praias de mar ou de água doce (rios, lagos e lagoas) e também de piscinas, através de campanhas educativas.

Também se pode dar o nome de salva-vidas às boias de sinalização.

Fonte: ururau.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal