Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia Mundial do Lúpus  Voltar

Dia Mundial do Lúpus

 

10 de Maio

Dia Mundial do Lúpus

Comemoração, dia 10 de Maio, visa alertar para necessidade de reforçar investigação e melhorar assistência aos doentes.

Comemora-se no dia 10 de Maio o Dia Mundial do Lúpus. O objetivo consiste em alertar para a necessidade de aumentar a investigação e o conhecimento público sobre a doença e os cuidados prestados aos doentes.

O Dia Mundial do Lúpus foi comemorado, pela primeira vez, em 2004, no Reino Unido, por um grupo de representantes de organizações de 13 países.

Fonte: www.min-saude.pt

Dia Mundial do Lúpus

10 de Maio

O lúpus eritematoso sistêmico, muitas vezes abreviado para LES ou lúpus é uma doença auto-imune sistêmica (doença do tecido conjuntivo), que pode afetar qualquer parte do corpo. Tal como ocorre em outras doenças auto-imunes, o sistema imunitário ataca as células do corpo e os tecidos, resultando em inflamação e danos nos tecidos. É uma hipersensibilidade do tipo III de reação em que os complexos anticorpo-imunes precipitam e provocam uma resposta imunitária.

LES na maioria das vezes prejudica o coração , articulações , pele , pulmões , vasos sanguíneos , fígado , rins e sistema nervoso. O curso da doença é imprevisível, com períodos de doença (chamadas chamas ), alternando com remissões. A doença ocorre nove vezes mais frequentemente em mulheres do que em homens, especialmente em mulheres em idade de gestação 15 a 35, e também é mais comum em pessoas de ascendência não-europeia.

Não há cura para o LES. Ele é tratada com imunossupressão, principalmente com ciclofosfamida , corticosteróides e outros imunossupressores. LES pode ser fatal. A sobrevivência para pessoas com LES nos Estados Unidos, Canadá e Europa aumentaram para aproximadamente 95% , em cinco anos , 90% em 10 anos, e 78% em 20 anos, e agora se aproxima dos controles pareados sem lúpus.

O lúpus eritematoso sistêmico geralmente apresenta entre as idades de 3 e 15 anos, com as meninas superando meninos 04:01 e as manifestações típicas da pele sendo a erupção borboleta no rosto e fotossensibilidade.

No século 18, quando o lúpus estava apenas começando a ser reconhecido como uma doença, pensava-se que ele foi causado pela mordida de um lobo. Isso pode ter sido por causa da característica erupção cutânea característica do lúpus. (Uma vez completa, a rodada, erupções cutâneas em forma de disco curam de dentro para fora, deixando uma marca de mordida)

Sinais e sintomas

Dia Mundial do Lúpus

O LES é uma das várias doenças conhecidas como " os grandes imitadores ", porque, muitas vezes, imita ou é confundida com outras doenças. LES é um item clássico no diagnóstico diferencial, porque os sintomas do LES variam muito e vem e vão de forma imprevisível. O diagnóstico pode, assim, ser evasivo, com algumas pessoas que sofrem sintomas inexplicáveis de LES sem tratamento por anos.

Queixas iniciais e crônicas mais comuns incluem febre, mal-estar, dores articulares , mialgias , fadiga e perda temporária de habilidades cognitivas. Porque eles são muitas vezes vistos com outras doenças, estes sinais e sintomas não fazem parte dos critérios diagnósticos para LES. Quando ocorrem em conjunto com outros sinais e sintomas, contudo, eles são considerados sugestivos.

Fonte: en.wikipedia.org

Dia Mundial do Lúpus

10 de Maio

LÚPUS: DOENÇA INFLAMATÓRIA CRÔNICA DE ORIGEM AUTOIMUNE

Por Higia Faetusa

O Lúpus é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune, ou seja, o sistema imunológico, responsável pela produção de anticorpos (defesa) e organização dos mecanismos de inflamação, ataca o próprio organismo.

São reconhecidos dois tipos principais de lúpus: o cutâneo ou discoide, que se manifesta apenas com manchas na pele (geralmente avermelhadas ou eritematosas, daí o nome lúpus eritematoso), principalmente nas áreas que ficam expostas à luz solar (rosto, orelhas, colo e nos braços); e o sistêmico, no qual um ou mais órgãos internos são acometidos.

Os sintomas podem surgir isoladamente, ou em conjunto, as manifestações mais comuns são fadiga, febre, emagrecimento, perda de apetite, sensibilidade ao sol (fotossensibilidade), inflamações na pele, articulações (dores e inchaços nas juntas), rins, nervos, cérebro e membranas que recobrem o pulmão (pleura) e o coração (pericárdio). Algumas vezes apresentam linfonodos aumentados (gânglios/ ínguas). Esses sintomas podem ocorrer ao mesmo tempo ou de forma sequencial.

O diagnóstico depende do reconhecimento pelo médico de um ou mais sintomas, pois não existe um exame 100% específico para a detecção do lúpus eritematoso sistêmico (LES). O exame chamado FAN (fator ou anticorpo antinuclear), principalmente com títulos elevados, em uma pessoa com sinais e sintomas característicos de LES, permite um diagnóstico mais certo. Outros testes laboratoriais como os anticorpos anti-Sm e anti-DNA são muito específicos, mas ocorrem em apenas 40% e 50% das pessoas com LES. Ao mesmo tempo, alguns exames de sangue e/ou de urina podem ser solicitados para auxiliar não no diagnóstico do LES, mas para identificar se há ou não sinais de atividade da doença.

O tratamento deve ser individualizado, conforme o tipo de manifestação apresentada e inclui medicamentos para regular as alterações imunológicas do LES e para regular outras que a pessoa apresente em consequência da inflamação causada pelo LES, como hipertensão, inchaço nas pernas, febre, dor etc. Os medicamentos que agem na modulação do sistema imunológico no LES incluem os corticoides (cortisona), os antimaláricos e os imunossupressores, em especial a azatioprina, ciclofosfamida e micofenolato de mofetil, além do uso dos fotoprotetores que devem ser aplicados diariamente em todas as áreas expostas à claridade.

O acompanhamento médico constante e a disciplina do paciente quanto ao uso da medicação prescrita devem ser considerados como primordiais no tratamento do lúpus. Quanto ao tempo de duração do tratamento não há como ser estipulado, pois o LES, ou apenas lúpus, é uma doença crônica, assim como são a hipertensão, diabetes, várias doenças intestinais, alergias e outras doenças reumatológicas.

Como o lúpus intercala fases ativa e de remissão (não ativa da doença), a pessoa com lúpus deve ter cuidados especiais com a saúde. Inclusas atenção com alimentação, higiene (diminuição do risco de infecções), evitar estresse, uso de anticoncepcional a base de estrogênio, cigarro, além de manter uma atividade física, preferencialmente aeróbia, para o controle da pressão, da glicose no sangue, e da qualidade dos ossos.

Fonte: lupus.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal