Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia Mundial do Meio Ambiente  Voltar

Dia Mundial do Meio Ambiente

 

 

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

No dia 05 de junho como acontece todos os anos estará sendo comemorado o dia mundial do meio ambiente, data extremamente importante para a conservação da natureza.

A preocupação com a conservação da natureza vem se acentuando nos dias atuais em função das atividades humanas, as quais têm ocasionado seríssimos problemas de degradação ambiental, a ponto de comprometer, caso não sejam tomadas medidas emergenciais, os recursos naturais, as condições de vida e consequentemente, toda a vida futura no planeta.

O amor à natureza e o desejo de que ela seja preservada ou utilizada racionalmente pelo homem já podem ser verificados nos primeiros livros sagrados.

Praticamente todos eles mencionam a vida das plantas, dos animais silvestres e do homem, como elementos integrantes do meio ambiente.

Entre outros podem ser mencionados os Vedas, a Bíblia e o Corão. Diversos são os textos escritos, alguns deles, há quase 2.500 anos atrás na India cujos relatos mencionam uma preocupação acentuada com a conservação da natureza e vários são os líderes espirituais, entre eles Shiddarta Gautama, o Buda que demonstraram esta preocupação. Curioso é que São Francisco de Assis, tanto tempo depois, abraçaria os mesmos princípios, certamente sem conhecimento das crenças e filosofias pregadas pelos homens daquelas longínquas paragens. Além dos princípios religiosos, os homens santos veneravam o ar, a água, a terra (alimento) e o fogo (energia), todos considerados como partes integrantes do Cosmos e sem os quais não teríamos condições de vida. Procuravam demonstrar a inter-relação de todos os seres vivos e dos elementos abióticos que os cerca. Isso identifica a disciplina que hoje estudamos nas universidades sob o nome de Ecologia.

O amor de Francisco de Assis demonstra abrangência universal. Poucos terão se irmanado tanto com o universo como ele, ao contemplar em seus retiros para meditação os elementos naturais, que chamava de “irmãos” – o sol, o ar, a água, as estrelas, as plantas e os animais. No seu extraordinário “Cantico al fratte Soli” louva a grandeza do Criador e todas as criaturas.

Muitos anos depois, mais precisamente no ano de 1854, em resposta a uma proposta do presidente dos Estados Unidos Ulysses Grant, de comprar grande parte das terras de uma nação indígena, oferecendo, em troca, a concessão de uma outra “reserva” obteve-se como resposta do Chefe Seatle, aquele que tem sido considerado através dos tempos como um dos mais belos e profundos pronunciamentos já feitos a respeito da defesa do meio-ambiente. Neste pronunciamento, o chefe indígena faz um alerta contra a exploração predatória feita pelo homem branco, ao provocar desflorestamentos, a poluição da água, do solo do ar e ao dizimar populações animais, inclusive a do bisão americano, que quase foi levada à extinção pela caça indiscriminada. Enfatizava as conseqüências negativas desta degradação provocada pelo homem branco.

Entre outras afirmações dizia o Chefe Seatle o seguinte : “O que ocorrer com a Terra recairá sobre os filhos da Terra. Há uma ligação em tudo”. Vale ressaltar que a visão “profética” do grande Chefe Indígena, acabou se confirmando com precisão admirável, demonstrando um profundo conhecimento das leis que regulam a natureza pois através das atividades do homem moderno ocorre hoje um processo de intensa degradação do meio ambiente.

Em 1962, uma nova obra veio a causar grande impacto no meio científico e social, isto é, o livro Silent Spring (Primavera Silenciosa) escrito por Rachel Carson nos Estados Unidos que foi o primeiro brado de alerta, contra o uso indiscriminado de pesticidas e que teve repercussão mundial, contribuindo para que práticas conservacionistas como o Manejo Integrado de Pragas (MIP) passasse a ser implementado.

Nesse processo de evolução das idéias e de comportamentos, surge a Declaração sobre o Ambiente Humano que foi estabelecida na Conferência de Estocolmo em 1972, cujos princípios tinham o objetivo de servir de inspiração e orientação à humanidade para a preservação e melhoria do ambiente humano, a qual foi seguida 20 anos depois, pela Conferência do Rio de Janeiro, a Rio 92, e mais recentemente pela de Joanesburgo na África do Sul, a Rio +10.

Tudo isto, mostra que ocorreu uma grande evolução da sociedade, na forma de encarar os processos de desenvolvimento. Todavia, as mudanças nesta percepção ocorrem num ritmo mais lento do que seria o desejável para o não comprometimento dos nossos recursos naturais. Atualmente o chamado desenvolvimento sustentável é o único capaz de propiciar condições de preservar os recursos naturais e condições de vida saudável para as gerações futuras.

Para que isto ocorra a educação ambiental tem uma importância extraordinária porque conscientiza e altera os padrões de comportamento do ser humano em relação à natureza. Segundo o conservacionista inglês Broad, “Na educação, reside a única esperança de se evitar a total destruição da natureza”. Que ela possa ser portanto, implementada maciçamente, em todos os locais de forma a conscientizar a todas as pessoas porque a educação ambiental reveste-se no mais importante instrumento para a preservação da natureza.

Fonte: www.agr.feis.unesp.br

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

O Dia Mundial do Meio Ambiente é celebrado no dia 5 de Junho, data de início da primeira conferência das Nações Unidas, dedicada exclusivamente ao ambiente, que teve lugar em Estocolmo, Suécia, em Junho de 1972.

Neste dia, as comunidades são encorajadas a realizar atividades relacionadas à natureza e a preocuparem-se mais com o mundo em que vivem. As pessoas precisam de reaprender que fazem parte da natureza e que sem ela não podem sobreviver.

Em meados do século XX, o meio ambiente e a ecologia tornaram-se preocupações no mundo todo.

Será que sabemos o que os ecologistas têm a comemorar em 5 de junho? Ou ao menos conseguimos preservar nos dias de hoje o meio ambiente em que vivemos?

Se não estivermos atentos a respeito deste assunto não encontraremos respostas a essas perguntas, e certamente dessa forma estaremos contribuindo com a destruição ambiental. Portanto, isso se trata de uma postura e consciência ambiental de todos. E faz com que analisemos com os devidos reparos que têm de serem feitos nos danos que foram causados por nós mesmos ao meio ambiente, e evitando assim novos desastres ecológicos.

Não ocorrendo isso, a nossa qualidade de vida estará comprometida. O que representaria no maior erro de um ser humano a ele mesmo, que é tirar sua própria vida.

O Brasil é um dos poucos países que tem identificação para ser um amparo ao planeta, considerado assim uma superpotência ambiental.

Cabe a cada um de nós fazer sua parte e contribuir para a preservação da vida na Terra, hoje e também no futuro, utilizando o bom senso principalmente na hora de consumir o que mais precisamos: os recursos naturais.

OS DEZ MANDAMENTOS AMBIENTAIS

1. Estabeleça princípios ambientalistas: estabeleça compromissos, padrões ambientais que incluam metas possíveis de serem alcançadas
2. Faça uma investigação de recursos e processos:
confira se há desperdício de matéria-prima e até mesmo esforço humano
3. Estabeleça uma política ecológica de compras:
priorize a compra de produtos ambientalmente corretos. Procure por produtos que sejam mais duráveis, de melhor qualidade, recicláveis ou que possam ser reutilizáveis
4. Incentive seus colegas:
fale com todos a sua volta sobre a importância de agirem de forma ambientalmente correta
5. Não desperdice:
ajude a implantar e participe da coleta seletiva de lixo
6. Evite poluir seu meio ambiente:
faça uma avaliação criteriosa e identifique as possibilidades de diminuir o uso de produtos tóxicos
7. Evite riscos:
verifique cuidadosamente todas as possibilidades de riscos de acidentes ambientais e tome a iniciativa ou participe do esforça para minimizar seus efeitos. Não espere acontecer um problema! Antecipe-se!
8. Anote seus resultados:
registre cuidadosamente suas metas ambientais e os resultados alcançados. Isso ajuda não só que você se mantenha estimulado como permite avaliar as vantagens das medidas ambientais adotadas
9. Comunique-se:
no caso de problemas que possam prejudicar seus vizinho e outras pessoas, tome a incitava de informar a tempo hábil para possam minimizar prejuízos
10. Arranje tempo para o trabalho voluntário:
considere a possibilidade de dedicar uma parte do seu tempo, habilidade e talento para o trabalho voluntário ambiental a fim de fazer a diferença dando uma contribuição concreta e efetiva para a melhoria da vida do planeta.

Fonte: www2.portoalegre.rs.gov.br

Dia Mundial do Meio Ambiente

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

O Dia Mundial do Meio Ambiente foi criado pela Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas - ONU, de 1972, para marcar a abertura da 1a Conferência Mundial de Meio Ambiente, em Estocolmo, na Suécia. Na mesma ocasião, outra resolução criou também a UNEP - o Programa da ONU para o Meio Ambiente.

Celebrado de várias maneiras (paradas e concertos, competições ciclísticas ou até mesmo lançamentos de campanhas de limpeza nas cidades), esse dia é aproveitado em todo o mundo para chamar a atenção política para os problemas e para a necessidade urgente de ações.

Ecologia

O meio ambiente e a ecologia passaram a ser uma preocupação em todo o mundo, em meados do século XX. Mas já no século XIX um biólogo alemão, Ernst Haeckel (1834-1919), criou formalmente a disciplina que estuda a relação dos seres vivos com o meio ambiente, ao propor, em 1866, o nome ecologia para esse ramo da biologia.

Junção das palavras gregas oikos (casa) e logos (estudo), a disciplina ficou restrita aos meios acadêmicos até bem pouco tempo.

Ela só ganhou dimensão social após um acidente de grande proporção, que derramou 123 mil toneladas de óleo no mar, na costa da Inglaterra, em 1967, com o petroleiro Torrey Canion.

Fonte: UFGNet

Dia Mundial do Meio Ambiente

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

Em 5 de junho, comemora-se o Dia Mundial do Meio Ambiente.

A data costuma ser lembrada com denúncias de diversos atentados contra a natureza e com alertas de perigos iminentes para a vida na Terra. Em geral, são informações sobre catástrofes climáticas, agravadas pelo aquecimento global, extinções de espécies de animais e plantas, escassez de água doce, poluição atmosférica e devastação de florestas, entre outras previsões aterradoras para o futuro da humanidade. Mas será que não existe boa notícia quando se fala em meio ambiente?

Será que estamos vivendo um terrível pesadelo e mal nos damos conta disso? Ou os meios de comunicação, especializados e não, já estão acostumados a ter uma visão pessimista do mundo e não conseguem ver nada além?

Não se trata de desviar a atenção ou de pretender fechar os olhos para os graves problemas ambientais que temos para resolver. Sim, são graves e muitos.

Mas é bom deixar os olhos abertos para, também, reconhecer as soluções, os avanços e as conquistas já realizadas nesse campo.

Pensando, em particular, na educação ambiental, direcionada para crianças e jovens, achamos fundamental disseminar a esperança, no lugar do pessimismo.

Fonte: www.educacaopublica.rj.gov.br

Dia Mundial do Meio Ambiente

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

O dia 5 de junho é lembrado em todos os países como o dia mundial do meio ambiente, desde que a Organização das Nações Unidas - ONU, em 1972, realizou a sua primeira conferência sobre o tema: a Conferência sobre o Ambiente Humano, conhecida como Conferência de Estocolmo. O dia ou a semana em torno de 5 de junho é usada por muitas pessoas e organizações para celebrar o milagre da Vida, a beleza da Natureza, e ao mesmo tempo alertar sobre os riscos à própria sobrevivência do ser humano se o ambiente continuar a ser degradado, poluído, desrespeitado, visto como obstáculo aos nossos desejos.

Naquela conferência, a ONU estabeleceu uma Declaração sobre o Ambiente Humano, com 26 princípios, e um Plano de Ações que deveriam orientar as atitudes humanas, as atividades econômicas e as políticas de forma a garantir maior proteção ambiental. A realização da Conferência da ONU foi motivada pelos problemas ambientais que ganhavam cada vez mais destaque nos anos 60, mas que continuam a afetar a integridade das pessoas e dos demais seres vivos.

De fato, nosso querido planeta Terra anda passando por maus pedaços... Rios poluídos, fumaças e substâncias tóxicas sendo jogadas no ar, devastação de florestas, alimentos contaminados por agrotóxicos, extinção de espécies animais e vegetais, aquecimento global em função da emissão de gases resultantes do uso excessivo de combustíveis fósseis e do desmatamento... Associado a tudo isso existem milhões de seres humanos passando fome, sem ter moradias ou saneamento em condições adequadas, sofrendo com as injustas situações do “desenvolvimento”. Os processos associados a tanta degradação ambiental e social, formas “discretas” de guerra, insegurança e violência, acentuaram-se nas últimas décadas na medida em que limites ecológicos, culturais e éticos foram menosprezados em favor da materialização e da mercantilização da Vida. É, a Vida nesse planeta que ESTÁ EM PERIGO!

Tais problemas estavam e estão vinculados às características com que diferentes países e grupos humanos buscam para atender suas necessidades e desejos, sua busca por sobrevivência e qualidade de vida. É comum denominar essa busca como desenvolvimento ou busca pelo progresso. Entretanto, a continuidade e o agravamento dos problemas ambientais, da pobreza, da violência, entre outros desafios mundiais estão vinculados a estilos, tecnologias e sistemas econômicos de desenvolvimento que privilegiaram o uso ilimitado de recursos naturais, a concentração de renda, o acumulo material. O mundo globalizado caminha no sentido de “padronizar” formas de consumo que demandam alto uso de energia e recursos naturais, que vão sendo esgotados na medida em que se “consome” tudo que a diversidade da natureza apresenta.

Em 1992, foi realizada a Conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento no Rio de Janeiro, conhecida como Rio-92. Foi uma tentativa de analisar porque o plano e a declaração de Estocolmo não tinham surtido o efeito de proteção do meio ambiente como se esperava.

Uma conclusão de consenso entre os representantes de mais de 170 países e vinte mil participantes dos eventos, inclusive do Fórum Global-92, conjunto de eventos paralelos que reuniram 20.000 pessoas de todo o mundo: é preciso rever o conceito de progresso, de desenvolvimento.

Desde então disseminou-se a noção do desenvolvimento sustentável, ou seja processos que permitam a sociedade humana atender suas necessidades de alimentação, habitação, saúde, educação, etc sem prejudicar a integridade e o funcionamento do ambiente. Isso exige também a visão de que o ambiente não é obstáculo ou meramente a “fonte” de recursos naturais; enfim, exige uma atitude de cuidar do ambiente por ser esse fonte de bens (água, madeira, fibras, plantas medicinais ),mas também por abrigar outras espécies vivas, e que tudo isso depende também do funcionamento adequado dos serviços ambientais (por exemplo a circulação de águas, o sistema climático e a produção de oxigênio, para os quais a presença de vegetação é fundamental; a biodiversidade, etc).

Cuidar do ambiente implica tanto em preservar (evitar qualquer interferência humana) como conservar (ter uma atitude responsável, ao usar o ambiente de forma que o mesmo mantenha a capacidade de se “regenerar” e sem perder a sua vitalidade e diversidade de espécies). Cuidar das áreas de mananciais ou de Mata Atlântica, por exemplo, é importante tanto para garantir águas para todos como para proporcionar, para a população local condições dignas de qualidade de vida e emprego em atividades de ecoturismo, de usos sustentáveis de bens florestais (flores, plantas medicinais, aromáticas, apicultura, por exemplo). Significa encontrar formas e áreas de preservação, conservação e desenvolvimento sustentável.

A Constituição brasileira, em seu artigo 225, diz que todos têm o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, essencial à sadia qualidade de vida, cabendo a todos e ao Poder Público o dever de preserva-lo e defendê-lo para as presentes e futuras gerações.

Nossos direitos e nossos deveres são importantes demais para que sejam lembrados ou celebrados somente em determinado dia do ano. Cuidar da vida e exercer nossas obrigações e direitos, zelando para que os ambientes naturais, rurais e urbanos possam ser fonte de saúde, de emprego, de qualidade de vida são questões para os 365 dias de cada ano de nossas vidas.

Fonte: www.vitaecivilis.org.br

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

Podemos considerar o meio ambiente como nosso país, nossa cidade, nosso bairro. É onde moramos (planeta Terra).

É a soma de tudo o que é matéria e energia de um lugar.

Freqüentemente, as interferências dos seres vivos provocam alterações no meio ambiente.

Essas interferências são causadas muitas vezes pelo ser humano e, por vezes, são irreversíveis. Todos os seres vivos dependem uns dos outros e dos recursos naturais que o planeta proporciona. Água, ar e solo são elementos essenciais para a manutenção da vida na Terra.

A água é indispensável para o surgimento da vida no planeta e é fundamental para a sobrevivência de todos os seres vivos. Ocupa três quartos da superfície terrestre, sendo que a maior parte é salgada, encontrada em mares e oceanos. Apenas 1% da água do planeta é considerada aproveitável para o consumo da grande maioria dos seres vivos. Por isso, há uma preocupação muito grande com a poluição e o desperdício da água.

O ar puro não tem cheiro, gosto ou cor e também não tem forma. Mas, mesmo assim, sabemos que ele é essencial para a respiração de todos os seres vivos.

Podemos perceber a presença do ar ao nosso redor de várias maneiras, seja pelo movimento do ar (vento), seja pela respiração dos peixes debaixo d'água. O ar é uma mistura de vários gases, entre eles o oxigênio. É tão importante que sua ausência provoca a morte.

O solo é a camada mais superficial da crosta terrestre e é formado ao longo de muitos anos pela interação entre as rochas, a água, a atmosfera e os seres vivos. É nele que as plantas se fixam e crescem, que os animais se locomovem e é dele que todos os seres vivos retiram materiais necessários à vida.

Fonte: www.ftd.com.br

Dia Mundial do Meio Ambiente

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

Você sabe por que comemoramos o Dia Mundial do Meio Ambiente na Primeira semana de junho?

Se ainda não conhece, leia o texto abaixo:

O Dia Mundial do Meio Ambiente foi designado pela Assembléia Geral das Nações Unidas com ointuito de sensibilizar a opinião pública para a necessidade de se proteger e valorizar o ambiente.

Tal data foi assim designada em recordação ao dia de abertura da Conferência das Nações Unidassobre o Meio Humano, também conhecida como Conferência de Estocolmo, realizada na cidade de Estocolmo, em 5 de junho de 1972.

A reunião foi realizada entre os dias 5 a 15 de junho de 1972.

Na Conferência, a Organização das Nações Unidas firmou uma Declaração sobre o AmbienteHumano, com 23 princípios e um Plano de Ação, a fim de inspirar e orientar a humanidade para apreservação e melhoria do ambiente humano.

Hoje, muitas pessoas e organizações se reúnem e promovem atividades no dia ou na semana domeio ambiente, como forma de homenagear a natureza, mas também como um alerta aos problemasambientais de origem antrópica

Fonte: www.slideshare.net

Dia Mundial do Meio Ambiente

 

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

Mares e Oceanos, Procura-se: Vivos ou Mortos?

CINQÜENTA DADOS FUNDAMENTAIS SOBRE OS MARES E OCEANOS

Os oceanos cobrem 70 por cento da superfície da Terra.
Mais de 90 por cento da biomassa viva do planeta encontra-se nos oceanos.
Oitenta por cento de toda poluição marítima e oceânica deriva de atividades terrestres.
Quarenta por cento da população mundial vive a 60 quilômetros do litoral.
Três-quartos das megalópolis do mundo são localizadas à beira-mar.
Por voltas de 2010 oitenta por cento da população mundial estará vivendo na faixa que vai até 100 quilômetros de algum litoral.
Mortes e doenças causadas por águas litorâneas poluídas custam anualmente 12,8 bilhões de dólares à economia global. Só o impacto econômico da hepatite viral contraída pela ingestão de frutos-do-mar poluídos é de 7,2 milhões de dólares anuais.
Lixo de plásticos mata um milhão de pássaros marítimos, cem mil mamíferos marinhos e um incontável número de peixes, todos os anos.
As criaturas marinhas mortas pelo lixo de plásticos acabam se decompondo, mas não o lixo de plásticos, que permanece nos eco-sistemas para continuar matando mais e mais.
O perigoso alastramento de algas marinhas causado pelo excesso de nutrientes — sobretudo o nitrogênio dos fertilizantes agrícolas — já causaram em todo o mundo 150 “zonas litorâneas mortas” por desoxigenação, cujas dimensões variam de mil a 70 mil quilômetros cada uma.
Estima-se que 21 milhões de barrís de petróleo sejam despejados por ano nos oceanos causado pelo escoamento das ruas, pelos descarregamentos industriais, e pelos derramamentos de navios petroleiros e plataformas oceânicas.
Somente na última década, uma média de 600 mil barrís de petróleo tem sido acidentalmente derramada por navios, o equivalente a 12 desastres ecológicos como aquele causado pelo petroleiro Prestige em dezembro de 2002, na costa da Espanha.
Sessenta por cento do petróleo consumido em todo o mundo é transportado por navios petroleiros (um volume de aproximadamente 2 mil milhões de toneladas).
Mais de 90 por cento do transporte de bens comerciais entre os países é feita de navio.
Todos os anos, 10 bilhões de toneladas de “água de lastro de navegação” (cada navio precisa armazenar milhões de galões para manter seu equilíbrio) costumam ser carregadas em um lugar e despejadas em outro, ao redor do mundo, com efeito contaminador.
Essa “água de lastro” costuma conter organismos alienígenas — tais como o “mexilhão zebra” e as “águas-vivas” que se alastra pelo novo ambiente em detrimento das espécies biológicas nativas e das economias locais.
A poluição, as espécies alienígenas, e a alteração dos habitats marinhos constituem uma crescente ameaça a importantes eco-sistemas marítimos tais como os mangues, as camadas de seagrass (fibra vegetal marinha semelhante ao sisal) e os recifes de coral.
Recifes tropicais se estendem ao longo do litoral de 109 países que são, na maioria, os menos desenvolvidos do mundo. Uma significativa degradação dos recifes coralinos (e das espécies deles dependentes) foi observada em 93 desses países.
Embora os recifes de coral ocupem menos de 0.5% do fundo dos oceanos, estima-se que mais de 90 por cento de todas as espécies marinhas dependem deles para sobreviver, direta ou indiretamente.
Há cerca de 4 mil espécies de peixes dependentes dos corais em todo o mundo, somando aproximadamente um quarto de todas as espécies de peixes do mar.
A Grande Barreira de Corais (na costa da Austrália), medindo 2 mil quilômetros de comprimento, é a maior estrutura singular viva do planeta, visível da Lua, a olho nu.
Os recifes protegem as populações litorâneas do impacto das ondas das tempestades marítimas.
Quase 60 por cento dos recifes ainda existentes encontram-se em grande risco de se tornarem extintos dentro de trinta anos.
A maior causa de deterioração dos recifes de coral são: o desenvolvimento da costa, a sedimentação, práticas pesqueiras predatórias, poluição, turismo e o efeito-estufa global.
Mudanças de clima ameaçam destruir a maioria dos recifes de coral do mundo, e conseqüentemente, de arrasar as frágeis economias dos Estados em desenvolvimento nas pequenas ilhas.
Em média, o nível da água do mar subiu de 10 a 25 centímetros nos últimos 100 anos. Se toda a capa de gelo dos polos se derreter por completo, o nível subirá para 66 metros.
Houve um recesso de 60 por cento na linha das costas banhadas pelo Oceano Pacífico e de 35 por cento no Atlântico.
O fenômeno do branqueamento dos corais é uma das maiores ameaças à vida dos mesmos. Em 1998, constatou-se que 75 por cento dos recifes do mundo haviam sido afetados por esse mal. Dezesseis por cento deles já estão extintos.
O Plano de Implementação adotado durante a Cúpula Mundial pelo Desenvolvimento Sustentável (WSSD) exige que seja feita uma avaliação marítima global em 2004 e que seja instituída uma rede global de áreas marinhas protegidas até 2012.
Somente menos de meio por cento dos habitats marinhos são protegidos, comparando-se com 11,5 por cento da superfície de terra firme globalmente protegida.
O Alto Mar — isto é, as áreas oceânicas além de qualquer jurisdição nacional — cobrem quase 50 por cento da superfície terrestre e são a parte menos protegida do planeta.
Apesar de haver alguns tratados protetores das espécies oceânicas tais como as baleias, além de alguns acordos da indústria da pesca, não existem áreas protegidas em Alto Mar.
Estudos demonstram que proteger alguns habitats marinhos fundamentais — tais como recifes de coral tanto de água fria quanto de água quente, camadas de seagrass, e mangues — pode causar um estimulante crescimento do tamanho e da quantidade dos peixes, o que beneficiaria tanto a indústria pesqueira comercial quanto a artesanal.
Noventa por cento dos pescadores do mundo operam a nível caseiro e local, ou seja, mais da metade da pesca global.
Noventa e cinco por cento da pesca mundial (80 milhões de peixe) é feita em águas costeiras.
Mais de 3,5 bilhões de pessoas dependem do oceano como sua principal fonte de alimentação. Dentro de 20 anos esse número poderá dobrar para 7 bilhões.
Comunidades pesqueiras artesanais, que colhem a metade da pesca mundial, têm denunciado uma crescente ameaça à própria subsistência devido a frotas comerciais ilegais, irregulares ou subsidiadas.
Mais de 70 por cento das companhias pesqueiras do mundo estão atualmente atingindo ou mesmo ultrapassando o limite sustentável da pesca.
As reservas de peixe de grande porte comercialmente cobiçados como o atum, o bacalhau, o peixe-espada e o marlim declinaram até 90 por cento nos últimos cem anos.
Os governos nacionais presentes durante a Cúpula Mundial pelo Desenvolvimento Sustentável (WSSD) chegaram ao acordo, de modo urgente e onde for possível, de manter ou restaurar até 2015 as reservas esgotadas de espécies de peixes capazes de propiciar a máxima produção sustentável.
O Plano de Implementação da Cúpula Mundial pelo Desenvolvimento Sustentável requer a eliminação de subsídios a práticas predatórias causadores da pesca desregulada, ilegal e não-relatada.
Subsídios governamentais — estimados entre 15 e 20 bilhões de dólares por ano — atingem o montante de quase 20 por cento da renda proveniente da indústria pesqueira mundial, encorajando a pesca desenfreada e promovendo excessos da quantidade pescada.
Práticas predatórias de pesca têm exterminado centenas de milhares de espécies a cada ano, contribuindo à destruição de importantes habitats submarinos.
Cada ano, a pesca de espinhel de fundo, que envolve espinhéis principais de cabo-de-aço com linhas secundárias de náilon de 80 milhas de comprimento lançando 4 mil anzóis por dia, mata mais de 300 mil pássaros marinhos incluindo-se 100 mil albatrozes.
Cem milhões de tubarões são mortos todos os anos pelo valor de sua carne e das suas barbatanas que são usadas para fazer sopa. As barbatanas são cortadas de tubarões vivos que são devolvidos ao mar, sangrando até morrer.
A captura acessória de espécies que não são o alvo principal de uma pescaria, (“by-catch”) é uma prática não-intencional causada pelo uso de equipamento inapropriado — tais como as “redes de arrasto”, a “pesca de espinhel de fundo” e as “redes de emalhe” — , que chega a 20 milhões de toneladas por ano, sendo normalmente descartada no mar.
A mortalidade anual mundial de pequenas baleias capturadas como “by-catch”, bem como delfins e toninhas (marsopas), é estimada em 300 mil animais individuais.
A pesca de camarão natural representa somente 2 por cento de todos os frutos de mar recolhidos, mas os camarões constituem um terço do que é capturado como “by-catch”.
Mesmo a indústria do camarão marinho cultivado é altamente predatória por causar a poluição das águas por fertilizantes químicos, responsável pelo extermínio da vida em um quarto dos mangues de todo o mundo.
Os mangues são os viveiros naturais de 85 por cento das espécies de peixe tropical comercialmente cobiçadas.

Fonte: www.franciscansisters.org

Dia Mundial do Meio Ambiente

 

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

HISTÓRICO SOBRE O DIA DO MEIO AMBIENTE

O Dia Mundial do Meio Ambiente é comemorado em 5 de junho. A data foi recomendada pela Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, realizada em 1972, em Estocolmo, na Suécia. Por meio do decreto 86.028, de 27 de maio de 1981, o governo brasileiro também decretou no território nacional a Semana Nacional do Meio Ambiente.

O QUE NÃO FAZER

A esposa de um fazendeiro detestava cobras. Um dia, suplicou ao marido que desse um fim às peçonhentas. O homem, não querendo contrariá-la, prontamente determinou o extermínio de todo e qualquer vestígio de ofídios na fazenda. O que foi feito.

A colheita seguinte não rendeu um décimo da anterior. Em sonho, desesperado, suplicou a Deus que o perdoasse. Imaginava que aquela miséria de safra era castigo divino por ter dado fim aos animais.

Também em sonho, o Criador lhe respondia:

“Não o castiguei, nem perdoei. Apenas, deixei que a natureza seguisse seu curso”.

Ora, o curso natural é simples: cobras engolem sapos. Sem elas, os sapos aumentam em número. E, sapos engolem insetos. Assim, quanto mais sapos, menos insetos. Diversos insetos são polinizadores e, sem eles, há plantas que não se reproduzem.

Moral da história: menos cobra, menos safra! Assim funciona o mundo natural.

O que tem a ver cobra com safra? Tudo! Em verdade, tudo tem a ver com tudo. Entretanto, a humanidade não pensa dessa forma. Primeiro, acredita que a natureza é infinita, com recursos inesgotáveis. Segundo, imagina que existem espécies úteis e outras completamente inúteis. Terceiro, conclui que, entre as espécies úteis, os humanos são mais úteis que as outras.

O século XX foi saudado como a era em que a tecnologia e o progresso industrial seriam capazes de satisfazer as necessidades materiais, restabelecer a paz social, reduzir as desigualdades.

Nos últimos 50 anos, a produção mundial de grãos triplicou, a quantidade de terras irrigadas para a agricultura duplicou, o número de automóveis passou de 500 milhões, o mesmo acontecendo a televisores, geladeiras, chuveiros elétricos, lavadoras, secadoras, computadores, celulares, microondas, fax, videocassetes, CDs, parabólicas, isopor, descartáveis, transgênicos e outras invenções. As riquezas produzidas, nesse período, quintuplicaram.

Mas, também nos últimos 50 anos, o mundo perdeu 20% de suas terras férteis e 20% de suas florestas tropicais, com milhares de espécies ainda nem conhecidas. O nível de gás carbônico aumentou 13%, foram destruídas 3% da camada de ozônio, toneladas de materiais radioativos foram despejadas na atmosfera e nos solos, os desertos aumentaram, rios e lagos morreram por causa da chuva ácida ou de esgotos domésticos e industriais.

Maravilha-nos esse progresso, mas as gerações futuras talvez lamentem o quanto se destruiu para isso. Enquanto hoje o ser humano tem mais bens, é mais pobre em recursos naturais. A tecnologia nos dá a falsa impressão de que estamos no controle. Por isso, é bonito ser moderno. Feio é ser natural.

Porém, a tecnologia é ruim quando nos afasta da natureza. Só mudaremos isso quando nos reaproximarmos do mundo natural. Afinal, embora uns ainda não aceitem, o homem é natureza.

Hoje é o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Não há data melhor para começar aquilo que o resto das espécies vivas esperam que façamos. Afinal, o que não fazer, já sabemos desde há muito. Vamos começar! O mundo será, com certeza, melhor.

Fonte: www.velhosamigos.com.br

Dia Mundial do Meio Ambiente

5 de junho

"Nós não herdamos a terra de nossos pais, mas a pegamos de empréstimo de nossos filhos." Henry Brown

A questão ambiental é uma realidade que chegou definitivamente às empresas modernas. Deixou de ser um assunto de ambientalistas "eco-chatos" ou de românticos, para se converter em SGA (Sistema de Gestão Ambiental), PGA (Programa de Gestão Ambiental), ISO 14.001 e outras siglas herméticas. E não se trata de um tardio despertar de consciência ecológica dos empresários e gerentes, mas uma estratégia de negócio, por que pode significar vantagens competitivas ao promover a melhoria contínua dos resultados ambientais da Empresa; minimizar os impactos ambientais de suas atividades; tornar todas as operações tão ecologicamente corretas quanto possível. Com isso, a empresa ecológica estará se antecipando às auditorias ambientais públicas além de promover a redução de custos e riscos com a melhoria de processos e a racionalização de consumo de matérias-primas; diminuição do consumo de energia e água e redução de riscos de multas e responsabilização por danos ambientais.

O problema é que, segundo pesquisa da Symnetics, com empresas de faturamento entre R$ 200 milhões e R$ 500 milhões, planos estratégicos da empresa, como a Política Ambiental, acaba ficando mais na cabeça da alta administração, que não consegue passar o recado para os seus subordinados. E até mesmo na alta administração das companhias, há quem não saiba traduzir a mensagem do Presidente. A pesquisa apontou que 5% da alta administração não sabe qual a visão de futuro da empresa. Descendo na estrutura hierárquica, a miopia se acentua. O estudo indica que 14% da média gerência sequer entende o planejamento da empresa e 48% tem uma compreensão mediana. No nível operacional, a situação é ainda pior. A pesquisa constatou que 38% dos operários não têm idéia de quais sejam as metas futuras da organização e 43% têm uma vaga idéia do que se trata.

A solução é investir em programas de conscientização e sensibilização dos funcionários para as políticas da empresa, especialmente a ambiental, já que consciência ambiental não se dá por portaria ou de cima para baixo, mas de dentro para fora. Neste sentido, não basta implantar uma boa Política Ambiental ou obter a ISO 14.001. É preciso, antes, estimular e sensibilizar os funcionários, prestadores de serviços e fornecedores a desejarem "ecologizar" o trabalho, não por que a direção da empresa quer ou determinou, mas por que a adoção de princípios ambientais pode ser uma oportunidade para que os trabalhadores possam dar uma contribuição concreta, em seu próprio ambiente de trabalho, para a melhoria das condições do Planeta. Mais que uma exigência da Direção, portanto, é uma oportunidade da qual os trabalhadores poderão se orgulhar junto a sua família e à comunidade, ao se revelarem os resultados positivos do trabalho ambiental desenvolvido na empresa. Neste sentido, vale a pena todo o esforço da Empresa para sensibilizar e mobilizar seus funcionários, tais como palestras com ambientalistas, distribuição gratuita de assinaturas de jornais especializados em meio ambiente, encontros com escritores para autógrafos a livros com tema ambiental, distribuição de boletins por intranet ou fotocópia com informações sobre a Política de Gestão Ambiental, entre outras iniciativas. Uma delas pode ser a distribuição dos Dez Mandamentos Ambientais.

Nossa espécie tem usado mais a capacidade de modificar o meio ambiente para piorar as coisas que para melhorar. Agora precisamos fazer o contrário, para nossa própria sobrevivência. Reveja seu dia-a-dia e tome as atitudes ecológicas que julgar mais corretas e adequadas. Não espere que alguém venha fazer isso por você. Faça você mesmo.

1- - Estabeleça princípios ambientalistas

Estabeleça compromissos, padrões ambientais que incluam metas possíveis de serem alcançadas.

2 - Faça uma investigação de recursos e processos

Verifique os recursos utilizados e o resíduo gerado. Confira se há desperdício de matéria-prima e até mesmo de esforço humano. A meta será encontrar meios para reduzir o uso de recursos e o desperdício.

3 - Estabeleça uma política ecológica de compras

Priorize a compra de produtos ambientalmente corretos.

Existem certos produtos que não se degradam na natureza. Procure certificar-se, ao comprar estes produtos, de que são biodegradáveis. Procure por produtos que sejam mais duráveis, de melhor qualidade, recicláveis ou que possam ser reutilizáveis. Evite produtos descartáveis não reciclados como canetas, utensílios para consumo de alimentos, copos de papel, etc.

4 - Incentive seus colegas

Fale com todos a sua volta sobre a importância de agirem de forma ambientalmente correta. Sugira e participe de programas de incentivo como a nomeação periódica de um 'campeão ambiental' para aqueles que se destacam na busca de formas alternativas de combate ao desperdício e práticas poluentes.

5 - Não Desperdice

Ajude a implantar e participe da coleta seletiva de lixo. Você estará contribuindo para poupar os recursos naturais, aumentar a vida útil dos depósitos de lixo, diminuir a poluição. Investigue desperdício com energia e água. Localize e repare os vazamentos de torneiras. Desligue lâmpadas e equipamentos quando não estiver utilizando. Mantenha os filtros do sistema de ar-condicionado e ventilação sempre limpos para evitar desperdício de energia elétrica.

Use os dois lados do papel, prefira o e-mail ao invés de imprimir cópias e guarde seus documentos em disquetes, substituindo o uso do papel ao máximo.

Promova o uso de transporte alternativo ou solidário, como planejar um rodízio de automóveis para que as pessoas viajem juntas ou para que usem bicicletas, transporte público ou mesmo caminhem para o trabalho. Considere o trabalho à distância, quando apropriado, permitindo que funcionários trabalhem em suas casas pelo menos um dia na semana utilizando correio eletrônico, linhas extras de telefone e outras tecnologias de baixo custo para permitir que os funcionários se comuniquem de suas residências com o trabalho.

6 - Evite Poluir Seu Meio Ambiente

Faça uma avaliação criteriosa e identifique as possibilidades de diminuir o uso de produtos tóxicos. Converse com fornecedores sobre alternativas para a substituição de solventes, tintas e outros produtos tóxicos. Faça um plano de descarte, incluindo até o que não aparenta ser prejudicial como pilhas e baterias, cartuchos de tintas de impressoras, etc. Faça a regulagem do motor dos veículos regularmente e mantenha a pressão dos pneus nos níveis recomendáveis.

Assegure-se que o óleo dos veículos está sendo descartado da maneira correta pelos mecânicos.

7 – Evite riscos

Verifique cuidadosamente todas as possibilidades de riscos de acidentes ambientais e tome a iniciativa ou participe do esforço para minimizar seus efeitos. Não espere acontecer um problema para só aí se preparar para resolver. Participe de treinamentos e da preparação para emergências.

8 - Anote seus resultados

Registre cuidadosamente suas metas ambientais e os resultados alcançados. Isso ajuda não só que você se mantenha estimulado como permite avaliar as vantagens das medidas ambientais adotadas.

9 – Comunique-se

No caso de problemas que possam prejudicar seu vizinho ou outras pessoas, tome a iniciativa de informar em tempo hábil para que possam minimizar prejuízos. Busque manter uma atitude de diálogo com o outro.

10 - Arranje tempo para o trabalho voluntário

Não adianta você ficar só estudando e conhecendo mais sobre a natureza. É preciso combinar estudo e reflexão com ação. Considere a possibilidade de dedicar uma parte do seu tempo, habilidade e talento para o trabalho voluntário ambiental a fim de fazer a diferença dando uma contribuição concreta e efetiva para a melhoria da vida do planeta. Você pode, por exemplo, cuidar de uma árvore, organizar e participar de mutirões ecológicos de limpeza e recuperação de ecossistemas e áreas de preservação degradados, resgatar e recuperar animais atingidos por acidentes ecológicos ou mesmo abandonados na rua, redigir um projeto que permita obter recursos para a manutenção de um parque ou mesmo para viabilizar uma solução para problema ambiental, fazer palestras em escolas, etc.

Vilmar Berna

Fonte: www.redeambiente.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal