Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia Mundial do Enfermo  Voltar

Dia Mundial do Enfermo

11 de Fevereiro

A IGREJA CATÓLICA E O DIA MUNDIAL DE ORAÇÕES PELOS ENFERMOS

O Dia Mundial de orações pelos enfermos merece uma moldura especial e nada mais próprio para essa celebração do que as palavras de duas figuras eminentes da nossa Igreja .

Quem ama verdadeiramente o próximo deve fazer-lhe bem ao corpo tanto como à alma, e isso não consiste apenas em acompanhar os outros ao médico, mas também em cuidar de que não lhes falte alimentação, bebida, roupa, moradia, e em proteger-lhes o corpo contra tudo que possa prejudicá-lo... São misericordiosos os que usam de delicadeza e humanidade quando proporcionam aos outros o necessário para resistirem aos males e às dores. (cf. Santo Agostinho, Sobre os costumes da Igreja Católica, 1, 28,56).

A doença não só é útil aos outros, como também lhes presta um serviço insubstituível. No Corpo de Cristo (...) o sofrimento impregnado do espírito de sacrifício de Cristo é o mediador insubstituível e o autor dos bens indispensáveis à salvação do mundo. Mais do que qualquer outra coisa, é o sofrimento que abre o caminho à graça que transforma as almas humanas.

Mais do que qualquer outra coisa, é ele que torna presentes na história da humanidade as forças da Redenção. (cf. João Paulo II, Carta Apostólica Salvificis doloris, 11-II-1984, 27).

Creio que com estas duas citações pode-se emoldurar ricamente esta comemoração. Nelas encontramos as principais linhas de ação da Igreja no campo da saúde e da pastoral com os enfermos.

Como afirma o Santo Bispo de Hipona existe uma linha prioritária que nunca a Igreja abandonou ao longo desses vinte e um séculos da sua história: a da misericórdia.

Tenho misericórdia dessa multidão. (Mc. VIII,2; MT. XV, 32).

Aquela multidão O acompanha apenas há três dias. Há no coração humano de Jesus Cristo uma linha diretriz dos seus sentimentos e até mesmo dos seus sentidos corporais, que é, precisamente, a misericórdia, a compaixão, o pesar que despertava nele a dor, o mal presente na vida do outro. Em Cristo o que nunca se encontrou nunca se encontrará, mesmo se se buscar com muitíssima atenção era uma metodologia ou uma técnica de aproximação, de comunicação.

Por quê Santo Agostinho destaca esta linha da misericórdia e até menciona os seus elementos constitutivos? Pelo conteúdo da citação feita pode-se intuir que na sua época como na atual existia o risco de um atendimento aos enfermos pautado apenas por uns costumes bons: acompanhar ao médico, cuidar da alimentação, da roupa, da bebida, da moradia. Costumes necessários, mas não característicos dos costumes profundos da Igreja Católica: fazer-lhes bem ao corpo tanto como à alma... São misericordiosos os que usam de delicadeza e de humanidade....

A visão integral da pessoa enferma e o modo de se viver a misericórdia, a compaixão, existentes no Coração de Cristo exige dos cristãos qualidades humanas que realmente sejam refletoras de uma interioridade semelhante à de Cristo!
Na verdade, o que interessa para o Corpo Místico de Cristo são homens e mulheres realmente identificados com Jesus Cristo, senão o risco de restringir-se só aos bons costumes e das técnicas pastorais bem aplicadas não é tão remoto assim.

Ainda que seja óbvio dizer, quando um homem e uma mulher ficam doentes, seguem sendo pessoas. O ingresso num centro médico não lhes converte num simples número de uma história clínica ou num simples objetivo pastoral de um ministério eclesiástico ou eclesial.

Pela enfermidade que se padece não se perde a sua identidade pessoal, nem se deixa de ser alguém para se converter em algo. Toda a pessoa fica afetada pela doença que tem. Daí que a atenção ao enfermo dado pela Igreja compreende as diversas dimensões humanas: biológica, psicológica, cultural, espiritual e religiosa (médicos e enfermeiras católicos).

O enfermo deve ser ajudado a reencontrar não só o bem-estar físico, mas também o psicológico e moral. Isto supõe que o médico, junto à competência profissional, tenha uma postura de amorosa solicitude, inspirada na imagem evangélica do bom samaritano. O médico católico está chamado, perto de cada pessoa que sofre, a ser testemunha daqueles valores superiores que têm, na sua fé, o seu fundamento solidíssimo. (cf. Alocução, 7-VII-200 João Paulo II).

Seja num hospital público, seja numa clínica particular é muito raro atualmente ter um conhecimento integral da pessoa doente, uma vez que o enfermo é reconhecido por muita gente e não é conhecida por nenhuma gente.

A perspectiva da Igreja Católica da totalidade do ser humano, é procurar realmente o serviço da pessoa, da sua dignidade, daquilo que ela possui de mais transcendente e único: a sua santificação pessoal e a sua missão dentro da Igreja e do mundo.

A identificação com Cristo introduz duas atitudes bem características de um católico com os doentes: um respeito absoluto que merece todo enfermo e uma relação de diálogo sincero e caridoso.

Só assim é que a pessoa doente deixa de ser um anônimo sobre o qual se aplicam técnicas médicas e/ou pastorais, e passa a ser uma pessoa responsável dentro da sua doença e co-participante da sua melhora como pessoa enquanto está enfermo, isto é, deve ser levada às condições de poder escolher, de poder decidir pessoalmente sobre o seu projeto de vida, que não se anula enquanto sofre, e não ser simples espectador e paciente de decisões e escolhas que outros tomaram por ele.

Para concluir o raciocínio iniciado com as palavras de Santo Agostinho deve-se afirmar que a Igreja Católica defendeu sempre, e não mudará nessa sua atitude, que as pessoas enfermas são sujeitos livres na sua doença ao invés de serem apenas objeto de tratamentos ou de ministérios.

A relação médico-paciente e a relação ministro-enfermo devem converter-se num autêntico encontro de homens livres, onde existe uma confiança mútua e uma consciência. A delicadeza e a humanidade, o reconhecimento da pessoa como um ser humano merecedor de amor, de compreensão e de compaixão, devem ser complementados por uma causa superior às suas vidas limitadas.

Nesta altura convém penetrar no profundo sentido presente na citação da Carta Apostólica Salvificis doloris, n. 27 quando o Papa João Paulo II introduz esta causa ou ideal superior, que é a busca da transformação do sofrimento humano no espírito de sacrifício de Cristo.

Esta transformação parece difícil de realizar-se no mundo moderno porque este sofre de uma doença crônica, que se iniciou sob a capa da autonomia da razão humana e que se agravou com a emancipação e exaltação da liberdade humana. Os sinais e sintomas dessa enfermidade são cada vez mais evidentes para quem tem um bom olhar clínico: a desacralização do que é absoluto e a sacralização do que é relativo. Bento XVI antes de sua eleição denunciou a ditadura do relativismo com a consequente eclipse e esquecimento de Deus.

No campo das enfermidades isto se vê nitidamente: a vida humana e tudo que se relaciona com este dom divino (paternidade, maternidade, concepção, nascimento, morte, dor, deficiência,...) estão sendo catalogados como valores relativos até atingir o nível de descartável.

Recentemente num discurso à Cúria Romana (22-XII-2006) o Santo Padre Bento XVI fazia uma avaliação sintética de suas viagens apostólicas em 2006 e apontava os principais males que afligem o mundo e, sobretudo, a alma das pessoas que nele vivem. Num momento dessa sua análise fala da insegurança do homem de hoje a respeito do futuro: É admissível encaminhar alguém nesse futuro incerto? Definitivamente, ser homem é uma coisa boa?, e noutro trecho do seu discurso aponta a razão dessa insegurança: O grande problema do Ocidente é o esquecimento de Deus. É um esquecimento que se difunde. Todos os problemas particulares podem, em última instância, ser atribuídos a essa questão. (...) No excesso das coisas externas falta o núcleo que dá sentido a tudo e o reconduz à unidade. Falta até o fundamento da vida, a terra sobre a qual tudo isso pode estar e prosperar.

O sofrimento sem Deus, sem a contemplação de Cristo e de Cristo Crucificado, é o que amargura e enfraquece aqueles doentes que se tem diante dos olhos nos lares, nos hospitais, nas casas de repouso, etc... Os doentes, físicos e psíquicos, têm as suas etapas psicológicas e espirituais desenvolvendo-se, paralelamente, aos agentes ou causas das suas patologias e nem sempre é fácil reconhecê-las quando deles não se aproximam com o coração cheio de misericórdia e zelo ministerial.

Porém, acima desse reconhecimento, deve existir na Igreja Católica pessoas que se guiam por um convencimento inabalável. A pessoa humana é capax Dei, isto é, está ordenada por Deus e chamada, com a sua alma e o seu corpo, à bem-aventurança eterna (Catecismo da Igreja Católica, 358). Cada pessoa, mesmo no seu sofrimento, é capaz de encontrar-se com o Cristo do Tabor quando está com o Cristo do Calvário.

Isto é o que pretendia dizer-nos o saudoso Papa João Paulo II na sua Carta Salvifiis doloris, n. 27 o espírito de sacrifício de Cristo tem o seu porquê, o seu sentido redentor, transformador, santificador, e é com este espírito que a Igreja pretende abrir o espírito, a alma dos enfermos que serve com o seu ministério.

A dor transforma as almas humanas, confere-lhe a força da Redenção, quando um católico sabe conduzir os enfermos pelos caminhos da sua santificação e da sua missão eclesial e social. Para enfrentar-se e transformar-se com as doenças é preciso procurar, através delas, alguma coisa que não se identifique com o sofrimento, ou seja, algo que as transcenda: a causa pela qual se sofre. O sentido pleno do sofrimento do doente é o sacrifício, o sacrum facere, o surgimento do sagrado, do permanente, do absoluto, no meio do relativo, o transitório, que pretende estabelecer-se através dessa ditadura do relativismo.

O motivo e a finalidade redentores devem ser dados por qualquer batizado que sente-se responsável por lembrar Deus num mundo secularizado e desacralizado.

Talvez seja este o sentido último daquelas palavras de Dostoievsky: Temo apenas uma coisa: não ser digno da minha dor. Esta é uma grande verdade que nos faz pensar em Deus: só o sacrifício de Cristo, ao qual se unem, livremente, as dores e sofrimentos humanos, é capaz de revelar a altura, a largura, a profundidade, a grandeza de uma vida interior pessoal.

Se a vida tem uma dimensão e um sentido sagrado, também a dor e o sofrimento de um enfermo necessariamente o tem. O modo como uma pessoa relaciona-se com a sua doença, considerando-a como um sacrifício agradável a Deus , - tome a sua cruz de cada dia e siga-me, disse Jesus Cristo ao jovem rico abre-lhe todo um mundo de possibilidades de transformar a vida em algo de valioso e compreensível.

A doença, portanto, é dada ao ser humano como um trabalho de Deus e cada enfermo se bem orientado encontra-se com a responsabilidade do que fazer com tal labor. Se ele não é livre para escolher a doença, é totalmente livre para escolher qual será a sua atitude diante dela.

D. Antonio Duarte

Fonte: www.cnbb.org.br

Dia Mundial do Enfermo

11 de Fevereiro

Seu principal objetivo é sensibilizar os governos e a sociedade civil para que os enfermos tenham a melhor assistência possível. A Igreja Católica também enfatiza a importância de ajudá-los a valorizarem o sofrimento em seu significado cristão de aproximação com Deus.

Dia Mundial do Enfermo

Outra intenção é defender a formação moral e espiritual dos agentes sanitários.
Uma cidade é escolhida a cada ano para a celebração da data na presença do Papa, em um dia de orações e incentivo ao envolvimento de todos.

Fonte: www.cidadaopg.sp.gov.br

Dia Mundial do Enfermo

11 de Fevereiro

Há 150 anos atrás, no dia 8 de dezembro de 1854, o Bem-aventurado Pio IX, pela bula Ineffabilis Deus, declarou revelado pelo Senhor o dogma de ter sido a beatíssima Virgem Maria preservada, em previsão dos méritos de Jesus Cristo, de toda mancha do pecado original, desde o primeiro instante de sua concepção. A 11 de fevereiro de 1858, ocorreu em Lourdes, na França, a célebre aparição da Virgem que declarou: Sou a Imaculada Conceição.

Essa localidade veio a se transformar em Santuário, um dos mais importantes centros de peregrinação em todo o mundo. São milhões as pessoas que ali buscam a saúde do corpo e da alma. A celebração litúrgica dessa ocorrência acontece a 11 de fevereiro. No mesmo dia se celebra a Jornada Mundial do Enfermo, instituída em 1993 pelo Papa João Paulo II.

Em rodízio, é escolhido o local em um dos cinco Continentes. Em 2004, será Lourdes o centro para a solenidade mundial das celebrações e, evidentemente, ocorrerá algo de semelhante em inúmeras dioceses e paróquias. O Santo Padre enviou uma Mensagem ao Presidente do Conselho Pontifício para a Pastoral no Campo da Saúde, Monsenhor Javier Cardeal Lozano Barragán, que presidirá as comemorações.

Nesse documento, o Papa, no exercício de seu Magistério para a Igreja em todo o universo, aborda diversos aspectos doutrinais e pastorais, relacionados com o enfermo. Diz ele: Maria é a Mãe carinhosa que sai ao encontro das expectativas de seus filhos, obtendo para eles a saúde da alma e do corpo. Esta é a Mensagem que o Santuário de Lourdes apresenta constantemente a devotos e peregrinos.

Desde a aparição a Bernadette Soubirous, Nossa Senhora tem atendido a muitos que pedem a saúde do corpo. Contudo, afirma o Papa: realizou prodígios muito mais surpreendentes no espírito dos fiéis, abrindo-lhes o encontro com seu Filho, Jesus, resposta autêntica às expectativas mais profundas do coração humano. E acrescenta adiante: quando não alcançam o dom da saúde corporal, podem receber sempre o bem muito mais importante: a conversão do coração, fonte da paz e alegria interior.

O Santo Padre trata, nesta oportunidade, do sofrimento humano, assunto de sua Carta Apostólica Salvifici Doloris" sobre seu sentido cristão, onde observa que a dor pertence à vicissitude histórica do homem, que tem que aprender a aceitá-la e a superá-la. Aliás, João Paulo II dá ao mundo inteiro, extraordinário exemplo ao suportar, com paciência e resignação, a enfermidade que tanto o aflige. Assim, ele nos ensina que, na morte e ressurreição do Redentor, o sofrimento humano encontra seu significado mais profundo e seu valor salvífico.

O Inocente no Gólgota carregou as culpas de toda criatura e ressalta o Papa: Unido a Cristo, o sofrimento humano se converte em meio de salvação. Na Jornada Mundial do enfermo tenhamos diante de nós as palavras de São Paulo na Epístola aos Colossenses (1, 24): Agora eu me regozijo nos meus sofrimentos por vós e completo, na minha carne, o que falta das tribulações de Cristo pelo seu Corpo, que é a Igreja.

Embora seja superabundante a Redenção, Paulo se associa às dores por que passou Jesus. Nossas aflições, acolhidas com fé, se convertem numa porta para entrar no mistério redentor do Senhor. Maria, aos pés da Cruz, como o discípulo amado, realizou antecipadamente o que afirmaria São Paulo aos Colossenses.

Destaca ainda o Papa nesta sua Carta Apostólica: O Evangelho do sofrimento significa não apenas essa presença no Evangelho, como um dos temas da Boa Nova, mas também a revelação da força salvífica do sofrimento, na missão messiânica de Cristo e, em seguida, na missão e na vocação da Igreja. Cristo não escondia a seus ouvintes a necessidade de suportar a dor: Se alguém quer vir após mim (...) tome a sua cruz todos os dias e siga-me (Lc 9,23). São Paulo nos alerta em sua 2ª Carta a Timóteo (3,12): Todos aqueles que querem viver piedosamente em Jesus Cristo serão perseguidos.

Antes de terminar sua Mensagem para a Jornada Mundial do enfermo em 2004, o Papa trata de um assunto da maior oportunidade. Refiro-me ao que está englobado na expressão engenharia genética. Dada a complexidade da matéria, vastos horizontes se abrem às soluções até há pouco desconhecidas.

A ânsia pelo seu uso imediato não pode obscurecer o aspecto moral, que é o preço, mesmo elevado, a ser pago. Acresce o escândalo de católicos ao desrespeitar o Magistério Eclesiástico, e se alistar na campanha da morte de embriões em favor do bem-estar de enfermos.

A Doutrina da Igreja é clara: todo programa autêntico nesse campo não pode deixar de ser alentado, na condição de que respeite sempre o direito à dignidade da pessoa desde a concepção. Ninguém, de fato, pode aceitar a faculdade de destruir ou de manipular, de maneira indiscriminada, a vida do ser humano. Os agentes, no campo da Pastoral da Saúde, têm a tarefa específica de sensibilizar todos os que trabalham nesse delicado setor, para que se sintam comprometidos a colocar-se sempre a serviço da vida.

Prestarão severas contas a Deus, de modo particular os católicos, eclesiásticos ou leigos, que manipulam argumentos levando a conclusões errôneas e contrárias às diretrizes da Igreja nesta matéria.

Ao terminar seu documento, o Santo Padre confia à Virgem Santíssima todo cristão, para que possa testemunhar que a única resposta autêntica à dor e à morte é Cristo. Até ao final dos tempos o sofrimento será um companheiro inseparável do homem. Contudo, há profunda diferença entre uma perspectiva meramente humana e a união à Cruz do Redentor. A Jornada Mundial do enfermo é uma oportunidade para aliviar a dor e torná-la fecunda para esta e a outra vida.

D. Eugenio de Araújo Sales

Fonte: www.universocatolico.com.br

Dia Mundial do Enfermo

11 de Fevereiro

No dia 11 de fevereiro comemoramos o Dia Mundial do Enfermo. Por isso, considero oportuna uma reflexão sobre um dos pontos que mais suscita questionamentos entre as pessoas: o sofrimento. A dor nos acomete de diversas maneiras e, nos momentos difíceis, muitos se interrogam: Por que? Por que eu? Por que nesta hora em que eu era tão necessário?

O pensador católico Gabriel Marcel, escrevendo sobre o sofrimento a uma sua prima, definiu-o como uma revolta metafísica. Aparentemente, nunca vamos conseguir sondar as razões do sofrimento até as suas profundidades: dores físicas, psíquicas, mentais, a sensação de ser inútil, sentir-se alquebrado, já sem forças. A enfermidade é, de fato, uma tragédia, se a olharmos apenas em si. É uma tragédia que faz parte do nosso dia-a-dia.

Por isso, aqueles que não creem, pautando-se pela superficialidade das coisas, chegam a pensar na eutanásia como solução extrema para a enfermidade, o sofrimento e a dor. Na verdade, isto atenta contra a dignidade do ser humano, constituindo-se em pecado contra a vida, o maior dom de Deus. Apenas a fé pode nos conduzir a encarar o sofrimento de forma positiva, como uma situação que pode ser fecunda e libertadora.

Pensar na doença como meio para a santificação pessoal e para a redenção do mundo é algo que parece totalmente anacrônico em relação ao nosso tempo, a era da produtividade e da eficácia. Entretanto, toda enfermidade é um período de humildade, de humilhação mesmo, que expõe nossas próprias fraquezas, submetendo-nos à dependência de outros, encarregados de cuidar de nós. É momento de nos colocarmos face-a-face com nossa finitude humana, diante do Deus vivo e verdadeiro.

Experimentar nossas próprias limitações torna-nos mais humanos e, por isso mesmo, mais próximos de Deus, como Jesus revelou a São Paulo: Basta-te a minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente a minha força (2Cor 12,9). Por outro lado, a aceitação do sofrimento não pode jamais significar um conformismo masoquista diante dos problemas. Deus nos concedeu aptidões para ser empregadas na construção do mundo e na promoção do próprio ser humano.

No caso específico das doenças, a humanidade evoluiu de tal forma, que uma das primeiras instituições que a era cristã viu surgir foram os hospitais. Alguns eram muito bem providos, para os padrões da época, de médicos, enfermeiros, farmacêuticos e centros de farmacologia, funcionando em pavilhões conexos aos próprios hospitais. Recolhiam-se os enfermos para assisti-los, curá-los, quando possível, buscando debelar as epidemias, tão comuns ainda pela Idade Média em fora. Os doentes em estágio terminal podiam encontrar no hospital um lugar para morrer em paz e bem assistidos.

Atualmente, chegamos a um desenvolvimento científico e tecnológico jamais visto no campo da saúde: pesquisas, análises, farmacologia, novas ténicas que vão avançando, com maior ou menor rapidez, dependendo da área. Decepcionam, porém, os resultados ainda limitados das pesquisas sobre o câncer e o vírus HIV, que já se conseguiu isolar, mas ainda não eliminar. Ambos representam grandes desafios, do ponto de vista científico. A medicina parece estar humilhada diante desses fenômenos.

Evidentemente, não acompanho de perto o progresso científico, mas gostaria de lançar um apelo aos governos e entidades da sociedade civil, no sentido de que as pesquisas sobre doenças ainda incuráveis, verdadeiras tragédias para a humanidade, recebam prioridade de recursos para experimentos. E que estes experimentos não ofendam a dignidade humana, porém respeitem a ética e a moral cristãs. É desumano que se possa dar maior ênfase aos projetos ligados à supremacia política e econômica, como tecnologia espacial e bélica, do que à melhoria da qualidade de vida da população.

Aqui entra a questão da saúde, um dos mais graves problemas do nosso país, em âmbito federal, estadual e municipal. Não se pode usar a enfermidade como trampolim de poder ou como recurso de manobra política. Isso, infelizmente, ainda é feito e eu diria que é, de certo modo, criminoso, porque há leis estabelecidas quanto ao que se deve fazer em atendimento aos enfermos. E os doentes, hospitais e médicos não podem ser joguetes de grupos interessados apenas nos lucros, a qualquer preço.

Sobre os profissionais da saúde cabe, também, uma palavra. Tenho grande veneração por todos, e lhes evoco um trecho do livro do Eclesiástico, no qual o médico é colocado como aquele que parece estar mais próximo da ciência de Deus: Honra o médico por causa da necessidade, pois foi o Altíssimo quem o criou. (Toda a medicina provém de Deus), e ele recebe presentes do rei: a ciência do médico o eleva em honra; ele é admirado na presença dos grandes. O Altíssimo deu-lhe a ciência da medicina para ser honrado em suas maravilhas; e dela se serve para acalmar as dores e curá-las (Eclo 38,1-3.6-7).

O próprio Jesus se declarou médico, ao dizer que tinha vindo ao mundo para aqueles que precisavam dele, os doentes (cf. Mt 9,12). A seu exemplo, os que trabalham com os enfermos não são apenas profissionais. Exercem uma missão, a serviço da vida e da saúde, do bem-estar corporal, psicológico e, consequentemente, espiritual daqueles que estão sob seus cuidados. É claro que merecem um salário condizente com seu preparo e esforço, mas sua maior recompensa deve ser a reação positiva do enfermo à sua atuação, à sua presença e à sua competência. Que o Cristo, Médico dos corpos e das almas, por intercessão de São Lucas, padroeiro dos médicos, os abençoe a todos!

Finalizo, relembrando o conteúdo de um texto profundamente consolador: a mensagem do Papa Paulo VI, do dia 8 de dezembro de 1963, na conclusão do Concílio Vaticano II, dedicada aos pobres, aos doentes e a todos os que sofrem:

Para vós todos, irmãos que suportais provações, visitados pelo sofrimento sob infinitas formas, o Concílio tem uma mensagem muito especial. O Concílio sente, fixados sobre ele, os vossos olhos implorantes, brilhantes de febre ou abatidos pela fadiga, olhares interrogadores, que procuram em vão o porquê do sofrimento humano, e que perguntam ansiosamente quando e de onde virá a consolação.

Irmãos muito amados, sentimos repercutir profundamente em nossos corações de pais e pastores os vossos gemidos e a vossa dor. E a nossa própria dor aumenta ao pensar que não está no nosso poder trazer-vos a saúde corporal nem a diminuição das vossas dores físicas, que médicos, enfermeiros, e todos os que se consagram aos doentes, se esforçam por minorar com a melhor das boas vontades.

Mas nós temos algo de mais profundo e de mais precioso para vos dar: a única verdade, capaz de responder ao mistério do sofrimento e de vos trazer uma consolação sem ilusões: a fé e a união das dores humanas a Cristo, Filho de Deus, pregado na cruz pelas nossas faltas e para a nossa salvação. Cristo não suprimiu o sofrimento; não quis sequer desvendar inteiramente o seu mistério: tomou-o sobre si, e isto basta para nós compreendermos todo o seu preço.

Ó vós todos, que sentis mais duramente o peso da cruz, vós que sois pobres e abandonados, vós que chorais, vós que sois perseguidos por amor da justiça, vós de quem não se fala, vós os desconhecidos da dor, tende coragem: vós sois os preferidos do reino de Deus, que é o reino da esperança, da felicidade e da vida; Vós sois os irmãos de Cristo sofredor; e com Ele, se quereis, vós salvais o mundo.

Eis a ciência cristã do sofrimento, a única que dá a paz. Sabei que não estais sós, nem separados, nem abandonados, nem sois inúteis: vós sois os chamados por Cristo, a sua imagem viva e transparente. Em seu nome o Concílio vos saúda com amor, vos agradece, vos assegura a amizade e a assistência da Igreja, e vos abençoa.

Fonte: amaivos.uol.com.br

Dia Mundial do Enfermo

11 de Fevereiro

"Queridos irmãos e irmãs,

No Dia Mundial do Enfermo, que celebramos em 11 de fevereiro, memória litúrgica da Bem-aventurada Maria, Virgem de Lurdes, as Comunidades diocesanas se reúnem com seus bispos em momentos de oração, para refletir e programar iniciativas de sensibilização sobre as realidades do sofrimento.

O Ano Paulino, que estamos celebrando, oferece a ocasião propícia para determo-nos e meditarmos com o Apóstolo Paulo sobre o fato que, assim como os sofrimentos de Cristo são copiosos para nós, assim também por Cristo é copiosa a nossa consolação (2 Cor 1,5). A relação espiritual com Lurdes evoca também a materna solicitude da Mãe de Jesus pelos irmãos de seu Filho que, entre perigos e angústias, caminham ainda na terra, até chegarem à pátria bem-aventurada (Lumen gentium, 62).

Este ano, nossa atenção se dirige particularmente às crianças, criaturas mais frágeis e indefesas; e entre elas, às crianças enfermas e sofredoras. Pequenos seres humanos levam em seus corpos consequências de enfermidades que causam invalidez; outros lutam contra males hoje ainda incuráveis, não obstante o progresso da medicina e a assistência de válidos cientistas e profissionais do campo da saúde.

Existem crianças feridas no corpo e na alma em conflitos e guerras, e outras ainda, vítimas inocentes do ódio de insensatas pessoas adultas. Existem meninos e meninas de rua, carentes do calor de uma família e abandonados a si mesmos; e menores profanados por pessoas sem escrúpulos, que violam sua inocência, provocando sequelas psicológicas que as marcarão pelo resto da vida.

Não podemos ignorar o incalculável número de menores que morrem por causas como sede, fome, carência de assistência sanitária, assim como os pequenos refugiados, escapados de suas terras com os pais em busca de melhores condições de vida. De todas estas crianças, eleva-se um silencioso grito de dor que interpela nossas consciências de homens e cristãos.

A comunidade cristã, que não pode ficar indiferente diante de situações tão dramáticas, sente o dever premente de intervir. Com efeito, como escrevi na Encíclica Deus caritas est, A Igreja é a família de Deus no mundo. Nesta família, não deve haver ninguém que sofra por falta do necessário (25, b).

Auspicio, portanto, que o Dia Mundial do enfermo ofereça também a oportunidade às comunidades paroquiais e diocesanas de assumirem sempre mais a consciência de ser família de Deus, e as encoraje a tornar visível em aldeias, bairros e cidades, o amor do Senhor, que pede que na própria Igreja enquanto família, nenhum membro sofra porque passa necessidade. (ibid.). O testemunho da caridade faz parte da própria vida de toda comunidade cristã. Desde seus inícios, a Igreja traduziu os princípios evangélicos em gestos concretos, como lemos nos Atos dos Apóstolos.

Hoje, em meio a novas condições de assistência sanitária, sente-se a necessidade de uma colaboração mais estreita entre os profissionais da saúde que atuam em diversas instituições médicas e as comunidades eclesiais presentes no território. Nesta perspectiva, confirma-se todo o seu valor do Hospital Pediátrico Menino Jesus, instituição ligada à Santa Sé que celebra este ano 140 anos de vida. Vamos além.

Visto que toda criança enferma pertence a uma família que compartilha seu sofrimento, frequentemente com graves dificuldades, as comunidades cristãs não podem deixar de ajudar os núcleos familiares atingidos pela doença de um filho ou filha. Seguindo o exemplo do Bom Samaritano, é preciso inclinar-se às pessoas tão duramente provadas e oferecer-lhes o amparo de uma solidariedade concreta. Desta forma, a aceitação e a partilha do sofrimento se traduzem em útil apoio às famílias das crianças doentes, gerando nestas um clima de serenidade e esperança, e fazendo sentir a seu redor uma ampla família de irmãos e irmãs em Cristo.

A compaixão de Jesus pelo pranto da viúva de Nain (cfr Lc 7,12-17) e pela implorante oração de Jairo (cfr Lc 8,41-56) são, entre outras coisas, pontos de referência para aprender a compartilhar os momentos de aflição física e moral de tantas famílias. Tudo isso pressupõe um amor desinteressado e generoso, reflexo e sinal do amor misericordioso de Deus, que nunca abandona seus filhos na provação, mas lhes oferece sempre admiráveis recursos de coração e inteligência para serem capazes de enfrentar adequadamente as dificuldades da vida.

A dedicação cotidiana e o empenho contínuo a serviço das crianças enfermas constituem um testemunho eloquente de amor à vida humana, de modo especial, à vida de quem é vulnerável e totalmente dependente dos outros. É preciso afirmar, com vigor, a absoluta e suprema dignidade de toda vida humana.

Com o passar dos tempos, o ensinamento que a Igreja incessantemente proclama não muda: a vida humana é bela e deve ser vivida em plenitude, mesmo quando é frágil e envolvida no mistério do sofrimento. É a Jesus, crucificado, que devemos dirigir o nosso olhar: morrendo na Cruz, Ele quis compartilhar a dor de toda a humanidade. Em seu sofrer por amor, percebemos uma suprema co-participação aos sofrimentos dos pequenos doentes e de seus pais.

Meu venerado predecessor, João Paulo II, que ofereceu um exemplo luminoso da aceitação paciente do sofrimento, especialmente no final de sua vida, escreveu: Na Cruz está o «Redentor do homem », o Homem das dores, que assumiu sobre si os sofrimentos físicos e morais dos homens de todos os tempos, para que estes possam encontrar no amor o sentido salvífico dos próprios sofrimentos e respostas válidas para todas as suas interrogações " (Salvifici doloris, 31).

Desejo agora expressar o meu apreço e encorajamento às Organizações internacionais e nacionais que assistem as crianças doentes, especialmente nos países pobres, e que com generosidade e abnegação, oferecem sua contribuição para assegurar-lhes cuidados adequados e amorosos. Ao mesmo tempo, dirijo um apelo aos responsáveis das Nações para que sejam reforçadas as leis e medidas em favor de crianças doentes e de suas famílias.

A Igreja, por sua vez, como sempre, e ainda mais quando a vida de crianças está em jogo, se faz disponível para oferecer sua cordial colaboração, na intenção de transformar toda a civilização humana em «civilização do amor» (cfr Salvifici doloris, 30).

Concluindo, gostaria de expressar a minha proximidade espiritual a todos vocês, queridos irmãos e irmãs que sofrem por alguma enfermidade. Dirijo uma saudação carinhosa às pessoas que os assistem: Bispos, sacerdotes, pessoas consagradas, agentes de saúde, voluntários e todos os que se dedicam com amor a curar e aliviar o sofrimento de quem é atingido pela doença.

Uma saudação toda especial a vocês, queridas crianças enfermas e que sofrem: o Papa as abraça com carinho paterno, assim como a seus pais e familiares, e lhes assegura uma recordação na oração, convidando-os a confiar na materna ajuda da Imaculada Virgem Maria, que contemplamos mais uma vez no último Natal enquanto abraçava com alegria o Filho de Deus feito menino. Ao invocar para vocês e para todos os enfermos a materna proteção da Virgem Santa, Saúde dos Enfermos, concedo a todos, de coração, uma especial Benção Apostólica".

Vaticano, 2 de Fevereiro de 2009

Bento XVI

Fonte: irpatricia.blogspot.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal