Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia Mundial da Água  Voltar

Dia Mundial da Água

 

22 de Março

Nosso planeta tem cerca de dois terços só de água. Pela lógica, parece haver água sobrando para a população, não é? Parece um absurdo falar em crise da água?

Vamos aos fatos: 97% da água do planeta são água do mar, imprópria para ser bebida ou aproveitada em processos industriais; 1,75% é gelo; 1,24% está em rios subterrâneos, escondidos no interior do planeta. Para o consumo de mais de seis bilhões de pessoas está disponível apenas 0,007% do total de água da Terra.

Some-se a isto o despejo de lixo e esgoto sanitário nos rios, ou ainda as indústrias que jogam água quente nos rios - o que é fatal para os peixes. A pouca água que existe fica ainda mais comprometida. Isto exige a construção de estações de tratamento de esgoto e dessalinização, por exemplo. E exige conscientização para que se evite o desperdício e a poluição, principalmente nas grandes cidades.

Com o objetivo de chamar a atenção para a questão da escassez da água e, conseqüentemente, buscar soluções para o problema, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu em 1992 o Dia Mundial da Água: 22 de março.

Por conta disso, a ONU também elaborou um documento intitulado "Declaração Universal dos Direitos da Água", que trata desse líquido como a seiva do nosso planeta.

Declaração Universal dos Direitos da Água

De acordo com a Declaração Universal dos Direitos da Água, ela é seiva do nosso planeta e condição essencial da vida na terra. Confira os artigos:

Art. 1º - A água faz parte do patrimônio do planeta.Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º - A água é a seiva do nosso planeta.Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.

Art. 3º - Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º - O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º - A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

Art. 6º - A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º - A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º - A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º - A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º - O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra

A água e nosso futuro

De acordo com a ONU, o uso da água triplicou de 1950 para cá. Para o futuro, estima-se que nos próximos 20 anos o homem vai usar 40% a mais de água do que usa agora.

Antes que esse dia chegue, imagine só como ficarão as pessoas que, no presente, já carecem de água. É o caso de cerca de 200 milhões de pessoas na África hoje e que, no futuro, podem chegar a 230 milhões sofrendo com a escassez de água.

O que pouca gente se dá conta é de que os problemas relacionados à água estão mais ligados à má administração de recursos do que propriamente da escassez natural. Isto quer dizer que o futuro pode ser um pouquinho melhor, se soubermos utilizar a água e criarmos soluções para situações críticas.

No caso das regiões semi-áridas brasileiras, por exemplo, isto fica bem claro: a região tem um índice pluviométrico (quantidade de chuva) bem alto - mais alto até do que de muitas outras regiões. O problema é a irregularidade dessas chuvas, os chamados períodos de "seca". Adaptando-se a essa realidade, é possível manejar o problema da água na região e a vida de muitas pessoas melhoraria! É possível um futuro melhor para a população.

Dicas para usar, sem desperdiçar!

Escovando os dentes: com a torneira fechada, claro! Você só precisa abrir na hora certa, quando vai enxaguar a boca. Assim, você deixa de desperdiçar até 80 litros de água.

Na hora de lavar a louça, atenção: não deixe a torneira aberta enquanto ensaboa e aproveite para enxaguar toda a louça de uma vez só! Com isso você pode deixar de desperdiçar até 100 litros de água! E, já que não custa lembrar, utilize sabão ou detergente biodegradáveis, que não poluem os rios porque se decompõem facilmente.

Quando for lavar o automóvel, use um balde! Pode não parecer, mas enquanto um banho de mangueira de meia hora consome até 560 litros, usando um balde o gasto não passaria de 40. Viu só a diferença? Os maiores desperdícios a gente nem nota...

Lavar a calçada com a mangueira também é um desperdício. Principalmente para quem aproveita para pôr as fofocas em dia enquanto molha o passeio... Por isso, na hora de lavar a calçada, também é melhor usar um balde, evitando-se um gasto que poderia chegar a 280 litros (quinze minutos de esguicho). Mas o melhor mesmo é usar uma vassoura, que dispensa água!

Banhos longos gastam de 95 a 180 litros de água. Banhos rápidos economizam água e energia. E banhos de banheira usam mais água ainda, cerca de 200 litros

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas

Dia Mundial da Água

22 de Março

Dia Mundial da Água

A cada ano, no dia 22 de março, o mundo celebra o Dia Mundial da Água. Inúmeras campanhas, mensagens e discursos são produzidos enfatizando a relevância deste recurso, sem o qual não haveria vida na Terra.

A água é um recurso natural não renovável. Significa dizer que um dia irá se esgotar. Pesquisadores acreditam que este dia não está tão longe, sobretudo pela forma como utilizamos nossa riqueza hídrica.

Cerca de 70% da superfície terrestre é coberta por água, mas apenas 2,5 % desta água é doce, com potencial de consumo direto. Além disso, somente 1% está disponível ao homem. O Brasil detêm 11% deste recurso, tanto em suas bacias hidrográficas quanto em seus aqüíferos subterrâneos.

No Dia da Água, observe se estas atitudes já fazem parte do seu dia-a-dia.

Fechar a torneira ao escovar os dentes e ensaboar a louça.

Usar balde, ao invés de mangueira, para lavar o carro.

Aproveitar a água da lavadora de roupas para limpar a calçada.

Não jogar lixo em riachos e nascentes de rios.

Fiscalizar a ação de indústrias que despejam seus dejetos em rios, lagos e riachos.

Faça a sua parte e cobre das autoridades políticas públicas de saneamento, preservação e manutenção dos recursos hídricos.

Fonte: www2.portoalegre.rs.gov.br

Dia Mundial da Água

22 de Março

Esta data foi instituída em 1992, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (Eco 92), no Rio de Janeiro. Visa a estimular a reflexão sobre a situação dos recursos hídricos, além de sensibilizar os mais diversos atores sociais para a elaboração de medidas práticas voltadas à solução de problemas.

A água ocupa 70% da superfície da Terra. A maior parte, 97%, é salgada. Apenas 3% do total é água doce e, desses, 0,01% vai para os rios, ficando disponível para uso. O restante está em geleiras, icebergs e em subsolos muito profundos. Ou seja, o que pode ser potencialmente consumido é uma pequena fração.

Dicas para evitar desperdício e melhor aproveitar o uso da água (fonte IDEC):

Vazamentos

Esta é uma das principais fontes de desperdício de água na residência. Eles podem ser evidentes (como uma torneira pingando) ou escondidos (no caso de canos furados ou de vaso sanitário). Uma torneira mal fechada pode desperdiçar 46 litros de água em um dia.

Banho

Ao ensaboar-se, feche as torneiras. Não deixe a torneira aberta enquanto ensaboa as mãos, escova os dentes ou faz a barba. Evite banhos demorados. Reduzindo 1 minuto do seu banho você pode economizar de 3 a 6 litros de água.

Vaso sanitário

Quando construir ou reformar, dê preferência às caixas de descarga no lugar das válvulas; ou utilize aquelas de volume reduzido.

Torneiras

Instale torneiras com aerador ("peneirinhas" ou "telinhas" na saída da água). Ele dá a sensação de maior vazão, mas, na verdade, faz exatamente o contrário.

Louça

Lave as louças em uma bacia com água e sabão e abra a torneira só para enxaguar. Use uma bacia ou a própria cuba da pia para deixar os pratos e talheres de molho por alguns minutos antes da lavagem, pois isto ajuda a soltar a sujeira. Utilize água corrente somente para enxaguar.

Verduras

Para lavar verduras use também uma bacia para deixá-las de molho (pode ser inclusive com algumas gotas de vinagre), passando-as depois por um pouco de água corrente para terminar de limpá-las.

Roupa

Lave de uma vez toda a roupa acumulada. Deixar as roupas de molho por algum tempo antes de lavar também ajuda. Ao esfregar a roupa com sabão use um balde com água, que pode ser a mesma usada para manter a roupa de molho. Enquanto isso, mantenha a torneira do tanque fechada. Enxágüe também utilizando o balde e não água corrente. Se você tiver máquina de lavar, use-a sempre com a carga máxima e tome cuidado com o excesso de sabão para evitar um número maior de enxágües. Caso opte por comprar uma lavadora, prefira as de abertura frontal que gastam menos água que as de abertura superior.

Jardins e Plantas

Regar jardins e plantas durante 10 minutos significa um gasto de 186 litros.

Você pode economizar 96 litros se tomar estes cuidados:

Regue o jardim durante o verão pela manhã ou à noite, o que reduz a perda por evaporação

Durante o inverno, regue o jardim em dias alternados e prefira o período da manhã

Use uma mangueira com esguicho tipo revólver

Cultive plantas que necessitam de pouca água (bromélias, cactos, pinheiros, violetas)

Molhe a base das plantas, não as folhas

Utilize cobertura morta (folhas, palha) sobre a terra de canteiros e jardins. Isso diminui a perda de água.

Água da Chuva

Aproveite sempre que possível à água de chuva. Você pode armazená-la em recipientes colocados na saída das calhas ou na beirada do telhado e depois usá-la para regar as plantas. Só não se esqueça de deixá-los tampados depois para que não se tornem focos de mosquito da dengue!

Carro

Substitua a mangueira por um balde com pano para retirar a sujeira do veículo. Lavar o carro com a torneira aberta é uma das piores e mais comuns maneiras de desperdiçar água.
Calçada

Evite lavar a calçada. Limpe-a com uma vassoura, ou lave-a com a água já usada na lavagem das roupas. Utilize o resto da água com sabão para lavar o seu quintal. Depois, se quiser, jogue um pouco de água no chão, somente para "baixar a poeira". Para isto você pode usar aquela água que sobrou do tanque ou máquina de lavar roupas.

Racionalizar o uso da água não significa ficar sem ela periodicamente. Significa usá-la sem desperdício, considerá-la uma prioridade social e ambiental, para que a água tratada e saudável nunca falte em nossas torneiras.

É importante destacar que a escassez de água não se restringe às regiões semi-áridas e/ou desérticas. Há diversas áreas que apresentam abundância em termos quantitativos, mas escassez em relação à qualidade dos recursos hídricos.

A água tem se tornado um elemento de disputa entre nações. Um relatório do Banco Mundial, datado de 1995, alerta para o fato de que "as guerras do próximo século serão por causa de água, não por causa do petróleo ou política".

Mudar a visão da sociedade brasileira para que ela deixe de considerar a água apenas como um bem a ser consumido e passe a entender que água é suporte para a vida.

Fonte: www.ramatis.org.br

Dia Mundial da Água

22 de Março

água é o constituinte mais característico da terra. Ingrediente essencial da vida, a água é talvez o recurso mais precioso que a terra fornece à humanidade.

Embora se observe pelos países mundo afora tanta negligência e tanta falta de visão com relação a este recurso, é de se esperar que os seres humanos tenham pela água grande respeito, que procurem manter seus reservatórios naturais e salvaguardar sua pureza.

Em estado puro é um líquido sem cor, nem gosto ou cheiro, formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio, em cada molécula. Quimicamente é um óxido de hidrogênio cuja fórmula é H2O.

Fonte: www.cidadaopg.sp.gov.br

Dia Mundial da Água

22 de Março

No dia 22 de março, é celebrado o Dia Mundial da Água que foi criado pela Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas através da resolução A/RES/47/193 de 22 de Fevereiro de 1993, declarando todo o dia 22 de Março de cada ano como sendo o Dia Mundial das Águas (DMA), para ser observado a partir de 1993, de acordo com as recomendações da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento contidas no capítulo 18 (Recursos hídricos) da Agenda 21*.

O tema deste ano enfatizará as questões relacionadas às águas compartilhadas entre nações. Com 12% da água doce do mundo, o Brasil é destaque no V Fórum Mundial das Águas, em Istambul, na Turquia. Organizado a cada três anos pelo World Water Council (WWC) em colaboração com o país sede, o encontro é uma oportunidade para representantes de governos, gestores e usuários debaterem os rumos das políticas públicas de recursos hídricos. A proposta da reunião é contribuir para que os tomadores de decisões avancem em direção à cooperação global para o uso sustentável da água, sob os quais se assenta o futuro do planeta.

A água é um dos recursos naturais mais preciosos e importantes do mundo. Boa parte desse recurso encontra-se ameaçado pelos problemas socioambientais existentes como poluição, contaminação e degradação dos mananciais que tem sido responsáveis pela diminuição da oferta de água potável.

Estima-se que haja cerca de 1,4 bilhões de km3 de água em todo o planeta Terra. Desse total, cerca de 2,5% corresponde a água doce que está armazenada sob a forma de neve, geleiras e reservas subterrâneas. Para consumo humano, há menos de 1% de água doce disponível que pode ser encontrada nos rios, lagos, lagoas ou em reservas subterrâneas pouco profundas o que daria cerca de 0,01% de toda a água existente no planeta.

Segundo cifras das Nações Unidas, 1.2 bilhões de pessoas não têm acesso a uma quantidade suficiente de água para satisfazer suas necessidades básicas a um preço de acordo a suas possibilidades financeiras. Dessas, quase 100 milhões vivem na América Latina*.

No Brasil, apenas 91% das casas são atendidas por rede de abastecimento de água e menos da metade (57,4%) conta com sistema de coleta de esgoto sanitário. A situação é agravada pelo mau uso dos recursos hídricos. O sistema de abastecimento, segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, desperdiça 30%, de toda a água, número que aumenta se considerados os hábitos de consumo da população, que faz com que parte da água tratada tenha uma destinação inadequada.

De todos os problemas existentes, a poluição das águas é um dos fatores mais preocupantes. Entre as principais fontes poluidoras é possível citar o derramamento de esgotos industriais e domésticos, a contaminação por agrotóxicos, o acúmulo de resíduos sólidos, o vazamento de petróleo e os resíduos químicos que são extremamente prejudiciais aos ecossistemas e a saúde humana.

Apesar de haver esforço para a gestão dos recursos hídricos, ainda há muita o que ser feito para preservar e conservar os mananciais. Problemas como desmatamento de matas ciliares, o assoreamento das nascentes e a construção de grandes represas e barragens, ocasionando a extinção de rios secundários são os desafios encontrados pelas políticas de gestão das águas.

É preciso tem consciência de que água é um bem renovável, mas que pode acabar. Por isso, mudanças de atitudes e a formação de uma consciência ambiental global são necessárias para a preservação e conservação dos rios, lagos e lagoas e para evitar a escassez de água.

Fonte: www.terrazul.m2014.net

Dia Mundial da Água

22 de Março

Dia Mundial da Água

Por dia gastam-se muitos litros de água: 10 litros numa descarga de autoclismo, 80 litros num banho rápido, 100 litros numa lavagem de roupa na máquina e 50 litros numa lavagem de louça na máquina. O esforço para poupar água é uma obrigação.

Aqui ficam algumas dicas:

De cada vez que utiliza o autoclismo deita muita água fora, desnecessariamente. Tente regulá-lo de forma a poupar água. Se não consegue baixar a bóia, pode pôr um objecto que não flutue no depósito e os gastos de água serão reduzidos.

Verifique se o seu autoclismo perde água Ponha umas gotas de corante no depósito e, se vir água corada na sanita sem ninguém ter puxado o autoclismo, é porque existe uma fuga.

O caudal de uma torneira é de 11 a 19 litros de água por minuto. Instale um compressor redutor de caudal e poderá reduzir o consumo em 50%.

Não deixe correr a água enquanto lava os dentes ou faz a barba, pois abrir e fechar a torneira várias vezes é melhor do que deixar a correr água sem necessidade.

Quando se está a lavar, feche a torneira enquanto se ensaboa. Poupará muita água.

Prefira o duche ao banho de imersão.

Uma torneira a pingar durante 24 horas, de 5 em 5 segundos, perde 3 litros de água, o que corresponde a mais de 1000 litros de água por ano. Verifique as torneiras e repare as fugas de água.

Só utilize a máquina de lavar louça ou roupa quando estiverem cheias ou se possuírem programas de meia-carga.

Para poupar água, não lave a loiça com água corrente - encha o lava-loiça.

Proceda à rega das suas plantas de manhã cedo ou ao cair da noite. Nessa altura, a evaporação de água causada pelo Sol é menor, pelo que poupará este recurso.

Antes de lavar a loiça mais suja, limpe-a com papel e, se necessário, deixe-a "de molho".

Regue as plantas da casa com a água recuperada da chuva ou com a que sobra na panela depois de alguém ferver ou aquecer vegetais. Esta será mais rica em nutrientes, embora seja necessário deixá-la arrefecer antes da rega.

Fonte: noticias.sapo.pt

Dia Mundial da Água

22 de Março

A Assembléia Geral das Nações Unidas adotou a resolução A/RES/47/193, de 22 de fevereiro de 1993, através da qual 22 de março de cada ano, a partir de 1993, seria declarado o "Dia Mundial das Águas" (DMA).

A comemoração do Dia Mundial da Água traz um alerta: prevê-se que, em 2050, 2 bilhões de pessoas sofrerão com a escassez de recursos hídricos. Dados da ONU mostram que apenas 3% de toda a água terrestre é própria para consumo.

A água é o elemento que deu origem e sustenta a vida no planeta Terra. Sem a água, nenhuma espécie vegetal ou animal, incluindo o homem, sobreviveria. Cerca de 70% de nossa alimentação e de nosso próprio corpo são constituídos por água. Mais da metade de todas as espécies de animais e plantas do mundo é aquática.

Os oceanos, os mares, as geleiras, as neves, os lagos e os rios cobrem aproximadamente dois terços da superfície da Terra. Os cientistas calculam o seu volume total em 1,42 bilhões de km, cuja maior parte (95,1%) está composta pelas águas salgadas dos mares e oceanos.

Os 4,9% restantes constituem-se de água doce, distribuída entre as geleiras polares, que ocupam 97% desse precioso volume; e a água na forma líquida, disponível para o nosso uso, cujo volume é estimado em pouco mais de 2 milhões de km. Assim, 99,9% das águas de nosso planeta são águas salgadas ou permanentemente congeladas.

Leia a música de Guilherme Arantes com a mais linda homenagem ao nosso Planeta Água

PLANETA ÁGUA

Guilherme Arantes

Água que nasce na fonte serena do mundo
E que abre um profundo grotão
Água que faz inocente riacho e deságua na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias e matam a sede da população
Águas que caem das pedras no véu das cascatas, ronco de trovão
E depois dormem tranqüilas no leito dos lagos, no leito dos lagos
Água dos igarapés, onde Iara, a mãe d'água é misteriosa canção
Água que o sol evapora, pro céu vai embora, virar nuvem de algodão
Gotas de água da chuva, alegre arco-íris sobre a plantação
Gotas de água da chuva, tão tristes, são lágrimas na inundação
Águas que movem moinhos são as mesmas águas que encharcam o chão
E sempre voltam humildes pro fundo da terra, pro fundo da terra
Terra, planeta água (2x)
Terra, planeta á...gua

PREOCUPAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE

A preocupação como o meio ambiente cada vez mais ganha proporções significativas e o pensamento ecológico instalou uma nova cultura mundial em que o meio ambiente é fator determinante de uma vida com mais qualidade. Para se ter uma idéia, apesar do planeta ter cerca de dois terços só de água, 97% são água do mar, imprópria para se bebida ou aproveitada em processos industriais 1,75% é gelo; 1,24% está em rios subterrâneos, escondidos no interior do planeta.

ÁGUA E ENVELHECIMENTO

Sempre que dou aula de Clínica Médica a estudantes do quarto ano de Medicina, lanço a pergunta: "Quais as causas que mais fazem o vovô ou a vovó terem confusão mental?" Alguns arriscam: "Tumor na cabeça". Eu digo: "Não". Outros apostam: "Mal de Alzheimer". Respondo, novamente: "Não". A cada negativa a turma espanta-se. E fica ainda mais boquiaberta quando enumero os três responsáveis mais comuns: diabetes descontrolados; infecção urinária; a família passou um dia inteiro no shopping, enquanto os idosos ficaram em casa. Parece brincadeira, mas não é.

Constantemente vovô e vovó, sem sentir sede, deixam de tomar líquidos. Quando falta gente em casa para lembrá-los, desidratam-se com rapidez. A desidratação tende a ser grave e afeta todo o organismo. Pode causar confusão mental abrupta, queda de pressão arterial, aumento dos batimentos cardíacos ("batedeira"), angina (dor no peito), coma e até morte. Insisto: não é brincadeira.

Ao nascermos, 90% do nosso corpo é constituído de água. Na adolescência, isso cai para 70%. Na fase adulta, para 60%. Na terceira idade, que começa aos 60 anos, temos pouco mais de 50% de água Isso faz parte do processo natural de envelhecimento. Portanto, de saída, os idosos têm menor reserva hídrica. Mas há outro complicador: mesmo desidratados, eles não sentem vontade de tomar água, pois os seus mecanismos de equilíbrio interno não funcionam muito bem.

Explico: nós temos sensores de água em várias partes do organismo. São eles que verificam a adequação do nível. Quando ele cai aciona-se automaticamente um "alarme". Pouca água significa menor quantidade de sangue, de oxigênio e de sais minerais em nossas artérias e veias. Por isso, o corpo "pede" água. A informação é passada ao cérebro, a gente sente sede e sai em busca de líquidos. Nos idosos, porém, esses mecanismos são menos eficientes. A detecção de falta de água corporal e a percepção da sede ficam prejudicadas. Alguns, ainda, devido a certas doenças, como a dolorosa artrose, evitam movimentar-se até para ir tomar água.

Conclusão: idosos desidratam-se facilmente não apenas porque possuem reserva hídrica menor, mas também porque percebem menos a falta de água em seu corpo. Além disso, para a desidratação ser grave, eles não precisam de grandes perdas, como diarréias, vômitos ou exposição intensa ao sol. Basta o dia estar quente - e o verão já vem aí - ou a umidade do ar baixar muito - como tem sido comum nos últimos meses. Nessas situações, perde-se mais água pela respiração e pelo suor.

Se não houver reposição adequada, é desidratação na certa. Mesmo que o idoso seja saudável, fica prejudicado o desempenho das reações químicas e funções de todo o seu organismo. Por isso, aqui vão dois alertas. O primeiro é para vovós e vovôs: tornem voluntário o hábito de beber líquidos. Bebam toda vez que houver uma oportunidade. Por líquido entenda-se água, sucos, chás, água-de-coco, leite. Sopa, gelatina e frutas ricas em água, como melão, melancia, abacaxi, laranja e tangerina também funcionam. O importante é, a cada duas horas, botar algum líquido para dentro. Lembrem-se disso!

Meu segundo alerta é para os familiares: ofereçam constantemente líquidos aos idosos. Lembrem-lhes de que isso é vital. Ao mesmo tempo, fiquem atentos. Ao perceberem que estão rejeitando líquidos e, de um dia para o outro, ficam confusos, irritadiços, fora do ar, atenção. É quase certo que esses sintomas sejam decorrentes de desidratação. Líquido neles e rápido para um serviço médico.

Fonte: www.velhosamigos.com.br

Dia Mundial da Água

22 de Março

Poupe água, economize água, proteja a água, salve a água, beba água, água, água, água… Ouvimos tantas frases sobre a água, que a palavra acaba perdendo o sentido em nossas mentes. Mas já é hora de “cair a ficha”.

Você sabe de onde vem a água?

Toda água do planeta se mantém em constante movimento, passando do estado gasoso - proveniente da evaporação de todas as superfícies úmidas - mares, rios e lagos, pelo estado líquido - nos oceanos (água salgada), rios e lagos (água doce) e no subsolo, constituindo os chamados lençóis freáticos e pelo estado sólido - nas regiões frias do planeta, nos pólos.

É o chamado ciclo hidrológico que sustenta(va) a vida na Terra.

Até 25% da água que cai como chuva pode ser interceptada pelas copas das árvores. O restante escoa pela superfície do solo ou se infiltra nele. Cerca de 1% da água que cai é retida para a formação de matéria orgânica que constitui os seres vivos (constitui Vida). O restante atinge os mares, caindo diretamente neles ou a eles chegando através dos rios.

Nossas interferências quebram esse ciclo natural da água. A impermeabilidade do solo nas áreas urbanas, falta de cobertura vegetal e poluição…

Desses 0,007% de água boa para consumo, são usados:

70% para Agropecuária

Quase que a totalidade deste montante é utilizado para irrigação. Adicionalmente, é utilizada para tratamento de animais, lavagem de instalações, máquinas e utensílios, entre outros.

22% para Indústria

Como matéria-prima, na produção de alimentos e produtos farmacêuticos, gelo e em atividades industriais onde a água é utilizada para refrigeração, como na metalurgia, para lavagem nas áreas de produção de papel, tecido, em abatedouros e matadouros, etc e em atividadesem que é utilizada para fabricação de vapor, como na caldeiraria, entre outros.

8% para Residências

Subdivididas em uso doméstico (como fonte de vida, bebida, no preparo de alimentos, higiene pessoal, limpeza na habitação, irrigação de jardins e pequenas hortas particulares, criação de animais domésticos, entre outros) e público (moradias, escolas, hospitais e demais estabelecimentos públicos, irrigação de parques e jardins, limpeza de ruas e logradouros, paisagismo, combate a incêndios, navegação, etc).

E não sei iluda, a escassez de água não é resultado de problemas temporários de distribuição.

Tá entendendo agora porque é necessário usar a água com responsabilidade?

Precisamos da água para viver, e essa não é uma frase poética. É matemática pura. Todas as partes do nosso corpo têm água.

Cérebro = 75%
Pulmões = 86%
Fígado = 86%
Músculos = 75%
Coração = 75%
Rins = 83%
Sangue = 81%

O homem é capaz de sobreviver até 28 dias sem comer, mas apenas 3 dias sem beber água. Entende agora o significado de “Água é Vida”?

De acordo com a ONU, desde 1950 uso da água triplicou. Estima-se que nos próximos 20 anos o homem vai usar 40% a mais de água do que usa agora.

Imagine só como ficarão as pessoas que já carecem de água, como cerca de 200 milhões de pessoas na África, que hoje já sofrem (e morrem) com a escassez de água.

Imagine ainda que falamos em um futuro próximo. Quantos anos você tem hoje? Faça as contas, daqui a 20 anos, você, seus filhos e seus netos… e a falta d’água.

Não importa quem somos, onde estamos e o que fazemos, todos nós dependemos da água.

Então, pra reforçar, transcrevo aqui aquelas velhas dicas de como poupar água com ações simples no dia a dia:

No Banheiro

Feche a torneira enquanto escova os dentes ou faz a barba. Uma torneira aberta pode consumir, por minuto, até 2,4 litros (numa casa) ou 16 litros (num apartamento).
Tome banhos rápidos. A cada minuto no banho você gasta de 3 a 9 litros.
Regule as válvulas de descarga.
As convencionais usam cerca de 40% de toda a água de uma casa ou escola.
Cada segundo que uma pessoa permanece com o dedo na descarga são 10 litros de água desperdiçados.

Na cozinha

Limpe bem os pratos e panelas e jogue os restos de comida no lixo.
Deixe a louça na água para facilitar a lavagem.
Feche a torneira enquanto ensaboa e volte a abri-la apenas para enxaguar.
Ligue a máquina de lavar louça apenas quando estiver completa.

Na lavanderia

Utilize a lavadora de roupa só quando ela estiver cheia.
Reaproveite a água de chuva ou da máquina para lavar o chão da cozinha, área de serviço e quintal.

Nas áreas externas

Varra as calçadas para retirar o lixo e use balde em vez de mangueiras.
Molhe as plantas com regador quando o sol estiver mais fraco.
Lave o carro utilizando o balde.
Prefira ter jardins a áreas cimentadas, favorecendo a infiltração da água no solo.

Manutenção

Elimine vazamentos.
Troque ou conserte torneiras pingando.
Faça o teste do relógio de água. Se os ponteiros continuarem rodando sem consumo, é sinal de vazamento.
Use do dia 22 de março - o dia Mundial da água - como um marco. Comece a fazer a diferença, adaptando-se a essa realidade.

Fonte: vidadeviajante.com.br

Dia Mundial da Água

22 de Março

A Assembléia Geral da ONU designou o dia 22 de Março como o Dia Mundial da Água, em 1993.

"A água faz parte do patrimônio do planeta.
Cada continente, cada povo, cada nação,
cada região, cada cidade, cada cidadão é
plenamente responsável aos olhos de todos."

Esse alerta, contido no artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos da Água, é um desafio para a humanidade.

De toda a água existente no planeta, 97,5% é salgada, encontrada nos oceanos e mares, e 2,493% é doce, de difícil acesso, porque essa água doce forma as geleiras inacessíveis e está armazenada nos lençóis subterrâneos, rios e lagos. Somente 0,007% de água doce é de fácil acesso; o atual estoque mundial de água potável é de 12,5 mil km3. O Brasil detém 8% de toda água doce superficial do planeta; a maior parte, cerca de 80%, está localizada na região Amazônica. Os 20% restantes se distribuem de forma desigual pelo país, atendendo 95% da população.

Se o mundo continuar no caminho do desenvolvimento predatório dos recursos naturais, a vida se tornará impossível para a humanidade, dentro de cinqüenta anos. Desde 1970 e 1995 até os dias atuais a quantidade de água disponível para cada habitante do mundo caiu de maneira preocupante, alertando até a ONU.

A cada oito segundos, morre uma criança acometida de doença relacionada à água, como disenteria e cólera. No mundo, 80% das enfermidades são contraídas por causa da água poluída. Outro sinal é a carência de água, que já atinge 1,680 bilhões de pessoas, que vivem em áreas de seca permanente e não têm acesso à água limpa. Esse número deve dobrar até o ano 2025; a falta de água potável afetará metade da humanidade.

Para tentar solucionar o problema de desabastecimento de água, o Banco Mundial estima a necessidade de investimentos maciços para os próximos anos. Já a ONU calcula um custo de cinqüenta dólares por pessoa e também confirma a previsão de guerras no Oriente, perto do ano 2021. Essas guerras acontecerão devido à disputa da água, não mais em razão do petróleo. A água já é parte fundamental no conflito existente entre Israel e o povo palestino.

O corpo humano é constituído por 70 % de água, mas perde-a por meio da urina, do suor, dos dejetos sólidos e até pelos pulmões, na expiração. Ao deixar de beber água, uma pessoa vive só três dias, porque perde 13 litros da água do corpo e morre. A água é mais essencial à sobrevivência do que a comida. Sem alimento, uma pessoa pode resistir até quarenta dias.

A população precisa atingir um grau de conscientização que implica a mudança de mentalidade e de hábitos. Se todos economizarem, os riscos de falta d'água serão retardados. A água é um recurso natural importantíssimo para todos, sem o qual seria impossível a vida do ser humano, dos animais e das plantas.

Padre Marcelo Barros, monge beneditino, diz com muita propriedade:

"Devemos ser estimulados a cuidar da terra e da água,
não apenas por razões políticas e circunstanciais,
mas porque a fé nos torna capazes de ver,
em cada fonte de água, um sinal do
Amor de Deus pelo Universo".

Fonte: www.paulinas.org.br

Dia Mundial da Água

22 de Março

No Dia Mundial da Água, humanidade está preocupada com a substância

Dia Mundial da Água

Definida no Aurélio apenas como “líquido incolor e inodoro, composto de hidrogênio e oxigênio”, a água acaba passando desapercebida no cotidiano como uma das substâncias mais importantes do planeta. Além de ser o principal constituinte do corpo humano, a famosa H20 é responsável pela vida de quase todas as espécies da Terra, além de atuar na regulação da temperatura da mesma. Neste domingo, comemora-se o Dia Mundial da Água. E não há motivos para celebrar. Em várias partes do mundo, as pessoas estão sem acesso adequado à água. E o quadro só tem piorado com o passar dos anos.

Segundo dados da Unesco, a África é o continente onde o problema é maior. São 340 milhões de pessoas sem acesso a água potável e 500 milhões sem saneamento básico adequado. Isto sem contar que essa situação pode se agravar ainda mais com os problemas ambientais enfrentados pelo planeta, como a poluição e o aquecimento global.

Segundo o Greenpaece e as Nações Unidas, existe uma necessidade iminente de se proteger os oceanos. Atualmente, apenas 1% das áreas oceânicas do planeta está protegido nas chamadas AMPs (Áreas Marinhas Protegidas). A ONU defende que este número tem de subir para 30% a longo prazo. O Greenpeace vai mais longe, declarando uma necessidade de proteger 40% das áreas marinhas do planeta. Dados bem altos para uma humanidade que parece não ter noção da dimensão do problema.

– Posso dizer que a situação da água no mundo é extremamente preocupante. Já há várias áreas do planeta onde a água está escassa, devido à poluição e ao esgotamento das fontes naturais – alerta o diretor/presidente do Instituto Brasil PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), Haroldo Lemos. – Segundo dados da ONU, em 2023 já teremos cerca de 23 países sem água.

Prenúncio de guerra

Com a falta de água no mundo, a poluição dos mares, lagos e rios e o agravamento das mudanças climáticas, é esperado que se forme uma tensão entre alguns países à respeito do tema. Tal problema poderia desencadear até um conflito bélico, na visão de estudiosos e pessoas diretamente ligadas ao assunto.
– É perfeitamente possível que um dia tenhamos uma guerra por água. A própria ONU já admitiu isso – comentou Haroldo Lemos. – Outra coisa que pode acelerar este processo é o fato de todos os modelos matemáticos dizerem que, no futuro, teremos mais chuvas nas regiões temperadas e menos nos trópicos. Ou seja, os países menos desenvolvidos podem ter menos água ainda e isso pode gerar um conflito.

Esta semana, foi realizado, em Istambul, o Fórum Mundial da Água. Dele participaram autoridades e representantes de entidades competentes de diversos países. Um dos representantes brasileiros foi José Machado, presidente da Agência Nacional de Águas. Apesar das trocas de experiência e cooperação, o encontro serviu para deflagrar a enorme diferença na questão da água entre países desenvolvidos e nações em desenvolvimento.

– Existem países que estão em posição de vanguarda, como Espanha e França. A União Européia como um todo está muito bem, assim como a Austrália. O Brasil está nesse batalhão de vanguarda, embora ainda enfrentemos problemas – opinou o presidente, que confirmou que a África e parte da Ásia são as zonas mais críticas do planeta.

Fonte: Jornal do Brasil

Dia Mundial da Água

22 de Março

“A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos” ( Declaração Universal dos Direitos da Água )

A escassez de água potável é uma das questões mais importantes que a humanidade enfrenta. O acesso e o uso da água de boa qualidade é um direito humano básico, mas segundo dados da Organização das Nações Unidas – ONU, mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo estão privadas desse bem e 2,5 bilhões vivem sem saneamento básico. A falta de abastecimento de água potável contribui, segundo estimativas, como fator de desencadeamento de 80% das doenças e das mortes no chamado mundo em desenvolvimento. Todos os anos morrem 5 milhões de pessoas, a maioria crianças (com menos de cinco anos). Mais de 50% dos africanos sofrem de doenças relacionadas à qualidade das águas (cólera e diarréia infantil).

Um cenário presente muito preocupante que nos remete a incertezas num futuro muito próximo. Se o ritmo de crescimento da poluição continuar acompanhando o da população, a Terra poderá perder 18 mil quilômetros quadrados de águas doces até 2050 (quase nove vezes o volume total usado a cada ano em irrigação no mundo). As comunidades que vivem em situação de risco social e pobreza extrema são, como é de se prever, as mais afetadas pela poluição. Metade da população de países em desenvolvimento está exposta a mananciais poluídos. O quadro é muito grave na Ásia, onde os rios têm três vezes mais bactérias originárias de esgotos do que a média mundial. Além disso, os corpos d'água asiáticos apresentam taxas de enxofre até 20 vezes superiores às dos países ricos.

Estamos atingindo um limiar que exige uma maior cumplicidade e participação ativa da sociedade na busca soluções e de inovações tecnológicas para as grandes questões referentes à gestão das águas.

Os prognósticos indicam um agravamento significativo quando a população mundial atingir os cerca de 10 bilhões de habitantes. As mudanças climáticas poderão acarretar alterações significativas dos padrões atuais de distribuição de chuvas nos continentes e prováveis conflitos estarão associados diretamente à posse da água.

As preocupações com a necessidade pela preservação da água e de seu uso sustentável, inter-relacionam um dos elementos essenciais à manutenção da saúde e a qualidade de vida, em todas as suas formas conhecidas, e também como base fundamental ao desenvolvimento econômico e social de todos os povos, nações e continentes. A importância dessa preservação intensifica-se, na medida em que a população cresce e a disponibilidade de água se reduz ante o comprometimento cada vez maior de sua qualidade.

A água de boa qualidade é um recurso natural finito, e sua disponibilidade de consumo diminui a cada dia com o crescimento da população mundial - superior a seis bilhões de habitantes. Dados da ONU apontam que a taxa bruta de natalidade é 2,4 vezes maior que a taxa bruta de mortalidade o que corresponde a 215 mil novos habitantes/dia ou 1,5 milhão por semana em nosso Planeta.

Com o objetivo de salientar a degradação do meio ambiente, o comprometimento dos recursos hídricos e visando buscar soluções, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou a resolução A/RES/47/193 de 22 de fevereiro de 1993, através da qual o dia 22 de março de cada ano será declarado o Dia Mundial das Águas. Além disso, a ONU elaborou um documento intitulado Declaração Universal dos Direitos da Água. Através da Lei n.º 10.670, de 14 de maio de 2003, o Congresso Nacional Brasileiro instituiu o Dia Nacional da Água na mesma data: um recurso natural que propicia saúde, conforto e riqueza ao homem.

Apesar do Brasil, ser detentor de grande parte desse precioso bem - cerca de 13% da água doce do planeta, mais de dois milhões de domicílios não possuem água canalizada (nem mesmo com acesso a poço ou nascente na propriedade).

Temos o maior rio do mundo, o Amazonas e um dos maiores reservatórios de água subterrânea do planeta: o Sistema Aqüífero Guarani. Apesar disso, a crescente escassez da água tem acentuado os problemas ambientais de várias regiões de nosso país. Segundo dados do IBGE, atualmente, apenas 54% dos domicílios brasileiros contam com o serviço em saneamento básico. A drenagem indiscriminada, o desmatamento, a pesca predatória, a poluição dos recursos hídricos têm aumentado os conflitos pelos diversos usos. Há também a questão do desperdício.

Uma retrospectiva Histórica

Até o início do século XX, a economia brasileira caracterizava-se por ser predominantemente agrícola. Nesse período a utilização das águas era uma questão de interesse local, pois restringia-se ao abastecimento dos municípios à agricultura e à geração de energia elétrica. Em função das crises energéticas e por não haver uma regulamentação do uso das águas, no governo do presidente Getúlio Vargas foi promulgado o Código de Águas, através do Decreto nº 24.643, em 10 de julho de 1934. As considerações para o ato apontavam que o uso das águas regiam-se por uma legislação obsoleta, em desacordo com as necessidades e interesse da coletividade nacional. Esse decreto constituiu o marco regulatório para o setor proporcionando aos meios legais e econômicos a expansão alcançada nas décadas seguintes. O documento disciplinou o uso das águas no Brasil por quase 70 anos.

A partir da Assembléia das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, realizada em Estocolmo no ano de 1972, a questão ambiental passou a transitar nas discussões em vários países. Um evento que colocou o meio ambiente no foco das preocupações internacionais: o planeta corria perigo e clamava por cuidados. Também foi o início das discussões internacionais voltadas para a criação de um modelo de gestão da água. A Conferência de Estocolmo foi realizada na Suécia que na época havia sofrido sérios danos em milhares de seus lagos, devido às chuvas ácidas resultante da poluição atmosférica. No mesmo ano foi criado o Programa as Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA/UNEP) para ação e coordenação de questões ambientais no âmbito da ONU.

Diante desse fato, o Brasil manifestou intenção de adequar o modelo de gestão das águas, que começou a ser consolidado a partir dos anos de 1980, quando as legislações estaduais iniciaram a tratar da proteção do meio ambiente

O primeiro estudo no Brasil sobre recursos hídricos aconteceu em 1985, quando as informações passaram a se agrupar por bacias hidrográficas.

Com a promulgação da Constituição Federal, em 1988 houve um grande avanço nas políticas públicas em gestão ambiental. A partir da Constituição Federal a participação social na gestão da água e dos recursos naturais passa ser um preceito fundamental.

Em 1997 foi promulgada a Lei Federal nº 9.433/97 que instituiu a Política Nacional de Recursos Hídricos e criou o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Essa Lei fornece as diretrizes gerais relacionadas à sistematização e adequação da gestão dos recursos hídricos, de forma a garantir a quantidade e a qualidade, respeitando-se as diversidades bióticas, demográficas, econômicas, sociais e culturais das diversas regiões do País. Busca ainda articular os diversos tipos de usos e usuários, integrando-os à gestão das bacias hidrográficas.

O gerenciamento dos recursos hídricos envolve um conjunto de ações governamentais, destinada a avaliar a situação corrente de uso e o controle dos recursos hídricos.

Os princípios fundamentais do processo de gestão incluem:

O acesso aos recurso hídricos é um direito de todos

A água é considerada um bem econômico

A unidade de planejamento adotada é a bacia hidrográfica

A disponibilidade hídrica deve ser distribuída obedecendo a critérios econômicos, sociais e ambientais

Deve existir um sistema de planejamento e controle

Deve incentivar programas de educação ambiental, entre outros.

Em 17 de julho de 2000 foi promulgada a Lei Federal nº 9.984 que criou a Agência Nacional de Águas – ANA, vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, com a finalidade de implementar a Política Nacional de Recursos Hídricos

Situações preocupantes no Brasil

Conforme aponta o relatório GEO Brasil Recursos Hídricos, há uma enorme discrepância em relação à distribuição geográfica e populacional da água no país: a região Amazônica abriga sozinha 74% da disponibilidade de água, mas é habitada por menos de 5% dos brasileiros. Além disso, o Brasil convive com outro aspecto que colabora para o quadro de escassez em algumas localidades. Fora a poluição dos rios e nascentes, merece destaque a deficiência nos sistemas de coleta de esgotos. Hoje, apenas 54% dos domicílios brasileiros contam com esse serviço. Há também a questão do desperdício.

De acordo com dados da Agência Nacional das Água - ANA, dos 840 mil litros de água consumidos no Brasil a cada segundo, 69% são destinados à agricultura. Tanto o uso urbano como o uso com animais demanda, cada um, 11% da água brasileira. O consumo industrial (7%) e o rural (2%) completam o quadro. Todos estes consumidores tendem a usar a água de modo abusivo, por motivos que vão desde problemas na irrigação até o abuso no uso doméstico.

Apesar da existência de instrumentos legais e órgãos governamentais para coordenar a gestão das recursos hídricos, a sociedade é um elemento fundamental no processo, exercendo seu papel de controle social e compartilhando com o governo o objetivo de garantir para as gerações presentes e futuras, a preservação da água enquanto recurso natural e sua disponibilidade para todos os tipos de uso: uma necessidade para a implementação de ações voltadas para o desenvolvimento sustentável e o enquadramento das políticas e princípios da Agenda 21 Brasileira.

De acordo com a Agenda 21, cada pessoa deveria ter acesso a pelo menos 40 litros de água potável por dia para desfrutar de uma vida digna e saudável. Considerando que a população global passa dos 6 bilhões de pessoas, seriam necessários mais de 240 bilhões de litros de água tratada diariamente. Para termos uma melhor compreensão do problema, acrescentamos ainda as necessidades de água para as demais espécies e para outros usos humanos (irrigação, processos industriais, limpeza pública etc.).

A gestão pública dos recursos hídricos, visando o uso responsável e racional para um desenvolvimento sustentável, deve estar acima dos interesses econômicos e políticos, sendo obrigação de todo cidadão evitar o desperdício. São fundamentais as ações em Educação Ambiental para que a sociedade se integre cada vez mais nas discussões relacionadas aos problemas ambientais da sua região, do seu município, do seu bairro. A difusão de novas tecnologias sociais que visem à preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável, mesmo que em ações locais, acabam gerando um efeito global.

David Cafruni Ferreira

Fonte: portal.cachoeirinha.rs.gov.br

Dia Mundial da Água

22 de Março

Dia Mundial da Água

Dia Mundial da Água foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no dia 22 de março de 1992. O dia 22 de março, de cada ano, é destinado a discussão sobre os diversos temas relacionadas a este importante bem natural.

Mas porque a ONU se preocupou com a água se sabemos que dois terços do planeta Terra é formado por este precioso líquido? A razão é que pouca quantidade, cerca de 0,008 %, do total da água do nosso planeta é potável (própria para o consumo). E como sabemos, grande parte das fontes desta água (rios, lagos e represas) esta sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. Esta situação é preocupante, pois poderá faltar, num futuro próximo, água para o consumo de grande parte da população mundial. Pensando nisso, foi instituído o Dia Mundial da Água, cujo objetivo principal é criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para resolver tal problema.

No dia 22 de março de 1992, a ONU também divulgou um importante documento: a “Declaração Universal dos Direitos da Água” (leia abaixo). Este texto apresenta uma série de medidas, sugestões e informações que servem para despertar a consciência ecológica da população e dos governantes para a questão da água.

Mas como devemos comemorar esta importante data? Não só neste dia, mas também nos outros 364 dias do ano, precisamos tomar atitudes em nosso dia-a-dia que colaborem para a preservação e economia deste bem natural. Sugestões não faltam: não jogar lixo nos rios e lagos; economizar água nas atividades cotidianas (banho, escovação de dentes, lavagem de louças etc); reutilizar a água em diversas situações; respeitar as regiões de mananciais e divulgar idéias ecológicas para amigos, parentes e outras pessoas.

Declaração Universal dos Direitos da Água

Art. 1º - A água faz parte do patrimônio do planeta.Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º - A água é a seiva do nosso planeta.Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.

Art. 3º - Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º - O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º - A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

Art. 6º - A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º - A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º - A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º - A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º - O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Fonte: www.alegrete.com.br

Dia Mundial da Água

22 de Março

Água é fonte da vida. Não importa quem somos, o que fazemos, onde vivemos, nós dependemos dela para viver. No entanto, por maior que seja a importância da água, as pessoas continuam poluindo os rios e suas nascentes, esquecendo o quanto ela é essencial para nossas vidas.

A água é, provavelmente o único recurso natural que tem a ver com todos os aspectos da civilização humana, desde o desenvolvimento agrícola e industrial aos valores culturais e religiosos arraigados na sociedade.

É um recurso natural essencial, seja como componente bioquímico de seres vivos, como meio de vida de várias espécies vegetais e animais, como elemento representativo de valores sociais e culturais e até como fator de produção de vários bens de consumo final e intermediário.

Segundo estatísticas, 70% do planeta é constituído de água, sendo que somente 3% são de água doce e, desse total, 98% está de água subterrânea. Isto quer dizer que a maior parte da água disponível e própria para consumo é mínima perto da quantidade total de água existente na nossa Terra.

Nas sociedades modernas, a busca do conforto implica necessariamente em um aumento considerável das necessidades diárias de água.

Os recursos hídricos têm profunda importância no desenvolvimento de diversas atividades econômicas. Em relação à produção agrícola, a água pode representar até 90% da composição física das plantas. A falta d'água em períodos de crescimento dos vegetais pode destruir lavouras e até ecossistemas devidamente implantados.

Na indústria, para se obter diversos produtos, as quantidades de água necessárias são muitas vezes superiores ao volume produzido.

Observando os dados abaixo, percebemos que precisamos começar a utilizar a água de forma prudente e racional, evitando o desperdício e a poluição, pois:

Um sexto da população mundial, mais de um bilhão de pessoas, não têm acesso a água potável;

40% dos habitantes do planeta (2.400 milhões) não têm acesso a serviços de saneamento básico;

Cerca de 6 mil crianças morrem diariamente devido a doenças ligadas à água insalubre e a um saneamento e higiene deficientes;

Segundo a ONU, até 2025, se os atuais padrões de consumo se mantiverem, duas em cada três pessoas no mundo vão sofrer escassez moderada ou grave de água.

Fonte: 360graus.terra.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal