Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia Nacional dos Ostomizados  Voltar

Dia Nacional dos Ostomizados

16 de Novembro

Os termos de ostomia e estoma são termos descritivos gerais que muitas vezes são usados como sinônimos embora tenham significados diferentes.

Uma ostomia refere-se à abertura criada cirurgicamente no corpo para a descarga de resíduos do corpo.

Um estoma é o fim real do ureter ou intestino pequeno ou grande, que pode ser visto saliente através da parede abdominal.

Os tipos específicos mais comuns de ostomias são descritos abaixo:

Colostomia

A abertura criada cirurgicamente no cólon (intestino grosso), que resulta em um estorna. Uma colostomia é criado quando uma parte do cólon ou do reto é removido, e o restante do cólon é trazido para a parede abdominal. Pode ainda ser definida pela porção do cólon envolvido e / ou a sua permanência.

Colostomia temporária

Permite que a porção inferior do cólon para descansar ou curar. Ele pode ter uma ou duas aberturas (se dois, um descarregará apenas muco).

Colostomia permanente

Geralmente envolve a perda de parte do cólon, mais comumente do reto. A extremidade da porção remanescente do cólon é trazido para fora da parede abdominal para formar o estoma.

Sigmóide ou Descendente da colostomia

O tipo mais comum de uma ostomia, na qual a extremidade do cólon descendente ou sigmóide é trazida à superfície do abdômen. É geralmente localizada no lado inferior esquerdo do abdômen.

Colostomia transversa

A abertura cirúrgica criada no cólon transverso, resultando em uma ou duas aberturas. Ele está localizado na parte superior do abdome, lado meio ou à direita.

Circuito da colostomia

Normalmente criada no cólon transverso. Este é um estoma com duas aberturas, uma descarga de fezes, o segundo muco.

Crescente colostomia

Uma abertura relativamente raro na porção ascendente do cólon. Ele está localizado no lado direito do abdômen.

Ileostomia

Uma abertura criada cirurgicamente no intestino delgado, geralmente no final do íleo. O intestino delgado é trazido, através da parede abdominal para formar um estoma. Ileostomias podem ser temporários ou permanentes, e podem envolver a remoção de toda ou parte de todo o cólon.

Reservatório ileoanal (J-Bolsa)

Esta é agora a alternativa mais comum para a ileostomia convencional. Técnica, que não é uma ostomia, pois não há estoma. Neste procedimento, o cólon e a maior parte do reto são removidos cirurgicamente e uma bolsa interna é formada a partir da porção terminal do íleo. Uma abertura na parte inferior desta bolsa está ligado ao orifício retal de tal modo que os músculos do esfíncter do orifício retal existentes podem ser utilizadas para a continência. Este procedimento só deve ser realizado em pacientes com colite ulcerativa ou polipose familiar que não perderam previamente seus esfíncteres do orifício retal. Além disso, para a embalagem de "J", há "S" e "W" bolsa variantes geométricas. É também chamado de anastomose ileoanal, pull-thru, endoretal pullthrough, bolsa pélvica e, talvez o nome mais impresssive, ileal pouch anastomose do orifício retal (IPAA).

Ileostomia Continente (Kock Pouch)

Nesta variação cirúrgica da ileostomia, uma bolsa reservatório é criado no interior do abdômen com uma parte do íleo terminal. Uma válvula é construída dentro da bolsa e um estorna é trazido, através da parede abdominal. Um cateter ou tubo é inserido dentro da bolsa, várias vezes por dia para drenar as fezes a partir do reservatório. Este procedimento tem sido geralmente substituídos em popularidade pelo reservatório ileoanal (acima). Uma versão modificada deste procedimento denominado Barnett Continente reservatório intestinal (BCIR) é realizado a um número limitado de instalações.

Urostomia

Este é um termo geral para um procedimento cirúrgico, que desvia a distância a partir da urina da bexiga um doente ou defeituoso. Os procedimentos conduto ileal ou cecal urostomias são os mais comuns. Ou uma secção no fim do intestino delgado (íleo) ou no início do intestino grosso (ceco) é removido cirurgicamente e realocados como uma passagem (conduta) para a passagem da urina dos rins para o exterior do corpo através de um estoma. Pode incluir a remoção da vesícula doente.

Urostomia Continente

Existem dois principais continente procedimento alternativas para o conduto ileal ou ceco (existem outros). Em ambas as versões bolsa Indiana e Kock, um reservatório ou bolsa é criado no interior do abdómen com uma porção tanto do intestino delgado ou grosso. Uma válvula é construída dentro da bolsa e um estorna é trazido, através da parede abdominal. Um cateter ou tubo é inserido várias vezes ao dia, para drenar a urina a partir do reservatório.

Bolsa Indiana

A válvula ileocecal que é normalmente entre os intestinos grosso e delgado é transferido e utilizado para fornecer a continência para a bolsa, que é feito a partir do intestino grosso. Com uma versão bolsa Kock, que é semelhante ao que é utilizado como uma alternativa ileostomia, a bolsa e uma válvula especial "bocal" são ambos feitos a partir do intestino delgado. Em ambos os procedimentos, a válvula está situada na saída do saco para manter a urina até o cateter é inserido.

Neobexiga Ortotópico

Uma substituição da bexiga, feito a partir de uma secção do intestino, que substitui a bexiga na sua posição normal, e está ligado à uretra para permitir anular através do canal normal. Como o reservatório ileoanal, isto não é tecnicamente uma ostomia, porque não há estoma. Candidatos à cirurgia neobladder são pessoas que precisam ter a bexiga retirada, mas não precisa ter o músculo do esfíncter urinário removido.

Fonte: www.ostomy.org

Dia Nacional dos Ostomizados

16 de Novembro

O que é uma ostomia?

A ostomia é uma abertura criada cirurgicamente entre o intestino e a parte externa do corpo. A abertura da ostomia é conhecida como estoma.

Existem três tipos diferentes de ostomia:

1. Colostomia: A extremidade de uma pequena parte do intestino grosso (cólon) é trazida, através de uma abertura cirúrgica, para a parte externa do abdome;

2. Ileostomia: A extremidade final do intestino delgado é trazida, através de uma abertura cirúrgica, para a parte externa do abdome;

3. Urostomia: Procedimento mediante o qual uma bexiga comprometida é removida e um pedaço do intestino delgado é utilizado, então, para criar uma bolsa para a urina. Em seguida, a extremidade desse pedaço do intestino é trazida, através de uma abertura cirúrgica, para a parte externa do abdome.

Com a ostomia, a urina ou evacuação (fezes) é "redirecionada" para sair pelo estoma e entrar em uma bolsa carregada do lado externo do abdome. Embora suas dimensões e formas possam ser diferentes, os estomas têm muitas semelhanças entre si.

As características de um estoma saudável são:

Sempre rosado ou vermelho – o estoma é cheio de vasos sangüíneos próximos da superfície.

Sempre úmido – o estoma é uma membrana mucosa igual à parte interna da boca. Possui lubrificação natural.

Pode sangrar ocasionalmente. A superfície do estoma contém uma grande quantidade de vasos sangüíneos que podem romper-se e sangrar ligeiramente na hora de trocar o disco protetor da bolsa. Esse sangramento é semelhante ao que ocorre quando a pessoa morde a gengiva ao mastigar; não é motivo para preocupação.

Pode “se mexer” – o movimento que ocorre normalmente nos intestinos podecontinuar até chegar ao estoma. É possível ver o estoma contrair e expandir-se quando a bolsa é retirada.

Sua forma é variável – nem todos os estomas são redondos. Muitos têm forma oval ou irregular. É importante tomar a medida certa do estoma ao posicionar o disco protetor da bolsa sobre o estoma, de modo que a pele ao redor dele esteja protegida sem que o disco protetor fique apertado demais em torno do estoma.

Pode ficar inchado – ocasionalmente, um vírus, bactéria ou obstrução pode causar inchaço do estoma. É importante medir novamente o estoma quando ocorrer algum inchaço a fim de assegurar-se de que a abertura do disco protetor é adequada.

O que devo relatar ao meu médico?

Resumindo, um estoma normal é rosado ou vermelho, úmido, às vezes pode sangrar ligeiramente e não tem sensação de dor.

Chame o seu médico se você perceber o seguinte:

O estoma tiver alguma alteração incomum ou sua coloração ficar escurecida, azulada ou negra
A pele ao redor do estoma estiver irritada, inchada ou avermelhada.
Sangramento excessivo (sangue dentro da bolsa cada vez que ela é esvaziada) ou sangramento contínuo no local da conexão do estoma com a pele do abdome.
Cólicas com 2 a 3 horas de duração; ou enjôo / vômito
Temperatura acima de 30°C (100°F)
No caso de pacientes submetidos à colostomia – forte corrimento aquoso com mais de 5 a 6 horas de duração.

Quais serão os suprimentos necessários para meu estoma?

Guarde os seguintes suprimentos juntos no mesmo lugar. Confira seus suprimentos periodicamente e faça novas encomendas com antecedência. Assim, é certeza que você sempre terá todos os suprimentos necessários.

1. Panos laváveis ou chumaços de gaze não estéreis 4X4
2. Sabonete neutro
3. Discos protetores e bolsas
4. Skin Prep – somente se o disco protetor tiver adesivo
5. Guia de medição
6. Tesoura (para recortar o disco protetor no tamanho exato do estoma).

Quais são os cuidados diários com a ostomia?

Troca da bolsa coletora:

1. Limpar o estoma com um pano molhado com água morna
2. Enxaguar a bolsa e utilizá-la novamente ou trocar a bolsa e reconectá-la ao dispositivo

Troca completa do dispositivo (sistema da bolsa e disco protetor)

1. Remover delicadamente o dispositivo
2. Lavar o estoma e a pele ao redor dele com um pano molhado somente com água morna; se usar sabonete, é importante enxaguar cuidadosamente
3. Secar a área cuidadosamente
4. Manter os pelos ao redor do estoma sempre raspados
5. Se perceber alguma alteração na pele ao redor do estoma, entrar em contato com a enfermeira ou médico para receber instruções
6. Medir o estoma para verificar qualquer alteração em suas dimensões. Recortar um orifício no dispositivo para um ajuste de 1/16 de polegada (2 milímetros) maior
do que o estoma, a fim de proteger a pele ao redor dele contra a irritação causada pela urina ou fezes
7. Colocar o dispositivo ao redor do estoma. Segurar o dispositivo no lugar com firmeza, durante alguns segundos, de modo que o calor do corpo faça a vedação da barreira na pele em torno do estoma.
8. Se o sistema for de duas peças, recolocar a bolsa. Certificar-se de que a bolsa está firmemente conectada.

Fontes:

United Ostomy Association pelo site www.uoa.com
Wound/Osotmy/Continence Nurses Organization pelo site www.wocn.org
www.danburyhospital.org

Fonte: www.danburyhospital.org

Dia Nacional dos Ostomizados

16 de Novembro

O Ministério da Saúde lança diretrizes para atendimento a pessoas ostomizadas

O Ministério da Saúde vai qualificar o atendimento a pessoas submetidas à cirurgia de estomia (cirurgia que cria um orifício no corpo permitindo comunicação com o exterior). Se antes os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) recebiam as bolsas coletoras e adjuvantes de proteção e segurança, agora eles também serão acompanhados por equipes multiprofissionais em serviços especializados. Em novembro de 2009, foram lançadas as Diretrizes Nacionais para orientar estados e municípios a organizar os serviços prestados a esses pacientes no SUS - Portaria SAS/MS nº 400 - 16/11/2009. O lançamento no plenário do Senado Federal celebrou o Dia Nacional dos Ostomizados, comemorado em 16 de novembro.

A norma define os tipos de unidades para as quais os usuários serão referenciados, de acordo com suas necessidades. Nesses locais, eles serão atendidos por equipes formadas por médico, enfermeiro, assistente social, psicólogo, e nutricionista, para intervenções especializadas, orientações para o autocuidado, prevenção de complicações nas estomias, além da prescrição e fornecimento das bolsas coletoras e adjuvantes de proteção e segurança. Por ano, cerca de 1,4 milhão de pessoas utilizam esses serviços no SUS. O documento também propõe que sejam desenvolvidas ações na atenção básica dirigidas as pessoas com estomia e seus familiares e a realização de educação permanente de profissionais.

“O objetivo é organizar e ampliar no SUS o acesso a serviços qualificados para a reabilitação das pessoas ostomizadas”, explica a coordenadora da área técnica de Saúde da Pessoa com Deficiência, Érika Pisaneschi. A medida é uma grande conquista da saúde pública brasileira e atende uma antiga demanda da sociedade. Por sofrerem importantes alterações no corpo, os pacientes ostomizados precisam de apoio especializado para se adequarem à nova situação física.

CONQUISTA - Com a organização dos serviços, o atendimento passa a ser ofertado não só em hospitais de alta e média complexidade - como em ambulatórios de hospitais gerais e em Unidades e Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacons e Cacons). A assistência especializada também será oferecida em Policlínicas e Unidades de Reabilitação Física. Dessa forma, o serviço ficará mais próximo dos pacientes.

O MS lança as novas diretrizes em conformidade com a Política Nacional de Saúde das Pessoas com Deficiência e o Decreto nº 5296/04, a partir do qual as pessoas ostomizadas são consideradas pessoas com deficiência física.

O que é pessoa ostomizada?

É aquela que precisou passar por uma intervenção cirúrgica para fazer no corpo uma abertura ou caminho alternativo de comunicação com o meio exterior, para a saída de fezes ou urina, assim como auxiliar na respiração ou na alimentação. Essa abertura chama-se estoma.

O que é uma estomia?

É o nome da cirurgia que cria um orifício (estoma), no abdômen ou na traquéia, permitindo comunicação com o exterior. São elas: colostomia (comunicação do intestino grosso com o exterior); ileostomia (comunicação do intestino delgado com o exterior); urostomia (cria um trajeto alternativo para a saída da urina); gastrostomia (comunicação do estômago com o meio exterior); traqueostomia (comunicação da traquéia com o exterior).

Fonte: portal.saude.gov.br

Dia Nacional dos Ostomizados

16 de Novembro

Dia Nacional dos Ostomizados
Ilustração do intestino grosso, intestino delgado e do reto

Uma ostomia é a cirurgia para criar uma abertura (estoma) a partir de uma área no interior do corpo para o exterior.

Trata-se de certas doenças do aparelho digestivo ou urinário. Ele pode ser permanente, quando um órgão deve ser removido.

Pode ser temporária, quando o órgão precisa de tempo para cicatrizar.

O órgão pode ser o intestino delgado, cólon, reto, ou bexiga.

Com uma ostomia, deve haver uma nova forma de resíduos para deixar o corpo.

Existem muitos tipos diferentes de ostomia.

Alguns exemplos são

Ileostomia - a parte inferior do intestino delgado (íleo) está ligado ao estoma. Isso ignora o cólon, reto e orifício retal.

Colostomia - o cólon está ligado ao estoma. Isso ignora o reto e orifício retal.

Urostomy - os tubos que transportam a urina na bexiga, são ligados ao estoma. Isso ignora a bexiga.

Fonte: www.nlm.nih.gov

Dia Nacional dos Ostomizados

16 de Novembro

LEI Nº 11.506, DE 19 DE JULHO DE 2007.

Institui a data de 16 de novembro como o Dia Nacional dos Ostomizados.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1o É instituído o dia 16 de novembro de cada ano como o Dia Nacional dos Ostomizados.

Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 19 de julho de 2007; 186o da Independência e 119o da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

José Gomes Temporão

Fonte: www.abraso.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal