Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia de São Geraldo  Voltar

Dia de São Geraldo

 

19 de Setembro

1726 - 1755

Geraldo nasceu em 1726 em Muro Lucano, lugar pequeno do sul da Itália. Teve a sorte de ter uma piedosa mãe, Benedetta, que o fez conhecer o amor infinito e misericordioso de Deus. Sentia-se feliz porque estava junto de Deus.

Geraldo tinha doze anos quando seu pai morreu e ele se tornou assim o apoio da família.

Entrou como o aprendiz de alfaiate, onde o substituto do professor o maltratava e chegava a bater nele. Depois de quatro anos de aprendizagem e justamente no momento em que podia começar a trabalhar como alfaiate, disse que ia trabalhar como criado do bispo de Lacedônia.

Os amigos o aconselharam que não aceitasse este trabalho porque os momentos raivosos e os maus tratos que recebiam do irascível prelado, eles como criados, viam-se forçados a abandonar o emprego em poucas semanas. Mas isto não foi suficiente fazer Geraldo desistir. Durante três anos se ocupou de tudo e permaneceu aí até a morte do bispo.

Durante muito tempo, Geraldo acreditou que assim cumpria a vontade de Deus e por isso aceitou tudo. Os maus tratos do alfaiate, e assim como ser considerado uma nulidade pelo bispo, não importava nada para ele, via o sofrimento como parte integrante do seguimento de Cristo. "Sua Excelência me quer bem", dizia. Desde então, Geraldo passava longas horas diante do Santíssimo Sacramento, o mistério do Senhor crucificado e ressuscitado.

Em 1745, aos 19 anos, voltou para Muro, onde começou a exercer por conta própria o ofício de alfaiate. O negócio ia bem, mas ele não juntou muito dinheiro. Praticamente ele dava tudo. Punha à parte separado o necessário para a mãe para a irmã, e o resto dava para os pobres, ou simplesmente o usava para mandar celebrar missas para as almas do purgatório.

Não houve uma súbita nem uma conversão espetacular em Geraldo. Foi um processo normal e constante de um crescimento no amor de Deus.

Na Quaresma de 1747 decide se assemelhar o mais possível a Jesus Cristo. Entregou-se às penitências mais severas, e procurou as humilhações passando por louco e estando contente de que os outros se rissem dele.

Quis servir totalmente o Senhor, e pediu para ser capuchinho; mas não foi aceito. Aos 21 anos tentou viver uma vida eremítica. Desejava chegar a assemelhar-se inteiramente a Cristo até o ponto de aceitar com alegria o ser protagonista da Paixão, como imagem viva de Cristo, na Catedral de Muro.

Conheceu os redentoristas e pediu então para entrar entre eles; mas recebeu uma recusa também por causa de seu estado precário de saúde. Porém, continuou insistindo até que o Padre Paulo Cáfaro o aceitou, mas isto não sem uma certa dificuldade, enviando-o para o noviciado em Iliceto, em 1749, com um bilhete no qual dizia: "Eu envio um irmão inútil."

Geraldo professou em Iliceto no dia 16 de Julho 1752. Aqui desmentiu muito depressa, por seu serviço excelente como porteiro, alfaiate e sacristão, o prognóstico feito pelo Padre Cáfaro sobre ele. Ganhou uma tal fama de santidade que um grande número das pessoas ia a ele para o ter como guia espiritual na vida. Ele recebeu logo o dom de ler nas consciências.

Entre aqueles que o apreciaram e o veneraram por sua santidade se encontra a Venerável Maria Celeste Crostarosa. Os muitos milagres que são atribuídos a ele, imerecidamente deram- lhe o título de taumaturgo.

Morreu em Materdomini no dia e na hora que ele tinha predito, 16 de outubro de 1755, consumido pelas suas severidades e pela tuberculose.

Foi beatificado por Leão XIII no dia 29 de janeiro de 1893 e canonizado por Pio X no dia 11 de dezembro de 1904.

Muitos católicos o veneram no mundo inteiro como o patrono especial das mães e das famílias.

Pe. Geraldo Rodrigues, C.Ss.R.

Fonte: www.ceresp.com.br

Dia de São Geraldo

19 de Setembro

HISTÓRIA

São Geraldo: um santo nascido em meio ao povo

Geraldo Magela era alfaiate e, desde criança, apresentava forte vocação para a santidade São Geraldo nasceu em 6 de abril de 1726, na cidade de Muro, na Província de Basilicata, na Itália, sob o nome de Geraldo Magela, sendo o quinto filho de um casal cujo pai era alfaiate e a mãe dona de casa. Aos cinco anos aparecia sempre em casa com um pão e, ao ser indagado, dizia ser presente de um menino. Sua mãe, curiosa com o fato, certo dia o seguiu e ficou maravilhada ao constatar que a criança brincava com o Menino Jesus que descia do colo da Madona, na Capela de Capotignano.

Aos 8 anos de idade, Geraldo apresentou-se para a comunhão, não sendo atendido pelo padre. No dia seguinte, revelou que havia recebido a comunhão das mãos do Arcanjo Gabriel. Aprendeu o ofício do pai e aos 14 anos foi crismado pelo bispo Dom Cláudio Albini, que passou a ser seu tutor. Após a morte do bispo, Geraldo voltou a atuar como alfaiate e sua paixão por Jesus Cristo só fez aumentar.

Padres Missionários — Quando da chegada dos Padres Missionários na cidade de Muro, Geraldo se apresentou ao superior, mas não foi aceito pela Ordem devido a frágil saúde. Implorando diversas vezes para o superior aceitá-lo, conseguiu entrar na Ordem, mesmo contra a vontade de sua mãe e de suas irmãs.

No convento, dedicou-se à jardinagem, à cozinha, até voltar ao seu ofício original de alfaiate. Nas horas de folga, visitava doentes e, numa dessas visitas, conseguiu que Deus restabelecesse a saúde de um tuberculoso desenganado.

Aos 26 anos de idade tornou-se noviço, na congregação Redentorista. Nos últimos dias de sua vida, um perfume exalava em seu quarto, que segundo o reitor da congregação era um dos dons muito raros recebidos de Deus por Geraldo. Na tarde do dia 15 de outubro de 1755, Geraldo foi visitado pelo seu irmão Estevam Sperduto, a quem confidenciou que morreria naquela noite. Pediu a Deus que morresse abandonado de todos, no que foi atendido.

Ainda no século passado, recebeu o título de Venerável devido a comprovação de quatro milagres: cura de José Santorelli, de febre tifóide, em 1826; cura de Úrsula Solito, de câncer, em 1850; cura de Tereza Deheneffe, de uma ferida grave, em 1852 e a cura da hidropisia, de Lourenço Riola, em 1867. No dia 11 de dezembro do ano de 1904, o papa Pio X canonizou solenemente Geraldo Magela, incluindo-o no catálogo dos Santos da Igreja.

Fonte: www.sampaio.jor.br

Dia de São Geraldo

19 de Setembro

Nasceu em 23 de abril de 1725 na cidade de Muro, Itália, filho de um alfaiate que morreu quando Geraldo tinha apenas 12 ,deixando sua família na pobreza.

Desde criança deseja seguir a careira religiosa e tentou entrar para a Ordem dos Capuchinhos mas sua saúde não permitiu, mas algum tempo depois conseguiu entrar como irmão para a ordem dos Redentoristas, servindo como sacristão, jardineiro, porteiro e enfermeiro.

Ficou famoso pelos seus dons supernaturais como mestre, profecias, extasies, visões e notável conhecimento.

Embora não fosse um padre, os seus conselhos espirituais eram procurados pelos clérigos e comunidades de irmãs nas quais ele dava conferencias.

Ele tinha grande sucesso em converter pecadores e ficou famoso pela sua santidade e caridade.

Dia de São Geraldo

Quando em 1754 foi acusado falsamente de ser o pai do filho de uma mulher gravida –Néria Caggiano- ele apenas fez uma oração e a mulher se arrependeu, retratou e o inocentou.

Assim começou a associação de São Geraldo como padroeiro da gravidez. Notável leitor de mentes e de consciências.

Ele foi enviado a Nápoles e logo sua casa foi inundada de visitas desejando vê-lo e ouvir seu conselhos e assim alguns meses mais tarde ele foi enviado para Caposele.

Diz a tradição que vários se converteram graças aos conselhos e que curava vários doenças apenas com a sua benção e oração.

Vivia em uma pequena cela no convento, na maior humildade e seu ultimo desejo consistiu de uma pequena nota na porta de sua cela que dizia:

"Aqui o desejo de Deus é feito como Deus quer, quando e enquanto quiser" .

Morreu em 1755 de tuberculose na Itália e logo o seu túmulo se tornou um local de peregrinação e vários milagres são creditados a sua intercessão.

Foi canonizado em 1904 pelo Papa Pio X .

É o padroeiro da gravidez, dos falsamente acusados, das boas confissões e da maternidade.

Fonte: www.cademeusanto.com.br

Dia de São Geraldo

19 de Setembro

Hoje, nos enriquecemos com a vida de santidade de São Geraldo, o primeiro mártir da Hungria.

O santo de hoje nasceu em Veneza, em 980. Estudou em escola beneditina e teve uma ótima formação, que inclui o zelo pela salvação das almas. Abraçou a vida religiosa na Ordem Beneditina e em pouco tempo São Geraldo chegou ao serviço de abade do mosteiro.

Voltando de uma viagem à Terra Santa, passou pela Hungria e a pedido do rei assumiu a missão de evangelizar com seu grupo aquela nação. Combateu as idolatrias e o sagrado Bispo não deixava de recorrer e recomendar a Onipotência Suplicante da Virgem Maria.

Com a morte do rei, entrou a luta pelo poder e ele lutou pela paz onde reinava a discórdia. Um dos pretendentes não só era contra o Bispo, mas cultivava ódio pelo Cristianismo.

Numa viagem em socorro do povo com a fé ameaçada, São Geraldo foi preso e apedrejado até a morte pelos inimigos da fé, isto em 24 de setembro de 1046.

Deixou escrito lindos testemunhos do religioso Bispo e fiel cristão, o qual tornou-se com a graça de Deus.

São Geraldo...rogai por nós!

Fonte: www.cancaonova.com

Dia de São Geraldo

19 de Setembro

"São Geraldo Magela “o Santo que Brincou com Deus”.

A vida de Geraldo, assim como a vida de S. Francisco de Assis, Santo Antonio de Pádua, S. Colombano, São Francisco de Paula, foram tão extraordinárias, que mais parecem uma lenda.

São Geraldo nasceu em 6 de abril de 1726, na cidade de Muro, na Itália. Ele foi o quinto filho de um casal cujo pai Sr. Domingos era alfaiate e a mãe D. Benedita dona de casa.

Amigo do Menino Jesus

Aos cinco anos Geraldo já demonstrava ser um menino diferente. Em 1731, numa manhã, entra na Capela de Nossa Senhora, ao entrar junta as mãozinhas se ajoelha e sorri para Nossa Senhora e o Menino Jesus que trazia nos braços, coloca a mão direita nos lábios e com doçura própria de criança manda beijos carinhosos. O menino Jesus olha para a Mãe e como pedindo-lhe licença , sai de seus braços e vai brincar com Geraldinho. Ao término da brincadeira Jesus lhe dá um formoso pãozinho branco que leva para casa. Ao chegar em sua casa mostra o presente a sua mãe e conta que foi um amiguinho filho de uma Senhora muito formosa que lhe deu. Sua mãe olhando aquele pão, e repartindo com suas irmãs Izabel, Brígida e Ana Izabel, percebem que o sabor divino. Uma das filhas exclama:”Como é macio, como é branco, parece Pão do Céu”.

No dia seguinte aconteceu a mesma coisa, logo de manhazinha, Geraldo levantou , correu os quatro quilômetros que separava sua casa da Capela. Chegando lá o Menino Jesus já o esperava, brincam longo tempo e Geraldo mais uma vez recebe o pãozinho branco.

Geraldo chega com o pãozinho e entrega para D. Benedita, e esta novamente lhe pergunta quem lhe teria dado. Ele responde, é ‘meu amiguinho’, filho de uma Senhora muito formosa que encontrei na Igreja.

Sua mãe e suas irmãs, curiosas com o fato, no dia seguinte o seguiu e ficou maravilhada ao constatar que Geraldinho brincava com o Menino Jesus que descia do colo de Nossa Senhora, na Capela de Capotignano. Sua Mãe olhou em segredo e não permitiu que suas filhas também falassem, tinha medo de tirar a ingenuidade e inocência de seu filho. Passou então a educá-lo com mais carinho no caminho de Deus.

Geraldo se mostrava uma criança muito especial e D. Benedita, se esforçou muito para ensinar-lhe, “a ser humilde como o Deus do Presépio , e a mortificar-se como o Deus da Cruz”.

Recebe a Primeira Comunhão de São Miguel Arcanjo

Aos 8 anos de idade, Geraldo já tinha um forte desejo de na Missa receber a Santa Eucaristia, mas não o permitiam pois somente com 10 anos. Certa vez tomando de forte desejo, entrou na fila de comunhão e quase arrebatado em êxtases se apresentou para a comunhão, não sendo atendido pelo padre. Voltou para casa aos prantos e quanto entrou no quarto e fechou a porta, de repente uma luz envolveu todo o cômodo, era São Miguel Arcanjo que vinha trazendo um vaso de ouro, e lhe ministra Jesus Sacramentado. No mesmo instante Geraldo é tomado de uma luz que o eleva em formoso êxtases que vai durar até o dia seguinte.

Aprendiz de Alfaiate descobre a alegria no sofrimento

Aprendeu o ofício do pai e aos 12 anos após a morte do pai ingressa para trabalhar como aprendiz de alfaiate, para ajudar na renda da família. Sua Mãe Benedita, se torna lavadeira, passam por muitas necessidades, mas jamais deixa de levar seu filho Geraldinho pelo o caminho do Reino de Deus.

Se mostra muito esperto e em pouco tempo se torna uma excelente Alfaiate. Seu colega de trabalho, observando sua candura e comportamento de santo, começa a persegui-lo e a desferir-lhe surras memoráveis. Quanto mais lhe perseguia e quando lhe batia, Geraldo só falava: “Por amor de Jesus, eu te perdôo”. Certa vez Geraldo descobre seu companheiro tentando roubar seu Patrão e tenta persuadi-lo a não faze-lo o que vem a piorar ainda mais seu sofrimento. Somente mais tarde seu amigo e Patrão Sr. Pannuto descobre e despede o mau funcionário. Quando repreende a Geraldo por não ter-lhe contado, este silencia, feliz por ter sofrido por amor a Jesus.

Geraldo, sempre que podia se punha em oração e tinha sua alma tomada pela graça de Deus.

Deus estava sempre com Geraldo

Certa vez ao presenciar seu patrão querido em maus lençóis, por ter cortado o terno menor de um bravo pai que estava prestes a levar sua filha para o altar. Sr. Pannuto estava angustiado e agora vou ficar arruinado, e a sua frente lá estava o homem bufando de raiva. Geraldo se aproximou pegou o terno, tentou acalmar o zangado homem, dizendo que esperasse e confiasse em Deus.

Levou o terno para dentro, orou a Deus, e passou a mão esticando o terno, depois passou-o e o entregou em 10 minutos para homem, que muito desconfiado, acabou por experimentar o terno, e qual não foi sua surpresa ao ver o terno, com caimento perfeito. O homem ficou tão feliz, que recompensou muito bem o Alfaiate e o Aprendiz Geraldo.

Geraldo já manifestava grandes sinais de Santidade.

Aos 14 anos foi crismado pelo bispo Dom Cláudio Albini, que passou a ser seu tutor. Este homem tinha muito zelo com as coisas de Deus, mas por outro lado era muito exigente e tinha reputação de que não ficava mais de três meses com seus servos. Ficou encantado com Geraldo e pediu a sua mãe que liberasse Geraldo para trabalhar para ele. Sua mãe acabou por aceitar .
Geraldo acabou por ficar feliz, pois assim poderia sofrer por amor a Jesus. E assim se dá por longos três anos.

Milagre! Milagre!

Certa Vez, Geraldo se aproximou do poço para tirar água, este inclusive era muito fundo. De repente derrubou a única chave que tinha da casa dentro do poço. “Aí a chave”. Exclamou Geraldo e se pôs branco como cera. Percebendo a gravidade da situação, principalmente por ser as chaves do Sr. Bispo. Teve uma idéia...correu a Igreja, pediu licença a Nossa Senhora e tomou-lhe dos braços a estátua Do Menino Jesus, levou até a beira do poço, amarrou-a numa corda e disse olhando para a Imagem:”Tens de trazer-me a chave, do contrário o Sr. Bispo vai zangar comigo como nunca” Desceu o Menino Jesus até o fundo do poço, e este ao ser puxado pela corda, trás em suas mãos a tão desejada chave. As pessoas que estavam próximas aplaudiram e vibraram com o milagre do Menino.

Após a morte do bispo, Geraldo voltou a atuar como alfaiate.

Geraldo então realiza o sonho de sua mãe tê-lo perto de si e trabalhando na Oficina que era de seu Pai. As qualidades de excelente alfaiate que possuía não eram as mesmas como negociante e Geraldo cobrava por seus serviços somente o necessário para sua subsistência e dos pobres nada cobrava.

Certa vez chegou um camponês para tentar de fazer um terno, mas o pano que possuía era insuficiente. Geraldo se comoveu com a situação, e quando o camponês perguntou se seria possível, o santo respondeu, “não se preocupe, vamos confiar em Deus”. Quando o cliente recebeu sua encomenda, qual foi sua surpresa, o terno lhe caiu perfeito e ainda Geraldo lhe devolveu uma quantidade boa de retalhos.

É certo que Geraldo desde sua infância tinha o desejo de agradar a Deus, e passava horas em meditação na Paixão de Jesus Cristo. Possuía um amor à Virgem Maria, diariamente rezava o Rosário, fazia ladainhas, que bastava ouvir o Nome da Mãe de Deus para transfigurar-se e encher-se de luz, parecia tocar o céu.

Passou a ficar mais tempo diante de Jesus Sacramentado, passando noites inteiras ao lado de Jesus.

Naquele tempo não era comum, mas seu confessor permitiu-lhe comungar três vezes por semana, pois percebia o alto grau de santidade que apresentava Geraldo.

Ataques do inimigo

Certa vez quando se aproximava a noite da Igreja para iniciar sua adoração noturna, inesperadamente se aproximou dele um enorme cão, negro e raivoso pronto para o atacar.

Quando percebeu Geraldo, o cão muito próximo teve o impulso de fugir, mas por revelação percebeu que se tratava do demônio. Rapidamente tomou água benta que sempre levava consigo, e traçou o Sinal da Cruz sobre o maligno que desapareceu de sua frente.

Em outra circunstância quando estava Geraldo em profunda oração diante do Sacrário, viu uma enorme estátua de um anjo começar a caminhar em sua direção e precipitar para cima de si, desferindo-lhes golpes, chegando a ferir seu braço. Geraldo imediatamente, faz o Sinal da Cruz, e a estátua volta para seu lugar.

Procurava todo tipo de mortificação e penitencias.

Em 1748, quando tinha 22 anos, era costume na sexta-feira santa, se representar a Paixão de Cristo e Geraldo teve o privilégio de representar Jesus. Aceitou com grande apreço, mas exigiu que os açoites fossem o mais próximo do real, e quando foi suspendido na cruz, foi amarrado por finas cordas, ficando três horas, ali sentiu muita falta de ar, devido a posição em se encontrava, inclusive esta era a causa da morte na cruz, não conseguindo mais o crucificado se sustentar sob os pés transpassados pelos pregos, com inúmeras convulsões e câimbras, entrava em agonia e soltava o corpo, morrendo assim por asfixia.

Quando Geraldo foi retirado da cruz, já estava quase que desacordado e todo ferido, mas muito feliz e de rosto transfigurado.

Aplicava a si todo tipo de penitencia, comia o mínimo possível, dormia sempre no chão. Consegui convencer seu amigo Félix Marenga que juntos fizeram a primeira comunhão a açoitá-lo para que pudesse assim sofrer por Jesus.

Vocação Religiosa

Por duas vezes tentou entrar para o Convento dos capuchinhos, mas não foi aceito, por suas frágeis condições físicas.

Certa vez viu se aproximar da cidade padres Redentoristas em Missão, esta Congregação era recém fundada por Santo Afonso Maria de Ligório.

Geraldo sentiu um forte impulso e quando se aproximou de um dos padres e pediu para seguir com eles, teve a resposta imediato de Padre Onofre, que era muito simpático mas pouco psicológico. “Nossa Congregação não lhe convém é muito austera, se sofre muito”. Geraldo respondeu, “mas é justamente isto que estou procurando”. Respondeu o Padre, o “o Senhor não serve para nós, nunca vestirá nosso hábito”.

Geraldo não desistiu tinha a firme resolução de que seria Redentorista.

Milagre!

Enquanto isso na casa dos Giuliani, Amado o filho mais novo, brincava ao pé do fogo, quando este perdeu o equilíbrio e ao cair no fogo teve seriíssimas queimaduras. Em vão tentavam socorrer o filho, que já se apresentava quase sem vida Geraldo quando passava na rua ouviu os gritos de desespero da mãe e entrou na casa. Ao ver a situação do menino falou a mãe: “Senhora, isso não é nada, confiai em Deus.

Não fiqueis com o menino nos braços, deitai-o na cama e ficai sossegada”. A mulher o fez com lágrimas nos olhos fez o que Geraldo pedira, pois sabia que se tratava de um santo. Ela e o marido rezavam em volta da cama, quando de repente perceberam que todas aqueles ferimentos foram desaparecendo e o menino voltando a vida e em questão de minutos, sua pele estava como nova, como nascera.

Geraldo não desiste.

Quando soube Geraldo que os Redentoristas estavam hospedados em uma casa próxima, vai ao encontro do então Padre Paulo Cáfaro, para pedir que lhe deixasse seguir com eles, mas recebe a mesma resposta: “é muito austera, nossa Congregação não suportaria, é melhor que fiques com tua mãe.”

Padre Cáfaro era um santo, de muita sensibilidade e humildade, e embora percebesse traços de santidade em Geraldo, além de ter ouvido inúmeros milagres que aquele moço fazia em nome da Misericórdia Divina, pela razão não podia aceita-lo, era muito fraco, doente, não iria sobreviver. Muitos intercederam por Geraldo, e lhe diziam:”Padre Cáfaro, Geraldo é um Santo”, e isto fez com que durante toda a noite ele muito refletisse, é um santo.

Vendo a firme resolução do filho D. Benedita, temendo por ele realmente não agüentar a austeridade da vida religiosa, foi conversar com Padre Cáfaro e este a orientou que mantivesse Geraldo preso em seu quarto, assim não os veria partir. Sem Geraldo perceber enquanto rezava no quarto em profunda intimidade com Deus, sua irmão trancou a porta por fora, Geraldo dormia no andar de cima, e a mãe e as irmãs seguiram para a missa de encerramento das missões. Quando retornaram e foram abrir a porta do quarto nada encontraram, olharam a janela e viram que Geraldo descera fazendo uma corda de lençóis e sobre a cômoda um bilhete que dizia:

“Vou fazer-me santo, não penseis em mim. Adeus! Até o céu.”

Geraldo correu que parecia voar atrás dos Padres até alcança-los, quando enfim o conseguiu, lançou aos pés de Padre Cafáro, que mais uma vez o repeliu, mas Geraldo com firme resolução, disse que jamais os deixaria, pois era sua vocação e que Deus o chamava, que estaria sempre a cada dia a bater á porta dos Redentoristas, nem que fosse como mendigo a pedir ajuda e que o acolhessem.

Padre Cáfaro, percebendo que não haveria jeito abriu os braços e disse: “filho venceste-me. Recebo-te como religioso. Que Deus te dê saúde e forças para perseverar até a morte.”

No dia 17 de maio de 1.749, partiu Geraldo, radiante de alegria, não cabia em si, rumo ao noviciado na cidade de Iliceto, levava consigo um bilhete para o superior do Convento que dizia: “Envio-vos esse postulante para o irmão coadjuvante, embora creia ser de todo inútil para qualquer trabalho devido a sua debilidade. Aceita-o apesar de tudo em vista de seus rogos incessantes e da grande reputação de santidade de que goza em sua cidade.”

No convento foi designado para a jardinagem e à horta, e qual foi a surpresa, Geraldo trabalhava por quatro, sempre feliz e sorridente, solicito procurava as piores tarefas para fazer. Depois passou a servir na cozinha, até voltar ao seu oficio de alfaiate.

Multiplicam-se os Milagres

Nosso santo mostrou desejo de que Padre Cáfaro fosse seu confessor e diretor espiritual , este aceitou a feliz inculbência mas advertiu Geraldo:”Sim filho, já o serei no noviciado, mas sou muito exigente como os que me pedem que me encarregue de suas almas.” Geraldo sorriu e falou: “sim Padre, já me disseram, por isso venho te pedir que encarregueis de minha alma...vim fazer-me santo e não para levar uma vida cômoda.”

Padre Cáfaro já sabia das virtudes de Geraldo, e tinha inclusive que controla-lo com relação as suas penitencias, pois tinha receio que Geraldo excedesse. Muitas vezes se sentia indigno desta função devido a santidade de seu discípulo.

Certa vez teve de proibir Geraldo que procurava dormir em uma cama que ao invés de colchão possuía pedras pontudas, e usava um tijolo por travesseiro, Geraldo por obediência aceitou.

Geraldo responsável da Sacristia

Foi designado para os serviços da sacristia, e nunca havia sido tratada com tanto zelo e amor. Geraldo se sentia no céu, cuidava das flores, dos paramentos, das peças litúrgicas. Tudo o que fazia lhe parecia pouco em se tratando de cuidar da preparação do culto litúrgico.

Percebeu Geraldo que o ostensório estava em péssimas condições, e apesar do Convento não ter dinheiro convenceu o Superior a encomendar nova peça.

Procurou o melhor ourives das redondezas e fez sua encomenda. Passando o prazo para entrega, Geraldo foi ansioso buscar o ostensório, mas por outras quatro vezes não estava pronto e sentia-se enganado pelo ourives. Da última vez já com tom de indignação disse ao ourives que enquanto não entregasse o ostensório, estaria sentindo muitas dores, e assim se fez e rapidamente sua encomenda foi entregue.

Passava todos os tempos livres em adoração diante do Santíssimo provando grandemente o amor de Jesus. E quando era arrebatado em êxtases e se atrasava para algumas tarefas quando era chamado a retornar, muitas vezes flagrado, se sentia muito humilhado e pedia perdão, apesar de que nunca deixou de cumprir suas tarefas com excelência na obediência.

Quando sofria alguma dor física ou moral dizia Geraldo: "Sua Excelência me quer bem". Geraldo passava longas horas diante do Santíssimo Sacramento, o mistério do Senhor crucificado e ressuscitado.

Na cozinha

Certa vez Padre Cáfaro ordenou que preparasse o refeitório para um grupo de seminaristas que ali faziam seus exercícios espirituais para as ordenações. Geraldo obedeceu e foi com alegria para o serviço. Havia na cozinha um quadro de Jesus, “Hecce Homo”, quando Geraldo se deparou com Jesus sofredor a caminho da Cruz, imediatamente entrou em êxtases. Chegando a hora do almoço, o Irmão encarregado veio para ver como estava o almoço e se deparou com o Geraldo em êxtases quase dois metros do chão. Puxou-o pela batina, mas tudo inútil. Chegaram os outros irmãos quiseram baixá-lo a força e nada conseguiram. Chegando o Padre Superior, ordenou-lhe que voltasse a si, e imediatamente Geraldo voltou, e muito constrangido pediu perdão a todos. Recebeu a correção devida e mais rápido do que se esperava, tudo estava pronto.

Dons

Geraldo possuía apenas estudos primários e mesmo assim vinham religiosos, padres, bispos, teólogos para ouvi-lo e tomar seus conselhos. Geraldo possuía o dom sobrenatural de ver as almas.

Romeiro de São Miguel Arcanjo

Um grupo de 12 seminaristas se organizaram para uma peregrinação ao Monte Gargano, para visitar o Santuário de São Miguel. Apesar da viagem ser longa, pouquíssimos recursos financeiros foram-lhe dados, tal soma não daria para um almoço. Então um dos irmãos pediu ao Superior que designasse Irmão Geraldo para acompanha-los, pois dizia:”assim nada nos faltaria”.

O Superior chamou Geraldo deu-lhe a bolsa de dinheiro, que Geraldo nem tomou conhecimento de quanto tinha, ficou muito feliz, pois há muito tempo desejava peregrinar até o Santuário de São Miguel. Tomou Geraldo emprestado de um vizinho dois burrinhos para que pudesse conduzir os que se cansassem pelo caminho.

Pararam em Foggia na Igreja de Nossa Senhora, onde fizeram uma parada, Geraldo aproveitou para gastar o dinheiro comprando belas flores, como era seu hábito para levar ao Santíssimo Sacramento. Mal se pôs diante do Santíssimo, transfigurou-se, e ali ficou por horas. Os outros ficaram preocupados e sem dinheiro vendo a fome apertar foram chamar Irmão Geraldo. Este voltando a si, disse que “não se preocupassem, pois Deus proveria o necessário”. Quando saíram da Igreja foram recebidos pelos moradores, que haviam preparado em meio as arvores um delicioso almoço para os Irmãos, pois ali já havia passado o missionário Geraldo e operado maravilhas em nome de Deus”. Além do almoço deram ao santo uma quantia em dinheiro.

Chegando ao Santuário de São Miguel, Geraldo procurou uma florista para comprar flores como de costume para o Santíssimo, a que carinhosamente chamava de “prisioneiro de amor”, entrou na Igreja e ali ficou prostrado por longas horas, até ser interrompido por um Irmão chamando-o para seguir.

Com fome e sabendo mais uma vez que Geraldo gastara os últimos centavos com as flores, perguntaram-no o que iriam fazer, e para surpresa deles, Geraldo tira do bolso uma quantia de dinheiro, quando indagado de como conseguiu, responde: “No Santuário de São Miguel, quando estava a rezar no altar me apareceu um desconhecido e se recomendou ás minhas orações, deu-me copiosa esmola e disse: “Irmão Geraldo amai muito a Deus”.

Entraram em um estabelecimento e pediram alimento para todos, se sentaram foram servidos e comeram a vontade. Quando Geraldo pediu a conta para pagar, o dono do restaurante tentando se aproveitar por se tratar de irmãos consagrados, como era de seu costume, quis cobrar muito além do que valia as refeições. Imediatamente Geraldo falou que o que se cobrava era além do que valia.

O homem se zangou, afirmou que tinham que pagar, chamou Geraldo e os irmãos de ladrões, aproveitadores, etc. Geraldo com muita mansidão, querendo evitar confusão, afirmou que pagaria o absurdo cobrado, mas que até o final daquela tarde, todas as mulas da fazenda daquele avarento estariam mortas. Geraldo deu-lhe o dinheiro e foi saindo, quando entra o filho do proprietário, pedindo que pai corresse para ver. No estábulo as mulas estavam todas agonizando. Percebendo então seu erro correu atrás de Geraldo, caiu-lhes aos pés pedindo perdão.

Geraldo se compadeceu ao ver as mulas morrendo, foi em sua direção, fez o sinal da cruz, e no mesmo momento voltaram ao normal. O proprietário queria devolver o dinheiro, mas Geraldo aceitou somente pagar o que era o correto. Conta-se que depois deste dia aquele homem se tornou honesto e de bom coração.

Perseguição a Geraldo

Uma jovem de nome Néreia, por vingança, levanta um falso testemunho de Geraldo, afirmando tê-lo visto abusar de uma jovem. Relata o fato a seu confessor, que após juramento da mulher, encaminha carta aos Superiores de Geraldo, que se recusam a acreditar devido a vida de santidade de Geraldo.

Quando Geral é chamado pelo fundador dos Redentoristas Santo Afonso de Ligório, não se defende e fica em silêncio. Como castigo fica proibido de receber a Eucaristia, o que muito o faz sofrer.

Mais tarde Neréia, atormentada por sua consciência, confessa sua fraude, e arrependida pede perdão a Geraldo, que a recebe com o perdão de Deus.

No Porto de Nápoles, certa vez uma forte tempestade impedia uma pequena embarcação de chegar ao ancoradouro. Na praia as famílias daqueles homens, clamavam a Nossa Senhora que não deixasse aqueles homens perecerem. Geraldo passava por ali, se compadeceu, fez uma breve oração, e caminhando sobre as águas agitadas foi em direção ao barco, tomou uma corda e rebocou-o são e salvo para a praia.

Amigo dos pobres.

Geraldo amava os pobres, dizia: “É preciso socorrer os pobrezhos, por que são Jesus Cristo visível, assim como o Santíssimo Sacramento é Jesus Cristo invisível.

Por varias vezes Geraldo foi advertido por seus Irmãos, pois dava todo alimento do Convento para os pobres que lhe batiam à porta. Quanto mais Geraldo dava aos pobres, mais se multiplicava o alimento no Convento.

No momento de maior dificuldade na região, onde assolou um momento de fome e dificuldades, o Superior encarregou Geraldo de alimentar os pobres e de lhes dar tudo que precisassem. Geraldo com muita felicidade alimentou a todos com profusão.

Geraldo é atacado.

Certa vez quando atravessa um bosque sem saber que era uma propriedade privada, um guarda-floresta, o atacou inesperadamente, espancando Geraldo sem complacência, atingindo-o com coronhadas na região do pulmão. Este incidente vêm acometer Geraldo de uma infecção no pulmão e uma Tuberculose, que levará nosso santo a morte.
Geraldo é chamado para o céu.

Morreu em Materdomini no dia e na hora que ele tinha predito, 16 de outubro de 1755, consumido pelas suas severidades e pela tuberculose.

O Superior do Convento pediu que se tocasse os sinos com o toque fúnebre, mas inexplicavelmente os sinos por si só tocavam badalos de Ale luia, mostrando a grande festa no céu com a chegada de nosso amado Geraldo.

Foi beatificado por Leão XIII no dia 29 de janeiro de 1893 e canonizado por Pio X no dia 11 de dezembro de 1904.

Muitos católicos o veneram no mundo inteiro como o patrono especial das mães e das famílias, que continua lá do céu operando milagres para a glória de seu amado Jesus.

Neste trabalho procuramos apontar alguns momentos da vida deste maravilhoso santo, pois muitíssimas páginas seria necessário para relatar todos os milagres que fizera.

São Geraldo, rogai por nós...

Fonte: www.projetocrescer.net

Dia de São Geraldo

19 de Setembro

Agradeço à divina Providência, ó São Geraldo, não somente elevar-vos às alturas da Santidade, mas ainda o fazer vos experimentar a realidade da vida humana. Sabeis quão árduas pode ser, às vezes a luta pela vida. Conheceis perfeitamente todos os fatores sociais, bem como conheceis as dificuldades em se trabalhar para viver, principalmente onde falta a verdadeira caridade e justiça cristã.

Como vós, não quero pedir a Deus que me faça rico, mas que possa ter o suficiente, de tal maneira que os cuidados temporais não venham perturbar, a mim mesmo e à minha família. São Geraldo, a tantos já atendestes, e livres de maiores cuidados, entregaram-se mais tranqüilos aos serviços de Deus.

Tocai o coração dos que devem repartir, para que efetivamente o façam. Triunfem os seus princípios da caridade para com o próximo, e o da justiça, a fim de que não seja cobiça a norma dos patrões e dos operários. Recomendo-vos também o trabalho que tenho para executar, para fazê-lo conscientemente, em espírito de solidariedade e partilha.Auxiliai-me a usar bem do tempo livre de que disponho,
para maior Glória de Deus, salvação de minha vida e bem estar de minha família.

SÃO GERALDO, santo operário, abençoai meus trabalhos e fazei que produza bons frutos, para a vida toda. Amém.

Oração a São Geraldo

Ó São Geraldo, admirável por tantos prodígios operados em favor daqueles que vos invocam, socorrei-nos em nossas moléstias, desventuras, combates de espírito e do coração e em todas as nossas aflições.

Defendinos de todos os pecados, alcançai-nos por intercessão de Maria SSma, a graça de assemelhar-nos a Jesus Cristo, como vós a fim de que, depois desta vida, tenhamos a alegria de O gozar e de O lovar eternamente cnvosco.

Amém.

Fonte: www.ilhado.com.br

Dia de São Geraldo

19 de Setembro

Geraldo nasceu em 1726 em Muro, pequena cidade do sul da Itália. Sua mãe, Benedetta, foi uma bênção para ele, pois ensinou-lhe o imenso amor de Deus que não conhece limites. Ele era feliz por estar perto de Deus.

Geraldo tinha quatorze anos quando seu pai morreu e ele ficou sendo o arrimo da família. Tornou-se aprendiz na alfaiataria da cidade e era maltratado e agredido pelo mestre. Passados quatro anos de aprendizado, quando ele poderia montar sua própria alfaiataria, disse que ia trabalhar como empregado do bispo de Lacedônia. Seus amigos lhe aconselharam a não assumir o trabalho. No entanto, os ímpetos de ira e as constantes repreensões que impediram os outros empregados de permanecer mais que poucas semanas nada eram para Geraldo. Foi capaz de exercer todos os encargos e trabalhou três anos para o bispo até a morte deste.

Quando acreditava que estava fazendo a vontade de Deus, Geraldo aceitava qualquer coisa. Se batiam nele na alfaiataria ou se o bispo não lhe dava valor, pouco importava; via o sofrimento como parte do seu seguimento de Cristo. “Sua Senhoria gostava de mim” – dizia. E já então, Geraldo costumava passar horas diante de Jesus presente no Santíssimo Sacramento, o sinal do seu Senhor crucificado e ressuscitado.

Em 1745, com 19 anos, voltou para Muro onde montou uma alfaiataria. Seu negócio prosperou, mas ele não ganhou muito dinheiro. Praticamente dava tudo para os outros. Guardava o que era necessário para sua mãe e suas irmãs e dava o resto aos pobres ou para Missas em sufrágio das almas do purgatório. Geraldo não passou por uma conversão repentina e espetacular, apenas foi crescendo constantemente no amor de Deus. Durante a Quaresma de 1747 ele resolveu ser completamente semelhante a Cristo o quanto lhe fosse possível. Fez penitências mais severas e procurava explicitamente a humilhação, fazendo-se passar por louco e sentindo-se feliz quando riam dele nas ruas.

Quis servir plenamente a Deus e pediu admissão no convento dos Capuchinhos, não sendo porém aceito. Aos 21 anos tentou a vida de eremita. Tal era a sua vontade de ser semelhante a Cristo, que aceitou imediatamente a chance de representar o papel principal num Drama da Paixão, um quadro vivo apresentado na catedral de Muro.

Com os Redentoristas

Em 1749, os Redentoristas estiveram em Muro. Eram quinze missionários e tomaram de assalto as três paróquias da pequena cidade. Geraldo seguiu cada detalhe da missão e decidiu que aquela devia ser a sua vida. Pediu para ingressar no grupo missionário, mas o Pe. Cafaro, o Superior, recusou-o por motivo de saúde. Tanto importunou os padres, que, ao deixarem a cidade, o Pe. Cafaro sugeriu à sua família que o trancasse no seu quarto.

Usando um estratagema que desde então haveria de encontrar imitadores entre os jovens, Geraldo amarrou os lençóis da cama e, descendo pela janela, seguiu o grupo dos missionários. Fez uma dura caminhada de dezenove quilômetros para chegar até eles. “Aceitem-me, me dêem uma chance, depois me mandem embora se eu não for bom,” dizia Geraldo. Diante de tamanha persistência, Pe. Cafaro não pôde senão consentir. Mandou Geraldo para a comunidade redentorista de Deliceto com uma carta em que dizia: “Estou mandando um outro irmão, que será inútil quanto ao trabalho.”

Geraldo sentiu-se absolutamente e totalmente satisfeito com o modo de vida que Santo Afonso, fundador dos Redentoristas, traçou para os seus religiosos. Ficava radiante ao constatar como era central o amor a Jesus sacramentado e como era essencial o amor a Maria, Mãe de Jesus.

Professou os primeiros votos na data de 16 de julho de 1752, que, conforme ele ficou sabendo com alegria, era a festa do Santíssimo Redentor e também o dia de Nossa Senhora do Carmo. Desde esse dia, com exceção de algumas visitas a Nápoles e do tempo passado em Caposele onde morreu, a maior parte da vida de Geraldo foi vivida na comunidade redentorista de Iliceto.
O rotulo de “inútil” não duraria muito. Geraldo era um excelente trabalhador e nos anos seguintes foi por várias vezes jardineiro, sacristão, alfaiate, porteiro, cozinheiro, carpinteiro e encarregado das obras da nova casa de Caposele. Aprendia rápido: visitando a oficina de um escultor, logo começou a fazer crucifixos. Era uma jóia na comunidade. Tinha apenas uma ambição: fazer em tudo a vontade de Deus.

Em 1754 o seu diretor espiritual pediu-lhe que escrevesse qual era o seu maior desejo. Ele escreveu: “amar muito a Deus; estar sempre unido com Deus; fazer tudo por amor de Deus; amar a todos por amor de Deus; sofrer muito por Deus. Minha única ocupação é fazer a vontade de Deus.”

A Grande Provação

A santidade verdadeira deve sempre ser testada pela cruz, e assim, em 1754, Geraldo devia sofrer uma grande provação, aquela que bem pode ter merecido a ele o poder especial para assistir às mães e a seus filhos. Uma das suas obras de apostolado era a de encorajar e assistir as moças que queriam entrar para o convento. Muitas vezes ele até garantiu o necessário dote para alguma moça pobre que de outra forma não poderia ser admitida numa ordem religiosa.

Néria Caggiano era uma das moças assistidas desta forma por Geraldo. Porém, ela achou desagradável a vida do convento e dentro de três semanas voltou para casa. Para explicar sua atitude, Néria começou a espalhar mentiras sobre a vida das freiras, e quando o povo de Muro recusou-se a acreditar em tais histórias a respeito de um convento recomendado por Geraldo, ela resolveu salvar sua reputação destruindo o bom nome do seu benfeitor. Para isto, numa carta dirigida a Santo Afonso, o superior de Geraldo, ela o acusou de pecados de impureza com a jovem de uma família em cuja casa muitas vezes Geraldo ficava nas suas viagens missionárias.

Geraldo foi chamado por Santo Afonso para responder a acusação. Mas em vez de se defender, permaneceu em silêncio, seguindo o exemplo do seu divino Mestre. Diante deste silêncio, Santo Afonso nada pôde fazer senão impor ao jovem religioso uma severa penitência: foi negado a Geraldo o privilégio de receber a santa Comunhão e foi-lhe proibido todo contato com os de fora.

Não foi fácil para Geraldo renunciar aos trabalhos pelo bem das almas, mas este era um sofrimento pequeno em comparação com a proibição de comungar. Sentiu isto tão profundamente, que chegou a pedir para ficar livre do privilégio de ajudar a Missa, receando que, a veemência do seu desejo de receber a comunhão o fizesse arrancar a hóstia consagrada das mãos do padre no altar.

Algum tempo depois, Néria ficou gravemente enferma e escreveu uma carta a Santo Afonso confessando que as suas acusações contra Geraldo não passavam de invenção e calúnia. O santo ficou cheio de alegria ao saber da inocência do seu filho. Mas Geraldo, que não ficara deprimido no tempo da provação, também não exultou indevidamente quando foi justificado. Em ambos os casos sentiu que a vontade de Deus tinha sido cumprida, e isto lhe bastava.

O Taumaturgo

De poucos santos se recordam tantos fatos prodigiosos como de São Geraldo. Seus processos de beatificação e de canonização revelam que seus milagres eram os mais variados e numerosos.

Com freqüência entrava em êxtase enquanto meditava sobre Deus e sua santa vontade, e nessas horas podia-se ver seu corpo erguer-se alguns palmos do chão. Há testemunhos autênticos de que em mais de uma ocasião foi-lhe concedido o insólito milagre de ser visto e de conversar em dois lugares ao mesmo tempo.

A maior parte dos seus milagres foram feitos para o benefício de outros. Fatos extraordinários como os que enumeramos a seguir começam a parecer lugares comuns quando se lê a sua biografia. Ele devolveu a vida a um garoto que tinha caído de um alto rochedo; abençoou a magra provisão de trigo pertencente a uma família e ela durou até a colheita seguinte; várias vezes multiplicou o pão que estava distribuindo aos pobres. Certo dia andou sobre as águas para levar um barco de pescadores entre as ondas tempestuosas até a segurança da praia. Muitas vezes Geraldo contou às pessoas pecados secretos de suas almas que tinham vergonha de confessar e levou-as a penitência e ao perdão.

O seu milagroso apostolado em favor das mães também começou durante a vida. Um dia, ao sair da casa de amigos, a família Pirofalo, uma das moças o chamou dizendo que tinha esquecido o lenço. Num momento de intuição profética, disse Geraldo: “Guarda-o, pois te será útil um dia.” O lenço foi guardado como uma preciosa lembrança de Geraldo. Anos mais tarde aquela moça estava em perigo de morte em trabalhos de parto. Lembrou-se das palavras de Geraldo e pediu o lenço. Quase imediatamente o perigo passou e ela deu à luz uma criança sadia. Em outra ocasião pediram as orações de Geraldo para uma mulher grávida que corria perigo junto com o filho. Tanto ela como a criança saíram ilesas do perigo.

Morte e Glorificação

De saúde sempre frágil, era evidente que Geraldo não iria viver muito. Em 1755 sofreu violentas hemorragias e disenteria, a ponto de sua morte ser esperada para qualquer momento. No entanto, ele devia ainda ensinar uma grande lição sobre o poder da obediência. O seu diretor mandou-lhe que sarasse, se fosse da vontade de Deus, e imediatamente a doença pareceu desaparecer, ele deixou o leito e juntou-se à comunidade. Sabia, porém, que esta cura era apenas temporária e que tinha pouco mais que um mês de vida.

Pouco depois teve que voltar ao leito e começou a preparar-se para a morte. Abandonava-se totalmente à vontade de Deus e escreveu na porta do seu quarto: “Aqui se faz a vontade de Deus, como Deus quer e por quanto tempo ele quer.” Como freqüência ouviam-no recitar esta oração: “Meu Deus, quero morrer para fazer vossa santíssima vontade.” Pouco antes da meia-noite do dia 15 de outubro de 1755, a sua alma inocente voltou para Deus.

Na morte de Geraldo, o irmão sacristão, na sua euforia, tocou os sinos à maneira festiva, em vez do toque fúnebre. Milhares de pessoas vieram ver o corpo do “seu santo” e tentar obter uma última lembrança daquele que tantas vezes os tinha ajudado. Após a sua morte, começaram a ser relatados milagres em quase todas as regiões da Itália, atribuídos à intercessão de Geraldo. Em 1893, o Papa Leão XIII o beatificou e, no dia 11 de dezembro de 1904, o Papa Pio X o canonizou como santo.

O Santo das Mães

Por causa dos milagres que Deus fez por meio das preces de Geraldo em favor das mães, as mães da Itália se afeiçoaram a Geraldo e fizeram dele o seu padroeiro. No seu processo de beatificação, uma testemunha atesta que ele era conhecido como “il santo dei felici parti” – o santo dos partos felizes.

Milhares de mães tem experimentado o poder de São Geraldo através da Liga de São Geraldo. Muitos hospitais dedicam a ele a ala da maternidade e dão a seus pacientes medalhas e santinhos de São Geraldo. Milhares de meninos recebem o nome de Geraldo dos pais, convencidos de que foi a intercessão dele que os ajudou para que nascessem sadios.

Fonte: reporterdecristo.com

Dia de São Geraldo

19 de Setembro

Vida de São Geraldo

Filho de modesto alfaiate, Domingos Majela, e de Benedita Cristina Galella, era Geraldo o mais jovem dos cinco filhos do casal. Nasceu em 1726. Tinha 12 anos quando o pai morreu: tornou-se então aprendiz de alfaiate. Em 1740, quis tornar-se capuchinho, mas como era magro e fraco, foi-lhe recusada a acolhida. Em 1741, pôs-se a serviço do bispo de Lacedônia. Uma vez morto o bispo, em 1745, Geraldo procurou estabelecer-se como alfaiate em Muro, sua cidade natal.

Sentiu-se atraído pela Congregação do Santíssimo Redentor, fundada havia 15 anos por santo Afonso de Ligório. Foi aceito. Durante o tempo do postulantado foi acometido muitos escrúpulos. A 21 de setembro recebia grandes luzes do Espírito Santo; nesse dia fez o voto de fazer tudo o mais perfeitamente possível.

Quando, em 1754, Lacedônia sofreu uma epidemia e foi afligida por muitos escândalos, são Geraldo realizou milagres edificantes, que converteram a muitas pessoas. Nesse mesmo ano, uma jovem, perversamente, o caluniou odiosamente. Santo Afonso, diante do silêncio de Geraldo, proibiu-lhe a recepção da comunhão e todo relacionamento com pessoas de fora. Pouco depois transferia-o para Caposela.

A proibição de comungar era-lhe duríssima, mas procurava consolar-se, dizendo: "Eu o trago no coração. O Senhor deseja punir-me pelo pouco amor que lhe dedico, por isso, foge de mim. Não o perderei, contudo, jamais do meu coração". À medida que os dias passavam, são Geraldo mais e mais sentia tentado a pedir comunhão. Entregou-se à prática de grandes e austeras mortificações; escreveu nessa ocasião muitas palavras sobre o sofrimento, sobre a vontade de Deus, sobre o seu desejo de santidade, etc.

Os meses se passaram. Mas um dia a jovem caluniadora se retratou e santo Afonso imediatamente suspendeu a punição. E o bom Geraldo, numa alegria incontida, retornou a comunhão cotidiana.

Em 1754, são Geraldo achava-se em Nápoles. De lá tornou a Caposela, onde exerceu o ofício de porteiro. Aí o chamaram de "Pai dos Pobres". Em fins de fevereiro de1755 voltou a Nápoles. Em junho estava novamente em Caposela. Em agosto adoeceu; era o início da sua "hora".

- "Experimento o purgatório nesta vida... Estou continuamente nas chagas de Jesus Cristo e as chagas de Jesus Cristo estão em mim... Sofro, e sofro sem cessar, as penas e dores da Paixão de Jesus Cristo: Deus morreu por mim, e se quiser, quero morrer por ele".

Ficava preocupadíssimo por dar trabalho aos irmãos, por acordá-los durante a noite para lhe ministrarem remédios ou cuidados.

No dia 15 de outubro, à noite, disse a um irmão: "Esta noite vou morrer. Vista-me, pois quero recitar o Ofício dos Defuntos por minha alma". Perto da meia noite, ele disse: "Temos seis horas ainda.". E nas suas últimas horas, repetia do fundo do coração o "Miserere", insistindo nas palavras: "Pequei contra a ti somente; purifica meu pecado". Pelas duas horas, disse: "Meu Deus, onde estás? Que eu te veja!" Depois: "Ajudai-me a unir-me a Deus.". Pelas 5 horas: "Depressa, depressa! Ir. Xavier, expulsai daqui esses "fidalgos"; que querem esses dois velhacos?" A calma voltou: "Eis a Senhora! Prestemo-lhes nossas homenagens." Um pouco antes tinha dito: "Olhai, irmão, todos estes escapulários em redor do quarto!". Contemplava seu crucifixo e uma imagem de Nossa Senhora, diante dele. Depois disse: "Meu Deus, quero morrer para te agradar. Quero morrer para fazer a tua santa vontade.". Morreu mais ou menos às 7h30min. Vivera 29 anos, dos quais 5 como redentorista.

Fonte: matrizsaogeraldo.vilabol.uol.com.br

Dia de São Geraldo

19 de Setembro

SÃO GERALDO MAJELA

Padroeiro das mães e das crianças enfermas

A VIDA DE SÃO GERALDO MAJELA

São Geraldo Maria Majela nasceu em Muro na Itália, no dia 23 de abril de 1726, de pais pobres, mas fervorosos cristãos. Quando pequenino, estando na Igreja, o Menino Jesus desceu dos braços de uma imagem da Divina Mãe e veio brincar familiarmente com ele. A Santíssima Virgem conversou com Geraldo e lhe sorriu. O Arcanjo São Miguel veio trazer-lhe a Santa Comunhão, pois com oito anos já ardia em desejos de receber o Pão dos Anjos.

Aos 22 anos entrou como Irmão Leigo na Congregação do Santíssimo Redentor, fundada por Santo Afonso Maria de Ligorio, onde desempenhou os ofícios humildes de alfaiate, jardineiro, sacristão, porteiro e enfermeiro, dando sempre em tudo provas das virtudes mais eminentes. No dia 16 de outubro de 1755, com 29 anos teve a morte tranqüila dos Santos.

Pelos grandes e múltiplos prodígios que em vida operou, e pelos muitos milagres que continua realizando, foi proclamado “Taumaturgo (o Santo Milagroso) de nossos dias”. São Geraldo é protetor especialíssimo das crianças enfermas e das mães ao darem a luz. Ele foi beatificado pelo Papa Leão XIII no dia 28 de janeiro de 1893. A sua canonização solene no dia 11 de dezembro de 1904 por Sua Santidade Pio X deu início a uma nova fase de glórias para o nosso “SANTO MILAGROSO”, obrigando-o a prodigalizar mais favores a todos os seus devotos em nossos dias.

HINO AO PADROEIRO

Ó Geraldo glorioso, bom amigo de Jesus,
Desde a infância espalhastes das virtudes clara luz.
Lá nos céus fulgurante diadema vós cingis
E dos pobres e aflitos os soluços sempre ouvis.

Glória nunca desta terra vossa alma procurou,
Tão somente para Deus vosso peito suspirou.
Ensinai-nos, Ó Geraldo, ser humildes como vós,
Para Deus a honra e glória, o desprezo para nós.

Nos combates desta vida confiastes no Senhor;
Mil assaltos, mil pelejas, mas saíste vencedor.
Avivai no nosso peito da esperança o clarão;
Recebei no paraíso nossa eterna gratidão.

ORAÇÃO A SÃO GERALDO

Ó São Geraldo, / nós nos alegramos/ pela felicidade/ de vossa glória. / Nós bendizemos a Deus/ pelos dons sublimes/ de vossa graça/ a vós dispensados/ com tanta largueza./ Nós vos felicitamos/ Por haverdes correspondido/ fielmente/ a tanta bondade do Senhor.

Ó São Geraldo, / ajudai-nos a imitar/ vossa fidelidade/ á vontade divina: / vosso amor/ a Jesus Sacramentado: / vossa devoção singular/ a Maria Santíssima;/ vosso espírito de penitência;/ a pureza de vossa vida/ e, enfim,/ vossa grande caridade/ para com os pobres,/ para com as mães/ e para com os mais abandonados.

Ó São Geraldo,/ socorrei-nos/ em todas as nossas necessidades/ espirituais e materiais. / Alcançai-nos/ uma piedosa conformidade/ nas tristezas, / doenças/ e sofrimentos da vida./; Abençoai as mães,/ de quem sois o especial padroeiro./ Protegei nossa paróquia./ Alcançai-nos de Deus/ muitas vocações sacerdotais e religiosas./ Orai pela Igreja de Jesus Cristo/ e pelo Santo Padre, o Papa./ Assim seja.

S/ São Geraldo, padroeiro e protetor das mães.
P/ Rogai por nós.
S/ São Geraldo, amigo das crianças.
P/ Rogai por nós.
S/ São Geraldo, consolador dos aflitos
P/ Rogai por nós.

ORAÇÃO NO TEMPO DE AFLIÇÃO

Ó São Geraldo, cujo coração abraçou os infelizes, que aliviou tantos pobres, curou tantos doentes, consolou tantos aflitos; eis-me aqui inquieto e sofredor a vossos pés. Em vão eu vou ao homem buscar consolação e auxílio. Por isso, invoco a vossa ajuda, que sois tão poderoso no Céu. Generosamente assisti-me. São Geraldo, para que, livre destes sofrimentos, ou forçados a suportá-los por amor a Deus, eu o louve, dê graças e o sirva com amor e fervor. Amém.

ORAÇÕES ESPECIAIS AO “SANTO MILAGROSO” SÃO GERALDO MEJELA

ORAÇÃO DE UMA MÃE

Sois, Ó Meu Deus, o Criador e o verdadeiro Pai de meus queridos filhos. De vossa Mãe os recebi, como a dádiva mais preciosa e cara que me podíeis ter dado e que a vossa bondade em meu poder e conserva e mantém, para a minha consolação, honra e alegria.

Consagrando-me devotamente ao vosso serviço e amor, eu vo-los consagro também, para que vos sirvam e sobre todas as coisas vos amem. Abençoai-os Senhor, enquanto eu, por minha vez, igualmente os abençôo em vosso sacratíssimo nome! Não permitais, que, por negligência de minha parte, venham eles a desertar um dia do caminho da virtude e do bem. Velai por mim, para que eu possa por eles velar, educando-os no vosso santo temor, de acordo com a doutrina de vossa lei. Fazei-os dóceis, obedientes, inimigos do pecado, para que eles nunca vos ofendam, como eu tanto vos tenho ofendido. Colocai-os, Senhor de bondade, sob a maternal proteção de Maria Santíssima, vossa divina Mãe e nosso incomparável modelo, para que possam guardar sempre ilibado e formoso lírio de pureza que tanto amais. Afastai deles, sendo vossa santa vontade, as doenças e as riquezas perigosas. Livrai-nos Senhor de todas as desgraças e os perigos de alma e do corpo e concedei-lhes todas aquelas graças que eu posso pedir, mas que lhes são precisas, para sejam bons filhos, dedicados defensores da sua Igreja e católicos edificantes. Fazei finalmente, meu Deus, que com todos meus filhos possa eu desfrutar, no seio do Paraíso, em companhia de nossa Queridíssima Mãe Maria, a doce e terna ventura que destinais aos vossos eleitos. Amém.

ORAÇÃO DOS MENINOS A SÃO GERALDO

São Geraldo, como fostes feliz, entretendo-vos tão familiarmente com o Menino Jesus! E como devia ser saboroso o pãozinho que dele recebíeis! Mas o que mais me impressiona é saber que o Menino Jesus vos deu a sagrada comunhão. E creio que isso aconteceu de verdade, pois fostes vós mesmo quem o contastes. São Geraldo estou muito longe de ser tão santo como vós em vossa meninice. Quero porém, imitar-vos quanto posso. Ser sempre correto sem teimosias, obediente aos meus pais, dedicado para com os irmãos e amigos, bem comportado na igreja e na escola. Ajudai-me na minha vontade. Ensinai-me a rezar como vós rezáveis. Uma coisa espero, com toda certeza, de vós: é que Jesus desça ao meu coração na santa comunhão com o mesmo amor com que descia ao vosso. Então serei amado de meus pais e mestres como o fostes, serei dócil e obediente a eles, guardarei minha inocência, e serei pelo meu proceder e aproveitamento nos estudos, a alegria de minha família, dos meus mestres e dos que me estimam. São Geraldo, tudo isso espero alcançar em vós. É o pedido que deveis fazer por mim a Jesus e Maria. Quero, como vós, ser todo do Menino Jesus e de sua Mãe Santíssima. Amém.

ORAÇÃO PELOS PAIS

Ó São Geraldo Majela, que durante toda a vossa vida nos destes o mais belo exemplar de amor filial, fazei que eu vos imite, nutrindo para com meus pais o mais terno amor e o mais profundo respeito; conservai-os ainda por muitos anos, cumulando-os sempre se favores espirituais e temporais. Fazei com que seus filhos sejam para eles unicamente causa de alegria e de felicidade. Dai-lhes conselhos em toda a dúvida, força em toda adversidade, consolação e conforto em toda a dor e tristeza. Fazei que eles se adiantem Cada vez mais no caminho da virtude, e recompensai os seus cuidados e trabalhos, alcançando-lhes do vosso Divino Mestre uma bela coroa na eternidade. Assim seja.

ORAÇÃO POR UM DOENTE QUERIDO

São Geraldo, quanto mais medito em vossa vida tanto mais penso em Jesus. Como todos levavam os doentes a Cristo, assim os levavam a vós. E ninguém voltava desconsolado, pois o vosso coração misericordioso se espelhava no de Jesus. Vós vos transformastes em lecotenente (ledo tenente) de Jesus Cristo. E ainda hoje é assim. O amor infinito de Deus para convosco faz com que milhares e milhares se dirijam a vós, no intuito de alcançarem não só favores espirituais, mas também cura e dá saúde para seus caros enfermos. São Geraldo o espírito de Deus me inspira a recorrer a vós em favor desse doente querido. (Nomeai aqui o nome ou os nomes dos enfermos cuja cura desejais... pai, mãe, filho, amigo etc.).

Recomendo-os do fundo do coração, para se manifestar em vosso auxílio a glória de Deus. Trindade Santíssima, em cujo nome São Geraldo distribuía favores, atendei a meus pedidos em favor do querido enfermo, e seja-vos dada honra e glória por todos os séculos dos séculos. Amém. (Pai-nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai).

SÚPLICA CONFIANTE PARA OBTER A CURA

Ó São Geraldo, que com teu poder e auxílio, com as tuas graças e com os teus favores, inumeráveis corações atraíste a ti,, te tornastes o consolador de tantos aflitos, o alívio de tantos pobres, o médico de tantos enfermos; tu que fazes chorar de consolação os teus devotos, tu que O tornaste a admiração de povos inteiros, faça que não seja eu a única pessoa que, invocando-te, não seja ouvida. Lê no meu coração quanto sofro! Lê n minha consciência, na minha alma e sara-me!... conforta-me!... consola-me!... Tu bem sabes qual a desgraça que me oprime, qual o mal que me aflige!... e como consentes ver-me assim gemer, assim chorar, sem mover-te a minha piedade? São Geraldo! Vem, depressa socorrer-me! São Geraldo! Faze que eu te tenha sempre nos meus lábios como tantos outros! Quando tiveres me ouvido e consolado, terás também os louvores e agradecimentos daqueles que me amam e que padecem por mim. Que te custa sarar-me? Nunca deixarei de chamar-te, até que me tenhas plenamente ouvido. É verdade que não mereço os teus favores, mas ouve-me. (Pai-Nosso, Ave Maria e Glória ao Pai).

ORAÇÃO PARA OBTER CALMA E PACIÊNCIA NAS ADVERSIDADES DA VIDA

São Geraldo, que tanto sofrestes, imagem maravilhosa de Jesus paciente, há muito que já recorri Deus, por vossa intercessão, exortando-lhe me livrasse de minhas misérias. Dizei-me claramente, Ó São Geraldo, o que Jesus quer de mim, não atendendo a minhas orações, como eu esperava com tanta confiança. Quer Jesus santificar-me, como a vós, que procuráveis em tudo satisfazer a Sua santíssima vontade? Devo eu imitar o mais possível a Jesus crucificado, suportando com paciência tudo o que Ele me enviar? Quererá Jesus, quiçá, que eu seja vítima de sua paternal misericórdia, para pagar meus pecados Deverá minha vida ser complemento e aplicação dos padecimentos o Redentor, conforme minhas fracas forças?

Ó São Geraldo, temo não poder fazer esses sacrifícios. Sinto-me tão miserável e fraco! Tenho boa vontade, e peço-vos que venhais em meu auxílio com a vossa força invencível. Que se cumpra a santa vontade de Deus em minha alma miserável e pecadora. Esforçar-me-ei por abraçar a cruz convosco, como o fez Jesus. Peço ao Salvador calma e paciência, imitando-vos nas vossas provações, algumas das quais bem cruéis. Que eu saiba, como vós, corresponder as graças divinas. Então, será esta a minha jaculatória em todas as contrariedades de vida: “Pai não faça a minha vontade, mas sim, a vossa”.
(Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai).

ORAÇÃO DE UMA MÃE CRISTÃ

Deus Onipotente e eterno, que pelo sucesso da Santíssima Virgem Maria transformastes em alegrias as dores das Mães Cristãs, olhai propício para mim, vossa serva, que, como a Maria, quereis abençoar com a auréola da maternidade. Para me tornar mais digna das vossas ricas bênçãos, recomendo-me a vós, meu Senhor e meu Deus, implorando a poderosa intercessão de São Geraldo. Grande Santo rogai que eu seja tão santa mãe, que Jesus encontre em mim ao menos um pálida imagem de sua Santíssima e dileta Mãe, com o seu devotamento e espírito de sacrifício. Possa eu sempre trazer com alegria o título glorioso e a sublime dignidade de mãe. Abençoai-me a alma e o corpo, a fim de que o meu precioso tesouro não seja de modo algum prejudicado. Preservai-me de toda e qualquer imprudência corporal, e também da ira e sobre tudo do pecado, para o perfeito desabrochar da tenra flor que me foi confiada. Concedei-me a graça de, neste tempo abençoado, poder cumprir, quanto possível, meus deveres religiosos, recebendo freqüentemente a Santa Comunhão, que santifica e fortalece de modo maravilhoso a alma e o corpo. Assim, poderoso São Geraldo, nada mais temo. Que ventura a minha, após de ter merecido a auréola sacrossanta da maternidade, poder apertar em meu coração o ente querido, purificado pelas águas lustrais do Santo Batismo. Ofereço os sacrifícios dolorosos que Deus me pede para a felicidade de meu filho. Pedi a Maria, São Geraldo, que eu oferte meu filho a Deus e lho consagre, como o fez ela com seu Jesus. dai-me para isso o mais fervente amor materno, para que até o fim cumpra todas as minhas obrigações, por mais pesadas que sejam. São Geraldo, pelo vosso amor, conto certamente com a vossa assistência. Amém.
(Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai).

ORAÇÃO PARA OBTER GRAÇAS ESPIRITUAIS E TEMPORAIS

Ó São Geraldo, protetor de todos aqueles que vos invocam, vós sois tão poderoso junto de Deus, que parece ter-vos Ele escolhido para socorrer a humanidade nas circunstâncias mais difíceis e desesperadoras. Sois tão bom e compadecido, que não podeis despedir ninguém sem consolo. Ajoelhado diante de vós, peço-vos me demonstreis os salutares efeitos do vosso poder e bondade. Ajudai-me em todas as minhas necessidades. Alcançai-me o favor de insistentemente vos peço, cheio de confiança (aqui coloque seus pedidos...). E se por determinação da Divina Providência, minhas orações forem atendidas de maneira diferente da que espero, alcançai-me então, Ó Glorioso Santo, inteira conformidade com a vontade de Deus. Pedi para mim o amo. Pedi para mim o amo de Jesus e Maria, a perseverança final e uma boa morte, que me leve à eterna bem-aventurança. Amém.

ORAÇÃO POR OCASIÃO DE DIFICULDADES FINANCEIRAS

Vós fostes, Ó São Geraldo, cuidadoso tesoureiro da Providência Divina. Quantas vezes não aconteceram em vossa vida multiplicar-se milagrosamente em vossas mãos tudo de que necessitáveis: pão e víveres, dinheiro e bens. Jesus o fazia por seu próprio poder, e vós para sua glória, pois Ele quis que, até nisso, fosseis fiel imitador dele. Também, pelos benefícios temporais atraía Jesus os corações. Não é, pois de admirar que vossos inúmeros devotos a vós se dirijam para, por vosso intermédio, serem levados a Jesus. Ó milagroso São Geraldo, com imensa confiança recorro a vós, obsecrando-vos boa solução para meus negócios temporais. Mostrai-me o vosso poderoso valimento, como o fizestes durante a vossa vida e, mais ainda, depois da vossa morte.

Recomendo-vos meus trabalhos e minhas empresas, e estou certo de que vós iluminareis meu entendimento, em ordem a regular tudo conforme as regras da prudência e da eqüidade. Assim poderei empregar o que me for supérfluo e o que não me fizer muita falta em benefício dos pobres e em obras de religião e caridade. Sede vós, Ó São Geraldo, meu intercessor junto a Divina Providência. Amém.

ORAÇÃO DOS ESTUDANTES

Divino Espírito Santo, que concedestes a São Geraldo Majela os vossos dons maravilhosos, de maneira que a sua inteligência se iluminou admiravelmente a respeito das coisas divinas, eu vos rogo e suplico abençoeis meu espírito e meus estudos. Conto com a vossa intercessão poderosa, ó meu grande e poderoso São Geraldo, neste meu curso escolar, tão difícil para mim. Já demonstrastes que desejais auxiliar os estudantes. Dai-me luzes e forças, prudência e humildade. Alcançai-me o talento necessário, grande docilidade de espírito e de coração e de aproveitamento na virtude. Afastai de mim, ó bondoso Santo, o orgulho, a presunção, a vã curiosidade e a vaidade. Principalmente, defendei-me de todo o escândalo e de falsas doutrinas, que prejudicam a minha fé e moralidade. Por vosso intermédio consagro ao Divino Espírito Santo a minha inteligência, memória e imaginação, para que tendam sempre para a maior glória de Deus. São Geraldo ajudai-me nos meus estudos. Amém. (Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai).

ORAÇÃO Á VIRGEM IMACULADA ANTES DO ESTUDO

Debaixo do vosso patrocínio, Ó Mãe diletíssima, e invocando o mistério da vossa Imaculada Conceição, quero prosseguir os meus estudos e trabalhos literários; e protesto fazê-lo principalmente a fim de servir melhor para propagar a honra divina e o vosso culto. Rogo-vos, pois, Mãe amantíssima, sede de sabedoria, que favoreçais benigna os meus trabalhos; e eu, de boa vontade, piedosamente vos prometo o que é justo: todo o bem que me provier dos meus estudos, hei-me atribuí-lo inteiramente a vossa intercessão diante de Deus. Amém.

ORAÇÃO PELAS ALMAS DO PURGATÓRIO

Ó São Geraldo, em vossa vida mostrastes, freqüentes vezes, a vossa profunda compaixão com as pobres almas que tanto sofrem no purgatório. Quanto não rezastes por elas, quantas mortificações e penitências não Fizestes em seu favor, quantas Missas não ouvistes em sufrágio!? Peço-vos, Ó São Geraldo, que mostreis agora, no Céu, a mesma compaixão com essas pobres almas. Intercedei por elas junto de Deus. Recomendo-vos, em especial, as almas de meus parentes, amigos e benfeitores, bem como as daqueles que por minha causa estão no Purgatório. Recomendo-vos as almas dos pregadores do Santo Evangelho, dos sacerdotes e sobretudo, dos que se interessaram por minha alma. Recomendo-vos as almas que tiveram devoção especial ao SS. Sacramento do altar, a Santíssima Virgem e a vós, ó meu Santo protetor; as almas que mais sofrem e as que estão mais perto de entrar no Céu. Alcançai-lhes alívio e libertação a fim de que, sem demora, louvem a Deus, convosco, na eterna bem-aventurança.

ORAÇÃO DE AGRADECIMENTO A SÃO GERALDO

São Geraldo contemplo muitas vezes, em meu espírito, aqueles mendigos que diariamente se encontravam a porta do convento, cujo éreis o caridoso porteiro. E sempre os socorrestes, ainda que fossem precisos grandes milagres. Mas agora é uma legião de mendigos que, em todo mundo, circundam a vossa imagem. O seu número aumenta dia a dia. E não há um mendigo que se não afaste com as mãos repletas de tesouros da munificência divina. Como Deus é bom Pai, Maria terna Mãe e vós auxiliar poderoso! Somos, porém verdadeiros mendigos queremos tudo, e, depois de satisfeitos, não nos lembramos mais dos benefícios recebidos; até nos esquecemos de agradecer a Jesus, a Maria e a vós. Sinto-me confuso de pertencer ao número desses ingratos. Mas quero corrigir-me. Sejam louvados e engrandecidos, por toda a eternidade, Jesus e Maria. Ofereço-lhes o vosso coração agradecido, para em meu nome lhes mostrar o meu reconhecimento. Também a vós, Ó São Geraldo, testemunho minha eterna gratidão. Que ela é sincera, provará minha vida de católico fervoroso e praticante. Que os vossos devotos, Ó São Geraldo, sejam os mais gratos e os mais ardorosos adoradores, em espírito e verdade, da Trindade Santíssima: Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. (Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai).

ORAÇÃO PARA OBTER BOA COLOCAÇÃO E PARA TRABALHAR BEM

Agradeço a Divina Providência, Ó São Geraldo, não somente o elevar-vos as alturas da santidade, mas ainda o fazer os experimentar a realidade da vida humana como aprendiz, doméstico e oficial. Por experiência própria, sabeis quão árduas podem ser, às vezes, a luta pela vida. Conheceis perfeitamente todos os fatores sociais, bem como conheceis as dificuldades em se trabalhar para viver, principalmente onde falta a verdadeira caridade e justiça cristã. Como vós, não quero pedir a Deus que me faça rico, mas que possa ser remunerado de tal maneira, que os cuidados temporais não me venham perturbar demasiadamente a mim mesmo e minha família. São Geraldo, a tantos já atendestes, e livres de maiores cuidados, entregaram-se mais tranqüilos ao serviço de Deus. Esta graça pedi a para mim a Jesus e Maria. Tocai o coração dos que me podem ajudar, para que efetivamente o façam. Triunfem os sãos princípios da caridade do próximo e da justiça, a fim de que não seja a cobiça a norma dos patrões e dos operários. Recomendo-vos também o trabalho que tenho de executar, para fazê-lo conscienciosamente e em espírito de obediência aos meus superiores. Auxiliai-me a usar bem do tempo livre de que disponho, para maior glória de Deus, salvação de minha alma e bem-estar de minha família. São Geraldo, Santo Operário, abençoai meus trabalhos e fazei que produzam bons frutos espirituais e temporais. Amém. (Pai-Nosso, Ave-Maria e Glória ao Pai).

ORAÇÃO PARA ALCANÇAR UMA BOA MORTE

São Geraldo, a vossa morte foi tão bela, tão preciosa aos olhos de Deus, tão exemplar para todos! Semelhante a um fogo, que sempre aumenta, assim era o vosso amor para com Jesus, Maria e, além disso, tivestes o privilégio de contemplar, a vosso lado, a nossa boa Mãe Maria, para vos consolar, aliviar e levar ao Céu. São Geraldo, quão feliz foi a vossa morte! Que a minha seja semelhante a vossa! Mas, eu não vivo em tanta inocência como vós; pelo contrário, inúmeras vezes tenho ofendido a Jesus com os meus pecados; tenho desprezado as suas graças e, até, delas tenho abusado. Meu santo patrono, qual será a minha sorte naquele momento terrível da morte, do qual despenderá minha eternidade? Desde já quero esforçar-me por imitar vossas virtudes. Alcançai-me a graça, pelo conhecimento certo que Deus vos concedeu da hora do vosso trânsito, de a morte não me sobressaltar repentina e desprevenidamente. Ajudai-me em ordem a suportar heroicamente, como vós, por amor de Jesus e Maria, todos os sofrimentos que hão de acompanhá-la. Possa eu possa receber, como vós, em perfeito uso dos sentidos e com toda a devoção, os Santos Sacramentos da Confissão, Comunhão e a Unção dos Enfermos. Vinde vós mesmo, em companhia da Virgem Santíssima e do meu Santo Anjo da Guarda, buscar-me e apresentar-me perante o tribunal do misericordioso Jesus. São Geraldo dai-me uma santa morte.

ORAÇÃO AO NOSSO PADROEIRO SÃO GERALDO

Ó São Geraldo, cujo coração foi formado, na escolha divina do Coração de Jesus, a vossa caridade, atraiu todos aqueles que tiveram a felicidade de vos conhecer. Vós fostes o pai dos pobres, e amigo dos operários, o anjo das crianças, médico dos enfermos, o refúgio dos aflitos, o socorro dos que estavam em necessidades, salvador que se achavam em perigo, a luz dos ignorantes o sustentáculo das almas tentadas, libertador dos possessos do demônio, o guia no caminho da perfeição, o protetor das vocações religiosas, o incansável missionário das almas transviadas. Todos esses títulos, ó irmão muito amado, fazem nascer em nossos corações a maior confiança em vós. Pois bem, também nós precisamos de um pai, de um irmão, de um amigo, dum consolador, dum protetor; enfim, que queira patrocinar os nossos interesses. E é a vós, ó terno amigo de Jesus, que se elevam as nossas esperanças. Recusar-vos-ei a atender-nos? Certamente não. Vós bem sabeis o que desejamos (indica a graça que deseja obter)... em nome de Jesus e Maria, delícias do vosso coração Ó São Geraldo, atendei-nos e ouvi a nossa súplica. Assim seja. São Geraldo... Rogai por nós!

Fonte: saogeraldomajela.blogspot.com