Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Dia do Alfaiate  Voltar

Dia do Alfaiate

 

06 de Setembro

O alfaiate é um costureiro, por isso, deve acompanhar a moda e atualizar os modelos e tecidos de roupas. Mulheres que exigem modelos exclusivos ou homens que desejam usar um figurino elegante procuram o alfaiate para compor seu estilo.

O prêt-à-porter, ou “roupa pronta pra vestir”, vai na contramão do alfaiate, pois produz roupas como em linhas de montagem enquanto o alfaiate trabalha com modelos exclusivos.

Dia do Alfaiate

Pode-se dizer que não há muita diferença entre o alfaiate e o costureiro ou costureira comum. Mas os alfaiates que ficam famosos por costurar para pessoas da elite social denotam um certo glamour à palavra.

Os profissionais da área, geralmente, trabalham em um atelier ou oficinas e, quando precisam de ajuda, contratam aprendizes.

Fonte: UFGNet

Dia do Alfaiate

06 de Setembro

Hoje é Dia do Alfaiate

Uma das profissões mais antigas do mundo, o alfaiate alia arte na criação de roupas masculinas, de forma artesretal e sob medida. Em 2006, mais de 1.750 profissionais trabalhavam contratados em empresas, segundo a Rais

Brasília, 06/09/2008 - "Indivíduo que faz roupas de homem e/ou de mulher, de talhe masculino". Com estas caracterísitcas, fica fácil imaginar de qual profissão o Dicionário Aurélio se refere: a de alfaiate, que tem nesta data a comemoração de seu dia.

Ainda que o ser humano tenha sido expulso do paraíso - e nu, com a provável preocupação de uma vestimenta - a profissão não foi a primeira do mundo, se enquadrando apenas no rol das mais antigas.

Em termos práticos, o alfaiate é o profissional que exerce o oficio da alfaiataria, uma arte que consiste na criação de roupas masculinas (terno, costume, calça, colete, entre outros) de forma artesretal e sob medida, ou seja, exclusivamente de acordo com as medidas e preferências de cada pessoa, sem o uso padronizado de numeração preexistente.

Muitas vezes estes profissionais aprendem, logo cedo, o ofício na prática, partindo para a carreira de autônomo. Mas há os que preferem atuar em empresas, com contrato de emprego e vínculo formal.

Embora a atividade não demande formação superior, é importante para quem pretende trabalhar em empresa ter um curso básico de qualificação profissional em costura, com carga horária entre duzentas a quatrocentas horas-aula. É necessário ainda comprovar experiência anterior de três a quatro anos atuando na área.

Dia do Alfaiate

Descrição - De acordo com a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), do MTE, os alfaiates projetam e modelam confecções de roupas sob encomenda; confeccionam peças-piloto; preparam peças e costuram roupas em tecidos, couros e peles; preparam produtos para armazenagem e expedição, incluindo atividades de passadoria, embalagem e controle de estoques; realizam manutenção produtiva. Atuam em todas as etapas da confecção de roupas sob medida, desde o desenho do modelo até sua expedição.

Condições gerais de exercício - Estes trabalhadores atuam em empresas de fabricação de roupas de tecido ou couro e similares. Podem ser autônomos ou ter vínculo formal de emprego. Trabalham de forma individual ou em equipe, sob supervisão ocasional, em células de produção, módulos ou grupos compactos, especialmente os costureiros de peças sob encomenda.

Áreas de atividades - Projetar peças sobe medida; modelar peças de roupas; confeccionar peças-piloto; preparar peças para costura; costurar peças em tecidos; confeccionar peças em couros e peles; controlar qualidade dos produtos; realizar pequenos reparos de manutenção e preparar produtos confeccionados para armazenagem.

Fonte: www.mte.gov.br

Dia do Alfaiate

06 de Setembro

"Indivíduo que talha e cose vestuários para homem"

O que é ser alfaiate?

Alfaiates são profissionais que desenham, cortam, costuram e reformam roupas. Há os que trabalham como autônomos, atendendo clientes em casa ou costurando peças por encomenda, e os que são empregados de indústrias de confecções, nas linhas de montagem de roupas. Podem ainda trabalhar em lojas, efetuando consertos, alargando ou ajustando as peças prontas ao corpo do cliente, ou na confecção de figurinos para espetáculos. Já os alfaiates tradicionais têm seu próprio ateliê.

Dia do Alfaiate

Quais as características necessárias para ser um alfaiate?

Esta é uma profissão para os apaixonados por moda e vestuário, transformando tecidos em roupas com qualificação industrial, porém artístico-artesretal sob medida.

Características desejáveis

boa visão

capacidade de comunicação

habilidade manual

interesse por moda

raciocínio espacial desenvolvido

senso estético

concentração e atenção a detalhes

Qual a formação necessária para ser um alfaiate?

Para o exercício da profissão, não há exigência de formação profissional. Esta é uma típica profissão onde a prática forma o profissional, é o que chamamos de livre formação. Entretanto é recomendável qualificar-se através de cursos; e saber usar máquinas de costura e de acabamento. Conhecimento de desenho e informática são necessários àqueles profissionais que optarem por trabalhar na indústria de confecções, isto em função da constante automatização das linhas de produção. Também, o profissional deve manter-se atualizado sobre as tendências da moda.

Principais atividades de um alfaiate

Para confeccionar ou consertar, os alfaiates exercem as seguintes atividades:

tirar medidas de cliente, traçar moldes e cortar o tecido segundo o molde;

alinhavar as peças;

fazer uma prova no corpo do cliente e efetuar ajustes;

costurar e fazer o acabamento.

Na maioria das vezes recebem o tecido e o desenho do modelo para executar, mas pode também fazer sugestões. Aqueles que são contratados por indústrias executam tarefas específicas na linha de produção, cada um associado a um tipo de máquina e a uma parte determinada da roupa, como pregar manga ou fazer bainha.

Dia do Alfaiate

Áreas de atuação e especialidades

Alfaiates autônomos trabalham em seu próprio ateliê. Na indústria da confecção normalmente são responsáveis pela primeira modelagem das peças que entrarão na linha de produção em série. No comércio é comum o alfaiate fazer parte de uma equipe que é responsável pelos ajustes necessários a serem realizados em peças dos vestuários vendidos nas lojas.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho para alfaiates é exclusivo do setor privado e bastante competitivo. Não há dados disponíveis sobre o número de alfaiates no país, mas os sindicatos afirmam que há muito mais profissionais do setor do que postos de trabalho. A automação e a concorrência dos produtos importados de boa qualidade e baixo preço afetam a indústria de confecções, com reflexos no mercado de trabalho.

Também, deve ser considerado que excelentes profissionais, os chamados "alfaiates tradicionais", seguem "customizando" ternos e camisas para o mercado de executivos, que exigem um corte de terno impecável e personalizado.

Um bom alfaiate, normalmente, desenvolve uma clientela cativa, e são considerados "consultores de moda", sugerindo e orientando seus clientes no uso adequado de tecidos, cortes conforme tendência de moda e características pessoais.

Fonte: www.brasilprofissoes.com.br

Dia do Alfaiate

06 de Setembro

Projeto de Lei n.º de 2004
(do Senhor Arnaldo Faria de Sá)

"Regula o exercício da profissão de Alfaiate."

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Art. 1º - O exercício da profissão de Alfaiate passa a ser regulado nos termos da presente lei.

Art. 2º - Alfaiate é o profissional que transforma o tecido em peça do vestuário, com qualificação industrial, porém artístico-artesretal e também sob medida.

Art. 3º - A categoria de Alfaiate é classificada da seguinte forma:

a) Mestre-Alfaiate – profissional que também pode ser o proprietário do estabelecimento, habilitado quanto às medidas, corte, preparo e ultimação das peças do vestuário;

b) Contra-Mestre – profissional que auxilia o Mestre-alfaiate e se dedica a tirar medidas, fazer moldes, cortar tecidos e provar as peças do vestuário;

c) Ajudante de Contra-Mestre – profissional que corta os tecidos, usando moldes, ou sob orientação do Contra-Mestre;

d) Oficial-Alfaiate – é o oficial que costura as peças do vestuário;

e) Oficial de Paletó – é o oficial que confecciona o paletó completo ou peças a rigor como: Diner-jaque, fraque e casaca;

f) Meio-Oficial – é o aprendiz de oficial, que auxilia costurando pensas, fazendo bolsos, enquartando frentes, ilhargas e mangas;

g) Ajudante – é o aprendiz que faz o ponto mole, chuleia, acolchoa entretelas, lapelas e baixo de gola;

h) Coleteiro – é o oficial que confecciona todos os tipos de coletes;

i) Calceiro – é o oficial que confecciona todos os tipos de calça, inclusive o culote;

j) Acabador – é o oficial que faz ombros, golas e prega mangas;

k) Buteiro – é o oficial que faz reparos em geral;

l) Passador – é o oficial encarregado de passar todas as peças do vestuário;

m) Aprendiz de Alfaiate – é o elemento que se inicia na profissão.

Art. 4º - Para a admissão qualquer função classificada, o candidato deverá apresentar certificado de formação profissional.

Parágrafo Único . O aprendizado em oficina de Alfaiates poderá servir de prova para fins de classificação e enquadramento, desde que tenha o interessado Carteira Profissional, devidamente anotada, e seja sua capacidade profissional suficientemente atestada por três Mestres-Alfaiates credenciados pela Federação das Associações de Alfaiates do Brasil.

Art. 5º - Enquanto não for criado curso oficial de formação profissional, a Federação das Associações de Alfaiates constituirá um Conselho Especial integrado por cinco membros de reconhecida capacidade profissional para expedição de certificados.

Art. 6º - Os estabelecimentos comerciais que mantêm Alfaiataria e indústria do vestuário, cujos proprietários não sejam Alfaiates, somente poderão funcionar mediante registro de Mestre-Alfaiate credenciado pela Federação Nacional dos Alfaiates que lhe dê o nome e assuma a responsabilidade profissional pelo setor de Alfaiataria.

Art. 7º - O contrato do profissional estrangeiro, quando firmado no país de origem do contratado, será arquivado por cópia na Federação Nacional de Alfaiates, bem como no setor competente do Ministério do Trabalho, devidamente traduzido para o português, por tradutor oficial, observadas as normas da nacionalização do trabalho previstas nos arts. 352 e seguintes da Consolidação das Leis do Trabalho.

§ 1º - Os contratos celebrados com profissionais estrangeiros só serão registrados nos órgãos competentes do Ministério do Trabalho mediante comprovação do recolhimento, à Caixa Econômica Federal, em nome da Federação Nacional de Alfaiates, da importância de 10% (dez por cento) do valor do contrato, correspondente à Contribuição Sindical daquele profissional.

§ 2º - A importância de que trata o parágrafo anterior será rateada de acordo com o disposto nos arts. 589 e 590 da Consolidação das Leis do Trabalho.

Art. 8º - Não poderá ser contratado profissional estrangeiro para os setores técnicos e operacionais referidos na presente Lei, quando existir mão-de-obra qualificada nacional disponível.

Art. 9º - O valor da contratação do profissional estrangeiro não poderá exceder do dobro do salário do profissional brasileiro que tenha a mesma especialidade.

Art. 10 - Para os fins desta Lei, considera-se estrangeiro aquele que não tem residência no Brasil, ou que resida no país há menos de um ano, observadas as exceções especificamente previstas em lei.

Art. 11 - O acesso de uma para outra classificação profissional, a que alude o art. 3º, somente poderá ocorrer mediante prova das respectivas qualificações.

Parágrafo Único. Caberá à Federação Nacional dos Alfaiates outorgar o credenciamento de uma para outra classificação.

Art. 12 - São criados os Conselhos Estaduais de Fiscalização Profissional dos Alfaiates, integrados por três Mestres-Alfaiates, para cadastramento e fiscalização do profissional.

Parágrafo Único. Os conselheiros mencionados no caput deste artigo serão nomeados pela Diretoria Executiva da Federação Nacional dos Alfaiates, para mandato de dois anos.

Art. 13 - Com a finalidade de proteger o profissional, não serão permitidas a importação de modelos ou compra de etiquetas estrangeiras, desde que haja similar nacional.

Parágrafo Único. Caberá à Federação Nacional dos Alfaiates determinar a semelhança, ou não, com o produto nacional de modelos e etiquetas estrangeiras, ou dar parecer no caso de importação de produtos semelhante ao nacional.

Art. 14 - A falta de cumprimento das normas desta Lei importará na aplicação ao infrator, para cada infração legal ou contratual, a multa correspondente à quantia variável de dez a cem vezes o valor do salário de referência vigente, nos termos da Lei n.º 6.205 de 29 de abril de 1975.

Parágrafo Único. Nos casos de reincidência, as multas serão aplicadas em dobro.

Art. 15 - Além das disposições específicas da presente Lei, aplicam-se, no que couber, as normas estabelecidas pela Consolidação das Leis do Trabalho, em especial as que se referem ao aprendizado.

Art. 16 - Todos os alfaiates até então estabelecidos ficam com seus direitos plenamente assegurados.

Art. 17 - A Federação Nacional dos Alfaiates criará o “Centro de Moda Brasileira”, com a finalidade de promover o lançamento da Moda Brasileira do Alfaiate, e determinará sua regulamentação.

Parágrafo Único. O lançamento referido neste artigo será feito no segundo semestre de cada ano, para prevalecer no ano seguinte.

Art. 18 - Para cobertura desse lançamento, serão promovidos desfiles de roupas com a presença de público, sujeitos à liberação do Centro da Moda Brasileira e sua supervisão.

Art. 19 - Constituirão o Centro da Moda Brasileira, profissionais Alfaiates, de reconhecida competência, em número de cinco, indicados por entidades de classe a ele filiados, com mandato de um ano, permitindo-se sua renovação parcial ou total.

Art. 20 - O Centro da Moda Brasileira poderá obter patrocínio de empresas ligadas à profissão, de modo a garantir o êxito dos lançamentos, e a reprodução dos desfiles promocionais no maior número possível de centros consumidores do País.

Parágrafo Único. O patrocínio referido neste artigo deverá abranger também formas de divulgação da moda lançada pelos meios de comunicação mais positivos.

Art. 21 - No lançamento de cada ano, serão obrigatoriamente destacados os modelos feitos sob medida.

Art. 22 - A presente Lei entrará em vigor na data de sua publicação,

JUSTIFICATIVA

A profissão de Alfaiate é das mais antigas do mundo. Desde os primórdios, no Egito, posteriormente na Grécia e Roma, durante a Idade Média e Renascença foi das mais importantes pela influência de seus exercentes no âmbito social dos que bem vestidos se apresentavam.

A despeito da massificação existente em nossos dias, principalmente levando-se em conta a fabricação em série de roupas, continua essa operosa classe a exercitar preponderante papel na sociedade.

Entretanto, tais profissionais, apesar de dedicarem uma vida inteira em favor da comodidade e do conforto de todas as classes sociais, não tiveram ainda a profissão regulada de molde a conferir-lhes direitos, a exemplo do que ocorre com outras profissões. O próprio artesanato está desaparecendo, para dar lugar à "máquina" e aos que, nesse mesmo sentido, exploram o profissional habilitado.

O próprio aprendizado vem tendo prejuízo pela inexistência do estabelecimento ou oficinas em condições de ministrar ensino profissionalizante.

Na dinâmica industrial do vestuário não há lugar para a formação profissional, pois, cada pessoa sabe fazer apenas parte de peças que integram a vestimenta, sem, entretanto, ter condições técnicas de executá-la integralmente.

O recolhimento e disciplinação do exercício da profissão virá beneficiar a coletividade, e em especial o próprio aprendizado, capaz este de contribuir até para a minimização do problema do menor.

Não bastassem essas considerações, é importante ressaltar que a invasão de etiquetas estrangeiras, há prejudicado o próprio desenvolvimento da economia nacional. Milhares de dólares, em divisas, poderão ser economizados.

Além desses fatos, não é justo que ao invés de se estimular a própria capacidade criadora, da classe que se especializa no mister de conferir à moda brasileira um alto padrão de realização, se ofereça ao público confecções rotuladas como de procedência estrangeira, quando, na verdade, são produzidas em nossos próprios estabelecimentos industriais.

A pujança, a capacidade, o alto padrão de desenvolvimento tecnológico alcançado pelo profissional brasileiro, justificam o presente projeto, que dispõe sobre o exercício da profissão de alfaiate, protegendo-o e amparando-o como ele de há tanto tempo faz jus.

Arnaldo Faria de Sá Deputado Federal - São Paulo

Fonte: www.camara.gov.br

Dia do Alfaiate

06 de Setembro

Alfaiate (em francês: Tailleur) é o profissional especializado que exerce o ofício da Alfaiataria, uma arte que consiste na criação de roupas masculinas (terno, costume, calça, colete, etc.) de forma artesretal e sob medida, ou seja, exclusivamente de acordo com as medidas e preferências de cada pessoa, sem o uso padronizado de numeração preexistente.

Ao invés de máquinas modernas ou computadores de última geração, essa profissão utiliza artefatos simples como a tesoura, a régua, a linha, e velhas invenções como a máquina de costura e a entretela.

É comum encontrar, nessas pequenas lojas, poucos funcionários, como o próprio dono do estabelecimento e apenas um ajudante.

Na maioria dos casos, os profissionais que lidam com alfaiataria são pessoas com mais de 60 anos que exercem a profissão há 20, 30 e até 50 anos.

Fonte: www.smartkids.com.br