Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Motivos para Não Fumar  Voltar

Motivos Para Não Fumar

TABAGISMO EM NÚMEROS

Mortes e problemas ocasionados pelo tabagismo – mundo

População Fumante – Mundo

A OMS estima que um terço da população mundial adulta, isto é, 1 bilhão e 200 milhões de pessoas (entre as quais 200 milhões de mulheres), sejam fumantes

Cerca de dois terços da população fumante do mundo vive em dez países: China (que concentra aproximadamente 30%), Índia (10%), Brasil, Estados Unidos, Japão, Rússia, Alemanha, Turquia, Indonésia e Bangladesh

Mortes Cigarro – Mundo

OMS – dados do documento,lançado pela diretora geral da OMS, Margaret Chan.

Cem milhões de mortes foram causadas pelo tabaco no século XX

Previsão

As mortes relacionadas ao uso do tabaco subirão para mais de um bilhão de mortes no século XXI; Esta previsão significa 10 vezes mais mortes do que se previa no século passado

Chegaremos em 2030 somando mais de oito milhões por ano, e 80% desses óbitos acontecerão nos países em desenvolvimento

Metade dessas mortes vai atingir indivíduos em idade produtiva (entre 35 e 69 anos)

Tabagismo no mundo

O tabagismo é considerado a principal causa de morte evitável em todo o mundo

É responsável por cinco milhões de mortes ao ano no mundo, o que corresponde a mais de 10 mil mortes por dia


A OMS estima que um terço da população mundial adulta, isto é, 1 bilhão e 200 milhões de pessoas (entre as quais 200 milhões de mulheres), sejam fumantes

Pesquisas comprovam que aproximadamente 47% de toda a população masculina e 12% da população feminina no mundo fumam

Enquanto nos países em desenvolvimento os fumantes constituem 48% da população masculina e 7% da população feminina, nos países desenvolvidos a participação das mulheres mais do que triplica: 42% dos homens e 24% das mulheres têm o comportamento de fumar

Apenas cinco por cento da população mundial vive em países onde a publicidade e a promoção ao tabaco são totalmente proibidas ( medidas-chaves para reduzir as taxas do tabagismo)

Quinze países (onde vive seis por cento da população mundial) exigem que as embalagens de tabaco incluam alertas sobre os perigos de fumar

Nove países (que representam cinco por cento da população do planeta) dispõem de serviços exclusivamente destinados ao tratamento da dependência em relação ao tabaco

Tabagismo no Brasil

No início dos anos 90, 35% da população brasileira com mais de 15 anos era fumante

Em 2007 o índice de fumantes baixou para 16,4%, (pesquisa - Ministério da Saúde)

De cada 100 pacientes que desenvolvem câncer, trinta são fumantes

No caso daqueles pacientes com câncer no pulmão, esse índice salta para 90% do total

Mortes e problemas ocasionados pelo tabagismo – Brasil

Fonte Inca - Instituto Nacional de Câncer

No Brasil, estima-se que, a cada ano, 200 mil brasileiros morram precocemente devido às doenças causadas pelo tabagismo

Mortes e problemas ocasionados pelo tabagismo – idade

O tabaco é a segunda droga mais consumida entre os jovens, no mundo e no Brasil, e isso se deve às facilidades e estímulos para obtenção do produto, entre eles o baixo custo, a curiosidade pelo produto estimulada pela imitação do comportamento do adulto e a promoção e o marketing de produtos derivados do tabaco

Noventa por cento dos fumantes iniciaram seu consumo antes dos 19 anos de idade, faixa em que o indivíduo ainda se encontra na fase de construção de sua personalidade
Malefícios do tabaco

É o único produto legal que causa a morte da metade de seus usuários regulares. Isto significa que de 1,3 bilhão de fumantes no mundo, 650 milhões vão morrer prematuramente por causa do cigarro

O cigarro é composto por folhas de fumo que contêm mais de 4.500 complexos químicos, muitos dos quais se transformam em outras combinações. Esses complexos incluem arsênico, amônia, sulfito de hidrogênio e cianeto hidrogenado

O componente do cigarro mais letal de todos os elementos é o monóxido de carbono, que é idêntico ao gás que sai do escapamento dos automóveis. Este produto toma o lugar do oxigênio, deixando o nosso corpo totalmente intoxicado

O ar poluído contém, em média, três vezes mais nicotina, três vezes mais monóxido de carbono, e até cinqüenta vezes mais substâncias cancerígenas do que a fumaça que entra pela boca do fumante depois de passar pelo filtro do cigarro

Uma das substâncias presentes no fumo do tabaco é o alcatrão – de um forte odor, ele se obtém da destilação de certas matérias orgânicas, principalmente de carvão, ossos e de algumas madeiras resinosas. Ele provoca a obstrução dos pulmões e perturbações respiratórias, além da dependência do tabaco e várias doenças associadas ao seu consumo

Fumantes passivos

O tabagismo passivo é a terceira maior causa de morte evitável no mundo, subseqüente ao tabagismo ativo e ao consumo excessivo de álcool

Fumantes passivos também sofrem os efeitos imediatos da poluição tabagística ambiental, tais como, irritação nos olhos, manifestações nasais, tosse, cefaléia, aumento de problemas alérgicos, principalmente das vias respiratórias e aumento dos problemas cardíacos

Fumantes passivos têm um risco 23% maior de desenvolver doença cardiovascular e 30% mais chances de ter câncer de pulmão. Além disso, têm mais propensão à asma, redução da capacidade respiratória, 24% a mais de chances de infarto do miocárdio e maior risco de arteriosclerose

Custos, prejuízos e tratamentos

O poder público gasta com o tratamento de fumantes duas vezes mais do que arrecada com os impostos do cigarro, sem contar os prejuízos de empresas privadas

O tabaco causa prejuízos de mais de 200 bilhões de dólares ao ano no mundo

No Egito, o custo anual do tratamento de doenças vinculadas ao tabagismo chega a 545 milhões de dólares e na China a 6,5 bilhões de dólare

Custos dos fumantes para o SUS

O cigarro provoca um prejuízo anual para o sistema público de saúde de, pelo menos, R$ 338 milhões, o equivalente a 7,7% do custo de todas as internações e quimioterapias no País

Quase 8% dos gastos do sistema vão para doenças ligadas ao cigarro e são disponibilizados para hospitalizações e terapias quimioterápicas em pacientes de 35 anos ou mais, vítimas de 32 doenças comprovadamente associadas ao tabagismo (alguns tipos de câncer, problemas respiratórios e circulatórios)

O estudo revelou que a terapia de um paciente com câncer custa, em média, R$ 29, mil. O tratamento de câncer do esôfago, R$ 33,2 mil, e o de laringe, R$ 37,5 mil. Se todos os casos novos desses três tipos de câncer causados pelo cigarro procurarem o sistema público, o gasto calculado é de R$ 1,12 bilhão. Esse levantamento foi feito através da trajetória de fumantes internados em dois centros de referência para tratamento de câncer e problemas cardíacos: o Instituto Nacional de Câncer (Inca) e o Instituto Nacional de Cardiologia (INC)

Estima-se que 22,4% da população brasileira fume

O preço do cigarro brasileiro é o sexto mais barato do mundo

Ambientes fechados livres de fumo

Proibição do fumo – resultados na Itália

A pesquisa italiana publicada na revista "Circulation", da Associação Americana do Coração, se soma a resultados semelhantes da Irlanda e da Nova Zelândia, que também baniram completamente o fumo dos ambientes públicos.

Na Itália, após a implantação da lei que proibiu o fumo em locais fechados diminuiu o número de infartos na população;

Legislação na Itália

Em Janeiro de 2005, a Itália pôs em prática uma legislação que proibiu completamente o fumo em locais públicos como escritórios, lojas, restaurantes e bares. A lei prevê sanções pesadas contra os fumantes e os donos dos estabelecimentos comerciais flagrados desrespeitando a norma.

Pesquisa

A pesquisa realizada por médicos da cidade de Roma e comparou os números de 2000 a 2004, antes da proibição, com os dados de 2005, um ano após o banimento total do tabaco em locais públicos.

Análise da pesquisa

Os médicos levaram em conta outros fatores que afetam a ocorrência de infartos, pois já sabem que a temperatura ambiente, poluição e surtos de doenças infecciosas aumentam a incidência de problemas coronarianos nas populações.

Resultado da pesquisa

O número de infartos foi reduzido em 11% nas pessoas com idade entre 35 e 64 anos;

A freqüência do tabagismo caiu 4% nos homens e 0,2% nas mulheres;

As vendas de cigarros diminuíram 5,5% na Itália no mesmo período

A lei teve efeito nas populações mais jovens, porém o número de infartos nos idosos não sofreu praticamente alteração alguma;

O número de mulheres fumantes também não foi significativamente alterado.

Um aspecto ambiental importante foi a constatação de que a concentração de partículas finas no ar dos ambientes fechados caiu de 119 ig/m3 para 43 ig/m3, um ano após a efetivação do banimento.

Ao aplicarmos os resultados italianos ao número de casos de infarto no Brasil no período de janeiro a novembro de 2007, poderíamos evitar algo como cinco mil novos casos de infarto do miocárdio.

Doenças relacionadas ao tabagismo

O fumante é um dependente químico e está sujeito a mais de 2.450 doenças (explica o ministro da Saúde, José Gomes Temporão);

O tabagismo é diretamente responsável por 90% das mortes por câncer de pulmão, 25% das mortes por doença coronariana, 85% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica e 25% das mortes por doença cerebrovascular;

Outras doenças que também estão relacionadas ao uso do tabaco são aneurisma arterial, trombose vascular, úlcera do aparelho digestivo, infecções respiratórias e impotência sexual no homem.

Aspectos econômicos do tabaco

O tabagismo gera uma perda mundial de 200 bilhões de dólares por ano, sendo que a metade dela ocorre nos países em desenvolvimento;

Segundo estimativas do Banco Mundial, é o resultado da soma de vários fatores, como o tratamento das doenças relacionadas ao tabaco, mortes de cidadãos em idade produtiva, maior índice de aposentadorias precoces, aumento no índice de faltas ao trabalho e menor rendimento produtivo;

O Banco Mundial calculou que, para colocar em andamento um pacote essencial de intervenções em saúde pública em que o controle do tabagismo esteja incluído, os governos deveriam gastar em média 4 dólares per capita nos países de baixa renda e 7 dólares per capita nos países de renda média.

Nos países ditos de economia ou rendimento intermédio, as receitas fiscais provenientes do tabaco são mais de 4.000 vezes superiores às despesas com a luta antitabaco e nos países de fraco rendimento são mais de 9.000 vezes superiores, revela ainda o estudo;

A maioria dos países recolhe 500 vezes mais dinheiro nos impostos sobre produtos de tabaco a cada ano do que gastam em esforços de controle do tabagismo.

Fonte: actbr.org.br

Motivos Para Não Fumar

Aparecimento de enfisema, bronquite, asma, gripes constantes com recuperação lenta, e doenças cardíacas relacionadas diretamente ao hábito de fumar.

O fumante perde o folego aos menores esforços, com tosses frequentes, pigarro ou catarro constantes. Agravamento de doenças como hipertensão, diabetes, colesterol alto, cardiopatias, doenças vasculares - derrames (principalmente em associação à pípula anticoncepcional-AVC) e doenças pulmonares.

Envelhecimento precoce de todas as células do organismo pela diminuição do aporte de oxigênio no sangue e consequente aumento de radicais livres, bem como diminuição do tempo de vida.

O alcatrão, assim como algumas das centenas de substâncias catalogadas contidas na fumaça do cigarro, são considerados de grande potencial cancerígeno, sendo responsável pela maior incidência de câncer de pulmão, boca, laringe, esôfago, estômago, prostata, bexiga, cólon e outros órgãos.

Maiores riscos e maior dificuldade na recuperação após intervenções cirúrgicas. Pele do rosto acinzentada, dentes escuros e dedos da mão amarelados. Suspeita-se que algumas das mais de 4.000 substâncias presentes na fumaça do cigarro possam causar alterações genéticas.

No homem, maior tendência à impotência sexual, principalmente em associação a outros fatores de riscos como stress, hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares, etc. Diminuição da mobilidade dos espermatozóides, aumentando a possibilidade de infertilidade masculina.

Na mulher, maior índice de abortos e menor peso do recém-nascido em grávidas fumantes (menor aporte de oxigênio ao feto); recém-nascidos com dependência física da nicotina.

Dependência física e psíquica de uma substância, que nem sempre encontra-se à mão, além do número cada vez menor de locais públicos onde é permitido fumar. Dificuldade de convivência com outras pessoas ou parceiros que não fumam, além da transformação de seus filhos em fumantes passivos indefesos, sem considerar o mau exemplo.

Má aceitação social por parte de número cada vez crescente de amigos que não fumam ou que deixaram de fumar, e o consideram uma pessoa displicente com sua própria saúde, sem força de vontade e, pior ainda, egoísta por impor-lhes sua poluição particular. Mau hálito e impregnação de roupas, cabelo, objetos e ambiente doméstico pelo cheiro do cigarro.

Maior dificuldade de emprego, visto a tendência atual de preferência a não fumantes. Aumento dos gastos mensais com pacotes de cigarro, medicamentos para tratar as doenças relacionadas ao tabagismo e custos mais altos das apólices de seguro de vida e de saúde para fumantes.

Mais de 300 pessoas morrem por dia no Brasil em consequência ao hábito de fumar, superando assim o número de mortes por Aids, acidentes de trânsito e crimes, em conjunto.

Fonte: www.antifumo.com.br

voltar 12345avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal