Breaking News
Home / História Geral / Unificação da Itália e Alemanha

Unificação da Itália e Alemanha

PUBLICIDADE

Unificação da Itália e Alemanha – O que foi

Em 1800, o povo da Europa foi energizado e influenciado pelas ideias do nacionalismo e do iluminismo. Essas ideias influenciaram muitas regiões a se revoltarem contra os europeus e buscar suas nações independentes.

As ideias do nacionalismo e do iluminismo também coagiram a Itália e a Alemanha a se unirem.

Em meados de 1800, nem a Itália nem a Alemanha existiam, pois estavam fragmentadas em regiões menores que muitas vezes lutavam pela autonomia, embora compartilhassem semelhanças, especialmente culturais.

Essas semelhanças em termos de cultura, história, idioma e religião desencadearam sentimentos de nacionalismo no povo da Itália e também na Alemanha.

Unificação da Itália e Alemanha – História

1860-1871

O Século XIX será influenciado por dois sentimentos o nacionalismo e o romantismo. No primeiro um valor primeiro que é a pátria o de cantar o hino de seu país e até morrer por ele.

E o sentimento nacionalista foi reforçado por um estilo de arte, música e literatura chamado romantismo.

Escritores buscavam heróis do passado para levantar o orgulho do povo de ser daquele país. Um exemplo foi o compositor alemão Richard Wagner (1813-1883) que em suas óperas narrava a trajetória de heróis e deuses da mitologia alemã. Outro compositor foi o Italiano Giuseppi Verdi (1813-1901) em qual sua ópera Nabuco falava do passado glorioso da Itália.

A questão é que tanto a Alemanha quanto a Itália, não eram países como nós conhecemos hoje. Eles estavam divididos em vários reinos, embora falassem o mesmo idioma e tinham a mesma história, estes pequenos reinos tinham seu próprio governo e lei e foi necessário guerras para unificar tanto a Itália quanto a Alemanha.

Unificação da Itália e Alemanha – – Ideias

O nacionalismo e as ideias iluministas deram energia às pessoas na Europa para que pressionassem por formas mais democráticas de governo no século XIX. Na América Latina e no Caribe, inspirou as pessoas a se revoltarem contra o domínio europeu e buscar a criação de suas próprias nações.

Também ajudou a unificar as pessoas que sentiam que compartilhavam uma ancestralidade e uma cultura comuns para se unirem. Foi o que aconteceu com a unificação da Itália e da Alemanha.

Unificação da Itália e Alemanha

Em meados de 1800, nenhum país ainda existia. Eles foram divididos em muitos estados menores que às vezes compartilhavam conexões, mas outras vezes lutavam por autonomia. No entanto, as pessoas nesses estados compartilhavam principalmente a mesma língua, cultura, história e religião; todas as coisas que constituem os sentimentos nacionalistas.

Unificação Italiana

Após o Congresso de Viena, a Península Italiana ainda estava dividida. A maior região era o Reino das Duas Sicílias, que abrangia a maior parte do sul da Itália. Esta área estava sob controle espanhol e austríaco antes de alcançar a independência. O reino foi formado quando o Reino da Sicília se fundiu com o Reino de Nápoles, que era oficialmente também conhecido como Reino da Sicília. Como os dois reinos foram chamados de Sicília, eles foram conhecidos coletivamente como as “Duas Sicílias”.

Ao norte, o Reino da Sardenha estava sob controle espanhol e francês. Em 1852, o conde Cavour tornou-se primeiro-ministro do estado e procurou usar a negociação política e o conflito para ajudar a unificar toda a Itália. Ele se aliou à França e arquitetou uma guerra com a Áustria que ajudou a trazer mais terras para o reino.

No sul da Itália, os nacionalistas italianos eram liderados por Giuseppe Garibaldi. Ele liderou os Camisas Vermelhas, um exército que usava camisas vermelhas brilhantes para a batalha.

Eles capturaram a ilha da Sicília e então cruzaram para o continente italiano. Eles conquistaram as áreas do sul e concordaram em se unir ao Piemonte-Sardenha no norte.

Eles concordaram em entregar o poder a Victor Emmanuel II da Sardenha. Logo depois, a província austríaca de Venetia, lar da famosa cidade de Veneza, aderiu.

Por último, os Estados Papais, uma grande região da Itália central sob o controle do Papa e da Igreja Católica Romana, ficaram sob o controle italiano. Quando isso aconteceu, a cidade de Roma se tornou a nova capital de um Reino Unido da Itália.

Unificação Alemã

Havia mais de 30 estados alemães que tinham uma aliança conhecida como Confederação Alemã. Enquanto o Império Austríaco geralmente o dominava, o estado da Prússia assumiu a liderança na unificação deles na Alemanha.

Em 1862, o rei da Prússia Guilherme I selecionou Otto von Bismarck para ser seu primeiro-ministro. Bismarck tinha uma filosofia política conhecida como “realpolitik”. Esta filosofia é baseada em objetivos práticos e não em ideais e significa que Bismarck estava disposto a fazer o que fosse necessário para atingir seus objetivos.

Bismarck assumiu o controle do governo e disse ao seu parlamento a famosa frase: “Não é por meio de discursos e resoluções que as grandes questões do dia serão decididas … mas com sangue e ferro”.

Bismarck iniciou uma guerra com a Áustria conhecida como Guerra das Sete Semanas, que trouxe mais território à Prússia. Em seguida, ele ajudou a arquitetar um conflito com a França sobre estados fronteiriços em 1870. Isso se tornou a Guerra Franco-Prussiana e a vitória prussiana foi a peça final para unificar o estado alemão.

O rei prussiano Guilherme I foi coroado o Kaiser do Segundo Reich (com o Sacro Império Romano de Carlos Magno sendo o Primeiro Reich).

A Alemanha estava agora unida e uma grande e poderosa força na Europa.

Unificação da Itália e Alemanha – Resumo

Unificação da Itália e Alemanha

Em 1871, o reino da Itália e o império da Alemanha estavam unidos. Embora os dois países utilizassem tendências populares da época, tanto liberalismo quanto nacionalismo, o processo de unificação dos dois países foi muito diferente. O resultado final foi a Alemanha emergindo como uma nação forte e a Itália apropriadamente, a mais fraca.

Os problemas da Itália começaram com o fato de que não havia um governante principal, mas duas pessoas e um conceito, resultando em uma abordagem diferente para a unificação.

Gulseppe Mazzini tinha um programa radical focado em uma república democrática centralizada baseada no sufrágio universal e na vontade do povo. Vincenzo Gioberti, que era um padre católico, convocou uma federação dos estados existentes sob a presidência do papa. Depois, havia as pessoas que favoreciam a liderança do reino autocrático de Sardenia.

O governo de Sardenia era muito mais popular para a classe média do que os outros dois porque Sardenia parecia ser um estado liberal e progressista exibindo unificação nacional.

É por isso que as pessoas estavam se esforçando. Eles achavam as ideias de Mazzini muito radicais – e estavam tentando se afastar da religião que governava a nação como havia feito no passado.

Eles queriam uma separação distinta entre igreja e estado.

Fonte: Frederico Czar (Professor de História)/www.studentsofhistory.com/www.123helpme.com

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.