Breaking News
Home / História Geral / Civilização Maia

Civilização Maia

PUBLICIDADE

Civilização Maia – O que foi

Império Maia, centrada nas planícies tropicais do que é hoje a Guatemala, atingiu o auge de seu poder e influência em todo o século VI dC.

Os Maias destacaram-se na agricultura, cerâmica, escrita hieróglifo, calendário de tomada e matemática, e deixaram para trás uma surpreendente quantidade de arquitetura e obras de arte simbólica.

A maioria das grandes cidades de pedra dos maias foram abandonados por 900 dC, no entanto, e uma vez que os estudiosos do século 19 têm debatido o que pode ter causado esse declínio dramático.

civilização maia foi uma das sociedades indígenas mais dominantes da Mesomérica (um termo usado para descrever o México e América Central antes da conquista espanhola do século 16).

Ao contrário de outras populações indígenas espalhadas da Mesomérica, os maias foram centradas em um bloco geográfica que abrange toda a Península de Yucatán e moderna Guatemala; Belize e partes dos estados mexicanos de Tabasco e Chiapas; e a parte ocidental de Honduras e El Salvador.

Esta concentração mostrou que a Maya manteve-se relativamente seguro da invasão de outros povos mesoamericanos.

Dentro dessa expansão, os Maias viveram em três sub-áreas distintas com diferenças culturais e ambientais distintas: a norte Maya planícies da Península de Yucatán; as planícies do sul do distrito de Petén, no norte da Guatemala e partes adjacentes do México, Belize e Honduras ocidentais; e o sul Maya Highlands, na região montanhosa do sul da Guatemala.

A mais famosa, são os Maias da região de planície do sul alcançaram seu pico durante o período clássico da civilização maia (AD 250-900), e construíram grandes cidades de pedra e monumentos que têm fascinado exploradores e estudiosos da região.

Os primeiros assentamentos maias datam por volta de 1800 aC, ou o começo do que é chamado de pré-clássico ou Período Formativo.

Os primeiros maias eram agrícola, o cultivo de culturas como o milho (milho), feijão, abóbora e mandioca (mandioca).

Durante o período pré-clássico Médio, que durou até cerca de 300 aC, os agricultores maias começaram a expandir a sua presença tanto nas regiões montanhosas e de várzea.

O período pré-clássico Médio também viu o surgimento da primeira grande civilização mesoamericana, os olmecas.

Assim como outros povos Mesamerican, como a zapoteca, Totonac, Teotihuacán e astecas, os maias derivada uma série de traços culturais e religiosos-, bem como seu sistema numérico e seu famoso calendário, a partir da olmeca.

Além da agricultura, a pré-clássico os Maias também exibiram traços culturais mais avançados, como a construção de pirâmides, cidade e inscrita nos monumentos de pedra.

A cidade pré-clássico tardio de Mirador, no norte de Petén, foi uma das maiores cidades já construídas nas Américas pré-colombianas. O seu tamanho diminuído a capital maia clássica de Tikal, e sua existência prova que a Maya floresceu séculos antes do período clássico.

O período clássico, que começou por volta de 250 dC, foi a era de ouro do Império Maia.

Civilização Maia
Império Maia

Civilização maia clássica cresceu para cerca de 40 cidades, incluindo Tikal, Uaxactún, Copán, Bonampak, Dos Pilas, Calakmul, Palenque e Río Bec; cada cidade tinha uma população de entre 5.000 e 50.000 pessoas. No seu auge, a população maia pode ter chegado a 2.000.000.

As escavações de lugares maias desenterraram praças, palácios, templos e pirâmides, bem como tribunais para jogar os jogos de bola que eram ritualmente e politicamente significativo para a cultura Maia.

Cidades maias foram cercados e apoiado por uma grande população de agricultores. Embora os maias praticavam um tipo primitivo de agricultura “corte e queima”, também exibido evidência de métodos agrícolas mais avançadas, como a irrigação e terraceamento.

Os maias eram profundamente religiosos, e adoraram vários deuses relacionados à natureza, incluindo os deuses do sol, da lua, da chuva e do milho.

No topo da sociedade Maia eram os reis, ou “Ajaw kuhul” (senhores santos), que alegou estar relacionado com deuses e seguiram a sucessão hereditária.

Eles foram pensados para servir como mediadores entre os deuses e as pessoas na terra, e realizou as cerimônias religiosas e rituais elaborados tão importante para a cultura Maia.

O Maia clássico construíram muitos de seus templos e palácios em forma de pirâmide de degraus, decorando-os com relevos elaborados e inscrições.

Estas estruturas têm dado aos Maias a sua reputação como os grandes artistas da Mesoamérica.

Guiado por seu ritual religioso, os Maias também fizeram avanços significativos na matemática e na astronomia, incluindo o uso do zero e do desenvolvimento de um sistema de calendário complexo com base em 365 dias.

Embora os primeiros pesquisadores concluíram que os maias eram uma sociedade pacífica dos sacerdotes e escribas, mais tarde em evidências, incluindo uma análise aprofundada da obra de arte e inscrições em suas paredes do templo mostraram o lado menos pacífica da cultura Maia, incluindo a guerra entre a cidade e a religião.

Exploração grave de Maias clássicas começou na década de 1830. No início a meados do século 20, uma pequena parte do seu sistema de escrita hieróglifo tinha sido decifrada, e mais sobre sua história e cultura se tornou conhecido. A maioria do que os historiadores sabem sobre o Maia vem do que resta de sua arquitetura e arte, incluindo esculturas em pedra e inscrições em seus edifícios e monumentos.

Os Maias também fizeram o papel de casca de árvore e escreveram em livros feitos com esse papel, conhecido como códices; quatro desses códices são conhecidos por terem sobrevivido.

Uma das muitas coisas intrigantes sobre os Maias era a sua capacidade de construir uma grande civilização em um clima de floresta tropical.

Tradicionalmente, os povos antigos tinham florescido em climas mais secos, onde a gestão centralizada de recursos hídricos (por meio da irrigação e outras técnicas) formaram a base da sociedade. (Este foi o caso da Teotihuacan das montanhas do México, contemporâneos dos maias Classic.). Nas terras baixas maias do sul, no entanto, havia poucos rios navegáveis para o comércio e transporte, assim como não há necessidade óbvia para um sistema de irrigação.

Até o final do século 20, os pesquisadores concluíram que o clima das terras baixas foi de fato bastante diverso do ambiente.

Apesar de invasores estrangeiros ficaram decepcionados com a relativa falta de prata e ouro da região, os Maias aproveitaram muitos recursos naturais da região, incluindo calcário (para construção), a obsidiana rocha vulcânica (para ferramentas e armas) e sal. O ambiente também realizou outros tesouros para os maias, incluindo jade, plumas de quetzal (utilizados para decorar os trajes elaborados da nobreza Maia) e conchas marinhas, que foram usados como trombetas em cerimônias e guerra.

A partir do oitavo século até o final do século IX, algo desconhecido aconteceu para agitar a civilização Maia para suas fundações. Uma a uma, as cidades clássicas do Baixo Sul foram abandonados, e por 900 dC, a civilização Maia naquela região havia desmoronado. A razão para esta queda misteriosa é desconhecida, embora os estudiosos desenvolveram várias teorias concorrentes.

Alguns acreditam que, até o século IX, os maias tinham esgotado o ambiente ao seu redor, a ponto de que não poderia mais sustentar uma população muito grande.

Outros estudiosos maias afirmam que guerra constante entre as demais cidades-estados levou os militares complicado, familiar (por casamento) e alianças comerciais entre eles para quebrar, junto com o sistema tradicional de poder dinástico. À medida que a estatura dos senhores santos diminuiu, suas tradições complexas de rituais e cerimônias dissolvido no caos.

Finalmente, alguma mudança catastrófica como um período extremamente longo, intenso ambiental da seca pode ter dizimado a civilização maia clássica.

Seca teria batido cidades como Tikal onde a água da chuva era necessária para beber, bem como para a cultura de irrigação, especialmente difícil.

Todos os três destes fatores: superpopulação e uso excessivo da terra, a guerra endêmica e seca podem ter desempenhado um papel na queda dos Maias nas planícies do sul. Nas terras altas do Yucatan, alguns Maya cidades como Chichén Itzá, Uxmal e Mayapán continuaram a florescer no período pós-clássico (900-1500 dC).

No momento em que os invasores espanhóis chegaram, no entanto, a maioria Maia estavam vivendo em aldeias agrícolas, seus grandes cidades enterrado sob uma camada de verde floresta.

Civilização Maia – Descoberta

A cultura maia só começou a ser explorada durante a primeira metade do séc. XIX pelo americano John Stephens e o desenhista inglês Frederik Catherwood.

Eles descobriram várias cidades sendo que a que mais chamou a atenção Chichen-Itzá.

Eles publicaram o resultado de usas pesquisas e foi através destas obras que o povo ficou sabendo que não eram simples índios mas que eles possuíam uma complexa organização, construíram magníficas cidades de pedra e desenvolveram uma escrita própria. Essa escrita se encontra nos diversos edifícios explorados.

Os sacerdotes maias possuíam diversos livros escritos em finas folhas de madeiras cobertas com gesso. Quando os maias foram encontrados por colonizadores, um dos aspectos que ajudou a extinção daquela civilização foi o fato de viverem em lutas constantes.

Nessa época os padres espanhóis descobriram que os índios possuíam livros e resolveram destruí-los para evitar a divulgação de sua cultura. O bispo de Yucatán, D. Diego de Landa, ordenou a apreensão ea queima de centenas de volumes de livros chamando isso de um auto-de-fé. Além disso determinou que a utilização daquela “escrita demoníaca” seria punida com a morte.

Esse mesmo bispo quando retornou à Espanha, escreveu um relatório intitulado Relacion de las Cosas de Yucatán, em 1566 para justificar sua ação repressiva.

Informou que os livros continham descrições de cerimônias diabólicas e sacrifícios humanos. O relatório ficou esquecido até 1863 até que foi descoberto pelo sacerdote Charles Etienne Brassuer, que era interessado nas culturas pré Colombianas. Este permitiu saber o sistema utilizado pelos maias para a elaboração do calendário e seus numerais.

Salvaram-se apenas 4 livros da destruição, 3 conhecidos há muito tempo e um que apareceu após a segunda guerra mundial. Os livros tratavam de idolatrias que envolviam sacrifícios entre outras práticas similares.

Calendário maia

calendário maia era superior ao de todos os povos da Antiguidade. Compreendia um ano solar de 365 dias, um ano bissexto de 366 dias e um ano venusiano de 260 dias.

Livros mais antigos eram os seguintes:

Códice Tró- Cortesiano (conservado na Espanha). Encontra-se dividido em duas partes. Na primeira, o Códice Troano, foi lido pelo abade de Bourbong.

Ele acreditou ter conseguido desvendar a chave dos hieróglifos maias e a história da destruição de Atlântida, sendo que uma parte do povo teria conseguido escapar e formado a civilização maia.

O manuscrito foi escrito por volta de sec, XII ou XIII e se tratava de astronomia e astrologia.

Códice de Dresden e o Códice Peresiano:

Dentre as pessoas que leram as descrições do bispo, um norte-americano se interessou muito sobre a Atlântida e sobre as teorias do abade de Bourbong, Edward Thompson.

Ele completou seus estudos e utilizou a influência da família para conseguir ser nomeado cônsul no bispado de Yucatán. Despertou interesse especial por Chichén-Itzá. Ela foi construída por volta de 415 e abandonada um século depois por razões desconhecidas e ocupada novamente por volta do ano 1000.

Durante o Novo Império foram construídos edifícios dedicados a divindades oriundas da região dos toltecas e que exigiam constantes sacrifícios humanos.

Edward Thompson explorou os edifícios em melhor estado de conservação.

Construções Maias

O chamado Caracol era um observatório astronômico com seteiras voltadas para Vênus, Marte, Júpiter, a estrela Sírio e a Lua. Havia também o Castelo, que era uma pirâmide com 4 escadas centrais, cada uma com 90 degraus, e mais 5 degraus que levavam até o templo, o que somava 365 degraus. Isso demonstrava a preocupação com o calendário solar…

Logo mais tarde Thompson entrou em descrédito para os arqueólogos pois achava que a civilização maia e egípcia por serem tão parecidas eram descendentes de uma mesma civilização, a Atlântida e os arqueólogos tradicionalistas não aceitam posições que admitam a existência de Atlântida.

O Poço dos Sacrifícios

Mas Edward estava interessado mesmo em encontrar o poço citado no livro de D. Diogo de Landa. Chichen-Itzá possui 3 grandes poços naturais (cenotes) e outros menores.

Após examina-los, decidiu se concentrar no da extremidade da cidade, por um motivo: para lá se dirigia uma estrada calçada que vinha desde a praça central da cidade. Sua circunferência é de 60 m e a profundidade de 25m. Durante vários dias só retirou madeiras podres e entulhos.

No nono dia apareceu bastões resinosos que ele deixou secarem ao sol e depois incendiou-os: eram incensos de aromas embriagadores. Mais adiante, encontrou facas de pedra, pontas de lanças, tijolos de cerâmica e pedra, jóias, adereços homaros e, por fim, ossos humanos. Os esqueletos eram de mulheres jovens, pois eles costumavam fazer oferendas de virgens.

Apenas um esqueleto masculino foi encontrado junto aos das mulheres. Provavelmente era um sacerdote e tivesse sido jogado ou puxado por una das vítimas.

As peças eram feitos com liga de 960 milésimos de ouro puro e alguns objetos oriundos de regiões distantes, o que fez ficar claro que eles tinham contato com as culturas ameríndias.

Todas a história chegou aos ouvidos do governo e Thompson foi ameaçado de prisão. Com isso, teve de retornar ao seu país. Uma conspiração se formou para destruir os seus livros.

Apenas um se encontra nas livrarias de antiguidades, o chamado People of the Serpent. Porém, os trabalhos que fez sobre a pirâmide-túmulo Chichen-Itzá, o sarcófago e o esqueleto estão desaparecidos.

Edward Thompson morreu em 1935, maldito pela ciência e esquecido por todos.

Civilização Maia – História

história da civilização Maia tem início por volta de 5000 ac. Ocupavam um território ao sul do México, Guatemala e a norte de Belize. Praticavam agricultura e construíam grandes edifícios e pirâmides de pedra.

civilização Maia, muito provavelmente, foi a mais antiga das civilizações pré-colombianos, embora jamais tenha atingido o nível urbano e imperial dos Astecas e Incas.

Antigo Império teve seu centro no norte da Guatemala, mas se estendeu pelo sul do México e também por Honduras. O Novo Império ocupou a metade setentrional da península de Yucatán.

Os Maias floresceram no século IV d.C. na Península de Yucatán, onde hoje ficam o México, Beliza e Guatemala. Jamais foram um império, embora possuíssem uma cultura comum.

Sempre se organizaram em cidades-estados, porém, na época da conquista espanhola, encontravam-se quase na decadência total.

O principal produto era o milho, porém, cultivavam também o feijão, a abóbora, vários tubérculos, o cacau, o mamão e o abacate. Trabalhavam o ouro e o cobre.

Um dos aspectos que impede que se conheça mais profundamente a cultura maia antiga é o fato deles possuírem uma escrita extremamente complexa, da qual só se conhece alguns hieróglifos.

A grande maioria deles permanece e talvez permanecerá indecifrável.

Distingue-se dois grandes períodos na civilização maia, chamada de antigo império e novo império. O antigo império teve seu centro no norte da Guatemala, mas se estendeu pelo sul do México e também por Honduras.

O novo império ocupou a metade setentrional da península de Yucatán.

Arquitetura maia

arquitetura maia era totalmente devotada ao culto; as cidades eram centros religiosos, o povo vivia em choças e casas de adobe. Os templos eram de forma retangular e construídos cobre pirâmides truncadas, acessíveis por escadas laterais. O admirável na arte maia é a combinação da arquitetura com a decoração em relevo de estuque e pedra-sabão.

Organização social maia

Cada cidade-estado era governada por um chefe ( halch uinic ), que era assistido por um conselho que incluía os principais chefes e sacerdotes. Dentre os chefes se destacavam o Batab, o civil, e o Nacom, o militar.

A classe sacerdotal conhecida por Akhim, se dividia em dois grupos. O primeiro velava o culto e o segundo se entregava as artes e ciências.

O povo se empregava com a agricultura e com a construção das obras públicas. Os escravos eram os prisioneiros de guerra ou infratores do direito comum até pagar pelo seu crime.

Cultura maia

O crescimento da cultura maia se revela principalmente no terreno intelectual, porém, devido à complexidade da sua escrita, só foram descobertos até agora os símbolos relativos ao tempo.

Desenvolveram a aritmética de maneira que ela permitiu cálculos astronômicos de uma exatidão admirável. Conheciam o movimento do Sol, da Lua, de Vênus e provavelmente de outros planetas.

A numeração escrita era simbolizada por pontos e traços. Inventaram o conceito de abstração matemática, o valor zero fazendo-o intervir nos seus cálculos e cronologias. O calendário se baseava no sistema análogo.

O dia ( Kin ) era a unidade de tempo, acima da qual vinha o Uinal, correspondendo a um mês de 28 dias, o Tun equivalia ao ano.

Governo maia

No período de apogeu da civilização maia, é muito provável que as cidades destas tivessem sido sociedades teocráticas e pacíficas.

As guerras que ocorriam na maioria delas tinha o intuito de obterem prisioneiros para serem sacrificados aos deuses.

Religião maia

religião dos maias assemelhava-se à de outros povos da região, cultuavam divindades ligados à caça, à agricultura e os astros. Os maias acreditavam que o destino do homem era regido pelos deuses, e para eles ofereciam alimentos, sacrifícios humanos e animais.

Civilização Maia – Povo

história do povo maia começa há milhares de anos, quando povos provavelmente vindos da Ásia pelo estreito de Bering (estreito que separa a Ásia da América), ocuparam a América do Norte e Central.

Estudos realizados na língua maia levam à conclusão de que ao redor de 2 500 a.C., vivia um povo protomaia, na região de Huehuetenango, na Guatemala. Há cerca de duas horas de Cancún, encontram-se as ruínas da antiga cidade cerimonial de Chichén-Itzá, que floresceu no auge da civilização maia-tolteca.

Seu mais importante sacerdote foi Kukulcan (a serpente emplumada), provavelmente vindo do México central onde era conhecido como Quetzalcóatl. Ao que tudo indica, Kukulcan foi mesmo um personagem histórico e que morreu e foi enterrado na península de Yucatan.

Acreditava-se que ele encarnava o espírito da serpente emplumada cuja cabeça está representada no quadro ao lado e surge com freqüência nas ruínas maias deste período.

Acima, quadro feito por Frederick Catherwood em meados do século XIX mostrando de El Castillo, a grande pirâmide de Chichén-Itzá, quando o mundo descobriu o fantástico mundo maia.

Civilização Maia
Chichen Itza

Chichén Itzá é a mais fantástica cidade maia-tolteca; visita obrigatória a todos que vão a Cancún.

A história da civilização maia é dividida em período pré-clássico ou formativo, período clássico, período de transição, período maia-tolteca e período de absorção mexicana.

Período Pré-clássico (500 a.C. a 325 d.C.) – a cultura maia começa a ser delineada. Estátuas de barro antropomorfas aparecem mostrando os traços típicos de seu povo.

Período Pré-Clássico ( 1500 a.C. – 250d.C.)

Eram agricultores, fabricavam cerâmica (ornamentação de cordões e usavam pedras de moer- o que supõe a cultura do milho.

Agrupavam-se em aldeias ( Kaminaljuyú, ou nas terras baixas, Altar de sacrifícios e Seibal).

Uaxactún e Tical têm camadas inferiores que remontam ao século V a.C., desde o ano 300 a.C. percebem-se as características fundamentais da civilização Maia: Arquitetura com uma espécie de abóbada em balanço, inscrições hieroglíficas, uso de um calendário “a longo prazo” e ereção de estelas comemorativas.

Período Clássico (325 d.C. a 925 d.C.)

Costuma-se subdividir este período em clássico temprano (325 d.C. a 625 d.C.) que corresponde ao período em que cessaram as influências externas e os maias se firmaram como povo.

Neste período surgiram formas tipicamente maias na arquitetura como o arco corbelado e o registro de datas históricas com o uso de hierógrifos, em florescente (625 d.C. a 800 d.C.), quando as manifestações culturais chegaram ao seu esplendor cultural. Foi a época dos grandes avanços na matemática, na astronomia, na escrita, nas artes e na arquitetura e o Colapso (800 d.C. a 925 d.C.), época em que misteriosamente a cultura maia se deteriorou e os centros cerimoniais foram abandonados.

Sem dúvida, este éríodo correspondeu ao florescimento dessa civilização; os grandes centros cerimoniais (Tikal, Uaxactún e Seibal, na Guatemala; Copán em Honduras, Palenque, Uxmal, Bonampak e Chichén Itzá, No México, Etc) multiplicavam-se. As grandes metrópoles religiosas compreendiam edifícios típicos, templos construídos sobre uma plataforma piramidal, cobertos por uma espécie de abóbada em balanço e encimados por uma crista com cumeeira; palácios ( residência principesca ou lugar de reunião, dotado de numerosas galerias), cuja disposição – em grupos distintos ligados por calçadas elevadas – em torno de amplas praças atesta certo senso de urbanismo; e conjunto monumental monolítico, composto de um altar com estela ornada de uma decoração esculpida. Nunca reunidos sob hegemonia de um poder central, cada centro conservou um estilo individual. A escrita hieroglífica não foi inteiramente decifrada.

Depois do auto-de-fé dos conquistadores, apenas três manuscritos (Codex) subsistem e são dotados do pós-clássico. O primeiro refere-se a rituais religiosos; o segundo à adivinhação; e o último a à astronomia, que, sem usar nenhum intrumento óptico, era de uma precisão espantosa. Em seu apogeu, essa civilização – que ignorava a roda e o animal de tração, e só conhecia instrumentos de madeira e de pedra – foi por razões obscuras, brutalmente interrompida, por volta do século IX, na zona central, que contudo não foi totalmente abandonada. O pós-clássico ( do século X à conquista espanhola) testemunha certo do renascimento devido aos Toltecas, vindos de Tula.

Quando chegaram por volta do século X, supõe-se que algumas grandes cidades de Iucatán existissem ainda. A associação das duas tradições originou um novo estilo artístico “maia-tolteca”, caracterizado por uma arquitetura mais ampla e arejada ( colunatas, grandes jogos de bolas) e pelo apelo amágama dos panteões e dos motivos decorativos ( Chac, o deus maia da chuva, representado alternadamente como Quetzalcoatl, a serpente emplumada, transformada em Kukulkan).

Período de Transição (925 d.C. a 975 d.C.)

Este período marca a queda livre da civilização maia e o nível cultural, misteriosamente, caiu quase que ao nível do período pré-clássico.

Período Maia-Tolteca (975 d.C. a 1 200 d.C.)

Época de grande esplendor, mas agora sob forte influência da cultura tolteca, que chegou do centro do México, trazendo consigo o mito de Quetzalcóatl.

O povo maia era fundamentalmente um povo guerreiro. Mesmo entre eles, lutavam com crueldade pelo domínio das regiões.

Em Chichén Itzá a influência tolteca é muito forte. A principal pirâmide, chamada El Castillo, que ocupa a região central das ruínas, foi construída pelos toltecas. O observatório El Caracol, também é deste período.

Civilização Maia
El Caracol
Observatório de Chichen-Itzá

Viveu-se nesta época o mito de Quetzalcóatl, chamado pelos maias de Kukulcán, a serpente emplumada, o homem-pássaro, um dos mitos mais interessantes da história da humanidade.

Vejam abaixo uma representação artística mostrando El Caracol hoje (esquerda) e em todo o seu esplendor (direita) no auge da cidade.

Nesta época, houve grande avanço nos conhecimentos astronômicos dos maias que construíram o mais preciso calendário existente. Os maias desenvolveram um sistema numérico próprio, sem o qual não seria possível os avanços científicos. Observe o quadro abaixo. Facilmente você poderá entender como os números eram escritos. Reparem que eles descobriram também o número zero.

Além deste modo de representar números, eles tinham um outro sistema, mais próximo dos hieróglifos. Cada número era representado por uma cabeça diferente, mas não tão diferente para nó aponto de podermos ler tais números com facilidade.

Período de Absorção Mexicana (1 200 d.C. a 1540 d.C.)

Nesta época surgiram vários conflitos, as alianças entre os vários grupos foram sendo quebradas e houve uma série de enfrentamento bélico que dividiu as populações e empobreceram ainda mais a cultura.

Quando os espanhóis chegaram à região maia, as grandes cidades cerimoniais já haviam sido abandonadas, a cultura estava em total decadência.

Restava pouco daquela que foi uma das mais fantásticas civilizações que o mundo já teve. O tempo foi implacável. Nos roubou para sempre esse tesouro. Restam as lembranças que as ruínas guardaram para nós.

Civilização Maia – Centro Cerimonial de Tikal

Em meio à exuberante floresta tropical, densa e úmida, as pirâmides de pedra de Tikal despontam para a surpresa e deleite de quem as vê. Solene, a cidade guarda os vestígios da civilização maia.

Conhecidos como os gregos da América devido à sua organização em cidades independentes, como na antiga Grécia, os maias jamais constituíram um império.

Ainda assim, eles criaram a mais antiga civilização pré-colombiana – anterior à chegada dos europeus no séculoXV – e talvez a mais original e misteriosa. Unidos pelo culto aos mesmos deuses e pelo idioma comum, eles viviam espalhados pela selva em pequenas aldeias. Erguida por volta do ano 250, Tikal foi um importante centro sagrado, habitado apenas por nobres e sacerdotes.

O restante da população dirigia-se ao local durante as festas religiosas que aconteciam na praça principal, onde se encontram pirâmides que têm função de templos.

Misterioso abandono

Em seus dias áureos, no século IX, Tikal chegou a reunir cerca de 50 mil pessoas. Em parte, tal fato se deve a sua localização no cruzamento de rios que se encontram no caminho entre o Golfo do México e o Mar do Caribe. No ano 900, aproximadamente, o povo abandonou a região, rumo ao norte.

Os motivos da partida repentina são um mistério. Acredita-se que o êxodo tenha sido causado por uma epidemia ou pelo aumento da população, gerando escassez de alimentos.

Hoje, as pedras de Tikal despertam reverência não só de visitantes, mas também de estudiosos que decifram a escrita maia e revelam aos poucos os segredos dessa brilhante civilização.

Chichén-Itzá

Os Habitantes da “Boca do poço dos feiticeiros d’água” – Chichén-Itzá – queriam desvendar o caminho dos astros para chegar ao coração dos deuses. Nesse local mágico, os maias ergueram uma civilização sobre os pilares da ciência e da religião

A sombra de Kukulcán, o deus-serpente dos maias, passeia por Chichén-Itzá durante os equinócios de primavera e de outono, quando noite e dia têm a mesma duração.

Seu ponto de partida é a principal escadaria do Castelo, uma grande pirâmide erguida em sua honra com base em conhecimentos astronômicos: os degraus das quatro escadarias e da plataforma superior somam 365, número de dias do ano. Além disso, cada um dos lados alinha-se com um dos pontos cardeais e os 52 painéis esculpidos em suas paredes são uma referência aos 52 anos do ciclo de destruição e reconstrução do mundo, segundo a tradição maia.

Sacrifícios humanos

Fundada no ano 452, Chichén-Itzá conheceu dias de glória no século X, quando foram construídos o Castelo, o templo dos guerreiros e a quadra de jogo de pelota. Na aridez da região, seu florescimento só foi possível graças aos cenotes, poços de água com função também religiosa. Em tempos de seca, ofereciam-se sacrifícios ao deus da chuva, Chaac, no Cenote Sagrado.

Conquistada pelos guerreros de Mayapán no século XII, Chichén-Itzá estava abandonada quando os espanhóis chegaram. Suas grandes obras mantém o vigor da cultura maia.

Pacal Votan

Não há dúvidas sobre a magia de Palenque. Aqui foi descoberto o túmulo de Pacal Votan, em 1947 – o único túmulo em pirâmide, no México, de estilo egípcio.

Não há nada em palanque que não seja maravilhoso. As esculturas em baixo relevo da Cruz Folhada e da Cruz do Sol, eu já os tinha visto.

Civilização Maia – Resumo

Os maias são provavelmente as civilizações clássicas mais conhecidas da Mesomérica.

Originados em Yucatán por volta de 2600 a.C., eles ganharam destaque por volta de 250 d.C. no atual sul do México, Guatemala, norte de Belize e oeste de Honduras.

Com base nas invenções e ideias herdadas de civilizações anteriores, como os olmecas, os maias desenvolveram a astronomia, os sistemas de calendário e a escrita hieroglífica.

Os maias também eram conhecidos por sua arquitetura cerimonial elaborada e altamente decorada, incluindo pirâmides de templos, palácios e observatórios, todos construídos sem ferramentas de metal.

Eles também eram fazendeiros qualificados, limpando grandes áreas da floresta tropical e, onde a água subterrânea era escassa, construindo reservatórios subterrâneos consideráveis para o armazenamento da água da chuva. Os maias eram igualmente hábeis como tecelões e oleiros, e abriram rotas através de selvas e pântanos para fomentar extensas redes de comércio com povos distantes.

Por volta de 300 a.C., os maias adotaram um sistema hierárquico de governo com governo de nobres e reis. Essa civilização se desenvolveu em reinos altamente estruturados durante o período clássico, 200-900 d.C.

Sua sociedade consistia em muitos estados independentes, cada um com uma comunidade agrícola rural e grandes locais urbanos construídos em torno de centros cerimoniais. Começou a diminuir por volta de 900 d.C., quando – por motivos que ainda são um mistério – os maias do sul abandonaram suas cidades. Quando os maias do norte foram integrados à sociedade tolteca em 1200 d.C., a dinastia maia finalmente chegou ao fim, embora alguns centros periféricos continuassem a prosperar até a conquista espanhola no início do século XVI.

A história maia pode ser caracterizada como ciclos de ascensão e queda: as cidades-estado aumentaram em destaque e entraram em declínio, apenas para serem substituídas por outras.

Também poderia ser descrito como um processo de continuidade e mudança, guiado por uma religião que continua sendo a base de sua cultura. Para aqueles que seguem as antigas tradições maias, a crença na influência do cosmos nas vidas humanas e a necessidade de homenagear os deuses por meio de rituais continua a encontrar expressão em uma fé híbrida cristã-maia moderna.

Fonte: www.history.com/members.tripod.com/ciencias1.locaweb.com.br/geocities.yahoo.com.br/www.appc.ubbi.com.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.