Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / História do Telefone Celular

História do Telefone Celular

Telefonia Móvel Celular

PUBLICIDADE

A forma mais comum de ligar o usuário à Central Telefônica em todo o mundo, até bem pouco tempo, era através do fio metálico, porém, existem outras formas.

Já faz algum tempo que o sistema de rádio é usado pelas companhias telefônicas para interligar assinantes que estejam muito distantes das centrais ou em locais de difícil acesso. Assim como recebemos sinais de TV e rádio, recebemos também sinais de voz em freqüência, ao invés de usar o fio metálico, permitindo que estes sinais sejam enviados e recebidos de automóveis e pessoas em movimento.

A comunicação móvel é usada há muito tempo, porém com sistemas de baixa qualidade devido à tecnologia existente até então. Com sérias limitações em função da ocupação do espectro de freqüências, a comunicação móvel não suportava grande quantidade de ligações devido à interferências. Mas com a evolução tecnológica e o crescimento da procura por esse tipo de serviço, desenvolveu-se a Telefonia Móvel Celular.

O sistema celular é uma tecnologia aplicada para conseguir melhores resultados no emprego das freqüências de rádio disponíveis, ou seja, aquelas que não são usadas pelo rádio ou pela TV. As freqüências são reutilizadas a distâncias relativamente curtas como, por exemplo, dentro de uma mesma região metropolitana.

A reutilização de freqüências funciona da seguinte forma: uma determinada área de atendimento é dividida em células em formato hexagonal – com seis lados – que possuem, cada uma delas, um conjunto de freqüências diferentes da área vizinha. Assim, as células próximas podem usar uma mesma freqüência sem que haja interferência. Uma vez estabelecida a ligação, o usuário pode se deslocar para qualquer ponto que a mudança de uma célula para outra será automática.

História do Telefone Celular

Composição do Sistema

História do Telefone Celular

Além do terminal móvel conhecido como telefone celular, existe também a Estação Rádio Base (ERB) responsável por mandar e receber sinais que vêm destes terminais. Cada célula possui uma ERB que se interliga a uma Central de Comutação e Controle (CCC). Essa central determina os canais de comunicação do Sistema Móvel que serão interligados com o sistema de Telefonia Pública, geralmente por meio de troncos convencionais que supervisionam e controlam todas as chamadas para dentro ou para fora do Sistema.

Telefonia Celular no Mundo e no Brasil

Apesar da comunicação móvel ser conhecida desde o início do século XX, somente em 1947, passou a ser desenvolvida pelo Laboratório Bell, nos EUA. No final da década de 1970 e início de 80, o Japão e a Suécia ativam seus serviços com tecnologia própria e em 1983 a companhia americana AT&T criou uma tecnologia específica implantada pela primeira vez em Chicago. A partir daí, a telefonia celular ganhou visibilidade e passou a ser adotada na década de 80 por quase todos os países. Com a incrível expansão do mercado, surgiu a segunda geração dessa tecnologia, a telefonia celular digital.

Brasília

Início da década de 1970
Implantado um serviço anterior à tecnologia celular, contando com 150 terminais.

Em 1984 teve início à análise de sistemas de tecnologia celular no Brasil, que escolheu para funcionar no país, o sistema analógico AMPS – padrão americano. O mesmo aconteceu em todos os outros países do continente americano e em alguns da Ásia e Austrália.

As primeiras cidades brasileiras a usar o serviço, foram:

Bahia

O Serviço Móvel Celular foi inaugurado oficialmente em 20 de julho de 1993, mesma data da III Conferência Ibero-Americana de Chefes de Estado (Cumbre). A primeira ERB foi ativada três meses antes, para atender à III Cumbre, na Central Telefônica do Itaigara, onde hoje funciona uma das dependências da Telemar S/A.
Rio Grande do Sul

A telefonia móvel chegou ao Rio Grande do Sul em 18 de dezembro de 1992, funcionando apenas em Porto Alegre, Guaíba, Eldorado do Sul, Gravataí e Litoral Norte do Estado, com uma capacidade inicial de 4 mil assinantes. Em 1993, a capacidade foi ampliada para 20 mil assinantes.

São Paulo

Considerado o último dos grandes mercados de serviço móvel celular do mundo teve sua inauguração no dia 6 de agosto de 1993 numa área de concessão que envolveu 620 municípios – 64 na região metropolitana e 556 no Interior.

No começo, os aparelhos de telefone pesavam quase meio quilo e os assinantes tinham que pagar 20 mil dólares para entrar no sistema, seja com os aparelhos de telefone para automóveis, que ficavam fixos nos carros, ou com aqueles que podiam ser carregados.

Em 1997, com a liberação da Banda B para as empresas privadas, o sistema aumentou sua área de abrangência e, conseqüentemente, o número de aparelhos de telefone que servia.

A partir do dia 31 de janeiro de 1998, o serviço celular passou a ser operado pela Telesp Celular S.A., na Banda A.

No dia 29 de julho de 1998, com a maior privatização de todos os tempos, um consórcio formado pela Telefónica Internacional, a Iberdrola e a NTT Itochu comprou a Tele Sudeste Celular Participações, holding que controlava a Telerj Celular (Rio de Janeiro) e a Telest Celular (Espírito Santo). O serviço digital CDMA da Telebahia Celular foi lançado no dia 16 de janeiro de 1998, porém, já vinha sendo usado na empresa como projeto-piloto da NEC, desde abril de 1997. As primeiras experiências operavam com sete ERBs, espalhadas estrategicamente pela Região Metropolitana de Salvador.

A Telebahia Celular não somente foi pioneira no lançamento da tecnologia CDMA – sigla em inglês para Acesso Múltiplo por Divisão de Código – como também a primeira a oferecer o serviço de “Caixa de Mensagem” gratuitamente para seus clientes.

A Telesp Celular lançou em 28 de junho de 2000 o serviço WAAAP, sendo a primeira operadora no Estado de São Paulo, a oferecer o serviço de Internet no celular – Internet de Bolso.

Saiba mais…

O WAAAP oferece, entre outros serviços, o envio e recebimento de e-mails, acesso ao sistema bancário, notícias on-line gerais e especializadas, verificação das condições do trânsito, compras, consulta ao roteiro gastronômico para escolha de restaurantes e bares, e consulta de cinemas, além de horóscopos, jogos e outros serviços.

O mercado brasileiro cresceu muito em 1999, quando o número de celulares passou de 7,4 para 15 milhões.

Em janeiro de 2001, com a liberação das Bandas C, D e E, o sistema aumentou ainda mais, tanto no que diz respeito às áreas de abrangência quanto ao número de aparelhos móveis.

Tecnologia

O CDMA é a tecnologia escolhida para a terceira geração de celulares em todo o mundo e foi aprovada em 1999 pela União Internacional de Telecomunicações (UIT). Apresenta a melhor performance entre as disponíveis para a transmissão de dados via celular e permite a oferta de produtos e serviços de terceira geração (3G), sem precisar adquirir novas faixas de radiofreqüência.

A telefonia celular

A telefonia celular é um dos serviços que mais crescem no mundo. No Brasil, por exemplo, o número de aparelhos celulares já ultrapassou o de telefones fixos.

A principal característica da telefonia celular é a mobilidade, ou seja, com ela o usuário consegue manter uma comunicação telefônica mesmo em deslocamento.

Isso é possível porque na telefonia celular a comunicação é feita através de ondas de radiodifusão, que dispensam o uso de fios para estabelecer a ligação entre o telefone celular e uma Estação Rádio-Base.

O sistema celular é formado por três componentes:

A Estação Móvel, que é o nome dado ao telefone celular.
A Estação Rádio-Base (ERB), que encaminha as ligações para a Central de Comutação e Controle (CCC).
E a Central de Comutação e Controle (CCC), que funciona como o “cérebro” do sistema, ligando-se a todas as Estações Rádio-Base e controlando as chamadas.

A transmissão é feita por faixas de freqüência, ou bandas, classificadas como A, B, C, D, E.

Além disso, todos ERBs (estações rádio-base) da operadora atendem aos limites de segurança exigidos pela ANATEL ( Agência Nacional de Telecomunicações).

O que é telefone celular e quais as suas vantagens?

O telefone celular é uma das mais bem sucedidas invenções tecnológicas, cuja principal característica é a MOBILIDADE. Permite que o usuário efetue e receba chamadas de qualquer lugar dentro da área de cobertura de sua operadora, inclusive em movimento, para qualquer outro lugar do mundo.

Que elementos compõem um sistema de telefonia celular? E como funciona esse sistema?

São três os elementos básicos de um sistema de telefonia celular:

1. CCC: Central de Comutação e Controle;
2. E.M.: Estação Móvel ou Telefone celular;
3. ERB: Estação Rádio-Base, composta de: equipamentos de transmissão e recepção, antenas e pára-raios, que ficam instalados em um poste, um mastro ou em uma torre.

Quando o telefone celular é usado para originar ou receber chamadas ou para utilizar outros serviços de comunicação, o contato com
sua operadora é feito mediante o envio e a recepção de sinais de rádio pelo telefone móvel para a antena da estação rádio-base (ERB) que estiver mais próxima do usuário.

Esses sinais são recebidos pela ERB e encaminhados para a central de comutação e controle (CCC) da operadora, que tem a função
de encaminhar as ligações para outras centrais, sejam elas operadoras de telefones fixos ou móveis, completando as ligações.

História do Telefone Celular

E o que são os sinais de rádio emitidos pelos telefones celulares e pelas ERBs?

Os sinais de rádio são ondas eletromagnéticas propagadas no espaço por antenas, sejam elas das ERBs de telefonia celular ou dos telefones celulares, decorrentes da corrente elétrica que passa dentro delas, e que são provenientes dos equipamentos transmissores. Do mesmo modo são geradas as ondas eletromagnéticas de TV e Rádio AM/FM. Existem também as ondas eletromagnéticas provenientes de fontes naturais, como a luz do sol.

Portanto, ao longo de nossas vidas estamos expostos a diversas fontes de emissão de ondas eletromagnéticas, naturais ou artificiais, e não apenas da telefonia celular. O que diferencia cada uma dessas radiações são a freqüência da operação e a energia que cada uma transmite.

História do Telefone Celular

Qual a diferença entre radiações ionizantes e não-ionizantes?

As radiações eletromagnéticas de frequência acima de 1016Hz (dez elevado à décima sexta potência Hertz) são consideradas ionizantes, porque possuem energia suficiente para quebrar as ligações moleculares dos materiais sobre os quais incidem.

As radiações eletromagnéticas de frequência abaixo de 1016Hz são consideradas não-ionizantes, pois não têm capacidade de quebrar as ligações moleculares.

A freqüência de operação da telefonia celular é em torno de 12 milhões de vezes menor que a freqüência a partir da qual as radiações eletromagnéticas são consideradas ionizantes.

Para você entender melhor…

Imagine que as células do seu corpo são bolas de madeira paradas em uma mesa, e de repente são atingidas por bolas de ferro, que são as emissões IONIZANTES. As bolas de madeira são deslocadas, pois as bolas de ferro são mais fortes que as bolas de madeira.

Agora imagine a mesma situação, só que em vez das bolas de ferro, as bolas de madeira são atingidas por bolas de isopor, que são as emissões NÃO- IONIZANTES. Por serem bem mais fracas, as bolas
de isopor não tem força para mover as bolas de madeira, não mudando suas posições.

Assim acontece com as nossas células em relação às emissões IONIZANTES e NÃO-IONIZANTES.

Com que intensidade as ondas eletromagnéticas são emitidas das ERBs típicas da telefonia celular?

História do Telefone Celular

As Estações Rádio Base da Telefonia Celular emitem ondas eletromagnéticas do mesmo tipo que as emitidas pelas emissoras de rádio e televisão, bem como pelos sistemas de rádio da polícia e do corpo de bombeiros.

Vale ressaltar que as ondas de telefonia celular são emitidas com potência média de 20 Watts, significativamente inferior às emitidas pelas emissoras de FM, com média de 10.000 Watts, pelas emissoras de Televisão, com potência média de 50.000 Watts, e pelas emissoras de AM, com potência média de 100.000 Watts

Fonte: www.museudotelefone.org.br/www.vivo.com.br

História do Telefone Celular

Telefone Celular, uma abordagem quase completa

Introdução

Nas últimas semanas a mídia provocou verdadeiro alvoroço ao noticiar que a Apple Inc. (aquela dos Macs e iPod) estaria lançando seu primeiro telefone celular o iPhone, para quem já acompanha as tendências de tecnologia sabe que qualquer lançamento da Apple é garantia de revolução.Porém pelos mais afoitos o anúncio feito pelo próprio CEO da empresa o Sr. Steve Jobs o iPhone não é como esperado, seja pela ausência de recursos ou pelo preço “salgado”.

Mas e você, sabe realmente do que seu celular é capaz ? Calcula-se que aproximadamente 100 milhões de brasileiros possuem aparelho celular, no entanto, a grande maioria utiliza apenas o recurso mais primitivo desse dispositivo que é realizar e receber chamadas.

O objetivo deste artigo é justamente abordar de forma simples porém ampla os diversos tipos de aparelhos, suas tecnologias e algumas de suas características mas como tudo na vida tem um início comecemos pela história do aparelho celular.

História

A primeira ligação de um telefone celular foi realizada em Nova York no dia 3 de Abril de 1973 pelo pesquisador da Motorola Martin Cooper de uma esquisa no centro da cidade.O aparelho pesava aproximadamente 1Kg e media 25x7cm, sua bateria possuia autonomia de apenas 20 minutos de conversação mas aquele momento se tornaria um marco no avanço das Telecomunicações que afetaria completamente a forma com o qual as pessoas se comunicam.

A idéia de se comunicar em pontos remotos e de forma autônoma, ou seja, mobilidade, é muito antiga e foi empregada bem antes da idealização do telefone celular. Há mais de 100 anos o homem já desfruta da comunicação pelas ondas de Rádio Frequência e embora a invenção do rádio esteja associada ao italiano Guglielmo Marconi, de fato o primeiro homem a transmitir a voz humana por ondas de rádio foi um “Padre Brasileiro”.

Bem a frente de seu tempo, de família humilde porém dotado de extrema genialide e habilidade inventiva o Padre Roberto Landell de Moura conduziu no dia 03 de Junho de 1900 um experimento que permitiu a transmissão e recepção de sinais de voz entre a Av. Paulista e os altos do Bairro de Santana, o evento foi coberto pela Imprensa sendo até destaque no Jornal do Comércio de 10 de Junho de 1900, também presenciaram o importante feito o Sr. P.C.P. Lupton, representante do Governo Britânico e sua família.

Algumas décadas depois o rádio se tornara o principal meio de comunicação em massa, além de instrumento de difusão de informações passou também a servir como hobby para entusiastas por comunicações estes denominados Radioamadores.Devido as dificuldades de propagação dos sinais de Rádio em “frequências muito altas” ou ” Very High Frequency – VHF” os Radioamadores desenvolveram um sistema interessante para transpor obstáculos que consistia de uma estação de rádio estrategicamente posicionada do ponto de vista geográfico num local bem alto, esta estação permitia a recepção dos sinais de outras estações e os re-transmitia à outras, dessa forma uma estação que não podia se comunicar diretamente com outra utilizava a estação “central” como intermediária, a estação intermediária passou a ser chamada de Estação Repetidora.

Com a evolução natural da tecnologia, os equipamentos para Radioamador ganharam recursos e inovações importantes, surgiram os primeiros rádios portáteis, estes rádios conhecidos como HT (Handie Talkie) trazem uma série de inovações, são pequenos, possuem codificador e decodificador DTMF (o mesmo padrão empregado nas linhas telefônicas modernas) e possuem uma bateria que garante autonomia para algumas horas de conversação.Essa mesma evolução resultou num equipamento de conexão chamado Phone Patch, este equipamento permite a conexão entre o rádio e a linha telefônica fixa, dessa forma um Radioamador que possui em sua casa uma estação de rádio equipada com Phone Patch conectado numa linha telefônica e munido de um HT pode facilmente originar ou receber chamadas telefônicas em seu rádio portátil mesmo estando fora de casa, o raio de alcance neste caso é limitado em alguns quilômetros mas numa época onde não existiam celulares esse sistema era um avanço importante e serviu de base para o desenvolvimento dos celulares.

Fazendo uma analogia simples os celulares podem ser comparados aos HT’s usados pelos Radioamadores, as Estações Rádio-Base (ERB’s) operam como uma Estação Repetidora com Phone Patch, e as similaridades não param por aí, ambos utilizam RF para propagar seu sinal, se você se distanciar muito de uma ERB o celular fica sem sinal, claro que a tecnologia embarcada no sistema celular é bem superior aos equipamentos de Radioamador mas o princípio é o mesmo.

A título de curiosidade os telefones celulares são assim chamados porque uma área geográfica composta por ERB’s. é denominada “célula”.

Evolução

No início os celulares eram extremamentes caros, afinal as Operadoras deveriam repassar o custo de implementação das redes para os usuários, a infraestrutura complexa e cara necessária ao funcionamento dos celulares operava de forma precária e como base foi usada a infraestrutura já disponível no sistema de Pager.

Fatores como deficiência na área de cobertura, instalabilidades na rede e problemas com conexão eram frequentes mas ainda sim muitos profissionais foram beneficiados, pessoas que trabalham na rua como vendedores, consultores, corretores não estavam mais restritos a receber apenas mensagens, poderiam se comunicar de verdade interagindo ativamente na comunicação.

Hoje o cenário mudou bastante, talvez ainda não seja o ideal mas o celular está acessível a qualquer pessoa, o custo dos terminais (aparelho celular) caiu vertiginosamente e as redes foram ampliadas ao ponto de oferecer serviços de razoável qualidade porém o custo das ligações e conexões de dados ainda é alto para nossa realidade.O mais importante é que hoje o celular não está restrito a fazer e receber ligações telefônicas, é possível usar serviços como troca de mensagens de texto, mensagens multimídia, acesso a Internet incluindo acesso a Web e E-Mail.

Redes Celulares

A evolução das redes celulares foi marcada com avanços tecnológicos importantes, cada etapa desse processo foi dividido em Gerações, vamos conhecê-las:

1G – Primeira Geração

Os primeiros padrões adotados eram Analógicos, o mais empregado foi o AMPS (Advanced Mobile Phone System), esse padrão no Brasil foi outorgado para operar na faixa de frequências que vai de 824MHz à 894MHz e possuia diversos problemas como a baixa qualidade nas ligações, o consumo excessivo de bateria e o principal deles, a possibilidade de interceptar e ouvir comunicação dos usuários.

No Padrão AMPS o sinal analógico é modulado em FM, portanto, qualquer receptor de rádio capaz de rastrear frequências na faixa de UHF pode facilmente ser empregado para escutas telefônicas, como curiosidade a modulação FM é a mesma empregada na faixa de Broadcasting Comercial em VHF, ou seja, a famosa rádio FM da sua cidade ou região: Antena 1, Transamérica, Kiss FM, Radio Rock, etc.

No AMPS já era possível a comunicação de dados através de protocolos como o X.25 permitindo taxas entre 9Kbps e 14Kbps.

2G – Segunda Geração

Aqui inicia-se o emprego da tecnologia Digital e temos uma sensível melhora na qualidade dos serviços principalmente em comunicação de voz, outro problema resolvido foi o da possibilidade de escutas telefônicas, os padrões de modulação digital são bem mais complexos de serem decodificados e exigem equipamentos mais aperfeiçoados e caros, embora ainda possível interceptar chamadas a complexidade do processo requer conhecimentos técnicos avançados..

Os padrões digitais mais adotados são: TDMA (Time Division Multiple Access) IS-136 e IS-54 com sinal de voz digitalizado de 64Kbps no IS-136 e comprimido para 8Kbps no IS-54, na verdade IS-136 e IS-54 se referem aos algoritmos de criptografia e privacidade adotados no TDMA, a modulação propriamente dita é feita através da técnica DQPSK que permite uma taxa efetiva de 48,6Kpbs para digitalização da voz, a taxa de dados ainda está limitada à 14Kbps.

CDMA (Code Division Multiple Access) IS-95A ou ainda CMDAOne, possui uma arquitetura básica bem semelhante a do AMPS e utiliza a mesma faixa de frequência porém utiliza alguns elementos adicionais para compor a rede como o BSC (Base Station Controller) responsável pelo controle de um grupo de ERB’s, o HLR (Home Location Register) e o VLR (Visitor Location Register) que são bases de dados responsáveis pelas informações de assinantes e visitantes na rede.O sinal de voz pode ser digitalizado (via vocoders) em 13Kbps ou 8Kbps, um dado interessante sobre os vocoders (codificadores de voz) é que estes podem ocupar uma largura de banda maior melhorando a qualidade da voz porém reduzindo a capacidade do sistema, por isso geralmente são empregados vocoders com lagura de banda menor.

No CDMA o sinal é modulado em QPSK que usa técnicas de espalhamento espectral (Spread Spectrum), como curiosidade o sistema GPS (Global Positioning System) utiliza a técnica CDMA com códigos únicos para suas propriedades de correlação, tecnologicamente o CDMA é bem superior ao TDMA e por isso é considerado por muitos como uma tecnologia “mais promissora”, no entanto, os direitos de royaltyes que pertencem a Qualcomm pode comprometer os investimentos futuros das concorrentes Nokia e Ericsson na oferta de novos aparelhos e inovações tecnológicas fadando o CDMA à extinção, no CDMAOne a taxa máxima de dados ainda está limitada aos mesmos 14Kbps do TDMA.

GSM (Global System for Mobile Communications), é a tecnologia digital de celulares mais empregada no mundo e é baseado em redes TDMA que a princípio pode soar como desvantagem pelo fato dessa tecnologia ser inferior ao CDMA mas torna-se uma vantagem pelo baixo custo de infraestrutura, um detalhe interessante dessa tecnologia é que a autenticação e ingresso do usuário na rede é feito através de dados gravados num smart card composto de algumas unidades como CPU e ALU Timer, I/O Port, Security e Pure Logic, memórias RAM, ROM e EEPROM e não mais no próprio aparelho celular como antes, esse recurso traz diversos benefícios como por exemplo a troca simples do aparelho trocando apenas o SIM Card sem qualquer necessidade de reprogramação para manter os dados de linha e assinatura.

As redes GSM foram alocadas em 4 faixas de frequência: 850MHz, 900MHz, 1800MHz e 1900MHz.

Por se tratar de um padrão “aberto” e usado no mundo todo o GSM tem uma perspectiva de crescimento e evolução bem maior que o CDMA, O GSM evolui a cada dia e tem se mostrado uma tecnologia bastante flexível mas ainda é cedo para afirmar se ela será a vencedora ou não nessa disputa.

O sistemas de segunda geração possuem o compromisso de manter compatibilidade com os sistemas de primeira geração exceto no caso do GSM, no início de transição entre essas gerações a cobertura digital ainda era deficiente em muitas áreas, os fabricantes decidiram então manter nos aparelhos CDMA e TDMA a retro-compatibilidade com os sistemas AMPS, esses aparelhos entraram no mercado designados como Dual-Mode.

2,5G – Evolução da Segunda Geração

O grande marco desta geração é que os dados passam a ser agora comutados por pacotes e não por circuitos como nas anteriores, na prática isso significa taxas de transmissão mais altas estabelecendo um novo patamar para os usuários e finalmente quebrando a barreira dos 14Kbps.

É importante deixar claro que na prática as supostas taxas de transmissão de dados em alta velocidade que a propaganda tanto apregoa ainda não é sentida pelos usuários, as redes 2,5G foram implementadas sobre a mesma infraestrutura das redes 2G com a promessa de oferecer novos serviços com forte apelo multimídia, o usuário final só irá mesmo desfrutar dessas maravilhas quando a infraestrutura de redes 3G estiver efetivamente implementada, o que pode ainda demorar um pouco.

Nesta geração as redes CDMAOne evoluem para CDMA-1xRtt (CDMA IS-95C ou CDMA2000 1x) e as redes GSM-CSD e HSCSD para Redes GSM-GPRS e GSM-EDGE, ou seja, evolução só para transmissão de dados.

3G – Terceira Geração

Esta geração promete uma verdadeira revolução na transmissão de dados em redes celulares, serviços como vídeo-conferência e a promessa do celular substituir definitivamente dispositivos portáteis como palmtops e notebooks ganha apelo comercial, começa a ser moldado o conceito de Mobile Office (Escritório Móvel) onde executivos e vendedores externos possuem acesso as redes corporativas podendo usufruir de todos os seus serviços “off-site”.

As taxas prometidas para essa versão é de até 2Mpbs, e algumas tecnologias prometem até mais, veja algumas delas: CDMA 1xEVDO, CDMA 1xEVDO Rev.A, WCDMA (UMTS) e HSDPA (WCDMA), como podem ver hoje o mercado está tão confuso que lança tecnologias novas antes mesmo das anteriores serem difundidas, onde vamos parar !!!

Existem rumores que novas tecnologias estão sendo testadas e aperfeiçoadas para a 4G – Quarta Geração, portanto, não se espante se encontrar esse termo por aí.

Telefones Celulares

Os aparelhos celulares também evoluíram até porque ele é a interface entre os serviços oferecidos pela redes e o usuário final.

Hoje há celulares para todos os gostos e bolsos o que pode confundir um pouco o usuário menos preparado que deseja adquirir um novo celular, vou elucidar um pouco essa questão falando sobre os diferentes recursos e suas aplicações.

Celular, Smartphone ou XDA?

Embora se assemelhem sob muitos aspectos, existem alguns conceitos que os tornam essencialmente diferentes sobretudo no que se refere a funcionalidade.

Conceitualmente falando, um telefone celular é um dispositivo móvel/portátil que permite ao usuário fazer e receber ligações telefônicas, indicado para usuários básicos ou que não possuem necessidades de recursos avançados, podem possuir algumas funcionalidades digamos “básicas” que foram sendo agregadas ao longo do tempo, dentre as quais destaco:

Agenda de Contatos
Agenda de Compromissos
Calculadora
Hora Mundial
Toques personalizados
Displays coloridos
Câmera fotográfica digital
Personalização de temas, etc

O Smartphone é a evolução natural do telefone celular, os “telefones inteligentes” são destinados aos usuários avançados que demandam necessidades específicas, esses aparelhos possuem em sua memória um Sistema Operacional que permite uma gama de personalização bem maior, essas modificações permitem que o aparelho seja utilizado para alguma atividade específica como por exemplo a instalação de um software para a equipe de força de vendas de sua empresa.

Além dos recursos encontrados nos celulares os smartphones contam com:

Sistema Operacional embutido, varia de acordo com o fabricante, os mais utilizados são o Symbian, PocketPC ou Windows Mobile, PalmOS e até Linux
Permite a instalação dos mais diversos softwares, esse recurso torna os smartphones praticamente sem limites pois para uma necessidade específica basta instalar um software, caso este não exista é possível se desenvolver através de ferramentas geralmente disponibilizadas pelo fabricante do Sistema Operacional.
Conectividade com o Desktop, muitos celulares permitem trocar informações com seu computador de mesa mas nos smartphones essa funcionalidade é essencial.
Ferramentas de Produtividade, pelo mercado ao qual esses aparelhos são destinados muitos já contam de fábrica com softwares de edição de texto, planilhas eletrônicas, apresentações e banco de dados.
Permite a troca de arquivos entre computador e o smartphone e entre dispositivos.

XDA é um termo novo e ainda pouco empregado, existe uma confusão natural entre o Smartphone e o XDA pois ambos possuem as mesmas características e infinitas possibilidades funcionais graças ao fato de ambos utilizam Sistemas Operacionais.O XDA não é a evolução do smartphone e tampouco do telefone celular mas sim a fusão entre celular e palmtop ou PDA, a diferença reside na forma como o usuário interage com o aparelho, nos smartphones as funções, menus e outros recursos são acessados através do teclado numérico já consagrado nos aparelhos celulares convencionais embora seja admissível a adição de algumas teclas especiais.

Já nos XDA o usuário interage de forma mais natural, geralmente os aparelhos possuem telas sensíveis ao toque (touch screen) que podem ser manipuladas com canetas especiais do tipo Stylus ou com os dedos.Existem XDA’s com teclado embutido que podem ou não ser retráteis, esses teclados geralmente seguem o padrão QWERTY, ou seja, o mesmo dos computadores de mesa e há ainda a possibilidade dos teclados serem virtuais sendo manipulados pela tela touch screen.

Multimídia vs Produtividade

Nos últimos anos os fabricantes de aparelhos celulares entre os quais incluem-se os Smartphones e os XDA decidiram desenvolver produtos destinados à necessidades específicas de seus usuários, é notório que dificilmente exploramos os recursos desses aparelhos em 100% o que não deixa de ser um desperdício.

O mercado decidiu classificar os consumidores e separá-los em 2 grandes grupos, os usuários domésticos e os usuários corporativos.

Os usuários domésticos se caracterizam por consumir produtos mais voltados ao entretenimento, aparelhos que permitem ouvir músicas, assistir vídeos como traillers e clips e até mesmo filmes inteiros digitalizados, câmeras fotográficas de melhor qualidade e resolução, etc.

Já os usuários corporativos se caracterizam por consumir produtos voltados à produtividade, aparelhos que permitem a troca de arquivos importantes com seu computador de mesa, o envio e recebimento de emails, conexões às redes corporativas através de VPN’s entre outros recursos.

Portanto, de agora em diante procure estabelecer primeiro quanto pode gastar e qual a sua real necessidade antes de comprar seu novo celular.

Conectividade

Outro aspecto fundamental na escolha de um aparelho celular é como este pode interagir com outros dispositivos, de que adiantaria por exemplo um celular com câmera digital se este não puder transferir as fotos para seu computador?

Vamos entender algumas formas de conexão.

Cabo Serial ou USB

A forma mais simples de conexão é sem dúvida feita através de cabos, os primeiros utilizavam cabos com interface serial, hoje praticamente todos são USB, mas geralmente estas conexões só permitem a conexão entre celular e computador de mesa, a taxa de transferência nesse caso varia bastante mas geralmente está limitada à 115Kbps para os seriais e 480Mbps para os USB.

Infravermelho

Umas das conexões wireless mais simples e comum, geralmente encontrada nos controles remotos dos mais diversos aparelhos, foi a primeira interface sem fio adotada nos aparelhos celulares, há alguns anos a maioria dos dispositivos portáteis possuiam uma interface infravermelho como: notebooks, palmtops, modems, câmeras digitais, calculadoras e até alguns desktops, embora o padrão possibilite taxas de transferência de dados de até 4Mbps a interface empregada nos celulares geralmente está limitada à 115Kbps pois emula uma interface serial.

O infravermelho ainda é a interface que oferece maior compatibilidade sobretudo com dispositivos antigos, seus contras são a baixa velocidade na troca de informações e a necessidade dos dispositivos que irão trocar dados estarem alinhados sem obstáculos e numa distância máxima de apenas alguns centímetros.

Bluetooth

Com o uso de RF, essa tecnologia sem fio é a ideal para os telefones celulares devido uma série de fatores como: baixo custo, baixo consumo de energia, conexões com até 10 metros de distância e a ausência da necessidade dos dispositivos estarem alinhados.

Para estabelecer o enlace entre os dispositivos é necessário realizar um procedimento chamado pareamento em ambos dispositivos, sua taxa máxima de transmissão de dados é de até 700Kbps.

Wi-Fi

A grande vedete das tecnologias sem fio é o Wi-Fi, através também de RF e disponível apenas nos Smartphones e XDA’s mais sofisticados permite não apenas a troca de dados mas o ingresso desses dispositivos em redes corporativas e Internet, pode atingir taxas de até 54Mbps com distâncias de várias dezenas de metros e ainda permite que os dados sejam criptografados aumentando sensivelmente a segurança no tráfego de dados.

Com a crescente evolução das tecnologias VOIP, conexões Wi-Fi nos celulares ajudarão usuários a economizar em tarifas sobretudo para ligações internacionais.

Apple iPhone

Eu abri este artigo mencionando o iPhone e a decepção de alguns usuários, a mídia como sempre fez estardalhaço para divulgar a notícia do primeiro celular produzido pela Apple Computer Inc. que até mudou seu nome para Apple Inc.

Como todos os produtos produzidos pela compania fundada por Steve Jobs o iPhone não é apenas mais um celular no mercado, se trata de um produto dotado de conceito e design únicos.O iPhone é um XDA GSM voltado para o mercado multimídia, inovador, com 4 ou 8Gb de memória, Wi-Fi, Bluetooth, tela multitouch widescreen, câmera digital, Sistema Operacional MacOS X e por incrível que pareça, tem apenas 1 botão.

A decepção fica por conta do iPhone ser GSM Quadriband mas não suportar as novas redes UMTS de Terceira Geração e pelo preço, nos Estados Unidos o produto atrelado a um contrato de 2 anos com a operadora Cingular a versão de 4Gb vai sair pela bagatela de US$ 499.

Como sempre não há previsão para o lançamento aqui no Brasil, alguns de nós já estamos habituados a ter que esperar para poder ter lançamentos, provavelmente quando o iPhone chegar oficialmente por aqui já existirão versões melhoradas ou até mesmo produtos mais avançados sem contar que o preço aqui ultrapassará facilmente os R$ 2.500,00, quem se habilita?

Conclusão

Ficou claro que a tecnologia e os benefícios que os telefones celulares proporcionam vieram para ficar e facilitar nossas vidas, mas também fica evidente que os fabricantes e operadoras com estratégias comerciais cada vez mais agressivas e as constantes mudanças na tecnologia deixam o consumidor sem entender o que devem ou não consumir.Devemos estar atentos, um produto “bonitinho” pode não atender todas as nossas necessidades e com a diversidade de padrões, tecnologias, acrônimos e siglas fica difícil até mesmo para os mais experientes escolher o produto adequado.

Antes de gastar seu dinheiro “suado” com o novo lançamento do mercado procure analisar os recursos e benefícios, compatibilidade com tecnologias atuais e futuras e se realmente é tudo aquilo que a propaganda diz, hoje com a Internet está fácil consultar especificações de produtos e sua aceitação no mercado, lembre-se, o melhor teste pelo qual um produto pode passar é o teste do consumidor, se um número grande de pessoas insatisfeitas se manifestar contra não compre!

Denis Squillante

Fonte: www.apinfo.com

História do Telefone Celular

É muito importante que haja um conhecimento na escola, relacionado ao cotidiano dos alunos, que sejam trabalhados temas relacionados com situações do cotidiano deles. Por isso é que vou desenvolver um trabalho com o tema ”O uso do celular pelos adolescentes”.

Está cada vez mais visível a necessidade de relacionar os conteúdos matemáticos com o cotidiano dos alunos, para que, estudando conceitos de sua vivência, possam assimilar melhor suas idéias, e com isto o professor poderá despertar um interesse maior em seus alunos na disciplina de matemática.

E no intuito de facilitar a construção do conhecimento é que escolhi o tema: “O uso do celular pelos adolescentes” como objetivo de estudo. O celular nos dias de hoje é usado por crianças e adolescentes principalmente dentro das escolas e também nas salas de aula, o uso deste muitas vezes é um exagero, precisamos conscientizar o nosso aluno dos males que isto pode ocasionar e demonstrar para eles o gasto que eles têm usando em exagero o seu telefone celular. Fazer o aluno decidir, ou seja, escolher o melhor tipo de plano para o seu uso.

HISTÓRIA DO TELEFONE

O telefone nasceu meio por acaso, na noite de 2 de junho de 1875. Alexander Graham Bell, um imigrante escocês que morava nos Estados Unidos e era professor de surdos-mudos, fazia experiências com um telégrafo harmônico quando seu ajudante, Thomas Watson, puxou a corda do transmissor e emitiu um som diferente. O som foi ouvido por Bell do outro lado da linha.

A invenção foi patenteada em 7 de março de 1876, mas a data que entrou para a história da telefonia foi 10 de março de 1876. Nesse dia, foi feita a transmissão elétrica da primeira mensagem completa pelo aparelho recém-inventado. Graham Bell se encontrava no último andar de uma hospedaria em Boston, nos Estados Unidos. Watson trabalhava no térreo e atendeu o telefone, que tilintara.

Ouviu, espantado: “Senhor Watson, venha cá. Preciso falar-lhe.” Ele correu até o sótão de onde Bell havia telefonado. Começava uma longa história. A história das telecomunicações, que iria revolucionar o mundo dali em diante.

TELEFONIA CELULAR

A forma mais conhecida e comum de ligar o usuário à Central Telefônica até bem pouco tempo, em todo o mundo, era o fio metálico; mas existem outras formas. Há muito tempo, é utilizado o sistema de rádio para interligar assinantes que estejam distantes das Centrais Telefônicas ou em local de difícil acesso. Assim como recebemos sinais de TV e Rádio transmitidos em freqüências, recebemos também sinais de voz em freqüências substituindo o fio metálico. Dessa forma, é possível que esse sinal seja emitido a partir de veículos ou pessoas em movimento.

A comunicação móvel é utilizada há muito tempo, mas tratava-se de sistemas de baixa qualidade que apresentavam limitações em função da ocupação do espectro de freqüências (há perigo de interferência quando há grande quantidade de ligações), além da tecnologia até então disponível. Com a evolução tecnológica e o crescimento da procura por este tipo de serviço, surge a Telefonia Móvel Celular.

O sistema celular é uma tecnologia aplicada para conseguir melhor eficiência no emprego de freqüências de rádio disponíveis (freqüências não utilizadas por rádio ou TV), reutilizando-as a distâncias relativamente curtas, dentro de uma mesma área metropolitana. A reutilização de freqüências consiste basicamente em dividir uma determinada área de atendimento em células (formato hexagonal), onde cada uma dispõe de um conjunto de freqüências diferentes das vizinhas, de forma que células próximas (mas não vizinhas) possam valer-se da mesma freqüência sem risco de interferência. Além do aumento na capacidade, isso significa que, uma vez estabelecida a ligação, o usuário pode se deslocar para qualquer ponto, pois a mudança de uma célula para outra será automática. Todo esse processo envolve um complexo sistema de sinalização, controles de chamadas e outros recursos.

COMPOSIÇÃO DO SISTEMA

Além do terminal móvel, conhecido como telefone celular, há a Estação Rádio Base (ERB), responsável pela emissão e recepção de sinais provenientes destes terminais (torres em vários locais). Cada célula possui uma ERB, e estas se interligam a uma Central de Comutação e Controle (CCC) que realiza as funções básicas de designar canais de comunicação do Sistema Móvel, interligar este sistema ao de Telefonia Pública e supervisionar e controlar todas as chamadas para dentro ou para fora do Sistema. Geralmente a interligação das ERBs à Central de Comutação e Controle se faz por meio de troncos convencionais.

É possível, hoje, fazer ligações para qualquer parte do planeta.

TELEFONIA CELULAR NO BRASIL E NO MUNDO

Apesar de a comunicação móvel ser conhecida desde o começo do século XX, ela só foi desenvolvida em 1947 pelo Laboratório Bell, dos EUA, mas somente no final da década de 70 e início da de 80 o Japão e a Suécia ativam seus serviços com tecnologia própria (78 e 81 respectivamente). E em 1983 a companhia americana AT&T criou tecnologia específica, implantada pela primeira vez em Chicago. A telefonia celular eclodiu, portanto, na década de 80; quase todos os países, desde então, a estão adotando. Com a incrível expansão do mercado, já se partiu para a segunda geração, com a telefonia celular digital, onde o sinal de voz é digitalizado.

No Brasil, no início da década de 70, foi implantado em Brasília um serviço anterior à tecnologia celular, contando com apenas 150 terminais. E, em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular, sendo definido o padrão americano, analógico AMPS, como modelo a ser introduzido (foi implantado, também, em todos os outros países do continente americano e em alguns países da Ásia e Austrália). A primeira cidade a usar o serviço foi o Rio de Janeiro, em 1990, seguido por Brasília. Em São Paulo, considerado o último dos grandes mercados do mundo, o serviço móvel celular foi inaugurado em 6 de agosto de 1993 numa área de concessão que envolveu 620 municípios, sendo 64 em sua região metropolitana e 556 no Interior. A partir de 31 de janeiro de 1998, o serviço celular passou a ser operado pela Telesp Celular S.A., na Banda A.

No início, os aparelhos pesavam quase meio quilo, e os assinantes tinham que pagar uma caução de US$ 20 mil para entrar no sistema. Havia aparelhos veiculares que ficavam fixos no carro e outros que podiam ser carregados.

Em 1997, com a liberação da Banda B para empresas privadas, o sistema aumentou as áreas de abrangência e o número de terminais.

A Telebahia Celular foi a primeira do Brasil a oferecer os serviços de “Caixa de Mensagem”, como opção gratuita para os clientes. Foi também a primeira operadora no País a lançar a tecnologia CDMA, sigla em inglês para a expressão Acesso Múltiplo por Divisão de Código.

A Telesp Celular lançou em 28 de junho de 2000 o serviço WAAAP. A empresa foi a primeira operadora a disponibilizar comercialmente o serviço de Internet no celular – Internet de Bolso – no Estado de São Paulo. O WAAAP oferece, entre outros serviços, o envio e recebimento de e-mails, acesso ao sistema bancário, notícias on-line gerais e especializadas, verificação das condições do trânsito, compras, consulta ao roteiro gastronômico para escolha de restaurantes e bares e consulta de cinemas, além de horóscopos, jogos e outros serviços.

O mercado brasileiro registrou grande expansão em 1999. O número de terminais passou de 7,4 milhões para 15 milhões. Em janeiro de 2001, com a liberação das Bandas C, D e E, o sistema aumentou ainda mais as áreas de abrangência e o número de terminais.

TECNOLOGIA

O CDMA é a tecnologia escolhida para a terceira geração em todo o mundo. É a tecnologia do futuro. Apresenta a melhor performance entre as disponíveis para a transmissão de dados via celular e permite a oferta de produtos e serviços de terceira geração, a 3G, sem a necessidade de aquisição de novas faixas de radiofreqüência.

O sistema CDMA foi aprovado, em 1999, pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) para o setor, como padrão para a terceira geração em todo o mundo.

Vivo oferece o sistema CDMA 1XRTT, que permite a transmissão de dados com velocidade de até 144 kbps por segundo.

EDUCAÇÃO: QUALQUER COISA ME LIGUE! – O USO DO CELEULAR

Fazemos parte de uma sociedade, onde tudo ocorre muito rápido, e de preferência de forma personalizada. Hoje em dia não suportamos mais esperar por nada, nem pelo elevador, nem pelo ônibus nem pela conecção com a internet e, muito menos, pelas pessoas.

Enlouquecemos se o nosso computador fica lento, se o médico demora a nos atender e, muitos de nós, perguntam se a escada rolante é para a pessoa subir calmamente ou para acelerar a subida.

Reuniões com os pais e folhetos informativos servem para reforçar a regra escolar: na sala de aula, o celular deve estar desligado. Para muitos professores e pedagogos, o ideal é que o aluno nem leve o aparelho para a escola. Mas, para se sentir mais seguros, os pais deixam o filho colocar o aparelho na mochila . E, na classe, nem sempre os alunos conseguem se conter. Entre as crianças e os adolescentes, o celular é um objeto de “Status”, quando algum aluno aparece com um celular poderoso, os colegas ficam admirados e muitas vezes se sentem excluídos.

Crianças e adolescentes burlam regra escolar e usam aparelho para enviar torpedos, passar cola e jogar games.

O mais complicado de tudo isso, é que a criança acaba numa situação difícil, porque de um tem os pais que pedem para o filho levar o celular para a escola caso eles precisem se comunicar, de outro lado tem a escola: onde o uso do celular é proibido e isso gera um conflito de autoridade e a criança e até mesmo os adolescentes não sabem o que fazer muitas vezes.

Dentro da sala de aula a coisa também é complicada, quando o professor está escrevendo no quadro ou está distraído, alguns alunos aproveitam para enviar torpedos via celular para os colegas. Muitos deles deixam o aparelho no modo vibratório e, às vezes, não resistem quando recebem uma ligação. Atendem sussurrando, tentando escondê-lo. Os mais ousados se divertem com os games do telefone. Em outras situações os alunos ligam para o colega que esqueceu de desligar o telefone, só para ver o colega numa fria em algumas escolas isso dá um problemão, cartas de advertência, broncas, conversas com o coordenador; em outras “não dá nada”, como falam os adolescentes.

Mas a questão aqui não é essa, a questão e: Como os adolescentes usam o celular na escola? Basta uma distração do professor para que os dedos por debaixo da carteira comecem a se mexer. Depois da prova nada melhor do que conferir se no tão amado celular foi recebida alguma mensagem. Essa quase irresistível a atração de crianças e adolescentes com o telefone móvel durante as aulas dá muito assunto.

Segundo a psicóloga Mariana Trombeta, 26, o uso do celular não deve ser proibido, pois faz parte da construção do conhecimento e “o importante é que os pais saibam impor limites e conscientizar os filhos”, aconselha. “Isso vai se refletir na escola, o professor só vai controlar essa situação, mas essa educação ou hábito deve ser construído em casa. Se for necessário levar o celular na escola, que ele fique desligado ou mesmo no vibra call”, fala Mariana. “É muito desagradável o professor ter que parar uma aula para pedir ao aluno que desligue o celular ou saia da sala para atendê-lo. Como dizem os adolescentes, as pessoas têm que ‘se tocar’ sobre esse assunto”.

È papel dos pais e da escola conscientizar os jovens de hoje em dia que existem momentos e locais onde o telefone celular não deve ser utilizado como, por exemplo: na escola, mais em específico dentro de uma sala de aula, onde eles devem estar preocupados em aprender e não preocupados em dar um “toque” para o colega ou em mandar uma mensagem para o colega que senta ao lado, e mostrar para o aluno o gasto que eles têm com este tipo de atitude.

DESCRIÇÃO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

Tendo em vista que modelagem matemática é um método investigativo que utiliza a associação das estruturas matemáticas às variáveis e parâmetros de problemas dos quais necessita-se conhecer soluções com relativa precisão e também sabendo que a modelagem matemática é a arte de modelar, se torna necessário que nós, educadores (as) matemáticos (as) , nos conscientizemos que com este método não seremos meros (as) auxiliares na construção do aprendizado e sim, participantes atuantes do processo ensino – aprendizagem.

FABIANA AGOSTINI MAFFEI

Fonte: www.projetos.unijui.edu.br

História do Telefone Celular

Celulares

Graham Bell conseguiu transmitir voz através de um fio. Thomas Edison fez com que fosse possível falar e ouvir simultaneamente. Heinrich Hertz descobriu a possibilidade de transmitir informações através de ondas de rádio. Todas essas descobertas propiciaram o surgimento de um novo aparelho, o telefone celular.

O primeiro telefone celular

Hoje em dia o telefone celular é pequeno, leve, acessível a todas as camadas da população. Porém, no começo, era bem diferente. O primeiro telefone celular eram tão pesado e grande que recebeu o apelido de “Tijolo”.

A primeira chamada feita a partir de um telefone celular foi realizada em 3 de abril de 1973, em Nova York (EUA), pelo gerente geral da Divisão de Sistemas da Motorola, Martin Cooper.

O aparelho utilizado por Martin Cooper, para fazer a ligação para um telefone fixo, pesava aproximadamente um quilo, media 25 cm de comprimento por 7 cm de largura. A bateria utilizada no aparelho permitia 20 minutos de conversa.

O primeiro celular comercializado

Desde a primeira ligação, até sua comercialização, passaram-se 10 anos. O primeiro celular comercializado chegou ao mercado em 1983, o aparelho era chamado DynaTAC 8000x, da Motorola, pesava 794,16 gramas, algo que não devia surpreender na época, os celulares atuais, em geral, pesam menos de 100 gramas.

O DynaTAC 8000x custava cerca de 3.995 dólares. Esse preço, alto se comparado aos valores atuais, não significou uma barreira para os consumidores da época, muitos inscreviam-se em listas de espera enormes, com milhares de nomes.

A novidade causou uma explosão de consumo instantânea, além disso, desencadeou uma acirrada disputa entre as empresas de telefonia. As empresas passaram a investir pesadamente em tecnologia, sempre visando melhorias na quantidade e na qualidade dos seus produtos e serviços oferecidos, inclusive visando a redução do custo final, tornando a nova tecnologia acessível a uma quantidade maior de consumidores.

O mercado de telefones celulares tornou-se um dos mais competitivos de todo o mundo. Cada vez mais as empresas começaram a investir não só em pesquisa de novos produtos, mas também destinaram altos investimentos em marketing. Alguns dos maiores anunciantes do mercado publicitário são empresas que fabricam aparelhos celulares ou fornecem serviços.

A evolução dos aparelhos de telefonia celular

Dos primeiros, até os celulares atuais, muita coisa mudou. Se no início tínhamos aparelhos que mediam 25 cms, hoje em dia existem modelos com menos de 10 cms. Das primeiras baterias que permitiam 20 minutos de conversa, às que atualmente permitem várias horas. Das poucas funções oferecidas pelos primeiros celulares, até a possibilidade jogar, gravar vídeos, tirar fotos, entre outros.

Dos primeiros celulares que custavam milhares de dólares, a qualidade só melhorou, e o custo reduziu a ponto de tornar o telefone celular um dos produtos mais populares da atualidade, acessível à população de baixa renda, permitindo acesso a um aparelho de comunicação extremamente avançado.

No início, os celulares possuíam poucas cores e modelos, a cor mais comum era o cinza-escuro. Atualmente temos uma infinidade de modelos e marcas para escolher, temos celulares com cores e formatos incríveis, um mais lindo que o outro, e todos de excelente qualidade.

Ter um telefone celular hoje em dia significa ter um aparelho multi-tarefas, um companheiro para todas as horas.

Entre os serviços oferecidos pelos aparelhos e pelas empresas de telefonia estão: jogos, músicas, envio e recebimento de mensagens, assistir a filmes e programas de TV, notícias, acesso à internet, troca de arquivos, teleconferências, localização de pessoas, etc.

Mario Lopes

Fonte: www.sitequente.com

História do Telefone Celular

1. Qual é o sistema de telefonia móvel celular utilizado no Brasil?

O Brasil adotou os padrões norte-americanos de sistemas celulares analógicos e digitais. Para o modo analógico, adotamos o padrão AMPS (Advanced Mobile Phone System – Sistema de Telefonia Móvel Avançada) e para modo digital, TDMA (Time Division Multiple Access – Acesso Múltiplo por Divisão de Tempo) e CDMA (Code Division Multiple Access – Acesso Múltiplo por Divisão de Código).

2. Por que dois padrões para o modo digital?

Na realidade, existem mundialmente outras plataformas digitais, como por exemplo o GSM (Europa) e o PDC (Japão). A ANATEL, exigiu que as operadoras de Telefone Celular adotassem os padrões TDMA ou CDMA, pela sua compatibilidade com o padrão AMPS já existente. Assim, todos os aparelhos comercializados no Brasil devem ser digital e analógico, os chamados modo dual (dual mode), permitindo também a comunicação através de uma rede AMPS quando o assinante estiver numa rede não servida pelo padrão digital de seu telefone celular.

3. Quais são as vantagens do sistema de telefonia móvel digital?

O padrão digital confere ao usuário maior sigilo nas conversações, tempo maior de duração da bateria, melhor qualidade na transmissão e recepção de chamadas e uma série de recursos inovadores que facilitam a vida do usuário.

4. Quais são estes recursos ?

Como dissemos, são vários, como:

Identificador de Chamadas*

Possibilita conferir, no visor, o número do telefone da pessoa que o está chamando, permitindo que você escolha entre atender ou não a chamada, se assim lhe for conveniente. Você deve verificar junto à sua operadora se este serviço está disponível.

Recepção de mensagens escritas* (SMS – Short Message Service – ou Serviço de Mensagens Escritas)

A possibilidade de receber mensagens escritas no visor de seu aparelho digital exatamente como um pager, que as operadoras vem disponibilizando este serviço de envio de mensagens pela internet, abrindo um novo horizonte nas comunicações pessoais.

Envio de Mensagens Escritas* (MO-SMS – Mobile Originated Short Message Service – ou Serviço de Mensagens Escritas pelo Telefone Celular)

A grande vantagem deste serviço é o envio de mensagens escritas no aparelho celular para outro, imagine as possibilidades, mesmo não estando disponível ou ocupado você poderá enviar mensagens a partir do telefone para outra pessoa. (Disponível a partir do segundo semestre de 2000)

Transmissão de Fax e Dados (e-mail)*

A partir de um telefone celular conectado a um aparelho de fax ou a um computador pessoal será possível o envio de Fax ou até mesmo o envio e recepção de e-mail. (Disponível a partir de 2001)

Caixa Postal com notificação*

No sistema digital, você pode ser avisado quando uma mensagem for deixada na Caixa Postal. Desta forma, você não precisa ficar ligando “para ver se tem recado”.

Isto ocorre mesmo se o seu telefone esteve desligado enquanto recebeu a chamada. Estes e vários outros serviços estão disponíveis de forma automática ou mediante solicitação à Operadora do Sistema.

* Os recursos estão ou estarão disponíveis nos aparelhos celulares. Entretanto, sua utilização efetiva depende de habilitação de cada recurso junto à operadora de telefonia celular.

5. O que faz a Operadora?

A Operadora é a Empresa que tem a concessão de explorar o sistema de Telefonia Móvel Celular em uma determinada região. No Brasil, em cada região, existem pelo menos duas operadoras que irão concorrer entre si para a prestação de serviços de telecomunicações.

6. E o que é Banda A e Banda B?

Dentro de cada região, existirão sempre duas operadoras que estarão dividindo o espectro de freqüência do sistema celular em duas bandas: a Banda A e a Banda B. Ambas têm a concessão da ANATEL para explorar o serviço de telefonia móvel.

7. E o que é Banda C?

A ANATEL estuda a entrada de uma terceira operadora de telefonia móvel – que vem sido chamada de Banda C – para as regiões densamente povoadas, a fim de aumentar ainda mais a concorrência entre elas.

8. E qual das “bandas” opera com sistema digital?

Qualquer uma das operadoras pode disponibilizar sistemas analógicos ou digitais. Indiferentemente da banda o sistema pode ser digital ou analógico, pelo avanço tecnológico a maioria absoluta das operadora de telefonia celular vem adotando o sistema digital como padrão.

9. E o sistema pré-pago, como funciona?

Tecnicamente, o sistema pré-pago oferece os mesmos recursos da telefonia celular convencional, a única diferença está na forma de pagamento. No sistema pré-pago, o pagamento é feito antecipadamente (por créditos), e as ligações recebidas não são cobradas do usuário do telefone celular.

10. Então, como devo escolher o meu telefone celular?

Seu aparelho deve ser compatível com o sistema utilizado pela operadora. Consulte a operadora para saber quais são os aparelhos a serem utilizados em sua rede. Quanto à marca, tome sua decisão em função da garantia oferecida pelo fabricante, da rede de assistência técnica disponível e da reputação de qualidade e confiabilidade do fabricante. Evite a compra de aparelhos de procedência duvidosa que não tenham a garantia oferecida pelo fabricante.

11. E depois de escolher, o que devo pagar?

Caso você escolha o sistema celular convencional, existem algumas taxas a pagar, após a aquisição: a habilitação do aparelho, a assinatura básica mensal, os impulsos de cada ligação e o tempo de utilização do sistema celular, correspondente ao número e à duração de cada ligação efetuada. No caso de escolha de sistema pré-pago não há habilitação, nem assinatura mensal. Você deverá recarregar o aparelho, junto à sua operadora, com créditos, que permitirão você efetuar chamadas a partir de seu celular. Esta recarga é muito simples, podendo ser feita em quiosques ou até mesmo em caixas eletrônicos do banco.

12. O que é habilitação?

É o procedimento executado pela Operadora ou suas credenciadas que permitirá a ativação e utilização do aparelho em sua rede. Este procedimento consiste na programação e cadastramento do cliente junto à Operadora.

13. Posso converter meu aparelho em Pré-pago?

SIM, porém consulte sua operadora, sobre os custos da transformação para pré-pago.

14. As chamadas que eu receber serão pagas por mim?

No Brasil, desde 1994, o assinante que origina a chamada é o responsável pelas despesas da ligação. Ao usar o telefone celular numa área diferente daquela em que foi habilitado, o assinante de telefonia móvel pagará uma “taxa de deslocamento” toda vez que receber alguma ligação, como forma de custear a utilização do sistema visitado. Isto vale tanto para celulares convencionais (pós-pagos) quanto para pré-pagos, somente são cobradas as ligações efetuadas. As recebidas, não são cobradas do assinante.

15. E as ligações efetuadas, quanto custa falar ao celular?

O custo de sua ligação dependerá da Operadora ao qual você é assinante, algumas operadoras, tem descontos em ligações noturnas ou aos finais de semana. Para os usuários considerados maiores consumidores (heavy users) é dado alguns benefícios que vão de pacotes com 100, 200, 500 minutos com valores fixos e mais baratos até premiação com telefones novos ou outros brindes.

Dependendo de seu perfil como usuário de telefonia celular você deve optar por um tipo de tarifação:

O sistema pós-pago é mais indicado para usuários que têm perfil de efetuar e receber ligações na mesma proporção, este sistema de tarifação como o nome já diz, é após o período de utilização (normalmente a cada 30 dias), além do custo das ligações efetuadas, é cobrado assinatura mensal, além de serviços adicionais, como caixa postal, identificação de chamadas, serviços de transferência de chamadas, espera, etc.

O sistema pré-pago é voltado para usuários que têm perfil de receber muito mais ligações do que efetuá-las. Não existe conta mensal neste tipo de tarifação. Normalmente, o cliente compra o telefone na loja e já pode utilizá-lo. O custo de cada minuto de ligações efetuadas é mais caro em comparação ao pós-pago, porém não existem custos adicionais de assinatura mensal. Algumas operadoras oferecem identificação de chamadas, caixa postal, etc, por um valor agregado no minuto da ligação. A forma de pagamento deste sistema é a compra de créditos (na forma de cartão), que o cliente “carrega”. A aquisição destes créditos, é muito simples e pode ser feita em vários locais, como bancas de jornais, postos de gasolina, quiosques das operadoras ou até mesmo em caixas eletrônicos de diversos bancos.

16. E posso falar em qualquer lugar?

Sim, desde que o aparelho esteja dentro da área de cobertura do sistema celular. Entretanto, pode haver bloqueio dos sinais de rádio freqüência em garagens, interior de edifícios, túneis, em certas condições atmosféricas e acidentes geográficos. São as chamadas áreas de sombra, onde não é possível fazer ou receber ligações. Nestes casos, procure deslocar o aparelho para um local onde o nível de sinal recebido seja satisfatório para completar suas ligações.

17. Posso utilizar meu telefone celular no carro?

O Novo Código Nacional de Trânsito proíbe o uso de telefones celulares durante a condução de veículos, exceto com o uso de viva-voz, acessório indispensável para este fim.

18. E se quiser usar meu celular fora do Brasil?

Desde que o padrão do país de destino seja compatível com o do seu aparelho, basta habilitá-lo no sistema daquele país para que você possa fazer e receber chamadas. Existem empresas que prestam serviço de habilitação internacional, definitiva ou temporária, para atender suas necessidades de comunicação numa viagem de negócios ou passeio. Procure informar-se com sua operadora a respeito destas empresas.

19. E o que faço se meu aparelho for perdido ou roubado?

Comunique o fato imediatamente à Operadora. Ela bloqueará o aparelho, impedindo que ligações indevidas sejam feitas por estranhos. Em caso de roubo, recomenda-se, também, registrar o fato junto às autoridades competentes, além de observar os procedimentos de cada operadora. Caso o mesmo não esteja coberto por seguro, haverá a necessidade de aquisição de um novo equipamento.

20. E o uso destes serviços representam custo adicional?

Depende. Alguns serviços estão incluídos no pacote básico da Operadora e outros deles poderão ser adquiridos separadamente. Consulte a sua prestadora de serviços para maiores esclarecimentos.

21. O que é roaming?

Roaming é o termo usado para denominar a utilização do sistema por parte dos usuários que estejam fora de seu sistema local. Por exemplo, um assinante de uma determinada área (São Paulo), quando utiliza seu celular em outro Estado (Rio de Janeiro), ou mesmo em outra cidade do mesmo Estado (Ribeirão Preto), está em roaming.

Neste caso, o custo da ligação é acrescido de uma taxa de roaming, paga pelo usuário que faz a ligação. Importante salientar que o serviço de roaming depende de acordo feito entre as operadoras, podendo estar ou não disponível em determinadas regiões.

22. Vou poder usar meu celular digital que é TDMA, numa cidade ou área que utilize outro padrão, como o CDMA?

Os sistemas digitais TDMA e CDMA são incompatíveis, mas todos os modelos de telefone celular digital disponíveis hoje no mercado operam em sistema digital e analógico (chamados dual-mode). Quando isto acontecer, seu telefone automaticamente operará em sistema analógico. Não haverá problemas de comunicação, mas alguns serviços inteligentes não estarão disponíveis, como identificação de chamadas ou serviço “siga-me” (transferência de chamadas).

23. O sistema digital é realmente mais seguro? Quais as garantias contra as escutas e a clonagem de aparelhos?

A escuta clandestina é dificultada com a telefonia celular digital. Isto porque a sua voz é codificada num sinal digital para ser transmitida, sendo depois decodificada na outra ponta da linha. Em relação à clonagem e a outros tipos de fraudes semelhantes, a tecnologia celular digital é muito mais segura que a tecnologia analógica tradicional. Sem contar que a operadora atualiza, constantemente, seus sistemas anti-fraude com os softwares e as tecnologias mais avançadas à disposição.

24. Posso ter mais de uma linha telefônica no meu aparelho? Estas linhas podem ser analógica e digital?

Sim. Alguns aparelhos permitem a utilização de 2 ou mais linhas. Quando estiver utilizando uma das linhas, a outra estará inativa, tanto para fazer como para receber chamadas.

25. O que é clonagem?

É a forma criminosa que algumas pessoas utilizam para falar ao celular sem pagar conta. O que tais pessoas fazem é programar um telefone com os mesmos parâmetros que um telefone que esteja sendo utilizado por usuário que pague conta corretamente. A técnica para se fazer isto é clonar (copiar) parâmetros que são utilizados na troca de informações entre operadora e cliente. Esta clonagem pode ser feita de diversas formas, porém, uma das mais comuns é a copia do aparelho “registrado” quando o mesmo é levado em algumas assistências técnicas não-autorizadas. Assim, muito cuidado quando seu aparelho apresentar um problema e por algum motivo você encaminhá-lo a estabelecimentos de pouca credibilidade. A saída é utilizar sempre as assistências técnicas AUTORIZADAS pelo fabricante, elas são a sua garantia de uma perfeita manutenção.

Fonte: www.gradiente.com

História do Telefone Celular

Milhões de pessoas no Brasil e em todo mundo usam telefones celulares. Eles são ótimos equipamentos – com um telefone celular, você pode falar de qualquer lugar com qualquer pessoa no planeta!

Nos dias de hoje, o telefone celular fornece uma variedade incrível de funções, e novas funções estão sendo adicionadas cada vez mais rápidas.

Dependendo do modelo de telefone celular, você pode:

Armazenar informações de contatos
Fazer listas de tarefas
Acompanhar sua agenda e ajustar lembretes
Utilizar a calculadora no telefone para fazer contas
Enviar ou receber e-mails
Obter informações (notícias, diversão, cotações) pela Internet
Jogar joguinhos
Integrar outros dispositivos como PDAs, MP3 players e recebedores GPS

Mas você já parou para pensar como um telefone celular funciona? O que o difere de um telefone comum? O que todos esse termos como PCS, GSM, CDMA e TDMA significam? Nesse artigo, nós iremos discutir a tecnologia atrás dos telefones celulares, para que você possa ver como eles são realmente incríveis.

Vamos começar com o básico: Em essência, um telefone celular é um rádio.

O Funcionamento do Celular

Uma das coisas mais interessantes sobre o telefone celular é que na verdade ele é um rádio – um rádio extremamente sofisticado diga-se de passagem, mas é um rádio . O telefone foi inventado por Alexander Graham Bell em1876, e a comunicação sem fio tem suas raízes na invenção do rádio por Nikolai Tesla em torno de 1880 (formalmente apresentado em 1894 por Guglielmo Marconi). Era apenas natural que um dia essas duas tecnologias se combinassem.

Nos “tempos das trevas” antes dos telefones celulares, as pessoas que realmente precisavam de comunicação móvel instalavam rádio- telefones em seus carros.

No sistema de rádio- telefones , havia uma antena central por cidade, e talvez 25 canais disponíveis nessa torre. Essa antena central significava que o telefone no seu carro precisava de um poderoso transmissor – grande o bastante para transmitir por mais ou menos70 km. Também significava que poucas pessoas podiam utilizar rádio- telefones – não havia canais suficientes.

A genialidade do sistema celular é a divisão de uma cidade em pequenas células. Isto permite o reuso extensivo da freqüência através de uma cidade, de modo que milhões de pessoas possam usar telefones celulares simultaneamente.

Telefones Celulares e CBs

Uma boa maneira de entender a sofisticação de um telefone celular e compará-lo a um rádio CB ou a um walkie-talkie.

Duplex-inteiro vs. meio-duplex – Ambos walkie-talkies e rádios CB são equipamentos meio-duplex. Isto é, duas pessoas comunicando em um rádio CB usam a mesma freqüência, então somente uma pessoa pode falar de cada vez. Um telephone cellular é um equipamento duplex-inteiro. Isso significa que você utilize uma freqüência para falar e uma segunda freqüência separada para ouvir. Ambas as pessoas no telefone podem falar.

Canais – Tipicamente, um walkie-talkie tem um canal, e um rádio CB tem 40 canais. Um típico telephone cellular pode se comunicar em 1,664 canais ou mais!

Alcance – Um walkie-talkie pode transmitir por mais ou menos 1.6 km usando um transmissor de 0.25-watt. Um rádio CB, porque tem um poder muito maior, pode transmitir por mais ou menos 8 km usando um transmissor de 5-watt. Telefones celulares operam dentro de células, e eles podem trocar de células enquanto se movem por aí. As células dão ao telefone celular um alcance incrível. Alguém usando um telefone celular pode dirigir por milhares de quilômetros e manter a conversa o tempo todo por causa do funcionamento da célula.

Engenharia da Célula

Em um típico telefone celular nos Estados Unidos de sistema analógico, seu provedor recebe mais ou menos 800 freqüências para usar através da cidade. O provedor divide a cidade em células. Cada célula é tipicamente dividida em mais ou menos 26 quilômetros quadrados.

As células são normalmente vistas como hexágonos em uma grande grade hexagonal como essa:

Porque telefones celulares e estações base utilizam o mesmo transmissor de baixo poder, as mesmas freqüências podem ser usadas em células não adjacentes. As duas células roxas podem reutilizar a mesma freqüência.

Cada célula tem uma estação base que consiste de uma torre e uma pequena construção contendo o equipamento de rádio.

Uma única célula no sistema analógico utilize um sétimo dos canais de voz duplex.

Isto é, cada célula (das sete na grade hexagonal) está usando um sétimo dos canais disponíveis então tem uma quantidade própria de freqüências e não há colisões:

Um provedor de telefones celulares consegue tipicamente 832 freqüências de rádio para usar na cidade.

Cada telefone celular usa duas freqüências por chamada — um duplex canal – então tipicamente existem 395 canais de voz por provedor. (As outras 42 freqüências são utilizadas para controlar canais.)

Então, cada célula tem mais ou menos 56 canais de voz disponíveis.

Em outras palavras, em cada célula, 56 pessoas podem estar falando ao telefone ao mesmo tempo. Sistemas celulares analógicos são considerados tecnologia de primeira geração, ou 1G. Com os métodos de transmissão digital (2G) o número de canais disponíveis aumenta. Por exemplo, um sistema digital baseado em TDMA pode sustentar três vezes mais chamadas do que um sistema analógico, então cada célula tem mais ou menos 168 canais disponíveis

Fonte: www.maniadecelular.com.br

História do Telefone Celular

A empresa americana Bell Company, em 1947, desenvolveu um sistema que permitia a utilização de telefonia móvel dentro de uma determinada área utilizando o conceito de células, ou áreas de cobertura, derivando deste, o nome celular. Ainda naquele ano, nos Estados Unidos, a AT&T e a Bell propuseram à FCC (Federal Communication Commission) a alocação de um número de freqüência de rádio especificamente para comunicação móvel, mas a FCC disponibilizou apenas poucas freqüências, possibilitando que somente 23 pessoas se conectassem simultaneamente ao sistema de uma determinada área de cobertura. Isto, na época, tornou a tecnologia inviável comercialmente.

Levou cerca de 20 anos para a FCC reconsiderar o número de freqüências destinadas à telefonia móvel e aumentar esse número para suportar mais usuários.

Em 1968, as empresas AT&T e Bell definiram o sistema de uso de torres para atender aos usuários por áreas, conforme seu deslocamento, e, desta forma, continuou a propagação do sistema até a cobertura atingida nos dias atuais.

A Bell, em 1973, já possuía um sistema de comunicação instalado em carros de polícia, mas foi a Motorola, naquele mesmo ano, a primeira a incorporar essa tecnologia a um dispositivo móvel de comunicação fora de um veículo, para uso pessoal. Contudo, em janeiro de 1979 o sistema foi realmente testado com 200 pessoas em Chicago.

Mas foi 10 anos depois, em 1983, que surgiu o primeiro celular aprovado pelo FCC, o DynaTAC 8000X, da Motorola – que junto com a empresa Ameritech iniciou o uso comercial da telefonia celular no Estados Unidos e no mundo.

Nesse momento a Motorola já havia investido cerca de US$ 100 milhões em 15 anos de pesquisas em tecnologia móvel celular.

O aparelho, conforme mostrado na Figura 1, com cerca de 1kg, tinha capacidade para uma hora de conversação e oito de stand-by, memória para 30 números, além de display com LED (Light Emitting Diodes). “Consumidores ficaram tão impressionados com a idéia de estar sempre conectados que se dispunham a pagar US$ 3,995”, lembra Rudy Krolopp, um dos primeiros participantes da equipe de desenvolvimento do aparelho. As listas de espera chegavam aos milhares, mesmo com o preço do DynaTAC 8000X; Hoje um aparelho de última geração está na faixa de U$250.

História do Telefone Celular
Figura 1 – Motorola Dynatec 8000X

Passados 20 anos do início da telefonia móvel comercial, o conceito do uso desses dispositivos mudou; hoje os consumidores procuram maneiras de reforçar seus estilos de vida. O celular tornou-se, neste contexto, uma extensão da personalidade do usuário, uma peça capaz de enriquecer relacionamentos, divertir, aumentar a produtividade e expressar individualidade. Isso significa comunicar, dividir, criar e divertir com voz, textos, imagens, músicas e vídeos.

Com o barateamento da tecnologia, o número de usuários de celular no mundo passou de cerca de 300 mil, em 1984, para mais de 1,2 bilhão, atualmente. À medida que a indústria cresceu, as empresas anteciparam a demanda por tecnologias inovadoras, de acesso sem fio à internet, a jogos, músicas e imagens digitais.

A Telefonia Celular no Brasil

A entrada do Brasil na era da telefonia celular ocorreu em novembro de 1990. Desta data até dezembro de 2003 passamos de 667 para mais de 43 milhões de acessos móveis – Uma trajetória impressionante de crescimento de uma tecnologia que marca presença em vários setores da sociedade.

“O telefone celular chegou a rincões do país, algumas vezes, antes mesmo que as populações locais dispusessem de água encanada ou saneamento básico”. (Dias et al, 2002).

Em agosto de 2003 o número de usuários da telefonia móvel ultrapassou os da telefonia fixa. A Agência Nacional de Telecomunicação – ANATEL -, no final de 2003, divulgou o total de 46.373.266 acessos móveis no Brasil, representando uma densidade de 26,2 acessos por 100 habitantes. Em novembro de 2004, a Anatel divulgou que esse percentual de acesso subiu para 31,3% da população brasileira. Um aumento de 27%, de 2003 para 2004, na teledensidade da telefonia móvel no Brasil.

No início da operação da telefonia celular o interessado deveria despender cerca de US$20 mil para utilizar o sistema. Mas, como costumeiramente ocorre na área tecnológica, o preço caiu conforme aumentou a evolução tecnológica e a escala de produção. Tal escala surgiu a partir da grande demanda reprimida na área de telefonia fixa que, até então, era de péssima qualidade. (Dias et al, 2002, 2002).

Pouco a pouco a tecnologia de comunicação móvel foi sendo incorporada ao cotidiano e às mais variadas situações. Desde novas formas de contato pessoal, passando por áreas de negócios, até salvamento de vidas, foram viabilizados através da tecnologia do celular. O celular deixou de ser apenas um objeto de desejo para se tornar uma necessidade, deixou de ser artigo de luxo para, em muitos casos, se tornar item básico. A telefonia móvel atingiu um patamar que permeia todo o tecido da sociedade brasileira moderna e que, assim como os computadores, criou um forte vínculo de dependência com essa tecnologia (Dias et al, 2002).

Entretanto, ao contrário dos computadores pessoais, o celular conseguiu uma massificação e capilarização país à fora graças aos planos pré-pagos, os quais tiveram um crescimento vertiginoso desde sua implementação. Em junho 1999, quando foi lançado, o pré-pago representava apenas 15% da base de assinantes; um ano depois já era 50% dos usuários. O ano de 2003 fechou com 76% do mercado nessa modalidade de assinatura, representando 35 milhões de usuários no Brasil.

Essa alta popularização do celular viabilizou e alavancou negócios da população de renda mais baixa, possibilitando a criação de um contato permanente aos escritórios móveis de diversos tipos de trabalhadores autônomos, a maioria dentro da informalidade da relação de trabalho, realidade que tem níveis ascendentes no Brasil (Dias et al, 2002). Não por acaso, o Estado do Rio de Janeiro, que conta com os maiores números da economia informal no Brasil, é também o segundo com maior densidade de acesso no país.

No verão de 2002, o antropólogo Robbie Blinkoff (2001) e uma equipe de antropólogos conectados entre sete grandes cidades do mundo, entre elas Rio de Janeiro, realizaram uma pesquisa com 144 participantes. O estudo mostrou que o usuário brasileiro não aproveita adequadamente as funções de seu aparelho celular.

Em muitos casos, os aparelhos com recursos simples são suficientes para um grande grupo de usuários. O excesso de recurso e informação, algumas vezes, apenas confundem e atrapalham usuários inexperientes e que não têm necessidade de utilizar funções além das que julgam serem triviais. Além disso, freqüentemente observamos pessoas que, mesmo com experiências anteriores com outros celulares e computadores, deparam-se com problemas de uso com seus telefones celulares.

O outro lado do uso do celular

Muito se fala de como os celulares melhoraram a comunicação, viabilizaram novos negócios, facilitaram resgates, possibilitarem outras benesses para a sociedade. Entretanto, da mesma forma que essa tecnologia é utilizada para coisas boas, também é aplicada em negócios ilícitos. Não são poucas as notícias sobre bandidos, mesmo presos, que comandam suas quadrilhas com o uso de telefones celulares. “É claro que esta facilidade de comunicação acabou ajudando também os bandidos – em especial os agentes do crime organizado, que às vezes coordenam roubos, seqüestros e outros crimes de dentro dos presídios” (Dias et al, 2002).

Como em vários estados não era preciso preencher um cadastro para adquirir um telefone pré-pago, facilitou-se o uso de celulares pelos bandidos de forma anônima. Felizmente, todos os estados já obrigam a existência de um processo de cadastramento para todos os compradores de celulares.

“Mesmo assim, especialistas em segurança afirmam que a tecnologia celular não pode ser considerada um instrumento facilitador do crime. Ao contrário, a própria polícia tem utilizado o grampo desses aparelhos telefônicos para obter informações importantes…” (Dias et al, 2002).

Além da questão da segurança, a presença dos aparelhos celulares em reuniões, salas de aula, cinemas e peças de teatro tem causado grande incômodo, com seu toque de chamada ou com a conversa do usuário, perturbando o silêncio necessário nessas ocasiões e ambientes. Desta forma, o uso desse dispositivo já observa regras de etiqueta em ambientes específicos.

Estas regras quando não implícitas, são explicitadas aos usuários através de avisos, cartazes e até mesmo filmes, este último, mais especificamente, em salas de cinema.

Determinadas escolas dos EUA já detectam e retêm os celulares na entrada dos alunos, evitando que portem seus aparelhos em sala de aula.

Mais recentemente, os celulares com câmeras estão sendo indevidamente utilizados para revelar momentos de intimidade de pessoas, como em banheiros e vestiários. Diversos estabelecimentos já estão procurando medidas de se precaver de eventuais situações deste tipo. Livrarias também estão, literalmente, vigiando o uso de celulares com câmera a fim de evitar cópias de livros através das fotos digitais dos aparelhos – desde o advento desta função nos celulares, as vendas de livros registraram queda associada a esse tipo de cópia não autorizada.

Tecnologia Centrada no Usuário

Shneiderman (2002) considera que, ao contrário da velha computação que valorizava os aspectos da máquina, a nova computação valoriza o que, efetivamente, os usuários podem fazer com as máquinas. Ainda segundo o pesquisador, a tecnologia não é o objetivo final e sim o meio pelo qual o usuário pode satisfazer diversas necessidades e enriquecer suas experiências.

O início da interação humano-computador está intrinsecamente relacionado ao desenvolvimento de novas tecnologias de interfaces para computadores e a história da interface gráfica. Vários destes conceitos são empregados nos sistemas dos aparelhos celulares atuais.

No início dos computadores pessoais as linhas de comando utilizadas em sistemas, como o DOS, eram a principal forma de comunicação entre o homem e a máquina, restringindo o uso dos computadores a grupos ligados diretamente à tecnologia. Aprender a operar era como lidar com uma nova língua, na medida em que era preciso decorar significados arbitrários, além, lógico, de sua sintaxe própria. A tecnologia em si era a guia de desenvolvimento dos produtos das empresas, sem que estas atentassem para outros tipos de usuários.

A tecnologia que empregava janelas e ícones para representar elementos no monitor do computador com um dispositivo chamado mouse, teve seus primórdios com os engenheiros Ivan Sutherland e Doug Engelbart em meados de 1968, mas foi o pesquisador do Xerox PARC (Palo Alto Research Center) Alan Kay, em continuidade ao trabalho de Sutherland e Engelbart, que trabalhou com o conceito de metáfora, criando a relação da tela com uma mesa de trabalho em uma interface do computador.

A partir dali, evidenciava-se o design de HCI centrado em fatores humanos, conforme escreve Johnson (2001):

“Se o computador podia assumir qualquer forma imaginável, porque não o fazer imitar o velho mundo analógico que iria substituir? Era uma espécie de troca imaginativa: se as pessoas iriam abandonar seus fichários e pilhas de papel, porque não simplesmente transferir essas coisas para o mundo digital?”

Desta forma, as associações e os processos analógicos dos usuários eram respeitados e transmutados para um ambiente digital, diminuindo o impacto da passagem de um meio para outro.

O computador Lisa, da Apple, foi o primeiro computador pessoal no mercado a utilizar tecnologia baseada no conceito de WIMP (Windows- Janelas que podiam ser manipuladas. Icons- Ícones que representavam elementos do sistema; Menu pop-up- Organização e disposição das funções em menu e sub menus; e Pointer- Ponto de acionamento com controle via mouse).

Em razão do alto preço, o Lisa não obteve sucesso comercial, e logo os engenheiros da Apple já finalizaram seu segundo projeto, o Apple Macintosh, cujo lançamento ocorreu em 1984, com sucesso de vendas.

A possibilidade de uso dessas máquinas por pessoas sem conhecimento técnico foi proporcionada pela utilização de metáforas de Kay que remetiam a lógicas pré-existentes. A nova tecnologia de interface gráfica apresentava-se como uma forma de humanização da tecnologia, permitindo que pessoas comuns, utilizassem as máquinas do futuro. Esta era a intenção da Apple, conforme verifica-se no próprio slogan de lançamento do Macintosh – The computer for the rest of us (o computador para o resto de nós) e na definição do uso computador como User Friendly (Uso Amigável).

Mas foi com o Microsoft Windows, presente nas máquinas de tecnologia IBM PC, utilizando o mesmo conceito de interface gráfica, que se disseminou a tecnologia GUI, pois o IBM PC era uma tecnologia licenciável, com vários fabricantes e, conseqüentemente, com preços mais acessíveis.

Donald Norman (1998) questiona:

“Porque tudo é tão difícil de usar? O real problema reside no desenvolvimento do produto, na ênfase maior na tecnologia do que no usuário, a pessoa na qual o produto está sendo destinado. Para melhorar produtos, as companhias precisam de uma filosofia de desenvolvimento que almeje o usuário humano, não a tecnologia. Companhias precisam de um desenvolvimento centrado no usuário.”

Além disso, segundo Shneiderman (2002), as interfaces gráficas dos computadores pessoais iniciaram considerações sobre as diversas necessidades dos usuários.

Passados vinte anos do lançamento do primeiro Macintosh, os telefones celulares ainda não contemplam o mesmo grau de usabilidade alcançado nos computadores pessoais. Isto se deve tanto por restrições no tamanho, imagem, som e entrada de dados dos celulares, quanto pela pouca eficiência de sistemas encontrados em modelos de telefones celulares.

Segundo Craig Barret (2004), executivo-chefe da Intel, as tecnologias se tornam cada vez mais diversificadas e presentes nas vidas das pessoas, e não podem ser complicadas. Em função disso, diz Barret (2004) acreditar nos investimentos em pesquisas sociais e etnográficas para entender a maneira como as pessoas se relacionam com a tecnologia, procurando meios para tornála a mais amigável possível.

Em pesquisa de outro fabricante de microprocessadores, a AMD, buscouse descobrir os mais importantes motivadores de compra dos consumidores de artigos de tecnologia. Segundo Tricia Parks (2004), presidente da empresa que desenvolveu a pesquisa, o que mais surpreendeu a indústria foi descobrir que, nos Estados Unidos, o preço não é o maior motivador de compra deste tipo de consumidor.

Os seis atributos que constituíram relevância foram: familiaridade, importância de benefício do produto, viabilidade financeira, conhecimento de onde comprar, percepção de fácil instalação e percepção de fácil utilização.

A pesquisa indicou que antes de adquirir o produto o consumidor leva em consideração, primeiramente, a importância do seu benefício, em seguida, a familiaridade, e, em terceiro lugar, a facilidade de uso. Os computadores, microondas e telefones celulares foram citados como os produtos com maior importância de benefício na pesquisa realizada.

Mudanças das Interfaces dos Celulares

As Interfaces dos primeiros celulares eram compostas, basicamente, por texto, e não permitiam uma riqueza de detalhes na apresentação das informações no visor do dispositivo, em razão da tecnologia imprópria.

A resolução, responsável pela melhor definição dos textos e formação de desenhos no visor, está gradualmente aumentando com a evolução dos aparelhos celulares, assim como a quantidade de cores. Com esta melhora na tecnologia de exibição de informações, os elementos gráficos na tela podem ser melhor representados, equiparando-se a pequenos computadores pessoais.

Assim como aconteceu como os assistentes pessoais digitais, a interface gráfica dos sistemas dos computadores pessoais foi usada como referência para apresentação dos elementos em alguns modelos de celulares, ao ponto de alguns telefones funcionarem com versão compacta do sistema Windows.

O som, que teve uma evolução com menos etapas do que a resolução da tela do celular, também gerou bastante diferenças. Hoje, inúmeros modelos de celulares, além de permitirem gravação de voz, grande qualidade de emissão de alertas sonoros, chamados sons polifônicos, também possibilitam mixagens e download de toques e músicas da Internet.

A evolução tecnológica busca cada vez mais criar dispositivos menores.

Apesar de ser bastante atrativa aos consumidores, esta tendência tecnológica de priorizar a miniaturização implica em problemas ergonômicos de manipulação do aparelho. Tais problemas aparecem na redução do tamanho das teclas e caracteres no visor, além da redução na quantidade de teclas presentes nos celulares, indo de encontro ao crescente aumento de funções nesses dispositivos.

Conclusão

Assim como as interfaces gráficas dos computadores ampliaram a possibilidade de outros tipos de usuários, excetuados os técnicos, usufruírem as vantagens dos computadores, Sheiderman (2002) postula que, na nova computação, a usabilidade universal possibilitará a inclusão de grupos até então não considerados pela indústria, permitindo reverter o quadro atual de subaproveitamento da tecnologia dos telefones celulares, como o encontrado no Brasil na pesquisa de Robbie Blikoff (2001).

Fonte: www2.dbd.puc-rio.br

História do Telefone Celular

A historia e as tecnologias mais implementadas.

Um telefone celular (no Brasil e em Moçambique) ou telemóvel (em Portugal) é um aparelho de comunicação por ondas electromagnéticas que permite a transmissão bidirecional de voz e dados utilizáveis em uma área geográfica que se encontra dividida em células (de onde provêm a nomenclatura celular), cada uma delas servida por um transmissor/receptor.

Telefone celular, ou simplesmente “celular” (plural celulares), é a designação utilizada no Brasil e em Moçambique. Em Portugal, estes aparelhos passaram a ser designados a seu tempo como “telemóvel” (plural telemóveis), uma simplificação de “telefone móvel”. No entanto, a designação ‘Telefone Celular’ permanece como designação técnica.

Há diferentes tecnologias para a difusão das ondas eletromagnéticas nos telefones celulares, baseadas na compressão das informações ou em sua distribuição: na primeira geração (G) (a analógica, desenvolvida no início dos anos 80), com os sistemas NMT e AMPS; na segunda geração (2G) (digital, desenvolvida no final dos anos 80 e início dos anos 90): GSM, CDMA e TDMA; na segunda geração e meia (2,5G) – uma evolução à 2G (com melhorias significativas em capacidade de transmissão de dados e na adoção da tecnologia de pacotes e não mais comutação de circuitos) utiliza uma tecnologia superior ao GPRS, o EDGE, utiliza também o padrão HSCSD e 1XRTT; na terceira geração (3G) (digital, com mais recursos, em desenvolvimento desde o final dos anos 90), UMTS e W-CDMA.

A indústria classifica os sistemas de telefonia celular em gerações: a primeira geração (1G) analógica; a segunda geração (2G), já digital e em uso intenso no Brasil; a segunda e meia geração (2,5G), com melhorias significativas em capacidade de transmissão de dados e na adoção da tecnologia de pacotes e não mais comutação de circuitos; a terceira geração (3G), ainda em experiências iniciais no Japão e na Europa. E já em desenvolvimento a 4G (quarta geração).
Aparelhos análogos baseados no rádio já eram utilizados pelos policiais em Chicago na década de trinta, dentre outras tecnologias.

Utilidade

O Celular que quando lançado ainda na tecnologia analógica era somente usado para falar, já é usado para enviar SMS, tirar fotos, jogar e ouvir músicas, mas não para por aí, nos últimos anos, principalmente no Japão e na Europa, tem ganhado recurso surpreendente até então não disponível para aparelhos portáteis, como GPS, videoconferências e instalação de programas variados, que vão desde ler e-book à usar remotamente um Computador qualquer, quando devidamente configurado. O Brasil ainda está dando seus primeiros passos para esses tipos de tecnologias, a demora não deve apenas pela necessidade de grandes investimento, mas também por ser rentável somente a longo prazo, como acontece nos países onde há essas tecnologias disponíveis, uma parcela pequena de usuários utiliza esses serviços, mesmo com preços acessíveis.

Personalização

Juntamente com tecnologia digital, chegou alem de qualidade e segurança, a possibilidade de personalizar seu celular, iniciou com toque monofônico, os quais são formados apenas por bip de mesmo tom, configurados para ter o ritmo da musica, e também surge as figuras monocromáticas que são quase desconhecidas, com a nova geração de aparelhos, principalmente nos lançamentos do sistema GSM, veio então alem de toques polifônicos e em formato MP3 juntamente com imagens coloridas.

As imagens coloridas podem ser de dois tipos distintos:

Formato GIF; trate-se de um formato que só suporta 256 cores, nos aparelho pioneiros, normalmente era usado esse formato.
Formato JPG; formato amplamente difundiu graças as câmeras digitais este suporta até 64 milhões de cores e é usado em aparelhos mais avançados, e praticamente todos que possuem câmeras digitais integradas ao celular.
Formato GIF; trate-se de um formato que só suporta 256 cores, nos aparelho pioneiros, normalmente era usado esse formato
Formato JPG; formato amplamente difundiu graças as câmeras digitais este suporta até 64 milhões de cores e é usado em aparelhos mais avançados, e praticamente todos que possuem câmeras digitais integradas ao celular.

Para personalizar o seu celular procure o portal da operadora na internet ou pelo próprio aparelho via WAP, porem lembre-se que WAP é cobrado mesmo para escolher o toque ou a imagem. Há também sites que distribuem gratuitamente conteúdo para aparelhos diversos, o qual fica mais barato ao usuário final já que não são protegidos por direitos autorias.

Como funciona o celular.

Ao fazer uma chamada pelo telefone celular, um sinal é emitido pelo aparelho e captado pela Estação Rádio Base mais próxima. Esta, por sua vez, se comunica com a Central de Comutação e Controle, que através de antenas direciona o sinal para a central do número chamado. É a troca de sinais entre essas antenas que garante a conversação sem perda de sinal, mesmo quando os clientes estão em trânsito ou dentro de túneis.

O sistema celular se interliga à rede pública de telefonia, tornando possível as chamadas de um aparelho celular para um telefone fixo. Graças aos acordos de roaming entre as operadoras do Brasil e de outros países, o usuário de celular no Brasil pode falar do seu celular para qualquer parte do mundo.

Bandas

Bandas são as faixas de freqüência em que funciona o Serviço Móvel Pessoal (SMP) no Brasil. A Banda A funciona desde o começo dos anos 90, e é nela que a TIM Sul opera com a tecnologia TDMA. A Banda A é constituída pelas ex-empresas públicas, privatizadas em 29 de julho de 1998. As bandas B são licenças vendidas pelo Governo para operar nas mesmas áreas de concessão das Bandas A. É importante saber que o celular da Banda A só fala através de torre da Banda A e que o celular da Banda B só fala através de torre da Banda B. Na prática, isso significa que os clientes TDMA da TIM podem usar o celular em 250 cidades nos Estados do Paraná e de Santa Catarina, e na região de Pelotas/RS. As Bandas A e B operam na freqüência de 800 MHz e utilizam tecnologia TDMA e CDMA.

As novas Bandas – D e E (a C não teve comprador no leilão) – operam na faixa de freqüência de 1,8 GHz e a tecnologia empregada é a GSM, na qual a TIM é uma das grandes operadoras no mundo. Estas bandas entraram em operação no segundo semestre de 2003.

Torre de Transmissão

É o equipamento que transmite e recebe o sinal celular em uma determinada região. As instalações se caracterizam pelas torres de média altura ou superpostes, que têm antenas direcionadas para todas as regiões. Nos últimos tempos, as torres têm sido objeto de discussões sobre questões urbanísticas e de saúde pública.

Saiba um pouco mais sobre este assunto que interessa a todos: os efeitos que as radiações eletromagnéticas emitidas pelas antenas fixas de telefonia celular podem exercer sobre o ser humano. Antes de tudo, saiba que essas informações são todas baseadas em estudos científicos atualizados e referendadas por autoridades no assunto. A TIM deseja, com este material, esclarecer e tranqüilizar a sociedade, pois percebemos que este tema ainda causa certa dúvida e preocupação em muitas pessoas. Por isso, leia as informações com muita atenção.

Como funciona o sistema de telefonia celular?

Todo aparelho celular se comunica, via radiações (ou ondas) eletromagnéticas, com as antenas que estão nos topos das torres. Estas torres, por sua vez, são chamadas de ERBs (Estações Rádio-Base), responsáveis pela intercomunicação com a CCC – Central de Comunicação e Controle. A CCC interliga o usuário com as demais operadoras, aparelhos celulares e fixos, completando, assim, a ligação.O sistema celular se interliga à rede pública de telefonia, tornando possível as chamadas de um aparelho celular para um telefone fixo. Graças aos acordos de roaming entre as operadoras do Brasil e de outros países, o usuário pode falar do seu celular para qualquer parte do mundo.

Clonagem

A clonagem de celulares é um problema que aflige muitos dos usuários da telefonia móvel. Acontece quando um criminoso usa uma linha de um cliente de alguma operadora para fazer ou receber ligações. Além de perder sua privacidade, o usuário recebe uma conta telefônica bem mais alta do que o devido, devido ao uso clonado de seu número em algum outro aparelho. Também passa a receber ligações de pessoas estranhas. A clonagem é usada no Brasil por quadrilhas de crime organizado para se comunicar, burlando a vigilância da polícia.

Estão vulneráveis à clonagem os telefones que entram em áreas onde o sinal é analógico, e por isso, os telefones de operadoras GSM, tais como a TIM, a Oi ou os novos aparelhos da Claro e mais recentemente Vivo são considerados mais seguros. Estão expostos à clonagem os celulares CDMA, como os da Vivo, que operam em sistema analógico em boa parte do país. Também estão vulneráveis os aparelhos TDMA, da antiga BCP, que foi incorporada pela Claro.

Quem tem aparelhos CDMA ou TDMA pode reduzir os riscos da clonagem evitando ligar o telefone nas proximidades de aeroportos ou em locais em que o sinal não é digital. Os aeroportos são lugares visados para este tipo de atuação por criminosos, por serem locais de grande movimentação de executivos.

Nestas zonas as quadrilhas instalam suas vans com antenas clandestinas para captar os códigos emitidos pelos celulares dos viajantes.

Com um scanner de freqüência ou um receptor de rádio de alta freqüência, o criminoso consegue identificar o número da linha e o número de série do aparelho, usando-os no clone. Ao abrir o aparelho para conserto, um técnico também tem acesso a esses números.

Como se clona um telefone celular?

O processo é perigosamente fácil. Mas, para entendê-lo, primeiro é preciso saber como funciona o celular. Essencialmente, ele é um rádio que pode receber ou transmitir sinais em cerca de 800 faixas de freqüência. As operadoras dividem as cidades em setores chamados células – sacou o porquê de “celular”? Dentro de cada célula há um retransmissor de freqüências, as antenas que vemos espalhadas por aí. O celular se conecta à antena mais próxima, o que permite a movimentação durante uma chamada. Centenas de pessoas usam a mesma faixa, mas, cada aparelho tem um código que mantém a conversa direcionada apenas entre o aparelho que efetuou a chamada e o que a recebeu. É aí que entra em cena a clonagem. Com os equipamentos certos, um falsário pode encontrar uma freqüência em uso e capturar o código do aparelho que está nela. “Eu gastava 330, 350 reais por mês. Imagina meu susto quando vi a conta de 3.700 reais!”, afirma o representante comercial Luís Gustavo Cerpim. Segundo o Procon de São Paulo, o ônus da clonagem é das operadoras, que precisam oferecer redes seguras.

Ladrões de linhas

Falsários preferem agir nas proximidades dos aeroportos

1- Clonadores gostam de agir perto de aeroportos. Como nem sempre a tecnologia digital das operadoras é igual, elas mantêm canais analógicos para as pessoas usarem os telefones fora de suas cidades. Quando você desembarca em outra cidade e liga o celular, ele fica por algum tempo conectado às redes analógicas
2-
O simples fato de o celular ser ligado nessa situação (mesmo sem realizar chamadas) faz ele se conectar à antena mais próxima. Isso abre uma brecha para o clonador, pois é muito mais fácil penetrar no sistema de transmissão por ondas da rede analógica que no sistema binário (seqüências de 0 e 1) da rede digital
3-
Normalmente o clonador monta seu “escritório” em alguma casa ou sala próxima do aeroporto. Lá, ele instala um scanner de ondas e um rádio receptor de multifreqüência para “fisgar” a transmissão analógica. Os dois equipamentos ficam conectados a um computador
4-
Com o scanner e o rádio, o falsário captura uma freqüência de ondas pela qual trafega o sinal do celular da vítima. Esse sinal capturado tem o código do aparelho, o número, o registro e outros dados usados pela operadora para calcular a conta
5-
A codificação do aparelho é guardada no computador e depois transferida para um celular “frio” — em geral, um aparelho roubado. A clonagem é feita em qualquer celular sem linha, desde que ele seja da mesma tecnologia (TDMA, CDMA ou GSM) do aparelho que teve o sinal roubado. Certas tecnologias, porém, são mais seguras – como a GSM
6-
O aparelho-clone pode ligar para qualquer lugar e é usado por quadrilhas de seqüestradores e interessados em ligar para “disque-sexo”, entre outros fins. Como ele usa a codificação do celular clonado, os débitos vão para a conta do proprietário real, que percebe que foi vítima de um golpe quando abre a próxima fatura

Disque-prevenção

Existem alguns truques para dificultar a vida dos clonadores

Desligue seu celular perto de aeroportos e rodoviárias. Deixe para acioná-lo apenas quando estiver distante desses lugares
Se não puder desligá-lo, programe o aparelho para usar uma rede digital em vez de deixá-lo buscar automaticamente uma analógica. Todos os celulares têm esse recurso
Confira mensalmente sua conta para ver se há chamadas para números estranhos. Existem clonadores que roubam apenas algumas dezenas de reais por mês
Para não contribuir com esse crime, ao comprar um aparelho usado, veja se ele não é roubado, checando se não há registro no Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas (Cemi)

Curiosidades

O que são radiações eletromagnéticas?

Todo aparelho celular se comunica, via radiações (ou ondas) eletromagnéticas, com as antenas que estão nos topos das torres.

Existem dois tipos de radiações eletromagnéticas: as ionizantes e as não-ionizantes. As ondas emitidas pelos celulares estão entre as radiações não-ionizantes, que não produzem reações químicas nos tecidos sobre os quais incidem, sendo, por isso, inofensivas ao ser humano. Já as radiações ionizantes produzem reações químicas e causam, dependendo do tempo de exposição, sérios danos à saúde. Um exemplo deste grupo são os Raios x.

As radiações emitidas pelas antenas de telefonia celular são perigosas?

Uma coisa e interessante  sabemos nos celulares, a taxa de absorção da energia pelo corpo foi limitada a uma valor máximo de 2 watts/kg (watt por quilograma – SAR).

Já para as Estações Rádio-Base, a densidade de potência das antenas respeita os seguintes limites de segurança: 4,5 watts por m², na freqüência de 900 MHz  4 watts por m², na freqüência de 800 MHz   9 watts por m², na freqüência de 1,8 MHz.

Não, desde que transmitidas em baixa potência. A onda eletromagnética transmitida pelas antenas é do mesmo tipo da utilizada pelas emissoras de rádio, televisão, polícia e corpo de bombeiros. Como já vimos, essas ondas são do tipo não-ionizantes e, portanto, inofensivas. Tanto é que nunca se detectou nenhum problema médico provocado pelas antenas que já estão instaladas há 17 anos nos países desenvolvidos. Mesmo assim, existem rigorosas normas de segurança, feitas para impedir que as torres de telefonia celular usem transmissão de ondas em alta potência.

Por que em áreas urbanas deve-se instalar várias torres?

A única forma de se prestar o serviço celular é instalando-se antenas de baixa potência em diversos locais da cidade. Esta técnica, de distribuição da potência em vários pontos urbanos, é utilizada em todos os países do mundo, seja nos EUA, na Europa ou na Ásia. Dessa forma, o serviço também é prestado aqui no Brasil.

As antenas podem ser instaladas nos edifícios?

Se os limites de radiação forem respeitados, não há o menor problema. Neste caso, os edifícios funcionam como se fossem torres, pois servem de suporte para as antenas.

As antenas alteram o funcionamento de marcapassos, eletrodomésticos e computadores?

Não, e por duas razões: primeiro, porque a emissão eletromagnética que vem de uma torre é muito fraca e insuficiente para causar uma interferência. Segundo, a telefonia celular utiliza uma faixa de freqüência exclusiva, diferente da usada em controles remotos de TVs, portões eletrônicos e computadores. Quanto ao marcapasso, recomenda-se que o aparelho celular não seja deixado muito próximo do dispositivo.

Existem outras fontes emissoras de radiação?

Sim, qualquer equipamento elétrico ou eletrônico se constitui numa fonte geradora de ondas, que produz campos eletromagnéticos ao seu redor.

Qual a correspondência entre raios e torres de celulares?

Por estar num ponto mais alto que os prédios ao seu redor, as torres são vistas pela maioria das pessoas como um fator que aumenta o número de raios no local. Mas isto não é verdade, pois elas apenas atraem para si as descargas que iriam incidir nos arredores, já que possuem dispositivos de pára-raios e uma eficaz malha de aterramento. Ou seja, as torres acabam se transformando num excelente dispositivo de segurança contra descargas atmosféricas.

Podemos considerar a torre como uma estrutura segura?

Sem dúvida. As edificações que as abrigam seguem todas as normas de construção civil estabelecidas pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Só para você ter uma idéia, as torres são dimensionadas para suportar ventos de 140 a 190 km/h, comuns apenas em ciclones e furacões. Isso porque os serviços de telecomunicações são considerados essenciais para a populações, principalmente em casos de cataclismos atmosféricos.

Notas finais:

Não cheguei a explicar sobre as operadoras de telefonia, por que o seu funcionamento e bem simples, e uma pesquisa pelo sistes das operadoras irão-lhe retornar essas informações.

Fonte: 0fx66.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Um comentário

  1. Muito interessante, gostei muito de aprender um pouquinho mais sobre esse aparelho tão usado atualmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+