Breaking News
Home / História Geral / Neocolonialismo

Neocolonialismo

PUBLICIDADE

Com a chamada Segunda Revolução Industrial na Europa, da segunda metade do Século XIX ao início do Século XX, as potências industriais da Europa, mais os Estados Unidos e o Japão passaram a disputar novas colônias para fornecer matérias-primas para suas fábricas além de novos mercados.

Os Estados Unidos lançava a doutrina Monroe de “A América para os americanos”, num claro aviso aos europeus que não deveriam interferir em seus interesses no continente, de outro lado os norte-americanos falam em uma política de “portas abertas” para a Ásia e África. O imperialismo americano se retrata na guerra contra a Espanha, primeiro para ajudar os cubanos em sua independência em 1898 e depois derrotou os espanhóis na conquista das Filipinas antiga colônia da Espanha na Ásia. Na América Latina os Estados Unidos adotou a “Big Stick” ou lei do grande porrete, onde ele se dava o direito de intervir militarmente para garantir seus interesses na América Central.

Mas as potências europeias estavam disputando entre si a “Partilha da África e da Ásia”, a Inglaterra vivia a Era Vitoriana, onde vivia seu maior apogeu, um império com colônias em todo planeta ou então seus produtos industrializados vendidos em todo planeta e outra marca do período vitoriano foi a grande moralidade inglesa, imposta pela Rainha Vitória (1819-1901).

Para justificar a dominação sobre os outros povos, os europeus fizeram o discurso do “Darwinismo Social” onde se dizia natural uma nação mais desenvolvida tecnologicamente explorar um povo com uma cultura mais primitiva. (Era uma alusão a teoria da Origem das Espécies de Darwin, onde se fala de seleção natural das espécies, em que diz que as espécies mais aptas ao meio sobrevivem e as menos aptas desaparecem).

Outro argumento era o etnocentrismo de que o europeu na verdade estava fazendo um favor aos africanos e asiáticos ao levar sua cultura cristã superior a eles. Neste período surgem livros como “Tarzan o homem das selvas”de Edgar Rice Burroughs (1875-1950), onde destaca a superioridade do homem branco sobre os outros seres e homens (racismo puro). E o “Livro das Selvas” de Rudyard Kipling (1865-1936) em que dizia que o homem branco tinha o fardo a civilização para os selvagens.

Era o capitalismo selvagem, o lucro a qualquer preço, hoje a maioria das guerras civis na África e na Ásia foi fruto do neocolonialismo, na África criaram-se países onde não havia.

Juntando tribos rivais que depois de conseguirem a independência das nações europeias passaram a guerrear entre si. É o chamado tribalismo.

Só para se ter uma ideia da ganância do imperialismo, os ingleses passaram a fabricar ópio na Birmânia e vender ao povo chinês, o ópio é uma droga extraída da papoula e que vicia muito fácil, mas destrói o cérebro de forma muito rápida. O imperador da China teve que entra em uma guerra contra a Inglaterra, foi a Guerra do Ópio (1839-1842 e 1856-1860), mas a China foi derrotada e pelo Tratado de Nanquim (1842) teve que abrir seus portos aos ingleses e em 1858 o Tratato de Tientsin (1858) aceitar a importação de ópio.

Mais tarde norte-americanos, alemães, franceses e russos vão querer concessões de comércio e territórios sobre a China, o Japão vai fazer uma guerra em 1894 para tomar um porto do país. Em resposta no ano de 1901, jovens chineses chamados de Boxers começaram a atacar prédios, navios e igrejas dos ocidentais no país, foi a chamada Guerra dos Boxers contra a dominação ocidental.

O neocolonialismo e a partilha da África

Neocolonialismo

A ocupação territorial, a exploração econômica e o domínio político do continente africano têm início no século XV e estende-se até o século XX.

No século XIX, após a Revolução Industrial, outras potências europeias, além de Portugal e Espanha, iniciam um nova corrida colonial: Reino Unido, Bélgica, França, Alemanha, Estados Unidos, Japão, Rússia e Itália. O objetivo era encontrar matérias ? primas para abastecer suas economias, mão de obra barata e novas regiões para investir o capital excedente, construindo ferrovias ou explorando minas.

Havia ainda o crescimento acelerado da população europeia e a consequente necessidade de novas terras para se estabelecer. No plano político ter colônias significava ter prestígio.

Entre os missionários havia quem considerasse um dever dos europeus difundir sua cultura e civilização entre os povos gentios, verdadeiros selvagens sem alma.

Na verdade, as ações dos evangelizados preparavam o terreno para o avanço do imperialismo no mundo afro-asiático.

O movimento intelectual e científico teve um papel determinante nesse processo, pois desenvolveram – se teorias racistas,a partir, a partir das teorias evolucionistas de Darwin, que afirmavam a superioridade da raça branca.

A competição entre as metrópoles na disputa por novos mercados e os conflitos gerados pelos interesses colonialistas criam tensões e instabilidades que determinam a partilha da África e desembocam a Primeira Guerra Mundial (1914 ? 1918).

A Conferência de Berlim (1884/85). Realizada em Bruxelas, na Bélgica, oficializa a divisão; a Europa fica com o domínio de 90% das terras africanas até 1914, assim distribuídas:

França: Tunísia, Argélia, Marrocos, parte do Saara, Senegal, Guiné, Costa do Marfim, Daomé (atual Benin), Gabão, Mali, Congo, Níger, Chade, Madagáscar (trocada com o Reino Unido por Zanzibar, atual Tanzânia) e Dijbuti.
Reino Unido:
 Egito, Gâmbia, Serra Leoa, Costa do Ouro (atual Gana), Nigéria, Rodésia (atuais Zâmbia e Zimbabwe), Quênia, Somália, Maurício, Uganda, Zanzibar (atual Tanzânia), Nassalândia (atual Malaw), União Sul-Africana, incluindo a antiga Colônia do Cabo e as ex ?repúblicas Bôeres de Natal, Orange e Transvaal, África do Sul, a atual Botswana, Basutolândia (atual Lesoto) e Suazilândia.
Alemanha: 
Togo, Camarões, Tanganica, Ruanda, Burundi e Namíbia.
Itália:
 Eritréia, Somália e o litoral da Líbia.

Portugal e Espanha mantêm as antigas colônias, conquistadas no período da expansão marítima. A Espanha fica com parte do Marrocos, Ilhas Canárias, Ceuta, Saara Ocidental e Guiné Equatorial.

Portugal continua em Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné Bissau e Moçambique.

As terras africanas assim ocupadas passam a demonstrar grande resistência após a partilha mas acabam sendo vencidas pela grande capacidade de manipulação europeia.

A ocidentalização do mundo africano arrasa com suas estruturas tradicionais, deixando um rastro de miséria e, acima de tudo, a perda da identidade cultural da raça.

Neocolonialismo – O que é

Neocolonialismo

Neocolonialismo pode ser definida como a continuação do modelo econômico do colonialismo depois de um território colonizado tem alcançado a independência política formal.

Este conceito foi aplicado mais comumente para a África, na segunda metade do século XX. Países europeus tinham colonizado a maior parte do continente no final do século XIX, que institui um sistema de exploração econômica em que as matérias-primas africanas, particularmente culturas de rendimento e minerais, foram expropriados e exportado para o benefício exclusivo da potência colonizadora.

A ideia do neocolonialismo, no entanto, sugere que, quando potências europeias concedida a independência política nominal de colônias nas décadas após a Segunda Guerra Mundial, eles continuaram a controlar as economias dos novos países africanos.

O termo “neocolonialismo” geralmente representa as ações e efeitos de certas características e agentes remanescentes da era colonial em uma determinada sociedade.

Estudos pós-coloniais têm mostrado extensivamente que, apesar de alcançar a independência, as influências do colonialismo e seus agentes ainda estão muito presentes na vida da maioria das ex-colônias. Praticamente, todos os aspectos da sociedade ex-colonizada ainda abrigam influências coloniais. Essas influências, seus agentes e efeitos constituem o tema do neocolonialismo.

Colonialismo e Neocolonialismo (1964), de Jean Paul Sartre, contém o primeiro uso registrado do termo neocolonialismo.

O termo tornou-se um tema essencial na filosofia africana, mais especialmente na filosofia política africana.

No livro, Sartre defendeu o desligamento imediato do controle da França sobre suas ex-colônias e a emancipação total da influência contínua das políticas francesas nessas colônias, particularmente na Argélia.

No entanto, foi em uma das Conferências de Todos os Povos Africanos (AAPC), um movimento de grupos políticos de países da África sob domínio colonial, que realizou conferências no final dos anos 1950 e início dos anos 1960 em Acra, Gana, onde o termo foi oficialmente usado na África. Na “Resolução de 1961 sobre Neocolonialismo” da AAPC, o termo neocolonialismo recebeu sua primeira definição oficial.

Foi descrito como a sobrevivência deliberada e contínua do sistema colonial em estados africanos independentes, ao transformar esses estados em vítimas de formas políticas, mentais, econômicas, sociais, militares e técnicas de dominação realizadas por meios indiretos e sutis que não incluíam violência direta.

Com a publicação de Neo-colonialismo: a última fase do imperialismo de Kwame Nkrumah em 1965, o termo neocolonialismo finalmente ganhou destaque. Desde então, o neocolonialismo se tornou um tema na filosofia africana em torno do qual um corpo de literatura se desenvolveu e foi escrito e estudado por acadêmicos na África subsaariana e além. Como tema da filosofia africana, a reflexão sobre o termo neocolonialismo requer uma reflexão crítica sobre o atual estado socioeconômico e político da África após a independência do domínio colonial e sobre a existência continuada das influências socioeconômicas e socioeconômicas dos ex-colonizadores. ideologias políticas na África.

Neocolonialismo – Definição

Neocolonialismo são as políticas econômicas pelas quais um grande poder indiretamente mantém ou se estende a sua influência sobre outras áreas ou pessoas.

É a política de uma nação forte na busca de hegemonia política e econômica sobre uma nação independente ou área geográfica extensas sem necessariamente produzir a nação ou na área subordinada ao estatuto jurídico de uma colônia.

Neocolonialismo é o uso de pressão cultural, econômica e política para influenciar e controlar decisões em países independentes que foram ex-colônias. O fenômeno é predominante entre nações desenvolvidas a países em desenvolvimento.

Neocolonialismo é um sistema no qual os ex-senhores coloniais de uma nação continuam a dominar seus países coloniais, tais como países, apesar de serem independentes.

Inclui vestígios do colonialismo que existe de diferentes maneiras, incluindo o uso de línguas coloniais, marginalização de culturas de povos indígenas e outros meios econômicos e políticos de dominação de tais povos indígenas por seus antigos senhores coloniais.

Colonialismo e Neocolonialismo

Na era do colonialismo dos séculos 15 ao 20, a prática era observada em todo o mundo.

colonialismo está estabelecendo colônias nos países em desenvolvimento pelo poder e depois explorando-as para seus benefícios. Naquela época, os países europeus buscaram o controle de muitos países africanos e asiáticos.

Por exemplo, a Índia estava politicamente sob o controle dos britânicos. A Índia, país em desenvolvimento, alcançou a liberdade quase depois de 200 anos, quando a maior parte de seus recursos foram usados por colonizadores.

Mas no período do século 20, após a Segunda Guerra Mundial, surgiu um novo termo conhecido como Neocolonialismo. Foi uma questão de confusão para o sociólogo, pois também foi o colonialismo. Mais tarde, porém, concluiu-se que a neocolonização é uma prática em que o domínio está presente, mas não há uma liderança política direta. Por exemplo, um país pobre precisa de algum dinheiro, e um país rico o fornece em nome da dívida, o país anterior perde sua parcela de terras, recursos e trabalho. Foi observado pela primeira vez por Kwame Nkrumah, o ex-presidente de Gana na época em que os países africanos estavam saindo da colonização.

A neocolonização era uma ideia de controle, mas também era responsável pela exploração das nações em lugar do desenvolvimento dos países pobres. A única coisa que a neocolonização deu à sociedade foi mais subdesenvolvimento em nome das dívidas. A quantia que uma nação deveria usar para sua melhor industrialização é usada no pagamento de dívidas à medida que a taxa de juros aumenta com o passar do tempo.

Um dos maiores empréstimos internacionais foi visto quando os países africanos solicitaram um empréstimo de 200 bilhões de dólares americanos ao Banco Mundial, mas depois todos sabiam que seria impossível reembolsá-lo. Assim, o economista norte-americano Jeffrey Sachs, um economista popular, pediu a cassação do empréstimo para a supressão da prática da neocolonização.

Mas os africanos não seguiram seu conselho e organizaram seu processo de empréstimo porque as crianças pobres estavam morrendo de fome e menos saneamento.

Por exemplo, mesmo após conquistar a independência, muitos países enfrentam uma neocolonização que ainda impede seu crescimento. Nos pesquisadores marxistas, esse termo teve sua origem e Karl Marx colocou a Índia nos países do Modo de Produção Asiático.

Neocolonialismo – História

Neocolonialismo

Do final do século XIX até a segunda metade do século XX, alguns países europeus, como Grã-Bretanha, França, Bélgica e Portugal, colonizaram um grande número de nações africanas, estabelecendo sistemas econômicos que permitiam uma exploração aparentemente extensa.

Décadas após a Segunda Guerra Mundial, essas nações europeias concederam independência política às suas colônias na África, mas ainda encontraram uma maneira de manter sua influência econômica e poder sobre as ex-colônias. A partir da década de 1950, quando muitas colônias africanas começaram a ganhar independência, elas logo perceberam que a libertação real que haviam previsto era estranha. Portanto, apesar da assunção de africanos a posições de liderança

, os africanos logo perceberam que a atmosfera econômica e política ainda estava sob alguma forma de controle dos antigos senhores coloniais. Por implicação, a África pós-colonial continuou a experimentar a dominação do modelo econômico de estilo ocidental que prevaleceu durante o período do colonialismo.

Parece que os ex-senhores coloniais queriam apenas conceder independência política às suas ex-colônias e não queriam que fossem libertadas do colonialismo.

É por isso que se infere que a situação que informa a implementação ideológica do neocolonialismo na África começou imediatamente após a independência política da maioria dos estados africanos.

Na África pós-colonial, eventos e situações revelaram como o neocolonialismo foi nutrido desde o momento em que a independência foi concedida.

Os elementos de influências neocoloniais que são aparentes nas interações continuamente existentes entre os ex-senhores coloniais e suas ex-colônias atestam essa afirmação. Por exemplo, a observação poderia ser feita com relação às interações em curso entre a França e os países da África francófona, como Camarões, Togo e Costa do Marfim, bem como entre a Grã-Bretanha e os países da África anglófona, como Gana, Nigéria e Gâmbia

No caso dos Camarões, particularmente após a fusão dos Camarões franceses com os Camarões do sul da Grã-Bretanha em 1961, a concessão de independência política aos Camarões pela França dependia de certas negociações em questões de defesa, política externa, finanças e economia, bem como assistência técnica.

Isso resultou na adoção e institucionalização do modelo constitucional da 5ª República Francesa, ao lado do domínio político, econômico, monetário e cultural francês nos novos Camarões (Martin 1985, 192).

Após a criação da zona do Franco Francês, que estabeleceu o Franco CFA como a moeda geral para todos os países francófonos, as colônias da África Ocidental foram amarradas em uma paridade fixa de 50: 1 ao franco francês, garantindo automaticamente ao governo francês o controle sobre todos atividades financeiras e orçamentárias (Goldsborough 1979, 72).

A França também continuou sua presença militar em Camarões após a independência. A França estabeleceu acordos de assistência militar e de defesa com Camarões (Martin 1985, 193). Além disso, os franceses institucionalizaram vínculos linguísticos e culturais com todas as suas ex-colônias, criando assim o título “La Francophonie” que serviu de plataforma para reforçar a assimilação da língua, cultura e ideologia francesas (Martin 1985, 198).

Embora a Grã-Bretanha possa ter continuado a manter uma influência econômica indireta por meio de corporações multinacionais em suas ex-colônias, os efeitos diretos das ideologias políticas e sociopolíticas neocoloniais britânicas diminuíram significativamente ao longo dos anos. No entanto, o Ocidente em geral mantém uma forma indireta de dominação sobre todos os países africanos em desenvolvimento por meio de empréstimos do Banco Mundial ou do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Essa forma de neocolonialismo é feita por meio de ajudas estrangeiras ou investimentos estrangeiros diretos, onde condicionalidades financeiras estritas ou severas são impostas.

Essa condicionalidade muitas vezes torna o estado neocolonial subserviente à vontade econômica e às vezes política do doador estrangeiro.

Claramente, a partir dessa breve história do neocolonialismo na África, pode-se perceber que o próprio colonialismo teve uma dimensão epocal na história da África contemporânea.

É por isso que o estudo do neocolonialismo se tornou crítico para o estudo da história e da política africanas. No entanto, é mais crucial para o campo da filosofia africana devido à necessidade de refletir sobre os impactos sociopolíticos e morais do neocolonialismo na África.

Neocolonialismo: conceitos relacionados

Incluídos nos temas da Filosofia Africana, especialmente da Filosofia Social e Política Africana, estão os conceitos relacionados de neocolonialismo, colonialismo, imperialismo e descolonização. Isso é com razão por causa dos eventos e atividades da agenda dos expansionistas europeus que ocorreram, especialmente na história moderna da África. Embora esses eventos de época tenham precedido um ao outro, os métodos e a práxis do colonialismo, imperialismo e neocolonialismo são apenas ligeiramente diferentes. Seus denominadores comuns incluem subjugações sociais, econômicas, políticas e culturais dos colonizados.

No entanto, o conceito de descolonização difere essencialmente dos demais. Enquanto outros estão conceitualmente ligados à exploração e dominação, a descolonização é um meio de libertação, que poderia ser por meio de uma forma de revolução social, cultural, política e econômica.

Fonte: Frederico Czar (Professor de História)/iep.utm.edu/www.igi-global.com/www.sociologygroup.com/www.ihu.unisinos.br/Portal Alexandria

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.