Breaking News
Home / História Geral / História do Chapéu

História do Chapéu

PUBLICIDADE

Não há muitos registros oficiais de chapéus antes de 3.000 a.C, eles provavelmente eram comuns antes disso.

Uma das primeiras representações pictóricas de um chapéu aparece em uma pintura do túmulo de Tebas, no Egito, que mostra um homem vestindo um chapéu de palha cónico, datado de cerca de 3200 aC.

Chapéus eram comumente usadas no Egito antigo. Muitos egípcios da classe alta raspavam a cabeça, em seguida, cobriam com uma mantilha. Mesopotâmicos antigos, muitas vezes usavavam chapéus cônicos.

Outros primeiros chapéus incluem o Pileus, um crânio simples como tampa; o barrete frígio, usado por escravos libertados na Grécia e em Roma (que se tornou um ícone na América durante a Guerra Revolucionária e da Revolução Francesa, como um símbolo da luta pela liberdade contra a monarquia); e os gregos petasos, o primeiro chapéu conhecido com uma borda. As mulheres usavam véus, lenços, bonés e capuzes, toucas.

Na Idade Média, os chapéus eram um indicador de status social e usado para destacar determinados grupos.

Chapéus estruturados para as mulheres semelhantes aos dos cortesões do sexo masculino começaram a serem usados no final do século 16. O termo ‘modista’ vem da cidade italiana de Milão, onde os melhores chapéus foram feitos no século 18.

História do Chapéu

História

As primeiras coberturas para cabeça apareceram em torno do ano 4.000 a.C. no antigo Egito, na Babilônia e na Grécia quando o costume de usar faixas na cabeça tinha o intuito de proteger o cabelo.

Os turbantes, as tiaras e as coroas eram utilizadas por nobres, sacerdotes e guerreiros como símbolo de status social.

Hoje em dia, alguns profissionais também utilizam chapéus em suas vestimentas como soldados, marinheiros entre outros.

Na Antiga Roma os escravos eram impedidos de usarem chapéus. Quando eram libertados utilizavam um tipo de chapéu parecido ao barrete (boné em forma de cone, com a ponta caída para um lado), em sinal de liberdade.

Significado

A palavra CHAPÉU provém do latim antigo “cappa”, “capucho” que significa peça utilizada para cobrir a cabeça.

chapéu começou como apenas mais uma proteção contra os elementos.

Uma das maneiras que o homem tentou se adaptar à natureza é usando chapéus como meio de proteção. Depois disso, ele começou a usar chapéus também para outros fins.

CHAPÉUS MASCULINOS

Depois da Renascença (século XIV-XVI), os chapéus masculinos adquiriram diversos formatos, sendo ricamente enfeitados, e usados pelos homens poderosos. Data desta época o aparecimento das boinas, na Itália, constituídas de uma peça circular de tecido franzido nas laterais, contendo uma faixa por onde passava um cordão ajustável.

Alguns chapéus masculinos ainda guardam certa influência, sendo dotados de pequenos laços em seu interior destinados a ajustar seu tamanho. Outros tipos vieram a seguir, sendo um dos mais marcantes o chapéu de abas largas, enfeitado por peles, ou plumas de avestruz trazidos da América.

O uso dos cabelos compridos em cachos (moda posta em vigor no reinado de Luiz XIV, na França, que usava longos cabelos cacheados, e imitado por seus cortesãos que começaram a usar também perucas de cabelos naturais), fez com que se começasse a dobrar as abas dos chapéus, primeiramente de um lado, depois dos dois, aparecendo um seguida, o tipo “Tricórnio” – com duas dobras laterais e uma dobra na parte traseira – este hábito durou mais de um século.

Durante a Revolução Francesa (1789-1799), quando as vestimentas foram influenciadas de modo a torná-las mais simples, surgiram os chapéus de copa alta de formato côncavo, que se desenvolveram até darem origem às Cartolas.

Em 1900, o Chapéu Côco feito de feltro de lã e/ou pelo era o mais popular, aparecendo alguns anos depois os chapéus de palha, os do tipo marinheiro, etc., sendo que a grande maioria dos modelos se originou no Reino Unido.

CHAPÉUS FEMININOS

Os chapéus femininos evoluíram de forma diferente.

Na Idade Média (476-1453), as imposições religiosas obrigavam as mulheres a cobrir completamente os cabelos. O abrigo mais simples era constituído por uma peça de linho, caída sobre os ombros ou abaixo deles.

Os véus de noiva e as mantilhas das espanholas são sobrevivência da moda desse tempo.

No século XIII, costumava-se prender a este véu, duas faixas: uma sobre o queixo e outra sobre a testa, de modo semelhante ao hábito que as freiras ainda conservam.

No final da Idade Média, era hábito das mulheres colocar uma armação de arame com formatos de coração, borboleta, etc sob a peça de tecido tornando-os extravagantes. Os cabelos eram penteados para trás, escondidos, e, se cresciam na testa, eram raspados para que o chapéu fosse a atração principal. Em 1500 começa-se a usar os capuzes enfeitados com jóias e bordados.

Muitos outros tipos surgiram até o final do século XVIII, quando apareceram as primeiras Chapelarias (lojas onde se comercializam chapéus), que utilizavam em seus chapéus materiais como a palha, o feltro, tecidos, enfeites variados e elaborados de forma a combinar com os penteados altamente sofisticados da época.

Após a Revolução Francesa (1800), surgiram os gorros com abas largas, dotados de uma fita ou faixa que dava um nó abaixo do queixo. Confeccionados com materiais diversos (peles, cetim, veludo, feltro para o inverno e palha e tecidos finos para o verão) eram enfeitados com plumas e outros tipos de adornos.

Em 1860, esses gorros foram substituídos por chapéus de tecido e/ou outros materiais que eram presos à cabeça com alfinetes ou grampos, vindo esse tipo a se tornar muito popular na época.

No início do século XX os volumosos penteados da época originaram chapéus de grandes dimensões, que cobriam os penteados.

MODELOS MODERNOS

Chapéus Masculino e Feminino

Nas primeiras décadas do século XX, os chapéus masculinos em suas formas e estilos, alteraram-se pouco em oposição aos chapéus femininos, que conheceram diversos tipos, com freqüentes variações, até mesmo segundo as estações do ano.

Depois da década de 30 e até hoje, os chapéus passaram a ser encarados como um acessório de vestimenta e proteção.

Nos países tropicais, o uso dos chapéus tem função protetora contra o sol e contra as intempéries. Nos países e climas frios, o chapéu tem uso mais frequente sobretudo como proteção do vento e temperaturas baixas.

O chapéu é também um acessório importante de vestimenta para caracterizar personalidade de uma determinada pessoa através de suas diferentes formas, materiais e cores.

Chapéus Modernos

O chapéu panamá era um chapéu tradicional no Equador. Recebeu esse nome no século 19 porque era transportado do Panamá para outros lugares.

Sherlock Holmes não foi descrito como usando um espreitador de cervo nas histórias de Arthur Conan Doyle, mas ele foi mostrado em ilustrações usando um. Desde então, o espreitador de cervos está associado a ele.

No século 19, novos tipos de chapéu foram inventados. A Revolução Industrial tornou possível a produção em massa de chapéus. O chapéu-coco foi inventado em 1849.

Um homem chamado Edward Coke encomendou uma espécie de chapéu protetor para seus guarda-caça usarem. (Ele protegeria suas cabeças de galhos enquanto eles estavam cavalgando.

Foi feito pelos fabricantes de chapéus Thomas e William Bowler, que lhe deram o nome. (Nos EUA é chamado de Derby). O Stetson foi inventado na década de 1860 por John B Stetson.

O Fedora foi inventado em 1883. Seu nome vem de uma peça chamada Fedora de Victorien Sardou. Em 1894, George Du Maurier escreveu um romance chamado Trilby.

Foi adaptado como uma peça e um personagem usava um chapéu que eventualmente ficou conhecido como chapéu de feltro. Um chapéu alemão, o Homburg tornou-se popular quando o Príncipe Eduardo, o futuro Eduardo VII, visitou a Alemanha e comprou um. O boné de beisebol evoluiu no final do século 19, mas eles não eram usados normalmente, exceto em jogos até os anos 1970.

No século 19, estava na moda as mulheres usarem gorros. Muitas vezes eram decorados com fitas. No início do século 20, chapéus redondos decorados com flores ou penas estavam na moda. Na década de 1920, o chapéu cloche, um chapéu em forma de sino era popular. Em meados do século 20, uma vasta gama de estilos de chapéus femininos estava na moda.

No início da década de 1960, Jacqueline Kennedy popularizou o chapéu casamata. Enquanto isso, durante o século 20, capacetes para proteger as cabeças dos trabalhadores foram desenvolvidos.

No entanto, no final do século 20, usar chapéus como parte da roupa do dia-a-dia tornou-se muito menos comum.

Chapéus Antigos

As pessoas usam chapéus desde os tempos antigos. Eles protegeram a cabeça dos elementos. Mas os chapéus às vezes também mostravam a riqueza e o status de uma pessoa. Na Grécia Antiga, as pessoas às vezes usavam chapéus de abas largas para se proteger do sol.

Na Europa, na Idade Média, os homens usavam gorros ou boinas. No início da Idade Média, as mulheres usavam véus. No final da Idade Média, os chapéus femininos tornaram-se muito elaborados.

Algumas mulheres ricas usavam um chapéu alto e cônico chamado hennin. Outras mulheres usavam chapéus com dois “chifres”.

No século 16, todas as pessoas usavam chapéus. No início do século 16, os homens usavam bonés, mas no final do século, eles usavam chapéus com coroas altas. No século 17, os homens usavam chapéus com abas largas. No século 18, eles mudaram para um chapéu tricórnio triangular. A cartola de seda foi inventada no final do século XVIII.

No início do século 16, as mulheres usavam chapéus chamados de capuzes de empena (porque se pareciam com as empenas nas pontas dos telhados). No entanto, Ana Bolena introduziu o capô francês curvo na Inglaterra. Então, no final do século 16, os bonés ficaram na moda. Mulheres ricas usavam penas de avestruz em seus gorros.

As mulheres pobres geralmente usavam um boné de linho chamado touca.

No século 18, as mulheres ainda usavam bonés. As mulheres às vezes usavam um chapéu de palha chamado chapéu de pastor para dar sombra ao rosto. Mulheres elegantes também usavam chapéus com plumas.

INDÚSTRIA DE CHAPÉUS

Os materiais mais empregados tradicionalmente na indústria de chapéus são o feltro, a palha e o tecido. O primeiro é obtido tanto do pelo de animais (coelho, lebre, castor, nutria e carneiro) – originando diferentes tipos e qualidades. Na categoria das palhas, incluem-se diversos tipos de fibras vegetais (folhas e caules), como a juta, o sisal, a ráfia, seagrass, etc.

Além de misturas variáveis que resultam em produtos mais rudes (geralmente usados em artesanato), até materiais industrializados e mais refinados (como o Panamá), atualmente a tendência é a utilização de materiais artificiais, principalmente nos chapéus destinados ao abrigo das intempéries, no sentido de impermeabilização.

O maior produtor mundial de chapéus é os EUA. No Brasil, os Estados que produzem mais chapéus são São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Ceará. Embora importe alguns tipos de chapéus, o Brasil também exporta outros tipos, sobretudo os de feltro de lã e os de palha de carnaúba.

Os materiais usados na confecção de chapéus variam conforme os países e as regiões, dependendo das substâncias disponíveis ou dos costumes das pessoas.

Em geral o material deve ser usado dependendo sempre do feitio e da função do chapéu. Por exemplo, os chapéus para chuva geralmente são à prova d’água e os chapéus de verão são feitos de palha e tecido leve.

Uma breve história dos chapéus

3200 aC – Uma das primeiras representações pictóricas de um chapéu aparece em uma tumba de Tebas. Uma pintura na parede mostra um homem usando um chapéu de palha de cule.

70 aC – Um jovem chefe dinamarquês cai em um pântano quase em perfeitas condições, junto com seu couro remendado e seu gorro de pele. Esta é uma das primeiras representações físicas de chapéus que foram encontradas.

50-818 DC – De acordo com a lenda, São Clemente descobriu a sensação quando, como um monge curioso, encheu suas sandálias com lã cardada para proteger seus pés. A umidade e a pressão de caminhar comprimiam as fibras em um feltro bruto, mas confortável. Chapeleiros da Irlanda e de alguns outros países o celebraram como o santo padroeiro dos fabricantes de chapéus de feltro.

1529 DC – A palavra modista, que significa fabricante de chapéus, foi registrada pela primeira vez em referência aos produtos pelos quais Milão e as regiões do norte da Itália eram bem conhecidas (ou seja, fitas, luvas e canudos). Os armarinhos que importavam essas palhas altamente populares eram chamados de ‘Millaners’.

1797 DC – John Hetherington agita um motim nas ruas e ganha uma multa de £ 500. O que ele fez, você pergunta? Ele usava uma cartola! Sua grande altura e brilho de seda brilhante incitavam terror e pânico.

1865 DC – John B. Stetson começa a vender seu chapéu “Boss of the Plains”, o mesmo estilo que ele originalmente moldou em torno de uma fogueira durante uma viagem para o oeste.

1875 DC – O primeiro Kentucky Derby anual marca o maior evento de moda de chapéus na América.

15 de janeiro de 19 ?? – Embora o ano exato seja desconhecido, 15 de janeiro marca o Dia Nacional do Chapéu não oficial. Rumores afirmam que este “feriado” foi meramente iniciado por entusiastas de chapéus, sem nenhum outro motivo além de comemorar seus chapéus favoritos!

30 de abril de 2011 – O casamento real do Príncipe William e Kate Middleton marca uma nova era dos chapéus femininos, trazendo-os de volta aos holofotes.

Embora não saibamos exatamente quando o primeiro chapéu foi criado, é provável que tenha se originado junto com outras formas básicas de roupa.

A humanidade buscou proteção contra os elementos e os chapéus tinham implicações práticas, porém eles também eram usados puramente para adornos; muito parecido com hoje.

Os chapéus têm uma longa história como marcadores de status, ocupação e até filiação política.

Dado o significado conferido aos chapéus em épocas anteriores, parece ainda mais notável que, pela primeira vez desde o Império Romano, nos encontremos em um período em que é normal ver homens e mulheres sem chapéu. No entanto, cada chapéu tem sua própria história única e significado individual nas sociedades do passado e do presente.

Os chapéus têm continuado a prosperar ao longo dos tempos, com maior prevalência entre o século XVIII e o início da metade do século XX. Até o final de 1700, chapéus gigantes com plumas como o tricorne e o bicorne governaram o dia.

Essas peças de cabeça ostentosas podiam ser colocadas com segurança em perucas empoadas e eram favorecidas pelo rei Luís XIV e Napoleão.

Durante a Revolução, enquanto a definição de “classe” era combatida, a cartola se tornou um símbolo de mudança. Era usado por homens em todas as categorias sociais, sinalizando a transição da aristocracia extravagante para a sofisticação urbana da modernidade.

Ao longo dos anos 1900, os chapéus continuaram a dominar como uma opção de moda “moderna” com um dos estilos mais famosos; o Fedora. É um chapéu “de cada homem” – um verdadeiro ícone – que, prevalecendo em popularidade há quase um século, não dá sinais de estar fora de moda.

Fonte: www.historyofhats.net/hatbox.com/en.wikipedia.org/www.chapeusriobranco.com.br/localhistories.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.