Breaking News
Home / História Geral / Independência da América Espanhola

Independência da América Espanhola

PUBLICIDADE

Independência da América Espanhola – O que foi

Independência da Espanha veio de repente durante a maior parte da América Latina.

Entre 1810 e 1825, a maioria das ex-colônias da Espanha havia declarado e ganharam a independência e dividiram-se em repúblicas.

A partir do século 15 em diante, os países sul-americanos foram colônias espanholas.

Mas a partir do século 16 em muitas revoluções ocorreram, incluindo a Revolução Francesa, que pôs fim à monarquia.

Na América do Sul as péssimas condições das classes trabalhadoras e escravos causou uma série de revoltas e Inglês tentou invadir colônias que pertenciam a Espanha.

Isso tudo gerou uma consciência do continente no que diz respeito às suas próprias capacidades e poderes e vários corpos militares locais foram criados. Por outro lado, a própria monarquia espanhola tinha planejado para dar total independência para os vice-reinados americanos, mas as coisas aconteceram e dramáticos acontecimentos interrompido estes processos sob Filipe IV reinado ‘s. O fato de que esses países todos tinham a língua espanhola em comum não é importante.

As causas para os movimentos de independência em cada país são diferentes e particular, mas a Revolução Francesa e a Declaração de Independência dos Estados Unidos são reconhecidos entre as influências que eram comuns para a maioria, se não todos.

Independência da América EspanholaCriollos

Mas é verdade que os crioulos queriam sua independência da Espanha e formar a sua própria nação. Eles queriam mais poder político e econômico. Eles acreditavam que o sistema colonial era injusto, pois foram excluídos do processo de tomada de decisão política.

Havia também as idéias liberais difundidas na América graças à ilustração. Outro fator importante foi a de que os crioulos não concordava com alguns aspectos da Constituição espanhola de 1812, como a distribuição de terras, o da igualdade política entre eles e os povos indígenas.

Algumas outras causas foram relacionadas à proeminência declínio de Portugal e Espanha, especialmente patente quando a invasão da Península Ibérica e do apoio que recebeu do Reino Unido e os EUA, que foram interesse na independência da Espanha destes países de Napoleão, o que permitiria uma fluxo mais livre de comércio, este apoio traduzido para financiamento e fornecimento de materiais para seus projetos de independência.

A Independência da Espanha – Processo

Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola

Processo de emancipação das colônias espanholas no continente americano durante as primeiras décadas do século XIX.

Resulta das transformações nas relações entre metrópole e colônia e da difusão das idéias liberais trazidas pela Revolução Francesa e pela independência dos EUA.

Recebe influência também das mudanças na relação de poder na Europa em conseqüência das guerras napoleônicas.

Durante o século XVIII, a Espanha reformula aspectos de seu pacto colonial.

A suspensão do monopólio comercial da Casa de Contratação de Sevilha dá maior flexibilidade às relações comerciais entre metrópole e colônia. Mas, ao mesmo tempo, procura impedir o desenvolvimento das manufaturas coloniais e combate o contrabando inglês. Essas medidas contrariam os interesses da elite colonial, os criollos (descendentes de espanhóis nascidos na América), que lideram a maioria dos movimentos emancipacionistas. Eles são considerados inferiores pela elite e proibidos de ocupar cargos públicos, civis ou militares.

As guerras travadas peloImpério Napoleônico alteram o equilíbrio de forças na Europa, que se reflete nos domínios coloniais. Em junho de 1808, Napoleão Bonaparte invade a Espanha, destrona o rei Carlos IV e seu respectivo herdeiro, Fernando VII. Impõe aos espanhóis um rei francês, seu irmão, José Napoleão (José I). Na América, os cabildos (instituições municipais que são a base da administração colonial), sob comando dos criollos, declaram-se fiéis a Fernando VII e desligam-se do governo de José I. Passam a exigir ainda maior autonomia, liberdade comercial e igualdade com os espanhóis.

Com a restauração da Monarquia após a derrota de Napoleão, a Espanha passa a reprimir os movimentos emancipacionistas. Diante dessa situação, a elite criolla decide-se pela ruptura com a metrópole.

Conta com a aprovação da Inglaterra, que, interessada na liberação dos mercados latino-americanos para seus produtos industrializados, contribui militar, financeira e diplomaticamente com as jovens nações.

O Paraguai proclama a independência em 1811 e a Argentina, em 1816, com o apoio das forças do general José de San Martín. No Uruguai, José Artigas lidera as lutas contra as tropas espanholas e obtém vitória em 1811. No entanto, a região é dominada em 1821 pelo rei dom João VI e anexada ao Brasil, sob o nome de Província Cisplatina, até 1828, quando consegue sua independência.

San Martín organiza também no Chile a luta contra a Espanha e, com o auxílio do líder chileno Bernardo O”Higginsjump: BAHFF, liberta o país em 1818. Com isso, alcança o Peru e, com a ajuda da esquadra marítima chefiada pelo oficial inglês Lord Cockrane, torna-se independente do país em 1822.

Enquanto isso, no norte da América do Sul, Simón Bolívar atua nas lutas pela libertação da Venezuela (1819), da Colômbia (1819), do Equador (1822) e da Bolívia (1825).

Em 1822, os dois líderes, Bolívar e San Martín, reúnem-se na cidade de Guayaquil, no Equador, para discutir o futuro da América hispânica.

Bolívar defende a unidade das ex-colônias e a formação de uma federação de repúblicas, e San Martín é partidário de governos formados por príncipes europeus.

A tese de Bolívar volta a ser discutida no Congresso do Panamá, em 1826, mas é rejeitada.

Em toda a América hispânica há participação popular nas lutas pela independência, mas a elite criolla se mantém hegemônica.

No México, no entanto, a mobilização popular adquire contornos de revolução social: a massa da população, composta de índios e mestiços, rebela-se ao mesmo tempo contra a dominação espanhola e contra os criollos.

Liderados pelos padres Hidalgo e Morelos, os camponeses reivindicam o fim da escravidão, a divisão das terras e a abolição de tributos, mas são derrotados.

Os criollos assumem a liderança do movimento pela independência, que se completa em 1821, quando o general Itúrbide se torna imperador do México.

O movimento pela emancipação propaga-se pela América Central (que havia sido anexada por Itúrbide), resultando na formação da República Unida da América Central (1823-1838), que mais tarde dá origem a Guatemala, Honduras, Nicarágua, Costa Rica e El Salvador.

O Panamá obtém independência em 1821 e a República Dominicana, em 1844.

Cuba permanece como a última possessão espanhola no continente até a Guerra Hispano-Americana.

Ao contrário da América portuguesa, que mantém a unidade territorial após a independência, a América espanhola divide-se em várias nações, apesar de tentativas de promover a unidade, como a Grã-Colômbia, reunindo Venezuela e Colômbia, de 1821 a 1830, a República Unida da América Central e a Confederação Peru-Boliviana, entre 1835 e 1838.

A fragmentação política da América hispânica pode ser explicada pelo próprio sistema colonial, uma vez que as diversas regiões do império espanhol eram isoladas entre si.

Essa situação favorece também o surgimento de lideranças locais fortes, os caudilhos, dificultando a realização de um projeto de unidade colonial.

As origens do movimento de independência na América espanhola

Durante o período colonial alguns setores da população crioula (descendentes espanhóis nascidos nas Américas) tornou-se cada vez mais frustrados com o domínio espanhol.

Seu descontentamento cresceu a partir da crença de que a ambição local e prosperidade foram reprimidas pelo colonial administrativo, fiscal e política comercial e o status superior conferido aos residentes de origem espanhola. Outra queixa foi a expulsão dos jesuítas em 1767 pela Coroa espanhola, a fim de garantir o seu poder nas colônias.

A ocupação da Espanha por Napoleão, em 1808, abriu o caminho para a independência dos territórios da América espanhola.

A crise constitucional na Espanha causado pela prisão de Fernando VII na França e a imposição de José Bonaparte no trono espanhol criou uma oportunidade para os crioulos para proclamar a sua independência da Espanha.

Revoltas generalizada e guerra civil eclodiu em toda a região e juntas (órgãos de governo locais) tomou o assunto em suas próprias mãos.

Fernando VII voltou ao trono espanhol em 1814 e iniciou uma “reconquista” das colônias hispano-americanas, mas a resolução da crise chegou tarde demais para conter a onda de rebelião.

As repúblicas hispano-americanas

Os territórios do século 17 passou por muitas mudanças após as guerras de independência.

As guerras civis entre facções crioulas e disputas territoriais trouxe um longo período de instabilidade.

Na ocasião, a autoridade real espanhola foi temporariamente restaurada. Circunstâncias variaram de região para região, mas a maioria das repúblicas estavam livres do domínio espanhol em meados da década de 1820.

Argentina: O processo de independência começou em 1810 com a criação de uma junta em Buenos Aires. A independência nacional foi declarada em 1816.
Bolívia: 
Anteriormente conhecida como Alto Peru. Em 1809, um levante revolucionário em Chuquisaca foi colocado para baixo. Lutando contra as forças espanholas durou até 1825.
Chile: 
A junta foi formada em Santiago, em 1810, mas o Chile foi retomada pelos espanhóis em 1814 Independência foi selado em 1818.
Colômbia: 
O Comunero Revolta de 1781 foi suprimido. Em 1810, uma junta foi formada em Bogotá e na luta pela independência continuou. A República da Grande Colômbia foi formada em 1819 e incluiu a Colômbia, Venezuela, Panamá e Equador. A união dividida em 1830.
Costa Rica: 
Independência da Espanha em 1821 parte dos Estados Unidos da América Central até a independência total em 1838.
Cuba: 
Em 1898, Espanha abandonou Cuba para os Estados Unidos. Cuba garantiu a sua independência em 1902.
República Dominicana: 
Declarou a independência em 1821, mas foi invadida por Haiti apenas algumas semanas mais tarde e ocupou até 1844. ataques haitianos significava que a República Dominicana voltou para o império espanhol entre 1861 e 1865.
Equador: 
A junta foi formada em Quito em 1809, mas a rebelião foi esmagada em 1812 Após a independência da Espanha em 1822, o Equador passou a fazer parte da República da Grande Colômbia. Ele retirou-se da união em 1830.
El Salvador: 
Independência em 1821 parte das Províncias Unidas da América Central até a região se separou em 1838 Nomeado El Salvador, em 1844.
Guatemala: 
Independência em 1821 parte das Províncias Unidas da América Central, uma federação formada em 1821, que também incluiu El Salvador, Honduras, Costa Rica e Nicarágua e dissolvida em 1838.
Honduras: 
Independência em 1821 Honduras separou-se as Províncias Unidas da América Central em 1838.
México: 
Guerra pela independência começou em 1810 Independência foi conquistada em 1821.
Nicarágua: 
Independência em 1821 Nicarágua separou-se as Províncias Unidas da América Central em 1838.
Panamá: 
Independência da Espanha em 1821 e, em seguida, tornou-se parte da República da Grande Colômbia. Tornou-se uma nação independente em 1903.
Paraguai: 
Independência da Espanha em 1811.
Peru: 
O levante Túpac Amaru em 1780 foi suprimido. Independência declarada em 1821.
Uruguai: 
Ocupado pelo Português e, em seguida, o Brasil recém-independente desde 1816 torna-se uma nação independente em 1828.
Venezuela: 
Em 1806, Francisco de Miranda lançou uma tentativa frustrada de libertar a Venezuela. Luta revolucionária começou de novo em 1810, mas a autoridade espanhola foi restaurada até 1821 Venezuela se separou da República da Grande Colômbia, em 1829.

Grã-Bretanha e da independência americana Espanhola

Britânicos oficiais navais e militares, soldados, marinheiros e aventureiros desempenhou um papel fundamental nas guerras que lutam com os patriotas e criação de novas repúblicas: as façanhas de Daniel O’Leary (companheiro mais próximo de Bolívar), William Miller, Thomas Alexander Cochrane e Gregor MacGregor são lendários, para não mencionar Richard Vowell, Alexander Alexander e muitos outros.

Grã-Bretanha foi a primeira grande nação da Europa a reconhecer a independência dos novos países da América espanhola. Ao dar este passo, o governo britânico queria proteger as novas nações formadas contra a ameaça de retaliação por parte de Espanha, estabelecendo relações comerciais com estes países, até então sob o monopólio econômico da metrópole. Americanos espanhol saudou este apoio internacional importante.

A instituição dos regimes republicanos nos novos países da América espanhola foi fortemente inspirado no sistema parlamentar britânico.

Matérias-primas e recursos minerais, bem como oportunidades de investimento e novos mercados potenciais para os produtos estrangeiros, atraídos Grã-Bretanha para os territórios da América espanhola.

Alguns dos estados incipientes receberam empréstimos britânicos e os acordos comerciais firmados com a Grã-Bretanha. Milhares de comerciantes ingleses passaram a residir na América espanhola. Da mesma forma, um número de espanhóis americanos residia em Londres, incluindo o intelectual Andrés Bello eo revolucionário Francisco de Miranda, ambos de Caracas.

Espanhol movimento de independência norte-americana foi observado com interesse na Grã-Bretanha e muitos livros relacionados foram publicados em Londres.

Os movimentos de independência e as Juntas

Mas é verdade que os crioulos queriam sua independência da Espanha e formar a sua própria nação. Eles queriam mais poder político e econômico. Eles acreditavam que o sistema colonial era injusto, pois foram excluídos do processo de tomada de decisão política.

Havia também as idéias liberais difundidas na América graças à ilustração. Outro fator importante foi a de que os crioulos não concordava com alguns aspectos da Constituição espanhola de 1812 , como a distribuição de terras, o da igualdade política entre eles e os povos indígenas.

Algumas outras causas foram relacionadas à proeminência declínio de Portugal e Espanha, especialmente patente quando a invasão da Península Ibérica e do apoio que recebeu do Reino Unido e os EUA, que foram interesse na independência da Espanha destes países de Napoleão, o que permitiria uma fluxo mais livre de comércio, este apoio traduzido para financiamento e fornecimento de materiais para seus projetos de independência.

Os movimentos de independência e as Juntas

Independência da América EspanholaJuntas

Se não tivesse sido para a ocupação napoleônica na Espanha não poderia ter acontecido em seguida. As aulas de espanhol pegou nos braços, que resultaram na Guerra da Independência Espanhola e a criação de auto-regulam Juntas (uma forma administrativa de governo que contempla um conselho de administradores, e não apenas uma pessoa que toma todas as decisões) nos diferentes províncias espanholas.

Durante os anos seguintes houve declarações em todo a América Latina para formar Juntas do governo americano, a fim de manter o rei Fernando VII direitos, apesar do fato de que Napoleão ele e seu pai em abrir mão da coroa para ajustar-se a seu irmão Joseph) tinha enganado. Estas Juntas Autónomas e mantiveram a sua independência da Espanha, seja ele o império napoleônico ou não.

Uma série de movimentos independentistas locais começaram desmentiu que as nomeações provenientes do governo colonial espanhol, e sua justificativa foi que os legítimos herdeiros da coroa espanhola tinha sido forçado a abdicar eo trono foi usurpado por Joseph Bonaparte.

Nos anos seguintes, no entanto, o conflito tornou-se ainda mais radical e as Juntas tornou-se um Congresso Nacional, em que cada estado declarou sua independência da Espanha.

Este processo iniciou-se no Paraguai em 1811 e terminou na Bolívia, 24 anos depois

Inevitavelmente, a violência seguiu. Os revolucionários desmentiu as autoridades monárquicas na América, eles estabeleceram repúblicas e exércitos.

O governo espanhol eo monarca restaurado Ferdinand VII negou a legitimidade das juntas do governo americano e grandes exércitos leais a realeza foram convocados, embora a maioria dos soldados eram americanos.

Independência da América EspanholaSimon Bolivar

Os principais atores da independência da Espanha teatro de guerra foram Simon Bolívar e José de San Martin, conhecido como os libertadores, e os líderes dos monarquistas foram Pablo Morillo e Viceroy Fernando Abascal.

Apesar dos esforços do país europeu para manter suas colônias como acampamentos de verão, mais cedo ou mais tarde, cada país da América do Sul ganhou sua independência da Espanha ao custo de sangue e morte e:

Primeiro Império Mexicano
Grande Colômbia
Províncias Unidas do Rio de la Plata
Chile
Peru
Bolívia

Eventualmente, estas primeiras nações resultaria em que os atuais:

Colômbia
Argentina
Uruguai
Chile
México
Equador
Peru
Bolívia
Panamá
Paraguai
Venezuela
México
Guatemala
El Salvador
Honduras
Nicarágua
Costa Rica
Brasil (o Brasil se tornou independente de Portugal, e não Espanha).

No entanto, o Caribe, Cuba e Porto Rico permaneceram parte do reino espanhol até 1898.

As Conseqüências

Muitas regiões da América do Sul foram empobrecidos após as guerras de independência, principalmente devido ao desaparecimento do monopólio do comércio e protecionismo.

Eles simplesmente não podiam competir com a Europa e Bolívar sonho de criar os Estados Unidos da América do Sul não no Congresso do Panamá em 1826.

Independência da América EspanholaCongresso do Panamá

No entanto, alguns são da opinião de que a independência da Espanha se beneficiou dos novos estados, porque eles tiveram a oportunidade de desenvolver em relação às suas próprias necessidades. Infelizmente não houve mudanças sociais reais para as raças misturadas, crioulos ou raças indígenas e escravos.

O espanhol parecia bastante indiferente, eles simplesmente não achava que era o seu problema. Para os comerciantes eo governo, uma importante fonte de renda desapareceu por completo, especialmente para a tesouraria. Mas a imersão em espanhol em suas próprias guerras civis estava em seu auge, esta e a perda de suas colônias americanas feitas de Espanha aa segunda potência mundial ordem.

Fonte: www.bl.uk/geocities.yahoo.com.br/www.spanishwars.net

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.