Breaking News
Home / História Geral / Batalha de Waterloo

Batalha de Waterloo

PUBLICIDADE

Waterloo reuniu cerca de 300.000 homens de Napoleão, que atacaram a Bélgica em direção a Bruxelas.

Em 18 de Junho de 1815 o futuro da Europa foi decidido entre os franceses (Napoleão) e ingleses, prussianos, alemães, holandeses e belgas (duque de Wellington).

Napoleão perde a guerra contra a Inglaterra e Prússia, selando assim o fim do império de Napolônico, de 1799 a 1815.

O ex-imperador, após abdicar de seu posto, foi deportado para Santa Helena.

Napoleão subiu na hierarquia do exército francês durante a Revolução Francesa, assumiu o controle do governo francês em 1799 e tornou-se imperador em 1804. Por meio de uma série de guerras, ele expandiu seu império pela Europa ocidental e central. A Batalha de Waterloo, na qual as forças de Napoleão foram derrotadas pelos britânicos e prussianos, marcou o fim de seu reinado e do domínio da França na Europa.

Batalha de Waterloo foi travada em 18 de junho de 1815 entre o exército francês de Napoleão e uma coalizão liderada pelo duque de Wellington e o marechal Blücher. A batalha decisiva de sua época, concluiu uma guerra que durou 23 anos, encerrou as tentativas francesas de dominar a Europa e destruiu o poder imperial de Napoleão para sempre.

Rescaldo da Batalha de Waterloo

De volta a Paris, Napoleão abdicou pela segunda vez. Quando sua tentativa de escapar para a América foi frustrada, ele se jogou à mercê dos britânicos, que o tiraram da França a bordo de um de seus navios.

Ele foi levado para a ilha de Santa Helena, no sul do Oceano Atlântico. Lá ele permaneceu, ditando suas memórias. Após seis anos de exílio, ele morreu em 1821, dois dias depois de receber uma dose extremamente forte de calomelano para sintomas que provavelmente se deviam aos estágios iniciais do câncer de estômago, doença que também afetou seu pai e sua irmã, Pauline.

Existem teorias há muito tempo, no entanto, de que ele foi envenenado com arsênico. Para um exame detalhado das evidências conflitantes, consulte “Arsênico e o Imperador”, de Barbara Krajewska em Napoleon.

Emmanuel Grouchy fugiu para a América, mas voltou para a França em 1821, quando o rei Luís XVIII o restabeleceu com todos os títulos, exceto o de marechal.

Esse título foi posteriormente devolvido a ele por Louis-Philippe, que também o nomeou um Par da França. Grouchy morreu em 1847 aos 80 anos.

Michel Ney se tornou o único marechal de campo francês da campanha de 1815 a ser executado. Quando Napoleão voltou do exílio para a França, Ney, a serviço do rei, jurou “trazer o aventureiro de volta a Paris em uma gaiola de ferro”. Em vez disso, influenciado pela personalidade de Napoleão e pelas memórias de suas vitórias anteriores, ele escolheu servir ao Pequeno Imperador.

Por isso, foi executado por um pelotão de fuzilamento em 7 de dezembro de 1815, pouco mais de um mês antes de completar 46 anos.

Von Blücher, já um comandante de combate altamente respeitado, embora não fosse um grande mestre em estratégia ou tática, voltou para casa do campo de Waterloo como um herói nacional. Ele tinha 72 anos e se aposentou quando Napoleão voltou do exílio. Após a derrota de seu antigo inimigo, o marechal prussiano retirou-se novamente para sua propriedade na Silésia e continuou a desfrutar do álcool, do fumo e de outros vícios pelos quais sempre havia demonstrado grande capacidade até sua morte em 1819.

Arthur Wellesley, duque de Wellington, está entre os líderes militares mais influentes de todos os tempos, não por quaisquer inovações, mas por sua capacidade de dominar as manobras, o apoio da artilharia e o uso do terreno para exibir gênio tático e estratégico. Apelidado de “Duque de Ferro”, em homenagem a Waterloo, ele passou 30 anos no gabinete e no parlamento da Grã-Bretanha; ele se tornou primeiro-ministro em 1828 e comandante-em-chefe do Exército britânico em 1842. Dez anos depois, ele morreu em Walmer Castle, Kent, aos 83 anos.

Ele foi enterrado na Catedral de São Paulo em Londres.

Queda definitiva de Napoleão aconteceu com a Batalha de Waterloo

Entre 1799 e 1815, a política europeia está centrada na figura carismática de Napoleão Bonaparte, que de general vitorioso se torna imperador da França, com o mesmo poder absoluto da realeza que a Revolução Francesa derrubara.

Batalha de Waterloo
Batalha de Waterloo

Napoleão Bonaparte, jovem general corso, começa a se destacar como militar em 1795, quando sufoca uma revolução monarquista em Paris.

Depois de ter se destacado na guerra contra a Itália e na Campanha do Egito, Napoleão é escolhido para chefiar o golpe que depõe o Diretório, em 18 brumário.

Em 10 de novembro de 1799 (dia 18 brumário, segundo o calendário republicano) Napoleão Bonaparte, com o auxílio de militares e membros do governo, derruba o Diretório, dissolve a Assembléia e implanta o Consulado, uma ditadura disfarçada. O golpe de 18 brumário retoma princípios do Antigo Regime e encerra dez anos de lutas revolucionárias que influenciariam profundamente os movimentos de independência na América Latina e a organização dos países da Europa.

Em 1804 Napoleão cria o Império, espécie de monarquia vitalícia que se sustenta pelo êxito das guerras e reformas internas.

O Consulado é o período de 1799 a 1804, no qual Napoleão promulga uma nova Constituição, reestrutura o aparelho burocrático e cria o ensino controlado pelo Estado. Em 1801 declara o Estado leigo, com a subordinação do clero às autoridades seculares. Em 1804 promulga o Código Napoleônico, que garante a liberdade individual, a igualdade perante a lei, o direito à propriedade privada, o divórcio e incorpora o primeiro código comercial. Em 1805 a França volta a adotar o calendário gregoriano. Napoleão realiza um governo ditatorial, com censura à imprensa e repressão policial, com o apoio do Exército.

Após um plebiscito, Napoleão coroa-se imperador, em 1804, com o nome de Napoleão I. Intervém em toda a Europa, derrotando as tropas austríacas, prussianas e russas, e passa a controlar a Áustria, Holanda, Suíça, Itália e Bélgica. Avança na Espanha mas enfrenta resistência de guerrilheiros locais. Temendo a expansão napoleônica, a família real portuguesa foge em 1808 para o Brasil, sua colônia na América. Em 1812 o Império Napoleônico incorpora 50 milhões dos 175 milhões de habitantes do continente europeu e introduz as reformas burguesas nos demais países da Europa, quebrando as estruturas feudais remanescentes.

Impõe o sistema métrico decimal, implanta o direito moderno e difunde amplamente as idéias de liberdade e igualdade da Revolução Francesa.

Em 1806, Napoleão decreta o Bloqueio Continental contra a Inglaterra, após a derrota dos exércitos franceses em Trafalgar, na Espanha.

A França proíbe que qualquer país europeu abra seus portos ao comércio com a Inglaterra. O objetivo é enfraquecer os ingleses e reservar o mercado continental europeu às manufaturas francesas.

O bloqueio recebe a adesão da Espanha e da Rússia em 1807. Portugal, aliado da Inglaterra, recusa-se a aderir e é invadido pelas tropas francesas.

Em 1812, a pretexto de punir o abandono do Bloqueio Continental pela Rússia, Napoleão declara guerra a Moscou, mas a campanha, em pleno inverno, é um desastre.

Diante da iminência da invasão o governador russo ordena que as pessoas abandonem Moscou e incendeia a cidade. O Exército napoleônico encontra apenas destroços. Dos 600 mil homens, sobram cerca de 37 mil para fazer a retirada.

A derrota de Napoleão na Rússia incentiva a formação de uma coalizão reunindo russos, ingleses, espanhóis, prussianos, suecos e austríacos contra a França. Em 1813, os exércitos aliados conseguem derrubar o sistema napoleônico e libertar a Alemanha, a Holanda e o norte da Itália. Em 1814 tomam Paris e formam um governo provisório, dirigido por Talleyrand, que depõe Napoleão. Ele abdica do posto do imperador e exila-se na ilha de Elba, que obtém como principado. Os Bourbon retornam ao poder e entronizam Luís XVIII, irmão de Luís XVI (guilhotinado durante a Revolução Francesa).

Napoleão, do fundo de seu retiro, não deixava de se informar do que sucedia no continente. Conhecendo as deficiências do governo, sabe que o exército quer vê-lo novamente no comando.

Foi em tais circunstâncias que Napoleão fugiu da Ilha de Elba e desembarcou na costa Meridional da França, a 1º de março de 1815.

Foi recebido em toda a parte com alegria delirante pelos camponeses e pelos ex-soldados.

A partir de 20 de março de 1815, Napoleão reinará por mais cem dias. A retomada do poder, entretanto, não fez ressurgir o antigo despotismo imperial. O regime se reorganizará através de um “Ato Adicional” à Constituição, tornando-se um império liberal.

Os soberanos coligados, então reunidos no Congresso de Viena, surpreendidos com o acontecimento, renovam a aliança, declaram Napoleão fora da lei e decidem levantar novo exército destinado a destruir de vez Napoleão Bonaparte. Entendendo ser melhor tomar a ofensiva, a fim de frustrar os planos de seus inimigos, Napoleão marcha sobre a Bélgica e vence os prussianos, comandados por Blucher, em Ligny. Dias depois, em 18 de junho, em Waterloo, foi fragorosamente derrotado pelo Duque de Wellington e pelo general Blucher, à frente de um exército coligado. No dia 21 de junho, Napoleão abdicou pela segunda vez, sendo deportado em exílio definitivo para a ilha de Santa Helena, onde morre em 5 de maio de 1821. A dinastia dos Bourbons voltou a reinar na França. Era o fim do império.

Fim das Guerras Napoleônicas

Batalha de Waterloo
A Batalha de Waterloo marcou a derrota final de Napoleão Cuirassiers atacando os Highlanders durante a
Batalha de Waterloo em 18 de junho de 1815, Felix Philippoteaux, óleo sobre tela, 1874

Batalha de Waterloo pôs fim às Guerras Napoleônicas de uma vez por todas, finalmente frustrando os esforços de Napoleão para dominar a Europa e trazendo o fim de um período de 15 anos marcado por guerras quase constantes.

Claro, Napoleão já havia sido derrotado um ano antes, apenas para escapar do exílio em Elba e montar um esforço estimulante para reavivar suas aspirações militares ao longo dos “Cem Dias”, uma última campanha de suspiro que viu o imperador francês proscrito liderar o Armée du Nord para a batalha com a Sétima Coalizão.

Mesmo que seus esforços nunca tivessem sucesso, dada a incompatibilidade militar que suas tropas enfrentavam, a ousadia do renascimento de Napoleão, sem dúvida, preparou o cenário para o dramático desfecho de Waterloo.

O significado da Batalha de Waterloo em 18 de junho de 1815 está intimamente ligado à incrível história de um homem: Napoleão Bonaparte. Mas, embora seja no contexto da vida notável e da carreira militar de Napoleão que a famosa batalha é mais lembrada, o impacto mais amplo de Waterloo não deve ser subestimado.

Não se engane, os acontecimentos daquele dia sangrento mudaram o curso da história. Como escreveu Victor Hugo, “Waterloo não é uma batalha; é a face mutável do universo ”.

Batalha de Waterloo – Resumo

Batalha de Waterloo na Bélgica (18 de junho de 1815) foi a batalha culminante que encerrou permanentemente as Guerras Napoleônicas (1803–1815) e escreveu o final da carreira espetacular de Napoleão Bonaparte, Imperador da França. Opondo-se ao seu exército francês estavam as tropas de uma força anglo-holandesa (Grã-Bretanha e nações aliadas – Holanda, Bélgica e o estado alemão de Hanover) sob o comando de Arthur Wellesley, primeiro duque de Wellington, e um exército prussiano liderado por Marechal de campo Príncipe Gebhard von Blücher.

A batalha começou por volta do meio-dia e terminou naquela noite com o exército de Napoleão em retirada. Tão significativa foi a derrota do “Deus da Guerra” Napoleão que, desde que um indivíduo, força ou movimento aparentemente imparável é derrotado, diz-se que “encontrou seu Waterloo”.

Batalha de Waterloo
Napoleão em Santa Helena: o imperador francês terminou seus dias lentamente envenenado pelos ingleses

O campo de batalha estava na verdade ao sul da vila de Waterloo, perto de Mont St. Jean, com seu centro indo de norte a sul ao longo da estrada Charleroi-Bruxelas.

Os despachos de Wellington foram enviados de Waterloo, e esse nome foi dado à batalha pelos britânicos. Os franceses chamam o evento de Batalha de Mont St. Jean. Blücher preferia chamá-la de batalha de “La Belle Alliance”, o nome de uma casa de fazenda onde Napoleão tinha seu quartel-general e onde os comandantes britânicos e prussianos se reuniam após a batalha.

La Belle Alliance pode ser interpretada como uma referência à aliança multinacional que derrotou o imperador francês, mas o nome da fazenda, que antecedeu a batalha, teria se originado de uma “aliança belle” entre a dona da casa e um de seus lavradores após a morte de seu segundo marido.

A força francesa consistia em cerca de 72.000 homens, incluindo 48.000 infantaria, 11.000 cavalaria e 250 canhões. Outros 33.000 homens sob o comando do marechal Emmanuel Grouchy estavam em Wavre, ao sul de Waterloo, e não participaram da batalha.

O exército anglo-holandês (tropas britânicas, holandesas, belgas e hanoverianas) liderado pelo duque de Wellington tinha aproximadamente 67.000 homens – cerca de 50.000 infantaria, 11.000 cavalaria e tripulações de 150 canhões. Os prussianos sob o comando de Blücher viram aproximadamente 48.000 de seus homens e 135 armas em combate.

Fonte: www.conhecimentosgerais.com.br/www.dw.de/www.history.com/www.nam.ac.uk/www.historynet.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.