Breaking News
Home / História Geral / Terceira Guerra Púnica

Terceira Guerra Púnica

PUBLICIDADE

 

Terceira Guerra Púnica (149-146 aC)

Embora impotente militarmente, as fortunas comerciais de Cartago reviveu significativamente durante os próximos 50 anos.

Foi a inveja de classe mercantil de Roma, ajudado por amigos no Senado romano, que trouxe na última das guerras púnicas.

A determinação de alguns políticos romanos liderada por Catão, o Censor e sua incessante cantar de ÒCartago deve ser destruída produziu uma desculpa aparentemente razoável para a guerra.

Cartago resistiu agressão por um aliado de Roma, em 150.

Um exército romano foi enviado para a África.

Cartago queria paz, mas foi forçado a lutar pela sobrevivência. Um cerco a Cartago durou dois anos, sem resultado.

Então, em 147 Cipião Emiliano foi colocado no comando das forças de Roma. Ele atacou a cidade de um lado para o porto e em uma implacável casa-a-casa de batalha finalmente superou toda a oposição.

Cartago foi demolido e seu local condenou a mentir para sempre desolado. O território se tornou uma província romana.

A Terceira Guerra Púnica

A Terceira Guerra Púnica foi uma breve, caso de mau gosto, indigno do heroísmo dos conflitos anteriores. Se alguma vez houve uma guerra que poderia ser chamado de desnecessário, esta seria de se qualificar.

Apesar de todas as penalidades e todos os impedimentos, Cartago recuperou economicamente. Roma tinha tirado seu império e os encargos financeiros que foi com ele, mas tinha deixado livre para perseguir o comércio como ela quis.

Cartago pagou sua indenização de guerra e, em meados do século II, foi florescente.

Isto não se ajustou bem com muitos senadores romanos. Roma tinha adquirido uma boa quantidade de terras férteis ao longo da costa do Norte de África, e um número de senadores tinham investido em azeitonas e grão de lá. Mas estes eram bens em que Cartago negociados, bem como, e Cartago foi bastante melhor no que faz.

A facção dentro do Senado, liderada pelo Cato, o Velho, começaram a se mobilizar contra Cartago. Foi isso direito, eles pediram, que Cartago deve prosperar enquanto romanos trabalharam? Nova prosperidade de Cartago não era potencialmente perigoso? Afinal, a cidade tinha duas vezes incomodado Roma. E, em qualquer caso, Cartago estava prejudicando interesses mercantis Roman.

Cato assumiu a liderança nestes argumentos. Ele era um estadista de prestígio, com uma reputação de prestígio. Ele foi o romano virtuoso clássico e ele não se importava que os outros sabiam disso. Sua carreira pública estava impecável, o casamento foi perfeito, sua oratória foi convincente, seus valores eram conservadores, e todos em tudo o que conseguiu com os nervos de algumas pessoas.

Cato começou a insistir em que a única defesa segura contra uma Cartago ressurgente foi para destruí-la. Roma nunca estaria a salvo, enquanto Cartago estava.

Ele fez uma campanha dele: Carthago Delenda est – Cartago deve ser destruída!

Nos 150s este foi o slogan da Cato, repetido incessantemente. Nas festas ele iria levá-la, ele poderia estar falando sobre qualquer assunto, mas sempre encontrou uma maneira de trabalhar em seu slogan: o porto de Ostia deve ser expandido!. . . e Cartago deve ser destruída! a nomeação de Gaius Gaius para governador provincial deve ser aprovado. . . e Cartago deve ser destruída! Um voto de agradecimento a um chefe tribal leal. . . e Cartago deve ser destruída!

No final, Cato teve seu desejo. Eu poderia afirmar que Roma foi para a guerra simplesmente para calar o velho, mas infelizmente Cartago deu Roma a desculpa de que precisava.

As tribos africanos vizinhos aprendeu logo o suficiente para que os cartagineses não se atrevem a atravessar a fronteira romana-imposto. Eles aprenderam a invadir o interior Púnica, em seguida, correr através da fronteira para aperfeiçoar a segurança. Estes ataques gradualmente tornou-se sério e Cartago finalmente escolheu para se defender.

Cartago re-armado. Em 149 os homens da tribo novamente invadida, mas desta vez um exército púnico seguiu-os e destruiu seus acampamentos. Com slogan do Cato zumbido nos ouvidos, com sua inveja do sucesso econômico de Cartago, o senado romano decretou que os termos do tratado havia sido violado e devidamente declarado guerra.

Em uma bela ironia, era um descendente de Scipio Africanus que liderou o cerco de Cartago. Scipio Aemilianus era típica de uma nova geração de político romano – bem-educada, culta, politicamente amoral, ambicioso. Ele deu a Roma sua vitória final.

Mesmo assim, levou três anos. Os romanos pontilhadas e competiram pela honra de vitória, enquanto o povo de Cartago lutou ferozmente, sabendo o seu destino. As grandes muralhas da cidade não foram violados até 146, e levou uma semana de combates de rua para os romanos para trabalhar seu caminho para a cidadela. Depois de algum ainda mais a resistência, a guarnição fome se rendeu.

O slogan do Cato foi implementado em estilo romano típico minuciosa curso. As paredes de Cartago foram derrubadas, a cidade incendiada. Os cidadãos foram vendidos como escravos e do Senado aprovou um decreto que ninguém poderia viver onde Cartago ficava. Scipio Aemelianus recebeu um triunfo para a sua vitória.

Assim terminou a Terceira Guerra Púnica. Ele não teve consequências reais, além da destruição da cidade tornou-se lendário (entre as lendas era que a terra em torno de Cartago foi salgado para que nada poderia crescer – não tão). A verdadeira vitória sobre Cartago foi alcançado em 202. Se a triste de negócios de 146 significou nada, mostrou que a sombra de Hannibal ainda pairava sobre Roma.

Fonte: www.thelatinlibrary.com/europeanhistory.boisestate.edu

Terceira Guerra Púnica

Terceira Guerra Púnica (149-146 aC)

Os anos seguintes, a Batalha de Zama ea derrota de Hannibal na Segunda Guerra Púnica, Roma e Cartago manteve um conquistador do contraditório e relacionamento conquistado. Roma continuou a se expandir no leste, ao lidar com problemas em seus territórios espanhóis recém-adquiridas. Roma também continuou a apoiar seu aliado Numidian Masinissa, mesmo discretamente incentivando a invasão de terras cartagineses enquanto Cartago foi deixado para pedir intervenção romana. Imediatamente após a Segunda Guerra Púnica, Hannibal Barca manteve seu poder em Cartago e fez um trabalho considerável para limpar a corrupção e os problemas econômicos dentro da nação, mas sua inimizade com Roma acabaria por forçar sua demissão. No momento em que os romanos estavam indo para a guerra com Anthiochus III da Síria, Hannibal foi forçado ao exílio e se juntou a este novo inimigo Roman.

A partida de Hannibal de Cartago fez pouco para encarecer-los aos Romanos untrusting e vingativos. Os termos do tratado com Roma forçado Cartago a desistir de seu exército, e as poupanças financeiras resultantes foram consideráveis. O regime que substituiu Hannibal tentou usar esta nova fortuna econômica encontrada para fazer para as relações pacíficas com seu velho inimigo, mas sem sucesso. As tentativas para pagar seu tributo anual em um montante fixo foi negado (para evitar a liberação da obrigação que Cartago continuaria a dever a Roma), e as remessas de grãos significava como presentes para ajudar os romanos na Grécia e Macedónia foram recebidos e pagos para na íntegra pelo Senado. Os romanos claramente não queria qualquer relação que pode ser visto como exigindo favores recíprocos.

Masinissa e seu grande exército Numidian fez um padrão regular de incursões contra Cartago. Grandes esforços foram lançados a cada década, desde o fim da Segunda Guerra Púnica.

Os anos de 193, 182, 172, e 162 aC tudo foi palco de avanços da Numídia. Em primeiro lugar, apesar de viés Roman direção Masinissa, obrigações em outros lugares os levou a ser um pouco menos unilateral contra Cartago, mas pelo 170 e 160 do BC, essa atitude levou uma brusca reviravolta. A invasão de 162 aC e resultantes dos pedidos de ajuda de Cartago foram ignorados. Masinissa foi autorizada a manter seus ganhos, e as relações azedaram ainda mais. A próxima década, o 150 do BC, viu o aumento da atividade Numidian e embaixadas freqüentes de Cartago para Roma com cada pedido de auxílio negado, por sua vez.

No entanto, apesar Roma sempre favorecendo a causa de Masinissa, nenhum esforço foi feito para declarar guerra a si mesmos, deixando o policiamento de ressurgimento cartaginês a seus aliados da Numídia. Enquanto Cartago permaneceu uma preocupação preocupante para Roma desde Hannibal, havia senadores suficientes em Roma, que queriam a paz, ou uma justificação real para a guerra, antes de permitir que os senadores pró-guerra para ter o seu caminho.

Raids Numidian repetidas trouxeram a situação para um chefe no final de 150 aC. Por 153 aC, outra queixa cartaginês enviou uma delegação romana (essencialmente uma missão de espionagem) para Cartago, chefiada pelo Cato, o Velho. Ao investigar as alegações de injustiça, os romanos inspecionadas todas as áreas do território cartaginês. Cato, em particular, foi perturbado com a aparente riqueza de Cartago e da prosperidade de sua zona rural. Ao retornar a Roma, Cato fez de sua missão de inspirar os romanos a guerra contra Cartago, mais uma vez para evitar um possível renascimento do poder cartaginês.

Há uma história de Cato fazendo um discurso perante o Senado, onde ele dramatizou o perigo de Cartago para Roma. Agitando as dobras de sua toga algumas grandes figos africanos caiu no chão como que por acidente. Como os senadores admirava o tamanho figos e beleza natural, Cato quando a explicar que a origem desses magníficos espécimes tinha apenas três dias de distância de vela. É provável que Cato o propósito de mostrar que os termos do tratado de paz romana não fez nada para prejudicar a prosperidade econômica recém-descoberta de Cartago. Em pouco tempo, Cartago estava construindo para uma posição para voltar a ser uma ameaça para a Roma. Seja qual for o ângulo quis dizer com esta exposição, Cato fez de sua causa para inspirar guerra. Deste ponto em diante, até que a guerra foi finalmente declarada, Cato proferiu a famosa linha após cada comentário no Fórum “, ceterum censeo delendam ESSE Carthaginem (comumente referido como Carthago delende est) que se traduz como” Além do que, minha opinião é que Cartago deve ser destruído “. Foi registrado que ele usou a linha, às vezes, depois de cada frase que ele falou, independentemente do assunto de suas declarações.

Roman falta de resposta às preocupações cartagineses levou a uma mudança em seu governo. Um partido em oposição ao apaziguamento Roman havia chegado ao poder em 151 aC. Foi nessa época que Masinissa sitiou a cidade de Cartago, e o novo governo decidiu suas tentativas de obter a intervenção romana haviam sido esgotados. Um exército de 25.000 recrutas foi levantada e ele tentou levantar o cerco. O Numidians esmagaram o exército inexperiente, mas pior ainda, um tribuno militar, Publius Cornelius Scipio Aemilianus (neto de Scipio Africanus através da adopção) estava lá para testemunhar a batalha. Enviados da Espanha para providenciar a entrega de alguns elefantes de guerra de Masinissa, ele passou a ser apenas na mão para o abate. Um relatório emitido sobre o caso a Roma foi interpretado como uma violação cartaginês do tratado, em vez de uma descrição de uma grande vitória Numidian. Como resultado, os cartagineses foram despojados de sua capacidade de se defender e não foram autorizados a levantar um exército ou conduzir a guerra sem a aprovação e condições Roman estavam se movendo cada vez mais perto de um estado de guerra.

Novas tentativas de Cartago para apaziguar os romanos foram ignorados ea cidade cartaginesa de Utica ofereceu-se em sinal de rendição incondicional a Roma antes da guerra ainda estourou. Desesperança reinou supremo para os cartagineses com razão. Por 149 aC, mais tentativas por emissários africanos foram provou ser inútil. Roma finalmente havia declarado guerra e enviou dois exércitos consulares de 80.000 infantaria e cavalaria 4.000 da Sicília para Utica, a apenas 10 quilômetros a partir da própria Cartago. Uma vez que esses exércitos chegaram em Utica, uma população em pânico cumprida qualquer exigência Roman incluindo a entrega de suas armas, mais de 200.000 conjuntos de armadura e 2.000 armas de cerco. Empurrando os limites, os cônsules parecia incapaz de incitar Cartago em guerra, mas uma demanda final, finalmente, inspirou o inimigo. Os cartagineses foram orientados a abandonar a cidade de Cartago para que pudesse ser arrasada, como punição por desobediência, mas o populoso era livre para sair e se estabelecer em qualquer lugar dentro do território cartaginês existente, desde que ele era pelo menos 10 quilômetros do mar.

Cartago finalmente acordou, percebendo que a guerra era a única opção, e que desde o fracasso de resistir parecia levar à destruição de qualquer maneira, eles se prepararam para atender seus invasores.

Enquanto Cartago preparado para um cerco, o exército romano sofreu muito com a doença. Badly prejudicado por perdas, eles não foram capazes de atacar Cartago antes os cartagineses estavam prontos. Ataques menores em cidades fora da cidade foram realizadas, mas pouco foi realmente realizado. Não era até 147 aC que o Senado sentiu uma mudança estava em ordem.

Desde as campanhas de Scipio Africanus e sua vitória sobre Hannibal em Zama, acreditava-se que Cartago não poderia ser derrotado sem Scipio no comando, e o homem que tinha inicialmente relatado a quebra cartaginês do tratado foi eleito Consul. Cornelius Scipio Pública Aemilianus assumiu o comando e imediatamente deu passos. Forçando o inimigo a retirar dentro da cidade de Cartago, ele bloqueou o porto para evitar oferta e devastou a zona rural. No inverno de 147/146 aC, os romanos ocuparam os arredores de Cartago e estavam preparados para um ataque final.

A primavera de 146 aC abriu com um ataque à cidade. 6 dias de combates de rua brutal foi uma prova tanto a resistência cartaginês determinada resolve Roma.

Primeiro capturando as paredes, em seguida, em torno da cidadela, os romanos eram livres para causar estragos na população civil. Antes da rendição cartaginês final, uma cidade de cerca de 700.000 pessoas foi reduzido a tão pouco quanto 50.000 defensores. Após finalmente desistir, estas forças restantes foram caçados e vendidos como escravos. Na sequência, apesar das objeções de Cipião, ele foi condenado a arrasar a cidade. Tomando todos os bits de pilhagem que podiam, os romanos destruíram o porto, demoliu todas as grandes estruturas de pedra e queimaram a cidade por 10 dias. (Apesar da opinião popular, a salga da terra depois para evitar repovoamento foi uma história introduzido depois de longo tempo e pode não ter acontecido.).

Cartago e seu status como potência do mundo antigo foi finalmente destruído, e até mesmo a cidade em si não seria reconstruído com sucesso té o reinado de Augusto, cerca de 150 anos mais tarde.

Território cartaginês ao longo da costa e um pouco para o interior foi organizada como a província romana da África. Numídia, sob Masinissa, foi permitida a independência como um reino cliente. Hegemonia Roman agora se espalhou da África do Sul, Espanha, a oeste e na Ásia Menor, a leste. Enquanto Roma foi o mestre indiscutível do mundo ocidental, seu rápido crescimento, acompanhada de oportunidade para a corrupção e disparidade econômica entre as classes levaria a novos problemas para o império. Além disso, a enorme quantidade de trabalho escravo importado da África, Espanha e leste criada uma nova dependência economia sobre a escravidão continua. Essas condições acabariam por ser os principais fatores do desmoronamento do sistema político romano eo terrível contenda entre os Patrícios, Ordem Equestre e os Plebes comuns. Com a derrota de Cartago Roma herdou um império, mas em última análise, definir sobre a queda de sua própria República.

Fonte: www.unrv.com

Terceira Guerra Púnica

Antecedentes da Terceira Guerra Púnica

O confronto final entre Roma e Cartago durou apenas quatro anos e terminou com a destruição total de Cartago. A guerra foi travada inteiramente na África, com os invasores romanos procurando conquistar a capital inimiga, e o desfecho nunca esteve verdadeiramente em dúvida, a menos que os Romanos decidissem abandonar a expedição. Não é fácil atribuir responsabilidades pela eclosão dos dois conflitos anteriores mas não restam dúvidas de que a Terceira Guerra Púnica foi deliberadamente provocada pelos Romanos, que tinham decidido, em consciência, aniquilar o seu velho inimigo. Os negociadores romanos exploraram descaradamente a predisposição cartaginesa para fazer concessões com o propósito de evitar a guerra com Roma, aumentando constantemente as suas exigências para impor um conflito a um inimigo debilitado. Foi uma atitude muitíssimo pior do que qualquer um dos exemplos registados da proverbial “falsidade púnica”. Pelos padrões da estratégia moderna, a guerra foi desnecessária, dado que Cartago não parece ter constituído uma verdadeira ameaça para Roma. Para compreendermos porque é que os Romanos embarcaram numa politica tão intencionalmente implacável, temos que olhar de novo para a atitude romana face a guerra e para as condições peculiares de meados do século II.

A partir de 201, os Cartagineses mostraram-se consistentemente aliados leais de Roma. Forneceram cereais aos exércitos romanos e, em 191, enviaram a sua minúscula marinha para integrar a esquadra que operava contra Antioco III. Com a ajuda da reforma das finanças do Estado, levada a cabo por Hannibal, a indenização anual foi paga pontualmente até ao fim, em 151. Na série de disputas fronteiriças com a Numídia de Masinissa, Cartago submeteu-se ao arbítrio romano apesar de este, de forma declarada ou tácita, ser sempre favorável ao rei. Com ou sem verdade na acusação, foram nobres cartagineses que relataram as alegadas conversações de Hannibal com Antioco e provocaram a sua fuga, em 195. Também foram eles que prenderam e julgaram o seu agente, Ariston de Tiro, que em 193 fora enviado a Cartago para persuadir a cidade a apoiar os Selêucidas contra Roma, embora Ariston tenha conseguido escapar antes da conclusão do julgamento. Foi enviada uma delegação a Roma para dar conta do incidente e garantir ao Senado a continuada lealdade de Cartago.

As fontes dizem-nos que neste meio século a politica cartaginesa foi dominada por três facções: um grupo simpatizante de Roma, liderado por Hanão, o Grande, outro pró-Masinissa, sob a liderança de Hannibal, o Estominho, e o terceiro derivando o seu apoio dos cidadãos mais pobres e chefiado por Hannibal, o Samnita, e Cartalao. O cognome de Hannibal derivaria talvez de um pai ou de um avô que servira com Hannibal em Itália, e as fontes referem também neste período um certo Magão, o Brútio, cujo nome sugere uma associação semelhante, mas não é totalmente claro que o partido democrático estivesse tão estreitamente associado aos Barcas como alguns estudiosos tem opinado. Nenhum destes grupos parece ter sido abertamente hostil a Roma. Não se sabe ao certo se a renovada prosperidade da cidade terá dado origem a algum rearmamento; as fontes literárias dizem que não mas as escavaçöes realizadas no porto indiciam o contrário. O que sabemos é que em meados do século os Cartagineses não estavam em condições de lançarem uma ofensiva de peso contra Roma, mesmo que o pretendessem fazer. No entanto, não ha dúvida de que os Romanos foram ficando cada vez mais receosos do seu aliado no período em causa.

O fim do pagamento da divida de guerra de cinquenta anos, em 151, eliminou o lembrete anual da derrota de Cartago e o estatuto subordinado da cidade. Os tratados que estipulavam um período fixo de paz entre dois Estados eram uma característica comum dos acordos gregos que punham fim aos conflitos, mas eram muito raros para os Romanos, que esperavam desfechos mais permanentes para as suas guerras. Em 265, Cartago convertera-se de aliado de longa data e distante em inimigo, o que originou uma mudança permanente na percepção romana de Cartago. Roma nunca se contentou com alianças que implicassem qualquer nível de igualdade com um antigo inimigo.

A guerra foi rapidamente renovada com a Macedônia, em 200, e de novo quando Perseu aparentou estar a tornar-se forte e independente. Um aliado leal devia submeter-se a interferência de Roma, especialmente nos assuntos extemos, sempre que isso fosse do interesse de Roma. Entre 241 e 218, os Romanos apoderaram-se da Sardenha e intervieram na Hispânia, impondo concessões aos lideres púnicos sem se restringirem minimamente, e esta atitude continuou depois de 201. Em 151, Cartago deixou de pagar uma prestação anual a Roma. A cidade era próspera e o seu poder no Norte de África ainda era considerável, não obstante as terras perdidas para a Numídia. As tradições da prática bélica púnica não esperavam que um Estado vencido, em especial um Estado que não tivesse sido conquistado nem absorvido, permanecesse eternamente sujeito ao vencedor. Só os Romanos pensavam assim. Os Cartagineses já não eram aliados inequivocamente subordinados de Roma. O fato de um antigo inimigo, um inimigo que levara Roma a beira da derrota total, fosse de novo forte e independente constituía uma ameaça nas costas dos Romanos. Era esta a raiz do crescente receio que Roma tinha de Cartago.

Este sentimento era personificado por Catão. Em meados do século, o “homem novo” que combatera em Tarento, no Metauro e na África era um dos mais influentes e respeitados membros do Senado, e um dos poucos da sua geração que ainda participavam ativamente nos assuntos do Estado. Provavelmente em 153, Catão integrou uma das embaixadas enviadas para arbitrar uma disputa entre Masinissa e Cartago. Catão estava com setenta e muitos mas ainda era um orador enérgico e convincente.

A delegação romana ficou profundamente impressionada com as crescentes riqueza e população da sua antiga rival.

Regressado e Roma, Catão deu em concluir todos os seus discursos no Senado com a mesma frase:

“Cartago deve ser destruída”. Diz-se que numa ocasião deixou cair alguns figos da dobra da toga. Os figos, informou ele aos seus ouvintes, espantados com o tamanho dos frutos, tinham sido colhidos num país a apenas três dias de viagem por mar, Catão exagerou a rapidez com que a armada púnica poderia cair sobre Roma, embora fosse efetivamente possível chegar ao Sul da Itália em poucos dias, e alguns estudiosos especularam com alguma irrelevância se Catão não teria comprado os figos em Roma ou mandado colhê-los na sua propriedade. Tratou-se de um gesto simbólico e poderoso que as fontes consideram digno de ser repetido e que ainda é recordado. Outro eminente senador, Cipião Nasica, mediu-se com Catão terminando os seus discursos com a opinião de que Cartago deveria ser preservada. Dizem as fontes que ele acreditava que a presença de um rival poderoso manteria intacta a virtude dos Romanos, um argumento que se tornou um continuo lamento no século seguinte, quando Roma mergulhou numa série de guerras civis. Na altura, poucos Romanos parecem ter concordado com ele. Plutarco refere que foi principalmente a influência de Catão que convenceu Roma a destruir Cartago, e em alguns relatos modernos figura com igual destaque a persistente malevolência do velho. Tal como em muitos outros aspectos da sua carreira, Catão terá aparentemente expressado o sentimento da maioria da população.

Durante a década de 150, houve um sentimento crescente de insegurança em Roma. As guerras das primeiras décadas do século tinham sido ganhas, com grande facilidade, por exércitos romanos compostos de oficiais e soldados extremamente experientes. A geração da Guerra Hannibalica foi-se tornando demasiado velha para cumprir o serviço militar e os seus conhecimentos e competências perderam-se. Dada a impermanência das legiões de Roma, a desmobilização dos exércitos obrigava a recomeçar o processo de instrução de novas tropas. Os soldados experientes foram substituídos por homens mais jovens e menos conscientes de que os êxitos militares de Roma se baseavam numa instrução rigorosa, numa cuidada preparação logística e numa liderança competente, convencendo-se de que o êxito lhes cabia por direito simplesmente por serem Romanos. No segundo quartel do século, houve menos gente em armas e as campanhas foram relativamente poucas. Em 155, os guerreiros lusitanos lançaram uma série de grandes incursões na província romana da Hispânia Ulterior, ataques cuja escala foi aumentando a cada sucesso. Em 154, um pretor foi morto e o seu exército duramente derrotado.

Em 153, os Celtiberos infligiram várias derrotas a um exército consular comandado por Quinto Fúlvio Nobilior. Os relatos de combates duros e perigosos na Hispânia provocaram uma mini-crise em Roma, ao serem muito poucos os homens que se ofereceram para servir no exército que estava a ser formado para combater os Celtiberos, sob o comando de Lúcio Licinio Luculo. Só o exemplo de Públio Cornélio Cipião Emiliano, filho adotivo do Africano, que se ofereceu publicamente para servir como tribuno, garantiu voluntários em número suficiente. Na verdade, a guerra foi concluída antes da chegada de Luculo mas este, ávido de glória e riquezas, lançou o exército contra uma tribo amistosa, que se rendeu e foi traiçoeiramente massacrada. No ano seguinte, ocorreu uma atrocidade semelhante, quando o pretor da Hispânia Ulterior, Públio Sulpicio Galba, que já fora derrotado uma vez pelos Lusitanos, ofereceu a paz as tribos. Prometendo instalá-los em boas terras aráveis, Galba dividiu os Lusitanos em três grupos, desarmou-os e depois ordenou aos seus legionários que chacinassem os guerreiros indefesos. Um dos poucos que escapou ao massacre foi um homem chamado Viriato, que viria a revelar-se um líder carismático e um irredutível adversário de Roma. Durante mais de uma década, os Romanos foram confrontados com uma dura contenda contra os Lusitanos e os Celtiberos. Em 140, um dos seguidores de Viriato foi subornado e assassinou-o, mas foram necessários mais sete anos e recursos enormes até que o bastião celtibero de Numância fosse conquistado.

Regressado a Roma, Galba foi julgado por quebra de fides, a prezada fé de Roma, sendo Catão um dos seus acusadores. Mas Galba foi inesperadamente absolvido depois de se apresentar no tribunal com os filhos, que imploraram em lágrimas clemência para o pai. Galba tornar-se-ia um dos mais famosos oradores de Roma.

As derrotas sofridas na Hispânia trouxeram à luz a inexperiência de quase todos os exércitos romanos. A substituição anual dos governadores de província e a raridade das promagistraturas encorajavam os generais a procurarem a glória antes de serem substituídos, e negavam-lhes o tempo necessário para converterem os seus soldados num exército eficaz. Esta realidade tivera muito menos peso no principio do século, quando a qualidade dos recursos humanos de Roma fora mais elevada. Mas mesmo nessa altura, a pressão para obter êxito num único ano de mandato levara Flamínio a iniciar conversações de paz com Filipe V, em 198, para logo a seguir romper as negociações e procurar uma vitória militar quando o seu comando foi prolongado por mais um ano. As sucessivas derrotas faziam cair o moral e tornavam ainda mais prováveis novas derrotas.

O fracasso na proteção das comunidades hispânicas aliadas era conducente a sua defecção, aumentando o número de inimigos a combater. A dada altura, uma grande parte da Hispânia Ulterior submeteu-se a Viriato. As perdas sofridas na Hispânia ocorreram demasiado longe para constituírem uma ameaça direta ao Lácio, mas foram um grande golpe para o prestígio romano. As dificuldades para recrutar oficiais e soldados para a Hispânia, em 151, foram particularmente chocantes, pois nem a crise da invasão de Hannibal causara nos cidadãos romanos semelhante relutância face ao cumprimento do serviço militar.

Apiano diz que o Senado decidiu em segredo procurar um pretexto para uma guerra contra Cartago pouco depois de Catão regressar da África. Talvez sim, talvez não, mas as atitudes do Senado não deixam dúvidas de que era essa a sua intenção em 150-149, e é provável que o pagamento da última prestação da indenização por Cartago, em 151, tenha contribuído para essa decisão. Apenas faltava aos Romanos um pretexto para a guerra, e os seus aliados númidas não tardariam a fornecê-lo.

Roma declara guerra a Cartago, Terceira Guerra Púnica

Catão constituiu um elo entre a Segunda e a Terceira Guerras Púnicas do mesmo modo que as carreiras de Hierão, Fábio Máximo e Marcelo abarcaram a primeira e a segunda conflagrações. Também Masinissa era uma ligação ao passado. Em 150, estava com 88 anos de idade mas ainda montava sem sela, à maneira do seu povo, e liderava os seus homens em combate. Quando morreu, dois anos mais tarde, o rei deixou um filho com quatro anos de idade, um dos dez rapazes legítimos e ilegítimos que gerou durante a sua longa vida. Masinissa passara uma grande parte dos seus primeiros tempos de vida em Cartago, conhecera profundamente a cultura púnica e introduzira muitos dos seus aspectos, da literacia a religião, no reino que lutara para criar com base nas tribos independentes do seu povo. Fora encorajado o estabelecimento de comunidades urbanas, embora se desconheça até que ponto eram habitadas por uma população importada e não por Númidas persuadidos a abandonarem o nomadismo. Masinissa deu a cada filho uma propriedade rural para ser cultivada com os mais modernos métodos púnicos, pois compreendera que a promoção da agricultura fortaleceria o reino e daria poder aqueles que controlassem as novas fontes de produção.

Contudo, não obstante a sua admiração pela cultura púnica e os serviços distintos que prestou com os exércitos cartagineses na Hispânia, Masinissa demonstrou uma grande hostilidade para com o seu antigo aliado durante todo o seu reinado.

O tratado de 201 incluíra a provisão algo vaga de que Cartago deveria restituir a Masinissa todos os territórios que tinham pertencido aos seus antepassados.

Apiano refere que os limites do território púnico estavam marcados com “trincheiras fenícias” mas ainda não foi possível estabelecer com precisão onde se localizavam. As ambiguidades do tratado encorajaram Masinissa a abocanhar um número crescente de territórios cartagineses, sob o pretexto de que haviam pertencido ao seu povo. As suas pretensões acabaram por conceder apenas aos colonos púnicos a área de Birsa, a povoação original de Cartago, situada no cimo de uma colina e que, segundo o mito, Elishat recebera do governante local. As delegações romanas enviadas para resolverem as disputas entre os dois aliados de Roma decidiram repetidamente a favor do rei, que assim pôde adquirir mais terras férteis e, por fim, os importantes portos conhecidos por empórios.

Os políticos desejosos de agradar a Masinissa e de satisfazer as suas exigências foram finalmente expulsos de Cartago, em 152-151, e o partido popular tornou-se temporariamente dominante. Os líderes exilados refugiaram-se junto do monarca, que enviou a Cartago dois dos seus filhos, Gulussa e Micipsa, com a exigência da restituição dos exilados. Gulussa deslocara-se em tempos a Roma como representante do pai, mas nesta ocasião os irmãos nem sequer foram autorizados a entrar em Cartago. Na viagem de regresso, a comitiva de Gulussa foi atacada por Amilcar, o Samnita, e um grupo dos seus apoiantes, que mataram várias pessoas. Em 150, os Númidas recomeçaram os seus ataques contra território púnico, devastando as terras e sitiando uma cidade chamada Oroscopa, cuja localização desconhecemos.

Pela primeira vez desde 201, Cartago decidiu entrar em guerra sem procurar o arbítrio ou a aprovação de Roma, e formou um exército de 25.000 infantes e 400 cavaleiros, sob o comando de Asdrúbal. As fontes referem que os cavaleiros foram recrutados na cidade de Cartago, pelo que seriam cidadãos. Eram pouco numerosos mas receberam um reforço substancial quando uma disputa entre os filhos de Masinissa e dois chefes númidas, Asasis e Suba, levou a deserção dos dois últimos, à frente de 6.000 cavaleiros ligeiros. Asdrúbal ganhou vantagem em algumas escaramuças e seguiu a retirada do exército númida, que atraiu o inimigo para terreno mais acidentado e quase desprovido de alimentos e água.

Por fim, Masinissa decidiu oferecer batalha, dando origem a um dia de combates no qual nenhum lado conseguiu uma vantagem decisiva. A batalha foi observada, à distância, por Cipião Emiliano, que se encontrava na África para, fazendo uso da ligação da sua família a Masinissa, persuadir o velho soberano a fornecer elefantes ao exército de Luculo na Hispânia. Asdrúbal retirou para o seu acampamento, montado numa colina, e iniciaram-se negociações, com Cipião no papel de mediador. As conversações romperam-se quando os Cartagineses recusaram entregar Asasis e Suba para serem punidos. As tropas de Masinissa construíram uma paliçada e um fosso em redor do terreno elevado ocupado pelo inimigo, algo que terão provavelmente aprendido durante o seu serviço com o exército romano. Sem possibilidade de serem aprovisionados e não querendo tentar um rompimento do cerco nem admitir a derrota, os homens de Asdrúbal não tardaram a consumir a comida que tinham consigo. Imóveis, os Cartagineses mataram e comeram os animais de carga, e depois as montadas da cavalaria. Já sem lenha para cozinharem a carne que constituía agora o essencial da sua dieta, os soldados partiram os escudos aos bocados para os utilizarem como combustível.

Dá a sensação de que Asdrúbal contava que os Númidas ficassem sem provisões e dispersassem, mas o exército que Masinissa criara durante o seu reinado era nitidamente uma força muito mais organizada e eficiente do que qualquer contingente tribal de antanho. Por fim, Asdrúbal rendeu-se, prometendo que Cartago pagaria uma indenização de guerra durante cinquenta anos e que receberia de volta os aristocratas que tinham fugido para a corte de Masinissa. Ao abandonarem o acampamento, os soldados cartagineses foram atacados por um grupo de cavaleiros númidas liderados por Gulussa e muitos foram mortos. E impossível saber se o ataque foi premeditado ou se contou com o envolvimento de Masinissa, pois também se tem revelado impossível atribuir responsabilidades por massacres similares mais recentes. Asdrúbal e muitos dos seus oficiais escaparam incólumes.

A capacidade de Cartago para criar um exército e travar uma guerra, ainda que sem êxito, confirmou os receios e suspeitas de Roma. O tratado de 201 proibia expressamente Cartago de declarar a guerra na África sem aprovação romana. Esta violação seria provavelmente suficiente para originar veementes protestos mas o Senado romano, mais experiente em diplomacia depois de cinquenta anos de envolvimento no mundo helenístico, procurava um pretexto para uma guerra aberta. Entretanto, foram iniciados os preparativos para uma grande invasão da África, mas sem declarar o seu propósito.

De modo característico, os Cartagineses tentaram deitar as culpas para o seu comandante no terreno e negar as suas responsabilidades pela guerra recente. Asdrúbal, Cartalão (o líder do partido popular) e vários outros oficiais foram condenados à morte. As tropas de Asdrúbal ter-se-ão mantido leais ao seu comandante, dado que, pouco depois, ele surge à frente de 30.000 homens. Foram enviados a Roma embaixadores para se queixarem da provocação de Masinissa e condenarem os oficiais púnicos que tinham irresponsavelmente entrado em guerra. A resposta romana foi observar que se as autoridades cartaginesas se tivessem verdadeiramente oposto à guerra teriam condenado os seus comandantes antes de eles passarem à ação. A delegação foi brindada com a frase cniptica de que Cantago devenia xdar satisfaçoes ao povo romano). Uma segunda embaixada não conseguiu descobrir o que queriam os Romanos dizer com aquilo (9).

Nesta altura, Utica passou-se para os Romanos e os seus portos forneceram-lhes uma base ideal para atacar Cartago. Em 149, o Senado e os Comitia Centuriata aprovaram a declaração de guerra. Ambos os cônsules seriam enviados para África, Mânio Manilio no comando do exército e Lúcio Márcio Censorino à frente da esquadra. Tal como em 218 e 205-204, Os Romanos concentraram-se em Lilibeu, na Sicília, de onde embarcariam para África. Entretanto, Cartago enviou outra embaixada a Roma, e o Senado exigiu que 300 reféns, filhos das principais famílias nobres, fossem entregues em Lilibeu no prazo de trinta dias. Assim foi feito, apesar de o Senado apenas ter garantido aos Cartagineses o seu território e que seriam governados pelas suas próprias leis.

O fraseamento evitou cuidadosamente qualquer menção da cidade de Cartago, um subterfúgio semelhante à justificação técnica utilizada por Cipião, em 203, para romper as tréguas. Os reféns foram levados para Roma num grande “dezesseis”, um navio provavelmente confiscado a armada macedônica no fim da Terceira Guerra Macedónica.

Não obstante a aceitação das exigências romanas por parte dos Cartagineses, os cônsules rumaram a Utica. Ainda sem certezas quando as intenções dos Romanos, Cartago enviou uma delegação aos cônsules, que a receberam com grande pompa, sentados numa tribuna, flanqueados pelos seus oficiais superiores e à frente do exército atrás, formado em parada. Foi uma exibição intimidadora do poderio de Roma, destinada a persuadir os embaixadores de que qualquer resistência às exigências dos cônsules seria infrutífera. Censorino, o primeiro a ser eleito pelos comícios e que era provavelmente o mais velho e o melhor orador dos dois, respondeu as indagações dos Cartagineses com a exigência de que a cidade deveria entregar todo o armamento que possuísse. Mais uma vez, apesar do seu nervosismo face a solicitação, os Cartagineses submeteram-se. Diz-se que entregaram 200.000 panóplias, 2.000 engenhos de guerra de torção e quantidades enormes de dardos, flechas e munições para catapulta. Como de costume, a fiabilidade destes números é discutível, sendo óbvio que as fontes romanas estariam dispostas a exagerar a condição militar da cidade que os Romanos se preparavam para destruir, mas não restam dúvidas de que grandes quantidades de armas foram entregues aos representantes de Roma.

A chegada ao acampamento romano do comboio transportando estes equipamentos constituiu o preliminar para uma ordem ainda mais severa. Censonino informou os embaixadores de que os Cartagineses deveriam abandonar a cidade de Cartago. A população mudar-se-ia para uma nova urbe, que instalaria onde lhe aprouvesse, desde que fosse a pelo menos a 15km do mar. Cartago seria arrasada mas os santuários e cemitérios que lhe estavam associados ficariam intactos e os Cartagineses poderiam visitá-los. Foi um golpe devastador, pois a cidade era o centro físico, espiritual e emocional do Estado. E o corte da ligação de qualquer nova comunidade ao mar, durante tanto tempo fonte da riqueza púnica, duplicava a magnitude do desastre. Diz-se que Censorino recorreu a argumentos platônicos para sustentar a opinião de que o mar exercia uma influência malsã sobre a vida politica e social das cidades. No fim, os embaixadores foram grosseiramente postos a andar pelos lictores dos cônsules. No entanto, prometeram apresentar os termos ao seu governo e até sugeriram que a esquadra romana fizesse uma demonstração de força na baia da cidade para recordar aos cidadãos a alternativa à aceitação das exigências romanas.

Os rumores tinham-se espalhado rapidamente em Cartago, e uma multidão ansiosa rodeou os embaixadores quando eles entraram na cidade e ficaram a espera para apresentarem o seu relatório ao Conselho dos 104. A exigência romana foi imediatamente rejeitada. Os homens que tinham apelado a conciliação de Roma foram linchados, bem como alguns infelizes mercadores italianos que se encontravam na cidade. Os escravos foram libertados e recrutados para o exército, Asdrúbal foi perdoado e foram-lhe enviadas mensagens implorando-lhe que auxiliasse os seus ingratos concidadãos. Outro Asdrúbal, filho de uma das filhas de Masinissa – mais um exemplo dos fortes laços existentes entre as nobrezas cartaginesa e númida – recebeu o comando na própria cidade de Cartago. Desta vez, os cidadãos púnicos, na sua totalidade, empenharam-se de corpo e alma no esforço de guerra. Produziram-se rapidamente armas, e as mulheres sacrificaram os seus longos cabelos para cordas para as catapultas de torção.

A Terceira Guerra Púnica tinha começado. Os Romanos ficaram algo surpreendidos com o fato de os Cartagineses decidirem lutar depois de se terem submetido docilmente a cada uma das suas escandalosas exigências. Os Romanos tinham dado mostras de um cinismo extremo, dissimulando as suas intenções de destruírem a cidade enquanto extorquiam o máximo possível de concessões. Cartago, desprevenida e desarmada, parecia à sua mercê. A verdade é que a guerra se arrastaria até ao ano de 146 e se revelaria muito mais difícil do que os cônsules esperavam.

Fonte: www.roma.templodeapolo.net

Veja também

Populista

Populista

PUBLICIDADE Definição Populista, em geral, é uma ideologia ou movimento político que mobiliza a população …

Corrida Espacial

Corrida Espacial

PUBLICIDADE Definição A corrida espacial da Guerra Fria (1957 – 1975) foi uma competição na exploração do …

Caso Watergate

Caso Watergate

PUBLICIDADE Watergate Watergate pode ser a história mais famosa na história americana de jornalismo investigativo. Isso …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.