Breaking News
Home / História Geral / Escola dos Annales

Escola dos Annales

PUBLICIDADE

Escola Annales – Escola de História

Fundada por Lucien Febvre (1878–1956) e Marc Bloch (1886–1944), suas raízes estavam no jornal Annales: economia, sociedades, civilizações, a versão reconstituída de Fevereiro de um jornal que ele havia formado anteriormente com Marc Bloch.

Sob a direção de Fernand Braudel, a escola dos Annales promoveu uma nova forma de história, substituindo o estudo dos líderes pela vida das pessoas comuns e substituindo o exame da política, diplomacia e guerras por investigações sobre clima, demografia, agricultura, comércio, tecnologia, transporte, e comunicação, bem como grupos sociais e mentalidades. Enquanto almejava uma “história total”, também rendeu microestudos deslumbrantes de aldeias e regiões. Sua influência internacional na historiografia foi enorme.

Escola dos Annales – Pensamento Histórico

Escola francesa de pensamento histórico, fundada por Marc Bloch e Lucien Febvre no final dos anos 1920 e desenvolvida por Fernand Braudel nas décadas de 1950 e 1960, que se concentra na ideia de história das ideologias, visões de mundo e estruturas mentais: o contexto histórico.

A chave para isso é a questão do tempo e as inter-relações entre as diferentes escalas de tempo na maneira como os seres humanos percebem e operam no mundo.

A história torna-se um diálogo entre o passado e o presente, sendo a tarefa do investigador explorar simultaneamente os interesses e as ideias da sociedade a que pertence e as coisas que são específicas da cultura das pessoas em estudo.

Anais de história econômica e social

Em 1929, um novo jornal chamado Anais da história econômica e social apareceu na França, apresentando o trabalho de uma nova geração de historiadores: Lucian Febvre, Marc Bloch, Fernand Braudel e Ernst Labrousse.

Até a virada do século, a história tradicional foi construída em torno dos atos e fatos de “grandes homens”, personalidades políticas e militares que se tornaram lendas:

Alexandre e César, Gengis Khan, Luís XIV e Napoleão. Esses indivíduos excepcionais definiram a escala da história; suas mortes assinalaram uma mudança de época e também de livros e autores.

O movimento buscava “uma história maior e mais humana”, por sua rejeição às concepções predominantes da história da escrita, a saber:

Um foco na história político-militar
Concentrado na análise de curtos períodos
Um estilo narrativo de eventos
O que eles chamam de mentalidade de “colecionar selos” na coleta de fatos e eventos

Os Annales queriam integrar percepções e metodologias da antropologia, geografia, sociologia, economia e psicologia. Estava interessado em períodos de tempo mais longos, a história social da vida cotidiana e “mentalidades ” (modos de consciência).

Em essência, foi uma história analítica que olhou para a história econômica e social em uma perspectiva de longo prazo, partindo de uma historiografia tradicional baseada em eventos.

Esses historiadores se rebelaram contra a obsessão dos historiadores tradicionais por guerras e estados, os “grandes” homens da história, e por verem o desenvolvimento como linear.

Os historiadores da escola de Annales examinaram os fenômenos e suas causas subjacentes em profundidade, com atenção especial aos longos períodos de tempo.

Peter Burke dividiu o movimento em três fases ou gerações:

Fase 1 (1920-1945): o movimento é muito radical e subversivo e se opõe fortemente à tradição da história política. [Marc Bloch, Lucien Febvre] Fase 2 (1945-1968): o movimento torna-se uma escola de pensamento, com seus principais conceitos (estrutura-conjuntura) e método (história serial das mudanças a longo prazo). [Fernand Braudel, Ernst Labrousse] Fase 3 (1968-1989): a escola se torna mais fragmentada e muda sua preocupação do socioeconômico para o sociocultural. [Ariel, Bourdieau, Goffman, etc.]

FASE 1

Marc Bloch (psicologia social)

Bloch começou estudando o que chamou de “ilusões coletivas”. Em The Royal Touch, ele considerou a crença de que o toque do rei poderia curar as pessoas de doenças.

Ele comparou a França e a Inglaterra em uma escala de longo prazo e analisou como essas ilusões coletivas sobreviveram após a Idade Média.

Seu objetivo era problematizar o fato de que as pessoas acreditaram em coisas tão improváveis por um longo período de tempo e apontar as possíveis causas de tal fenômeno.

Uma pesquisa desse tipo poderia ser considerada uma história psicológica, e Bloch aplica parcialmente as ideias de Durkheim sobre crenças e mentalidades coletivas.

Em 1931, Bloch publicou a História Rural Francesa. Este trabalho é importante para a escola Annales porque usa um método regressivo. Bloch acreditava que era melhor partir do conhecido para o desconhecido, por isso ele lê a história “ao contrário”. Seu estudo sobre a sociedade feudal examina a cultura do feudalismo, seu senso de tempo, formas de memória coletiva e as estruturas de sentimento e pensamento.

Bloch aqui e em outros lugares ataca o “ídolo” das origens argumentando que os fenômenos históricos devem ser explicados em termos de seu próprio tempo, ao invés de períodos anteriores.

Febvre (linguística, geografia humana)

Em 1922, Lucien Febvre publicou The Earth and Human Evolution (traduzido como A Geographical Introduction to History, 1932).

Seu trabalho sobre religião é um exemplo de uma linguística histórica da impossibilidade do ateísmo no século XVI.

FASE 2

Ernst Labrousse (conjuntura e estrutura)

Ele era um historiador econômico que usava amplamente métodos quantitativos. Ele também introduziu a ideia de conjuntura (que pode ser traduzida como “tendência”), ou seja, a conexão entre fenômenos diversos, mas simultâneos. A conjuntura passou a ser contrastada com a ideia de estrutura, no sentido de que a conjuntura identificava o curto-médio prazo enquanto a estrutura dizia respeito ao longo prazo.

Conjuntura e estrutura eram, no entanto, complementares em Labrousse. Ele também adotou modelos demográficos e escreveu principalmente a história regional.

Fernand Braudel (estruturalismo metodológico)

Braudel se tornou uma figura crucial do movimento Annales, e é considerado por alguns como o maior historiador do século 20 e o pai da historiografia moderna. Sua obra mais famosa, Mediterrâneo e o mundo mediterrâneo na época de Filipe II, fez dele uma reputação internacional.

A próxima geração de estudiosos históricos foi educada para acreditar nas palavras de seu prefácio: a velha história dos eventos estava de fato morta, “a ação de alguns príncipes e homens ricos, as trivialidades do passado, tendo pouca relação com o lento e poderosa marcha da história. . . esses estadistas foram, apesar de suas ilusões, mais atuados do que atores. ” Abaixo da história humana, Braudel tentou descrever unidades mais profundas e ritmos prolongados de vida material relacionados ao ambiente geográfico e às estruturas que moldam as sociedades, como tecnologia, comércio, rotas de navegação e mentalidades.

Em seu lugar, Braudel não ofereceu “a tradicional introdução geográfica à história que muitas vezes aparece para tão pouco propósito no início de tantos livros, com sua descrição dos depósitos minerais, tipos de agricultura e flora típica, brevemente listados e nunca mais mencionados, como se as flores não voltassem todas as primaveras, os rebanhos de ovelhas migram todos os anos, ou os navios navegam num verdadeiro mar que muda com as estações ”, mas uma forma totalmente nova de olhar para o passado, em que o historiador relata -criou uma realidade perdida através de um feito de imaginação histórica baseado no conhecimento detalhado dos hábitos e técnicas do lavrador, do pastor, do oleiro e do tecelão, das habilidades da vindima e do lagar de azeite, da moagem de milho, do manutenção de registros de conhecimentos de embarque, marés e ventos.

Começou a parecer tão importante para um historiador saber andar a cavalo ou navegar em um navio quanto sentar-se em uma biblioteca.

Apenas a terceira seção do livro de Braudel voltou aos eventos da história que são meramente “distúrbios superficiais, cristas de espuma que as marés da história carregam em suas costas fortes”.

Segundo Braudel, o tempo histórico se divide em três formas de movimento:

Tempo geográfico
Tempo social
Tempo individual

Mas, além de todas essas formas de movimento, o passado era realmente uma unidade: “a história pode fazer mais do que estudar jardins murados” – essa foi a expressão máxima das ambições intelectuais da escola dos Annales.

Braudel também demonstrou que a história não existe independentemente do olhar do historiador. Como em todo conhecimento, o historiador intervém em todas as fases da construção da história; na verdade, a história per se não existe. Tudo o que existe são fenômenos passados submersos sob o manto do tempo que tudo consome. Braudel apresenta as ciências sociais (esp. Geografia, economia política e sociologia) à história.

Em Mediterranée, Braudel se interessa principalmente pelo ambiente em que viviam os povos da bacia do Mediterrâneo: as montanhas e as planícies, o mar e os rios, as estradas e as cidades.

Ele combina o ritmo quase fixo do “tempo geográfico” com o ritmo acelerado do “tempo individual” e o movimento dos povos e suas idéias. Mediterrâneo, está dividido em três partes.

A primeira parte é de fato uma geo-história e uma história do meio ambiente. Na segunda parte, analisa as tendências gerais do povo mediterrâneo, escrevendo uma espécie de história das estruturas, a económica, a geográfica, a tecnológica, etc. Na parte 3, Braudel se preocupa em minar a história dos eventos. Ele apresenta indivíduos e eventos em um contexto tão amplo, que eles se tornam fundamentalmente sem importância.

A longa duração não pode servir de loci para nenhum sujeito individual. Ao fazê-lo, tenta demonstrar que uma história de acontecimentos só pode fornecer uma leitura superficial do desenvolvimento da sociedade (cf. a descentralização do sujeito humano em Foucault). Os fatores mais relevantes são, na verdade, as condições materiais que se alteram lentamente (por exemplo, geografia, clima).

No contexto da história humana, Braudel enfatiza dois temas:

1) tecnologia e
2)
 intercâmbio.

1) A história humana é uma história de domínio tecnológico e do desenvolvimento das habilidades básicas da civilização antiga: tecnologia do fogo e da água, cerâmica, tecelagem, metalurgia, navegação e, finalmente, escrita. Essa ênfase nas realidades físicas das primeiras civilizações traz à tona a verdadeira qualidade de vida com uma vivacidade que nenhuma quantidade de leitura de outros livros pode alcançar;

2) Quanto à importância das trocas, especialmente as trocas interurbanas: “Nosso mar foi desde os primórdios de sua proto-história testemunha daqueles desequilíbrios produtivos de trocas que dariam o ritmo de toda a sua vida”. É o desequilíbrio que cria trocas e, portanto, leva ao progresso. Essas duas idéias, formuladas primeiro no Mediterrâneo, e posteriormente exploradas em profundidade para o mundo pré-industrial em Civilização e capitalismo, são aplicadas na Memória e no Mediterrâneo ao antigo Mediterrâneo com grande efeito.

Em Material Civilização e Capitalismo, Braudel divide seu objeto de estudo em:

Civilização material (onde ocorre a produção, imóvel).
Vida econômica (o local de comércio e distribuição).
Mecanismo capitalista (o reino do consumo, onde a mudança é mais rápida).

Novamente na primeira parte, “As estruturas da vida cotidiana”, ele faz uma abordagem global e de longo prazo. Sua preocupação é com o que sustenta a vida como um todo, assim como o hábito.

Não há referência a estruturas simbólicas, nem à história do significado. A segunda, “Rodas do comércio”, é sobre a economia de mercado e as formas como ela coexistia com a economia de não mercado no início da modernidade. Na terceira parte, Perspectiva do mundo ”, ele faz uma abordagem sistêmica fortemente influenciada pela teoria do sistema mundial de Wallerstein.

Braudel introduziu conceitos cruciais para a escola e ajudou a vinculá-la às correntes da antropologia e da linguística em voga na época. Braudel rejeitou duas ferramentas importantes da escola Annales, viz. história quantitativa e história das mentalidades. Seu método era principalmente estruturalista.

Memória e o Mediterrâneo começa com a história do próprio fundo do mar Mediterrâneo – as camadas de argila, areia e calcário com as quais os egípcios esculpiram suas tumbas e construíram seus templos.

O que se segue é a história épica de como os fenícios, os etruscos, os gregos e romanos e as grandes civilizações fluviais da Mesopotâmia e do Egito lutaram e prosperaram neste mundo exigente, mas gloriosamente belo, delimitado e moldado pelo Mediterrâneo.

A principal contribuição de Braudel reside na sua insistência em escrever histórias totais: “Tudo deve ser recapturado e recolocado no quadro geral da história, para que, apesar das dificuldades, dos paradoxos e contradições fundamentais, possamos respeitar a unidade da história que é também a unidade da vida. ” Ao contrário de Febvre e Bloch, Braudel diz muito pouco sobre a história das mentalidades.

Sua principal prioridade era mostrar que o tempo se move em velocidades diferentes e ele o divide em geográfico, social e individual. Ele também examina longos períodos de tempo, introduzindo na historiografia a noção de longa duração.

Lucien Febvre morreu em 1956, e Braudel herdou a direção da VIe section de l’Ecole Pratique des Hautes Etudes e do jornal Annales. Ele promoveu uma das coleções mais extraordinárias de talentos do século 20 por meio de suas nomeações, incluindo Georges Duby, Jacques Le Goff, Emmanuel Le Roy Ladurie e Maurice Aymard; os filósofos Roland Barthes e Michel Foucault; os psicólogos Jacques Lacan e Georges Devereux; o sociólogo Pierre Bourdieu; o antropólogo Claude Lévi-Strauss; e os estudiosos clássicos Jean-Pierre Vernant e Pierre Vidal-Naquet. Braudel trabalhou duro para criar uma instituição ou prédio separado onde todos os seus colegas pudessem trabalhar juntos e onde uma sucessão de visitantes estrangeiros pudesse ser convidados como professores associados; essa ideia, iniciada por volta de 1958, não alcançou forma física até a inauguração da Maison des Sciences de l’Homme em 1970.

FASE 3

A nova história dos Annales da década de 1960 se afastou da história econômica factual/quantitativa e social descritiva e reafirmou a ideia durkheimiana da “história das mentalidades”.

Afirmava que o mundo histórico foi criado a partir de percepções, não de eventos, e precisávamos reconhecer que toda a história era uma construção de impressões humanas.

Roman Jakobson transmitiu a teoria linguística de Saussure para Lévi-Strauss. Isso levou à antropologia estrutural que influenciou a posterior Escola dos Annales. A terceira geração reafirmou o domínio antropológico, especialmente por meio da antropologia culturalOutros estudos nas décadas de, para enfatizar novamente a política e retornar à história como narrativa. Bourdieau, por exemplo, substituiu a noção de regras sociais pela de hábito e estratégia. 1960 e 1970 deixaram de questionar a relação causal entre eventos e estruturas e optaram por entendê-los como reflexos mútuos..

Braudel considerava que o camponês era a chave da história da França, e uma verdadeira história das mentalidades só poderia ser escrita a longo prazo e a partir de uma longa perspectiva.

O problema histórico: uma revolução epistemológica

Nos anos trinta, os historiadores franceses Marc Bloch e Lucien Febvre se engajar em uma luta intelectual contra os historiadores profissionais e positivista e seu líder, Charles Seignobos.

A fundação, em 1929, a revista Annals of história econômica e social, sinaliza o início da revolução.

Contra a história fatual, cronológica e crítica política pelo sociólogo Simiand no início do século, esses historiadores irá propor uma nova forma de história fundada no primado da questão sobre o evento: o problema da história. A grande mudança é epistemológico.


Marc Bloch (1886-1944)


Lucien Febvre (1878-1956)

Promover multidisciplinar (economia, demografia, sociologia, geografia, antropologia), a renovação do foco (tudo é história) e da diversificação das fontes (material escrito, oral), a nova história está dando atenção prioritária aos grupos – e não os indivíduos – de estruturas sócio-econômicas e fenômenos mais geral que evoluíram lentamente – ao invés de eventos.

Forma narrativa que estabelece os fatos e as ordens sem explicação, sem causa ou hipótese anterior, sem escolher ou fazer o objeto pertence a uma história positivista que devemos abandonar. Assim, os fatos não são dadas, mas construídas pelo historiador em termos de uma hipótese, questionando, problema, muitas vezes definido a partir desta solicitação. Para ser verdadeiramente científico, o historiador deve, segundo eles, dar destaque para a teoria, para explicar os fenômenos e, a longo prazo.

O histórico do tempo

Segundo o historiador Fernand Braudel, a figura central da segunda geração dos Annales, o tempo histórico é pontuado por três períodos de tempo: tempo curto, o tempo médio e longo tempo.

Queima contra a história “do curto período de tempo que o historiador deve ser cuidadoso, Braudel reafirma o” valor excepcional do tempo longo “.

Ele argumenta que a realidade histórica está escondido nas profundezas da história, e que eventos, estes “oscilações curtas, rápido e nervoso” sobre a superfície da história são necessariamente superficial, como também ligada ao tamanho do indivíduo. a metáfora de verticalidade associada com a pluralidade de tempo em Braudel n ‘não é novo é encontrado em Marx, por exemplo A idéia é simples:.. eventos diretamente observáveis esconder uma realidade mais profunda podemos alcançar a “verdadeiras causas” atores que fogem pelo mergulho mais profundo. frase de Braudel, nas estruturas e mecanismos sociais, atores reais da história.

História narrativa do problema histórico

A história narrativa, história política associada com foco estreito no individual (os “grandes homens”) e, portanto, o evento vai ser removido. Em suma, o objeto de estudo da história não é nem o indivíduo nem o evento, mas o “fato social total” que não pode ser apreendido no “tempo social”. A rejeição da narrativa é uma conseqüência direta do deslocamento da história política à história social e econômica uma vez que estes historiadores comparam a individual, político e de eventos na história.

François Furet, membro da terceira geração da escola dos Annales, com foco na transição entre história narrativa ea história problema.

Ele disse que o desenvolvimento da historiografia visitou o marco marcado pelo declínio da história narrativa abandonada pelos historiadores profissionais ea transição para a história-problema traz muitas mudanças, incluindo os dois principais são:

1) tempo de pausa como um objeto da história. O historiador não está mais tentando dizer o que aconteceu. Ele constrói seu objeto de estudo por periodização eo desenvolvimento de boas pergunta
2)
 ruptura com a história eo evento único, porque já não é descrever o evento, mas para explicar o problema. Em suma, a tendência dominante historiográfica dos Anais é marcado pelo duplo movimento do objeto de estudo (indivíduos em todos os fatos sociais) ea abordagem epistemológica (o estudo da ocorrência o problema).

Livro – A Revolução Francesa da Historiografia – 1929-1989

Peter Burke


Escola dos Annales – Peter Burke

Em seu famoso livro sobre a história da historiografia, Fueter chama a atenção pára o fato de que toda nova abordagem histórica se origina de um acontecimento quedetermina o rumo da própria história.

A insatisfação que os jovens Marc Bloch e LucienFebvre demonstravam, nas décadas de 10 e 20, em relação à história política, semdúvida estava vinculada à relativa pobreza de suas análises, em que situações históricascomplexas se viam reduzidas a um simples jogo de poder entre grandes ? homens oupaíses ? ignorando que, aquém e além dele, se situavam campos de forças estruturais,coletivas e individuais que lhe conferiam densidade e profundidade incompatíveis como que parecia ser a frivolidade dos eventos. Se a história, como sempre pretendeuFebvre, era filha de seu tempo, não seria possível continuar a fazer esse tipo de históriaconvencional que nem correspondia aos anseios de uma humanidade que vivia, nessasdécadas, momentos de convulsões e rupturas com o passado, nem conseguia respondersatisfatoriamente às exigências do novo homem que daí surgia.

A necessidade de uma história mais abrangente e totalizante nascia do fato deque o homem se sentia como um ser cuja complexidade em sua maneira de sentir,pensar e agir, não podia reduzir-se a um pálido reflexo de jogos de poder, ou demaneiras de sentir, pensar e agir dos poderosos do momento. Fazer uma outra história,na expressão usada por Febvre, era portanto menos redescobrir o homem do que, enfim,descobri-lo na plenitude de suas virtualidades, que se inscreviam concretamente em suasrealizações históricas. Abre-se, em conseqüência, o leque de possibilidades do fazerhistoriográfico,

da mesma maneira que se impõe a esse fazer a necessidade de ir buscar junto a outras ciências do homem os conceitos e os instrumentos que permitiriam aohistoriador ampliar sua visão do homem. Como em Michelet, não se desprezava osubjetivo, a individualidade, como em Marx ou em outros historiadores que assentavamsuas análises no econômico e no social; não se esquecia de que as estruturas sempre têmalgo a dizer a respeito do comportamento do homem; e como Burckhardt, afirmava-seque o homem não se confinava a um corpo a ser mantido, mas também um espírito quecriava e sentia diferentemente, em situações diferençadas.Talvez resida nessa intenção de diversificar o fazer historiográfico a maiorcontribuição de Bloch e Febvre, quando, além de produzirem uma obra pessoalsignificativa, fundaram a revista Annales, com o explícito objetivo de fazer dela uminstrumento de enriquecimento da história, por sua aproximação com as ciênciasvizinhas e pelo incentivo à inovação temática.

Duas personalidades, dois temperamentos, duas maneiras de abordagem do homem harmonizando-se numa combinação que possibilitou o franqueamento dasfronteiras da história, permitindo de um lado a liberdade humana e a individualidadepreservadas, e de outro, a ação do homem presente no interior de estruturas que alimitam, condicionam e mesmo determinam.

Essa tensão criativa entre liberdade edeterminismo tornou possível a colaboração entre os dois historiadores e a criação dos Annales. E com isso, uma renovação dos estudos historiográficos, que atinge sua plenaexpansão e efervescência com a chamada História Nova.

Peter Burke chama a atenção em seu texto para o fato de que se se fizesse, na época, uma previsão quanto aonascimento de uma nova história, a França não seria uma das favoritas para ser seuberço, visto que em outros países, na Alemanha por exemplo, pareciam existir melhorescondições para que tal ocorresse.

Mas foi na França que ela nasceu. Talvez possamosencontrar uma explicação no fato de que, depois da Revolução Francesa e com osurgimento da historiografia romântica, a sensibilidade histórica do povo francêsaguçou-se, permitindo que a história se enraizasse em seu cotidiano. Sem dúvida, a obrahistórica e pessoal de Michelet muito contribuiu para essa transformação, pois ele foinão apenas o grande historiador da Revolução, mas também o homem que transformouo fato histórico na saga de uma nação.

Creio que se pode dizer que com Michelet a história penetrou nos hábitos danação, pois sua obra conseguiu ?realizar uma verdadeira ressurreição da … vidanacional.

Embora os historiadores ligados à Escola dos Annales  e Peter Burke éapenas mais um exemplo ? busquem, aquém do século XIX, as origens do trabalhohistórico que realizam recuando até os gregos, sem dúvida devem a Michelet nãoalgumas de suas qualidades, mas, o que me parece mais importante, a criação do climaemocional e intelectual necessário para que a ciência histórica se transformasse numanecessidade do homem francês.

Se a conquista do Oeste americano encontrou sua glorificação no popular faroeste, transformado num tema cinematográfico por excelência, a Revolução Francesa permitiu aos historiadores franceses encontrarem o meio de fazer ouvir sua voz,constituindo-se numa fonte contínua para as mais criativas escolas historiográficas.

O livro de Peter Burke sobre a Escola dos Annales tem, ao lado de suasmúltiplas virtudes, a de propiciar ao leitor culto e ao especialista uma visão sintética e abrangente do que ela foi e é atualmente.

A capacidade de Burke, de em poucaspalavras, situar um problema, estabelecer vinculações e classificações, permite usufruirde seu domínio sobre ó que escreve, transferindo ao leitor, mesmo quando nãointegralmente familiarizado com os problemas temáticos e metodológicos, ou com asinúmeras ramificações da História Nova, um conhecimento que o habilitará aprogramar-se para um estudo mais sério e sistemático.Por outro lado, permite compreender que o engajamento histórico não é uma viade mão única e que buscar o conhecimento do homem integral e total  preocupaçãoconstante de Marx não deve limitar-se a vê-lo como prisioneiro de estruturasasfixiantes, mas também como um espírito capaz de ser livre por sua criatividade.

Afirmou Lévi-Strauss, em seu livro O Pensamento Selvagem, que sua ambiçãoera realizar, ao nível da superestrutura, o que Marx realizara ao nível da infra-estrutura.Inspirados pela tensão estrutura e individualismo, nascida de Bloch e Febvre, umasignificativa contribuição foi dada pela História Nova para que se alcançasse o ideallevistraussiano. E Peter Burke nos põe diante desse fato com simplicidade ecompetência.

Da mesma maneira que nos permite tomar conhecimento e compreenderpor que todas as grandes questões da historiografia contemporânea passamnecessariamente pelos historiadores vinculados, direta ou indiretamente, à História Nova. Por todas essas qualidades e por vir preencher mais uma lacuna de nossabibliografia histórica, o livro de Peter Burke, lançado no Brasil ao mesmo tempo de suaedição inglesa, será um título obrigatório na biblioteca de todos os amantes da história.

São Paulo, 5 de agosto de 1990.

Fonte: individual.utoronto.ca/www.britannica.com/www.oxfordreference.com/www.er.uqam.ca

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.