Breaking News
Home / História Geral / Franquismo

Franquismo

PUBLICIDADE

Franquismo – Regime

Estritamente falando, o regime de Franco começou em 1939 e terminou com a morte do líder, em novembro de 1975.

Em termos gerais, o regime de Franco começa a se formar durante a guerra civil (1936-1939) e persistiram após a morte Franco, até a ascensão de Adolfo Suárez ao governo do estado, quando a transição começa.

Como pano de fundo para a ditadura deve ser notado Guerra Civil, que produziu um material de devastação do país, um importante declínio demográfico e um emocional e moral do que o desastre era difícil de sair.

Assim, Franco construir seu regime sobre as ruínas da guerra e começar a construir no mesmo conflito com a formação do Conselho de Defesa Nacional, a união de poderes na pessoa de Franco, o Decreto de Unificação e as medidas tomadas pelo primeiro governo Franco.

O Partido Popular no governo da Espanha perdeu a vergonha de suas origens franquistas.

Ante o sucesso da greve geral e a continuação dos protestos contra os cortes de gastos sociais (42% nas despesas com atendimento de crianças e 39% com idosos, mas só 2% nos dispêndios da Casa Real), fará votar um projeto que estende as leis antiterroristas aos protestos sociais dos indignados.

Franquismo
Na Espanha, o retrocesso social e político parece ter-se tornado um fim em si: as finanças são mero pretexto.

Obstruir a entrada de prédio público, por exemplo, poderá resultar em até três anos de prisão.

Enquanto isso, as medidas de austeridade, longe de ?acalmar os mercados?, como se pretendia, criam pânico nas bolsas europeias por seu previsível impacto depressivo e o juro pago pela dívida volta a 6%.

O retrocesso social e político parece ter-se tornado um fim em si: as finanças são mero pretexto.

Franquismo – O que foi

Em abril de 1931, a República foi proclamada na Espanha.

Seguiu-se um período conturbado e, em 1936, a esquerda assumiu o poder, por intermédio do grupo denominada Frente Popular.

Franquismo foi um regime político aplicado na Espanha entre 1939 e 1976, durante a ditadura do general Francisco Franco (que morreu em 1975).

Ideologia que norteava o regime político do ditador espanhol Francisco Franco (1892-1975).

Esta vitória provocou uma série de conflitos, atemorizando a sociedade de maneira geal.

Os militares tentaram articular um golpe de Estado sem atingirem êxito.

No Marrocos espanhol, os insurretos conseguiram novos adeptos, mas foram controlados.

A marinha espanhola, a região da Catalunha e as povíncias bascas (em reconhecimento pela auonomia conquistada com a República) permaneceram fiéis ao governo de Madri, sem condições, entretanto, de manter a defesa e a segurança do país.

Por essa razão, o povo armou-se em milícia improvisadas, desencadeando-se a Guerra Civil que se prolongou por três anos.

Formaram-se duas frentes de luta: as milícias de trabalhadores que apoiavam a República e o governo eleito; os grupos conservadores, monarquistas e militares golpistas.

A guerra ganhou feições internacionais, pois os republicanos receberam apoio das brigadas internacionais (voluntários de todo o mundo), especialmente da URSS; já os golpistas foram auxiliados pelos fascistas e nazistas.

A Guerra Civil Espanhola só se concluiu em 1939, com a derrota da Frente Popular e a vitória do General Franco. Assumindo o poder, o governo espanhol adquiriu contornos autoritários, revelando semelhanças ao fascismo.

Em 1937, foi criado o Partido Único, a Falange, que reunia forças que haviam apoiado o golpe militar e atuação de Franco durante a guerra.

As idéias corporativistas do regime foram fixadas pelo Fuero del Trabajo, em que se enaltecia a família, o sindicato, o município.

O franquismo contou, também, com o apoio da Igreja.

Franquismo – Regime Político

Na Espanha em 1939 e 1975, foi aplicado um regime político baseado no fascismo, durante a ditadura de Francisco Franco.

Quando terminou a Guerra Civil Espanhola, e com a vitória dos auto-denominados nacionalistas, então, Franco passou a ser chefe de Estado.

Nos primeiros anos o regime franquista levou a cabo uma repressão brutal contra os adversários, deu apoio a Hitler e a Mussolini e praticou uma política econômica, onde parou como o desenvolvimento do pais.

Com o passar do tempo,o regime entrou em contato com os EUA e deste então, mudou a política econômica, durante os anos de 1960, produziu-se um aumento notável do nível de vida da população em geral.

A Guerra Civil Espanhola só se concluiu em 1939, com a derrota da Frente Popular e a vitória do General Franco. Assumindo o poder, o governo espanhol adquiriu contornos autoritários, revelando semelhanças ao fascismo.

Em 1937, foi criado o Partido Único, a Falange, que reunia forças que haviam apoiado o golpe militar e atuação de Franco durante a guerra. As idéias corporativistas do regime foram fixadas pelo Fuero del Trabajo, em que se enaltecia a família, o sindicato, o município.

franquismo contou, também, com o apoio da Igreja.

Franquismo: Ideologia, Regime e Características

O regime de Franco teve uma série de recursos que irá introduzir, em seguida, descritos de forma sucinta.

Era um regime de partido único como modelos ditatoriais e reacionários: o partido só autorizado é “Movimento Nacional”.
A democracia parlamentar pelo sistema da democracia orgânica é substituído.
A concentração do poder em uma só pessoa: o Caudillo. Cult desenvolvimento semelhante ao de todos os regimes personalidade autoritária.
Recusa de quaisquer regiões políticas, linguísticas ou culturais adequadas. (Catalunha, Galiza e País Basco em particular).
Restrição da liberdade de opinião, de associação e de reunião.
Catolicismo tornou-se a religião do Estado. Espanha torna-se um regime próximo ao Nacional – o catolicismo.
Ideologia franquista exalta um tradicionalista e anti Espanha modernista, fundada na religião católica e corporativismo. Esta ideologia de muitos dos top Falange fundada em 1933 por José Antonio Primo de Rivera, que por sua vez foi princípios do fascismo italiano.

Propaganda franquista enfatizou os valores nacionalistas e religiosos tradicionais. O slogan Franco “Espanha um grande, livre lá”, insiste o aparelho, do tamanho e da independência da Espanha.

Proclamado cabeça de Estado, Franco é o único responsável diante de Deus e da nação, chefe do Conselho Supremo de Defesa.

Franco é “Caudillo de Espanha pela graça de Deus”, dizem as moedas cunhadas sob o regime de Franco.

Franquismo – História

Jacob Frank – Criador do Frankismo

frankismo foi um movimento religioso judaico centrado na liderança de Ya’akov (Jakub) ben Yehudah Leib Frank (1726 –1791).

O termo frankismo foi cunhado na Varsóvia do início do século XIX e foi inicialmente uma calúnia dirigida aos descendentes dos seguidores de Frank que se converteram ao catolicismo romano e tentaram ocultar sua origem.

Foi apenas com o aparecimento dos primeiros relatos acadêmicos do movimento na segunda metade do século XIX que o termo passou a ser usado para toda a variedade de fenômenos ligados pelos autores à atividade de Frank.

Fontes da era de Frank, no entanto, fornecem várias perspectivas diferentes. Nos relatos judaicos, seus seguidores normalmente não são apresentados como um grupo separado, mas como um desdobramento de movimentos heréticos preexistentes, mais notavelmente do sabatismo. A maioria dos observadores cristãos via os frankistas como uma seita judaica oposta ao Talmud.

Os frankistas inicialmente pensaram em si mesmos como um ramo do judaísmo que se opunha à autoridade dos rabinos e rejeitava alguns elementos da tradição rabínica. Posteriormente, os frankistas se redefiniram como um grupo religioso separado, praticamente independente das formas até então existentes de judaísmo e cristianismo.

Ya’akov Frank nasceu em Podolia, de acordo com algumas fontes em Korolówka e outras em Buczacz. Pouco depois de seu nascimento, seus pais mudaram-se para o Império Otomano.

Há algumas evidências de que seu pai estava envolvido na propagação da propaganda sabática na década de 1720 e é provável que sua migração para a Turquia estivesse ligada à campanha contra os sabatistas que varreu as comunidades judaicas polonesas após a descoberta de documentos heréticos pelas autoridades judaicas em 1725. Frank passou a juventude em Czernowitz, Smyrna, Constantinopla e Bucareste. Em 1752, ele se casou em Nicópolis, e na noite de seu casamento foi iniciado em um grupo sabático. Um ano depois, mudou-se para Salônica e estabeleceu contatos com o ramo mais radical dos Dönmeh (sabatistas), fundado por Berukhyah Russo (falecido em 1720), considerado por seus seguidores como a próxima manifestação da alma de Shabetai Tsevi e foi declarado como a encarnação do Deus de Israel. De Salônica, Frank fez uma peregrinação ao túmulo do profeta de Shabetai, Nathan de Gaza, em Skopje. Durante sua estada no Império Otomano, ele ficou conhecido como Ya’akov Frenk ou Frank – um epíteto que denota um europeu no Oriente (para Ashkenazim na Polônia, também pode denotar uma visita sefardita da Turquia).

Em 1755, Frank retornou à Polônia, onde se associou aos líderes sabáticos da Podólia e visitou comunidades judaicas conhecidas por suas tendências heréticas desde o início do século XVIII (Korolówka, Jezierzany, Busk e Rohatyn). Apresentando-se como um cabalista famoso e emissário do Dönmeh, ele conseguiu unificar grupos sabatistas fragmentados e atraiu muitos seguidores por toda a Podólia. Na noite de 27 de janeiro de 1756, Frank e um grupo de seus seguidores foram descobertos conduzindo um ritual antinomiano em Lanckorona nad Zbruczem. A pedido dos rabinos, as autoridades polonesas locais prenderam os participantes. Frank, como súdito turco, foi libertado no dia seguinte e voltou aos territórios otomanos. Ele se converteu ao islamismo, foi para Constantinopla e recebeu uma propriedade na província de Chocim (agora Khotin, Ucrânia).

Ao mesmo tempo, na Polônia, os rabinos abriram um inquérito na bet din (corte judaica) de Satanów. Aqueles que se envolveram no ritual em Lanckorona, junto com suas famílias, foram considerados culpados de quebrar inúmeras proibições halakhic. Eles confessaram que cometeram adultério, trocaram esposas, estudaram livros sabáticos proibidos e professaram a fé de Shabetai Tsevi.

Os resultados da investigação foram apresentados a uma assembleia rabínica em Brody, que pronunciou um erem (proibição de excomunhão) contra os sabatistas. O erem foi confirmado em uma sessão do Conselho das Quatro Terras em Konstantynów em setembro de 1756. O conselho estendeu a proibição de Brody sobre as outras comunidades da Podólia e impôs pesadas penalidades aos sabatistas.

Seguindo o conselho do Rabino Ya’akov Emden, as autoridades judaicas também contataram o bispo de Kamieniec Podolski, Mikolaj Dembowski, em cuja diocese o caso de Lanckorona havia ocorrido, e argumentaram que, uma vez que os ritos dos Sabatistas envolviam a prática de magia e de forma absoluta conduta imoral, tanto judeus como cristãos deveriam condenar os francistas igualmente e os cristãos deveriam queimá-los na fogueira. No entanto, o esquema de entregar os seguidores de Frank às autoridades católicas saiu pela culatra terrivelmente. Assim que Dembowski teve a chance de se intrometer em assuntos internos judaicos, ele imediatamente aproveitou a oportunidade. Os seguidores de Frank conseguiram virar o jogo contra seus oponentes rabínicos e formaram uma aliança com os sacerdotes.

Eles se apresentaram como os Contra-Talmudistas, argumentando que, no decorrer do estudo dos antigos livros cabalísticos, eles chegaram independentemente à convicção de que Deus é uma natureza em três pessoas e que a verdadeira razão para sua perseguição pelos judeus era a semelhança entre o credo franco e a dos cristãos.

A aliança entre os sabatistas e o clero resultou em última instância em uma disputa pública forçada entre judeus e contra-talmudistas.

Em 2 de agosto de 1756, os Contra-Talmudistas submeteram um manifesto ao consistório de Lwów. Afirmando falar em nome de judeus de crenças semelhantes em outros países, 23 representantes afirmaram que o Talmud é blasfemo e contrário à razão e aos mandamentos de Deus. Eles também exigiram uma disputa para que pudessem provar publicamente os princípios de sua fé.

Os nove princípios foram os seguintes:

1. Cremos em tudo o que foi ensinado e ordenado por Deus no Antigo Testamento.
2. Os livros de Moisés e os outros livros do Antigo Testamento podem ser comparados a uma donzela ricamente vestida, cujo rosto está coberto e cuja beleza não pode ser vista. Esses livros estão repletos da sabedoria oculta de Deus; eles falam de coisas misteriosas e do futuro e, portanto, não podem ser compreendidos pela razão humana sem a ajuda da Graça Divina.
3. Os rabinos dos tempos antigos procuravam expor o Antigo Testamento. Suas explicações são conhecidas como Talmud e contêm muitas mentiras, irracionalidades e muitas tolices e hostilidade a Deus e Seus ensinamentos.
4. Com base no Antigo Testamento, acreditamos que existe um Deus, sem começo nem fim, que é o criador do céu e da terra e de todas as coisas conhecidas e desconhecidas.
5. Cremos que existem três pessoas dentro de um Deus, sem divisão dentro dele.
6. Cremos que Deus se manifestou na forma corporal, em todos os aspectos como os outros seres humanos, mas sem pecado.
7. A cidade de Jerusalém não será reconstruída até o fim dos tempos.
8. Os judeus esperaram em vão que o Messias viesse para elevá-los acima do mundo inteiro.
9. Com base no Antigo Testamento, cremos que o próprio Deus seria revestido de forma humana e expiaria todos os pecados pelos quais o mundo foi amaldiçoado. Em sua vinda, o mundo seria perdoado e purificado de toda iniqüidade.

A disputa ocorreu em Kamieniec Podolski de 20 a 28 de junho de 1757. Os participantes incluíam 19 oponentes do Talmud e 40 rabinos. Frank não participou da disputa e não está claro se ele teve alguma influência na formulação das teses. Após a disputa, Dembowski emitiu um veredicto a favor dos Frankistas.

O tribunal eclesiástico rejeitou as evidências fornecidas pela corte judaica de Satanów como calúnia. Impôs uma série de penalidades financeiras aos rabinos, ordenou o açoite dos judeus responsáveis por causar estragos em Lanckorona e condenou o Talmud como sem valor e corrupto, ordenando que cópias dele fossem queimadas na praça da cidade. O tribunal decidiu que, embora o judaísmo ofendesse a fé e autoridade cristã, cabia às autoridades civis decidir se os judeus deveriam ser tolerados na comunidade. Nesse ponto, parecia que o sabatianismo seria legalmente reconhecido como uma forma legítima de judaísmo. Abandonando a tradição de longa data de que o estado cristão reconheceria apenas uma religião judaica, o tribunal decidiu que um judeu individual poderia mudar de uma “denominação” judaica para outra. Baseando-se no precedente dos caraítas, o veredicto do tribunal definiu os sabatistas como judeus contra-talmudistas e equiparou seus direitos, privilégios e obrigações aos de outros judeus que viviam na comunidade.

As circunstâncias mudaram, no entanto, com a morte repentina do bispo Dembowski em 9 de novembro de 1757: os sectários inesperadamente se encontraram em uma espécie de limbo entre o judaísmo e o cristianismo, sem apoio e proteção de ambos os lados. A queima de cópias do Talmud parou; a campanha contra os hereges foi renovada com força dupla; e muitos deles fugiram através do Dniester para a Turquia, onde se juntaram a Frank.

Parecia que a única opção viável para os seguidores de Frank poderia ter sido permanecer no Império Otomano como uma das muitas comunidades do Sabá, professando abertamente o Islã e, ao mesmo tempo, praticando uma forma heterodoxa de Judaísmo. Mas o clima na Polônia mudou novamente. O bispo Kajetan Soltyk, que orquestrou o julgamento de assassinato ritual de Zytomierz em 1753, enfrentou acusações generalizadas de falsificação de provas, suborno e assassinato. Ele decidiu usar os Contra-Talmudistas para melhorar sua imagem pública.

Se os próprios judeus confirmarem independentemente a acusação de assassinato ritual, Soltyk seria capaz de silenciar seus críticos.

A fim de “provar” que as acusações Zytomierz eram verdadeiras e que os judeus de fato usavam sangue cristão para fins rituais, Soltyk em 1758 publicou a brochura Bledy talmudowe od samychze Zydów uznane y przez nowa sekte Siapwscieciuchów, czyli watalmudistów, czyli watalmudystów, czyli Reconhecido pelos próprios judeus e revelado pela nova seita de Siapwscieciuchy [ou seja, “sabatistas”] ou os contra-talmudistas).

O panfleto teve como objetivo confirmar as declarações sobre o assassinato ritual usando novas evidências fornecidas pelos Contra-Talmudistas. Paralelamente à publicação da brochura, Soltyk conseguiu convencer o Rei Augusto III a trazer a seita de volta à comunidade. Em 11 de julho de 1758, o rei emitiu uma carta de salvo-conduto para os Contra-Talmudistas que haviam fugido para a Turquia.

Membros da seita (incluindo Frank) lentamente começaram a retornar à Polônia e se estabeleceram nas propriedades do Bispo Antoni Sebastian Dembowski, irmão do falecido protetor dos Contra-Talmudistas Mikolaj Dembowski e amigo próximo de Soltyk.

Em 20 de fevereiro de 1759, por instigação de Soltyk, os Contra-Talmudistas solicitaram permissão para outra disputa.

Eles pediram uma unidade de todas as religiões e prometeram provar que os judeus usavam sangue cristão para fins rituais.

Eles apresentaram os seguintes sete pontos para o debate:

1. Todas as profecias sobre a vinda do Messias já foram cumpridas.
2. O Messias é o verdadeiro Deus, cujo nome é Adonai. Ele assumiu a forma humana e sofreu por nossa redenção.
3. Desde o advento do verdadeiro Messias, sacrifícios e cerimônias foram abolidos.
4. Todos devem seguir o ensino do Messias, pois a salvação está apenas nele.
5. A cruz é o sinal da Santíssima Trindade e o selo do Messias.
6. Uma pessoa pode alcançar a fé no Messias o Rei somente por meio do batismo.
7. O Talmud ensina que os judeus precisam de sangue cristão, e quem acredita no Talmud é obrigado a usá-lo.

A disputa ocorreu em Lwów de 17 de julho a 19 de setembro de 1759. Embora Frank não tenha participado da disputa, ele veio para Lwów e foi reconhecido como o líder dos Contra-Talmudistas.

A pressão do Vaticano não levou à promulgação de um veredicto decisivo e os rabinos foram obrigados apenas a formular uma resposta por escrito às acusações dos frankistas. Durante a disputa, os seguidores de Frank passaram a ser tratados não como uma seita judaica que professava princípios que não eram reconhecidos pelo judaísmo dominante, mas como um grupo de candidatos à conversão ao cristianismo. Os primeiros batismos ocorreram antes mesmo do término formal da disputa, e foram assistidos por um grande público, com muitos nobres importantes atuando como padrinhos. Em 17 de setembro, o próprio Frank foi batizado na Catedral de Lwów e adotou o nome de Jakub Josef. Aproximadamente 3.000 pessoas se converteram em Lwów, Lublin e Varsóvia. Alguns deles foram imediatamente enobrecidos com base em um estatuto lituano de 1588, que dava à pequena nobreza as prerrogativas de batizar judeus e seus descendentes.

A igreja dedicou muito esforço para espalhar as notícias da disputa de Lwów. O primaz da Polônia publicou uma carta pastoral instando os católicos a apoiarem os convertidos com esmolas e ordenou que uma versão resumida das atas da disputa fosse enviada às igrejas paroquiais e lida durante os sermões de domingo.

Relatos e manifestos das disputas foram traduzidos para o latim, francês, espanhol, armênio, português, italiano e alemão e divulgados em diversos países.

As notícias das conversões chegaram à Inglaterra e ao Novo Mundo.

Após seu batismo, Frank se comportou de maneira ostensiva. Ele se mudou para Varsóvia, onde foi batizado pela segunda vez em uma cerimônia real, com Starosta Bratkowski agindo em nome do Rei Augusto III como padrinho. Ele frequentou teatros e visitou as casas de importantes magnatas. No entanto, vários novos convertidos em Lwów relataram ao seu confessor que a adoção do cristianismo por Frank não foi sincera. Em 7 de janeiro de 1760, ele foi preso. Pouco depois, as autoridades eclesiásticas emitiram uma proclamação oficial a respeito de seu caso.

A proclamação afirmava que uma investigação havia estabelecido a autenticidade da crença dos judeus que se converteram ao catolicismo. No entanto, devido à influência negativa de seu líder, Jakub Frank, os convertidos se desviaram para crenças errôneas sobre a Segunda Vinda e o Juízo Final. Como os seguidores deram homenagem excessiva a Frank, as autoridades decidiram separá-lo de seus discípulos e isolá-lo em um local isolado, onde deveria permanecer enquanto aguardava uma decisão da Santa Sé. Em 24 de fevereiro, Frank foi enviado para o mosteiro de Czestochowa.

Relativamente pouco se sabe sobre a estada de 13 anos de Frank em Czestochowa. Soltyk continuou a apoiar seu protegido, bancando as despesas de Frank no mosteiro e alocando fundos especiais para o assentamento dos convertidos em sua diocese. Frank recebeu aposentos amplos e confortáveis para si e sua comitiva, e foi autorizado a receber hóspedes e enviar emissários. Seus discípulos mais próximos começaram gradualmente a se mudar para Czestochowa e as aldeias vizinhas.

Embora Frank frequentasse regularmente os serviços católicos e estudasse o Novo Testamento, ele também conduzia seus próprios rituais nas paredes ao redor do santuário.

Tanto os monges quanto os peregrinos que permaneceram no mosteiro notaram esses rituais, mas não há evidências de quaisquer esforços para impedi-los de acontecer. Fontes francistas mencionam que em 1768 e 1769 enviados de Czestochowa foram para Podólia, Moldávia, Hungria, Alemanha e Morávia. Frank também iniciou negociações com os russos e enviou dois emissários a Moscou. Em Varsóvia, os frankistas conversaram com o residente russo, o príncipe Nikolai Vassil’evich Repnin. Em troca da libertação do cativeiro, Frank prometeu que 20.000 judeus se converteriam à ortodoxia grega.

Embora os russos tenham decidido recusar sua oferta, eles libertaram Frank quando a fortaleza de Czestochowa caiu em suas mãos após o colapso da Confederação de Bar em agosto de 1772.

Frank recebeu passaportes, deixou a Polônia e se dirigiu para Brünn (Brno) em Morávia. Ele estava acompanhado por 18 pessoas, embora nenhum dos líderes dos frankistas durante as disputas na Polônia pertencia a sua comitiva. O motivo da escolha de Brünn (e talvez até da ideia de se mudar para a Morávia) foi sua ligação com a família Dobruschka. Lá, ele se apresentou como um rico comerciante forçado a deixar a Polônia devido ao efeito adverso no comércio criado pelos atuais distúrbios políticos.

Embora ele inicialmente tenha levantado algumas suspeitas entre as autoridades, ele acabou recebendo permissão para se estabelecer. Em março de 1757, ele visitou Viena e foi admitido, junto com sua filha Ewa, a audiências com Joseph II e Maria Theresa. Em várias ocasiões, ele visitou Joseph II em acampamentos militares.

Frank também teve relações com aristocratas morávios e esteve envolvido em vários projetos políticos e espirituais. Ele se tornou uma figura conhecida da sociedade educada, e alguns de seus seguidores e associados chegaram às fileiras iluminadas enquanto desenvolviam carreiras de sucesso. Muitos também se integraram em comunidades não judias vizinhas.

O perfil social e regional de seus seguidores começou a se diferenciar cada vez mais, ocasionalmente levando a tensões entre antigos membros da seita da Polônia e recém-chegados da Morávia e da Alemanha.

À medida que as perspectivas de uma guerra austro-turca se aproximavam, a ideia de utilizar a rede de contatos do Sabá no Império Otomano foi lançada. Alegadamente, Frank teve conversas com Joseph II sobre como armar judeus para lutar contra os turcos. Frank então teve uma briga com Joseph II, que ordenou que ele mandasse embora todos os seus seguidores e pagasse todas as suas dívidas. Depois de levantar fundos desesperadamente entre seguidores em Constantinopla, Varsóvia e Prossnitz, Frank pagou todos os seus credores, deixou a monarquia dos Habsburgos em 12 de fevereiro de 1786 e se estabeleceu em Offenbach am Main. Em Offenbach, a saúde de Frank deteriorou-se gradualmente; em 1788 e 1789, ele sofreu dois ataques de apoplexia e se recuperou, apenas para se render a um terceiro ataque em 10 de dezembro de 1791.

O último quarto do século XVIII assistiu ao início do declínio do Frankismo. Embora algumas de suas comunidades tenham sobrevivido por muito tempo no século XIX, o movimento perdeu muito de sua homogeneidade.

O franquismo foi um movimento particularmente ativo em três cidades: Offenbach, onde Frank viveu os últimos quatro anos de sua vida e onde estabeleceu a corte que servia como centro de peregrinação para seguidores de diferentes países; Varsóvia, onde vivia a maioria dos Frankistas convertidos; e Praga, cuja importância cresceu em proporção inversa a Offenbach.

O tribunal de Offenbach foi liderado pela filha de Frank, Ewa. A maioria dos cidadãos da cidade nada sabia sobre a origem judaica da seita.

Ewa costumava se aventurar em casas locais e estabelecer alguns contatos com a sociedade educada de Offenbach. Ela sempre foi vaga sobre seu passado, mas seus modos cultivados, tocar piano, habilidades com bordados e francês fluente encorajaram a suposição de que ela tinha uma origem aristocrática.

A comunidade mais pobre de Offenbach também elogiou sua generosidade: ela deu esmolas e apoiou vários casos de caridade.

Suas contribuições para fins eclesiásticos foram particularmente generosas e a primeira capela católica romana em Offenbach foi estabelecida e decorada graças à ajuda de Ewa.

Esses fatores deram origem a uma lenda da ancestralidade real da família Frank. Acreditava-se que Ewa era na realidade a filha natural da czaritsa Elisabeth e do príncipe Aleksei Rasumovsky, e que Jakub Frank fora nomeado pela casa real russa como seu guardião.

Os líderes da corte de Offenbach tentaram unificar o movimento fragmentador e enviaram epístolas circulares a várias comunidades judaicas. A primeira delas apareceu por volta de 1798, mas a maioria das cartas pode ser datada de 1800. Algumas cópias foram escritas em tinta vermelha e passaram a ser conhecidas como as Letras Vermelhas, especialmente porque seu conteúdo fazia uso extensivo da conexão simbólica entre adom ( Heb., Vermelho) e Edom (a terra de Esaú, Roma e o Cristianismo).

As epístolas incluíam os textos completos de duas cartas supostamente escritas por Frank durante sua prisão em Czestochowa, um breve comentário sobre o assunto e outra mensagem assinada pelos líderes do tribunal em Offenbach. As cartas previam catástrofes iminentes e a disseminação do ódio contra os judeus.

Eles conclamaram os judeus a se converterem ao cristianismo.

Embora as epístolas não tivessem grande influência sobre os judeus, elas fizeram com que as autoridades não judias reagissem com ansiedade.

As autoridades prussianas conduziram uma investigação em Offenbach e divulgaram um comunicado retratando Frank como um charlatão falido. Na verdade, Ewa Frank contraiu várias dívidas com comerciantes locais e acabou sendo colocado em prisão domiciliar. O processo judicial contra ela terminou com sua morte em setembro de 1816.

Após o funeral de Frank em 1791, a maioria dos seguidores poloneses tinha deixado Offenbach para Varsóvia. O vácuo deixado por sua partida foi imediatamente preenchido por recém-chegados de Praga.

Durante a vida de Frank, o franquismo se espalhou na Morávia, embora não haja evidências de seguidores na Boêmia. No entanto, a região, e especialmente Praga, tinha uma tradição sabática forte e independente que antecedia o aparecimento de Frank e estava ligada a Yonatan Eybeschütz e seus alunos. Os sabatistas de Praga não eram muito numerosos, mas com sua posição econômica e social ocupavam uma posição influente na comunidade judaica. No final do século XVIII e no início do século XIX, o grupo de Praga era liderado pelas famílias Wehle e Hönigsberg.

Em contraste com os franquistas poloneses, os sabatistas de Praga não se engajaram em propaganda aberta; As autoridades judaicas inicialmente trataram o assunto como uma espécie de segredo aberto, preferindo evitar o confronto.

Após a morte de Frank, os sabatistas de Praga estabeleceram conexões com a corte de Offenbach e se tornaram os principais apoiadores financeiros de Ewa, e Offenbach em si era um centro de peregrinação para os filhos das famílias de Praga. Os líderes judeus de Praga decidiram que o assunto não poderia mais ser ignorado. No outono de 1800, os sabatistas foram excomungados. No mesmo ano, o Rabino El’azar Fleckeles fez uma série de sermões contra o grupo. Logo depois, tumultos eclodiram na cidade e dezenas de panfletos anti e pró-Sabá foram impressos. Embora o grupo de Praga se apropriasse postumamente de Frank, não há evidências de qualquer contato entre os sabatistas de Praga e os seguidores de Frank durante sua vida, e é duvidoso que essa linha de desenvolvimento tenha crescido organicamente a partir de seus ensinamentos.

Mesmo quando Frank foi preso em Czestochowa, Varsóvia havia se tornado o centro franco mais importante da Polônia.

Algumas das pessoas que desempenharam papéis cruciais durante as disputas mudaram-se para lá e, embora algumas tenham sido assimiladas muito rapidamente e rompido seus laços com a seita, outras mantiveram laços estreitos com Frank e continuaram a apoiar sua corte primeiro em Brünn e depois em Offenbach. À medida que a comunidade de Varsóvia se tornou mais estabelecida, ela ganhou relativa independência da liderança da seita na Alemanha. De acordo com relatos contemporâneos, os Frankistas de Varsóvia eram muito numerosos (um panfleto anônimo impresso em 1791 estimou o número total de Frankistas batizados vivendo em Varsóvia em 6.000 e em toda a Polônia em 24.000) e foi dito que monopolizavam certos negócios e profissões.

Esse fator levou a muitos conflitos entre burgueses poloneses e os frankistas. Em brochuras e panfletos poloneses publicados em Varsóvia na década de 1790, os frankistas não foram retratados como judeus nem cristãos, e foram caracterizados por terem conseguido escapar do controle das autoridades judias e polonesas, operando em um vácuo jurídico com uma mistura peculiar de judaísmo e Cristandade. Embora nominalmente católicos romanos, os frankistas circuncidaram seus filhos, guardaram o sábado, tiveram sepultamentos separados e não se casaram fora de sua religião. O vácuo jurídico deu aos frankistas uma vantagem injusta na competição econômica.

Embora alguns dos folhetos fossem abertamente anti-semitas e atacassem as características “judaicas” dos frankistas, zombando de suas roupas, pronúncia polonesa inadequada e outros maneirismos, parece ter havido um sentimento crescente de que os membros deveriam ser tratados como um grupo dentro do cristianismo, em vez de como uma ramificação do Judaísmo.

Essa percepção se tornou um lugar-comum no início do século XIX e ganhou reconhecimento oficial em um ukase especial sobre os cristãos israelitas, publicado pelo czar Alexandre I em 25 de março de 1817.

Embora haja evidências de que os frankistas como um grupo social distinto existiram pelo menos até a década de 1880, é muito improvável que a doutrina de Frank ainda fosse ensinada em sua forma original.

Na Varsóvia do século XIX, o franquismo tornou-se uma espécie de associação de ajuda mútua, na qual as conexões inicialmente estabelecidas dentro da seita eram usadas para facilitar os negócios.

A evaporação gradual da dimensão religiosa do movimento possibilitou que manuscritos expondo os ensinamentos de Frank começassem a vir à tona e se tornassem disponíveis para estudiosos.

O documento franco mais importante, Zbiór slów panskich (A Coleção das Palavras do Senhor) foi provavelmente composto durante a estada de Frank em Brünn e, em seguida, complementado com material adicional durante o período Offenbach. O texto está em polonês com numerosas interpolações hebraico, iídiche e ladino escritas em transliteração; cada citação em hebraico é acompanhada por uma tradução em polonês. A coleção inteira tinha pelo menos 2.194 fragmentos numerados. Antes da Segunda Guerra Mundial, havia pelo menos nove versões diferentes deste manuscrito em circulação. Os únicos manuscritos Frankistas conhecidos existentes hoje estão alojados na Biblioteca Jagiellonian em Cracóvia e na Biblioteca Pública H. Lopacinski em Lublin.

Zbiór slów panskich é um conjunto de breves notas estenográficas que documentam até mesmo as declarações e gestos mais casuais de Frank. A maior parte dos textos assume a forma de uma transcrição oral gravada, reunindo contos de fadas, sonhos, provérbios e parábolas contados por Frank a seus seguidores. Embora muitos dos contos parafraseiem fábulas clássicas do Zohar ou da literatura midrashica, há um esforço consciente para ir além de um quadro de referência judaico tradicional.

Os contos francistas são baseados em um princípio exegético de reescrita tendenciosa de narrativas judaicas tradicionais de modo a inverter hierarquias estabelecidas, desacreditar símbolos honrados e reavaliar os personagens negativos da tradição judaica.

Zbiór slów panskich apresenta a Revelação no Sinai como um engano monstruoso no qual um poder maligno concedeu leis absurdas e prejudiciais ao povo de Israel.

Essas leis podem ser contestadas pelo que Frank chama de “caminho para Esaú” ou “caminho para a vida”. Os termos denotam liberdade de restrições e convenções. Em alguns contextos, Vida também significa imortalidade física. O Caminho para a Vida também tem um caráter profundamente apocalíptico; envolve não apenas a destruição das instituições estabelecidas, mas também a negação absoluta do mundo da criação, em uma tentativa de destruir a própria estrutura do universo visível.

Fonte: www.cartacapital.com.br/estudeonline.net/www.conhecimentosgerais.com.br/yivoencyclopedia.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.