Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Crise Migratória

Crise Migratória

PUBLICIDADE

Crise migratória na Europa

O que é

O encerramento das fronteiras e um acordo marco 2016 com a Turquia levou a um declínio significativo nas chegadas de migrantes e requerentes de asilo por via marítima para a Grécia em comparação a 2015, enquanto a migração de barco a partir do Norte de África para a Itália manteve o ritmo com os anos anteriores.

Em meados de setembro, mais de 290.000 pessoas tinham feito a travessia desde o início de 2016, enquanto mais de 3.200 morreram ou desapareceram na tentativa. países da União Europeia não conseguiram desencadear uma ação coletiva a partilhar a responsabilidade equitativa dos requerentes de asilo ou criar canais seguros e legais para a Europa.

Mais de 60 por cento dos que tomaram a perigosa viagem provenientes de países que são vítimas de guerra ou de violência generalizada, ou ter governos repressivos, como a Síria, Eritreia, Somália, Afeganistão e Iraque. A UE continua a enfatizar a prevenção de desvios e de luta contra o contrabando de mais de uma abordagem coordenada com base no acesso à proteção e respeito pelos direitos humanos, nomeadamente através da cooperação problemática com a Turquia e outros países de trânsito.

A UE deve apoiar robustas operações de busca e salvamento no Mediterrâneo e expandir os canais seguros e legais para a UE. Aumento da reinstalação direta dos países que fazem fronteira com a Síria, nomeadamente Líbano, Jordânia e Turquia e outros países produtores de refugiados iria beneficiar as pessoas que procuram asilo e permitir uma melhor triagem e habilitação protegendo assim a segurança nacional. Os países da UE devem assegurar a responsabilidade mais equitativa partilha dos requerentes de asilo, e aplicar regras comuns da UE sobre as condições de acolhimento e procedimentos de asilo.

Fronteira

Mais de um milhão de migrantes e refugiados atravessaram a fronteira para a Europa em 2015, o que provocou uma crise que os países lutado para lidar com o fluxo, e criar divisão na UE sobre a melhor forma de lidar com as pessoas reinstalação.

A grande maioria chegou por mar, mas alguns imigrantes fizeram o seu caminho sobre a terra, principalmente através da Turquia e Albânia.

Desde a Segunda Guerra Mundial, a Europa não vivia uma onda migratória e consequente crise humanitária tão grande. É um contingente enorme de pessoas oriundas majoritariamente da África e do Oriente Médio, e em menor número da Ásia, solicitando asilo, fugindo de guerras, conflitos, fome, intolerância religiosa, mudanças climáticas intensas, violações de direitos humanos, entre outras realidades insuportáveis.

De quais países são migrantes?

Crise Migratória
Crise Migratória na Europa

O conflito na Síria continua a ser, de longe, o maior motor de migração. Mas a violência em curso no Afeganistão e no Iraque, os abusos na Eritreia, bem como a pobreza no Kosovo, também estão levando as pessoas a procurar novas vidas em outro lugar.

Embora nem todos os que chegam na Europa escolham reivindicar asilo, muitos o fazem. A Alemanha recebeu o maior número de novos pedidos de asilo em 2015, com mais de 476.000.

A Hungria passou para o segundo lugar para os pedidos de asilo, uma vez que mais migrantes fizeram a viagem por terra através da Grécia e dos Balcãs Ocidentais.

Como os migrantes chegam à Europa?

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) estima que mais de 1.011.700 migrantes chegaram por via marítima em 2015 e quase 34.900 por terra.

Isso se compara a 280 mil chegadas por terra e mar para todo o ano de 2014. Os números não incluem aqueles que entraram sem ser detectados.

A força fronteira externa da UE, a Frontex, monitora as diferentes rotas migrantes usar e números que chegam nas fronteiras da Europa e colocar a figura de cruzar para a Europa em 2015, mais de 1,8 milhões.

A maior parte aqueles que se dirigem para a Grécia tomar a relativamente curta viagem de Turquia para as ilhas de Kos, Chios, Lesvos e Samos – muitas vezes em botes de borracha frágeis ou pequenos barcos de madeira.

Como a viagem é perigosa

De acordo com a OIM, mais de 3.770 migrantes teriam morrido tentando atravessar o Mediterrâneo em 2015.

A maioria morreu na travessia do norte da África para a Itália, e mais de 800 morreram na travessia do Egeu da Turquia para a Grécia.

Os meses do verão são geralmente quando a maioria de mortes ocorrem porque é o tempo o mais ocupado para os emigrantes que tentam alcançar Europa.

Mas em 2015, o mês mais mortal para os migrantes foi abril, que viu um barco transportando cerca de 800 pessoas virar no mar ao largo da Líbia. Acredita-se que a superlotação tenha sido uma das razões para o desastre.

Quais os países europeus mais afetados?

Embora a Alemanha tenha recebido o maior número de pedidos de asilo em 2015, a Hungria teve a maior proporção em relação à sua população, apesar de ter fechado a fronteira com a Croácia na tentativa de parar o fluxo em outubro. Cerca de 1.800 refugiados por 100.000 habitantes da Hungria pediram asilo em 2015.

Suécia seguiu logo atrás com 1.667 por 100.000.

A cifra para a Alemanha foi 587 e para o Reino Unido foi de 60 pedidos para cada 100.000 habitantes. A média da UE foi de 260.

Como a Europa respondeu?

As tensões na UE têm vindo a aumentar por causa da carga desproporcional enfrentado por alguns países, particularmente os países onde a maioria dos migrantes foram chegando: Grécia, Itália e Hungria.

Em Setembro, os ministros da UE votaram por maioria para deslocar 160.000 refugiados para toda a UE, mas por agora o plano só se aplica aos que estão na Itália e na Grécia.

Outros 54.000 foram transferidos da Hungria, mas o governo húngaro rejeitou este plano e receberá mais migrantes da Itália e da Grécia como parte do plano de deslocalização.

O Reino Unido optou por abandonar qualquer plano para um sistema de quotas, mas, de acordo com dados do Home Office, 1.000 refugiados sírios foram reassentados no âmbito do plano de deslocalização de pessoas vulneráveis em 2015. O primeiro-ministro David Cameron disse que o Reino Unido vai aceitar até 20.000 refugiados da Síria Nos próximos cinco anos.

Quantos pedidos de asilo são aprovados?

Embora um grande número foram a pedir asilo, o número de pessoas que está sendo dado asilo é muito menor.

Em 2015, os países da UE ofereceram asilo a 292.540 refugiados. No mesmo ano, mais de um milhão de migrantes solicitaram asilo – embora a aplicação de um pedido de asilo possa ser um processo moroso, que muitos dos que receberam o estatuto de refugiado podem ter aplicado nos anos anteriores.

Observação:

Foi usado o termo migrante para se referir a todas as pessoas em movimento que ainda têm de concluir o processo legal de pedir asilo. Este grupo inclui pessoas que fogem de países devastados pela guerra como a Síria, que provavelmente receberão o estatuto de refugiado, bem como pessoas que procuram emprego e vidas melhores, que os governos provavelmente irão governar são migrantes econômicos.

Crise Migratória na Europa

Desde 2015, cenas de imigrantes chegando amontoados dentro de embarcações precárias em busca de uma nova vida em portos europeus vem sendo exibidas rotineiramente em noticiários do mundo inteiro, assim como os trágicos relatos dos que morreram na travessia ou sofreram atrocidades nas mãos das quadrilhas que os veem como lucrativas mercadorias. A atual questão migratória na Europa, parte de um processo ainda em curso, é um tema que permite uma abordagem multidisciplinar dentro da área de Ciências Humanas, e para o qual o material jornalístico disponível é uma das principais fontes de análise, junto às estatísticas elaboradas por instituições de ajuda humanitária e órgãos governamentais de países que recebem esses imigrantes. Um assunto atual, ligado diretamente à questão dos direitos humanos e aos desdobramentos da globalização.

CRISE HUMANITÁRIA

“Crise migratória na Europa”, “Crise do Mediterrâneo” e “Crise dos refugiados na Europa” são nomes atribuídos à situação humanitária crítica, que culminou em 2015, pelo aumento descontrolado do fluxo de refugiados, migrantes econômicos (pessoas que emigram de seus países em busca melhores condições materiais de vida) e migrantes em condições de vulnerabilidade, que utilizam as rotas de imigração ilegal que dão acesso à União Europeia. Considera-se que esta é a pior crise dessa natureza enfrentada pela Europa depois da II Guerra Mundial. A ONU define como migrantes internacionais pessoas que tenham vivido por mais de um ano fora de seus países de origem. Refugiados são pessoas que, em virtude de temores fundamentados de sofrer perseguição motivada por raça, religião, nacionalidade, pertencimento a um determinado grupo social ou opiniões políticas, têm direito ao asilo político.

FLUXOS MIGRATÓRIOS

Dos imigrantes que cruzaram o Mar Mediterrâneo para ingressar na União Europeia entre janeiro e setembro de 2015, a maioria era oriunda dos seguintes países: Síria, Afeganistão, Eritréia, Nigéria, Paquistão e Iraque (dados do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados-ACNUR). Itália e Grécia são os principais pontos de chegada e transito rumo a outros destinos da Europa Central e do Norte. Embora a migração por razões econômicas também precise ser considerada, o principal fator a impulsionar tais fluxos migratórios são conflitos armados de natureza política, étnica e religiosa.

A Síria, país de origem da maioria dos imigrantes, vive uma guerra civil desde 2011. A conexão entre conflitos armados e migrações é fundamental para a compreensão da dinâmica do processo.

Por isso, devemos mencionar as seguintes conjunturas: Guerra do Afeganistão; Insurgência no Magreb (desde 2002); Insurgência Islâmica na Nigéria (desde 2002); Invasão do Iraque (2003); Guerra do Iraque (2003-2011); A Guerrilha no Iraque (2003-2011); Insurgência Iraquiana após a retirada das tropas dos EUA (desde 2011); Insurgência da Al-Qaeda no Iêmen (desde 2003); Guerra no Noroeste do Paquistão (desde 2004); Guerra Civil na Somália e outros conflitos na região conhecida como Chifre da África (que compreende os territórios da Etiópia, Eritréia, Djbuti e Somália); Guerra Civil no Sudão; Primavera Árabe (2010-2013); Guerra, intervenção militar e Insurgência Miliciana na Líbia (desde 2011); Guerra Civil no Sudão do Sul (desde 2013); a já mencionada Guerra da Síria; Segunda Guerra Civil da Líbia e a Guerra contra o Estado Islâmico (desde 2014).

ROTAS DO MEDITERRÂNEO

Entre 2007 e 2011, um grande número de imigrantes e refugiados vindos do Oriente Médio e da África cruzaram a fronteira entre Turquia e Grécia, o que levou o governo grego e a Agência Europeia para Cooperação Operativa nas Fronteiras Exteriores (FRONTEX) a reforçarem o controle na região. Em 2012 foi erguida uma cerca, de 4 metros de altura e 10,3 KM de extensão ao longo da fronteira terrestre entre os dois países, fato que, somado ao maior patrulhamento na área, explica porque tantos se arriscam em travessias pelo Mar Mediterrâneo.

Porta de entrada para imigrantes vindos principalmente da Síria, Afeganistão, Paquistão e Bangladesh, a fronteira marítima da Grécia com a Turquia, no Mar Egeu, é hoje o principal ponto de acesso à União Europeia. Mais de 870 mil imigrantes chegaram às Ilhas Gregas em 2015 (dados da FRONTEX). Também existe a possibilidade de viajar da Turquia diretamente à Itália. Diversas redes criminosas atuam nessa rota, organizando as viagens, fornecendo informações sobre pedidos de asilo e vendendo documentos falsos. Em muitos casos, o preço cobrado pelos traficantes é muito alto para os imigrantes (sobretudo paquistaneses e afegãos), que acabam fazendo a travessia por conta própria, em precárias condições. Embora distância entre a costa da Turquia e a Grécia possa ser pequena (7,5 KM, no caso da Ilha de Lesbos), as condições climáticas instáveis, somadas à superlotação e falta de estrutura das embarcações fazem com que o número de mortes durante a travessia seja elevado.

Há alguns anos, a travessia da África Subsaariana até a Europa podia levar meses, até anos, com os migrantes que por ela passavam sendo expostos a roubos, trabalho forçado, estupros e tortura. Hoje é possível percorrer o mesmo trajeto em até duas semanas, mas os riscos para os que o fazem continuam extremos.

Em 2015, a rota que liga a Líbia à União Europeia foi majoritariamente utilizada por migrantes oriundos de países da região do Chifre da África e diversas outras nações da África Subsaariana. Diferentes percursos são usados pelos migrantes até chegarem a Líbia, sendo todos os trechos controlados por diversos grupos criminosos. A travessia do Deserto do Saara é um ponto crítico.

A UNIÃO EUROPEIA DIANTE DA CRISE

A ONU e diversas entidades de defesa dos Direitos Humanos vêm criticando a postura da União Europeia diante da crise, acusando vários governos dos países membros de inação. Uma das reivindicações centrais é assegurar aos solicitantes de asilo e refugiados um espaço de proteção, e que o princípio da não deportação seja cumprido. Entre os episódios que mais geraram críticas podemos citar o fechamento da fronteira com a Turquia por parte da Bulgária. O objetivo da medida era frear a entrada crescente de refugiados, em sua maioria Sírios, que pediam asilo nesse país membro da União Europeia. O ACNUR questionou a decisão da Bulgária, já que o fechamento da fronteira obrigaria os refugiados a empreender travessias mais perigosas, nas quais ficariam expostos à ação das redes de tráfico internacional de pessoas.

Como já foi exposto, Itália e Grécia são os príncipes países de entrada dos imigrantes na União Europeia. Uma das medidas adotadas pelo bloco, com o objetivo de amenizar o impacto nesses países, foi a criação de cotas de redistribuição de refugiados, ou seja, um número mínimo de refugiados (já em território da U.E.) que cada país do bloco deveria acolher. As cotas são estabelecidas com base nas especificidades demográficas e estruturais de cada nação e a não adoção das mesmas prevê a aplicação de multas. Nos debates que precederam o estabelecimento dessa medida, a oposição à sua implementação por parte de países do Leste Europeu reacendeu as discussões acerca dos limites da integração europeia, assim como levou ao questionamento do Acordo de Schengen e a Convenção de Dublin. O Acordo de Schengen é uma convenção entre países europeus sobre uma política de abertura das fronteiras e livre circulação de pessoas entre os países signatários. Um total de 30 países, incluindo todos os integrantes da União Europeia (exceto Irlanda e Reino Unido) e três países que não são membros da U.E. (Islândia, Noruega e Suíça), assinaram o acordo. Já a convenção de Dublin estabelece que se uma pessoa que tenha apresentado uma solicitação de asilo a um país membro da U.E. atravessa ilegalmente a fronteira de outro país membro, deverá ser devolvida ao país ao qual solicitou asilo.

A Alemanha, que no início da crise apresentou uma política de “portas abertas” aos refugiados, é um caso emblemático dos impactos político-sociais internos da crise, já que a referida política provocou uma profunda divisão na sociedade alemã e mesmo dentro do partido da Chanceler Angela Merkel.

De fato, o tema da imigração ocupa hoje um lugar central nas discussões políticas dos países membros do bloco. Em vários desses países, partidos nacionalistas de extrema direita sustentam a retórica de que a imigração é um fator de degradação econômica e cultural, uma retórica dirigida sobretudo aos imigrantes de origem árabe (sobretudo muçulmanos).

A atual crise parece colocar em xeque o próprio Tratado de Lisboa, (equivalente à constituição da União Europeia), que postula “(…) o respeito à dignidade humana, liberdade, democracia, Estado de Direito e respeito aos direitos humanos, incluídos os direitos das pessoas pertencentes a minorias. ”

Fonte: www.hrw.org/www.bbc.com/conteudoenematualizado.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+