Breaking News
Home / História Geral / Rainha Vitória

Rainha Vitória

PUBLICIDADE

Rainha Vitória – História

Vitória filha de Eduardo, duque de Kent, quarto filho do rei Jorge III , subira ao Trono com 18 anos, aos 21 se casa com o Primo Alberto de Saxe-Coburgo e Gotha que fora sua grande paixão, assim como o Império britânico.

Com relação ao seu casamento fato interessante foi da própria rainha pedir o primo em casamento, casaram-se por amor, e o que torna mais interessante a união é o fato de Vitória ter acrescentado um véu ao traje nupcial, tradição que perdura até os nossos dias.

O governo da Rainha Vitória foi marcado por uma forte expansão territorial, econômica e militar do império britânico, chegando ao seu auge territorial, nesta época surgiu a expressão: Sempre há sol no império britânico, em clara referência à sua extensão. É marcada também uma era de enormes mudanças técnicas em todo império, foi no período vitoriano que surgiu o metrô, o sistema esgoto moderno, os telégrafos, ferrovias mais seguras e rápidas, a tower bridge, a dragagem do Tâmisa. A Rainha vitória tinha apoio de seus súditos, seu governo foi marcado por um expressivo sentimento nacionalista, sucessivas guerras coloniais, também podemos observar em seu contexto um grande crescimento da moral conservadora, em compensação foi o período de grande ascensão da classe média e de maior participação do povo no governo do império. A população britânica duplicou no mesmo período, Londres passou a ser definitivamente o centro comercial do mundo ocidental.

Em termos sociais, o período vitoriano teve um grande impacto, podemos colocar com relação à leis a “Ato de mineração” que proibia o trabalho de mulheres e crianças nas minas de carvão.

Nas escolas fora implantada a educação física como parte do programa didático onde nasceram o football, rugby entre outros esportes. Os esportes foram levados para escolas e academias militares, Na Literatura o período vitoriano foi responsável por parte dos grandes escritores do século XIX, como Sir Arthur Conan Doyle entre outros.

Na arquitetura o gótico foi empregado em várias construções por todo Império, No meio científico tivemos a 1º Grande Feira, a expedição de Darwin Galapágos.

Na diplomacia o período vitoriano foi marcado pela diplomacia das canhoneiras, e nas sucessivas guerras como citadas acima, principalmente coloniais, embora possamos destacar a participação da Inglaterra na Guerra da Criméia.

A parte negativa do governo de Vitória foi marcada principalmente por causa da Grande Fome da Irlanda e dos Massacres na Índia e no Paquistão.

Infelizmente, após a morte de Alberto, a Rainha não atuou mais tão incisivamente na política do império, alguns pesquisadores atribuem a isso a depressão que a Rainha sentira após a morte de seu amado, Vitória resignou-se ao Luto até sua morte aos 81 anos de idade na ilha de Wigth. Seu Enterro também foi marcado por mais uma transgressão, fora carregada por seus filhos, e fora enterrada com um vestido Branco e seu véu, que usara no casamento. O véu posteriormente fora adicionado à tradição mortuária.

O reinado de Vitória fora tão importante que o período que ela reinou ficou conhecido como era vitoriana, um período marcado pelo crescimento do império britânico à limites nunca antes imaginados do Império.

Rainha Vitória – Quem foi

rainha Vitória foi a monarca governante do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda de 1837 até sua morte em 1901.

Durante seu reinado, houve oito atentados contra sua vida, começando em 1840, quando um desempregado de 18 anos chamado Edward Oxford atirou para ela e perdi.

Cinco outros aspirantes a assassinos também dispararam pistolas contra a Rainha enquanto ela estava em sua carruagem, mas ela não foi ferida nessas tentativas.

A única vez em que a rainha Vitória foi fisicamente ferida por um agressor ocorreu em junho de 1850, quando um ex-soldado chamado Robert Pate surpreendeu o monarca de 30 anos em seu pátio e bateu na cabeça dela com uma bengala com ponta de ferro, resultando em hematomas e uma cicatriz feia. A maioria dos agressores da Rainha alegou insanidade, levando a um reexame dos padrões legais em torno de tal argumento.

Um reinado de mais de seis décadas:

Rainha VitóriaEm 64 anos de reinado a Rainha Vitória viu a
Inglaterra se transformar em potência mundial

Os atentados contra a vida da Rainha Vitória e sua resposta “rígida” a eles tornaram o monarca de longo governo ainda mais popular entre o público em geral.

A imponente reputação da rainha Vitória estava em conflito com sua pequena estatura. Ela tinha menos de 1,5 m de altura.

Ela era portadora da mutação do cromossomo X que leva à hemofilia, aflição que ficou conhecida como “doença real” devido a sua prevalência entre os monarcas europeus que eram seus descendentes.

Rainha Vitória – Biografia

Em 24 de Maio de 1819, no palácio de Kensington, em Londres, nascia Alexandrina Vitoria.

O seu pai, o Duque de Kent, morreu quando ela tinha oito meses.

Vitoria cresceu no Palácio de Kensington sob o cuidado de uma governanta alemã e tutores ingleses e do tio, o Príncipe Leopoldo (que viria a ser Rei da Bélgica).

Vitória aprendeu francês e alemão; estudou história, geografia e religião; aprendeu piano e cultivou o gosto pela pintura (que manteve até aos seus sessenta anos).

Quando o seu tio, rei Guilherme IV falece em Junho de 1837 sem ter filhos, Vitoria torna-se Rainha.

Tinha então 18 anos.

Rainha Vitória
Rainha Vitória

Casou em 1840 com o Príncipe Alberto, de quem teve nove filhos. O casal transmitiu uma imagem de família tranquila e respeitável, que contrastava com os anteriores monarcas.

Envolveram-se pessoalmente na educação dos filhos (não deixaram isso apenas a cargo de amas ou tutores). Alberto tornou-se um braço direito da Rainha no que toca aos assuntos de estado; apoiou o desenvolvimento de artes e ciências e foi um grande impulsionador da modernização e fortalecimento do exército britânico; apesar disso, alguns britânicos nunca lhe perdoaram o sotaque alemão.

Após a morte de Alberto em 1861 manteve um luto carregado durante quase 10 anos. Os seus nove filhos foram casando; oito tiveram filhos.

Alguns dos seus filhos e netos casaram com membros de casas reais de outros países, nomeadamente Espanha, Rússia, Suécia, Noruega, e Roménia; Devido à sua numerosa descendência, os britânicos ainda gostam de lhe chamar a “Avó da Europa”.

O reinado de Vitória seria o mais longo de um monarca britânico e é frequentemente referido como a “era vitoriana”.

Durante esse tempo o Império fortaleceu-se e desenvolveu-se; Vitória simpatizava com algumas das mudanças e desenvolvimentos a que ia assistindo: o caminho de ferro, a fotografia, a anestesia para parturientes.

Mas tinha dúvida relativamente a outras questões: o direito de voto universal, a criação de escolas públicas e acesso de mulheres a todas as profissões (nomeadamente a medicina).

Orgulhava-se de ser chefe de estado do mais vasto império multirracial e multi-religioso do mundo; a sua honestidade, patriotismo e devoção à vida familiar tornaram-na o símbolo máximo de uma era.

Os episódios políticos mais marcantes e conhecidos do seu reinado são a Guerra da Crimeia (1853-1856), a guerra dos Boers na África do Sul (1899-1901) e várias rebeliões na Índia.

O incidente do Mapa Cor-de-Rosa também se dá durante o reinado de Vitoria. Do ponto de vista social destaca-se a abolição da escravatura em todo o império britânico (1838), a lei de redução do horário de trabalho (para dez horas) nas industria têxtil (1847) e o “Lei da Terceira Reforma” que concedia o direito de voto a todos os homens trabalhadores (1884).

Rainha Vitória reinou durante 63 anos e foi chefe de estado de todo o Império Britânico, que incluía, o Canadá, a Austrália, a Índia, e vastos territórios em África. Personificação do Reino, Vitoria sempre pretendeu que o Império fosse considerado como uma poderosa potência económica e militar e um modelo de civilização.

Faleceu em 22 de Janeiro de 1901.

Rainha Vitória – Vida

(1837-1901)

Vitoria nasceu no Palácio de Kensington, Londres, em 24 de maio de 1819. Ela era a única filha de Eduardo, duque de Kent, quarto filho de Jorge III.

Seu pai morreu logo após seu nascimento e ela se tornou herdeira do trono porque os três tios que estavam à frente dela na sucessão – Jorge IV, Frederico Duque de York e Guilherme IV – não tiveram filhos legítimos que sobreviveram.

Carinhosa e viva, Vitória tinha um dom para o desenho e a pintura; educada por uma governanta em casa, ela era uma diarista natural e manteve um diário regular ao longo de sua vida. Com a morte de William IV em 1837, ela se tornou rainha aos 18 anos.

Rainha Vitória está associada à grande era da Grã-Bretanha de expansão industrial, progresso econômico e, especialmente, império. Quando ela morreu, dizia-se, a Grã-Bretanha tinha um império mundial no qual o sol nunca se punha.

Rainha Vitória
Rainha Vitória

No início de seu reinado, ela foi influenciada por dois homens: seu primeiro primeiro-ministro, Lord Melbourne, e depois seu marido, o príncipe Albert, com quem ela se casou em 1840.

Os dois homens lhe ensinaram muito sobre como ser uma governante em uma ‘monarquia constitucional’, na qual o monarca tinha muito poucos poderes, mas podia usar muita influência.

Albert teve um interesse ativo nas artes, ciência, comércio e indústria; o projeto pelo qual ele é mais lembrado foi a Grande Exposição de 1851, cujos lucros ajudaram a estabelecer o complexo de museus de South Kensington em Londres.

Seu casamento com o príncipe Albert gerou nove filhos entre 1840 e 1857. A maioria de seus filhos se casou com outras famílias reais da Europa.

Eduardo VII (nascido em 1841), casou-se com Alexandra, filha de Christian IX da Dinamarca. Alfred, duque de Edimburgo e de Saxe-Coburg e Gotha (nascido em 1844) casou-se com Maria da Rússia. Arthur, duque de Connaught (nascido em 1850) casou-se com Louise Margaret da Prússia. Leopold, duque de Albany (nascido em 1853) casou-se com Helen de Waldeck-Pyrmont.

Vitória, princesa real (nascida em 1840) casou-se com Friedrich III, imperador alemão. Alice (nascida em 1843) casou-se com Ludwig IV, Grão-Duque de Hesse e do Reno. Helena (nascida em 1846) casou-se com Christian de Schleswig-Holstein. Louise (nascida em 1848) casou-se com John Campbell, 9º Duque de Argyll. Beatrice (nascida em 1857) casou-se com Henry de Battenberg.

Vitória comprou a Osborne House (mais tarde apresentada à nação por Edward VII) na Ilha de Wight como uma casa de família em 1845, e Albert comprou a Balmoral em 1852.

Vitória era profundamente apegada ao marido e entrou em depressão depois que ele morreu, aos 42 anos, em 1861.

Ela havia perdido um marido dedicado e seu principal conselheiro de confiança para assuntos de estado. Durante o resto de seu reinado, ela vestiu preto.

Até o final da década de 1860, ela raramente aparecia em público; embora ela nunca tenha negligenciado sua correspondência oficial e continuado a dar audiências a seus ministros e visitantes oficiais, ela estava relutante em retomar uma vida pública plena.

Ela foi persuadida a abrir o Parlamento pessoalmente em 1866 e 1867, mas foi amplamente criticada por viver em reclusão e um forte movimento republicano se desenvolveu.

Sete atentados foram feitos contra a vida de Vitória, entre 1840 e 1882 – sua atitude corajosa em relação a esses ataques fortaleceu muito sua popularidade.

Com o tempo, as solicitações privadas de sua família e a atenção lisonjeira de Benjamin Disraeli, primeiro-ministro em 1868 e de 1874 a 1880, a rainha gradualmente retomou suas funções públicas.

Na política externa, a influência da rainha durante os anos intermediários de seu reinado foi geralmente usada para apoiar a paz e a reconciliação. Em 1864, Vitória pressionou seus ministros a não intervirem na guerra Prússia-Dinamarca, e sua carta ao imperador alemão (cujo filho se casou com sua filha) em 1875 ajudou a evitar uma segunda guerra franco-alemã.

Sobre a Questão Oriental na década de 1870 – a questão da política da Grã-Bretanha em relação ao declínio do Império Turco na Europa – Vitória (ao contrário de Gladstone) acreditava que a Grã-Bretanha, enquanto pressionava por reformas necessárias, deveria defender a hegemonia turca como um baluarte de estabilidade contra a Rússia, e manter o bipartidarismo em um momento em que a Grã-Bretanha poderia estar envolvida na guerra.

A popularidade de Vitória cresceu com o sentimento imperial crescente a partir da década de 1870. Após o motim indiano de 1857, o governo da Índia foi transferido da Companhia das Índias Orientais para a Coroa, com o cargo de Governador Geral elevado a Vice-rei, e em 1877, Vitória tornou-se Imperatriz da Índia sob a Lei dos Títulos Reais aprovada pelo governo de Disraeli.

Durante o longo reinado de Vitória, o poder político direto se afastou do soberano. Uma série de Atos ampliou a base social e econômica do eleitorado.

Esses atos incluíram a Segunda Lei de Reforma de 1867; a introdução do voto secreto em 1872, que tornou impossível pressionar os eleitores por meio de suborno ou intimidação; e a Lei de Representação dos Povos de 1884 – todos os chefes de família e inquilinos em acomodações no valor de pelo menos £ 10 por ano, e ocupantes de terras no valor de £ 10 por ano, tinham direito a voto.

Apesar deste declínio no poder do Soberano, Vitória mostrou que um monarca que tinha um alto nível de prestígio e que estava preparado para dominar os detalhes da vida política poderia exercer uma influência importante.

Isso foi demonstrado por sua mediação entre os Comuns e os Lordes, durante a aprovação amarga da Lei de Desestabelecimento da Igreja Irlandesa de 1869 e da Lei de Reforma de 1884.

Foi durante o reinado de Vitória que a ideia moderna do monarca constitucional, cujo papel era permanecer acima dos partidos políticos, começou a se desenvolver. Mas a própria Vitória nem sempre foi apartidária e aproveitou para dar suas opiniões, às vezes com muita força, em particular.

Após a Segunda Lei da Reforma de 1867 e o crescimento do sistema bipartidário (liberal e conservador), a margem de manobra da rainha diminuiu.

Sua liberdade de escolher qual indivíduo ocuparia o cargo de primeiro-ministro era cada vez mais restrita.

Em 1880, ela tentou, sem sucesso, impedir William Gladstone – de quem ela não gostava tanto quanto admirava Disraeli e cujas políticas ela desconfiava – de se tornar primeiro-ministro.

Ela preferia muito o marquês de Hartington, outro estadista do partido liberal que acabara de ganhar as eleições gerais. Ela não conseguiu o que ela queria.

Ela era uma apoiadora muito forte do Império, o que a aproximou tanto de Disraeli quanto do Marquês de Salisbury, seu último primeiro-ministro.

Embora conservadora em alguns aspectos – como muitos na época ela se opôs a dar às mulheres o voto – em questões sociais, ela tendia a favorecer medidas para melhorar a situação dos pobres, como a Comissão Real sobre habitação. Ela também apoiou muitas instituições de caridade envolvidas na educação, hospitais e outras áreas.

Vitória e sua família viajaram e foram vistas em uma escala sem precedentes, graças a melhorias nos transportes e outras mudanças técnicas, como a divulgação de jornais e a invenção da fotografia.

Vitória foi a primeira monarca reinante a usar trens – ela fez sua primeira viagem de trem em 1842.

Em seus últimos anos, ela se tornou o símbolo do Império Britânico. Tanto o Jubileu de Ouro (1887) quanto o de Diamante (1897), celebrados para comemorar os 50 e 60 anos da ascensão da Rainha, foram marcados com grandes exibições e cerimônias públicas. Em ambas as ocasiões, foram realizadas conferências coloniais com a presença dos primeiros-ministros das colônias autônomas.

Apesar de sua idade avançada, Vitória continuou seus deveres até o fim – incluindo uma visita oficial a Dublin em 1900. A Guerra dos Bôeres na África do Sul obscureceu o fim de seu reinado.

Como na Guerra da Crimeia, quase meio século antes, Vitória revisou suas tropas e visitou hospitais; ela não se intimidou com os reveses britânicos durante a campanha: “Não estamos interessados nas possibilidades de derrota; eles não existem.”

Vitória morreu em Osborne House, na Ilha de Wight, em 22 de janeiro de 1901, após um reinado que durou quase 64 anos, então o mais longo da história britânica. Seu filho, Eduardo VII, a sucedeu.

Ela foi enterrada em Windsor ao lado do Príncipe Albert, no Mausoléu Real Frogmore, que ela construiu para o local de descanso final.

Acima da porta do Mausoléu estão inscritas as palavras de Vitória: Adeus, meus amados, aqui finalmente descansarei contigo, contigo em Cristo ressuscitarei.

Fonte: bahai-library.com/www.royal.gov.uk/www.biography.com/Enciclopédia Mirador Internacional

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.