Breaking News
Home / História Geral / História da Medicina

História da Medicina

PUBLICIDADE

 

O que é a medicina?

A Medicina tem dois significados básicos, refere-se a:

1. A Ciência do Bom Viver; a prática do diagnóstico, tratamento e prevenção da doença e promoção da saúde.
2. Os medicamentos, drogas, substâncias utilizadas para tratar e curar doenças e promover saúde.

Os seres humanos têm vindo a praticar a medicina, de uma forma ou de outra por mais de um milhão de anos.

História da Medicina
Hígia, a deusa da Saúde

A Medicina é a ciência e arte de curar. Ela engloba uma variedade de práticas de saúde evoluíram para manter e restaurar a saúde através da prevenção e tratamento da doença. Todas as sociedades humanas têm crenças médicas que fornecem explicações para o nascimento, morte e doença. Ao longo da história, a doença tem sido atribuída a feitiçaria, demônios, a influência astral adverso, ou a vontade dos deuses.

Os primeiros registros sobre medicina foram descobertos a partir de medicina antiga egípcio, babilônico medicina, medicina ayurvédica (no subcontinente indiano), a medicina chinesa clássica (predecessor da tradicional medicina chinesa moderna), e antiga medicina grega e romana medicina .

Pré-História da Medicina

Medicina pré-histórica plantas incorporados (itoterapia), partes de animais e minerais. Em muitos casos, esses materiais foram utilizados substâncias ritualmente como mágicos por sacerdotes, xamãs ou curandeiros. É claro que as sociedades pré-históricas acreditavam em ambos os meios naturais e sobrenaturais de variavelmente causando e tratamento da doença. Materiais vegetais (ervas e substâncias derivadas de fontes naturais), estavam entre os tratamentos para as doenças em culturas pré-históricas.

Medicina egípcia

O egípcio Imhotep (2667 – 2648 aC) é o primeiro médico na história conhecida pelo nome. A primeira cirurgia conhecida no Egito foi realizada no Egito em torno de 2750 aC. O Kahun Gynaecological Papyrus trata queixas das mulheres, incluindo problemas com a concepção. Trinta e quatro casos detalhando diagnóstico e tratamento sobrevivem, alguns deles fragmentariamente. Datado de 1800 aC, é o mais velho sobrevivente texto médico de qualquer tipo.

Instituições médicas, conhecido como Casas da Vida são conhecidos por terem sido estabelecida no antigo Egito, logo no primeiro Dynasty.

Heródoto descreveu os egípcios como “o mais saudável de todos os homens, ao lado dos líbios”, devido ao clima seco e o sistema de saúde pública notável que eles possuíam. Segundo ele, “[a] prática da medicina é tão especializada entre eles que cada médico é um curandeiro de uma doença e não mais.” Embora a medicina egípcia, em boa medida, de que trata o sobrenatural, ele acabou desenvolvendo um uso prático nas áreas de anatomia, saúde pública, e diagnósticos clínicos.

Medicina mesopotâmica

Os mais antigos textos babilônicos na data da medicina remonta ao período babilônico antigo na primeira metade do segundo milênio aC. O mais extenso texto médico da Babilônia, no entanto, é o Manual de Diagnóstico por escrito pelo médico-Esagil-kin apli de Borsippa, durante o reinado do rei babilônico Adad-apla-iddina (1069- 1046 aC). Junto com a medicina egípcia contemporânea, os babilônios introduziu os conceitos de diagnóstico, prognóstico, exame físico, e prescrições médicas.

Além disso, o Manual de Diagnóstico introduzidos os métodos de terapia e etiologia e a utilização de empirismo, lógica e racionalidade no diagnóstico, prognóstico e tratamento. O texto contém uma lista de sintomas médicos e observações empíricas frequentemente detalhados, juntamente com regras lógicas usadas em combinação de sintomas observados no corpo de um paciente com o diagnóstico e prognóstico.

Medicina Indiana

O Atharvaveda, um texto sagrado do hinduísmo que datam do início da Idade do Ferro , é o primeiro texto indiano lidar com a medicina, como a medicina do Antigo Oriente Próximo com base em conceitos do exorcismo de demônios e magia. O Atharvaveda também contêm prescrições de ervas para várias doenças.

O uso de ervas para tratar doenças mais tarde iria formar uma grande parte da Ayurveda.

No primeiro milênio aC, surge no pós-védica Índia o sistema de medicina tradicional conhecida como Ayurveda, que significa “conhecimento completo para uma vida longa”. Seus dois textos mais famosos pertencem às escolas de Charaka, nascido c. 600 aC, e Sushruta, nascido 600 BCE. Os primeiros fundamentos da Ayurveda foram construídas sobre uma síntese das práticas tradicionais de ervas, juntamente com um acréscimo enorme de conceituações teóricas, novas nosologias e novas terapias que datam de cerca de 400 aC em diante, e saindo das comunidades de pensadores que incluíram a Buda e outros.

Os clássicos ayurvédicos mencionar oito ramos da medicina: kayacikitsa (medicina interna), salyacikitsa (cirurgia incluindo anatomia), salakyacikitsa (olhos, ouvidos, nariz e garganta) doenças, kaumarabhtya (pediatria), bhutavidya (medicina espírito), e Agada tantra ( Toxicologia), RASAYANA (ciência do rejuvenescimento) e Vajikarana (afrodisíacos, principalmente para os homens).

Além de aprender estes, era esperado que o aluno de Ayurveda saber dez artes que eram indispensáveis na elaboração e aplicação de seus medicamentos: destilação, habilidades operatórias, cozinha, horticultura, metalurgia, fabricação de açúcar, de farmácia, de análise e de separação de minerais, compondo de metais, e preparação de álcalis.

História da Medicina
Crânio com trefinação – Neolítico (3500 aC), mostrando evidência de uma trefinando funcionamento – a remoção de uma parte do crânio para aliviar a pressão, utilizado como um tratamento médico para uma variedade de doenças de enxaquecas à doença mental. O tratamento foi utilizada em muitas culturas antigas

Grega e romana Medicina

A escola médica Grego primeiro conhecido inaugurado em Cnidus em 700 aC. Alcmaeon, autor do primeiro trabalho anatômico, trabalhou nesta escola, e foi aqui que a prática de pacientes de observação foi estabelecido. Como foi o caso em outros lugares, os gregos antigos desenvolveram um sistema de medicina humoral onde o tratamento procurou restaurar o equilíbrio dos humores dentro do corpo.

Templos dedicados ao deus healer- Asclepius, conhecido como Asclepieia, funcionavam como centros de aconselhamento médico, prognóstico e de cura. Nesses santuários, os pacientes entraria numa onírica como o estado de sono induzido conhecido como enkoimesis e não ao contrário da anestesia, em que tanto recebeu orientação da divindade em um sonho ou foram curados por cirurgia.

O médico grego Hipócrates de Cós (c 460 -.. C 370 aC), o “pai da medicina”, lançou as bases para uma abordagem racional para a medicina. Hipócrates foi talvez o primeiro a classificar as doenças como aguda, crônica, endêmica e epidêmica, e usar termos como “exacerbação, a recaída, a resolução de crises, paroxismo, pico, e convalescença”.

O Hipócrates Corpus é uma coleção de cerca de sixtty trabalhos médicos iniciais da antiga Grécia fortemente associados com Hipócrates e seus alunos. As obras mais famosas do Corpus é o Juramento de Hipócrates, que ainda é relevante e em uso hoje pelos médicos. Hipócrates não é considerado como sendo o autor exclusivo do Juramento, mas sim o documento pertence a uma coleção maior de tratados sobre medicina grega compilados em um Hippocatium Corpus que leva seu nome.

Herófilo de Calcedônia (325-280 aC), que trabalha na escola de medicina de Alexandria colocado inteligência no cérebro, e ligado o sistema nervoso ao movimento e sensação. Herophilus também distinguiu entre veias e artérias, lembrando que o último pulso enquanto o primeiro não. Ele e seu contemporâneo, Erasistratus de Chios, pesquisou o papel das veias e nervos, mapeando seus cursos em todo o corpo. Erasístrato ligado a complexidade aumentada da superfície do cérebro humano em relação a outros animais para sua inteligência superior.

O médico grego Galeno (129-217 dC), também foi um dos maiores cirurgiões do mundo antigo e realizou muitas operações audaciosas, incluindo cerebrais e oculares cirurgias.

Os romanos inventaram vários instrumentos cirúrgicos, incluindo os primeiros instrumentos exclusivos para as mulheres, bem como os usos cirúrgicos de pinças, bisturis, cautério, tesouras cross-lamelar, a agulha cirúrgica, o som, e speculas. Romanos também realizou a cirurgia de catarata.

O Legado da Medicina Antiga

Após a queda do Império Romano do Ocidente e o início da Alta Idade Média, a tradição grega de medicina entrou em declínio no oeste da Europa , embora tenha continuado ininterrupto no Império Romano do Oriente.

Depois de 750 EC, o mundo árabe muçulmano tinha os antigos trabalhos sobre traduzido para o árabe medicina e médicos islâmicos envolvidos em alguma pesquisa médica significativa. Pioneiros médicos islâmicos notáveis incluem o polímata, Avicena, que, junto com Imhotep e Hipócrates, também tem sido chamado de “pai da medicina”. Ele escreveu o Canon de Medicina, considerado um dos livros mais famosos da história da medicina.

Os Primórdios da Medicina Moderna: O Califado

Após a queda do Império Romano, as idéias gregas sobre a medicina passaram a ser preservadas e transmitidas com mais precisão no império Islâmico. Sob o califado de Abbasid, um centro foi criado em Bagdá especificamente para a tradução de uma ampla gama de textos não islâmicos para o árabe. Sábios de todo o império Islâmico (incluindo árabes, persas e judeus) não apenas codificaram a medicina grega, incluindo as idéias de Galen, mas também incorporaram escritos médicos do Talmud, ensinamentos ocultos do Egito, e idéias ayurvédicas da Índia. Tanto o Carakasamhita quanto o Susrutasamhiat, por exemplo, foram traduzidos para o árabe. Esses sábios também fizeram avanços significativos de conhecimento.

Uma das luzes-guia da porção oriental do califado foi Al-Razi (conhecido no Ocidente como Rhazes; c. 860–930), persa que escreveu um Guia Abrangente de Medicina no século IX. Ele distinguiu a varíola do sarampo, reconheceu reações alérgicas, percebeu que a febre era uma das formas do corpo de combater doenças, e introduziu o uso de entranhas de animais para suturar feridas, e do gesso de Paris para ataduras. Ibn Sina (Avicenna; 980–1037), persa do século XI, codificou o conhecimento médico da época. Seu trabalho foi usado em universidades européias por séculos. Entre suas maiores contribuições está a descoberta da natureza contagiosa de doenças infecciosas e a introdução de quarentenas para limitar sua disseminação. Ele também introduziu a experimentação sistemática.

No século XIII um árabe chamado Ibn Al Nafis (1213-88) foi o primeiro a descrever a circulação de sangue pelos pulmões. Isso desafiou a noção de Galen sobre a passagem de sangue diretamente entre os ventrículos do coração.

História da Medicina
O grande médico judaico medieval Maimônides
enfatizou a importância da higiene em seus escritos

No califado ocidental, ou espanhol, Al-Zahrawi (Albucasis; 936-1013) produziu o primeiro tratado sistemático e ilustrado sobre a cirurgia, publicado mais ou menos no ano 1000. Ibn Zohr (Avenzoar; c. 1091-1161) também desafiou muitas das noções de Galen. Ele enfatizou a importância da experiência sobre a doutrina e foi o primeiro a descrever com precisão as doenças escabiose e pericardite. Um contemporâneo de Ibn Zohr foi Maimônides (1135-1204), o grande médico judeu medieval. Seus escritos incluem um influente trabalho sobre higiene. Maimônides acabou indo para o oriente para se tornar o médico do famoso sultão Saladin.

Sábios do mundo islâmico também fizeram contribuições importantes para a farmacologia, criando vários formulários de drogas. A palavra droga é de origem árabe, e os árabes introduziram vários novos termos. Estes incluem álcool; benzoína, resina balsâmica usada como expectorante e protetor da pele; cânfora, substância semelhante a cera obtida das canfoneiras e usada como um anestésico tópico leve; láudano, uma espécie de ópio; mirra, uma resina de goma com múltiplos usos médicos (e um dos presentes dos Três reis Magos na história do nascimento de Jesus Cristo); e sene, uma leguminosa usada como purgativo.

O atendimento médico era fornecido por vários clínicos, a maioria usando métodos tradicionais. Nas grandes cidades, contudo, hospitais foram criados. Estes parecem ter sido inspirados no atendimento aos doentes oferecido nos monastérios cristãos, mas logo ficaram mais elaborados. Havia grandes instituições em cidades como Bagdá, Cairo e Damasco, e muitas outras estavam espalhadas pelo mundo muçulmano. O hospital do Cairo tinha alas separadas para diferentes doenças, para mulheres e para convalescentes. Ainda estava em operação quando Napoleão invadiu o Egito no final do século XVIII. As primeiras instituições para tratamento de pessoas com doenças mentais também foram criadas no mundo muçulmano.

Os progressos dos médicos islâmicos levaram muito tempo para chegar à Europa medieval, onde os doentes visitavam templos devotados a santos cristãos.

Os Primórdios da Medicina Moderna: Europa Medieval

Na Europa cristã, houve pouco progresso científico durante a Idade Média. As doenças passaram a ser novamente atribuídas a causas divinas, e buscavam-se curas milagrosas em templos de cura dedicados a vários santos. Alguns grupos de monges cristãos, contudo, ofereciam cuidados práticos aos doentes. Isso acabou levando à fundação de hospitais. O hospital mais antigo que ainda existe na Inglaterra é o St. Bartholomew’s, em Londres, que foi fundado em 1123 por um cortesão que se tornou monge após se recuperar “milagrosamente” da malária. O hospital destinava-se à “recriação de homens puros.” O St. Thomas’s Hospital foi fundado pouco tempo depois, de forma semelhante. Quando os monastérios ingleses foram dissolvidos pelo Rei Henrique VIII no século XVI, os dois hospitais se transformaram em instituições seculares e, por fim, na sede de importantes colégios médicos.

A primeira faculdade de medicina da Europa foi fundada em Salerno, no sul da Itália. Diz a lenda que a faculdade foi fundada por um italiano, um árabe, um judeu e um grego, que trouxe consigo os escritos de Hipócrates. A história reflete a natureza cosmopolita da região, onde as influências gregas e do Oriente Médio eram fortes. A faculdade na verdade começou no século IX como um local para os monges aviarem medicamentos. No século XI, contudo, os estudiosos da faculdade começaram a traduzir textos médicos gregos e, mais tarde, árabes para o latim. Assim, eles reintroduziram os ensinamentos de Hipócrates, já afunilado pela sabedoria de Galen e islâmica.

Faculdades médicas também foram fundadas em Montpellier, no sul da França, e em Bologna e Pádua, na Itália. Em Bologna o médico Taddeo Alderotti (1223-95), no século XIII, reintroduziu as práticas de Hipócrates de ensinar medicina ao lado do leito do paciente. Ele também mantinha estudos de casos clínicos. Também em Bologna, em 1315, a primeira dissecação humana registrada na Europa foi conduzida por Mondino de’ Luzzi (1275-1326).

Aparentemente, ele não aprendeu muito com ela. Em vez disso, ele demonstrou a comum propensão dos humanos a ver aquilo que esperam ver. Ele publicou um texto de anatomia que perpetuou erros como o coração de três câmaras e o fígado com cinco lobos.

O cirurgião mais eminente da Idade Média européia foi Guy de Chauliac (1298-1368), que se associou a Montpellier no século XIV. Ele escreveu um texto médico e cirúrgico, Chirurgia magna (Grande Cirurgia), que serviu como referência padrão por vários séculos. Ele desafiou a noção grega de que a supuração (pus) era um sinal de cura.

De Chauliac sobreviveu à Peste Negra (aproximadamente 1347-51), a qual descreveu em seu trabalho. A Peste Negra, que matou vários milhões de pessoas na época, foi quase certamente uma praga bubônica. Contudo, ninguém sabia o que era nem o que a causava. A maioria das pessoas achava que tratava-se de punição divina. Alguns cristãos disseram que os judeus haviam envenenado os poços, e isso levou a massacres de judeus. Alguns atribuíam a praga a diferentes causas naturais, incluindo miasmas—venenos que acreditava-se existirem no ar, provenientes de animais e vegetais em estado de podridão. Algumas pessoas acreditavam que a praga era causada por contágio—isto é, que era transmitida de pessoa para pessoa mediante contato próximo—mas elas tinham pouca idéia do que poderia de fato transmitir a doença.

A Peste Negra levou a medidas importantes de saúde pública. A cidade de Veneza nomeou uma espécie de comitê de saúde pública, que publicou regulamentações para enterro e proibiu que os doentes entrassem na cidade. Procissões públicas também foram proibidas. Na cidade de Florença, um comitê semelhante determinou que se matassem cães e gatos. Os motivos para isso nunca foram esclarecidos. As pessoas dessa época certamente não sabiam que a praga bubônica é na verdade disseminada por pulgas de ratos para humanos; isso só foi descoberto séculos mais tarde. Contudo, cães e gatos carregam pulgas.

Se a exterminação dos animais foi útil é uma boa pergunta. Por um lado, isso provavelmente eliminou muitas pulgas que habitavam nos animais. Por outro, os gatos são bons caçadores de ratos.

A área da medicina estava claramente se organizando ao redor da idéia de uma abordagem científica no final da Idade Média.

A Ascensão da Medicina Científica: O Renascimento

O Renascimento foi um grande período de crescimento intelectual e desenvolvimento artístico na Europa. Como parte dele, os cientistas e pensadores começaram a se descolar das visões tradicionais que regiam a medicina, tanto no oriente quanto no ocidente. O foco dos tratamentos deixou de ser um equilíbrio natural de ordem divina. O conhecimento avançou através do método científico — pela condução de experimentos, coleta de observações, conclusões. As informações eram disseminadas por meio de uma importante nova tecnologia — a impressão. As raízes da medicina científica estavam estabelecidas.

O método científico é aplicado à medicina

Em 1543 Andreas Vesalius (1514-64), professor da Universidade de Pádua, publicou um texto ricamente ilustrado sobre anatomia. Com conhecimentos baseados na extensiva dissecação de cadáveres humanos, ele apresentou a primeira descrição amplamente precisa do corpo humano. Anatomistas posteriores em Pádua incluíram Gabriele Falloppio (1523-62), que descreveu os órgãos reprodutores femininos, dando seu nome às tubas de Falópio, e Girolamo Fabrizio (1537-1619), que identificou as válvulas do coração.

A cirurgia era praticada principalmente por barbeiros, que usavam as mesmas ferramentas para as duas profissões. A cirurgia ainda era um negócio bastante primitivo e extremamente doloroso essa época. A controvérsia continuava em relação ao tratamento de ferimentos — o pus era bom ou ruim? A cauterização, ou queima de um ferimento para fechá-lo, continuou sendo a principal forma de deter hemorragias. A maioria dos cirurgiões adquiriu suas habilidades no campo de batalha, e a introdução de pólvora, armas e canhões tornou o local muito mais desorganizado.

Um cirurgião francês do século XVI, Ambroise Paré (c. 1510-90), começou a colocar um pouco de ordem. Ele traduziu parte do trabalho de Vesalius para o francês a fim de disponibilizar os novos conhecimentos anatômicos para cirurgiões de campos de batalha. Com sua própria e extensa experiência em campos de batalha, ele suturava ferimentos para fechá-los em vez de usar a cauterização para deter o sangramento durante amputações. Ele substituiu o óleo fervente usado para cauterizar ferimentos de armas de fogo por um unguento feito de gema de ovo, óleo de rosas e terebintina. Seus tratamentos não só eram mais eficazes como também muito mais humanos que os utilizados anteriormente.

Outro importante nome dessa época foi Paracelso (1493-1541), alquimista e médico suíço. Ele acreditava que doenças específicas eram causadas por agentes externos específicos e, portanto, exigiam remédios específicos. Ele foi o pioneiro no uso de remédios químicos e minerais, incluindo mercúrio para o tratamento da sífilis. Ele também escreveu aquele que provavelmente é o trabalho mais antigo sobre medicina ocupacional, Sobre os Enjoos dos Mineradores e Outras Doenças de Mineradores(1567), publicado alguns anos depois de sua morte.

A sífilis foi registrada pela primeira vez na Europa em 1494, quando uma epidemia irrompeu entre as tropas francesas que estavam sitiando Nápoles. O fato de o exército francês incluir mercenários espanhóis que haviam participado das expedições de Cristóvão Colombo ao Novo Mundo deu origem à teoria de que a doença era proveniente do continente americano. Se isso for verdade — e o tema continua sendo o centro de calorosas controvérsias — então foi parte de um intercâmbio em que os nativos americanos se deram muito pior. As doenças que os europeus introduziram no hemisfério ocidental incluíram varíola, gripe, sarampo e tifo, que levaram as populações nativas à quase extinção.

Um médico italiano chamado Girolamo Fracastoro (c. 1478-1553) cunhou o nome sífilis, que também era chamada de doença francesa. Ele também propôs uma teoria, adaptada das ideias clássicas, de que doenças contagiosas podem ser espalhadas por minúsculas “sementes ou esporos de doença” capazes de percorrer grandes distâncias (no entanto, ele sabia que a sífilis era transmitida por contato pessoal). Essa teoria foi influente por vários séculos.

Durante o Renascimento, as sementes da mudança foram semeadas na ciência. O conhecimento médico deu grandes saltos durante os dois séculos seguintes.

A Ascensão da Medicina Científica: A Revolução Científica

Durante os séculos XVII e XVIII, o conhecimento médico e científico avançou a passos extraordinários. Muitas das concepções equivocadas de Galen foram finalmente derrubadas. O inglês William Harvey (1578-1657) descreveu com precisão a circulação do sangue no corpo, confirmando os achados de estudiosos anteriores (como Ibn Nafis e europeus mais recentes). Ele acrescentou o achado experimental crítico de que o sangue é “bombeado” para todo o corpo pelo coração.

O trabalho de Harvey foi continuado por outros, incluindo o médico inglês Richard Lower (1631-91). Ele e o filósofo britânico Robert Hooke (1635-1703) conduziram experimentos que mostravam que o sangue pega alguma coisa durante sua passagem pelos pulmões, mudando sua cor para vermelho vivo. [No século XVIII o químico francês Antoine Lavoisier (1743-1794) descobriu o oxigênio. Só então a fisiologia da respiração foi totalmente compreendida.] Lower também realizou as primeiras transfusões de sangue, de animal para animal e de humano a humano.

Hooke e, sobretudo, o biólogo holandês Anton van Leeuwenhoek (1632-1723) usaram um novo aparelho chamado microscópio para descobrir toda a matéria de coisas minúsculas (“microscópicas”): glóbulos vermelhos, bactérias e protozoários. Na Itália, o fisiologista Marcello Malpighi (1628-1694) usou o microscópio para estudar a estrutura do fígado, da pele, dos pulmões, do baço, das glândulas e do cérebro. Várias partes microscópicas do corpo, incluindo uma camada de pele e partes do baço e do rim, receberam nomes em sua homenagem. Malpighi também incentivou a ciência da embriologia com seus estudos em ovos de galinha. Como sempre, houve erros e concepções errôneas. Outro holandês, o médico Nicolaas Hartsoeker (1656-1725), pensou que o microscópio revelava pequenos homens (“homúnculos”) dentro dos espermatozóides no sêmen; assim ele explicou a concepção.

O século XVIII, conhecido como Iluminismo, foi uma era de progresso em vários aspectos. Contudo, o mais interessante é que o desejo de encontrar uma única e abrangente explicação para “a vida, o universo e todas as coisas” não havia desaparecido. Agora, alguns pensadores atribuíam o funcionamento do corpo às leis recém-descobertas da física, ao passo que outros olhavam para as leis da química. Uma abordagem chamada vitalismo propôs a existência de uma anima, ou alma sensível, que regulava o corpo. Outra abordagem encarava as doenças como uma ruptura no tônus do corpo, que, por sua vez, era controlado pelo “éter nervoso” do cérebro.

Explicações simples algumas vezes levaram a tratamentos perigosamente simples. Um médico escocês do século XVIII chamado John Brown (1735–88) decidiu que todas as doenças eram causadas por estimulação excessiva ou deficiente. Portanto, ele prescrevia doses altíssimas de sedativos e estimulantes, causando grandes danos e muita polêmica. A homeopatia, outra filosofia médica abrangente, surgiu mais ou menos na mesma época. Ela afirma que os sintomas de um paciente devem ser tratados com drogas que produzem os mesmos sintomas. As drogas são administradas em quantidades minúsculas, e, portanto, são inofensivas. Embora a abordagem de Brown tenha desaparecido, a homeopatia ainda tem seguidores fervorosos.

Contudo, a ciência médica estava se desenvolvendo rapidamente. Ao anatomista italiano Giovanni Morgagni (1682-1771) foi atribuída a fundação da disciplina de anatomia patológica. Ele demonstrou que doenças específicas estavam localizadas em órgãos específicos. Marie-François Bichat (1771-1802), fisiologista francês, percebeu que as doenças atacavam tecidos, e não órgãos inteiros.

Alguns dos avanços foram no diagnóstico. O inglês Thomas Willis (1621-75) analisou a urina e notou a presença de açúcar na urina de diabéticos. O professor holandês Hermann Boerhaave (1668-1738) começou a usar o termômetro para observar mudanças na temperatura do corpo na prática clínica (a ele também é atribuído o estabelecimento do estilo moderno de ensino clínico na Universidade de Leiden.) O médico austríaco Leopold Auenbrugger (1722-1809) observou a importância de dar tapinhas no peito para detectar fluidos nos pulmões. O francês René-Théophile-Marie-Hyacinthe Laënnec (1781-1826) tornou o processo mais fácil, inventando o estetoscópio. O instrumento, que possibilitou ouvir os órgãos internos, foi a invenção diagnóstica mais importante até que Wilhelm Roentgen descobriu os raios X em 1895. O estetoscópio de Laënnec era um tubo de madeira, semelhante a um dos primeiros modelos de aparelho auditivo. O familiar instrumento moderno com corpo de borracha e dois auriculares foi inventando mais tarde, pelo americano George Camman, em 1852.

Os avanços na terapêutica foram importantes. Thomas Sydenham (1624-89), médico inglês, defendia o uso de casca de cinchona, que continha quinina, para o tratamento da malária. Ele também enfatizou a observação sobre a teoria, reforçando também a importância dos fatores ambientais para a saúde. Um cirurgião naval inglês chamado James Lind (1716-94) provou que as frutas cítricas curam o escorbuto, uma desagradável doença causada pela carência de vitamina C que afetava as tripulações de navios em viagens longas. William Withering (1741-99), botânico e médico da Inglaterra, observou a eficácia de digitalis (da planta dedaleira) no tratamento de distúrbios cardíacos. E um médico britânico, Edward Jenner (1749-1823), desenvolveu a vacina contra a varíola. A vacinação foi tão eficaz que essa doença epidêmica encontra-se atualmente erradicada no mundo todo.

Ainda assim, poucos destes e outros avanços no conhecimento científico e na tecnologia afetaram a prática clínica cotidiana na época. Os principais tratamentos continuaram a ser o “cupping”, a sangria e a purgação. Como recomendado por Paracelso e outros, a sífilis e outras doenças venéreas foram tratadas com doses altas, normalmente fatais, de mercúrio. A teriaga, a famosa receita multi-propósito de Galen, continuou popular. Ainda havia uma lacuna imensa entre a medicina acadêmica e a prática clínica cotidiana. Muitos dos clínicos e seus pacientes simplesmente relutavam em adotar as novas idéias. William Harvey fez uma famosa queixa de que perdeu pacientes após publicar seus achados sobre a circulação do sangue.

A Ascensão da Medicina Científica: O Século XIX

No século XIX a prática médica finalmente começou a mudar. Nessa mesma época, cientistas e médicos fizeram as descobertas que verdadeiramente revolucionaram a medicina. Os aprimoramentos no microscópio possibilitaram estudos mais detalhados dos tecidos, uma área denominada histologia. Isso levou à nova ciência das células, a citologia. Esses estudos abriram caminho para os importantes avanços teóricos e práticos que formaram a base da medicina como a conhecemos atualmente.

Teoria Celular

Robert Hooke observou e nomeou células no início do século XVII, quando viu células vegetais mortas. Van Leeuwenhoek foi o primeiro a observar células vivas em microscópio. No século XIX o trabalho de três cientistas alemães, Theodore Schwann (1810-82), Matthias Jakob Schleiden (1804-81) e, sobretudo, Rudolf Virchow (1821-1902) [links em inglês], levou ao desenvolvimento da teoria celular. Resumidamente, ela afirma que todas as coisas vivas são compostas de células, que as células são a unidade básica de estrutura e função de todas as coisas vivas, e que todas as células são geradas a partir de outras células.

Usando a teoria celular, Virchow foi capaz de explicar processos biológicos como fertilização e crescimento. Ele também demonstrou que alterações nas células causam doenças como câncer. A teoria celular é um dos marcos da medicina moderna.

Teoria Germinal

O outro marco foi o desenvolvimento da teoria germinal. Mesmo no ápice da medicina humoral, havia curandeiros que reconheciam que algumas doenças eram disseminadas por contágio. A menção mais antiga a “criaturas minúsculas” que causam doenças está no Vedas, os textos sagrados do Hinduísmo, que foram escritos entre 1500 e 500 a.C. Avicenna compreendeu que a tuberculose e outras doenças eram contagiosas. Posteriormente, estudiosos muçulmanos atribuíram a praga bubônica a microorganismos. Fracastoro, conforme observado acima, propôs que as doenças eram espalhadas por “sementes.” No entanto, a maioria dos cientistas, em geral, acreditava que os germes que causavam doenças surgiam por meio de geração espontânea, assim como criaturas como moscas, minhocas e outros pequenos animais pareciam surgir espontaneamente de matérias em decomposição. Aristóteles acreditava nisso, e a idéia persistiu no século XIX.

Outra teoria dos gregos continuou com força no século XIX. Essa teoria baseava-se na idéia de que doenças como praga e cólera eram causadas por miasmas de cheiro desagradável, partículas de ar da matéria em decomposição. A teoria de que esse ar era nocivo parecia digna de credibilidade, pois associava doenças a problemas de saneamento, e a importância da higiene foi logo reconhecida. A enfermeira britânica pioneira, Florence Nightingale (1820-1910), que cuidou dos soldados britânicos durante a Guerra da Criméia (1853-1856), acreditava firmemente que os miasmas causavam doenças.

Naquela época, contudo, vários estudos já estavam sendo conduzidos sobre o assunto, e finalmente eles puseram um fim a essas concepções equivocadas. Em 1854 o médico inglês John Snow (1813-58) relacionou a fonte de um surto de cólera em Londres à água contaminada por esgoto. Seu estudo detalhado foi um evento-chave na história tanto da saúde pública quanto da epidemiologia.

Pouco tempo depois, o grande químico francês Louis Pasteur (1822-95) conduziu os experimentos que acabaram por destuir a noção de que a vida poderia ser gerada espontaneamente. Ele demonstrou que existem microorganismos em todo lugar, incluindo no ar. Ele demonstrou ainda que eles eram a fonte do processo químico pelo qual o leite azedava.

O processo desenvolvido por ele para aquecer o leite (e outros líquidos) para matar os micróbios leva seu nome: pasteurização. Quando passou a ser amplamente adotada, a pasteurização fez com que o leite deixasse de ser uma fonte de tuberculose e outras doenças.

Pasteur acreditava firmemente que os microorganismos eram responsáveis por doenças infecciosas em seres humanos e animais e por sua transmissão entre eles. E desenvolveu vacinas eficazes contra o antraz e a raiva coletando tecidos de animais que haviam morrido dessas doenças. Mas foi o trabalho de um médico alemão, Robert Koch (1843-1910), que finalmente validou a teoria germinal da doença. Ele identificou as bactérias específicas que causavam o antraz, a tuberculose e a cólera. Ele desenvolveu um conjunto de regras (postulados de Koch) para determinar conclusivamente se um microorganismo é a fonte de doenças em uma pessoa, ou se está simplesmente presente nela. Assim nasceu a ciência da bacteriologia.

Logo surgiram outros ramos da microbiologia. Descobriu-se que várias doenças tropicais eram causadas por micróbios parasitas, muitos deles espalhados por mosquitos. Entre eles, dois grandes causadores de morte—a malária e a febre amarela. Contudo, a febre amarela, assim como a varíola e a raiva, não pôde ser associada a nenhuma bactéria. Valendo-se dos estudos de um patologista russo, Dmitry Ivanovsky (1864-1920), o cirurgião americano Walter Reed (1851-1902) descobriu em 1901 que a febre amarela era causada por um vírus, algo ainda menor que uma bactéria.

Acreditava-se que os vírus eram invisíveis até a invenção do microscópio eletrônico na década de 40, mas eles acabaram sendo identificados como a causa de inúmeras doenças. Estas incluem não apenas a varíola, mas também a gripe, o resfriado comum, a catapora, a poliomielite e, mais recentemente, a AIDS.

Também acreditava-se que os vírus desepenhavam um papel importante no câncer.

Anestesia e Anti-sépticos. Em meados do século XIX outras descobertas finalmente tornaram as grandes cirurgias práticas. Até então as opções cirúrgicas limitavam-se a operar um paciente acordado, com o risco de infecção após a operação. Na década de 1840 vários dentistas americanos foram pioneiros no uso primeiro de óxido nitroso e depois de éter como anestésicos. Este último foi logo adotado na Europa para fins cirúrgicos, finalmente oferecendo aos cirurgiões tempo para realizar cirurgias delicadas e longas.

Foi mais ou menos nessa mesma época que o médico húngaro Ignaz Semmelweiss estabeleceu que as infecções após o parto provavelmente eram causadas pelas mãos sujas dos médicos nos hospitais. No fim da década de 1860 o cirurgião britânico Joseph Lister (1827-1912), que tinha conhecimento da pesquisa de Pasteur, começou a embeber bandagens e ataduras em ácido carbólico e despejar o ácido sobre as feridas para esterilizá-las. Dessa forma, reduziu enormemente a taxa de mortalidade por gangrena e estabeleceu a cirurgia anti-séptica. Na virada do século XX esperava-se que a sala de cirurgia fosse um ambiente estéril.

O século XX trouxe a disseminação mundial da medicina científica.

Do Século XX em Diante: Drogas para Tratar Doenças

O ritmo dos avanços médicos se acelerou em todas as frentes a partir do século XX. Descobertas revolucionárias ocorreram nas áreas de biologia, química, psicologia, farmacologia e tecnologia, muitas vezes de formas convergentes ou sobrepostas. Um novo entendimento das doenças trouxe novos tratamentos e curas para muitas dessas condições. Contudo, ainda que as epidemias mais mortais tenham sido dominadas—e, no caso da varíola, erradicadas—novas doenças surgiram, como a AIDS.

Durante o século XX, a expectativa de vida aumentou em muitas partes do mundo. O outro lado da moeda foi o aumento da incidência de doenças relacionadas ao envelhecimento, sobretudo doenças cardíacas e câncer, e do foco no tratamento e prevenção dessas doenças. Em uma evolução preocupante, algumas doenças que pareciam ter sido dominadas por tratamentos medicamentosos, como a tuberculose, desenvolveram resistência aos medicamentos mais para o fim do século XX.

Drogas para tratar doenças

No fim do século XX, o estudo de remédios herbáceos, químicos e minerais (o que era chamado de materia medica), transformou-se na ciência laboratorial da farmacologia. Drogas fitoterápicas, como o ópio, foram submetidas a análises químicas sistemáticas. Os pesquisadores então aprenderam a sintetizar essas drogas. Na virada do século XX, a indústria farmacêutica estava comercializando produtos de laboratório. Uma empresa chamada Bayer, na Alemanha, registrou a marca de uma versão sintética do ácido acetilsalicílico, à qual deu o nome de aspirina.

Um pioneiro no ramo da farmacologia foi o cientista alemão Paul Ehrlich (1854-1915), que—após muito esforço e tentativas—sintetizou o composto à base de arsênico Salvarsan, o primeiro tratamento eficaz para a sífilis, em 1909. Assim, Ehrlich, que cunhou o termo “quimioterapia”, criou a primeira droga antibiótica.

Uma geração mais tarde outro alemão, Gerhard Domagk (1895-1964), que trabalhava na Bayer, produziu a primeira sulfa (outro tipo de antibiótico) utilizável. A droga era usada para tratar doenças estreptocócicas, incluindo a meningite.

Cientistas também pesquisaram agentes antibióticos biológicos. Os antigos chineses, egípcios e gregos descobriram que substâncias mofadas eram eficazes para manter cortes limpos. Pasteur observou uma ação bactericida ao notar que a adição de bactérias comuns interrompia o crescimento de bacilos antrazes na urina estéril.

Na década de 20, o escocês Alexander Fleming (1881-1955) encontrou mofo proliferando em algumas amostras bacterianas em seu laboratório. Na verdade, o mofo matava as amostras. Ele identificou o mofo como penicillina. Durante a Segunda Guerra Mundial, uma equipe de cientistas liderada pelo australiano Howard Florey (1898-1968) aprofundou a pesquisa e testou a nova droga em soldados feridos. Ela demonstrou ser eficaz contra antraz, tétano e sífilis, e foi a primeira droga que funcionou contra a pneumonia. Mais ou menos na mesma época, Selman Waksman (1888-1973), bioquímico americano, isolou outro fungóide, a estreptomicina, que demonstrou ser eficaz contra a tuberculose. Waksman cunhou o termo “antibiótico” para descrever espeficiamente as drogas biológicas.

Várias novas drogas surgiram na década de 50, incluindo a cortisona, um hormônio esteróide que reduzia a inflamação e suprimia a resposta do sistema imune.

As primeiras drogas eficazes para o tratamento de doenças mentais também apareceram nesta época.

Embora os antibióticos não funcionassem contra doenças virais, as vacinas antivirais funcionavam. Duas das mais importantes foram as vacinas contra a varíola e a poliomielite. A poliomielite, doença que atinge principalmente as crianças, causa paralisia. Dois cientistas americanos, Jonas Salk (1914-95) e Albert Sabin (1906-93), desenvolveram diferentes versões de uma vacina pólio, que foram apresentadas em meados da década de 50. A vacina de Salk era feita à base do vírus morto, enquanto a de Sabin era preparada com o vírus vivo. Ambas foram usadas, com grande sucesso. A pólio foi basicamente erradicada no final do século XX.

Outras vacinas antivirais incluem aquelas contra sarampo, catapora e gripe. As vacinas contra o papilomavírus humano (que causa câncer de colo de útero) e herpes-zóster (doença da família da catapora causada pelo vírus herpes) surgiu em 2006. As tentativas de se produzir uma vacina contra a malária e a AIDS até o momento não tiveram sucesso.

A primeira droga antiviral, o aciclovir, surgiu na década de 70 para ser usada contra algumas formas de herpes. Drogas antiretrovirais foram desenvolvidas na década de 80 para combater a AIDS (os retrovírus são uma classe de vírus.) Contudo, os vírus se modificam tão rapidamente que o desenvolvimento de agentes antivirais (e antiretrovirais) se mostra bastante difícil.

Os pesquisadores já usaram várias abordagens diferentes para o desenvolvimento de drogas para pacientes. Uma grande revolução para o tratamento de doenças foi um novo entendimento do sistema imune.

Do Século XX em Diante: Entendendo o Sistema Imune

As vacinas baseiam-se no princípio de que, uma vez exposto a certas infecções, o corpo humano desenvolve uma imunidade que permite a ele resistir a infecções quando exposto novamente. A imunização, ou vacinação, cria a mesma resposta sem expor a pessoa à doença de fato. Como vimos, a prática era comum na China antiga, e foi introduzida no Ocidente por Edward Jenner. A ciência básica por trás dela, contudo, só foi compreendida no século XX.

Na década de 1880, o biólogo russo Elie Metchnikoff (1845-1916) desenvolveu a teoria celular da imunidade. De acordo com ela, os glóbulos brancos atuam como o que ele chamou de “fagócitos” (literalmente, comedores de células), detectando e consumindo organismos estranhos e resíduos dentro do corpo. Menos de duas décadas mais tarde, Paul Ehrlich argumentou que os principais agentes da imunidade eram os anticorpos, proteínas produzidas por células e liberadas na corrente sanguínea. No fim, as duas teorias estavam corretas, mas as enormes complexidades do sistema imune ainda não foram totalmente elucidadas.

O progresso na imunologia levou à identificação de toda uma classe de distúrbios chamados de doenças autoimunes. Esse tipo de doença ocorre quando o corpo humano não consegue reconhecer seus próprios componentes e cria uma resposta imunológica contra suas próprias células. As doenças autoimunes mais conhecidas incluem diabetes tipo 1, lúpus, distrofia muscular e artrite reumatoide.

As pesquisas imunológicas também levaram ao desenvolvimento da imunoterapia, o uso de drogas para alterar o sistema imune. Como se poderia esperar, drogas imunossupressoras são usadas para tratar as doenças autoimunes. Contudo, elas também são fundamentais para o sucesso do transplante de órgãos. Os primeiros transplantes renais bem-sucedidos ocorreram na década de 50, e o primeiro transplante cardíaco, em 1967. Contudo, nenhum dos pacientes sobreviveu por muito tempo, pois seus sistemas imunes rejeitaram os novos órgãos. A ciclosporina, primeira droga imunossupressora eficaz para essa finalidade, foi lançada na década de 1980. As drogas imunossupressoras gradualmente transformaram o transplante de órgãos em um procedimento praticamente rotineiro.

Hoje em dia — em um dos milagres da cirurgia moderna – praticamente qualquer órgão do corpo humano pode ser transplantado de uma pessoa para outra. As limitações ficam basicamente por conta da disponibilidade de órgãos.

A imunoterapia também é uma arma promissora na luta contra alguns tipos de câncer.

A AIDS, identificada pela primeira vez na década de 80, trouxe a ciência da imunologia a um novo plano. Causada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), a AIDS destrói o sistema imune e, consequentemente, a capacidade do corpo de resistir a infecções. A princípio a doença foi considerada uma sentença de morte, mas os tratamentos à base de antirretrovirais podem atualmente prolongar a vida de pessoas infectadas por muitos anos. No entanto, a AIDS ainda não tem cura.

O sistema imune é um mistério que está sendo lentamente desvendado por cientistas e médicos. A genética é outro. No século XX, o entendimento dessa área altamente complexa se tornou a peça central de um grande número de pesquisas.

Do Século XX em Diante: A Ascensão da Genética

Muito do progresso nos estudos imunológicos e virais—na verdade, na pesquisa médica como um todo—deveu-se à genética. Os cientistas agora estudam as células do corpo e os organismos que podem infectá-lo no nível molecular. Perto do fim do século XIX e início do século XX, estudos bioquímicos e genéticos revelaram muitos dos princípios básicos do metabolismo das células e o papel dos genes. Em meados do século os pesquisadores entenderam a estrutura dos genes e como eles estão dispostos dentro dos cromossomos que os abrigam. No núcleo do cromossomo existe uma longa molécula, chamada de ácido desoxirribonucléico, mais conhecida como DNA.

Então, em 1953, o bioquímico britânico Francis Crick (1916–2004) e o biólogo americano James Watson (1928–) decodificaram a estrutura do DNA. Essa foi uma das maiores revoluções da ciência. O conhecimento da estrutura permitiu determinar a localização de cada gene e gradualmente identificar sua finalidade específica. No início do século XXI, cientistas mapearam a estrutura genética dos seres humanos, conhecida como genoma humano.

Além de sua importância para os estudos celulares, o desmembramento do código genético revolucionou a medicina de várias formas. As causas de muitas doenças podem ser ligadas a cromossomos defeituosos ou a genes específicos dos cromossomas. Isso, por sua vez, possibilitou a investigação de suscetibilidade a essas doenças, incluindo fibrose cística, coréia de Huntington e algumas formas de câncer de mama.

A engenharia genética também possibilitou a criação de novas drogas derivadas de substâncias químicas naturalmente presentes no corpo. Isso inclui insulina, interferon, hormônio do crescimento humano e outros hormônios usados para estimular a produção de células sanguíneas. O maior objetivo da engenharia genética é a terapia genética direta. Isso envolve a inserção de cópias normais de genes anormais nas células, normalmente por meio de um vírus. A esperança é de que a terapia genética ofereça a cura para várias doenças. Até o momento, no entanto, o progresso tem sido bastante limitado.

Assim como a genética começou a permitir que os médicos vejam o funcionamento do corpo com o máximo de detalhes, novas tecnologias permitiram que eles vejam os processos corporais em ação.

Do Século XX em Diante: O Papel da Tecnologia

A medicina moderna e a tecnologia parecem inseparáveis. A descoberta dos raios X pelo físico alemão Wilhelm Conrad Roentgen (1845-1923) em 1895 possibilitou a observação dos órgãos internos do corpo. Isso facilitou o diagnóstico de fraturas ósseas, câncer, e outras doenças. Pouco tempo depois, Willem Einthoven (1860-1927), fisiologista holandês, inventou o primeiro eletrocardiógrafo. O aparelho registra a atividade elétrica dos músculos do coração, possibilitando o monitoramento de problemas cardíacos. Em meados do século, cateteres—tubos ocos e finos que podem ser usados para drenar fluidos ou administrar medicamentos—foram inseridos no coração e no fígado. Muitos dos avanços ocorreram na área de investigação por imagem, permitindo aos médicos ver os órgãos sem abrir o corpo. As tecnologias incluem imagens por ultra-som, tomografia computadorizada, tomografia por emissão de pósitrons (PET) e ressonância magnética. O diagnóstico, embora ainda seja uma arte, tornou-se também uma ciência.

Os raios X, evidentemente, são uma forma de radiação, que é nociva ao organismo. Os radiologistas aprenderam a usar as doses mais baixas possíveis na investigação por imagens. Eles também aprenderam a usar raios X direcionados e outras formas de radiação para destruir células indesejadas. Conseqüentemente, a radiação se tornou um tratamento padrão para o câncer.

Talvez nenhuma outra área tenha sido tão afetada pela tecnologia como a cirurgia. As várias tecnologias de varredura levaram os cirurgiões às partes mais profundas do corpo, permitindo cirurgias invasivas radicais. Por outro lado, endoscópios flexíveis, baseados em tecnologia de fibra óptica, surgiram na década de 70. Eles permitiram aquilo que chamamos de cirurgia laparoscópica, na qual o endoscópio, equipado com um laser que corta como um bisturi, é inserido através de uma minúscula incisão. Esse tipo de cirurgia tornou-se comum para hérnias, vesículas biliares e rins, e joelhos.

Em meados do século XX foi desenvolvida a máquina coração-pulmão. Ela fornece um meio artificial de se manter a circulação sanguínea, mantendo o paciente vivo enquanto o cirurgião opera o coração parado. Essa técnica, chamada de circulação extracorpórea, tornou as cirurgias cardíacas praticamente rotineiras, incluindo a substituição de válvulas cardíacas e a revascularização do miocárdio.

Órgãos artificiais são outra grande invenção do século XX. Embora o transplante seja o ideal, não há órgãos suficientes para as pessoas que precisam deles. Os órgãos artificiais podem manter os pacientes vivos enquanto eles aguardam a cirurgia. O aparelho de diálise renal é um dos exemplos mais antigos disso. O primeiro rim artificial foi inventado em 1913. A hemodiálise, feita pela primeira vez pelo cientista holando-americano Willem Kolff  (1911-, atualmente prolonga a vida de vários pacientes com insuficiência renal. Corações artificiais também foram desenvolvidos. Diferentemente das máquinas de diálise incômodas, estas são na verdade implantadas no corpo. Durante um tempo houve a esperança de que elas pudessem ser implantes permanentes, resolvendo assim o problema da falta de corações verdadeiros para transplante. Contudo, poucos receptores viveram mais de meio ano. Outros corações artificiais foram desenvolvidos para atuar como pontes, a fim de manter os pacientes vivos até que um coração de verdade estivesse disponível.

Grandes esforços foram feitos para o desenvolvimento de próteses que pudessem substituir membros perdidos. Não muito tempo atrás, os membros artificiais eram feitos de metal e madeira; o exemplo mais antigo de que se tem relato é de cerca de 300 a.C. O plástico passou a ser usado em meados do século XX.

Atualmente, materiais avançados, como fibra de carbono, plásticos e metais de alta tecnologia, permitem que os pesquisadores criem dispositivos operados por eletrodos conectados aos músculos. Os membros artificiais mais avançados são controlados por microchips.

Assim como em várias outras áreas, os computadores têm desempenhado um papel fundamental nos avanços da medicina moderna. Os computadores são um componente importante da tecnologia de varredura. Eles operam os aparelhos em salas de cirurgia e unidades de terapia intensiva. Registros médicos e prescrições de medicamentos podem agora ser transmitidos em formato eletrônico. E a ciência por trás das modernas práticas médicas baseia-se em pesquisas que se valem de computador. O mapeamento do genoma humano teria sido impossível sem os computadores para montar e analisar a vasta e complexa gama de dados.

Apesar de todos esses avanços, muitas doenças ainda não têm um tratamento adequado. Embora muitas doenças possam ser prevenidas, há outras que ainda devastam famílias e comunidades. E muitas pessoas não têm acesso a atendimento médico adequado para doenças que podem ser curadas ou prevenidas.

Jan van der Crabben

Fonte: www.ancient.eu/www.planetseed.com

História da Medicina

Os fenômenos sentimentais que diferenciam o homem dos demais animais nasceram quando, ainda na era biológica das origens do ser humano, na luta renhida pela subsistência, um primata agredia o outro com unhas e dentes, e a mãe procurava lamber-lhe as feridas, protegendo-o de novas agressões dos mais fortes.

A esse sentimento protetor, amparador e mitigante, base única da razão de ser da medicina que se denomina de humanidade ou de amor, e que hoje em dia se transformou em milhares de variantes, constitui o fenômeno mais nobre e digno do ser humano. Sentimento esse que nasce, ou melhor, é renovado diariamente, quando o médico entra em contato com o doente. Esse sentimento de humanidade deu origem à medicina na época pré-histórica, isto é, no passado milenar do ser humano, do qual a paleontopatologia procura no estudo dos fósseis as provas ainda persistentes da origem das doenças. Foi no estudo os fósseis que a paleontopatologia conseguiu encontrar os resquícios e as origens da medicina.

Çhegou-se já até aos australopitecos na frica do Sul, que viveram há 15 ou 10 milhões de anos. Neles se encontram sinais evidentes de doenças, agressões,que só poderiam ter sido suportadas mediante o amparo de outrém, que nos primatas era dado pela mãe, depois que os próprios companheiros que foram, pouco a pouco, imitando a proteção materna, depois pelos feiticeiros, curandeiros e finalmente pelo médico.

Esta fase pré-histórica da medicina, dos povos primitivos (oriental, antigo Egito, América antes de Colombo, Grecia de Homero) a ajuda ao enfermo era regida por uma combinação de empirismo e magia, com predomínio maior ou menor de um destes dois elementos que já constitui uma doutrina seguida elos ovos primitivos dessa antiguidade oriental (Mesopotâmia, China, India, etc) antigo Egito e a Grécia Homérica. Esta era se estende desde começo da humanidade, até a Grécia dos séculos Vl e V antes de J.C.

Depois vem a História da medicina técnica que começou a vislumbrar-se na Magna Grécia, na Sicília e em Jônia, quando se inventou o conceito da medicina técnica, no momento de transição do empirismo para a técnica “isto há 2 mil e quinhentos anos!

O médico se propõe a curar o enfermo sabendo o que faz e porque o faz. O remedio não atua, portanto, pela virtude de quem o aplica (feiticeiro, sacerdote, curandeiro, etc) e nem pelo modo como é aplicado (rito religioso ou mágico) mas sim pelo que é”.

Em consequência disso, o médico inicia uma nova época de sua história, pois descobre a necessidade de indagar o que finalmente ele é, o que constitui uma boa saúde e o que é uma doença e o que é um remédio. chegando posteriormente à conclusão inevitável de que ele é um indivíduo diferenciado entre os demais, pelo hábito que adquiriu desde a infância, em amparar os outros procurando mitigar-lhe os sofrimentos, evitando o medo e orientando o individuo de modo que possa fugir da doença e, portanto, do sofrimento.

A segunda pergunta que o médico se impôs, foi saber o que é saúde e o que se entende por doença.

Dessa indagação nasceram as diferentes ciências que são: morfologia, fisiologia, anatomia patalógica, fisiopatologia, propedêutica, psiquiatria, pediatria, psicologia, neurologia, terapêutica, etc, que, em síntese, se chamou medicina.

Essa é, em resumo, a história da medicina, da antiguidade clássica: Grécia e Roma, a partir do século V a.C. Foi, como já falamos, a época de transição do empirismo para a técnica, ficando a medicina empírica conservada em fósseis, dos quais ainda se retiram os preciosos ensinamentos dessa época.

Posteriormente, a medicina entrou numa fase de grandes e valiosos progressos, começando a época da Idade Média, em Bizâncio, no Islam e no Ocidente com a chegada do cristianismo. Anos 1 à 1450 mais ou menos.

Com o advento do cristianismo, passou-se para a medicina moderna que os historiadores dividem em períodos que são:

a) Renascimento e Barroco de I453 à 1740
b)
Ilustração e Romanticismo de E7405: 1848
c)
Positivismo Naturalista de 1848 à l9l4
d)
Medicina atual desde 1914 até nossos dias.

MEDICINA E PRÉ-HISTÓRIA

Procuraremos relatar, em resumo, os achados da PaleopatoIogia mais interessantes.

Anomalias congênitas – Entre as malformações congênitas que se podem observar nos achados fósseis, são poucas as verdadeiramente encontrados nos ossos.

Sendo o mais comum, os achados representativos dessas anomalias, são por exemplo, a acondroplasia (se encontraram casos magnificamente representados em estatuetas e figuras como as da Nigéria e de várias dinastias egipcias, isto é, há cerca de 6 mil anos). Assim também, se encontrou um crânio com microcefalia, um com mongolismo num fóssil peruano do final da época precolombiana. Crânios com turricefalia ou escafocefalia, isto é, crânio pontiagudo na sua parte superior ou então alargado no sentido anteroposterior e achatado transversalmente. As assimetrias dentárias e anomalias na oclusão dentária são comuns, acompanhadas de graves doenças da boca, com artrite da mandíbula e graves calcificações.

Deformações da pelvis com assimetrias graves nos fósseis da Grécia e da França no periodo neolítico.

Escolioses, pés varus, deformações sacras nas múmias de uma necrópole de Argin, etc. Polidactilia, oligodactilia e sindactilia, falta de um braço que foi notado num esqueleto de Shanidar; hidrocefalia, raquitismo, foram encontrados nos esqueletos da necrópole de Argin (cidade de Núbia, norte do Sudão, África Oriental).

O gigantismo, o nanismo, a acromegalia, foram registrados num esqueleto neolítico na Suiça, etc.

As neoplasias e os tumores benignos deixaram suas marcas nos diferentes ossos do corpo humano que são facilmente identificados na época atual.

As enfermidades infecciosas não deixam marcas nos ossos, porém foram pesquisadas nas figuras, relevos e outras obras de arte, mobiliário, etc, para avaliar seus sinais externos.

Assim, a origem da sífilis tem sido rebuscada insistentemente pelos paleopatólogos, não só na pré-história da Europa, Ásia, lndia, etc, como também nas Américas, onde sempre se negou a presença dela na era précolombiana. Entretanto, foram encontrados nos ossos do crânio de esqueletos do Peru, México e Argentina úlceras caracteristicas destes ossos, com grande perda de matéria óssea em forma de erosões lineares e serpentiformes. Esses ossos são do neolítico desses paises e, também, do neolítico da França, parecendo ser suficiente prova da presença de sífilis nesses crânios. A lepra também deixou seu rastro nos crânios e demais ossos do neolítico. A tuberculose também deixou suas marcas nos fósseis encontrados por todoo mundo,sem a menor sombra de dúvidas, bem como o mal de Poti, que deixou figuras e estatuetas características.

Os virus deixaram também suas pegadas características nos esqueletos dos fósseis pré-humanos e nas figuras e estatuetas.

Assim, a poliomielite deixou, sem sombras de dúvida, sua marca na perna direita de um sacerdote da XVIII dinastia, chamado Ruma, e representado num alto relevo de um barranco de pedra porosa.

Foi, também , representada a poliomielite num bronze do neolitico inglês e nos agricultores do século I e VIII da América do Norte.

A periostite e a osteomielite lesaram várias partes dos esqueletos fósseis e das múmias, deixando sua marca tipica de que por ali passaram, acompanhando as gerações do século III ao I aC.

Os nômades, quando atacados por uma epidemia, deixaram nos seus esconderijos montes de esqueletos, animais domésticos mortos. objetos de uso pessoal, utensílios, etc, e fugiam para outros lugares, pretendendo evitar a epidemia que, contudo, continuava a dizimá-los nos novos esconderijos. onde já se nota menor número de fósseis e de animais domésticos, até que nos supostos novos esconderijos já se encontram 2 ou 3 remanescentes, estes sempre com esqueletos de constituição muito mais desenvolvida do que os do primeiro grupo encontrado.

As patologias bucais são tipicas e inconfundiveis, pois deixam elas suas marcas caracteristicas. São algumas congênitas, outras deficitárias. iiecrosantes, neoplásícas, nfecciosas, traumáticas, etc, que deixaram lesões ósseas ou dentárias que falam exuberantemente por sua etiologia. Assim, apenas para citar um só exemplo, temos o pitecantropo de Lantican, da China, e o caso mais serio de infecção bucal da pre-história, que se irradiou para o crânio, representado pelo homem da Rodésia (fóssil encontrado em escavações da Rodésia).

As cáries dentárias e as anomalias do esmalte dentário são outras tantas janelas abertas para a pré-história da medicina, como se conclue do achado de um caso que data de 1.600.000 anos (o Australopitliecus) que viveu em Olduvai (Africa Oriental) cujos achados paleopatológicos se ligam possivelmente ao mal de Pott, encontrado em uma de suas vértebras torácicas, cuja etiologia atual também admite perturbações dentárias neste mal.

Os traumatismos, seguramente, constituem patologias das mais encontradiças nos fósseis, como as fraturas causadas por golpe ou queda, as erosões e as incísões por armas. O cranio de Neanderthll apresenta uma incisão sem complicações sobre o bordo orbitarío direito, alem de uma grave lesão no úmero esquerdo.

Feridas cranianas índubitavelmente produzidas por mordeduras de crocodilos foram encontradas em vários crânios humanos que datam de 1.600.000 anos.

Consegue-se nitidamente verificar que as arranhaduras guardam distâncias mais ou menos iguais de 2 a 3,5 cm uma da outra e todas profundas, com perda e substância óssea e, às vezes, perfurações até da tábua interna, que só poderiam ser produzidas por objeto pontiagudo penetrante, com bases alargladas como cunha. Os dentes dos crocodilos são em forma de cunha

Não há, até agora, provas suficientes de que havia guerra entre os indivíduos da pré-história. Parece que as guerras só apareceram bem mais tarde. Havia luta entre pequenos grupos e, foram encontrados sinais disso em Olduvai.

Quanto ao canibalismo ou antropofagia parece, fora de dúvidas, que realmente existia comumente entre os indíviduos da pré-hístória, pois achados indicam uma tradição cultural ou um rito religoso. O que reforça esta suposição é o achado evidente de queimaduras em alguns fósseis, atribuídas, certamente. depois da morte por pancada no crânio. Eles costumavam assar a vítima para depois devora-la.

Quanto a arte de curar, muito pouco poderemos dizer dos achados pré-históricos nos períodos Pleistoceno e das culturas póspaleoliticas. Entretanto, são evidentes as fraturas curadas, que demonstram que houve tratamentos especiais e especializados na disposição dos fragmentos. Cita-se o caso especial o Pitecántropo de “Trinil”, espécie de Homo Erectus, que apresentava osteomielite de uma fratura curada não se sabe como. Há restaurações de fraturas complicadas de ossos acavalgados com provas de cura defeituosas, demonstrando a boa intenção de um segundo indivíduo que pretendia endireitá-la e não o conseguiu; pelo contrário, colocou os fragmentos em posições que eles nunca poderiam assumir espontaneamente.

Há casos evidentes de amputações: no período mesolítico, na Criméia encontrou-se uma amputação do dedo minimo do esqueleto de uma mulher, em que não se encontrou sinais de contaminaçao da ferida posteriores à amputação. Em numerosas outras feridas tipicas de amputações não se encontraram sinais de infecções pepticas. Isso faz admitir o uso de substâncias desinfectantes vegetais.

Alem disso, está provado o uso por eles de talas para manter a fratura em boa posição, resultando uma perfeita sutura dos bordos da ferida sem haver a formação de exostoses e mantendo uma perfeita coaptação das fibras ósseas.

O que é de certo modo desconcertante para nós médicos da atualidade, é a prova insofismável da trepanação encontrada nos cranios da pré-história. São encontrados esses achados constantemente nos crânios de várias civilizações pré-históricas, como na época mesolítica em Vasievska na Ucrania, na Hungria, na Alemanha, na Checoslovâquia. etc e também em bronzes antigos da Criméia. Tudo parece provar a existência da trepanação desde a era pré-neolítica.

Qual seria a finalidade de tal operação para curar certas doenças do encéfalo? Rito religioso, pelo número exagerado dessa prática em certas gerações? Parece que a intenção era de aliviar as tensões endocranianas. Apresentar um caráter mágico?

Uma questão ainda em aberto.

Seus sinais cirúrgicos são inegáveis. Parece relacionar-se com os ferimentos do crânio por uma arma daquele tempo, construída com pedra polida.

O interessante e que essa arma começou a ser encontrada nos fósseis pré-históricos, coincidindo com as feridas traumáticas do crânio e os achados das trepanações, parecendo indicar uma nítida correlação entre os dois atos: fratura, formação de hematoma interno do crânio e posterior trepanação para aliviar a tensao endocraniana ou para remoção do hematoma.

Outro fato interessante constatado com o aparecimento da trepanacão é: o de que ela quase desaparece juntamente com o aparecimento da espada e desaparecimento do tacape feito com pedra polida.

Nos fósseis pré-históricos do Peru, é dominante a presença da trepanação, bem como na Bolivia, parecendo ultrapassar as fronteiras terapêuticas e indicar um desenvolvimento muito avançado na intervenção cirúrgica da personalidade. São patentes as provas de numerosas técnicas cirúrgicas empregadas. São constantes nos fósseis peru-boliviano da pré-história as deformações cranianas propositadas com finalidade de intervir na personalidade, por meio da trcpaçâo e enfaixainento compressor do crânio.

É peculiar da medicina atual continuar se inspirando, na medicina da antiguidade, tanto em sua teoria como em suas aplicaçõees eivada, ainda, de certo grau de empirismo.

Salvo alguns motivos, a medicina de todas as idades e de todos os países, se edificou sobre os mesmos alicerces e obedeceu aos mesmos princípios gerais. Não se deve confundir a medicina científica com medicina popular. Esta tem apoio na crendice popular e num fundo de supertições, que se desenvolvem mesmo a na época atual e nas civilizações que cançaram um nivel técnico muito avançado.

Poderíamos citar como exemplo dessa crendice a superstições populares a existência até hoje de indivíduos que se dedicam aos benzimentos, às defumações, à homeopatia, que nada mais são do que exploração da ignorância humana.

Quando um indivíduo procura o médico, ele ainda leve no seu subconsciente resquícios de um assado longínquo que faz do médico um ser superior, um ente dotado de atributos divinos, capaz de protege-lo e livra-lo de qualquer doença.

Assim, vem a medicina crescendo, passo a passo, com a história da humanidade, acompanhando o progresso das ciências gerais se aprofundandi mais e mais na procura da verdade.

Fortunato Gabriel Ciannoni

Fonte: site.fmabc.br

Veja também

Populista

Populista

PUBLICIDADE Definição Populista, em geral, é uma ideologia ou movimento político que mobiliza a população …

Corrida Espacial

Corrida Espacial

PUBLICIDADE Definição A corrida espacial da Guerra Fria (1957 – 1975) foi uma competição na exploração do …

Caso Watergate

Caso Watergate

PUBLICIDADE Watergate Watergate pode ser a história mais famosa na história americana de jornalismo investigativo. Isso …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.