Breaking News
Home / História Geral / As Centúrias

As Centúrias


Clique nos links abaixo para navegar no tema desejado:
Prefácio – Carta ao Filho César
Epístola ao Rei Henrique II
Epístola a Henrique 2 – Rei da França
Centúria I
Centúria II
Centúria III
Centúria IV
Centúria V
Centúria VI
Centúria VII
Centúria VIII
Centúria IX
Centúria X

PUBLICIDADE

 

 

PREFÁCIO DE NOSTRADAMUS PARA AS PROFECIAS – Carta a César

Saudações e felicidade para César Nostradamus meu filho. Sua recente chegada, César Nostredame, meu filho, me fez gastar muito tempo em constante reflexão noturna de forma que eu pudesse me comunicar com você através de carta e deixar esta lembrança para você, depois de minha morte, para o benefício de todos os homens dos quais o espírito divino tem me permitido saber por meio da astronomia.

E desde que foi vontade do Todo-poderoso que você não nascesse aqui nesta região; eu não quero falar de anos vindouros, mas dos meses durante os quais você irá se esforçar para entender o trabalho que eu compilei e deixo para depois de minha morte: assumindo que não será possível deixar tal escritura que pode ser destruída pela injustiça da idade, deixou-a para você. A chave para a predição escondida que você herdará será fechada dentro de meu coração.

Também tenha em mente que os eventos aqui descritos não venham contudo a se passar, e que tudo é governado pelo poder de Deus Todo-poderoso, não nos inspirando por frenesi báquico nem através de encantos mas por garantias astronômicas: foram feitas predições só pela inspiração de testamento divino e o espírito de profecia em particular. Em numerosas ocasiões e em cima de um período longo de tempo eu predisse com longa antecedência eventos específicos e atribuí tudo ao poder divino e inspiração, junto com outros acontecimentos afortunados ou desafortunados, previstos por completo, que ocorrerão em várias regiões da terra.

Desejei ainda permanecer calado e só não abandonei meu trabalho por causa da injustiça do tempo presente e também para a maioria do futuro. Sabendo que os governos, seitas e países sofrerão grandes mudanças, diametralmente oposto ao que agora existe, relacionei eventos do porvir de forma que esses que têm o poder agora – monarcas, líderes de seitas e religiões, achem tudo tão diferente da própria imaginação que eles não serão conduzidos a condenar o que outros, com o passar dos séculos, aprenderão a ver e entender. Também tenha em mente as palavras de Saviour: Não dê nada santo para os cachorros, nem lances pérolas aos porcos para que eles não as pisem com os pés.

Por isto eu retirei minha caneta do papel, porque eu desejei ampliar minha declaração tocando o Advento Comum, por meio de comentários ambíguos e enigmáticos sobre causas de futuro, até mesmo esses mais íntimos para nós e esses que eu percebi, de forma que alguma mudança humana que pode vir a se passar não escandalizará sensibilidades delicadas indevidamente. O trabalho inteiro é assim, escrito de forma nebulosa em lugar de forma claramente profética.

De forma que você deve esconder estas coisas dos poderosos de modo sábio e circunspeto, essa é a regra, e você purifica essas coisas para o pequeno e o pobre, e por Deus Todo-poderoso, que revelou essas profecias com o poder de perceber o que está distante e assim predizer coisas que virão. Nada pode ser realizado sem esta faculdade cujo poder e bondade trabalhe tão fortemente naqueles a quem é determinado que, enquanto eles contemplam dentro deles, estes poderes são sujeito a outras influências que surgem da força de bem. Este calor e força de profecia nos investem com sua influência como os raios de sol animam entidades inanimadas.

Nós, seres humanos, não podemos por nossa consciência natural e inteligência conhecer qualquer coisa de Deus ou os segredos escondidos do Criador, Porque a nós não é dado saber ou, as vezes não é o momento. Pessoas de tempos futuros posso ver no presente, porque Deus as desejou revelar por meio de imagens, junto com vários segredos do futuro para a astrologia ortodoxa, como era o caso no passado. Na forma que uma medida de poder e adivinhação, a chama do espírito me inspira a pronunciar, unindo o humano e o divino. Deus pode realizar trabalhos divinos, que são absolutos; há outro nível, o de trabalhos angelicais; e um terceiro modo que são do mal.

Mas meu filho, eu o envio textos um pouco obscurecidos. Para entender o que está oculto nas profecias a pessoa tem que ser tocada pelo espírito sutil de fogo, contemplar os movimentos das estrelas distantes, ou igualmente por meio de pronunciamentos, em vigília, a pessoa acha a si mesmo surpreendida pelas escritas produzidas, sem medo de ser ferido por tal loquacidade descarada. A razão é que tudo isso procede do poder divino de Deus Todo-poderoso de quem toda a generosidade procede. E mais uma vez, meu filho, se eu tenho evitado o palavra profeta, é porque não desejo atribuir na atualidade a mim tão alto título, para quem é chamado agora de profeta foi chamado antes de um vidente; um profeta, meu filho, fala que o é por que vê corretamente coisas distantes, um conhecimento natural de todas as criaturas.

E pode acontecer que o profeta que provoca a luz perfeita de profecia possa fazer coisas se manifestarem entre o humano e o divino, caso contrário isto não pode ser feito , dado que os efeitos de predizer o futuro se estendem longe no tempo. Os mistérios de Deus são incompreensíveis e o poder para influenciar eventos é um salto para cima com a grande expansão de conhecimento natural e tem sua origem mais imediata em testamento livre e eventos futuros descrevendo o que simplesmente não pode ser entendido e nem revelado pelas interpretações de homens nem por outro modo de conhecimento ou poder oculto debaixo do firmamento, nem no presente nem na eternidade porvir.

Mas provocando a eternidade indivisível por esforços Hercúleos, coisas são reveladas pelos movimentos planetários. Eu não estou dizendo, meu filho – guarde bem isso – que o conhecimento das coisas não podem ser entendidas em sua mente deficiente, ou que eventos no futuro distante podem não ser entendidos como razoáveis. Não obstante, se estas coisas atuais ou distantes são trazidas à consciência e não são muito inteligíveis, obscurecendo o que muito claramente me foi revelado. Conhecimento perfeito de tais coisas não podem ser adquirido sem inspiração divina, dado que toda inspiração profética deriva sua origem inicial de Deus Todo-poderoso.

Considerando que todas as previsões são produzidas com imparcialidade, a profecia deve se passar em parte como predisse. O entendimento do que foi criado pelo intelecto não pode ser adquirido por meio do oculto, só pela ajuda do zodíaco, produzindo aquela chama pequena de que parte do futuro se trata. Também, meu filho, eu peço a você para não exercitar sua mente em tais devaneio e vaidades como dreno meu corpo, e incorrer na perdição de alma, e causar dificuldades em nossas fracas estruturas.

Acima de tudo evitei o uso vaidoso daquela magia antiga mais execrável, reprovada pelas Santas Escrituras – só com exceção do uso de astrologia oficial. Para a posteridade, com ajuda de inspiração e revelação divina, e cálculos ininterruptos, eu fixei minhas profecias por escrito. Temendo para que esta filosofia oculta não seja condenada, eu não desejei fazer conhecida sua interpretação medonha; também temeroso de que poderiam ser descobertos aqueles vários livros que tive escondidos durante muito tempo, depois de ler eu queimei os que restaram.

E enquanto o fogo os devorou, a chama que lambe o ar distribuiu uma luz inesperada, mais semelhante a de algum cataclismo flamejando que o de uma chama ordinária de fogo, e de repente iluminou a casa como se fosse num forno. Eu os reduzi então a cinzas, de forma que ninguém poderia ser tentado a usá-los em trabalhos ocultos procurando a transmutação perfeita, se lunar ou solar, de metais incorruptíveis. Mas sobre aquele discernimento que pode ser alcançado pela ajuda de escrutínio planetário, eu gostaria de lhe contar isto.

Evitando qualquer fantasia fantástica, você pode por bom juízo ter perspicácia sobre o futuro se você ligar os nomes específicos de lugares com os que outorgam configurações planetárias, e com inspiração sobre lugares e aspectos se rendendo a propriedades escondidas, este é o poder de quem presencia as três vezes são compreendidas como Eternidade que desdobrando contém tudo: para todas as coisas está desnudo e aberto.

Isso é por que, meu filho, você pode facilmente, apesar de seu cérebro jovem, entender que eventos podem ser preditos naturalmente pelos corpos celestes e pelo espírito de profecia: Eu não desejo designar a mim o título e papel de profeta, mas enfatizar inspiração revelada a um homem mortal cuja percepção é nenhum adicional de céu que os pés são da terra. Eu não posso falhar, errar ou ter sido enganado, embora eu possa ser um grande pecador como qualquer um nesta terra e sujeito a todas as aflições humanas.

Mas depois que às vezes fosse surpreendido de dia enquanto num transe, e tendo entrado no hábito de estudos noturnos agradáveis muito tempo, eu compus livros de profecias, cada um contém cem quadras astronômicas que eu condensei obscuramente. O trabalho inclui profecias de hoje para o ano 3797. Isto pode perturbar alguns, quando eles vêem um tempo tão longo, mas isto acontecerá e será entendido em toda a República; estas coisas serão entendidas universalmente na terra, meu filho. Se você vive a vida normal de homem que você é, saberá em sua própria terra, debaixo de seu céu nativo, como eventos futuros vão se mostrar.

Só Deus Eterno sabe a eternidade da luz que procede D’Ele, e eu falo francamente a esses a quem a grandeza imensurável, imensa e incompreensível D’Ele foi disposta para conceder revelações por inspiração longa, melancólica que com a ajuda deste elemento escondido manifestado por Deus, há dois fatores principais que compõem a inteligência do profeta.

O primeiro é quando os claros sobrenaturais abastecem e iluminam a pessoa que prediz através de ciência astral, enquanto o segundo lhe permite profetizar por revelação inspirada que é só uma parte da eternidade divina por meio de que o profeta vem avaliar o que o poder divinatório lhe deu pela graça de Deus e por um presente natural, isto é, que o que é predito é verdade e etéreo em origem. E tal uma pequena chama é de grande eficácia e âmbito, e nada menos que a claridade de sua natureza.

A luz de natureza humana faz as filósofos tão seguros de si que com os princípios da primeira causa eles alcançam as doutrinas mais altas e os abismos mais fundos. Mas meu filho, para que eu não me aventure muito longe para sua percepção futura, esteja atento que os homens de cartas farão críticas e comentários orgulhosos sobre o modo que eu interpretei o mundo, antes da conflagração mundial que irá trazer tantas catástrofes, e tais revoluções que escassamente qualquer terra não será coberta através de água, e isto durará até tudo perecer exceto história e geografia deles mesmos.

Isto é por que, antes e depois destas revoluções em vários países, serão diminuídas as chuvas e a abundância de fogo e projéteis ígneos se cairá dos céus que nada escapará ao holocausto. E isto acontecerá antes da última conflagração. Para antes do fim do século a guerra e em suas fases finais segurará o século debaixo de seu balanço. Alguns países estarão no aperto de revolução durante vários anos, e outros arruinaram para um ainda período mais longo.

E agora que nós estamos em uma era republicana, com a ajuda de Deus Todo-poderoso , e antes de completar seu ciclo cheio, a monarquia devolverá então a Idade Dourada, e após todos os cálculos, com o mundo perto de uma total revolução do tempo descrito 177 anos 3 meses 11 dias – pestilência, escassez longa e guerras, e ainda mais inundações de agora até o tempo declarado. Antes e depois, a população deve ser tantas vezes severamente diminuída que qualquer um poderá assumir os campos que ficarão livres onde eles tinham sido ocupados anteriormente.

Isto acontecerá depois do juízo dos céus, antes que nós alcancemos o milênio que completará tudo. No firmamento da oitava esfera, uma dimensão onde Deus Todo-poderoso completará a revolução, e onde as constelações retomarão seu movimento que fará a terra estável e firme, mas só Ele permanecerá inalterado para sempre até que o testamento dele seja cumprido. Isso apesar de todas as opiniões ambíguas que ultrapassam a razão natural das coisas, expressadas por Mahomet,; que é por que Deus o Criador, pelo ministério dos agentes ígneos dele com suas chamas, virá propor a nossas percepções como também nossos olhos as razões para predições futuras.

Devem ser manifestados sinais de eventos do porvir a quem profetiza. Para profecia que origina de iluminação exterior é parte daquela luz buscar se aliar com isto e trazer isto de forma que a parte que parece possuir a faculdade de compreensão não está sujeito a uma náusea da mente. A razão é bem evidente. Tudo é predito através de inspiração divina e graças a um espírito angelical que inspira o profeta, consagrando as predições dele por unção divina.

Também o despe de todas as fantasias por meio de várias aparições noturnas, enquanto com certeza diária ele profetiza pela ciência de astronomia, com a ajuda de profecia sagrada, a única consideração dele é a sua coragem de ser livre. Assim venha, meu filho, se esforce para entender o que eu descobri por meus cálculos que outorgam com inspiração revelada, porque agora a espada da morte se aproxima de nós, com pestilência e guerra tão horrível que alguma vez houve – por causa do trabalho de três homens – e escassez. E esta espada golpeará a terra várias vezes, e as estrelas confirmam e também é escrito: Eu castigarei as injustiças com barras de ferro, e os golpearei com sopros.

A clemência de Deus será concedida durante um certo tempo, meu filho, até a maioria de minhas profecias serem cumpridas e esta realização estar completa. Então vários tempos no curso das tempestades dolorosas o Senhor dirá: Então eu esmagarei e destruirei e não mostrará nenhuma clemência; e muitas outras circunstâncias serão o resultado de inundações e chuva ininterrupta da qual eu escrevi mais completamente em minhas outras profecias, compostas há pouco tempo, não em uma sucessão cronológica, em prosa, limitando os lugares e tempos e datas exatas de forma que gerações futuras verão, enquanto experimentarem estes eventos inevitáveis, como eu listei mais claramente em outros idiomas, de forma que apesar das obscuridades todas estas coisas serão entendidas: Quando chegar o tempo da remoção da ignorância, o assunto estará ainda mais claro.

Assim em conclusão, meu filho, leve este presente de seu pai M. Nostradamus que espera venha você a entender cada profecia em todas as quadras. Possa Deus Imortal conceder a você uma vida longa e felicidade próspera.

Salon, 1º de março de 1555.

 

Epístola para Henrique II – Carta que o profeta escreveu para o Rei Henrique II

Aqui Majestade estão compreendidas várias e maravilhosas coisas do por vir que os que virão após hão de ver… Haverá pelo mês de outubro (1917) uma grande revolução, que todo o mundo pensará que a terra cai em escuridão perpétua. Pela primavera (Mar 1917) e depois disto (Nov 1918) acontecerão mudanças extraordinárias, inversões de Reinos e um grande terremoto. Tudo isso acompanhado pela procriação de uma Nova Babilônia(A URSS). E isto durará apenas 73 anos e 7 meses…

Deus notará a longa esterilidade da grande Dama (a Rússia) que conceberá 2 crianças de início(Lenin, Stalin) e estando em perigo de morte no 18º ano (execução de Romanovs 1918) e não podendo ir além de 36 (1917 até a morte de Stalin em 1953) a deixará para trás (a URSS de Stalin) 3 homens e uma mulher e ela terá dois. A diferença entre os 3 irmãos (Malenkov, Khrustchov, & Breshnev) será resolvida e 3/4 de Europa tremerá. A filha (Andropov) terá duas crianças. Uma de fidelidade (Chernenko) e outra de infidelidade (Gorbechev, 1985) quem por seu tardio arrependimento (1991) levará adiante sua ruína

Esta perseguição durará 11 anos (1989 – 2000) ou um pouco menos para o rei do norte (Yeltsin?) tropeçar… Com os anos completados virá um que mais violentamente perseguirá por um período de 3 anos (2000 – 03) as pessoas da Igreja… (A Rússia). Então o terceiro rei do norte (2003) ouvindo o protesto do povo levantará um grande exército por um ano bissexto (2004) e restabelecerá a melhor parte de sua condição(2005). A renovação do Triunvirato durará 7 anos. (1996 – 03) então serão os senhores do norte dois em número, vitoriosos contra o Oriental. Haverá tal tumulto bélico, que todo o Leste tremerá de medo dos dois irmãos que não são os irmãos do Norte.

Estas figuras estão justamente enquadradas nas Sagradas Escrituras como pode ser visto mais extenso em algumas de minhas Quadras. Eu teria calculado isto mais profundamente, mas vendo que alguns estão prontos a me censurar, eu retirarei minha caneta agora para meu repouso noturno.

Michel Nostradamus, 27 de junho de 1558.

As Centúrias

Epístola a Henrique 2 – Rei da França

AO INVENCÍVEL E TODO-PODEROSO,

e mui Cristão Henrique Rei de França segundo, Michel Notredame seu mui humilde e obediente servidor e súdito, vitória e felicidade.

Por aquela soberana observação que tive, ó mui Cristão e mui vitorioso rei, desde que minha face estando muito tempo anuviada se apresentou diante da deidade de Vossa Majestade imensurável, depois disso estive perpetuamente deslumbrado, não desistindo de honrar e dignamente venerar aquele dia que, pela primeira vez, diante dela me apresentei, como a uma extraordinária Majestade tão humana.

Ora,[estava] buscando ocasião pela qual eu pudesse manifestar o bom coração e franca coragem, e que mediante este meu poder pudesse fazer ampla extensão de conhecimento sobre vossa Majestade.

Ora, vendo que pelos efeitos não me seria possível declará-lo, junto com o meu singular desejo de minha tão longa tenebrosidade e obscuridade, ser subitamente aclarado e transportado diante da face do soberano olho, e do primeiro Monarca do Universo, de tal modo que estive em grande dúvida sobre a quem consagrar estas três Centúrias do restante de minhas profecias, terminando o milênio, e após haver cogitado muito tempo, com uma temerária audácia, enderecei-as a vossa Majestade, não estando por ela espantado, como relata o seriíssimo autor Plutarco na vida de Licurgo, que vendo as ofertas e presentes que se faziam nos sacrifícios nos templos dos Deuses imortais daqueles tempos, e para aquele fim não se espantassem pelas demasiadas multas, gastos e perdas, não ousavam se apresentar nos templos.

Todavia, vendo vosso esplendor Real, acompanhado de uma incomparável humanidade, dirijo-me a vós não como aos Reis da Pérsia, que não é de modo algum permitido chegar-se a eles, nem ao menos deles se aproximar. Mas a um mui prudente, a um mui sábio Príncipe, eu consagrei minhas noturnas e proféticas suputações, compostas ante um instinto natural, acompanhado de um furor poético, senão pela regra da poesia, e a maior parte composta de acordo com o cálculo Astronômico, correspondente aos anos, meses e semanas, das regiões, países, e da maior parte das Cidades pequenas e grandes, de toda a Europa, compreendendo a África e uma parte da Ásia pelas mudanças das regiões, que se aproximam da maior parte de todos esses locais, e composta por uma facção natural.

Responderá aquele que quiser meter o bedelho, que a rima é um tanto fácil, bem como a inteligência do sentido é difícil. E por isso, ó mui humaníssimo Rei, a maior parte das quadras proféticas são de tal modo escabrosas, que não se saberia dar-lhes sentido, e nem ao menos algumas interpretar. Todavia, esperando deixar por escrito os anos, cidades pequenas e grandes, e as regiões onde a maior parte advirá, mesmo os anos de 1585 e 1606, a começar desde o tempo presente, que é quatorze de março de 1557.

E indo muito mais longe, até o advento que será depois do começo do sétimo milênio, profundamente calculado, o tanto que meu cálculo astronômico e outro saber puderam se estender, onde os adversários de Jesus Cristo e de sua Igreja começarão pulular mais forte. Tudo foi calculado em dias e horas, escolhidos e bem dispostos, e o mais precisamente que me foi possível. E tudo com a Sabedoria livre e sem detrimento, suputando bem como os acontecimentos dos tempos que virão, quanto das épocas passadas, compreendendo o presente, e aquilo que pelo curso do tempo em todas as regiões se conhecerá chegar, tudo ainda nomeado como é escrito, não colocando aí nada de supérfluo, ainda que se diga: Portanto, a verdade do futuro não é completamente determinada.

É bem verdade, meu Senhor, que pelo meu instinto natural que me foi dado pelos meus avós, não pensava que fazia presságio, e ajustando e acordando aquele instinto natural com a minha longa suputação unido, e esvaziando a alma, o espírito e a coragem de todo cuidado, solicitude e aborrecimento, pelo repouso e tranqüilidade do espírito. Tudo acordado e pressagiado por meio de um trípode de bronze. Ainda que sejam vários os que me atribuem aquilo que é de certo modo meu, bem como aquilo que não é de modo algum, só Deus eterno, que é o perscrutador das obras humanas pias, justas e misericordiosas, e é o verdadeiro juiz ao qual eu imploro que me venha defender da calúnia dos malvados que virão também caluniosamente perguntar por qual causa todos os vossos antiqüíssimos progenitores, Reis de França, curaram os tumores, e outras nações curaram a mordida da serpente, e outros tiveram algum instinto da arte divinatória, e de outros casos que serão aqui bastante relatados.

Não obstante, àqueles da malignidade do espírito do mal não será [minha Obra] compreendida pelo curso do tempo e após a minha extinção terrena, ainda mais será minha obra conhecida que quando em vida, e se entretanto nos meus cálculos das épocas eu engano, não se poderia ser conforme a vontade de alguns. Queira vossa mais que imperial Majestade me perdoar, protestando diante de Deus e seus Santos, que eu não pretendo colocar nada por escrito na presente carta, que seja contra a verdadeira fé Católica, conferindo os cálculos astronômicos conforme meu saber: pois o espaço de tempo de nossos primeiros antepassados que nos precederam são tais, remetendo-me sob a correção do mais são julgamento, que o primeiro homem Adão, veio antes de Noé cerca de mil duzentos e quarenta e dois anos, não computando o tempo pela suputação dos Gentios, como colocou por escrito Varrão: mas tão somente segundo as santas Escrituras, e segundo a fraqueza de meu espírito, nos meus cálculos astronômicos.

Depois de Noé, dele e do dilúvio universal, veio Abraão, cerca de mil e oitenta anos, o qual foi um soberano Astrólogo, e segundo alguns, ele inventa primeiro as letras Caldéias: depois veio Moisés cerca de quinhentos e quinze ou seis anos, e entre os tempos de Davi e Moisés, passaram-se quinhentos e setenta anos, mais ou menos. E depois, entre o tempo de Davi e o tempo de nosso Salvador e Redentor Jesus Cristo, nascido da única Virgem, passaram-se (segundo alguns Cronógrafos) mil trezentos e cinqüenta anos.

Qualquer um poderá objetar que esta suputação não é verdadeira, por isso que ela difere da de Eusébio. E desde os tempos da humana Redenção até a sedução detestável dos Sarracenos, passaram-se seiscentos e vinte e um anos, mais ou menos, e depois disso pode-se facilmente coligir quais tempos são passados, embora minha suputação não seja boa e válida para todas as nações, por isso que tudo foi calculado pelo curso celeste por associação da emoção infusa a certas horas abandonadas, pela emoção dos meus antigos progenitores: Mas a injúria do tempo, ó Sereníssimo Rei, requer que tais acontecimentos secretos não sejam manifestados senão por sentença enigmática, não tendo senão um único sentido, e única inteligência, sem aí ter colocado nada de ambíguo nem cálculo duvidoso: mas a maioria sob nebulosa obscuridade por uma natural infusão, aproximando pela sentença de um dos mil e dois profetas que existiram desde a criação do mundo, conforme o cálculo e Crônica púnica de Joel.

Derramarei meu espírito sobre toda carne e vossos filhos e filhas profetizarão. Mas tal profecia procedia da boca do Espírito Santo, o qual era a soberana pujança eterna, adjunto com a celeste, sem a qual nenhum daquele número prediriam os grandes e maravilhosos acontecimentos: Eu, neste particular, não atribuo a mim de modo algum tal título. Antes a Deus não agrade, pois eu bem confesso que tudo vem de Deus, e a ele dou graças, honra e louvor imortal, sem aí haver misturado adivinhação que provém da ignorância dos mortais: mas pela natureza de Deus, e a maior parte acompanhada do movimento do curso celeste, tal como vendo num espelho ardente, como por visão nebulosa, os grandes acontecimentos tristes, prodigiosos, e os acontecimentos calamitosos que se aproximam das principais religiões.

Primeiramente dos templos de Deus, e depois por aqueles que são terrestremente sustentados vai se aproximar tal decadência, com mil outros calamitosos acontecimentos, que pelo curso do tempo se conhecerá chegar: pois Deus atentará a longa esterilidade da grande senhora, que pouco depois conceberá dois filhos principais: mas ela periclitando, aquela a quem lhe será destinado periclitar de morte na época da temeridade no décimo oitavo [século], não podendo passar [a monarquia francesa] do trigésimo sexto [rei], restando três homens e uma mulher, e terá dois [filhos], [e] aquele que não teve jamais o mesmo pai, abandonará [Luís XVII a torre do Templo], haverá dois [imperadores], que então cederá [na futura continuidade da monarquia] a três homens e uma mulher, aquele que não teve jamais o mesmo pai, os três irmãos estarão em tais diferenças, depois unidos e de acordo, quando três quartos da Europa tremerão:

. . .

E por isso, meu Senhor, que nesse relato eu coloco quase confusamente essas predições, e quando poderá vir acontecer essas coisas, pela enumeração do tempo que passará, que não é em nada ou bem pouco conforme à superior, a qual foi feita pela via Astronômica, senão por outra, mesmo das Sagradas Escrituras, que não podem falhar de modo algum, e se eu quisesse em cada uma das quadras colocar a enumeração do tempo, eu poderia fazê-lo: mas a todos não seria agradável, nem menos interpretá-las, e até nisso, meu Senhor, vossa Majestade me conceda amplo poder para fazê-lo, por não dar motivo aos caluniadores de me prejudicar. Todavia, contando os anos desde a criação do mundo até o nascimento de Noé, passaram-se mil quinhentos e seis anos, e desde o nascimento de Noé até o término da fabricação da Arca, aproximando-se a inundação universal, passaram-se seiscentos anos (se os dados sejam Solar ou Lunar, ou de dez dias mesclados) eu tenho que as Sagradas escrituras dizem que são Solares.

E no fim desses seiscentos anos, Noé entra na Arca para ser salvo do dilúvio: e foi esse dilúvio universal sobre a Terra, e dura um ano e dois meses. E desde o fim do dilúvio até o nascimento de Abraão, passam-se duzentos e noventa e cinco anos. E desde o nascimento de Abraão até o nascimento de Isaque passam-se cem anos. E desde Isaque até Jacó, sessenta anos, da hora que ele entra no Egito, até a saída de lá passam-se cento e trinta anos. E desde a entrada de Jacó no Egito até a saída dele, passam-se quatrocentos e trinta anos. E desde a saída do Egito até a edificação do Templo, feito por Salomão no quarto ano de seu reinado, passam-se quatrocentos e oitenta anos.

E desde a edificação do Templo até Jesus Cristo, segundo o cálculo dos hierógrafos, passam-se quatrocentos e noventa anos. E assim por esse cálculo que eu fiz, coligido pelas Sagradas Letras, são cerca de quatro mil cento e setenta e três anos e oito meses, mais ou menos. Ora, de Jesus Cristo em diante pela diversidade das seitas eu paro de calcular, e tendo suputado e calculado as presentes profecias, tudo segundo a ordem da cadeia que contém sua revolução, tudo pela doutrina Astronômica, e segundo meu instinto natural, e após algum tempo, e naquele compreendido desde o tempo que Saturno tornará a entrar [em guerra] em sete do mês de abril, até vinte e cinco de agosto, Júpiter em 14 de junho até 7 de outubro, Marte desde 17 de abril até 22 de maio.

Mercúrio desde 3 de fevereiro até 24 do dito, e de 24 de setembro até 16 de outubro, Saturno em Capricórnio, Júpiter em Aquário, Marte em Escorpião, Vênus em Peixes, a Lua em Aquário, a cabeça do Dragão em Libra: a cauda no seu signo oposto conforme uma conjunção de Júpiter com Mercúrio, com um quadrante aspecto de Marte com Mercúrio, e cabeça do Dragão estará com uma conjunção do Sol com Júpiter, o ano será pacífico e sem eclipse, e não de todo, e será o começo [do milênio]

. . .

. . . o curso do tempo vai muito mais longe. Na Carta que esses anos passados escrevi ao meu filho César Nostradamus, declarei abertamente muitos pontos sem presságio. Mas aqui, meu Senhor, estão compreendidos vários e grandes acontecimentos maravilhosos, que aqueles que virão depois verão. E durante este cálculo Astrológico, confrontado com as sagradas escrituras, a perseguição das gentes Eclesiásticas terá sua origem pela potência dos Reis Aquilonários, unidos com os Orientais.

. . .

E depois que este tempo tenha durado muito, será quase renovado um outro reino de Saturno, e século de ouro. Deus, o criador, dirá, ouvindo a aflição do seu povo, Satã será colocado e atado no abismo do báratro na profunda fossa: e começará entre Deus e os homens uma paz universal, e ficará atado pelo espaço de mil anos, e voltará com uma maior força ainda, o poderio Eclesiástico, e depois tornará a se desatar. E todas essas representações estão perfeitamente adaptadas com as divinas escrituras nas coisas celestes visíveis, a saber, por Saturno, Júpiter e Marte, e outras conjunções, como explanei melhor em algumas quadras em que se pode ver.

Calculei o mais profundamente e adaptei uns com os outros. Mas vendo, ó Sereníssimo Rei, que alguns da censura colocariam dificuldade, resolvi retirar minha pena do meu repouso noturno: Além do mais, ó Rei Todo-poderoso, um grande número de acontecimentos futuros são breves e claros, mas eu não pude aqui nesta carta ligar os fatos nem montá-los; mas se os acontecimentos horríveis do destino fossem compreendidos, pouco se cumpriria, e por maiores que sejam vossa grandeza e vossa humanidade aos homens, bem como vossa piedade para com Deus, seja digno de ser o único a ter o nome de Rei potentíssimo e Cristianíssimo, a quem toda autoridade sobre todas as religiões será digna de vos ser conferida. Mas tão somente a vós eu requeiro, ó Rei mui Clemente, nesta vossa extrema e sábia humanidade, de ouvir o mais depressa o desejo de minha coragem, e o soberano estudo que tenho dedicado a vossa Majestade, desde que meus olhos estiveram tão próximos de vosso esplendor solar, que a grandeza do meu trabalho não alcança nem requer. De Salon, hoje 27 de junho de 1558.

Fonte: geocities.yahoo.com.br

Centúria I

Nostradamus

Foi impressa pela primeira vez no dia 4 de Maio de 1555 em Lyon por [Macé] Bonhomme. A primeira edição continha o prefácio dedicado a seu filho César e 353 quadras (As Centúrias I, II, III e as 53 primeiras da IV)

1
À noite, entrego-me a estudos secretos.
Só, Tomo assento no tripé de cobre.
A minúscula chama surge da solidão,
Faz progredir quem não é vão em crer.

2
O ramo colocado no meio das mãos
A água me roça tanto os pés quanto a barra da túnica.
Através dos ramos o medo me invade. Minha voz treme.
Fulgor divino. O divino desce sobre mim.

3
Quando as liteiras virarem em turbilhão
E os rostos se cobrirem com mantos
A nova república terá problemas pelo seu povo:
Aí brancos e vermelhos governarão erroneamente.

4
No mundo lá será feito um rei,
que terá pouca paz e uma vida pequena,
Neste momento o navio do papado será perdido,
governado a seu maior detrimento.

5
Eles serão afugentados para um longo tirado briga.
A zona rural será a maioria do grievously aborrecido.
Cidade e país terão maior luta.
Carcassonne e Narbonne terão seus corações tentados.

6
O olho de Ravenna será abandonado,
quando as asas dele falharão aos pés dele.
Os dois de Bresse terão feito uma constituição
para Turin e Vercelli que o francês pisoteará sob os pés

7
Tarde chegado a execução feita,
O vento contrário, cartas em caminho tomadas:
Os conjurados XIIII de uma seita,
Por caducarem as empresas de Rousseau.

8
Quantas vezes será capturada, ó cidade do Sol?
Mudando as leis bárbaras e vãs:
Tempos maus se aproximam de você.
Não mais será escravizado, O grande Hadrie reviverá suas veias

9
Do Oriente virá o coração púnico,
Perturbar Hadrie e os herdeiros romúlidas:
Acompanhado da frota líbica,
Templos melitas e ilhas próximas desertas.

10
O caixão é posto na catacumba férrea.
Onde sete filhos do rei estão mantidos.
Seus ancestrais surgirão das profundas do inferno,
lamentando ver os frutos de sua linhagem mortos.

11
O movimento de sensações, coração, pés e mãos
esteja de acordo entre Nápoles, Lyon e Sicília.
Espadas incendeiam inundações, então os romanos nobres se afogaram,
Assassinado ou morto por causa de um cérebro fraco.

12
Logo ele será chamado mentiroso, selvagem, facilmente tentou
depressa elevado de baixa para alta condição.
Ele virará desleal e volátil de repente.
Este homem governará Verona.

13
Por raiva e ódio interno, os exílios
choque um grande enredo contra o rei.
Secretamente eles colocarão os inimigos como uma ameaça,
e o próprio dele velho (os partidários) achará sedição contra eles.

14
Do povo escravizado, canções, cantos e perdidos.
Os príncipes e lordes são cativos nas prisões:
No futuro, por tais idiotas acéfalos
Esses (pedidos) serão tomados como orações divinas.

15
Marte nos ameaça com a força de guerra
e causará derrame de sangue setenta vezes.
O clero estará exaltado e ultrajará, além disso,
por esses que desejam não aprender nada deles.

16
Foice no Tanque, junto para o Sagitário,
Em seu alto auge e exaltação,
Peste, fome, morte por mão militar,
O século aproxima-se de renovação.

17
Por quarenta a íris não aparecerá,
por quarenta anos todos os dias será visto:
A terra árida aumentará em secura,
E grande dilúvio quando será percebido.

18
Por discórdia e displicência da França
as portas se abrirão para Maomé.
de sangue molhada a terra e mar sénois.
O porto de Marselha está tomado de velas e embarcações.

19
Quando as serpentes cercam o altar,
e o sangue de Trojan está preocupado pelo espanhol.
Por causa deles, será minorado um grande número.
O líder foge escondido nos brejos pantanosos.

20
Tours, de Orleans, Blois, Angers, Reims e Nantes,
Cidades ofendidas por súbita mudança,
Por línguas estranhas serão erguidas tendas,
Rios, dardos, regiões, terra e mar tremor

21
A pedra contém suas profundidades barro branco,
que sairá leite-branco de uma racha,
Desnecessariamente pessoas preocupadas não ousarão toque isto,
Inadvertidamente que a fundação da terra é de barro.

22
O que viverá e não tendo nenhum senso,
Virá lesar mortalmente seu artifício,
autun, Châlons, Langres e os dois Sens,
O granizo e gelo farão grande malefício

23
Quando o Sol nasce no terceiro mês,
javali e leopardo se defrontam no campo de batalha.
Os homens abandonam o leopardo e olham para o céu:
vêem uma águia adejar em torno do Sol.

24
Na cidade nova pensativo condenar,
O pássaro de presa no céu se oferece:
Depois de cativo de vitória ser perdoado.
Cremona e Mantua que terão ter grandes sofrimentos.

25
Perdido, acha escondido durante muitos séculos
Pasteur será venerado como demi-deus,
Como a lua a completa grande ciclo
Por outros o velho homem será desonrado.

26
O grande homem será abatido durante o dia por um raio,
O ato prejudicial será previsto pelo portador de uma súplica:
Diz a predição que outro tomba à noite
Conflito em Reims, Londres, e peste em Toscana.

27
Em baixo da árvore de carvalho de Gienne, golpeou através de um raio,
o tesouro está escondido não muito longe dali.
O Que durante muitos séculos tinha sido reunido,
quando encontrado, um homem morrerá, seu olho perfurado perto da primavera

28
A torre de Bouc temerá fusta bárbara,
um tempo, muito tempo depois de barca hespérica,
Gado, gente, móveis, todos dois farão grande perda,
Touro e Libra que ataque mortal.

29
Quando o peixe que viaja em cima de terra e mar
seja lançado para cima em para a orla por uma grande onda,
sua forma estranha, liso e horroroso.
Do mar os inimigos logo alcançam as paredes.

30
Por causa da tempestade em mar o navio estrangeiro
Aproxime um porto desconhecido.
Apesar dos sinais das filiais de palma,
Depois há morte e pilhagem. Conselho bom vem muito recente.

31
As guerras em Gália durarão tantos anos,
Além do curso do Castulon monarca:
Vitória incerta três grandes coroarão,
Águia, Galo, Lua, Leão, Sol em marca.

32
O grande império será logo trocado
por um local pequeno que logo crescerá
Um pequeno local de área minúscula,
No meio do qual virá pousar no chão seu cetro.

33
Perto de uma grande ponte de planície espaçosa
O grande leão por forças cesáreas
Fará abater fora da cidade rigorosa
Por terror portas lhe serão abertas.

34
O pássaro de presa que voa à esquerda,
antes de batalha seja unida com o francês, ele faz preparações.
Alguns o considerarão bom, outros ruim ou incerto.
A parte mais fraca o considerará como um presságio bom.

35
O leão jovem sobrepuja o velho
no torneio, numa justa a dois.
Perfura-lhe os olhos através da grade de ouro
no terceiro embate. Ele sofrerá morte penosa.

36
Muito tarde o rei se arrependerá
que ele não pôs o adversário dele para morte.
Mas ele logo concordará com coisas distantes
O que causará a morte de todos de sua linhagem.

37
Um pouco antes que o sol se esconda
Conflito dado, grande povo temeroso,
Arruinado, porto marinho não dá resposta,
Ponte e sepulcro em dois lugares estrangeiros.

38
O Sol e a Águia aparecerão ao vencedor.
Uma resposta vazia assegurou a derrota.
Nem corneta nem gritos pararão os soldados.
Liberdade e paz se alcançou a tempo por morte.

39
À noite o último será estrangulado em sua cama
porque ele se tornou muito envolvido com o eleito de herdeiro loiro.
O Império é escravizado e três homens substituíram.
Ele é levado à morte nem carta nem pacote leu.

40
O falso trompete que esconde loucura
causará Byzantium uma mudança nas suas leis.
Do Egito lá irá adiante um homem que quer
o édito dinheiro retirado, mudando dinheiro e normas.

41
A cidade é sitiada e é assaltada de noite;
poucos escapam; uma batalha não longe do mar.
Uma mulher desfalece com alegria ao retorno de seu filho,
Veneno nas dobras das cartas escondidas.

42
O décimo Kalends de abril de acordo com o sistema gótico,
Ressuscitado novamente por pessoas más:
O fogo é apagado, assembléia diabólica,
Buscando os ossos de d’Amant & Pselin.

43
Antes que advenha a mudança de Império,
Advirá um caso bastante maravilhoso,
O campo mudado, o pilar de pórfiro,
Mas transmudado sobre o rochedo negrumoso.

44
Em pouco tempo sacrifícios recomeçarão,
Os opositores serão levados (à morte) como mártires.
O testamento já não é os monges, abades ou noviços.
Mel será mais caro que cera.

45
Perseguir seitas grande dor ao delator,
Animal em teatro, ergue o jogo cênico,
Do fato antigo enobrece o inventor,
Por seita mundo confuso e cismático.

46
Próximo a Auch, Lectoure e Mirande,
Grande fogo no céu em três noites cairá,
Causa advirá bem estupenda e extraordinária,
Pouco depois a terra tremerá.

47
Os decursos do lago Léman (Genebra) aborrecerão.
Os dias se prolongarão por semanas
Então meses, então anos, então tudo falhará
As autoridades amaldiçoarão seus poderes inúteis.

48
Vinte anos do reinado da Lua passaram
Outros Sete mil anos durará seu reinado:
Quando o Sol levará os dias restantes
Então estará realizada e finda minha profecia.

49
Muito antes de tais ataques,
Os do Oriente pela virtude lunar:
No ano mil e setecentos farão grandes expedições,
Subjugando o recanto do Aquilão.-

50
Da aquática triplicidade nascerá
de um que fará a quinta-feira para sua festa
seu renome, louvor, reinado e poder aumentarão
por terra e mar no oriente tempestade.

51
Quando rege Áries, Júpiter e Saturno predominam:
Deus eterno, que transformações!
A partir daí seus maus tempos se repetem durante um longo século.
França e Itália: que tremendos abalos!

52
Duas influências más em conjunção em Escorpião.
O grande senhor é assassinado no quarto dele.
Um rei recentemente designado persegue a Igreja,
o mais baixo (partes de) a Europa e no Norte.

53
Ai, como nós veremos uma grande nação extremamente preocupada
e a lei santa em ruína absoluta.
Cristianismo (governou) ao longo e através de outras leis,
quando uma fonte nova de ouro e prata é descoberta.

54
Duas revoluções serão causadas pelo portador de foice mau
fazendo uma mudança de reinado e séculos.
O sinal móvel passa assim a sua casa:
Iguale em favor a ambos os lados.

55
Em clima oposto ao babilônico,
Tão grande será a efusão de sangue,
Que em terra e mar e céu será iníqua,
Seitas, fome, reinados, peste, confusão.

56
Vocês verão em breve, porém tarde demais
como se efetua a grande alteração.
Terrores extremos e perseguições, como se a Lua tivesse sido levada por seu anjo.
O céu se apronta para mudanças.

57
Com tremendo desacorde o clarim faz estremecer.
Assim que o som se dissipar, surge a provação no céu.
Uma fauce sangrenta nadará em sangue.
A face do Sol está lambuzada de leite e mel.

58
Por uma racha na barriga uma criatura nascerá com duas cabeças
e quatro braços: sobreviverá durante alguns anos.
O dia que Alquiloie celebra os festivais dele
Fossana, Turin e a regra de Ferrara seguirão.

59
Os exílios deportaram para as ilhas
ao advento de um até mesmo o rei mais cruel
será assassinado. Dois estarão queimados
que não estavam poupando na sua fala.

60
Um imperador nascerá perto da Itália.
Custará muito caro ao império;
Dirão que espécie de gente que o cerca
É menos príncipe que carniceiro.

61
A república miserável, desgraçada
será arruinada novamente por uma autoridade nova.
A grande quantia de testamento doente acumulou em exílio
fará para a Suíça o acordo importante.

62
Ai! o que uma grande perda fará aprender
antes do ciclo da Lua se completar.
Incêndio, grandes inundações, através de regras mais ignorantes;
quanto tempo até que os séculos sejam restabelecidos.

63
Pestes se alastrarão, o mundo ficará menor
Por um longo período, as terras serão habitadas em paz
As pessoas viajarão com segurança por terra, água e ar
Então as guerras recomeçarão.

64
Eles julgarão ver o sol à noite
quando avistarem o porco, meio homem. Barulho ensurdecedor.
Pode-se ver uma batalha sendo travada no céu.
E escutam-se os diálogos de bestas brutais.

65
Uma criança sem mãos, um raio tão grande nunca visto,
a criança real feriu-se num jogo de tênis.
Ao raio de poço golpeia e une junto
três trussed para cima no meio debaixo dos carvalhos.

66
Ele que leva as notícias então,
depois que um tempo pequeno vá, pára a respiração:
Viviers, Tournon, Montferrand e Praddelles;
granizo e tempestades lhes farão lamentar.

67
A grande fome que vejo aproximar-se
faz-se sentir ora aqui, ora ali, mas depois é universal.
Será tão grande e prolongada que arrancarão
as raízes dos troncos, e o infante do seio materno.

68
Um tormento terrível e miserável para isso
São três pessoas inocentes que serão entregadas.
Veneno sugerido, mal defendido, traição.
Entregue ao horror por executores bêbados.

69
A grande montanha redonda de sete estádios,
Depois de paz, guerra, fome inundação,
Rolará longe abismando grandes regiões,
Mesmo antigas, e grande fundação.

70
Chuva, fome e guerras não cessam na Pérsia.
A fé é forte demais. Ela trairá o monarca.
O fim vem da França, onde tudo começou.
Por augure recolhido a lugar secreto.

71
A torre marinha três vezes tomada e retomada,
Por espanhóis, bárbaros, lígures,
Marselha e Aix pelos de Pisa,
Devastação, fogo, ferro pilhada em Avignon pelos turineses.

72
Marselha inteira mudada em seus habitantes,
Fuga e perseguição até próximo a Lyon,
Narbona, Toulouse, por Bordéus ultrajada,
Mortos cativos quase um milhão.

73
França será acusada de negligência por cinco sócios.
Tunis, Algiers incitados pelos persas.
Leon, Sevilha e Barcelona que têm falhado,
eles não terão a frota por causa dos venezianos.

74
Depois de um tempo eles viajarão a Epirus,
grande ajuda que vem de ao redor de Antioch.
O rei do cabelo ondulado se esforçará para o Império,
a barba de bronze será assada em um cuspe.

75
O tirano de Sienna ocupará Savona,
tendo ganhado o forte ele conterá a frota marinha.
Dois exércitos debaixo do padrão de Ancona:
o líder os examinará em medo.

76
Para começar, usa tão malfadado nome
que só por ele três profetisas lhe vaticinaram o destino.
Desencaminhará o grande povo com palavras e atos.
Maior glória e clamor nenhum outro deixará.

77
Um promontório está entre dois mares:
Um homem que morrerá depois pelo pedaço de um cavalo;
Netuno desfralda uma vela preta para o homem dele;
Gibraltar rápida e Rocheval por perto.

78
A um líder velho nascerá um herdeiro idiota,
fraco ambos em conhecimento e em guerra.
O líder de França é temido pela irmã dele,
campos de batalha dividiram, concedeu aos soldados.

79
Basas, Lectoure, Condom, Auch, Agen,
Abaladas por leis, querela e monopólio:
Car, Bord, Toulouse, Bay porá em ruína,
Renovar querendo sua taurópolis.

80
Da sexta luz celestial luminosa
virá trovejar muito fortemente em Borgonha.
Então um monstro nascerá de uma besta muito horrorosa:
Em março, abril, maio e junho grande ferido e preocupado.

81
Nove serão excluídos do rebanho humano
Independente de julgamento e consulta
Sua destruição acontecerá na partida…
A fruta verde será a fonte do grande escândalo
Grande censura, a outro grande culto.

82
Quando o grande tremor de colunas de madeira
no vento sul, cobriu com sangue.
Tal uma grande assembléia verte então adiante
aquela Viena e a terra de Áustria tremerão.

83
A raça estrangeira dividirá o espólio,
Saturno em Marte o olhar furioso dele:
Horríveis estrangeiros sob os Toscanos e os latinos,
Gregos, que desejarão jogar fora sua curiosidade.

84
A Lua mergulha em profunda sombra.
Seu irmão passa ao lado com cor de ferro.
O grande fica oculto na escuridão por muito tempo.
Tem uma espada cravada em sua ferida sangrenta.

85
A Lua mergulha em profunda sombra.
Seu irmão passa ao lado com cor de ferro.
O grande fica oculto na escuridão por muito tempo.
Tem uma espada cravada em sua ferida sangrenta.

86
A grande rainha vê-se perdida.
Demonstrará valor masculino.
Quase nua é levada por sobre o rio a cavalo.
Será morta pelo ferro. Simultaneamente insultarão cruamente a religião.

87
Fogo de terremoto irrompendo do seio da terra
fará estremecer os arredores da nova cidade.
Dois blocos conduzem longa guerra.
Depois Arethusa tingirá de vermelho novo rio.

88
A ira divina surpreenderá o grande príncipe.
Pouco antes que ele se case,
apoio e confiança diminuirão de repente:
Alerta, ele morrerá por causa de cabeças raspadas.

89
Esses de Lerida estarão no Moselle,
morte para todos do Loire e Seine.
Da trilha do litoral virá perto do vale alto,
quando o espanhol abrir toda a rota.

90
Bordéus, Poitiers ao som do campo.
Em grande frota irá até o Angon,
Contra gauleses será sua tramontana,
Quando o monstro horrível nascerá perto de Orgon.

91
Os deuses farão aos homens aparências,
os que serão causadores do grande conflito:
vendo antes no céu sereno espada e lança,
que para mão esquerda será mais aflitivo.

92
Por causa de um homem será proclamada paz em todos os lugares,
mas não depois de longa luta e rebelião.
Por causa de um recusa, cidade, terra e mar serão feridos.
Cerca de um terço de um milhão de mortos ou capturados.

93
As terras italianas perto das montanhas tremerão.
O Galo e o Leão não fortemente unido.
Em lugar de medo eles ajudarão um ao outro.
Solitária liberdade modera os franceses.

94
Nos porto selênico o tirano posto a morte,
A liberdade não, entretanto recobrada,
o novo Marte por vingança e querela,
Dama homenageada por força do terror.

95
Na frente de um monastério será achado uma criança gêmea
da linha ilustre e antiga de um monge.
Sua fama e renome lhe dará poder sob seitas e linguagens
é tal que eles dirão que o gêmeo vivente é merecidamente escolhido.

96
Um homem será carregado com a destruição
de templos e seitas, alterado pela fantasia.
Ele danificará as pedras em lugar dos viventes,
orelhas encheram de falas belas.

97
O que fogo e espada não realizaram
Será conseguido por língua falando docemente e em concórdia:
O rei será forçado a contemplar o sonho que se vê no sono,
E não verá o inimigo em roupa de guerra ou militar.

98
O líder que administrará grande número de pessoas
longe de sua terra, para alfândegas estrangeiras e idioma.
Cinco mil morrerão em Crete e Thessaly,
o líder foge pelo mar num navio de provisão.

99
O grande rei unirá
com dois reis, unidos em amizade.
Como o grande suspiro de testamento doméstico:
ao redor Narbon que piedade para as crianças.

100
Por muito tempo um pássaro cinzento será visto no céu
se aproxima de Dôle e das terras de Tuscany.
Ele segura um ramo de flôr em seu bico,
mas ele morre muito cedo e a guerra termina.

Centúria II

1
Para a Aquitânia (França) por ilhéus britânicos,
Fazem grandes incursões:
Chuvas e geadas tornam o terreno inseguro e acidentado,
Porto selênico fortes fará invasão

2
O cabeça azul inflige sobre o cabeça branca
Tanto mal quanto a França os fez bom:
Morto ao velejar muito o grande enforcado no galho.
Quando preso pelos seus o Rei dirá quanto.

3
Pelo calor solar sobre o mar,
de Negroponto os peixes quase cozidos,
Os habitantes os virão destruir,
Quando Rodes e Gênova precisarem de provisões.

4
Desde Mônaco até junto da Sicília,
Toda a praia ficará desolada,
Não haverá bairros, cidade nem vila
Que não seja roubada e pilhada por bárbaros.

5
Armas e documentos dentro do peixe (submarino)
Dele sairá o homem que fará a guerra
Terá no mar sua frota bem armada
Até aparecer no litoral latino.

6
Perto dos portos das duas cidades.
Ocorrerão dois tormentos como nunca se viu antes.
Fome, peste, pessoas expulsas pela espada.
Pedem socorro ao grande Deus imortal

7
Entre alguns transportados para as ilhas,
Um nascerá com dois dentes em sua boca
Eles morrerão de escassez as árvores despojadas,
Para eles um Rei novo emite um édito novo.

8
Templos consagrados da maneira romana antiga,
Eles rejeitarão o excesso das fundações,
Levando seu primeiro e as leis humanas,
Perseguindo, entretanto não completamente, o culto de santos

9
Nove anos o magro segurará o reino em paz,
Então ele entrará em uma sede muito sangrenta:
Por causa dele umas grandes pessoas morrerão sem fé e lei
Mortos por um de boa natureza.

10
Assim que tudo estiver organizado
Aguardamos um século bem sinistro:
A multidão de disfarçados e solitários (clero) bem mudada
Poucos serão os que desejarão ficar em seus lugares.

11
O mais próximo filho do ancião atingirá
Muito grande altura até onde o reino do privilegiado:
Todo o mundo temerá a glória feroz dele,
Mas as crianças dele serão jogadas fora do reino.

12
Olhos fechados, abertos pela fantasia antiga,
O traje dos monges eles serão postos a nada:
O grande monarca castigará o frenesi deles,
Extasiando o tesouro na frente dos templos.

13
O corpo sem alma já não é sacrificado.
O dia da morte se transforma em dia do renascimento.
O espírito divino faz a alma feliz
quando se vê a Palavra em sua eternidade.

14
A Excursões, Gien, defendido, olhos estarão procurando,
Descobrindo de longe sua serena Alteza:
Ela e seu conjunto entrarão no porto,
Combate, facada, poder soberano.

15
Pouco antes de o sagrado monarca morto
Castor e Pólux, gêmeos no comando quando o cometa aparecer no céu
O dinheiro público será roubado na terra e no mar
Pisa Asti, Ferrara e Turim serão lugares proibidos

16
Nápoles, Palermo, Sicília, Syracuse,
Novos tiranos, fogos de raio celestiais,
Forças de Londres, Ghent, Bruxelas e Susa,
Grande morte, triunfo conduz a festividades.

17
O campo do templo da virgem de vestal,
Não longe de Elne e as montanhas de Pyrenees:
O grande tubo é escondido no tronco.
Ao norte rios alagados e vinhas destruídas.

18
Chuva nova, impetuosa e súbita
Deterá dois exércitos de repente.
Pedra celestial, fogos fazem o mar pedregoso,
A morte súbita de sete por terra e mar.

19
Eles voltaram. Os locais fortificados estão sem defensores.
Eles se apossam da localidade até então inabitável.
Tomam o campo, a casa, a seara e a cidade que mais lhes agrade.
Fome, peste, guerras, dolorosa penúria.

20
Irmãos e irmãs cativos em lugares diversos
Achará eles passando perto do monarca:
Contemplando eles seus ramos atentos,
Desagradando para ver as marcas em queixo, frente e nariz.

21
O embaixador enviado por biremes,
A meio caminho repelido pelo desconhecido:
Reforçado com sal quatro triremes virão,
Em Euboea confinado com cordas e correntes

22
O exército imprudente de Europa partirá,
Cobrado perto da ilha submergida:
A fraca armada dobrará o phalanx,
Ao umbigo do mundo uma grande voz substitui.

23
Palácio dos pássaros, perseguidos por um pássaro de fora,
Muito breve após o príncipe chegar:
Embora o inimigo seja repelido além do rio,
De fora aproveitou o truque apoiado pelo pássaro.

24
Bestas ferozes de fome nadam pelos rios:
A maior parte do campo estará contra o Hister,
O grande será arrastado em uma gaiola férrea,
Quando a criança alemã observará o Reno.

25
O guarda estrangeiro trairá a fortaleza,
Esperança e sombra de um grande matrimônio
Guarda enganou, forte apanhado na imprensa,
Loire, Saone, Rhone, Gar, afronta mortal.

26
Pelo favor que a cidade fará,
Ao grande que cedo perderá campo de batalha,
Fuga sobre o Pó Tessin derramará
Sangue, fogos, mortos afogados e esfaqueados.

27
A palavra divina será golpeada do céu,
Um que não pode proceder qualquer adicional:
O segredo fechado com a revelação,
Tal que eles marcharão à frente.

28
A penúltima sílaba do sobrenome do Profeta
Levará Diana para seu descanso:
Ele vagará longe por causa de uma cabeça frenética,
E entregando grandes pessoas à sujeição.

29
O Oriental sairá de sua sede,
Passar os montes Apeninos ver a Gália:
Transpassará o Céu, as águas e neve,
E ainda ele golpeará com sua vara.

30
Alguém que o deus infernal de Aníbal
fará que nasça terror para todos os homens:
Nunca os jornais falarão de tanto horror,
Que virá para os italianos pela Babilônia.

31
Na Campânia o Casilino fará tanto,
Que só se verá de águas os campos cobertos;
Adiante após a chuva de longa data,
Fora as árvores nada se verá de verde.

32
Leite, sangue rãs cozer na Dalmácia,
Conflito dado, peste perto de Balennes,
Grito será grande por toda a Esclavônia,
Então nascerá monstro perto de Ravena.

33
Pela torrente que desce Verona
Por então que ao pó guiará sua entrada
Um grande naufrágio, e não menos no Garona
Quando os de Gênova pisarão o chão natal

34
A ira insensata do combate furioso
Causará feridas por aço cintilante à mesa por irmãos:
Para repartir então morte, ferida, e curiosamente,
O duelo orgulhoso virá danificar a França.

35
O fogo a noite atingirá os dois alojamentos,
Vários dentro sufocados e queimados.
Acontecerá perto de dois rios como um:
Sol, Sagitário e Capricórnio tudo estará reduzido.

36
As obras do grande profeta são confiscadas.
Vão parar nas mãos do tirano.
Porém, seus empreendimentos se baseiam em ilusões.
Suas incursões de rapina privam-no bem depressa da razão.

37
Do grande número que um enviará
Para aliviar os sitiados no forte,
Pestilência e escassez devorarão tudo,
Exceto setenta que serão destruídos.

38
Um grande número será condenado
Quando os monarcas se reconciliarem:
Mas para um deles um impedimento ruim surgirá
Que eles estarão juntos, porém sozinhos.

39
Um ano antes do conflito italiano,
Alemão, Gauls, espanhóis para o forte,
O republicana da escola pública cairá,
Lá, com exceção de alguns, eles serão estrangulados morto.

40
Pouco depois, um intervalo não muito longo
Grande tempestade ensurdecedora se erguerá por terra e mar,
Batalhas navais como nunca:
Tiros, criaturas atiram causando mais tumulto.

41
A grande estrela arderá durante sete dias.
Uma nuvem fará com que se vejam dois sóis
O grande mastim uivará durante toda a noite,
Quando o grande Pontífice mudar de residência.

42
Galos, cães e gatos serão saciados com sangue
E da ferida do tirano que acharão morto,
À cama de outro, pernas e braços quebrados,
Ele que não teve medo de morrer uma morte cruel.

43
Enquanto a estrela se aproxima,
as três potências mundiais se inimizam.
Paz da terra receberá um duro golpe
Da França até o Tibre uma serpente dominará.

44
A Águia se dirige por trás em volta das barracas
Será perseguido de lá por outros pássaros:
Quando o ruído de címbalos, trompetes e sinos
Restabelecerá os sentidos da dama insensata.

45
Os céus lamentam muito pelo Hermafrodita procriado,
Próximo os céus verterão sangue humano:
Por causa de morte muito tarde um grande povo recriado,
Tardiamente e cedo o alívio esperado vem.

46
Após grande grupo humano, um maior se prepara
O grande motor renova os séculos.
Chuva, sangue, leite, fome, ferro e peste.
No céu vê-se correr longas centelhas de fogo.

47
O grande velho inimigo lamenta morte por veneno,
Os soberanos dominaram um número infinito:
Pedras chovendo, escondido debaixo da lã,
Constantemente artigos de morte são citados em vão.

48
A grande força que passará as montanhas.
Saturno em Sagitário Marte viram para o peixe:
Veneno escondido debaixo das cabeças de salmão,
O general pendurado com corda.

49
Os conselheiros do primeiro monopólio,
O dominadores seduzidos por Malta:
Rhodes, Byzantium para eles exporem o polonês:
Terra fracassará os perseguidores em vôo.

50
Quando esses de Hainaut, de Ghent e de Bruxelas
Verem o assédio se deitar antes de Langres:
Atrás de seus flancos haverá guerras cruéis,
A ferida antiga fará pior que os inimigos.

51
O sangue do justo será exigido de Londres,
queimado pelo fogo no ano 66.
A senhora anciã cairá do alto.
E muitos da mesma seita serão mortos.

52
Durante várias noites, a Terra sacudirá.
Durante a primavera, dois esforços sucessivos;
Corinto e Éfeso nadarão em dois mares
Guerra movida por dois valentes de luta.

53
A grande peste não se retirará da cidade marítima até que a morte seja vingada:
O sangue do justo foi condenado pelos malfeitores, sem que
ele estivesse incorrido em culpa.
Não foi enganado nem ofendido pela grande Dama.

54
Por culpa de gente estranha e dos próprios romanos
sua grande cidade sofre descalabro depois da água.
Uma moça sem mão segura o chefe.
As grades não conseguiram detê- la.

55
No conflito, o grande pouco considerado
consegue por fim realizar o milagre.
Enquanto Hadrie percebe a extensão do que foi perdido,
o megalomaníaco se mata com um tiro no banquete.

56
Aquele que nem as pragas nem as armas poderiam matar
Morrerá no alto da colina (Roma), atingido do céu
O abade morrerá quando vir perdidos
Aqueles, do papado saqueado, se apoderando da pedra da Igreja.

57
Antes do conflito, a grande muralha cairá.
O Grande morre – uma morte por demais repentina e lamentável.
A frota está incompleta. A maioria dos navios está em viagem.
O sangue derramado embeberá a terra.

58
Com nenhuma comida nem ajuda por causa dos dentes afiados e fortes
Pela multidão para o forte do porco e o ancião nascido:
próximo ao portal o traiçoeiro lucro,
Lua brilhando, o grande lidera a distância.

59
Frota gaulesa por apoio do grande guarda
Do grande Netuno, e seus soldados de tridente,
Provence avermelhou para sustentar uma grande faixa:
Mais a Narbonne, por causa de javelins e dardos.

60
A fé púnica em oriente rompida,
Grande Iud, e Ródano Loire, e Tej. Mudarão
Quando do mulo a fome for saciada,
Frota espargida, sangue e corpos nadarão.

61
Bravo, ao de ‘ Tamins’, Gironde e La Rochelle:
O sangue de Trojan! Marte no porto da flecha
Atrás do rio a escada colocada no forte,
Pontos para incendiar grande assassinato na fenda.

62
Mabbus morrerá cedo, então acontecerá
Um horrível massacre de pessoas e animais
Logo, a vingança virá de uma centena de lugares
Sede e fome, à passagem do cometa.

63
O Gauls Ausonia dominará o menor,
Po, Marne e Seine Parma ficarão bêbados:
Ele preparará a grande muralha contra eles,
Ele perderá sua vida finalmente pela muralha.

64
Secar de fome, de sede, gente genebrina,
Esperança próxima virá ao desfalecer,
No momento crucial será lei gebanita,
frota ao grande porto não se pode acolher.

65
O grande parque inclinado grande calamidade
Pela Hespéria e Insúbre fará
O fogo em nave peste e cativeiro
Mercúrio em Sagitário, Saturno advertindo.

66
Por grandes perigos escapou o cativo:
Em pouco tempo sua grande fortuna mudou.
No palácio são apanhadas as pessoas,
Por presságio bom a cidade sitiada.

67
O loiro assumirá o compromisso com a forquilha
Através de disputa será banido:
Com ele os exílios serão restabelecido,
Confiando ao mais forte os lugares marinhos.

68
Os esforços do Aquilão serão enormes,
Sobre o oceano a porta será aberta:
O reino da ilha será reintegrado,
Tremerá Londres à vista da armada.

69
O Rei gaulês através de seu braço direito Céltico
Vendo a discórdia da grande Monarquia:
causará o florescer de seu cetro em três partes,
Contra a contenda da grande Hierarquia.

70
O dardo do céu fará sua extensão,
Oração de mortes: grande execução.
A pedra na árvore, a nação orgulhosa restabeleceu,
Ruído, monstro humano, expiação de purgação.

71
Os exilados entrarão na Sicília
Trarão fome de forma estranha a nação:
Ao amanhecer os Celts fracassarão:
Vida permanece por uma razão: o Rei une.

72
Exército céltico em Itália ofendido,
de todas as partes conflito e grande perda,
Fujam romanos, ó Gália rechaçada,
Perto do Tessim, Rubicão pugna incerta.

73
No lago Fucino de Benac a margem,
Tomado do Léman ao porto de Orguion,
nascido de três braços prediz bélica imagem,
Por três coroas ao grande Endimião.

74
De Sens, de Autun virão eles até onde o Rhone
Passar além dos montes Pyrenees:
A nação abandonada pela marcha de Ancona:
Por terra e mar será seguido por grandes processos.

75
A voz do pássaro raro ouvida,
No tubo de respiração confundida:
tão alto alqueire de trigo subirá,
que o homem comerá o seu companheiro.

76
Raio em Borgonha executará uma ação portentosa,
Um nunca poderia ter terminado por habilidade,
Sacristão feito manco pelos seu senado
Fará o negócio ser conhecido pelos inimigos.

77
Atingido por trás, fogo, lance e por fogos:
Gritos, uivos ouvidos à meia-noite:
Terão lugar nas muralhas quebradas,
Os traidores escapam pelas passagens subterrâneas.

78
Das profundezas do mar o grande Netuno
De gente púnica e sangue gaulês mesclado.
As ilhas em sangue pelo tardio remar,
Mais causará danos que o oculto mal guardado.

79
O Barba crespa e negra por engenho
subjugará o povo cruel e orgulhoso.
O grande Chiren tirará do longínquo,
Todos os cativos por bandeira selênica.

80
Depois do conflito pela eloqüência do ferido
Por pouco tempo um breve descanso é planejado:
Ao grande não será permitido liberdade:
Eles são restaurados pelos inimigos no momento apropriado.

81
Por fogo do céu a cidade quase adusta,
A urna ameaça ainda Ceucalião,
Ofendida Sardenha pela púnica fusta,
Depois que Libra deixar seu Faetonte.

82
Por fome a presa fará o lobo prisioneiro,
O atacante então em extrema angústia,
O herdeiro tem o último antes dele,
O grande não escapa no meio da multidão.

83
O grande comércio da grande Lyons mudou,
Grande parte voltada para ruína prístina
rezem pelos soldados varridos por pilhagem:
Pela montanha de Jura e garoa da Suevia.

84
Entre Campânia, Siena, flora, tuscia,
Seis meses nove dias não choverá uma gota,
A estranha língua em terra Dálmata,
Percorrendo-a, devastando a terra toda.

85
O velho de barba cheia sob estatuto severo
Feito em Lyon sobre a Águia Céltica:
O pequeno grande persevera muito:
Ruído de armas no céu: Mar de Ligurian vermelho.

86
Naufrágio de navio perto da onda adriática,
A terra treme revolvida de cabeça para baixo,
Egito teme aumento maomético,
O Arauto escolhido pondo-se a gritar.

87
Depois virá dos países externos
Príncipe alemão, no trono dourado,
A servidão e águas se encontram,
A senhora serve, seu tempo já não adorado.

88
A volta do grande contrato desastroso,
O sétimo nome do quinto será:
De um terço maior o desconhecido militar:
Ovelha, Paris, Aix não garantirá.

89
Um dia as grandes potencias se tornarão amigas.
Seus fortes poderes serão vistos crescendo.
A nova terra (América) estará no cume desta força.
Para o homem de sangue o número é informado.

90
Ainda que vida e morte o reino da Hungria mudado:
A lei será mais severa que o atendimento:
Sua grande cidade clama com uivos e lamentos,
Castor e Pollux inimigos na arena.

91
Sol nascente um grande fogo se verá
barulho e claridade rumando para o Aquilão;
Dentro de círculo de morte se ouvirão gritos,
Por gládio, fogo, fome, morte os esperando.

92
Fogo cor de ouro no céu visto da terra:
Herdeiro golpeado no alto, maravilhosa proeza fez:
Grande assassinato humano: o sobrinho do grande levado,
O orgulhoso escapou de morte espetacular.

93
Perto do Tibre, a morte ameaçará.
Um pouco antes da grande inundação
O chefe da Igreja será preso e banido,
O castelo (Sto. Ângelo) e o palácio (Vaticano) em chamas.

94
Grande Po, grande mal será recebido por Gauls,
Vai Terror para o marítimo Lion:
Pessoas passarão pelo mar em números infinitos,
Fora um quarto de um milhão escapa.

95
Os locais povoados se tornarão inabitáveis.
Haverá grandes disputas por causa dos campos.
Os governos ficarão entregues a pretensiosos.
Entre irmãos haverá brigas e mortes.

96
Chama ardente no céu noturno será vista,
Perto do fim e princípio do Ródano,
Fome, gládio, tarde virá o socorro
A Pérsia volta a invadir a Macedônia.

97
Romano Pontífice cuidado ao aproximar-te
Da cidade que dois rios banham:
Junto dali teu sangue virá cuspir,
A ti e aos teus quando a rosa florir.

98
Aquele cuja face é espirrada com o sangue
Da vítima quase sacrificada:
Júpiter em Leão, presságio por pressentimento:
Ser posto a morte então para a noiva.

99
Terra romana como o presságio interpretado
Será muito vexada pelas pessoas gaulesas:
Mas a nação Céltica temerá a hora,
A frota foi levada muito longe pelo vento norte.

100
Dentro das ilhas um alvoroço muito horrível,
A pessoa ouvirá só o destacamento de guerra,
Tão grande será o insulto dos saqueadores
Que eles se juntarão à grande liga.

Centúria III

1
Depois da luta e da batalha naval
o grande Netuno tem a supremacia.
O adversário vermelho fica lívido de medo,
e espalha o terror no Grande Oceano.

2
A palavra divina é conferida à matéria.
Entao céu e Terra, acontecimentos ocultos e místicos serão entendidos.
Corpo, alma e mente dispõe de todas as faculdades.
O homem tem tanta coisa a seus pés que se julga no céu.

3
Marte e mercúrio, e a prata estarão juntos,
Sobre o Meio-dia grande seca,
Um terremoto virá da Ásia,
Corinto, Éfeso então em perplexidade.

4
Quando os lunares estiverem prestes a um erro,
De um a outro não distando muito,
Frio, seca, perigo nas fronteiras.
Mesmo onde o Oráculo teve seu começo.

5
Pouco depois da falta dos dois metais,
Que ocorrerá em abril e março:
Que carestia de vida, Mas dois grandes nobres
trarão ajuda por terra e por mar.

6
Dentro do templo fechado entrará o raio,
Os cidadãos dentro da fortaleza feridos:
Cavalos, gado, homens, a onda tocará a parede,
Por escassez, seca, debaixo do mais fraco armado.

7
Os fugitivos, fogo do céu nos piques:
Conflito próximo a brincadeira dos ravens,
De terra eles clamam por ajuda e alívio divino,
Quando os combatentes estiverem perto das paredes.

8
Os címbrios, aliados a seus vizinhos,
virao para despovoar a França
até as fronteiras espanholas…

9
Bordeaux, Rouen e La Rochelle unidos
Dominam ao redor do grande oceano,
Ingleses, bretões e Flemings aliados
Persiga-os até pr’xomo de Roanne.

10
Grande calamidade de sangue e escassez,
Sete vezes aproxima da orla marinha:
Mônaco com fome, lugar capturado, cativeiro,
O grande conduzido triturado em uma gaiola de metal.

11
As armas bater no céu longa estação.
A árvore caiu no meio da cidade.
Vermine abriga, gládio em facho, tição,,
Quando o monarca de Hadrie sucumbir.

12
Pelo tumor de Heb, Pó, Tejo, Tibre, & Roma,
E pelo lago Léman & aretino:
Os dois grandes chefes & cidades do Garona,
Presos, mortos, afogados. Partir butim humano.

13
Por raio no arco ouro e prata derreteram,
De dois cativo um comerá o outro:
A maior das cidades estirada fora,
Quando submergir a frota navegará.

14
Do ramo do personagem valoroso
Da baixa França: por causa do pai infeliz
Honras, riquezas, jornada na sua velha idade,
Por ter acreditado no conselho de um homem simples.

15
O reino, mudará em coração, vigor e glória,
Em todos os pontos que têm seus opositores:
Então por morte França uma infância subjugará,
Um grande Regente será então mais contrário.

16
Príncipe inglês guerra em seu coração bondoso
Procurará sua fortuna próspera,
Dos dois duelos um perfurará seu corpo:
Odiado por ele, amado por sua mãe.

17
Monte Aventino queimar à noite será visto,
O céu obscuro de repente em Flandres,
Quando o monarca expulsar seu neto,
Sua gente de Igreja cometerá os escândalos.

18
Após longa chuva de leite,
Em vários lugares em Reims o céu é tocado:
Ai, o que um assassinato sangrento será preparado perto deles,
Pais e filhos Reais não ousarão aproximação.

19
Em Lucca choverá sangue e leite,
Próximo a uma mudança de praetor:
Grande pestilência e guerra, escassez e seca visível
Longe onde seu príncipe e reitor morrerão.

20
Pelas regiões do grande rio ‘ Bethique’
Das profundezas da Ibéria até o Reino de Granada
Cruzes deixadas para atrás pelos Maometanos
Um de Cordova trairá o seu país

21
No Crustamin por onda adriática,
Aparecerá um horrível peixe,
De face humana & o fim aquático,
Que será fisgado fora do anzol.

22
Seis dias o ataque feito a cidade:
Batalha será forte e severa:
Três se renderão, e para eles perdão:
Para o resto fogo e sangue, fatiados e cortados.

23
França, se você passar além do Mar de Ligurian,
Você se calará em ilhas e mares:
Mahommet contrário, mais assim o Mar adriático:
Você roerá os ossos de cavalos e asnos.

24
Grande confusão no empreendimento,
Perda das pessoas, tesouro incontável,:
Você não deve se estender mais adiante.
França, faça o que eu digo ser lembrado.

25
Quem atingir o reino de Navarra
Quando a Sicília e Nápoles aliarem-se:
Segurará Bigorre e Landes por Foix e Oloron
De alguém que se aliará a Espanha.

26
Reis e Principes erguerão simulácros,
Surgirão áugures e arúspices vazios:
Corno dourado vitima, e de azul, de acres,
Serão interpretados os vaticínios.

27
Um potentado líbio muito influente na Europa
entusiasma tanto os franceses pela causa árabe
Sábio nas letras será condescendente
em traduzir o idioma árabe para o francês.

28
De terra fraca e ascendência pobre,
Por partes e paz ele alcançará o império.
Por muito tempo uma fêmea jovem reina,
Nunca teve um tão ruim que chegou ao reinado.

29
Os dois sobrinhos trazidos de vários lugares:
Batalha naval, desembarque, os pais caídos:
Eles serão elevados muito alto ao fazer a guerra
Para vingar a injúria, inimigos sucumbiram.

30
Aquele que numa luta com lança num feito de guerra
Conquistar o premio, de alguém maior que ele:
À noite seis levarao o rancor a sua cama,
Sem armadura ele será surpreendido.

31
Nos campos da Média, da Arábia & da Armênia,
Duas grandes cópias três vezes se juntarão:
Perto do rio de Araks as forças,
Do grande Soliman em terra cairão.

32
A grande tumba das pessoas de Aquitaine
Se aproximará da Tuscany,
Quando a guerra cercar a Alemanha
E a terra dos italianos.

33
Na cidade onde o lobo entrará,
Muito proximó os inimigos estão:
Exército estrangeiro destruirá um grande país.
Os amigos passarão pelo muro e Alpes.

34
Quando ocorrer o eclipse do Sol então,
O monstro será visto dia por completo:
De modo errado isso será interpretado,
Preço alto pela desproteção: ninguém terá previsto isto.

35
Da parte mais profunda da Europa Ocidental
Uma criancinha nascerá de pessoas pobres:
Que, por sua fala, seduzirá a multidao,
Sua reputaçao aumentará no reino do Oriente.

36
Enterrado apopléctico não morto,
Ele será achado por ter as mãos comidas:
Quando a cidade condenar o herege,
Ele que parecia ter mudado as suas leis.

37
A conversações feitas antes do ataque,
Milão levado pela Águia por emboscadas enganosas:
Canhões dirigidos a parede antiga,
Por fogo e sangue alguns esquartejados.

38
As pessoas gaulesas e uma nação estrangeira
Além das montanhas, morte, capturado e mortos:
No mês contrário e próximo ao tempo de vindima,
Os Senhores se aproximam de um acordo.

39
Os sete em três meses de acordo
Dominam os Alpes apeninos:
Mas a tempestade e o covarde ligurian,
Os destrói em ruínas súbitas.

40
O grande teatro será montado novamente:
Os dados lançados e as armadilhas prontas.
Muito o primeiro irá se cansar ao dobrardo sinos,
Prostrado e arqueado já a muito tempo dividido.

41
Corcunda será eleito pelo conselho,
Um monstro mais horroroso nunca visto na terra,
O golpe violento arrancará seus olhos:
O traidor para o Rei recebido como fiel.

42
A criança nascerá com dois dentes em sua boca,
Pedras cairão durante a chuva em Tuscany:
Alguns anos depois lá não terá nem trigo nem cevada,
Para saciar os que desfalecerão de fome.

43
Vocês da regiao do Tarn, Lot e Garonna,
guardai-vos de atravessar os Apeninos.
Vossas sepulturas esperam em Roma e Ancona.
O negro Barba Crespa desfraldará ali seus pendões de vitória.

44
Quando o animal é domado pelo homem
Após grandes esforços e dificuldades começa a falar
O raio tão nocivo ao pára-raio
Será levado da terra e suspenso no ar.

45
Os cinco estranhos entraram no templo,
O seu sangue irá poluir o local:
Ao Toulousans será um exemplo muito duro
De um que virá exterminar as suas leis.

46
O céu (de cidade de Plancus’) nos prediz
Por sinais claros e estrelas fixas,
Que o tempo de sua mudança súbita está aproximando,
Nem para seu bem, nem para seu mal.

47
O velho monarca perseguido fora de seu reino
Irá para o Oriente pedindo por ajuda:
Por medo das cruzes ele dobrará sua bandeira:
Para Mitylene ele passará por porto e através de terra.

48
Setecentos cativos confinados asperamente.
Lots puxado para o meio para ser assassinado:
A esperança virá à mão muito prontamente
Mas não assim como a décima quinta morte.

49
Reino gaulês, você será mudado:
Para um lugar estrangeiro é o império transferido:
Você estará sujeito a outras alfândegas e leis:
Rouen e Chartres farão muito mal a você.

50
A república da grande cidade
Não consentirá à grande severidade:
Rei chamado por trompete para sair,
A escada de mão à parede, a cidade se arrependerá.

51
Paris conspira para cometer um grande assassinato
Blois levará isso a cabo completamente:
Aqueles de Orléans quererão substituir o seu líder,
Angers, Troyes, Langres cometerão um crime contra eles.

52
Em Campania haverá uma chuva muito longa,
Em Apulia muito grande seca.
O Galo verá a Águia, sua asa pobremente liquidada
Pelo Leão será isto levado ao extremo.

53
Quando o maior levar o prêmio
De Nuremberg, de Augsburg, e esses de Bâle
Por Cologne o lider de Frankfort reelevado
Eles cruzarão por Flanders direto para Gaul.

54
Um dos grandes fugirá para a Espanha
Virá sangrar muito de uma ferida depois disso:
Exércitos ignorem as montanhas altas,
Devastando tudo, e então reinar em paz.

55
No ano que a França tiver um rei de um olho só
A corte estará em dificuldades:
O grande homem de Blois matará o amigo
O reinado cairá em infortúnio e dúvida.

56
Montauban, Nimes, Avignon & Béziers,
Peste, raio & granizo em fim de março,
De Paris ponte, Lyon muro, Montpellier,
Desde seiscentos & sete vinte e três partes.

57
Sete vezes verao o povo britânico se transformar –
no prazo de 290 anos a partir do momento em que se manchou com sangue.
A França nada vale diante do bastião germânico.
O carneiro preocupa com seu Pol bastardo.

58
No Reno dos montes Nóricos
nascerá um grande, do povo que chegou tarde demais.
Ele defenderá as terras do Vístula e do Danúbio.
Ninguém imagina como ele irá acabar.

59
Bárbaro império pelo terceiro usurpado,
A maior parte de seu sangue colocará à morte:
Por morte senil por ele o quarto golpeado,
Por medo que sangue pelo sangue não seja morto.

60
Ao longo de toda a Ásia (Menor) grande proscrição,
Até mesmo em Mysia, Lycia e Pamphilia.
Será derramado sangue por causa da absolvição
De um negro jovem a cheio de crimes.

61
A grande banda e seita crucígera
Se erguerá em Mesopotâmia:
Do próximo rio companhia ligeira,
Que tal lei considerará inimiga.

62
Próximo ao Douro pelo mar fechado de Tyrian,
Ele penetrará os grandes montes Pyrenees.
Uma mão menor sua abertura lustra,
Ele guiará seus rastros até Carcassone.

63
O poder romano será humilhado completamente,
Seguindo os passos de seu grande vizinho:
Ódio civil escondido e debates
Adiarão as folias desses bufões.

64
O chefe da Persia ocupará grande ‘ Olchades, ‘
A frota de trireme contra os Maometanos
De Parthia, e Media: e os Cyclades saquearam:
Longo descanso no grande porto jônio.

65
Quando o sepulcro do grande romano é achado,
No dia seguinte um Pontífice será elegido:
Escassamente ele será aprovado pelo Senado
Envenenado, o sangue dele no cálice sagrado.

66
O grande Oficial de diligências de Orleans posto a morte
Estará vingativo pelo sangue de um:
De morte merecida não morrerá ele, nem por casualidade:
Feito cativo cruelmente por seus pés e mãos.

67
Uma seita nova de Filósofos
Desdenhando morte, ouro, honras e riquezas
Não ficará limitada às montanhas alemãs:
Multidões a segui-los eles terão poder.

68
Poder diminuido do povo da Espanha e Itália
Morto, superado dentro da Península,:
O ditador traído por loucura irresponsável,
Nadando em sangue por toda a latitude.

69
O grande exército conduzido por um homem jovem,
Virá se render nas mãos dos inimigos:
Mas o velho nascido metade porco,
Causará a amizade entre Châlon e Mâcon.

70
A grande Bretanha inclusive a Inglaterra
Será invadida pelas águas
A Nova Liga de Ausonia fará guerra,
De forma que eles irão se esforçar contra eles.

71
A França será atacada por cinco lados devido à negligencia
Contra essa nação, os iranianos incitarao a Tunísia e a Argélia
Lion, Sevilha e Barcelona darão caminho
E nao serão salvas por tropas italianas.

72
O homem velho bom enterrado vivo,
Perto do grande rio por falsa suspeita:
O novo enobrecido pelos ricos,
Preso a caminho todo seu ouro resgatado.

73
Quando o aleijado alcançar o reino,
Competidor terá um bastardo próximo:
E o reino se tornará tão imundo
Que quando tentar recuperá-lo, já será tarde.

74
Nápoles, Florença, Faenza e Imola,
Etarão em termos de tal desacordo
Que por prazer humilharão os Nola
Reclamam por terem ridicularizado seu chefe.

75
Pau, Verona, Vicenza, Saragossa,
De terra distante, espadas umedecidas com sangue
Uma praga muito poderosa virá com uma grande crosta.
O auxílio estará próximo, porém, os remédios estarao longe.

76
Na Alemanha nascerão seitas diversas,
Vindo muito próximo paganismo feliz,
O coração cativo e lucros pequenos,
Eles retribuirão para pagar o verdadeiro dízimo.

77
O terceiro clima sob o domínio de Áries
O ano 1727 em outubro,
O Rei de Persia capturado pelos do Egito:
Conflite, morte, perda,: por grande vergonha atravessada.

78
O chefe de Escócia com seis de Alemanha,
Por gente de mar orientais cativos:
Atravessarão o Calpe & Espanha,
Presente em pérsia ao novo rei timorato.

79
A ordem fatal, sempiterna por cadeias,
Retornará por ordem conseqüente:
Do porto fócio será rompida a cadeia,
A cidade tomada, o inimigo quanto & quanto.

80
O merecedor perseguiu fora do reino inglês,
O conselheiro por raiva posto ao fogo:
Os partidários dele irão se apagar tão baixo
Que o bastardo será recebido.

81
O grande sem vergonha, audacioso,
Será eleito o goavernador do exército:
A coragem da sua disputa,
A ponte quebrada, a cidade pálida de medo.

82
Lérins, Antibes, cidades em volta de Nice,
Serão devastadas por mar e por terra:
Os gafanhotos terra e mar vento propício,
Presos, mortos, amarrados, pilhados, sem lei de guerra.

83
O Gaul Céltico de cabelo longo
Acompanhado por nações estrangeiras,
Farão cativo o povo de Aquitaine,
Para sucumbir aos seus desígnios.

84
A grande cidade será bem desolada,
Dos habitantes um só aí não ficará:
Muro, sexo, templo, & virgem violada,
Por ferro, fogo, peste, canhão povo morrerá.

85
A cidade levada por decepção e malícia,
Levada por meio de uma bonita juventude:
Agressão dada pelo Raubine perto de LAUDE,
Ele e todos mortos por terem enganado completamente.

86
Um chefe de Ausônia às Espanhas irá,
Por mar fará parada em Marselha,
Antes de sua morte um longo tempo languirá,
Depois de sua morte se verá grande maravilha..

87
Frota gaulesa, não se aproxime da Córsega,
Menos Sardenha, você lamentará isto:
Todo os seus morrerão frustrados pela ajuda da capa:
Você nadará em sangue, cativo você não me acreditará.

88
De Barcelona por mar tão grande exército»
Toda Marselha de terror tremerá:
Ilhas tomadas de mar ajuda fechada,
Teu traidor em terra nadará.

89
De Barcelona um grande exército através do mar,
Todo Marseilha tremerá com terror:
Ilhas apanhadas a ajuda vem de fora pelo mar,
Seu traidor desembarcará em terra.

90
O grande Sátiro e Tigre de Hyrcania,
Presenteou a esses do Oceano:
O chefe de uma frota partirá de Carmania,
Um que levará o desembarque no ‘Tyrren Phocaean.’

91
A árvore que tinha estado muito tempo morta e murcha,
Em uma noite ficará verde novamente:
O Rei de Cronian doente, Príncipe com clava,
Temido por seus inimigos ele fará seu velejar confinado.

92
O mundo perto do último período,
Saturno voltará de novo tardiamente:
Império transferiu para a nação escurecida,
O olho arrancado fora pelo Goshawk em Narbonne.

93
Em Avignon todo o chefe do império,
fará residência por Paris desolada
Tricast controlará a ira anibálica,
Lyon por mudança será mal consolada.

94
Por 500 anos ele nada vale, e darao pouca importância
Ao que foi o ornamento de sua época.
Porém, bruscamente haverá grande clareza,
Que pelo céu os tornará muitos defensores.

95
A lei de More será vista a declinar
Seguida por um bem mais agradável.
Os Boristhenes (Dnieper) primeiro cederá
Por dons e línguas mais atraentes.

96
O Chefe de Fossano terá sua garganta cortada
Pelo líder do sabujo e galgo:
A ação executada por esses do rochedo Tarpeian,
Saturno em Leão 13 de fevereiro.

97
Lei nova para ocupar a terra nova
Para a Síria, Judéia e Palestina:
O grande império bárbaro em declínio,
Antes da Lua completar seu ciclo.

98
Dois irmãos reais empreenderão guerra feroz
Que entre eles a guerra será tão mortal
Que ambos ocuparão os lugares fortes:
A grande disputa deles encherá o reino e vida.

99
Nos campos relvosos de Alleins e do Vernêgue,
Do monte Lubéron, próximo da Durance,
Dos dois lados conflito será bastante violento,
Mesopotâmia desfalecerá na França.

100
O último honrado entre os franceses,
atacando o inimigo ele será vitorioso:
Força o desembarque num momento explorado,
Quando o invejoso morrerá de um tiro de seta.

Centúria IV

As primeira 53 quadras apareceram em 1.555. A Centúria completa foi publicada em 1.557

1
O remanescente de sangue derramado:
Demandas de Veneza que alívio será dado:
Depois de ter esperado um tempo muito longo,
Cidade se entregou no primeiro som da corneta.

2
Por causa de morte a França fará uma jornada,
Frota através de mar, marchando sobre as Montanhas de Pyrenees,
Espanha em dificuldade, tropas militares marchando:
Algumas das grandes Damas levadas para fora da França.

3
De Arras e Bourges muitas bandeiras do Escurecido,
Um maior número de Gascons para lutar a pé,
Esses ao longo do Rhône sangrarão o espanhol:
Se aproxime da montanha onde Sagunto se senta.

4
O Príncipe impotente bravo, reclamações e disputas,
Estupros e saques, por galos e africanos:
Grande desembarque na terra, pelo mar infinitas velas,
Itália estará só perseguindo Celts.

5
Cruz paz, para um fato divino verbo,
A Espanha & Gália serão unidas juntas:
Grande derrota próxima, & combate muito acerbo,
Coração tão forte não haverá que não trema.

6
Pelas roupas novas depois de achar o feito,
Enredo malicioso e maquinação:
Primeiro morre aquele que provar isto,
Cor cilada veneziana.

7
O filho menor do grande e odiado Príncipe,
Terá grande contato de lepra aos vinte anos:
De pesar a mãe dele morrerá muito triste e emagrecida,
E ele morrerá onde se desprendem carnes soltas.

8
A grande cidade por agressão rápida e súbita
Surpreendida à noite, os guardas interrompem:
Os guardas e vigias de São-Quentin
Sacrificados, proteções e portais quebrados.

9
0 chefe do campo no meio da refrega,
De um golpe de flecha será ferido nas coxas,
Quando Genebra em lágrimas & Angustia
Será traída por Lausanne e por suíços.

10
O Príncipe jovem falsamente acusado
Mergulhará o exército em problemas e disputas:
O chefe assassinado para sua manutenção,
Cetro para pacificar: então cura scrofula.

11
Aquele que veste a cappa magna
será conduzido para a execução.
Os 12 vermelhos virão para conspurcar seu manto.
Depois um assassinato desencadeia o outro.

12
O grande exército posto para voar em desordem,
Mal ainda maior será perseguido:
Exército reorganizado e legião reduzida,
Então será caçado completamente fora da França.

13
Notícias de grande perda informada,
O relatório surpreenderá o exército:
Tropas unidas contra os revoltados:
O dobrado phalanx abandonará o grande.

14
A morte gratuita da primeira pessoa traz mudança.
Eleva outro ao governo.
A tempo, mas também muito tarde, tão alto em tão verdes anos!
Ele infundirá temor em terra e mar.

15
De onde se achará vir a fome,
De lá virá a saciedade:
O olho do mar por avaro canino,
Por um o outro dará óleo, frumento.

16
A cidade da liberdade escravizada:
Feita asilo de devassos e sonhadores.
O Rei trocado e não tão violento:
De cem se torne mais que mil.

17
Mudanças em Beaune, em Nuits, em Châlon e em Dijon,
O duque que deseja melhorar o Carmelite
Marchando perto do rio, peixe, cabo mergulhador
Será vista a cauda: a porta estará travada.

18
Alguns dos mais letrados em fatos celestiais
Serão condenados por príncipes ignorantes:
Punidos por decreto, caçados, como criminosos,
E postos à morte onde quer que forem encontrados.

19
Antes de Rouen o cerco aplacado pelos Insubrians,
Pela terra e pelo mar as passagens fechadas:
Por Hainaut e por Flanders, por Ghent e por aqueles de Liége
Através dos presentes ocultos eles destruirão a costa (marítima).

20
Paz e abundância por muito tempo o lugar será honrado:
Durante todo seu reino a flor-de-lis desertada:
Corpos mortos pela água, em terra só um aportará,
Espera em vão fortuna enterrada lá.

21
A mudança será muito difícil:
Cidade e Província ganharão com a mudança:
Coração elevado, prudência estabelecida, caça um perspicaz,
Mar, terra, pessoa mudarão seu estado.

22
O grande exército será desmanchado,
Em um momento fará falta ao rei:
A fé prometida de longe será quebrada,
desnudado visto em lastimosa perturbação.

23
A legião no navio de guerra,
Calcina Magnas enxofre, & pez queimará
O longo repouso da praça em segurança,
Porto selênico, Hércules fogo os consumirá.

24
A voz suave do amigo sagrado será ouvida na terra santa.
A chama humana resplandecerá dessa voz divina.
Isto fará com que o mundo se manche com o sangue dos monges celibatários,
E destrua os templos sagrados (ou falsos) dos impuros.

25
Os olhos percebem uma infinidade de corpos suspensos no ar.
Haverá deslocamento pela força do pensamento.
Corpos inclinados para frente. Sentidos, chefe
e invisibilidade diminuem a santa devoção.

26
Grande enxame de abelhas surgirá
Mas ninguém saberá de onde ele vem:
Elas tocaiam pela noite, a sentinela
A cidade cedeu a cinco falastrões subornados.

27
Salon, Tarascon, “Mausol”, “SEX”, o arco,
Onde fica a pirâmide:
Eles virão entregar o príncipe de Annemark,”
Redenção revelada no templo de Artemis.

28
Quando Vênus estiver encoberto pelo Sol,
processa-se uma mudança de forma por trás da luminosidade.
Mercúrio a desvendará à luz do fogo,
No clamor de guerra ela será tomada por ofensa.

29
O sol escondido eclipsado por Mercúrio
Não será mais que por um segundo:
De Vulcano Hermes irá virar alimento,
O sol será visto puro, incandescendo vermelho e dourado

30
Por mais de onze vezes Lua e Sol desaparecerão,
Tudo aumentado e diminuído de grau;
E colocado tão embaixo que até o ouro escurecerá
Depois da fome e da peste, descoberto será o segredo.

31
A lua cheia da noite sobre a alta montanha,
O novo sábio com um cérebro solitário vê:
Por seus discípulos convidados a ser imortal,
Olhos para o sul. Nas mãos fingidas, corpos no fogo.

32
A lei comunal será feita ao contrário
A antiga ordem se manterá forte.
Depois sairá de cena
E o comunismo ficará para trás.

33
Júpiter junto a Vênus esse com a lua
Aparece em plenitude branca:
Vênus escondido sob o brilho de Netuno
Golpeado por Marte pela conexão “granée”.

34
O grande levado cativo de estranha terra,
De ouro acorrentado ao Rei Chiren ofertado:
Que em Ausônia, Milão perderá a guerra,
E toda a sua hoste posta a fogo & a ferro.

35
O fogo apagado as virgens trairão,
a parte mais grande da faixa nova:
O relâmpago na espada e na lança os reis solitários guardarão
Etruria e Córsega, pelo corte da garganta da noite.

36
Os esportes novos ajustaram-se acima outra vez em Gaul,
após a vitória na campanha de Insubrian:
Montanhas de Hesperia, grandes armadas e tropas
‘ Romania ‘ e Espanha tremem de medo.

37
Gauleses por saltos montes virá penetrar,
0cupará o grande lugar dos ínsubres,
Ao mais profundo sua hoste fará entrar,
Gênova, Mônaco rechaçarão frota rubra.

38
Apesar de avisarem o duque, o rei e a rainha
Com o chefe Bizantino preso em Samothrace [ilha grega]:
Antes do assalto um o ordem comerá,
Reverso ferro fúria de sangue o rastro

39
Os de Rodes pedirão socorro,
Pela negligência de seus herdeiros abandonada,
O Império Árabe diminuirá seu curso,
Por Hespérias a causa levantada.

40
A fortaleza do sitiado encerrado e oculto rs suas profundezas pelos explosivos.
O traidor será enterrado vivo,
Nunca tal lamentável divisão ocorreu aos saxões…

41
A prisioneira capturada como refém
Virá pela noite confundir os protetores:
O chefe do exército ludibriado por sua linguagem
Largará ao povo, será lastimoso ver.

42
Genebra & Langres com aqueles de Chartres & Dôle
e por Grenoble preso em Montélimar:
Seyssel, Lausana, por fraudulento dolo,
Traídos pelas sessenta marcas do ouro.

43
Serão ouvidas no céu armas da batalha,
Que no mesmo ano os divinos inimigos:
Discutirão leis santas em insuficientes debates
Por fogos & guerra vem a morte.

44
Dois grandes de Mende, de Rodez e de Milhau
Cahors, Limoges, Castres mau semana
À noite a entrada, do Bordéus um insulto
Por Périgord ao soar o sino.

45
Com o conflito um rei abandonará seu reino,
O chefe o mais grande falhará na época da necessidade:
Inoperante, arruinado poucos escaparão,
Tudo cortado acima, um será uma testemunha.

46
Bem defendido o fato por excelência,
Acautela-te, Tours, contra tua próxima ruína,
Londres & Nantes, por Reims fará defesa,
Não passa além do tempo chuvoso.

47
O selvagem rei terá exercitado sua mão sangrenta.
Por fogo, espada e alvejado todas as pessoas sentirão horror.
Vendo ilustres pendurados pelos pescoços e pés.

48
Planura ausônia fértil, espaçosa,
Produzirá varejas e gafanhotos,
Claridade solar tornar-se-á nebulosa,
Roer tudo grande peste virá deles.

49
Quando o sangue do povo estiver vertendo,
Que do divino céu venha ajuda:
Mas por muito tempo não será ouvido,
O espírito solitário testemunhará.

50
Libra verá as terras ocidentais governando,
Mantendo a ordem sobre os céus e a Terra
Ninguém verá as forças asiáticas serem destruídas.
Até sete se sucederem.

51
Um duque ansioso por seu inimigo enfurecido
Dará entrada para impedir a falange:
Apressado virá perseguir tão de perto
que haverá conflito perto de Ganges.

52
Na cidade sitiada homens e mulheres,
Inimigos avisam ao líder para se rende:
O vento estará forte de encontro às tropas,
Afastados serão pela cal, poeira e cinzas.

53
Os fugitivos e os exilados retornam
Pais & filhos grande adorno poços profundos:
O pai cruel e seu povo chocado
Seu filho distante submergiu no poço.

54
Diante do nome nunca usado por outro rei francês
– raio algum foi tão devastador –
estremecem Itália, Espanha, Inglaterra.
Ele ambiciona a Dama estrangeira de alta posição.

55
Quando o corvo na torre feita do tijolo
Por sete horas continuará a gritar:
Morte presságio, de sangue a estátua manchada,
Tirano assassinado, a Deus o povo reza.

56
Quando o corvo na torre feita do tijolo
Por sete horas continuará a gritar:
Morte presságio, de sangue a estátua manchada,
Tirano assassinado, a Deus o povo reza.

57
Ignoram a ajuda do grande rei,
proporão proibir as escritas:
Sua mulher não mulher por outro tentada
Duas vezes nem sorte nem gritos.

58
Sol ardente que seca a garganta,
O sangue humano lavou a terra Etrusca:
Chefe conduz seu filho afastado,
Capturada dama conduzida por terra turca.

59
Dois sitiados em fervor ardente,
Que foi extinto por dois copos cheios:
O forte caiu, e um vermelho recuou
Aos Genoveses de Nira mostrará a trilha.

60
As sete crianças mantidas refém,
O terceiro virá evitar o mal a sua criança:
Por causa de seu filho dois será perfurado pela ponta,
Genova, Florença, ele virão confundi-los.

61
Velho humilhado & retirado de seu lugar,
Por estrangeiro que subornou:
As mãos de seu filho comidas na sua frente,
Seu irmão a Chartres, Orléans Rouen Traiu.

62
Um coronel com muita da ambição,
Ficará com o maior exército,
Contra seu príncipe usará sua invenção,
E será descoberto sob seu disfarce.

63
O exército celta de encontro aos montanheses,
Aqueles aprendem a atender o chamado do pássaro:
Os camponeses divulgam logo suas idéias,
Lança todos na borda da espada.

64
O transgressor vestido de burguês,
virá tentar o rei com sua ofensa:
Quinze soldados a maioria de bandidos,
Vida ultima e chefe de sua fortuna.

65
Para o desertor da fortaleza grande,
depois que terá abandonado seu lugar,
Seu adversário fará uma grande proeza,
O imperador logo a morte será condenado.

66
Sob a cor de sete cabeças raspadas,
serão semeados diversos exploradores:
Poços e fontes molhados com venenos,
No forte dos genes humanos devoradores.

67
O ano em que Saturno e Marte igualmente combustarem,
O ar muito seco, longa trajetória:
Por fogos secretos de ardor grande lugar adusto,
Pouca chuva, vento quente, guerra, incursão.

68
Num lugar muito próximo não longe de Vênus,
Os dois maiores da Ásia e da África,
Do Ryn e Hister diremos que vieram,
Grito, choro em Malta e do lado “Ligustique”.

69
Os exilados prenderão a cidade grande,
cidadãos mortos, assassinados e cassados:
Aqueles de Aquileia a Parma prometerão,
Mostrar a entrada para lugares não traçados.

70
Bem junto dos grandes montes Pyreneus
uma para dirigir um exército grande de encontro à águia:
Veias abertas, forças eliminadas,
Até Pau o chefe virá cassar.

71
No lugar de esposa as filhas trucidadas
Assassinato com grande falta nenhum sobrevivente será:
Dentro do poço os vestimentos inundados,
A esposa extinta por uma bebida do aconite.

72
Os atômicos por Agen e Lestore,
Em São Felix farão seu parlamento:
Aqueles de Bazas virão numa hora infeliz,
Invadir rapidamente Condom e Mont-de-Marsan.

73
O grande sobrinho pela força provará
O tratado feito pelo coração pusillanimo:
O duque tentará Ferrara e Asti,
Quando a pantomima ocorrerá na noite.

74
Do lago Léman & os de Brannonices,
Todos reunidos contra os de Aquitânia,
Germanos, muito, ainda mais suíços,
Serão derrotados com os de humana.

75
Pronto para a fuga ele desertará.
O chefe adversário será vitorioso.
A retaguarda defenderá,
Aqueles que recuam morre no branco território.

76
Os povos de Agen por aqueles de Perigord
Serão vencidos, prendendo até o Rhone:
A união de Gascons e de Bigorre
Traindo o templo, o padre dando seu sermão.

77
Selênico Monarca a Itália pacífica
Reinos unidos, rei cristão do mundo,
Morrendo quererá deitar em terra blésica,
Depois de ter rechaçado piratas da onda.

78
O grande exército do esforço civil,
Pela noite Parma à estrangeira descoberto,
Setenta e nove assassinados na cidade,
Todos os estrangeiros postos à espada.

79
O sangue real foge Monhuit, Mas, Esguillon,
As Landes serão enchido por Bordelais,
Navarre, Bigorre pontas e agulhas
Profundos na fome comer o carvalho da cortiça.

80
Próximo ao grande rio, vasta trincheira
Será dividida pela água em 15 partes:
A cidade tomada, sangue, fogo, gritos e batalhas
A maior parte do povo se afligirá com o confronto.

81
Prontamente será feita uma ponte de barcos,
Passar o exército do grande príncipe belga:
Para dentro fundo e perto de Bruxelas,
Passado além, cortaram sete a pique.

82
Massa de homens se aproxima vindo da Eslavônia.
O Destruidor arruinará a velha cidade:
Verá seu império romano bem devastado,
Depois ele não saberia como extinguir a grande chama.

83
Combate a noite o capitão valente,
Vencido fugirá pouca gente conquistada:
Seu povo triste, sedition não vão,
Seu próprio filho mantê-lo-á cercado.

84
Um grande de Auxerre morrerá muito miserável,
Cassado por aqueles que estavam abaixo dele:
Posto nas correntes, atrás de um cabo forte,
No ano que Martes, Vênus e o sol estão na junção no verão

85
O bourbon branco é expulso…
Feito prisioneiro conduzido ao tubril,
seus pés juntos como um vilão…

86
O ano que Saturno será conjunto em Aquarius
Com o sol, o rei forte e poderoso,
Em Reims e Aix será recebido e aclamado,
Depois das conquistas ele assassinará inocentes.

87
Um filho do rei aprendeu muitas línguas,
Diferentes do reino do seu irmão mais velho:
Seu sogro compreendeu pelo filho mais grande,
Fará perecer seu principal aderente.

88
O grande Antonio conhecido pelo fato sórdido,
Doente de Phtyriase até seu final:
Um que desejará chumbo,
Passando o porto será submerso pelo eleito.

89
Trinta de Londres em segredo conspirarão
Contra seu Rei, a empresa na ponte:
E seus satélites provarão a morte,
Um Rei justo eleito, nativo de Frise

90
As duas cópias aos muros não poderão juntar,
Nesse instante tremer Milão, Ticino:
Fome, sede, grande temor virá espetá-los,
Carne, pão, não terão um só bocado de víveres.

91
Para o duque Gaulês obrigado a lutar em duelo,
O navio Mellele não se aproximará de Mônaco,
Erradamente acusada, prisão perpetua,
Seu filho tentará reinar antes de sua morte.

92
A cabeça do capitão valente cortado fora,
Será jogado na frente de seu adversário:
Seu corpo será pendurado na proa do navio,
Confuso fugirá por remos de encontro ao vento.

93
Uma serpente vista perto da cama real,
Será pela senhora na noite onde os cães não latirem:
Então nascerá na Franca um príncipe tão real,
Vindo do céu todos os príncipes vê-lo.

94
Dois grandes irmãos serão expulsos de Espanha,
0 mais velho vencido ao pé dos montes Pireneus:
Vermelho o mar, Ródano, sangue Léman de Alemanha
Narbona, Biterre, de Ágata contaminada.

95
A ordem é entregue a dois, que a manterão por tempo muito curto.
Depois de três anos e sete meses, irão para a guerra.
As embarcações ficarão contra eles.
O vencedor nasceu americano.

96
Irmã mais velha das ilhas britânicas
Nascerá quinze anos antes do irmão,
porque sua promessa prova ser real.
Ela sucederá o reinado da Balança.

97
No ano em que Mercúrio, Martes, Vênus retrogredirem,
Do grande monarca a linha não falhará:
Eleito pelos povos portugueses perto de Cadiz,
Que viverá muito velho na paz e no reino.

98
Os Albaneses passarão dentro de Roma,
Por meio de Langres a multidão ajuntada,
Marquês e duque não perdoam nenhum homem,
Fogo, sangue, morte nenhuma água as colheitas falhar.

99
O filho mais velho valente da filha rei,
Afastará os Celtas tão profundamente,
Que colocará trovões, quanto em tal disposição
Poucos e longe, então profundo em Hesperiques

100
Do fogo celeste no edifício real,
Quando a luz de Marte sair,
Sete meses de grande guerra, morte as pessoas maléficas,
Rouen, Evreux ao rei não falhará.

Centúria V

Foi publicada em 1.557

1
Antes da vinda de ruína Celta,
Dentro do templo dois negociarão
Faca no coração de um montado no cavalo,
Entrará o grande sem fazer nenhum ruído.

2
Sete conspiradores no banquete causarão brilho,
Contra os três o ferro fora do navio
Um terá as duas frotas conduzidas ao grande,
Quando pelo mal. O ultimo na testa lhe atira.

3
O sucessor ao ducado virá,
De muito além que o mar de Toscana:
Uma linhagem Gaulesa Florença ganhará,
A rã náutica em seu girão será acordada

4
O grande mastim da cidade arrojado,
Será [contrito] pela estranha aliança,
Após nos campos haver expulso o cervo,
O lobo e o urso se desafiarão.

5
Sob sombra falsa de eliminar a servidão.
Povo e cidade usurpará o mesmo:
Pior fará por fraude de jovem puta,
pessoa que deve pagar uma letra de câmbio ao campo lendo o falso prólogo.

6
Ao rei o [augur] sobre o chefe a mão põe,
Virá a rogar pela paz [Itálica]:
Na mão esquerda mudará o cetro,
Do Rei que será Imperador pacífico.

7
Do Triunviro se acharão os ossos,
Buscando fundo tesouro enigmático,
Os de ao redor não repousarão.
Este caver mármore e chumbo metálico.

8
O fogo vivo estará solto,
a morte apavorante virá escondida em globos,
Durante a noite a cidade será reduzida a cinzas pela frota,
A cidade incendiada será um alvo fácil

9
Até o fundo do grande arco demolido,
Por chefe cativo o amigo antecipado:
Nascerá dama frente, cara barbada,
Quando por astúcia Duque pela morte apanhado.

10
Um chefe Celta no conflito ferido,
Depois da cova vendo aos seus morrer abatidos:
De sangue e feridas e de inimigos rodeado.
E auxiliados por desconhecidos de quatro.

11
Aqueles do Sol não cruzarão o mar em segurança…
.parte da Ásia mudará.

12
Junto ao lago Lemán será conduzido,
Por graça estranha cidade querendo trair:
Antes de seu assassinato em Augsburgo a grande foragido,
E os do Rin a invadirão.

13
Por grande furor o Rei Romano Bélgica,
Ofender quererá por falange bárbara:
Furor rosnante expulsará gente líbica,
Desde Panónia até Hércules a Fortaleza.

14
Saturno & Marte em Leão Espanha cativa,
Por chefe líbico ao conflito arrastado,
Próximo de Malta herdeiro tomado vivo,
E romano cetro será por Galo golpeado.

15
Navegando cativo feito grande Pontífice,
Grande após cair os clérigos cumultuosos:
Segundo eleito ausente seu bem transtornado,
Seu favorito bastardo a morte matado.

16
Quando o preço da gota de Sabá
não mais se puder manter no ponto máximo,
na época em que cadáveres humanos forem calcinados pelo fogo,
e a ilha do Faros for inquietada por cruzadores,
aparecerá em Rodos temível espectro de terror.

17
De noite passando o Rei perto de um beco,
O de Chipre e principal espreita:
O Rei vencido, a mão foge ao longo do Ródano,
Os conjurados irão a morte dar-lhe.

18
De duelo morrerá o infeliz perseguido,
Realizará seu vencedor a hecatombe:
Prístina lei, franco édito abreviado,
O muro e Príncipe ao sétimo dia caem.

19
0 grande Real de ouro, de bronze aumentado,
Rompido o pacto, por jovem aberta a guerra,
Povo aflito por um chefe lamentado,
De sangue bárbaro será coberta a terra.

20
Além dos os Alpes grande exército passará,
Um pouco antes nascerá monstro de Gap:
Prodigioso e súbito se voltará,
O grande Toscano a seu lugar mais habitual.

21
Pelo falecimento do Monarca Latino,
Os que haverá pelo reino socorridos:
O fogo luzirá dividido o botim,
A morte pública aos valentes incorridos.

22
Antes que a Roma grande tenha rendido a alma,
Susto grande ao exército estrangeiro:
Por esquadrões a emboscada perto de Parma,
Depois dos vermelhos juntos farão festim.

23
Os dois contentes serão unidos juntos,
Quando a maioria em Marte sejam unidos:
A grande da África em susto e tremor,
Duunvirato pelo exército desunido.

24
O reino e lei sem Vênus construídos,
Saturno terá sob Júpiter império:
A lei e reino pelo Sol elevados,
Por Saturninos suportarão o pior.

25
O Príncipe árabe Marte, Sol, Vênus, Leão,
Reino de 1greja por mar sucumbirá:
Para os lados da pérsia bem perto de um milhão,
Bizâncio, Egito, ver. serp. invadirá.

26
A gente escrava por um acontecimento marcial,
Virá em alto grau tão elevada:
Mudarão Príncipe, nascerá um Estadual,
Passar o mar frota nos montes recrutada.

27
Por fogo & armas não longe do mar negro,
Virá de pérsia ocupar Trebizonda:
Tremer Fato, Methelin, solo alegro,
De sangue Árabe de Ádria coberto onda.

28
O braço pendente à perna atado,
Rosto pálido, no seio punhal escondido:
Presas que serão feridas na briga,
Ao grande de Gênova será o fogo deixado.

29
A liberdade não será recobrada,
O ocupará preto, feroz, vilão, iníquo
Quando a matéria da ponte seja lavrada,
De Hister. Veneza zangada a república.

30
Em toda a volta da grande cidade,
Estarão soldados acampados por campo & vila:
Dar o assalto Paris, Roma incitado,
Sobre o mar então será feita grande pilhagem.

31
Por terra Antíqua chefe da sapiência,
Quem no presente é a rosa do mundo:
Ponte arruinado e seu grande preeminência,
Será súdito e náufrago das ondas.

32
Onde tudo o bom está, todo bem Sol e Lua,
É abundante, sua ruína se aproxima:
Do céu se aproxima aventar sua fortuna,
Em mesmo estádio que a sétima rocha.

33
Os principais cidadãos da cidade em revolta
lutarão duramente para readquirir liberdade:
Os homens são cortados, mistura infeliz,
gritos, uivos em Nantes, triste de ver!

34
Do mais profundo de Ocidente Inglês,
Onde está o chefe da Ilha Britânica:
Entrará frota em Gironda por Blois,
Por vinho e sal, fogos escondidos em tonéis.

35
Por cidade franca do grande mar selênico,
que traz ainda a pedra no estômago:
Frota inglesa virá sob a luta,
Tomar um ramo, de tão grande guerra.

36 De irmã o irmão por simulado fingimento,
Virá misturar borrifada em mineral:
Sobre a placenta dada a velha tardia,
Morte, o que goste será simples e rural.
37 Trezentos estarão em uma vontade e acordo,
Que para vir ao fim de sua espera,
Vinte meses depois todos e lembranças,
Seu Rei traído simulando ódio fingido.
38 Este grande Monarca que ao morto sucederá,
Dará vida ilícita e lúbrica,
Por indolência a todos concederá,
Que ao fim será necessária a lei Sálica.
39 Do verdadeiro ramo de flores de lis saído,
Nomeado e situado herdeiro de Etruria:
Seu sangue antiga de comprida mão tecida,
Fará Florença florescer nos brasões,
40 O sangue Real estará tão misturado,
Obrigados estarão Gauleses de Hesperia:
Se esperará que termo tenha passado,
E que memória da voz se desvaneça.
41 Nascido sob as sombras e jornada noturna,
Será em reino e bondade soberana:
Fará renascer seu sangue da antiga urna,
Renovando século de ouro para o bronze.
42 Marte elevado a seu mais alto apogeu,
Fará retirar-se aos Alobrogos da França:
A gente Lombarda fará tal susto,
Às da águia compreendidos baixo a Balança.
43 A grande ruína de segredos não se afasta,
Provença, Nápoles, Sicília, Seez e Ponce,
Na Germânia, no Rin e Colônia,
Humilhados a morte por todos os de Maguncia.
44
Por mar o vermelho será preso por piratas,
A paz será por seu meio perturbada:
A ira & o avaro cometerá por santo ato
Ao grande pontífice será exército dobrado.

45
O grande Império será em breve desolado,
E trasladado perto de floresta das as Ardenas,
Os dois bastardos pelo primogênito privado,
E reinará Aenobarbus, nariz de passarão.

46
Por chapéus vermelhos, você querela e novos cismas,
Quando se tenha escolhido ao Sabinés:
Se produzirá contra o mundo sofisma,
E será Roma danificada por Albaneses.

47
O grande Áraba marchará muito diante,
Traído será pelos Bizantinos:
A antiga Rodas se porá por diante,
E maior logo que pelos outros Panones.

48
Após grande aflição do cetro,
Dois inimigos por eles serão vencidos:
Frota da África aos Panones irá nascer
Por mar e terra farão horríveis coisas.

49
Ninguém da Espanha, mas da antiga a França
Não será eleito para a trêmula nacela.
Ao inimigo se a fará fiança,
Quem no seu reino será peste cruel.

50
O ano no qual os formosos do lis tenham a idade,
Um deles terá a grande Rumania:
Tremer os montes, aberto Latino passagem,
Paz marchar contra forte da Armênia.

51
A gente de Dácia, de 1nglaterra & Polônia,
E de Boêmia farão nova liga,
Para passar além de Hércules a coluna,
Barcas, tirrenes erguer cruel briga.

52
Um Rei fará com que dará ao oposto,
Os exilados elevados sobre o reino:
De sangue nada: a gente casta hipólita,
E florescerá longo tempo sob tal insígnia.

53
A lei de Sol e Vênus adversários,
Apropiando-se do espírito da profecia,
Nem um nem outro serão ouvidos,
Pelo chão estará a lei do grande Messias.

54
Do ponto Euxino, & a grande Tartária,
Um rei existirá que virá ver a Gália:
Atravessará os alanos e a Armênia,
E em Bizâncio deixará ensangüentada vara.

55
De região da feliz Arábia,
Nascerá poderoso de lei maomética,
0fender a Espanha, conquistar a Granada,
E mais por mar à gente ligústica.

56
Depois da morte do velho papa
Será eleito um romano de boa idade:
Este será acusado de enfraquecer a Santa Sé e viverá por um longo período,
Tomando atitudes polemicas.

57
Sairá do monte Gaulsier e Aventino.
Que pelo buraco advertirá ao exército,
Entre duas rochas será feito o botim,
De Sext mansol perder o renome.

58
Do aqueduto de Uticense, de Garda.
Pela floresta e monte inacessível,
Rodeado pela ponte será golpeado com o punho,
O chefe nemeo que será tão terrível.

59
Ao chefe inglês em Nimes longa permanência,
Irá à Espanha em socorro de Aenobarba:
Vários morrerão por Marte aberto esse dia,
Quando em Artois desfalecer estrela em barba.

60
Por cabeça careca virá a ser difícil escolher,
Mais que sua carga que leva passará:
Tão grande furor e raiva fará dizer,
Que a fogo e sangue todo sexo cortará.

61
O filho do grande não o sendo no seu nascimento,
Subjugará os altos montes Apeninos:
Fará tremer a todos os da balança,
E dos montes fogo até Mont-Cenis.

62
Sobre os rochedos sangue se verá chover,
Sol Oriente, Saturno Ocidental:
Perto de Orgon guerra, a Roma grande mal ver,
Naves afundadas & tomado o Tridental.

63 De vã empresa a honra imerecido clama,
Galeotes errantes por latinos, frio, fome, ondas.
Não longe do Tibre de sangue a terra tingida.
E restos humanos serão diversas pragas.
64 Os reunidos por repousos de grande número,
Por terra e mar conselho contra mandato:
Cerca do Outono Gênova, Nice da sombre,
Por campos e vilas o chefe em contrabando.
65 Subitamente vindo o temor será grande,
Os principais do assunto escondidos:
E dama inflamada nunca voltará a ser vista
E pouco a pouco serão os grandes furiosos.
66 Sob os antigos edifícios vestales,
Não afastados de aqueduto em ruínas:
De Sol e Lua são os reluzentes metais,
Ardente lâmpada Trian de ouro palpita.
67 Quando chefe Pesa não ofereça sua túnica,
Seios cobertos todos desnudos espoliar,
Serão feitos sete feito Aristocrático,
O pai e o filho morte por ferida em garganta.
68
O grande camelo vem para beber no Reno e no Danúbio.
Isto é inevitável.
Tremerá a gente do Rhône, e ainda mais a do Loire.
Perto dos Alpes, o galo aniquilará os invasores.

69 Já não será mais o grande em falso sonho,
A inquietação virá a tomar repouso:
Levantem falange de ouro, azul e vermelhão,
Sujuzgar a África,roerá até o osso.
70 As regiões submissas à Balança,
Farão turbar-se os montes por grande guerra,
Cativos todo sexo e tudo Bizâncio.
Que se gritará ao alba terra a terra.
71 Pelo furor de um que esperará à água,
Pela grande raiva todo o exército emocionado:
Carregado de nobres em dezessete navios,
Ao longo do Ródano demore chegado mensageiro
72 Pelo prazer de édito voluptuoso,
Se porá o veneno na fé:
Vênus estará em um curso tão virtuoso,
Que ofuscará do Sol toda lei.
73 Perseguida será de Deus a Igreja,
E os santos Templos serão depredados,
O filho, a mãe deixará desnuda em camisa,
Serão Árabes a Poloneses unidos.
74
De sangue troiano nascerá coração germânico,
Que se tornará de tal modo poderoso:
Rechaçará gente estrangeira arábica.
Voltando a Igreja em prístina preeminência.

75 Subirá alto sobre o qual está mais à direita,
Estará sentado sobre a pedra quadrada,
Para o meio-dia na janela,
Bastão torcido na mão, boca fechada.
76 Em lugar libertado terá seu pavilhão,
E não quererá na cidade tomar lugar:
Aix, Carpem, Ilha Volce, Mont Cavaillon,
Por todos lugares abolirá sua pegada.
77 Todos os graus de honra eclesiástico,
Serão mudados em dial de telefone quirinal:
Em Marcial quirinal Hamigero.
Depois um Rei da França o fará vulcanal.
78 Os dois unidos não serão muito.
E em treze anos ao Bárbaro Sátrapa,
Nos dois lados terão tal perda,
Que um abençoará a Barca e sua capa.
79 Por sagrada pompa virá a descer as asas,
Pela vinda do grande legislador:
Humilde enaltecerá, humilhará aos rebeldes,
Não nascerá na terra emulador algum.
80
O Ogmião grande Bizâncio se aproximará,
Rechaçada será a barbaresca liga:
Das duas leis a dos piratas cederá,
Bárbaro e franco em perpétua briga..

81 O pássaro Real sobre a cidade solar,
Sete meses antes terá feito noturno augúrio:
Mar de Oriente cairá trovão, relâmpago.
Sete dias às portas os inimigos então.
82 Ao concluí-se a paz fora da fortaleza,
Não sairá o que em desespero posto:
Quando os de Arbois, de Langres, contra Bresse,
Terão monte Dolle, emboscada de inimigos.
83 Os que tenham empreendido a subversão,
Nome parecido reino, poderoso e invencível:
O farão por fraude, noites após advertir,
Quando o maior na mesa leia Bíblia.
84 Nascerá de fossa e cidade desmesurada,
Nascido de pais escuros e tenebrosos:
Que a potência do grande Rei reverenciada,
Quererá destruir por Rouén e Evreux.
85
Pela Suábia e os lugares circunvizinhos,
Estarão em guerra por causa de nuvens:
Campo de locustas & mosquitos marinhos,
Do Léman as faltas serão desnudadas.

86
Pelas duas cabeças, & três braços separados,
A grande cidade será por águas ofendida:
Grandes entre eles por exílio esgarrados,
Por cabeça pérsia Bizâncio bastante apertada.

87 O ano em que Saturno fora de serviço,
Nos francos terrenos sejam de água inundados:
De sangue Troiana será seu casamento,
E será irmã de Espanhóis circundada.
88 Sobre o areal por um odioso dilúvio,
De outros mares achado monstro marítimo:
Perto do lugar será feito um refúgio,
Tendo a Savona escrava de Turim.
89 Na Hungria por Boêmia, Navarra,
E por bandeira santas sedições:
Por flores de lis país levando a barra,
Contra Orleans fará emoções.
90 Na Cícladas, em Perinto e Larisa,
Em Esparta todo o Peloponeso:
Tão grande fome, peste por falta conhecida,
Nove meses estará e tudo quersoneso.
91 Na grande feira livre que se chama dos mentirosos,
De toda Corrente e campo Ateniense:
Serão surpreendidos pelos cavalos leves,
Por Albaneses Marte, Leão, Saturno, um aquário.
92 Depois do assédio sustentado dezessete anos,
Cinco mudarão tão logo se acabe o prazo:
Depois um será eleito ao mesmo tempo,
Que dos Romanos não será muito conforme.
93
Sob o território do redondo globo lunar,
Quando for dominador Mercúrio:
A ilha de Escócia fará um luminar,
Que desorientará os ingleses.

94
Ele incorporará r Grande Alemanha Brabante
e Flandres, Gante, Bruges e Bolonha.
A paz civil é fingida.
O grande chefe armênio manda tomar Viena e Colônia.

95 Náutico remo convidará os úmbrios,
Do grande Império pois incitará:
O mar Egeu linhas de obstáculos,
Impedindo a onda Terena desembarcar.
96 No meio do grande mundo a rosa,
Por novos feitos sangue público derramado:
A dizer verdade se terá boca fechada,
Quando seja necessário chegará demore o esperado.
97 O nascido deforme por horror sufocado,
Na cidade do grande Rei habitável:
O édito severo dos cativos revocado,
Granizo e tempestade, Perdão inestimável.
98
A 48 graus de latitude
No final de Câncer (22 de julho) haverá uma seca devastadora…
O infortúnio virá do céu.

99 Milão, Ferrara, Turim e Aquilea.
Capua, Brindisi humilhados por gente Celta:
Pelo Leão e falange aquilea
Quando Roma tenha o chefe idoso Britânico.
100 O incendiário pelo seu fogo apanhado,
Fogo do céu a Carcas e Cominge,
Foix, Aux, Mazere, Insigne idoso escapado,
Pelos de Hesse, Saxãos e Turinga

Centúria VI
1 Nos montes os Pireneus grande monte,
De gente estranha socorrer Rei novo,
Perto de Garona do grande templo de Mas,
Um Romano chefe a temerá dentro da água.
2 No ano quinhentos oitenta, mais ou menos.
Se esperará o século muito estranho:
No ano setecentos, e três céus por testemunhas,
Que vários reinos um a cinco farão mudança.
3 Rio que prova ao recém-nascido Celta,
Será em grande do Império discórdia:
O jovem Príncipe por gente Eclesiástica,
Lançará o cetro coroado de concórdia.
4 O Celta rio mudará de margem,
Não agüentará a cidade de Agripina,
Tudo transmutado menos a velha língua,
Saturno, Leão, Marte, Câncer à rapina.

5

Fome terrível, pela onda da peste.
Se estenderá sobre todo o Pólo Norte,
Samarobrin, a cem léguas do hemisfério,
Eles viverão sem lei, livres da política.

6

Um cometa aparecerá da direção do setentrião,
Não muito distante de Câncer:
Susa, Siena, Beócia e o mar vermelho tremerão,
O grande homem de Roma morrerá quando o cometa desaparecer.

7 A Noruega e a Dinamarca e a ilha Britânica,
Pelos unidos irmãos serão humilhados,
O chefe Romano saído de sangue Gala,
E os exércitos às florestas repelidos.
8 Os que estavam no reino para saber.
No Real mudança se empobrecerão:
Uns exilados sem apoio, ouro não terão,
Letrados e letras não serão muito prezados.

9

Nos templos sagrados, serão cometidos escândalos
Serão imaginados como honra e louvor
De quem eles cunham em moedas de ouro e medalhas.
O fim serão tormentas estranhas.

10

Um pouco de tempo os templos das cores,
De branco & negro as duas entremisturadas:
Vermelhos & amarelos lhes roubarão os seus,
Sangue, terra, peste, fome, fogo d’água morta.

11

Os sete ramos serão reduzidos a três.
A morte surpreenderá os mais velhos.
Dois serão atraídos ao fratricídio…

12 Levantar exércitos para subir ao Império,
Do Vaticano o sangue Real agüentará:
Flamengos, Ingleses, Espanha com Aspire,
Contra a Itália e a França contenderão.
13 Um duvidoso não chegará longe do reino,
A maioria quererá sustê-lo,
Um capitólio não quererá em absoluto que reine,
Sua grande carga não poderá manter.
14 Longe de sua terra Rei perderá a batalha,
Em breve a escapar perseguido e preso,
Ignaro capturado baixo a dourada roupa de ginástica,
Sob falso hábito e o inimigo surpreendido.
15 Sob o túmulo será achado o Príncipe,
Que haverá seu prêmio sobre Nuremberg,
O Espanhol Rei em Capricórnio leve.
Enganado e traído pela grande Vuitemberg.
16 Em que encantado seja do jovem Milve,
Pelos Normandos da França e Picardia,
Os pretos do templo de lugar de Floresta Negra,
Darão abrigue e fogo de Lombardia
17 Depois das limas queimadas os tropeiros,
Obrigados serão mudar hábitos diversos,
Os Saturninos queimados pelos moleiros.
Fora da maioria que não será coberta.
18 Pelos Físicos o grande Rei deixado,
Por sorte não arte do Ébrio está vivo.
Ele e seu genro ao reino alto elevado.
Graça outorgada a gente que Cristo quer.
19 A verdadeira chama tragará à dama,
Que quererá colocar os Inocentes sobre o fogo,
Cerca do assalto o exército se inflama,
Quando em Sevilha monstro como boi seja visto.
20 A união falsa será de pouca duração,
Os uns mudados reformando a maioria,
Nas naves será gente endurecida,
Quando haja em Roma um novo leopardo.

21

Quando os do pólo Ártico unidos juntos,
No Oriente grande terror & medo:
Eleito recente, sustentado o grande tremor,
Bizâncio de sangue bárbaro tingida.

22 Na terra do grande templo Celta,
Sobrinho em Londres por paz falsa assassinado,
A barca então será cismática,
Liberdade falsa será de choro e grito.

23

A moeda desvalorizada pelo espírito do reinado
O povo será instigado contra seu rei.
Novos santos trazem paz, leis sagradas pioram.
Paris nunca esteve com tanto problema.

24 Marte e o cetro se encontrarão em conjunção,
Sob Câncer calamitosa guerra,
Um logo depois será novo Rei ungido,
Que por muito tempo pacificará a terra.

25

Por Marte contrário será a monarquia
Do grande pescador terá problemas
O jovem rei vermelho assumirá o governo.
Traidores agirão no dia brumoso.

26 Quatro anos o assédio alguém sustentará,
Um sobreviverá libidinoso de vida,
Ravena e Pisa, Verona se manterão,
Para elevar a cruz do Papa insistência.

27

Dentro das ilhas de cinco rios a um,
Pelo crescente do grande Chyren selênico:
Pelas neblinas furor de um,
Seis escapados, escondidos fardos de linho.

28 O grande Celta entrará em Roma,
Levando massa de exilados e proscritos:
O grande pastor condenará a morte a todo homem,
Que pelo galo esteja nos os Alpes unidos.
29 A viúva santa escutando as notícias,
De seus descendentes posta em perplexidade e conturbação:
Que será conduzida a apaziguar as suas querelas,
Pela sua investigação de atores será enchida,
30 Pela aparência de santa santidade,
Será traída aos inimigos a sede:
Noite que se achava dormir com segurança,
Perto de Brabante irão os de Lieja.
31 Rei encontrará o que desejava tanto.
Quando o Prelado seja tomado por erro:
Responder ao Duque lhe trará logo que contente,
Que em Milão levará a vários a morte.
32 Por traições de vergas a morte golpeado,
Capturado será pela sua desordem,
Conselho frívolo ao grande cativo ouvido,
Nascido por furor quando Berich vá morder.

33

Sua última mão para Alus sanguinário;
Não se poderá o mar garantir:
Entre dois rios, o temor de mãos militares
o homem negro e irado fará com que ele se arrependa.

34 De fogo volante a maquinação,
Virá alterar ao grande chefe assediado:
Dentro haverá tal sedição,
Que em desespero estarão os vencidos.
35 Perto de Rion, e perto de brancalã,
Áries, Touro, Câncer, Leão, Virgem.
Marte, Júpiter, o Sol arderá grande planície,
Florestas e cidades letras escondidas ao círio.
36 Nem bem nem logo que por batalha terrestres,
Nem chegará nos você confine de Perusa:
Rebelde Pisa, Florença verá mal-estar,
Rei noite ferido sobre mula com preta gualdrapa.

37

O antigo trabalho será concluído e, do teto,
Uma catástrofe terrível cairá sobre o grande homem.
Uma vez morto, acusarão um inocente:
O culpado será escondido em floresta sombria.

38

Um grande reino ficará desolado,
Junto ao Hebro se reunirão.
Montes Pireneus o tornarão consolado,
Quando em maio terras tremerem.

39 O filho do reino por paternal tomada,
Espoliar será para libertar:
Junto ao lago Trasimeno o azur tomado,
A tropa refém por muita embriaguez.
40 Grande de Maguncia por grande sejam extinguir,
Será privado de sua grande dignidade:
Os de Colônia tão forte se queixarão,
Que a grande garupa ao Rin será arrojada.
41 O segundo chefe do reino da Dinamarca,
Pelos de Frísia e a Ilha Britânica,
Fará desprender mais de cem mil marcos,
Em vão explodir viaje para Itálica

42

A Ogmião será deixado o reino,
Do grande Selyn que mais será desfeito:
Pelas 1tálias estenderá sua insígnia,
Regido será por prudente contrafação

43

Longo tempo ficará sem ser habitada,
Onde Sena & Marne em volta vem banhar,
Do Tamisa & marciais atacada,
Julgando rechaçar os guardas enganadores.

44

De noite por Nantes Líris aparecerá,
Artes marinhas suscitarão a chuva:
Arábico golfo grande frota afundará,
Um monstro em Saxe nascerá de urso & porca gorda.

45 O governador do reino bem sábio,
Não consentirá querendo a feito Real:
Melilha frota pelo contrário vento,
A reenviará a seu mais desleal.
46 Um justo será ao exílio reenviado,
Por pestilências aos seus confine de Nonseggle.
Resposta ao vermelho lhe fará desviado,
Rei retirando à Rã e ao Águia.
47 Entre dois montes os dois grandes em assembléia,
Abandonarão seu simultâneo segredo,
Bruxelas e Dole por Langres azafamados,
Para Malinas executar sua peste.
48 A santidade muito falsa e sedutora,
Acompanhada de uma língua discreta:
A cidade velha, e Parma muito apressada,
Florença e Siena ficarão mais desertas.
49 De parte de Mammer grande Pontífice.
Subjugará os seus confine do Danúbio:
Perseguir os cruzamentos por ferro saque e roubo.
Cativos, ouro, anéis de mil rubis.
50 No poço se encontrarão os ossos,
Será o incesto cometido pela madrasta:
O estado mudado, se quererá ruído e alvoroço.
E se terá Marte esperando a seu astro.
51 Povo reunido, para ver novo espetáculo,
Príncipes e Reis por muitos presentes,
Seus pilares que falham, muros, mas com milagre
O Rei salvo e trinta dos presentes.
52 Em lugar do grande que será condenado,
De prisão fora, seu amigo no seu lugar:
A esperança Troiana em seis meses juntos morte nascida,
O Sol na urna será pintado rio sorvete.
53 O grande Prelado Celta ao Rei suspeito,
De noite correndo sairá do reino:
Por Duque fértil a seu grande Rei a Bretanha.
Bizâncio em Chipre e Tunis sem suspeitar.

54

Ao apontar o dia ao segundo canto do galo,
0s de Tunis, de Fes, e de Bougie,
Pelos árabes cativo o rei do Marrocos,
0 ano mil seiscentos e sete de Liturgia.

55 Ao acalmado Duque, tirando-lhe a linhagem.
Vela Arabesca veja, súbito descobrimento.
Trípolis, Gulo e os de Bulha,
Duque preso, Marnegro e a cidade deserta.
56 O temido exército do inimigo Narbonés,
Atemorizará tanto aos Hespéricos:
Perpignan esvaziou pelo cego darbón,
Depois Barcelona por mar dará as lanças.
57 Aquele que for antes no reino,
Tendo chefe vermelho perto da hierarquia,
Áspero e cruel e se fará tanto temer,
Sucederá a sagrada monarquia.

58

Entre os dois monarcas afastados,
Quando o Sol por selênicos claridade perdida:
Ódio grande entre dois indignados,
Que às Ilhas e Siena a liberdade devolvida.

59 Dama em furor por raiva de adultério,
Virá seu Príncipe conjurados nomes dizer:
Mas breve conhecido será o vitupério,
Que serão levados dezessete ao martírio.
60 O Príncipe fora de sua terra Celta,
Será traído, enganado por intérprete:
Rouen, A Rochelle pelos de Harmônica,
No porto de Blaue enganados por monge e cura.
61 O grande tapume pregado não mostrará,
Mais que a meias a maior parte da história:
Expulso do reino longe áspero aparecerá,
Que em feito bélico todos o acharão.
62 Muito mais tarde as duas as flores serão perdidas,
Contra a lei serpente não quererá fazer:
Sua força Ligures por galpón confundidas,
Savona, Albenga por monge grande martírio.

63

A dama deixada só no reino.
Seu incomparável (marido) exterminado no leito de honra:
Durante sete anos ela pranteará na mágoa.
Depois de uma longa existência e boa sorte para o reinado.

64 Não se alcançará nenhum final,
Todos os receptores serão enganados,
De paz e trégua, terra e mar protestados,
Por Barcelona frota tomada com trabalho.

65

Dois grelhados sobre o calçamento.

66

Durante a fundação de uma seita nova,Os ossos do grande romano serão encontrados…

67

Um homem bem diferente atingirá o grande império.
Distante de bondade, mais ainda de felicidade,
Regido por alguém vindo um pouco de sua cama.
O rei se precipita a um grande infortúnio.

68 Quando os soldados furor sedicioso,
Contra seu chefe seja de noite o ferro a brilhar:
Inimigo de Alba seja por mão furiosa,
Quando humilhada Roma, e principais seduzir.
69 A piedade grande será sem muito demorar,
Os que davam serão obrigados a tomar:
Nós, mortos de fome, sejam, vendados,
Os montes passar cometendo grande escândalo.

70

Um chefe do mundo o grande Chyren será,
Muito mais amado, respeitado, temido:
Seu barulho & fama os céus ultrapassará,
E só se contentará com o título de Vencedor.

71 Quando o grande Rei parente,
Antes que tenha a alma entregue:
O que menos vinga a lamentar-se,
Por Leões, Águias, cruzamentos, coroa vencida.
72 Por furor fingido de emoção divina,
Será a mulher do grande violada:
Juízes querendo danar tal doutrina,
Vítima ao povo ignorante imolada,
73 Em cidade grande um monge e artesão,
Perto da porta hospedado e nas muralhas,
Contra Moderna secreto, cauteloso.
Traição sob aspecto de esponsales.
74 A expulsa ao reino voltará,
Seus inimigos achados conjurados:
Mais que nunca seu tempo triunfará,
Três e setenta a morte muito seguro.
75 O grande piloto por Rei será chamado,
Deixar a frota para mais alto posto alcançar:
Sete anos depois será contrabandeado,
Bárbara armada fará Veneza temer.
76 A cidade antiga deteriorada forja,
Não podendo ao tirano suportar:
A manga falso no templo cortar garganta,
Aos seus o povo a morte quererá enviar.
77 Pela vitória do burlado fraudulento,
Duas frota uma, a revolta A Germânia.
O chefe assassinado e seu filho na loja,
Florença, Ímola perseguidas em Romanha.

78

Gritar vitória do grande selênico crescente,
Pelos romanos será a Águia clamada,
Tessin, Milão, & Gênova não consente nisso,
Depois por eles mesmos Basil grande reclamado.

79

Perto do Tessin os habitantes de Loire,
Garona & Saona, Sena, Tain, & Gironda:
Além dos montes erguerão promontório,
Conflito dado, Pó cheio, submerso onda.

80

De Fes o reino chegará aos da Europa,
Fogo a cidade deles, & lâmina cortará:
O grande de Ásia terra & mar em grande tropa,
Que azuis, gázeos, cruz à morte caçará.

81

Pranto, gritos & lamentos, urros, terror,
Coração inumano, cruel, negro e transtornado:
Léman as Ilhas, de Gênova os maiores,
Sangue espalhar, frio fome, sem clemência.

82 Pelos desertos de lugar um livre e feroz,
Virá errar sobrinho do grande Pontífice:
Afundado por sete como um pesado tronco,
Pelos quais depois ocuparão Cife.
83 O que terá tanto honra e carícias,
A sua entrada da Gala Bélgica,
Tempos depois cometerá tanta rudeza,
E será contra a flor tão bélica.
84 Quem em Esparta Cláudio não pôde reinar,
Fará tanto por via da sedução:
Que de curto, longo, o fará arranhar,
Que contra rei fará sua perspectiva.

85

A grande cidade de Tarso por gauleses
Será destruída, cativos todos em Turban:
Socorro por mar do grande português,
Primeiro de verão o dia do sagrado Urbano.

86 O grande Prelado um dia depois que seu sonho,
Interpretado ao revés de seu sentido,
Da Gasconha lhe chegará um monge,
Que fará escolher ao grande Prelado de Sens.
87 A Eleição feita em Francfurt,
Não terá lugar, Milão se oporá:
O mais próximo parecerá tão forte,
Que ao outro lado do Rin aos mareschs perseguirá.

88

Um grande reino ficará arruinado,
Perto do Ebro se reunirão em assembléias.
Os Pirineus o consolarão
Em maio haverá grandes terremotos. 

89 Entre dois cepos pés e mãos atados,
De mel cara untada, e de leite sustentado:
Vespas e moscas amor fingido,
Agoureiros falsear, Cife tentado.
90 O desonrado hediondo abominável,
Depois do fato será felicitado:
Grande escusado, para não ser favorável,
Que a paz Netuno não será incitado.
91 Do motorista da guerra naval,
Vermelho desenfreado, severo, horrível garra,
Cativo escapado do maior em uma cesta:
Quando nascerá do grande um filho de Agripa.
92 Príncipe de beleza tão encantadora,
Ao chefe levado, o segundo feito traição:
A cidade com a espada de pólvora cara adusta,
Por muito grande assassinato o chefe do rei odiado.

93

Prelado avaro, de ambição enganado,
Nada fará que muito cuidar virá:
Seus mensageiros, & ele bem agarrado,
Tudo se recusa ao olhar do que corta o bosque.

94 Um rei irado será com os rebeldes,
Quando proibidos sejam os meses de guerra:
O veneno tingido de açúcar pelas framboesas,
Pelas águas assassinatos, mortos dizendo aperta aperta.
95 Por detrator caluniado mal nascido,
Quando sejam feitos enormes e marciais:
A menos parte duvidosa ao primogênito,
E em breve no reino serão feitas porções.
96 Grande cidade pelos soldados abandonada,
Nunca viu mortal tumulto tão próximo:
Oh que odiosa mortandade se aproxima!
Nem uma ofensa lhe será perdoada.

97

Perto do paralelo 45 o céu arderá em chamas.
O fogo se aproxima da grande cidade nova.
De repente ergue-se ao céu enorme chama,
quando os do Norte fizerem a experiência.

98 Arruinada nos Vosgos de medo tão terrível,
Sua grande cidade tinta, feito pestilento,
Saquear Sol, Lua e violar seus templos:
E os dois rios avermelhar de sangue que cai.

99

O inimigo douto ficará confuso,
Grande campo doente, & desfeito por emboscadas:
Montes Pireneus & Poenus lhe serão feitos recusa,
Próximo do rio descobrindo antigos buracos.

100

Filha da Aura, asilo do doentio,
Onde até o céu se vê o anfiteatro:
Prodígio visto, teu mal está muito perto,
Você será cativa, e de vezes mais de quatro.

Centúria VII
1 O arca do tesouro por Aquiles enganada,
Aos procriados sabido o quadrangular:
Para o fato Real o como será sabido,
Corpo visto enforcado à vista do povo.
2 Por Marte aberto Arlés lhe dará a guerra,
De noite serão os soldados surpreendidos:
Preto, branco à Indiana dissimulados em terra,
Baixo a falsa capa traidores vereis e ouvireis
3 Depois da França a vitória naval,
Os Barcinones, Selinones, os Foceos,
Terra de ouro, ainda que conseguido na bala,
Os de Tolano à fraude serão consentidos.
4 O Duque de Langres assediado em Dolle,
Acompanhado de Autun e Lioneses:
Genebra, Ausburgo, unidos os de Mirandola,
Passar os montes contra os de Ancona.

5

Vinho na mesa será derramado,
O terceiro não terá o que pretendia:
Duas vezes de noite a Parma descido,
Perusa em Pisa fará o que o queria.

6

Nápoles, Palermo e toda Sicília,
Por mão bárbara serão desabitados,
Córsega, Salermo e de Sardenha a Ilha.
Fome, peste, guerra, fim das doenças tentados.
7 Sobre o combate grandes cavalos leves,
Se gritará ao grande crescente confundido:
De noite matar montes, hábitos de pastores,
Abismos vermelhos nas fossas profundas.
8 Flora, foge, foge o mais próximo Romano,
Em Fesolano será dado conflito:
Sangue derramada, os mais grandes pegados com a mão.
Nem templo nem sexo será perdoado.

9

Dama em ausência de seu grande capitão,
Será perdida em amores pelo Vice-rei,
Falsa promessa e desgraçado abraço,
Entre as mãos do grande Príncipe Barois.

10

Pelo grande príncipe limítrofe de Mans,
Valioso e valente chefe do grande exército:
Por mar e terra de Gauleses e Normandos,
Caspre passar Barcelona saqueada Ilha.

11

O infante Real desprezará à mãe.
Olho, pés feridos, rude desobediente,
Notícia a dama estrangeira e muito amarga,
Serão assassinados dos seus mais de quinhentos.
12 O grande nascido depois fará o fim da guerra,
Aos deuses reúne os escusados:
Cahors, Moissac irão longe do cerco,
Rejeitado Lestore, os de Agen arrasados.
13 Da cidade marina e tributária,
A cabeça rapada tomará a satrapia:
Expulsar sórdido que depois será contrário,
Por quatorze anos se manterá a tirania.
14 Falso expor virá topografia,
Serão as criptas dos monumentos abertas:
Pulular seita, santa filosofia,
Por brancas, preta e por antigas verdes.
15 Ante cidade de Insubria comarca,
Sete será o lugar ante ela posto:
O muito grande Rei fará sua entrada,
Cidade mais livre sem seus inimigos.
16 Entrada profunda pela grande rainha feita,
Voltará o lugar poderoso inacessível:
O exército dos três Leões será derrotado,
Fazendo dentro coisas odiosas e terríveis.
17 O Príncipe raro de piedade e clemência,
Virá a mudar por morte grande conhecimento,
Por grande repouso o reino trabalhado,
Quando o grande em breve será condenado.
18 Os assediados colorirão seus impedimentos,
Sete dias depois farão cruel saída,
Na repulsa, fogo sangue. Sete mortos com tocha.
Dama cativa que tinha a paz tecida.
19 O forte de Nicea não será combatido,
Vencido será por rutilante metal.
Seu ato será por longo tempo debatido,
Aos cidadãos estrangeiros espantalho.
20 Embaixadores da Toscana língua,
Abril e Maio os Alpes e mar passados,
O do terreno exporá a arenga.
Vida Gala não vindo a apagar.

21

Por pestilento inimizade dos Vosgos.
Dissimuladamente expulsará ao tirano.
Na ponte de Sorgues se fará a mudança,
De levar à morte a ele e seu seguidor.
22 Os cidadãos de Mesopotâmia,
O Irão ao encontro amigos de Tarragona,
Jogos, ritos, banquetes, toda a gente dormida,
Vicario no Ródano, tomada cidade, os de Ausonia.

23

O Real cetro estará obrigado a tomar,
O que seus predecessores tinham comprometido.
Depois que o anel se fará logo que ouvir.
Quando se faça o palácio saquear.
24 O enterrado sairá do túmulo,
Fará de quadris atar o forte da ponte.
Envenenado com ovos de Barbo.
Grande de Lorena pelo Marqués del Puente.

25

Por guerra longo tudo, o exército esgotar.
Que para soldados não acharão pecúnia.
Em lugar de ouro, de prata, couro se cunhasse,
Gaulês bronze, selado crescente de Lua.
26 Fustas e galés cerca de sete navios,
Será pessoa que deve pagar uma letra de câmbio uma mortal guerra,
Chefe de Madri receberá golpe de dardo,
Dois escapados, e cinco levados a terra.

27

Ao flanco de Vasc a grande cavalaria,
Perto de Ferrara impedidos pela bagagem,
Rápidos em Turim farão tal caçada,
Que no forte trocarão seus reféns.
28 O capitão conduzirá grande presa,
Sobre a montanha de inimigos mais próxima:
Rodeado, por fogo fará tal via,
Todos escapados, ou trinta abrasados.
29 O grande Duque de Alba se rebelará,
A seus grandes pais fará traição:
O grande de Guisa lhe debelará,
Cativo levado e monumento elevado.
30 O saque se aproxima, fogo, grande sangue derramada,
Por grandes rios, dos boyerros a empresa,
De Gênova, Nice após comprida espera,
Foussan, Turim, em Saullan a tomada.
31 De Languedoc, e Gutena mais de dez,
Mil quererão os os Alpes passar:
Grandes Alóbroges ir contra Brindisi,
Aquino e Brescia lhes farão retroceder.
32 Do monte Real nascerá de uma casandra,
Quem cova e conta virá a tiranizar,
Levantar fortuna da marca Milanesa.
Faenza, Florença de ouro e gente esgotar.

33

Por fraude reina, sua força espoliar,
A frota obsessa, passagens ao espia,
Dois santos amigos se aliarão,
Despertar ódio longo tempo latente.
34 O grande pesar estará a gente Gala,
Coração vão, leve achará temeridade:
Pão, sal, nem vinho, água, veneno nem cerveja,
Maior cativo, fome, frio, necessidade.
35 O grande pecado lamentará, chorará,
De haver eleito, equivocados serão na idade:
Mal com eles quererá estar,
Enganado será pelos de sua língua.
36 Deus, o céu, todo o divino verbo às ondas,
Levados por vermelhos sete raças a Bizâncio.
Contra os ungidos trezentos de Trebizonda,
Duas leis porão, e horror, depois crença.

37

Dez enviados, chefe de nave levado à morte,
De um advertido, em frota guerra aberta.
Confusão chefe, um se lança e morde,
Leryn, Stecades naves, rumo à Nerte.

38

O primogênito Real sobre corcel errante.
Terminará por cair, tão rudemente correr,
Cara, lábios, pé no estribo lamentando-se,
Arrastado, tirado, horrivelmente morrer.
39 O motorista do exército Francês.
Achando perder a principal falange,
Acima do adoquinado de rocha e lousa.
Se afundará em Gênova gente estrangeira.
40 Dentro tonéis fora untados de azeite e de enxerto,
Haverá vinte e um diante da porta fechada.
No segundo olhar por mortos farão proeza.
Ganhem as portas e de olhar assomem.
41 Os ossos dos pés e das mãos apertem,
Por ruído casa Muito tempo desabitada,
Serão por sonhos concebidos expatriados,
Casa salubre e sem ruído habitada.

42

Dois dos peixes pegados recém chegados,
Na cozinha do grande Príncipe a dar,
Pelo manchados os dois no ato conhecidos,
Preso quem achava de morte ao primogênito danar.
Centúria VIII
1 PAU, NAY, LORON será mais de fogo do que de sangue.
Para viver entre elogios, o grandioso fugirá para a confluência.
Ele recusará o acesso aos Pios,
Os corrompidos e Durance (França) os manterão aprisionados.
2 Condom & Auch & em volta de Mirande,
Eu vejo do céu fogo que as cerca:
Sol Marte conjuntos em Leão, depois Marmande,
Raio grande granizo, muro tomba no Garona.
3 No forte castelo de Vigilanne e Resviers,
Será fechado o nonato de Nancy:
Em Turim serão árduos os primeiros,
Enquanto que de duelo Lyon será transido.
4 Muitos povos tentarão entrar em acordo
Com os grandes líderes mundiais que farão guerra contra eles:
Os líderes políticos não ouvirão suas mensagens,
Se Deus não enviar paz à Terra, será um horror!

5

Aparecerá templo reluzente adornado,
A lâmpada e círio em Borne e Bretevil.
Para Lucerna o cantão desviado,
Quando se veja o grande Galo no ataúde.

6

Claridade, fulgor em Lyon aparente,
Luzente, Malta ocupada, súbito se apagará,
Sardões, mouros usarão de astúcia,
Genebra a Londres a Galo traição fingida.
7 Verceil, Milão dará inteligência,
Em Turim será feita a ferida.
Correr por Sena água, sangue, fogo por Florença,
Unida eleição de ponta a ponta fazendo fole,
8 Perto de Lanterna, em tonéis fechados,
Chivaz fará para a Águia a intriga,
O eleito quebrado ele suas pessoas fechadas.
Em Turim rapto esposa levada.

9

Enquanto a Águia e o Galo em Savona
Estiverem unidos, Mar, levante e Hungria,
O exército em Nápoles, Palermo, Marco de Ancona,
Roma, Veneza por Barba horrível grita.

10

Fetidez grande sairá de Lausanne,
Que não se saberá a origem do fato,
Toda a gente será levada para bem longe
Fogo visto no céu, povo estrangeiro derrotado.

11

Povo numeroso aparecerá em Vicenza,
Sem força, fogo queimará a basílica:
Perto de Lunage derrota grande de Valente,
Quando Veneza por morte tome lança.
12 Aparecerá perto de Buffalor,
O alto e próspero entrado em Milão,
O abate de Foix com os de Saint Morre
Farão a armadilha vestidos de vilões.
13 O cruzado irmão por amor desenfreado,
Fará por Praytus a Bellorofon morin,
Luta de mil anos a mulher enfurecida,
Bêbado a bebida, os dois depois morrer.
14 O grande crédito, de ouro de prata a abundância
Cegará por libido a honra
Conhecido será o adultério a ofensa,
Que levará a sua grande desonra.
15 Para Aquilão grandes esforços por massa humana,
Quase a Europa e o universo humilhar,
As duas igrejas porão em tal perseguição,
E aos Panones vida e morte reforçar.
16 No local em que Jason construiu a embarcação (Grécia)
Haverá enchente grande e repentina
Que não haverá lugar ou terra onde cair,
As ondas ficarão acima do Olimpo (9750 pés).
17 Os abastados se verão subitamente sem nada,
O mundo conturbado por causa de três irmãos,
Cidade marinha nas mãos de inimigos,
Fome, fogo, sangue, peste, & de todos os males o dobro.
18 De Flora saído de sua morte será causa,
Um tempo antes por jovem e velha boyera (a que dirige carros de boi),
Pelos três lis lhe farão tal pausa.
Pelo seu fruto selvagem como pele crua madura.
19 Os vermelhos entram em ação para derrubar
a grade mitra perplexa, e pode acabar com ela.
Ele quase sucumbe diante da morte de sua família.
Rubramente, os vermelhos abatem os vermelhos.
20 A falso mensagem de uma falsa eleição,
Correr por urbano quebrado sem parar,
Vozes aceitadas, de sangue capela tingida.
E a outro o império entregue.

21

No porto de Agde três fustas entrarão,
Trazendo o infecto não fé e pestilência:
Passando o mar mil milhares fugirão,
E o mar romper à terceira resistência.
22 Gorsan, Narbona, pelo sal advertir,
Tucham, a graça Perpignan traída,
A cidade vermelha não quererá consentir,
Por alta insígnia cinzento vida falida.

23

Cartas achadas no cofre da rainha,
Nenhuma assinatura sem nenhum nome de autor:
Pela polícia serão escondidos os presentes,
Que não se saberá quem seja o amante.
24 O tenente à entrada do saguão,
Derrubará ao grande de Perpiñan,
E cuidando de salvar a Montpertuis,
Será burlado bastardo de Losignan.

25

Coração do amante aberto de amor furtivo,
No arroio fará entusiasmar-se à Dama:
O meio logo que arremedará fastio,
O pai aos dois privará corpos da alma.
26 De Livro para ensinar leitura se encontra em Barcelona.
Posto em descobrimento lugar terroso e distante.
O grande que tem não tem quererá Pamplona,
Pela abadia de Monserrat bruma.

27

A via em que um sobre o outro fornica,
Do muito desértico fora posto bravo e honesto,
O escrito do Imperador de Fênix,
Uru ao que a nenhum é.
28 Os simulacros de ouro e de prata inflem.
Que depois do rapto ao fogo foram arrojados,
Ao descoberto extintos todos e alterados,
No mármore escrito, prescrito será adicionado.
29 No quarto pilar onde se consagra a Saturno,
Por terremoto terra e dilúvio fendido.
Sob o edifício Saturnino encontra urna,
De ouro Castelo encantado e depois rendido.
30 Em Tolosa (ou Toulouse) não longe de Beluzer,
Fazendo um poço fundo, palácio de espetáculo.
Tesouro achado, cada um irá humilhar.
E em dois lugares muito perto do ara.
31 Primeiro grande fruto o príncipe de Persquiere,
Mas depois se fará bem e cruel malvado.
Em Veneza perderá sua glória feroz.
E posto a mal pelo mais alegre Selín.
32 Guarda-te rei Gaulês de teu sobrinho,
Que fará tanto que teu único filho
Será assassinado em Vênus fazendo voto,
Acompanhado de noite que três e seis.

33

O grandioso nascerá de Verona e Vicenza
Que carregará um sobrenome bem indigno,
Aquele que em Veneza desejará fazer vingança
Ele mesmo é apanhado por um homem da vigília e do emblema.
34 Após vitória do Leão em Lyon,
Sobre a montanha do Jura Hecatombe,
Delves e Brodes sétimo milhão,
Lyon, Ulme, em Mansol morte e túmulo.
35 Na entrada do Garona e Bayse,
E a floresta não longe de Damazan,
Pântanos gelados, depois granizo e vendaval,
Dordoñones gelam por erro de Mezan.
36 Será encarregado conde ungir,
De Saulne e são Aulbin e Bel a obra,
Pavimentar de mármore torres longo tempo,
Não passarão de resistir e obra-prima.

37

A fortaleza junto ao Tamisa – cárcere determinado
pelos Lordes. O rei ali encarcerado.
Sobre a ponte é visto em mangas de camisa.
Um condenado à morte. Depois guardado no castelo.

38

O rei de Blois em Avignon reinar,
Uma outra vez o povo em monopólio,
Dentro o Ródano por muros fará banhar,
Até a cinco o Ultimo perto de Nola.
39 Quem haja está por príncipe Bizantino,
Será insultado por príncipe de Toulouse:
A fé de Foix pelo chefe Tolentino,
A faltará, não recusando a esposa.
40 O sangue do Justo para Tourear a tourada,
Para vingar-se dos Saturninos
No novo lago afundarão a manada,
Depois marcharão contra os Albanios.
41 A raposa será eleita sem dizer palavra.
Representando o Santo público, vivendo de pão de cevada,
Depois de repente se torna tirana
Colocando o pé na garganta dos mais importantes.

42

Por avareza, por força e violência,
Humilharão aos seus os chefes de Orleans,
Perto de São Memire assalto e resistência,
Morto na sua loja dirão que dorme.

43

Pela decisão de duas coisas bastardas,
Sobrinho de sangue ocupará o reino,
O sinal serão os golpes de dardos,
Sobrinho em prantos pregará a bandeira.

44

O procriado natural de Ogmión,
De sete a nove do caminho desviado
Ao rei de muito tempo e amigo bom.
Deve a Navarra forte de Pau entregar.
45 Sua mão numa tipóia e a perna enfaixada.
O jovem Luís deixará o palácio.
Na palavra do guarda sua morte será prolongada.
Então ele sangrará no templo da Páscoa.
46 Pablo morrerá a três léguas do Ródano,
Vivendo os dois pertos a penhascos estreitos:
Pois Marte fará o mais horrível trono,
De galo e de águia da França irmãos três.
47 Lago Trasimeno levará testemunho,
Os conjurados estarão em Perusa,
Um despojado se fingirá sábio,
Matando Tedesco a andorinha e vencejo.
48 Saturno em Câncer, Júpiter com Marte,
Dentro de fevereiro Chaldondon salvaterra,
Salto Castulon assaltado de três lados,
Perto de verbiesco conflito mortal guerra.
49 Saturno em boi chove na água, Marte em flecha,
Seis de fevereiro mortalidade dará:
0s de Tardenois a Bruges tão grande brecha,
Que a Pontorrosa chefe barbarino morrerá.
50 A pestilência ao redor de Capadille,
Outra fome perto de Sagon se prepara:
O cavalheiro bastardo o bom velho,
Ao grande de Tunis fará cortar a cabeça.
51 O Bizantino fazendo adoração,
Após haver Córdoba retomado:
Seu caminho longo repouso bem ganho:
Mar passando presa pela Golongna tomada.
52 0 rei de Blois em Avignon reinar,
De Amboise & Semnon virá ao longo do Indre:
Unha em Poitiers santas asas arruinar,
Diante de Boni.
53 Em Bologna quererá lavar suas faltas,
Não poderá fazê-lo no templo do sol,
Voará fazendo coisas tão altas.
Que em hierarquia não houve ninguém parecido.

54

Logo após a cor do tratado casamento,
Feito magnânimo por grande Chyren selênico:
Quintin, Arras recuperadas na viagem,
De espanhóis feito segundo conselho massacre.
55 Entre dois rios se verá fechado.
Tonéis e tonéis unidos para ir ao outro lado,
Oito pontes quebrados chefe enquanto fechado,
Crianças perfeitas degoladas com faca.
56 O lado débil a terra ocupará,
Os da montante darão gritos horríveis,
O grande tropel deste canto se alterará,
Túmulo cerca D nebro descobertos os escritos.
57 De soldado simples chegará ao império,
De roupa curta chegará com o tempo,
Valente em armas na igreja onde seja pior,
Humilhar ao clero como à água há a esponja.

58

Reino em querela entre irmãos dividido,
Tomar as armas e o nome Britânico,
Título Anglicano será demore aconselhado,
Surpreendidos de noite levando ao Gaulês.
59 Por duas vezes elevado, por duas vezes rebaixado,
O oriente também o ocidente debilitará,
Seu adversário após vários combates,
Por mar perseguido à necessidade sucumbirá.
60 Primeiro a Gália, primeiro a Rumania,
Por mar e terra aos ingleses e Paris,
Maravilhosos feitos por essa grande estirpe,
Violando monstros perderá o Norlais.
61 Jamais pelo descobrimento do dia,
Não chegará ao signo do cetro
Que todos seus lugares não o sejam em repouso,
Levando ao galo presente do Tão com armas,
62 Quando se veja espoliar o santo templo,
Maior do Ródano seus sagrados profanar,
Entre eles nascerá tão grande pestilência.
Rei vivendo injusto não fará condenar.

63

Quando o adúltero ferido sem golpe haja,
Assassinado a mulher e ao filho por despeito,
Mulher desmaiada ao menino estrangulará:
Oito cativos presos, degolar sem parar.
64 Nas Ilhas as crianças transportado,
Os dois de sete serão desesperados,
Os do campo serão apoiados,
Nome, poel submissa por ataduras desaparecida a esperança.

65

O velho frustrado de principal esperança.
Chegará a chefe de seu Império:
Vinte meses suportará o reino grande poder,
Tirano, cruel, deixando a um pior.

66

Quando a escritura D. M. achada,
E cova antiga com lâmpada descoberta,
Lei, Rei e Príncipe Ulpiano provados,
Pavilhão Reino e Duque baixo a coberta.

67

Par, Car, Nersaf, ruína grande discórdia,
Nem um nem outro terão eleição,
Nersaf do povo terá amor e concórdia,
Ferrara, Colonna grande proteção.
68 Velho Cardeal pelo jovem enganado.
Fora de seu cargo se verá desarmado,
Arlés nem monstros, duplo será percebido,
E licueducto e o Príncipe embalsamado.
69 Perto do jovem o velho anjo descerá,
E virá a coroar-lhe ao fim:
Seis anos iguais aos mais velhos diminuir,
De três dois um oitavo Serafim.

70

Entrará vilão, ameaçador infame,
Tiranizando a Mesopotâmia
Todos amigos de adultera dama,
Terra horrível preta fisionomia.
71 Crescerá o número tão grande de astrônomos.
Perseguidos, proibidos e livros censurados.
O ano mil seiscentos sete por sagrada bula,
Que ninguém no sagrado terá certeza.
72 Em campo de Perusgia Oh enorme derrota!
E o conflito muito perto a Ravena,
Passo sagrado quando seja festa.
Vencedor e vencido vão comer aveia do cavalo .
73 Soldado Bárbaro o grande Rei baterá,
Injustamente não longe de morte
A avara mãe do fato causa será
Conjurado e reino em grande remorso.
74 Em terra nova bem antes que Rei tenha entrado,
Enquanto súditos lhe venham a dar as boas-vindas.
Sua perfídia haverá tanto achado
Que aos cidadãos lugar de festa e recepção.
75 O pai e o filho serão assassinados juntos
O perseguidor no seu pavilhão
A mãe de Tours do filho ventre terá prenhe.
Esconderá verdor de folhas borboleta.
76 Mais açougueiro que rei na Inglaterra
Lugar escuro nascido por força terá o império:
Covarde sem fé sem lei sangrará terra.
Seu tempo se aproxima tanto que eu suspiro.
77 O anticristo muito em breve aniquilado,
Vinte e sete anos sangue durará a guerra.
Os hereges mortos, cativos exilados.
Sangue, corpos humanos, água avermelhada, saraivada a terra.

78

Um Estranho com a língua torcida
Virá dos deuses o santuário,
Aos hereges abrirá a porta
Suscitando a igreja militar.

79

Quem por ferro pai perderá nascido de Nonagenário.
De Gorgona estará o sangue derramado
Em terra estrangeira fará tudo calar-se,
Que queimará a se mesmo e a seu filho.

80

Dos inocentes o sangue de viúva e virgem,
Tantos maus atos por meio de seu grande aliado.
Santos simulados no templo em ardente círio.
De horror temor não se verá a ninguém que se movimente.

81

O novo império em desolação,
Será mudado do pólo milionário.
De Sicília virá a emoção
A alterar a empresa a Felipe, tributário.
82 Morde longo, seco fazendo de bom criado.
No final não terá mais que sua cessação,
Ácido veneno e cartas ao pescoço.
Será pego escapando em perigo.
83 A maior vela fora do porto de Zara,
Perto de Bizâncio realizará sua empresa,
De inimigo perda e o amigo não estará
O terceiro aos dois fará grande saco e toma.
84 O Pai ouvirá de Sicília seus gritos,
Todos os aprestos do golfo de Trieste.
Que se escutarão até em Trinacria,
De tantas velas fugir, fugir à horrível peste.

85

Entre Bayona e São Juan de Luz
Será posto de Marte o promontório
Aos esforços do Aquilão Nanar guardará luz.
Depois sufocado na cama sem auditório.
86 Por Hermani Tolosa Villafranca.
Banda infinita, pelo monte Adrián,
Passa o rio, lutando na ponte ao lugar
Bayona entre todos Bichoro gritando.
87 Morte conspirada em pleno efeito,
Cargo dado e viagem de morte
Eleito, criado, recebido pelos seus extenuado,
Sangue de inocência ante a fé por remorso.

88

Em Sardenha um nobre Rei virá,
Que não terá mais que três anos o Reino,
Várias cores com ele ficarão,
O mesmo após aflições ao sonho acode.
89 Para não cair em mãos de seu tio,
Que a seus filhos para reinar assassinou,
Orando ao povo pondo ao pé sobre Peloncle
Morto e arrastado entre cavalos cercados.
90 Quando os cruzados um achado com sentido alterado
Em lugar sagrado verá um boi chifrudo
Pela virgem porco seu lugar então ficará acumulado
Pelo Rei nenhuma ordem se manterá.
91 Agitados os campos dos Ródanos entrados
Onde os cruzados estarão quase unidos.
Os dois coletes nos sonhos achados
E um grande número por dilúvio castigado.
92 Longe fora do reino em um perigoso viagem
Grande hoste conduzida por ele o ocupará,
O Rei terá aos seus como cativos reféns
A seu retorno todo o país saqueará.

93

Sete meses mais nada obterá a cidade
Pela sua morte grande cisma aparecerá:
Sete meses durará de outro a prefeitura,
Perto de Veneza paz união renascida.
94 Ante o lago onde o mais querido foi arrojado
Em sete meses e sua hoste desconfiada
Serão Espanhóis por Albaneses derrotados,
Por atraso parte dará o conflito.
95 O sedutor será jogado na fossa,
E fechado até um dia,
O clero unido o chefe com sua batuta
Picante direito aplacará os disputadores.
96 A Sinagoga estéril sem nenhum fruto
Será recebida e entre os infiéis
Da Babilônia a filha do perseguido
Miséria e tristeza lhe cortarão as asas.

97

Nos seus confine do Var mudar o Pompotans,
Perto da margem as três formosas crianças nascidas,
Ruína ao povo pela idade competindo
Reino no país mudado depois vê-lo crescer.
98 Pessoas de Igreja seu sangue se derramará,
Como água em tal abundância
E por longo tempo não será estancada
Verão no clero ruína e dor.

99

Pelo poder de três Reis temporários,
Em outro lugar será posta a santa sé:
Onde a substância do espírito corporal,
Será reposta e recebida por verdadeira sede.

100

Pela abundância da arma repartida
De ponta a ponta pelo baixo ao mais alto
Muito grande fé por jogo vida perdida
De sede morrer por abundante falta.
Centúria IX
1 Na casa do tradutor de Bourc.
Se encontrarão as cartas sobre a mesa,
Zarolho, ruivo, branco, encanecido agüentará o tempo,
Que mudará ao novo Rei.
2 Desde o alto do monte Aventino voz ouvida,
Esvaziem, esvaziem de todos os dois lados,
Do sangue dos vermelhos será a ira plena,
De Arimin Prato, Coluna expeliu
3 Magnavacca em Ravena grande conturbação.
Conduzidos por quinze fechados em Fornase:
Em Roma nascerão dois monstros de cabeça duplo
Sangue, fogo, dilúvio, os mais grandes do espaço.
4 O ano seguinte descobertos pelo dilúvio,
Dois chefes eleitos, o primeiro não resistirá
De fugir sob um deles o refúgio
Saqueada caixa que o primeiro manterá.

5

Terceiro dedo do pé ao primeiro parecerá
Um novo Monarca de baixo para cima.
Que Pisa e Lucca Tirano ocupará
Do precedente corrigir o defeito.

6

Pela Guiana infinidade de Ingleses
Ocuparão em nome de Angloaquitania,
Do Languedoc Ispalme Bordeleses.
Que nomearão depois Barboxitania.
7 Quem abra o monumento achado,
E não o agarre com rapidez,
Logo que lhe irá, e não poderá provar
Seu melhor deve ficar Rei Bretão ou Normando.
8 Depois nascido Rei há a seu pai levar a morte,
Depois do conflito de morte muito desonesta:
Escrito achado, suspeita dará remorso,
Quando o lobo caçado se jogue sobre o beliche.

9

Quando lâmpada ardente de fogo inextinguível
Seja achada no templo das Vestales,
Menino achada fogo, água passando por crivo:
Morrer água Nimes, Tolouse cair os palácios.

10

Monje, monjesa de menino morto exposto,
Morrer por ursa, e raptado por porquero,
Por Foix e Pamies o acampamento posto
Contra Tolouse Carcasona levantar furriel.

11

O justo sem justiça a morte será levado
Publicamente, e do meio extinto:
Tão grande peste neste lugar se produzirá,
Que os julgadores a fugir serão obrigados.
12 A tanta prata de Diana e Mercúrio,
Os simulacros no lago se encontrarão:
O oleiro buscando argila nova
Ele e os seus de ouro serão plenos.
13 Os exilados da Soulongne
Conduzidos de noite para ir a Lauxois,
Dois de Modena cruéis de Bolonha,
Meios descobertos por fogo de Burancois.
14 Posto em plano caldeirão infectado,
Vinho, mel e azeite, montados sobre fornos,
Serão afundados, sem dizer nada mau dos malfeitores
Sete fumaças apagados no canhão dos atados.
15 Perto de Parpán os vermelhos detidos,
Os do meio afundados e levados longe:
Três postos em peças, e cinco logo que sustados,
Pelo Senhor e Prelado da Borgonha.
16 De castelo da frança sairá a assembléia,
O embaixador não grato será a divisão:
Os de Ribiere estarão em briga,
E no grande abismo negarão a entrada.
17 O terceiro primeiro pior que o fora Nero,
Valietne enquanto sangue humano derrame:
Reedificar fará o forno,
Século de ouro morto, novo Rei grande escândalo.
18 O lírio do Golfinho levará a Nancy
Até em Flandres eleitos do Império,
Nova obstrução ao grande Montmorency,
Fora de seu lugar provas entregues com clara pena.
19 No meio da floresta Mayenne.
Sol em Leão o raio cairá,
O grande bastardo saído do grande de Maine,
Este dia Fougeres ponta em sangue entrará.
20 De noite virá pela floresta dos seus reinos
Duas partes torcidas Herne a pedra branca,
O monge negro em cinzento em Varennes
Eleito rumo, a causa de tempestade, fogo, sangue, corte.

21

No templo alto de Blois sagrado Salonne,
Noite ponte da Loira, Prelado, Rei veloz,
Árdua vitória na restinga do Sone,
De onde o prelado de brancos iludindo.
22 Rei e sua corte em lugar de grande palácio.
Dentro o templo junto ao palácio
No jardim Duque de Mantor e o Alba,
Alba e Mantor punhal língua e palácio.

23

O depois nascido jogando ao fresco baixo a cuba.
O alto do teto no meio de sua cabeça,
O pai Rei no templo santo Solonne.
Sacrificando consagrará fumaça de festa.
24 Sobre o palácio da rocha janelas
Serão seqüestrados os pequenos reais,
Passar céfiro Lutecia, Denis claustros.
Monja, maus comer verdes nozes.

25

Passando as pontes, se aproximar aos roseirais,
Demore chegado mais que ele cria,
Virão os Espanhóis a Beziers.
Que àquela expulsão a empreitada falhará.
26 Nice saída sobre o nome de cartas ásperas,
A grande capa fará presente não seu:
Perto de Vultry em muros de verde alcaparras
Após Plombin o de vento em popa.

27

De madeira a guarda, calma ao outro lado da ponte,
Alto o golpe baterá ao Golfinho,
O velho conde madeiras unidas passará,
Passando além do Duque o reto confin.
28 Vela, Simada, porto Marséllico.
Em Veneza porto ir para Panones:
Partir do golfo e Seio Ilírico,
Devastação em Sicília, Ligures canhões.
29 Enquanto que ele a ninguém dá lugar,
Abandonar queira lugar tomado não tomado:
Fogo nave ensangüentada, betume em Charlieu.
Serão Quintín Balez recobrados.
30 No porto de Pola e de São Nicolás.
Perigo Normando no golfo Flanático,
Cap. de Bizâncio ruas gritar lamento,
Socorro de Cádiz e do grande filípico.
31 O tremor de terra em Mortara,
Cassich São Jorge meio derruído:
Paz, adormecida, a guerra despertará.
Em templo em Pascua abismos afundados.
32 De fino porífero profundo filão achado.
Baixo a laje escritora capitolina:
Osso pêlo retorcido Romano força provada,
Frota agitada em porto de Metelino.

33

Hércules Rei de Roma e da Dinamarca.
De Gália três Guia apelidado,
Tremer a Itália e a onda de São Marcos,
Primeiro sobre todos monarca renomado.
34 O jogo só marido mitrado,
Retorno conflito passará sobre a telha:
Por quinhentos um traidor será nomeado,
Narbona e Sauce por condais teremos azeite.
35 A Fernanda loira será escoltada,
Deixar a flor, seguir ao Macedônio:
Com grande necessidade desfalecerá na sua rota,
E marchará contra o Mirmidón.
36 Um grande Rei capturado entre as mãos de um Jonio.
Não longe de Pascua confusão golpe facada:
Perpétuo cativo tempo que raio no ódio,
Enquanto três irmãos se ferem e matam.

37

Ponte e moinhos em dezembro caídos.
Em tal elevado lugar subirá o Garona:
Muros, edifício, Toulouse derrubados.
Que não se saberá seu lugar tanta matrona.

38

A entrada de Blaye pela Rochelle e o Inglês,
Passará além o grande Emacio,
Não longe de Aquisgrán esperará o Gaulês,
Ajuda, Narbona enganada por diversão.
39 Em Arbisola, em Verona e Cagliari,
De noite conduzidos por Savona, apanhem.
O vivo Gascón Turby e a Scerry.
Após muro velho e novo palácio, ataquem.
40 Perto de Quintín na floresta emaranhado,
Na Abadia estarão Flamengos entrincheirados:
Os dois menores de golpes meios aturdidos,
Subitamente oprimido e guardam todos encaminhados.
41 O grande Quirén se fará com Aviñon,
De Roma cartas de mel cheias de amargura,
Carta embaixada parte de Chanignon,
Carpentras tomada por duque preto vermelha pluma.

42

De Barcelona, de Gênova e Venencia.
De Sicília peste Monet unidos:
Contra Bárbaro frota tomando o rumo.
Bárbaro repelido muito longe até Túnis.

43

Próximo de descer o exército Crucífero
Será avistado pelos Ismailitas.
De todos os lados batidos por nave Ravier,
Em breve assaltada por dez galés seletas.

44

Emigrados, emigrados de Genebra todos,
Saturno de ouro em ferro mudará,
O contra Raypoz exterminará a todos,
Antes do evento o céu signos dará.
45 Não se cansará nunca de pedir,
Grande Mendosus obterá seu império
Longe da corte fará contra mandar,
Piemonte, Picardia, Paris, Tirano o pior.
46 Desalojem, fujam de Toulouse os vermelhos,
Do sacrifício fazer penitência,
O chefe do mal baixo a sombra das calabeceras,
Morto estrangular carnal profecia.
47 Os abaixo-assinados de indigno resgate.
E da multa terão contra aviso:
Mudança monarca posto em tal perigo,
Fechados em jaula se verão lado a lado.
48 A grande cidade de Oceano marítimo
Rodeada de balsas de cristal:
No solstício invernal e a primavera,
Será tentada por vento espantoso.
49 Gante e Bruxelas marcharão contra Antuérpia
Senado de Londres condenará a morte a seu Rei,
O sal e vinho estarão contra si.
Para eles ter em reino desordenado.
50 Mendosus em breve chegará no seu elevado reino.
Rejeitando um pouco aos Norlaris.:
O vermelho empalidece, o macho no interregno.
O jovem temor e susto de Bárbaros.
51 Contra as vermelhas seitas se aliarão,
Fogo, água, ferro, corda por paz se esgotará,
Ao ponto morrer os que maquinem
Menos um que mundo totalmente arruinará.
52 A paz se aproxima por um lado, e a guerra
Nunca foi sua busca tão grande.
Lamentará homem, mulher, sangue inocente por terra.
E isto será da França por escrito.
53 O Nero jovem nas três chaminés.
Fará moços vivos para arder arrojar,
Feliz quem longe esteja de tais você intriga,
Três de seu sangue lhe farão a morte avistar.

54

Chegará ao porto de Corsibona
Perto de Ravena, quem saqueará a dama,
Em mar profundo legado da Ulisbonne
Sob rocha escondidos levarão setenta almas.
55 A horrível guerra que no ocidente se prepara,
Ao ano seguinte virá a pestilência
Tão horrível, que jovem, velho nem besta.
Sangue, fogo, Mercúrio, Marte, Júpiter na França.
56 Campo junto Noudam passará Goussan vila,
E em Malotes deixará sua insígnia,
Transformará em instante mais de mil,
Buscando os dois voltar a colocar em corrente e soga.
57 Em lugar de Drux um Rei repousará
E buscará lei mudando de anaterna.
Enquanto o céu tão forte trovejará,
Camada nova Rei se suicidará.

58

No lado esquerdo de Vitry
Serão arrojados os três vermelhos da França,
Todos mortos vermelho, preto não assassinado.
Pelos Bretões postos a salvo.
59 Em Ferté tomará Vidame
Nicole traje vermelho que tinha dado a vida,
A grande Loyle nascerá que terá fama,
Dando a Borgonha a Bretões por fausto.
60 Conflito Bárbaro na pipa preta,
Sangue derramado, tremer a Dalmácia,
Grande Ismael porá seu promontório,
Ranes tremer, ajuda Lusitânia.
61 Saque feito no litoral marina,
Incita nova e pais levados,
Vários da Malta pelo ato de Mesina,
Estreitos fechados serão logo que pagados.
62 Na grande de Cheramon ágora
Serão cruzados por filas todos unidos,
O pertinaz Opi e Mandrágora,
Roncón de Outubro ao terceiro farão soltar.

63

Lamentos e choros, gritos e grandes gritos
Perto de Narbona em Bayona e em Foix,
Oh, que horríveis calamitosos mudanças!
Antes que Marte gire algumas vezes.
64 O Emaciano passará seus monte os Pireneus.
Em Marte Narbona não fará resistência,
Por mar e terra haverá tão grande intriga,
Chefe não tendo terra segura para estabelecer-se.

65

No canto da Lua virá a pousar-se
Onde será capturado e posto em terra estranha,
Os frutos imaturos formarão grande alvoroço.
Grande vitupério, a um de grande elogio.

66

Paz, união haverá e mudança.
Estados, cargos, embaixo em cima, e o elevado pelo solo,
Preparar viagem, o fruto principiante atormenta,
Guerra César, civil processo debates.

67

Desde em cima dos montes até as cercanias de Lisere
Porto na rocha Valent cem reunidos
De Chasteauneuf Pierrelate em Donzere,
Contra a Crest Romans há assembléia.
68 Do monte Aymar será nobre escurecido,
O mal virá na união de Saona e Ródano,
Em floresta escondidos soldados dia de Lucía,
Que não houve jamais tão horrível trono.
69 Sobre o monte de Bailly e a Bresle
Estarão escondidos em Grenoble os ferozes.
Além de Lyon, Viena, águas tão grande granizo,
Langoult em terra ficará um terço.

70

Aparatos cortantes nas tochas escondidos
Em Lyon o dia do Sacramento,
Os de Viena serão muito em breve machucados
Pelos cantões Latinos, Mascon não mente.
71 Aos lugares sagrados animais vistos de pêlo,
com o qual não ousará o dia,
Em Carcasona por desgraça propícia
Será posto para mais ampla estadia.
72 Ainda serão os santos templos manchados,
E saqueados por Senado Tolosano,
Saturno dois três ciclos girados,
Em Abril, Maio, gente de nova leva.
73 Em Foix entrado Rei classificado Turbante,
E reinará menos evoluído Saturno,
Rei Turbante branco Bizâncio coração vetado,
Sol, Marte, Mercúrio perto da urna.
74 Na cidade de Fertsod homicídio,
Feito e feitos muitos bois antes não matar,
Retorno ainda às honras de Artemísia,
E a Vulcânico corpos mortos sepultar.
75 De Ambracia e do país de Trácia
Povo por mar, logo que e ajuda Gaulês,
Perpétua em Provence Trácia,
Com vestígios de seu costume e leis.
76 Com o preto Rapaz e sanguinário,
Saído do catre do inumano Nero,
Entre dois rios mão esquerda militar,
Será assassinado por Jônico calderón.
77 O reino tomado o Rei convidará
A dama tomada a morte jurados a sorte,
A vida ao filho de Rainha se negará
E a jaqueta ou casaco ao forte da consorte.

78

A dama Grtega de grande beleza,
Feliz feita de processo inumerável,
Fora trasladada ao reino Hispânico,
A bela tomada morrer morte miserável.

79

O chefe de frota por fraudulenta estratagema,
Haverá timidamente sair de seus galés,
Saídos assassinados chefe descrente de galés,
Depois pela emboscada lhe pagarão seu salário.

80

O Duque quererá aos seus exterminar,
Enviará os mais fortes a lugares estranhos,
Por tirania Biza e Luz arruinar.
Depois os Bárbaros sem vinho farão vindimas.

81

O Rei astucioso escutará suas emboscadas
De três lados inimigos assaltar,
Um número estranho lagrimas de coqueluche
Virá Lemprin do tradutor saltar.
82 Pelo dilúvio e a pestilência forte,
A cidade grande há muito tempo assediada,
A sentinela e guarda de mão morta,
Subitamente tomada, mas em nada ultrajada.
83 Sol vinte de Touro tão forte terra treme,
O grande teatro repleto arruinará,
O ar céu e terra escurecidos e perturbados,
Quando ao infiel Deus e santos enrolarão.
84 Rei exposto realizará a hecatombe,
Após ter encontrado sua origem.
Corrente abrir de mármore e chumbo a derruba,
De um grande Romano de insígnia Medusina.

85

Passar Guyenne, Languedoc e o Ródano,
De Agen amos de Marmande e a Reole,
Abrir por fe parede, Foceo se manterá no seu trono.
Conflito perto de  Saint Pol de Manseole.
86 Do burgo Lareyne chegarão direto a Chartres
E farão cerca da ponte Anthoni pausa.
Sete para a paz cautelosos como mártires
Farão entrada ao exército em Paris fechado.
87 Na floresta de Touphon roturado,
Na ermida será levantado o templo,
O Duque de Estempes pela sua astúcia inventada,
Do monte Lehort prelado dará exemplo.

88

Calais, Penhores, socorro a Therbanne,
Paz e simulação simulará o vigia,
Soldo de Alobrox, descerá por Roane,
Iludindo povo que desfará o caminho.
89 Sete anos será Felipe fortuna próspera,
Abaterá dos Árabes o esforço
Após seu cenit perplexo complexo assunto,
Jovem eloqüente afundará seu forte.
90 Um capitão da grande A Germânia
Se renderá por simulado socorro
Ao Rei dos Reis ajuda de Panonia,
Que sua revolta fará de sangue grande rio.
91 A horrível peste Perynto e Nicópolis,
O Quersoneso agüentará e Marcelonia.
Tesalia devastará a Anfípolis,
Logo que desconhecido, e a rejeição de Antonio.
92 O Rei quererá em cidade nova entrar,
Por inimigos expugnar-lhe se chegará
Cativo libertado sujeiras dizer e perpetrar,
Rei fora estar, longe de inimigos agüentará.

93

Os inimigos do forte bem afastados,
Por carros conduzido a fortificação,
Sobre os muros de Bourges destroçados,
Quando Hércules avental ao Emacio.
94 Débeis galés serão unidas você junta:
Inimigos falsos o mais forte em muralhas:
Débil assediados Bratislava treme,
Lubeck e Mysme terão bárbara parte.
95 O novo ato conduzirá o exército
perto de apamestano até perto do arroio.
Tendo socorro de Milanesa elite,
Duque olhos privado em Milão ferro de jaula.
96 Exército negado de entrar na cidade,
Duque entrará por persuasão,
Às débeis portas clama exército levado.
Pondo fogo, morte, de sangue efusão.

97

Do mar frota em três partes dividida,
À segunda os víveres faltarão,
Desesperados buscando campos Elíseos.
Primeiros a brecha entrados vitória alcançarão.
98 Os afligidos por falta de um só tanto,
Contrapondo-se a parte oposta.
Aos Lioneses mandará que obrigado
Será render-se ao grande chefe de Molite.

99

Vento Aquilão fará partir o sio,
Pelos muros jogar cinzas, cal e pó:
Por chuvas depois, que lhe farão mais dano,
Última ajuda encontra sua fronteira.

100

Naval disputa noite será superada,
O fogo, nas naves ao Ocidente arruína
Rubrica nova, a grande nave colorida,
Irá ao vencido, e vitória em ruma.
Centúria X
1 Ao inimigo, o inimigo seja prometido,
Não agüentará, os cativos retidos:
Capturados, prima morte, e o resto em camisa.
Maldito o resto por ser apoiados.
2 Vela galés de nave esconderá,
A grande frota fará sair a menor,
Dez naves próximas a voltarão a repelir,
Grande vencida unidas a si reunir-se.
3 E após de cinco rebanhos tirar,
Um fugitivo por Penelón deixará,
Falso murmurar, ajuda vinda por então.
O chefe o lugar então abandonará.
4 A meia-noite motorista do exército,
Lhe salvará súbito desvanecimento,
Sete anos depois a fama não danificada
A seu retorno não dirá nunca que sim.

5

Albi e Você castre farão nova liga,
Novos Arianistas Lisboa e Portugal.
Carcasona, Toulouse consumarão sua lide.
Quando chefe novo monstro de Lauragues.

6

Sardon Nemans tão alto desboradarán
Que se desejará Deucalion renascer,
No colosso a maioria fugirá,
Vesta sepulcro fogo extinto aparecerá.
7 O grande conflito que se prepara em Nancy
O Emacio dirá todo eu submeto,
A ilha Britânica por vinho, sal em solstício,
Metade dois Fil, muito tempo não agüentará Metz.
8 Índice e polegar aprofundarão a frente
Do Senegal o Conde a seu filho próprio,
Myrnamea por vários de tomada frente.
Três em sete dias feridos de morte.

9

De Castellón figueiras dia de bruma,
De mulher infame nascerá soberano príncipe
Renome de calças perfumando-o postumamente.
Nunca Rei foi tão mau na sua província.

10

Montões de assassinados, enormes adultérios,
Grande inimigo de todo o gênero humano,
Que será pior que avôs, tios e pais.
Em ferro, fogo, água, sanguinário e inumano.

11

Baixo Junquera perigoso passo
Fará passar o póstumo sua banda.
Os montes os Pireneus passar fora sua bagagem,
De Perpinhan correrá Duque a Tende.
12 Eleito como Papa, de eleito será burlado,
Subitamente com freqüência emocionado disposto e tímido.
Por muita bondade a morrer provocado,
Temor oprime a noite de sua morte guia.
13 Sob o gramado de animal ruminante
Por eles conduzidos ao ventre helbipólico,
Soldados escondidos, as armas ruído levando,
Não longe tentados por cidade Antipólica.
14 Urnel Vaucille sem conselho de si mesmos
Ousado tímido, por temor tomado, vencido.
Acompanhado de várias putas pálidas
Em Barcelona aos cartuchos vencidos.
15 Pai duque velho em anos e de sede carregado.
No dia extremo filho denegando
Dentro o poço vivo morto será afogado,
Senado ao filho a morte comprida e leve.
16 Feliz no reino da França, feliz de viver
Ignorando sangue, morte, furor e rapina.
Por não aduladores será levado a inveja,
Rei desvestido, muito fígado na cozinha.
17 A Rainha Submetida vendo sua filha pálida,
Por um pesar no estômago fechado,
Gritos lamentáveis haverá então em Angulema
E do germânico casamento excluído.
18 A categoria Lorenés deixará seu lugar a Vendome.
O alto posto abaixo, o sob posto em alto.
O filho de Harnón será eleito em Roma,
E os dois grandes ficarão fora.
19 Dia que será por Rainha saudado.
O dia seguinte o cumprimento, a oração:
A conta feita razão e valor,
Antes humilde nunca foi tão contente.
20 Todos os amigos que tenham tomado partido,
Por rude em letras levado a morte e saqueado,
Bens esquecidos por resolvido grande afligido,
Nunca Romano povo foi tão ultrajado.

21

Por despeito do Rei sustentando menor,
Será assassinado apresentado os anéis:
O pai ao filho querendo nobreza despontar
Feito, como em Pérsia outrora fizessem os Magos.
22 Por não querer consentir o divórcio,
Quem logo depois será conhecido indigno,
O Rei das Ilhas será expulso pela força,
Posto no seu lugar quem de rei não terá signo.

23

Ao povo ingrato feitas as advertências,
Quando o exercito se apoderará de Antibes,
No arco Mônaco farão as queixas
E em Frejus um ao outro tomará Ribe.
24 O cativo príncipe nas Italias vencido
Passará Gênova, por mar até Marselha,
Por grande esforço de forâneos vencido,
Salvo disparo barril licor de abelha.

25

Por Nebro abrir de Brisanne passo,
Bem afastado a raiva dará amostra
Em Pelligouxe será cometido o ultraje.
Da grande dama sentada sobre a orquestra.
26 O sucessor vingará a seu cunhado,
Ocupar reino sob a sombra de vingança.
Abatido obstáculo seu sangue morte vitupera,
Muito tempo a Bretanha estará com a França.

27

Pelo quinto e um grande Hércules
Virão o templo abrir com mão militar,
Um Clemente, Julio e Ascanio regulados.
A espada, chave, águia, não terão nunca tão grande combate
28 Segundo e terceiro que farão a primeira música
Será por Rei em honra sublime,
Por crasso e magro quase meio tuberculoso
Relação de Vênus falsos voltará deprimidos.
29 De Pablo Mansol em caverna caprina
Escondido e tirado pela barba,
Cativo levado como besta mastim
Por Begurdanos levado perto de Tarbes.
30 Sobrinho e sangue do santo recém chegado
Pelo renome sustentam arcos e coberta
Serão expulsos e arrojados a morte desnudos,
Em vermelho e preto transformarão seu verde.
31 O santo império irá à Germânia,
Ismailitas encontrarão lugares abertos.
Asnos quererão também Carmania,
Os seguidores de terra totalmente cobertos.
32 O grande império cada um deve sê-lo,
Um sobre os outros o obterá:
Mas pouco tempo será seu reino e existência.
Dois anos nas naves se poderá sustentar.

33

A facção cruel de roupas compridas,
Esconderá sob os agudos punhais:
Tomar Florença o duque e lugar diflongo,
Seu descobrimento por imaturos e infiéis.
34 Gaulês que império por guerra ocupará,
Pelo seu cunhado menor será traído,
Por cavalo rude selvagem arrastará.
Pelo ato o irmão muito tempo será odiado.
35 Filho mais novo Real flagrante de ardente libido,
Para gozar de prima irmã:
Vestido de mulher no templo de Artemísia:
Passante assassinado por desconhecido do Maine.
36 Depois do rei de Mercado guerra falando,
As ilhas Harmóticas o desprezarão:
Alguns anos bons roendo um e pilhando,
Por tirania à Ilha mudando presa.

37

A assembléia grande cerca do lago de Borget.
Se reunirá perto de Montmelian:
Marchando além pensativos farão projeto,
Chambery Moriane combate São Julían.

38

Amor alegre não longe levado pelo assédio,
No santo Bárbaro estarão as guarnições:
Ursinos Hadria por Gauleses farão dano,
Por medo rendidos do exército aos Grisones.
39 Primeiro filho viúva desgraçado casamento,
Sem nenhum filho duas Ilhas em discórdia.
Antes dezoito incompetente idade,
Da outra parte mais baixo será o acordo.
40 O jovem nascido em reino Britânico,
Que haverá o pai agonizante recomendado,
O morto Lonolo dará tópico,
E a seu filho o reino demandado
41 Na fronteira de Caussade e Charlus,
Não muito longe do fundo do vale,
De vila a França músico ao som de alaúdes,
Rodeados convulsos e grande carcoma.

42

O reino humano de Anglia paternidade,
Fará seu reino por união manter:
Cativo guerra no meio de sua clausura,
Muito tempo a paz lhes fará manter.

43

O muito bom tempo de bondade real,
Há e desfaz em breve súbita negligência:
Leve achará erro de esposa leal,
O condenado a morte pela sua benevolência.

44

Quando um Rei seja contra os seus,
Nativo de Blois subjugará Ligures,
Mammel, Córdoba e os Dálmatas.
De sete depois a sombra a Rei sorte e muros.
45 A sombra do reino de Navarra não verdadeiro,
Fará a vida de forte ilegítima:
O voto prometido incerto de Cambrai,
Rei Orleans dará muro legítimo.
46 Vida sorte morte do ouro vilão indigno,
Será de Saxônia não novo eleitor:
De Brunswick mandará de amor signo,
Falso dando ao povo sedutor.
47 De Bourzeville à Dama Guyrlande
Se lhe elevará pela traição feita
O grande prelado de Leão por Formande,
Falsos peregrinos e encantador derrotado.
48 Do mais profundo da Espanha insígnia.
Saindo dos confins e fim da Europa,
Problemas passando junto à ponte de Laigne.
Será derrotado por banda sua grande tropa.
49 Jardim do mundo junto de cidade nova,
No caminho de montanhas cavadas:
Será tomado e arrojado à cuba.
Forçado a beber águas sulfurosas envenenadas.
50 O Mosa no dia terra de Luxemburgo,
Descobrirá Saturno e três em lua:
Montanha e plano, vila, cidade e burgo.
Lorne dilúvio, traição por grande canalha.
51 Os lugares planos baixos do país de Lorena.
Serão as baixas Alemanhas unidas.
Pelos do lugar Picardos, Normandos, do Maine,
E nos cantões se reunirão.
52 No lugar onde Laye e Escalda se unem,
Serão as núpcias desde longe preparadas:
No lugar de Antuérpia onde lixos passam,
Jovem velhice consorte sem contaminar.
53 As três jaquetas ou casacos de longe se baterão,
O maior menos estará à escuta:
O grande Selino não será já mais o patrão,
Lhe nomeará fogo metal branco rasgado.

54

Nascida neste mundo por concubina furtiva,
A duas alturas posta pelas tristes notícias,
Entre inimigos será tomada cativa,
Levada a Malinas e Bruxelas.
55 As desgraçadas núpcias realizarão
Com grande alegria: mas o fim desgraçado,
Marido e mãe nora desenharão,
O Brilhante morto, e nora mais lamentável.
56 Prelado real seu descendente muito caído,
Grande fluxo de sangue sairá pela sua boca,
O reino Anglo por reino respirado,
Muito tempo mortos vivos em Túnis como troncos.
57 O sublevado não conhecerá seu cetro,
Os filhos jovens do maior maldirão:
Nunca um mais cruel ser existiu,
Para suas esposas a morte preta condenará.

58

No momento do duelo que o Selino monarca
Guerreará o jovem Emacio:
Gaulês transtonar periclitar a barca:
Tatear Foceos ao Poente conservar.
59 Em Lyon vinte e cinco de um hálito.
Cinco cidadãos Germânicos de Bresse, Latinos:
Por baixo nobre concluirão comprida fila
E descobertos por uivos de mastins.
60 Choro por Nice, Mônaco, Pisa, Gênova,
Savona, Siena, Capua, Modena, a Malta,
Em cima sangue e aço por acréscimo:
Fogo, tremor de terra, água, desgraça não desejada.
61 Betta, Viena, Emorre Sacarbance,
Quererão entregar aos Bárbaros Panonia:
De fogo e sangue em cidade de Bizâncio
Os conjurados descobertos por matrona.
62 Perto de Sorbin para assaltar a Hungria,
O arauto de Brudes lhes advertirá:
Chefe Bizantino, Sallon de Esclavonia,
A lei de Árabes lhes transformará.

63

Cidrón, Ragusa, a cidade do santo Hierón.
Pedirá o mendigo socorro:
Morto filho de Rei por morte de dois airones.
O Árabe, a Hungria farão o mesmo percurso.
64 Chora Milão, chora Lucca, Florença,
Que teu grande Duque sobre o carro subirá,
Mudar a sede tomada de Veneza se antecipa.
Enquanto que Colônia em Roma mudará.

65

Oh vasta Roma, tua ruína se aproxima!
Nem de teus muros, de teu sangue e substância:
O áspero por letras fará tão horrível atentado,
Ferro pontiagudo intrometido em todos até a empunhadura.

66

O chefe de Londres por reino a América,
A Ilha da Escócia se endurecerá com a gelada:
Rei Reb terá um tal falso Anticristo.
Que lhes levará a todos na confusão.

67

O tremor tão forte no mês de Maio.
Saturno, Capricórnio, Júpiter, Mercúrio em Touro
Vênus, também Câncer, Marte em Nonato.
Cairá granizo então maior que um ovo.
68 O exército do mar ante cidade agüentará,
Depois partirá sem fazer longo viagem:
Cidadãos grande presa em terra tomarão,
Retornar frota retomar grande ímpeto.
69 O ferro reluzente de novo velho criado,
Serão tão grandes por Meio-dia Aquilão:
De sua irmã própria grandes asas levantadas,
Fugindo assassinado o maioral de Ambellón.

70

O olho por objeto fará tal excrescência.
Tanto e ardente que cairá a neve,
Campo regado decairá,
Que o sobressaído sucumbirá em Régia.
71 A terra e o ar gelarão tanta água,
Quando se vinga em Quinta-feira a venerar
O que será jamais foi tão belo,
Das quatro partes virão a adorar-lhe.
72 O ano mil novecentos noventa e nove sete meses,
Do céu virá um grande Rei de terror:
Ressuscitar o grande Rei de Algolmois,
Antes depois que Marte reinar por essa.
73 O tempo presente com o passado.
Será julgado por grande Jovialista:
O mundo demore lhe será deixado,
E desleal pelo clero jurista.
74 Na revolta do grande número sétimo,
Aparecerá em tempo jogos de Hecatombe,
Não afastado da grande idade milenar,
Que os entrados sairão de seu túmulo.
75 Tão esperado não voltará jamais,
Na Europa, na Ásia aparecerá,
Um da liga saída do grande Hermes,
E sobre todos Reis de Oriente crescerá.
76 O grande Senado discernirá a pompa,
A um que depois será vencido perseguido,
Seus seguidores virão a toque de trompa
Bens públicos, inimigos expulsos.
77 Trinta seguidores da ordem dos quintes
Proscritos, seus bens doados a seus adversários.
Todos seus méritos ficarão em faltas,
Frota dispersa entregue aos Corsários.

78

Súbita alegria em súbita tristeza,
Será em Roma às graças abraçadas,
Duelo, gritos, prantos, lágrima sangue excelsa alegria.
Contrariar bandas surpreendidas e truncadas.

79

Os velhos caminhos estarão todos embelezados
Se passará a Menfis advertidos
O grande Mercúrio de Hércules flor de lis
Fazendo tremer terra, mar e campos.

80

No reino grande do grande reino reinante,
Por força de armas as grandes portas de bronze
Fará abrir, o Rei e Duque vitoriosos,
Porto demolido, nave ao fundo, dia sereno.

81

Posto tesouro templo cidadãos Hespéricos,
Naquele retirado em segredo lugar:
O templo abrir os laços famintos,
Recuperar, maravilhado, presa horrível no meio.
82 Gritos, prantos, lágrimas virão com facas,
Parecendo fugir, darão último assalto:
O ambiente parques plantar profundas mesetas
Vivos rejeitados e assassinados na tomada.
83 Do batalhar não será dado signo,
Do parque serão obrigados a sair fora:
De Gante os arredores será conhecida a insígnia,
Que fará levar de todos os seus a morte.
84 O natural tão alto não baixa,
O tardio retorno fará mardis contentes:
O Recloing não estará sem debates,
Empregando e perdendo todo seu tempo.

85

O velho tribuno à beirado abismo
Será apressado, cativo não entregar,
A vista não vista, o mal falando tímido.
Por legítimo a seus amigos entregar.
86 Como um grifón virá o Rei da Europa,
Acompanhados pelos do Aquilão,
De vermelhos e brancos conduzirá grande tropa,
E irão contra o Rei da Babilônia.
87 Grande Rei virá a tomar porto perto de Nice,
O grande império da morte fará
Em Antibes porá seu gênio.
Por mar o Saque tudo desvanecerá.

88

Pés e cavalos na segunda véspera
Farão entrada devastando tudo pelo mar:
No porto entrará de Marselha,
Lamentos, gritos e sangue, nunca houve tempo tão amargo.
89 De tijolo a mármore serão todos os muros reduzidos,
Sete e cinqüenta anos pacíficos:
Alegria aos humanos, renovado o aqueduto,
Saúde, grandes frutos, alegria e tempos maléficos.
90 Cem vezes morrerá o tirano inumano,
Posto no seu lugar sábio e bondoso,
Todo o Senado estará sob sua mão,
Zangado será por maligno temerário.
91 Clero Romano o ano mil seiscentos e nove,
Na cúpula do ano se fará eleição:
De um cinzento e preto da Companhia saído,
Que nunca foi tão maligno.
92 Ante o pai o filho será morto,
O pai depois entre cordas de junco,
Genebrês povo será abatido,
Jazendo o chefe no meio como um tronco.

93

A barca nova receberá os viajantes,
Lá e depois transferirão o Império:
Beaucaire, Arles reterão os reféns,
Cerca duas colunas achadas de Porfirio.
94 De Nimes, de Arles, e Viena desprezar,
Não obedece tudo ao édito do Hespérico:
Aos laboriosos para o grande condenar,
Seis escapados em hábito seráfico.
95 Nas Espanhas virá rei muito poderoso,
Por mar e terra subjugando o meio-dia:
Este mal fará, abatendo o crescente,
Descer as asas aos da Sexta-feira.
96 Religião do nome dos mares vencerá,
Contra a seita filhos Aduluncatú,
Seita obstinada deplorada temerá
De dois feridos por Alif e Alif.

97

Tirrenes cheios toda idade cativos,
Tempo bom tem logo que, o doce por amargura:
Presa a Bárbaros, muito em breve serão prontos.
Ânsia de ver lamentar ao vento a pluma.
98 O esplendor claro a donzela gozosa.
Não luzirá mais, muito tempo, será sem sal
Com mercadores, rufiães, lobos odiosos,
Todos misturados monstro universal.

99

O fim do lobo, o leão, boi e asno,
Tímida dama estarão com mastins:
Somente cairá por eles o doce maná,
Mais vigilância e custódia aos mastins.

100

O grande Império serão na Inglaterra,
O Pempotam de anos mais de trezentos:
Grande exércitos passar por mar e terra.
Os Lusitanos não estarão contentes.

 

Fonte: www.euacredito.com.br

Veja também

Populista

Populista

PUBLICIDADE Definição Populista, em geral, é uma ideologia ou movimento político que mobiliza a população …

Corrida Espacial

Corrida Espacial

PUBLICIDADE Definição A corrida espacial da Guerra Fria (1957 – 1975) foi uma competição na exploração do …

Caso Watergate

Caso Watergate

PUBLICIDADE Watergate Watergate pode ser a história mais famosa na história americana de jornalismo investigativo. Isso …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.