Breaking News
Home / História Geral / Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE

Definição

Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas.

O que é uma Gerontocracia?

Uma gerontocracia é uma sociedade dominada pelos mais velhos.

Em uma gerontocracia, as pessoas que são substancialmente mais velhas do que a maioria da população detêm a maior parte do poder político e tendem a dominar também empresas, instituições e organizações.

Em alguns casos, uma gerontocracia pode ser extremamente estável, graças a anos de experiência por parte dos líderes do país, mas quando as sociedades passam por mudanças rápidas, as gerontocracias muitas vezes lutam para acompanhar, porque essa forma de governo tende a não ter flexibilidade.

Historicamente, vários governos têm sido gerontocracias, graças a um cultivo de respeito pelos idosos.

No mundo moderno, as gerontocracias mais notáveis são os governos das nações comunistas, onde a influência e o poder de alguém são julgados pelo tempo gasto no Partido Comunista. Como resultado, o poder nessas nações está fortemente concentrado nas mãos dos idosos.

Tem sido dito que uma gerontocracia é uma sociedade em que “homens muito velhos são substituídos por velhos”, o que é uma descrição bastante apropriada.

Muitas gerontocracias têm sistemas políticos e sociais onde o poder aumenta com a idade, como nas sociedades comunistas, criando uma situação em que os jovens não podem saltar para posições de poder. Isso tende a desencorajar a inovação e os visionários, que estão completamente mergulhados na burocracia quando chegam ao poder.

Gerontocracia
Os idosos em uma gerontocracia podem não necessariamente manter posições de liderança oficiais,
mas eles definitivamente controlam o poder em suas nações

Os idosos em uma gerontocracia podem não necessariamente manter posições de liderança oficiais, mas eles definitivamente controlam o poder em suas nações.

Eles podem atuar como conselheiros de funcionários públicos ou trabalhar nos bastidores de maneiras mais sutis, e sua influência é geralmente muito fácil de ver e sentir.

Em uma sociedade onde o poder é mantido pelos muito idosos, os muito jovens são freqüentemente discriminados.

Uma das questões com uma gerontocracia, além de um equilíbrio de poder injusto, é que os líderes mais velhos tendem a se tornar muito determinados em seu caminho, e se fixam em maneiras específicas de fazer e pensar sobre as coisas. Como resultado, eles demoram a agir em resposta a tendências sociais emergentes, ameaças e problemas globais. Em alguns casos, isso pode tornar uma sociedade mais estável, garantindo que o governo não sopre com o menor sopro de vento, mas também pode causar problemas, pois os líderes se tornam inflexíveis e não estão dispostos a considerar as fraquezas de suas nações.

Gerontocracia – Líderes

Uma gerontocracia é uma forma de regra oligárquica em que uma entidade é governada por líderes que são significativamente mais velhos do que a maioria da população adulta.

Os antigos gregos foram os primeiros a acreditar nessa ideia de gerontocracias; como famosamente afirmado por Platão, “é para o ancião governar e para o mais jovem se submeter”.

No entanto, essas crenças não são exclusivas da Grécia antiga, pois muitas culturas ainda aderem a essa maneira de pensar.

Muitas vezes, essas estruturas políticas são tais que o poder político dentro da classe dominante se acumula com a idade, tornando os mais antigos os detentores do maior poder.

Aqueles que detêm o maior poder podem não estar em posições de liderança formais, mas muitas vezes dominam aqueles que são.

Em uma definição simplificada, uma gerontocracia é uma sociedade em que a liderança é reservada aos idosos.

O melhor exemplo disso pode ser visto na antiga cidade grega de Esparta, que era governada por uma Gerousia. A Gerousia era um conselho formado por membros que tinham pelo menos 60 anos e serviam para a vida.

Gerontocracia – História

Mais do que qualquer outro tópico da gerontologia histórica, a gerontocracia nos força a distinguir entre representações válidas e imagens estereotipadas da idade e do envelhecimento, passado e presente.

Nossas presunções sobre os poderes atribuídos à vida longa devem ser testadas à luz do que conhecemos hoje sobre a graduação de idade em várias redes, bem como o impacto do envelhecimento demográfico nas normas sociais e instituições sociais.

Há evidências abundantes para corroborar que as gerontocracias – literalmente, dominadas pelos antigos – existiram nos tempos antigos.

Em comparação com hoje, havia poucos anciões séculos atrás. Sobreviver ao primeiro aniversário foi uma conquista. Um ficou “de meia-idade” no segundo e não no terceiro trimestre de vida. Os cabelos grisalhos eram venerados como ícones para atingir idades avançadas e pela sabedoria que presumivelmente advinha de uma rica vida de experiências. Conhecimento era poder. O mesmo aconteceu com o acúmulo de riqueza (em grande parte através de propriedades rurais em ambientes agrários, e através de riqueza comercial em áreas urbanas) que poderia ser tentado diante de uma geração em ascensão que teria que prestar obediência até que, no devido tempo, atingisse a maioridade. As tensões intergeracionais não são novas.

Então, quando os velhos dominaram a sociedade?

Sabemos que uma gerousia, um conselho de anciãos que incluía apenas homens com mais de sessenta anos, presidia a belga Esparta. Nas Leis, Platão desencorajou o serviço público antes dos cinquenta anos.

O nome do Senado Romano deriva do senex, ou antigo. Mesmo se questionarmos as eras em que patriarcas como Seth, Enoque e Methusaleh morreram, as Escrituras Hebraicas em muitas passagens (incluindo os Dez Mandamentos) atribuem vida longa com virtude. Os anciões das doze tribos de Israel eram geralmente descritos como muito velhos.

Outros sinais de gerontocracias marcam a paisagem histórica.

Sessenta anos era a idade na Inglaterra medieval em que os trabalhadores ficavam isentos do trabalho compulsório ou do serviço militar.

Sessenta era a idade média dos nove homens consagrados para serem arcebispos de Canterbury no século XVII; eles morreram no cargo em uma idade média de setenta e três.

Ella, condessa de Salisbury, fundou um convento depois que ficou viúva e deixou o cargo de abadessa aos sessenta e oito anos.

Além disso, análises interculturais trouxeram à luz exemplos recentes de gerontocracias.

Antropólogos ofereceram estudos etnográficos de tribos na África Oriental e aldeias no sudeste da Ásia em que a posição relativa de uma pessoa em uma comunidade é principalmente considerada em termos de anos, que contam para mais do que laços colaterais de parentesco, número de descendentes ou o valor líquido de posses.

Devemos ser sensíveis aos preconceitos de classe e gênero em todos esses dados.

A expectativa de vida ao nascer era abaixo de quarenta anos antes do século XX.

É razoável supor que somente aqueles que poderiam pagar uma dieta balanceada (embora não tão rica a ponto de causar a gota) e evitar o trabalho de quebrar a vida (mas não tão vagarosa a ponto de impedir o exercício diário que mantém um membro flexível) poderiam viver até o seu primo.

Apenas os afortunados o suficiente para atingir a adolescência tinham quaisquer perspectivas (e, depois, apenas com a continuada boa sorte) de alcançar uma “velhice verde” que tornasse o envelhecimento vital essencial para a vida da comunidade.

Poucas mulheres com mais de sessenta anos – apenas viúvas excepcionalmente ricas, filhas da realeza ou intelectos indomáveis – teriam comandado o mesmo grau de poder e influência que os homens de sua coorte. Homens dotados de gerontocracias.

Por essa razão, podemos ter presenciado mais instâncias de gerontocracia desde a Segunda Guerra Mundial do que antes daquela virada crítica na história.

As expectativas de vida ao nascer e até mesmo aos 40 anos aumentaram significativamente neste século, criando assim um grupo maior de homens idosos que potencialmente podem controlar as instituições políticas, econômicas e sociais de uma determinada sociedade.

Os velhos governavam a União Soviética antes de sua morte. Esses governantes em geral eram burocratas espertos o bastante para sobreviver a expurgos na meia-idade e conservadores o bastante para manter o controle sobre as alavancas do poder, enquanto uma coorte cedia lugar à seguinte. (Alguns afirmam que o sistema funcionou em sua própria desvantagem: a gerontocracia da Rússia tornou-se esclerótica.) A China comunista também entrou na era moderna sob o comando de quadros sucessivos de homens e mulheres com mais de sessenta anos.

Que a juventude governou os primeiros Estados Unidos não é surpreendente, já que a idade mediana em 1790 nos Estados Unidos era de dezesseis anos.

No entanto, a Constituição dava preferência a líderes maduros: um tinha que ter 25 anos para concorrer ao Congresso, 30 para se tornar senador e 35 para ser eleito presidente. Os velhos dominavam os conselhos tribais dos nativos americanos. Anciãos determinaram quem poderia se casar com quem e outras atividades sociais em aposentos de escravos. Antes do século XX, os homens americanos mais velhos tendiam a administrar as firmas e fazendas que construíram ao longo de suas vidas. Apenas enfermidade ou aposentadoria os forçaram a transferir poder.

Os Estados Unidos institucionalizaram os poderes da idade em pelo menos dois dos seus três ramos do governo nacional.

Os juízes da Suprema Corte sempre serviram para a vida: poucos foram escolhidos para o banco mais alto antes dos cinquenta e cinco anos. A maioria serve por décadas.

Por volta do final do século XIX, ambas as casas do Congresso adotaram um sistema de “antiguidade” que fazia um longo serviço na Câmara ou no Senado um pré-requisito para as nomeações e presidências dos comitês. As pessoas fazem piadas sobre o nonagenário Strom Thurmond, mas poucos duvidam de seu poder no plenário do Senado, o que quase coincide com o do senador Robert Byrd, um jovem comparável aos 81 anos. Na casa, Henry Hyde dominou o processo legislativo por várias décadas. Nem a idade nem a crescente preocupação com a debilidade foram impedimentos para alcançar a Casa Branca – considere a vitória de Franklin Delano Roosevelt em 1944, o desmoronamento pós-ataque cardíaco de Eisenhower em 1956 e o apoio público a Ronald Reagan mesmo após um ataque de câncer e o choque de perto de assassinato.

Outras organizações americanas atuais dão poder aos mais velhos. Homens mais velhos (e ocasionalmente mulheres) que demonstraram sua piedade e perspicácia em uma sucessão de cargos administrativos tendem a supervisionar igrejas protestantes, ortodoxas e católicas romanas.

Da mesma forma, as organizações profissionais – incluindo os corpos gerontológicos – tendem a utilizar pessoas conhecidas por suas habilidades interpessoais e diversas experiências em cargos de gerência. Leva tempo para desenvolver uma reputação de liderança.

Dito isto, não há grandes gerontocracias na América pós-moderna. Aqueles com maior antiguidade tendem a ser mais velhos que os novatos, mas os novatos podem – e fazem – às vezes subir rapidamente ao topo. A realização educacional é mais importante que raça, gênero, geografia ou idade (antiga) na aquisição de poder. W. Andrew Achenbaum

Fonte: en.oxforddictionaries.com/www.merriam-webster.com/sociologyindex.com/www.wisegeek.org/www.encyclopedia.com/encyclopedia.uia.org/www.dictionary.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

O Mundo Pós-Guerra

PUBLICIDADE O que foi o Mundo Pós-Guerra? O mundo se dividiu em dois blocos antagônicos …

Crise de 1929

Crise de 1929

PUBLICIDADE A Crise de 1929 – O Crack da Bolsa de Nova York Em 1919 …

Descolonização da África e da Ásia

PUBLICIDADE O que foi a Descolonização da África e da Ásia? Com o enfraquecimento das nações …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.