Breaking News
Home / História Geral / História do Relógio

História do Relógio

PUBLICIDADE

Uma breve história dos relógios

história dos relógios cobre um período muito longo e houve muitos tipos diferentes de relógios ao longo dos séculos. Nem todos os historiadores concordam com a história do relógio.

O word clock (Relógio mundial) foi usado pela primeira vez no século 14 (cerca de 700 anos atrás). Vem da palavra para sino em latim (“clocca”).

Na melhor das hipóteses, os historiadores sabem que 5.000 a 6.000 anos atrás, grandes civilizações no Oriente Médio e no Norte da África começaram a examinar formas de fabricação de relógios em vez de trabalhar apenas com o calendário mensal e anual.

Pouco se sabe sobre exatamente como essas formas funcionavam ou mesmo a real desconstrução da época, mas foi sugerido que a intenção era maximizar o tempo disponível para conseguir mais à medida que o tamanho da população aumentava. Talvez esses períodos futuros tivessem a intenção de beneficiar a comunidade, alocando períodos específicos de tempo para as tarefas.

tempo foi medido pela primeira vez com o auxilio do sol. Para orientação aos afazeres do dia a dia, olhava-se o sol. Naqueles primeiros momentos da civilização, as exigências eram poucas.

Só o imediato valia: o comer, o beber, o dormir, o ir e vir, a melhor ocasião para a pesca, o momento em que os animais desciam aos bebedouros.

Assim, o homem tendo o claro e o escuro, verificou que entre os dois períodos de escuridão, havia um período claro, que era dedicado ao trabalho, à caça e entre dois períodos claros, havia o escuro que era dedicado ao sono, sustos e medo. Os primeiros relógios construídos pelo homem foram chamados de gnômons, o Relógio do Sol.

Relógio

Usando o Sol

A primeira maneira de as pessoas saberem as horas era olhando para o sol enquanto ele cruzava o céu. Quando o sol estava bem alto no céu, era meio dia ou meio-dia. Quando o sol estava próximo ao horizonte, era de manhã cedo (nascer do sol) ou no início da noite (pôr do sol). Dizer a hora não era muito preciso.

Relógios de sol

Relógios de Sol

Com o desaparecimento de qualquer civilização antiga, como a cultura suméria, o conhecimento também se perde.

Embora possamos apenas fazer hipóteses sobre as razões pelas quais o equivalente ao relógio de pulso moderno nunca foi concluído, sabemos que os antigos egípcios estavam próximos a criar um sistema de divisão do dia em partes, semelhantes às horas. Os “obeliscos” (monumentos cônicos de quatro lados altos) foram cuidadosamente construídos e até mesmo localizados geograficamente, acreditamos que por volta de 3500 aC. Uma sombra foi lançada quando o Sol se moveu no céu pelo obelisco, que parece ter sido marcado em seções, permitindo que as pessoas vissem claramente as duas metades do dia. Algumas das seções também foram encontradas para indicar os “dias mais longos e mais curtos do ano”, que se pensa foram desenvolvimentos adicionados posteriormente para permitir a identificação de outras subdivisões de tempo importantes.

Foi descoberto que outro antigo “relógio de sombra” ou “relógio de sol” egípcio estava em uso por volta de 1500 aC, o que permitia a medição da passagem das ‘horas’. As seções foram divididas em dez partes, com duas ‘horas crepusculares’ indicadas, ocorrendo de manhã e à noite.

Para que funcionasse com sucesso ao meio-dia ou meio-dia, o dispositivo teve que ser girado 180 graus para medir as horas da tarde.

Os egípcios também usaram o ‘Merkhet’, a ferramenta astronômica mais antiga conhecida, que se acredita ter sido desenvolvida por volta de 600 AC. Dois merkhets foram usados para estabelecer uma linha norte-sul que foi alcançada alinhando-os com a ‘Estrela Polar’. Isso possibilitou a medição das horas noturnas, quando certas estrelas cruzavam o meridiano marcado.

Por volta de 30 AC, ‘Vitruvius’ (Marcos Vitrúvio Polião – arquiteto romano) descreve treze estilos diferentes de relógios de sol sendo usados na Grécia, Ásia Menor e Itália, demonstrando inerentemente como o desenvolvimento deve ter crescido e se tornado mais complexo.

História do Relógio – Medir o Tempo

Acredita-se que a primeira forma de medir o tempo tenha surgido a partir da observação de fenômenos da natureza, como a movimentação dos corpos celestes, que se repete em ciclos constantes. Por esse motivo, a Astronomia é considerada uma das ciências pioneiras na criação de medidores de tempo.

Inicialmente, houve a divisão natural em períodos iluminados pelo Sol e períodos não iluminados, ou seja, dias e noites. A seguir, fracionou-se o período diurno em partes de igual duração, à semelhança da divisão atual em horas.

Para que a marcação dessas frações fosse possível, era necessário criar-se um instrumento que funcionasse regularmente, indicando a passagem de cada uma das frações e mostrando quantas delas já haviam se passado.

Surge, então, o Relógio de Sol, provavelmente entre 5000 e 3500 a.C., no Egito e/ou na Mesopotâmia. Consistia, originalmente, de uma vareta fincada no solo em local iluminado pela luz solar durante todo o dia.

A sombra da vareta no chão ia mudando sua posição conforme a movimentação do Sol no decorrer do dia a sombra, longa e inclinada para oeste no amanhecer, atingia seu tamanho mínimo ao meio-dia e voltava a alongar-se no entardecer, inclinada, agora, para leste. As frações que formavam o período diurno eram, então, demarcadas estudadamente no solo, de modo que, ao serem atingidas pela sombra, indicavam a passagem do tempo durante o dia.

A pequena haste deu origem a monumentos megalíticos e a grandes obeliscos. No passar dos anos, esses relógios foram aperfeiçoados, sendo talhados de formas, tamanhos e materiais diversificados.

Na antiga Mesopotâmia, alguém, num momento de rara inspiração, teve a idéia de inclinar a pequena haste em direção ao pólo celeste, adequando-a à latitude e longitude local, o que melhorou consideravelmente a precisão do Relógio de Sol, pois permitia que a medida das horas permanecesse razoavelmente igual durante o ano todo.

Um famoso Relógio de Sol foi o Relógio de Berossus, um astrônomo do terceiro século antes de Cristo.

Consistia em um bloco de pedra ou madeira no qual foi cortada uma abertura hemisférica com uma haste no centro. A sombra desta percorria, no decorrer do dia, cerca de um arco de círculo; porém, o comprimento e a posição do arco variavam com as estações do ano.

Relógios de água

Relógios de água

Por volta de 1400 a.C. (cerca de 3.400 anos atrás), os relógios de água foram inventados no Egito. O nome de um relógio de água é clepsidra.

Um relógio de água era feito de dois recipientes de água, um mais alto do que o outro. A água viajou do recipiente superior para o recipiente inferior através de um tubo conectando os recipientes.

Os recipientes tinham marcas que indicavam o nível da água e as marcas indicavam as horas. Olhe para a foto certa. A água pinga do recipiente superior para o inferior. À medida que o nível da água sobe no recipiente inferior, ele sobe a bóia na superfície da água. O flutuador é conectado a um bastão com entalhes, e conforme o manche sobe, os entalhes giram uma engrenagem, que move o ponteiro que aponta para o tempo. “Relógios de água” estavam entre os primeiros dispositivos de cronometragem que não usavam a observação dos corpos celestes para calcular a passagem do tempo.

Os gregos antigos, acredita-se, começaram a usar relógios de água por volta de 325 aC. A maioria desses relógios era usada para determinar as horas da noite, mas também podem ter sido usados durante o dia.

Um problema inerente ao relógio de água era que eles não eram totalmente precisos, pois o sistema de medição se baseava no fluxo de água para dentro ou para fora de um recipiente que tinha marcadores nas laterais.

Outra forma muito semelhante era a de uma tigela que afundou durante um período ao se encher de água de um fluxo regulado. Sabe-se que os relógios de água eram comuns em todo o Oriente Médio e que ainda eram usados no norte da África durante o início do século XX. No Extremo Oriente, sabe-se que a fabricação de relógios mecanizados “astronômicos” e “astrológicos” se desenvolveu entre 200-1300 DC.

Em 1088 DC, “Su Sung” e seus colegas projetaram e construíram um mecanismo altamente complexo que incorporou um escapamento movido a água, inventado por volta de 725 DC.

Tinha mais de sete metros de altura e todos os mecanismos do feudo funcionavam simultaneamente. Durante cada hora, um observador podia ver o movimento de uma esfera armilar movida a energia, construída com anéis de bronze, um globo celestial em rotação automática, juntamente com cinco portas que permitiam um vislumbre atraente de ver estátuas individuais, todas as quais tocavam sinos, gongos estrondosos ou segurava tabuinhas com a inscrição que mostravam a hora ou uma hora especial do dia. A aparência e as ações teriam parecido semelhantes ao autômato que conhecemos tão bem hoje.

Relógio de areia

Ampulhetas ou Relógios de Areia

Provavelmente, as Ampulhetas ou Relógios de Areia surgiram da necessidade de se haver medidores de tempo transportáveis. O princípio de sua construção era o mesmo do Relógio de Água; porém, no lugar do líquido, vamos encontrar a areia, escoando de um reservatório superior para um inferior por um pequeno orifício.

Esses reservatórios eram, inicialmente, forjados em cerâmica, que foi substituída pelo vidro após a descoberta deste. Eles eram posicionados um sobre o outro, unidos por um disco de metal com um furo, formando um conjunto totalmente fechado.

Esses relógios eram empregados em medidas de tempo de curta duração e possuíam precisão relativa. Foram muito utilizados no mar, durante o século XIV, e nas Igrejas, durante os séculos XVI e XVII, para limitar o tempo dos sermões. Não há exageros em afirmar-se que a Ampulheta foi o medidor de tempo mais usado na Antigüidade.

Enfim, um relógio de areia mede a passagem de alguns minutos ou uma hora. Possui duas lâmpadas de vidro verticais conectadas, permitindo um fluxo regulado de material de cima para baixo.

Uma ampulheta, ou relógio de areia, é um dispositivo que mede a passagem do tempo. É composto por duas lâmpadas conectadas por um segmento estreito. A ampulheta é usada para medir quanto tempo leva para a areia passar de uma lâmpada para a outra.

Relógio de Fogo

A exemplo da luz solar, da água e da areia, também o fogo foi usado para medir o tempo. Há diversos tipos de Relógios de Fogo. Um deles era o Relógio de Azeite, tipo candeeiro, que também recebia o nome de Lâmpada-relógio ou Silencioso.

Este relógio constituía-se de uma lamparina feita de estanho, com um reservatório feito de vidro, cristal ou porcelana translúcida, no qual colocava-se o azeite que, pela queima de um pavio nele imerso, ia se consumindo contínua e regularmente. Havia, na parte externa do reservatório, uma faixa vertical que ia, geralmente, das oito horas da noite às sete horas da manhã, na qual verificava-se a passagem do tempo pelo abaixamento do nível do azeite.

Este relógio foi usado principalmente à noite, devido à sua dupla função ? iluminação e marcação do tempo. Não se sabe ao certo se surgiu no Oriente ou na Europa, durante a Idade Média. Porém, seu uso foi muito significativo nos século XVII e XVIII em todo o continente europeu, mais especificamente no norte da Alemanha.

Despertador Chinês

Um outro exemplo de Relógio de Fogo foi o Despertador Chinês, que era composto por um recipiente oblongo, em forma de barca, com divisões formadas por pequenos arames dobrados, dispostos calculadamente de maneira que uma vareta combustível (feita de serragem ou resina), queimando sobre eles, demarcava a passagem das horas.

Para que servisse de despertador, pendurava-se sobre ele dois pesos metálicos unidos por um fio, este colocado sobre a marcação da hora em se desejava acordar. O fogo, ao propagar-se pela vareta combustível, atingia o fio, rompendo-o, e os dois pesos metálicos caíam sobre uma tigela, causando um grande ruído.

Supõe-se terem sido os chineses os responsáveis por essa curiosa invenção; daí o nome ?Despertador Chinês?.

A idéia do relógio surgiu desde o início da humanidade. Era dia, era noite, e isso indicava a hora de caçar ou proteger-se. Olhava-se o sol e isso ficava definido.

Com a evolução o homem precisou organizar as suas tarefas ao longo do dia.

O primeiro relógio, uma simples vara fincada no chão e cuja sombra se deslocava ao comando do sol, não marcava as horas: apenas dividia o dia e era extremamente impreciso. Servia para o gasto, porque naquela época não precisávamos da exatidão de hoje.

Com a necessidade de medidas mais seguras, surgiram a clepsidra (o relógio a base de água) e a ampulheta (a base de areia).

Tinham o mesmo princípio: a constância do tempo para escoar uma substância de um local para outro, através de um orifício.

Surgiram porque o relógio de sol não funcionava durante a noite ou em dias nublados.

As horas ainda não eram marcadas: somente intervalos de tempo. Isso foi mais ou menos em 400 a.C. e começou a existir também formas sofisticadas e artísticas de construir clepsidras e ampulhetas.

Como em tudo o mais em que se mete, o homem colocou arte. Ainda no tempo do relógio de sol, alguns deles são de construção rebuscada e verdadeiras joias.

Relógio de sol – a primeira forma de dividir o dia em partes

Os primeiros relógios mecânicos, muito rudimentares, surgiram por volta de 1200 no norte da Europa, na região da atual Alemanha.

A divisão do dia em horas só aconteceu quando o astrofísico Galileu Galilei definiu as regras do movimento pendular e sua impressionante regularidade. Isso foi por volta de 1600 e somente uns 100 anos depois é que surgiriam os ponteiros indicadores de minutos. Por essa ocasião, os relógios já eram olhados como jóias e caracterizavam-se pela beleza e riqueza.

Como jóias, tinham a característica do artesão e freqüentavam a corte embelezando senhoras e senhores da nobreza, assim como o ambiente dos castelos. Nessa luta para tornar-se senhor do tempo, o homem acabou também por criar uma máquina que o escravizaria. Somos, quase todos, hoje, escravos do relógio.

Superado o problema de tecnologia de criar um mecanismo medidor do tempo, o homem sempre partiu para a sofisticação e criação de novas necessidades. Horas precisas não eram mais suficientes; minutos exatos não satisfaziam mais; segundos regulares de pouco valiam.

Criamos mecanismos para os décimos, centésimos e milésimos de segundo e frações de tempo tão pequenas que só os cientistas se preocupam com isso. Sem desmerecer a validade desse esforço, prefiro ficar com a beleza e a história dessa maquininha.

Durante muitos séculos, os relógios rivalizaram com os sinos na demarcação das tarefas da comunidade. Entre os mouros, o muazim anunciava a hora do sol nascer e da primeira oração.

Assim se chamavam os homens que subiam na mesquita para avisar a todos com sua voz sagrada.

No mundo cristão essa tarefa cabia ao sineiro, que se pendurava na corda para fazer soar enormes sinos nas catedrais.

O sino avisava dos incêndios, lamentava a morte, acompanhava os enterros, alegrava as festas da comunidade, os casamentos, nascimento e morte dos reis e príncipes, as festas dos senhores e do Senhor.

O som dos sinos alertava a todos nas comunidades e espalhava-se pelos campos levantando as orelhas dos animais. Quando surgiu o relógio, o sino começou paulatinamente a perder essas funções. Hoje, não tem mais a importância que tinha para a comunidade, até porque as comunidades tornaram-se tão grandes que ultrapassaram o limite do seu alcance; permanece como um símbolo medieval.

Os famosos relógios suíços tiveram origem em Genebra, por volta do século XVI e um nome é registrado como o iniciador de tudo: Daniel Jeanrichard.

A indústria relojoeira evoluiu rapidamente e tornou-se um marco naquele pais, tanto pelo designer como pela tecnologia de precisão.

Com o advento dos relógios de quartzo, os suíços perderam a hegemonia mundial e nunca mais a recuperaram. Os relógios de quartzo são muito mais baratos e precisos do que os relógios mecânicos.

No entanto, alguns relógios desse tipo são altamente valorizados pelos amantes da arte e da relojoaria.

Mecanismos extremamente complexos com mais de setecentas peças e um custo de aproximadamente um quarto de milhão de dólares não podem competir em precisão e praticidade com os modernos relógios, mas continuam sendo motivo de orgulho para os fabricantes e para os raros proprietários, encarados como joias exclusivas.

Medir o tempo com precisão foi um desafio, por longos séculos, que sempre fascinou a humanidade. Quando os pêndulos pareciam haver resolvido o problema de se medir horas exatas, novos desafios surgiram.

Considerando que vivíamos então uma época de navegação imprecisa, como medir o tempo a bordo dos navios, onde o movimento pendular era fundamentalmente comprometido com o balanço dos navios?

Isso pode parecer simples hoje para qualquer criança com um relógio com a figurinha do Pato Donald no pulso mas, as academias de ciência e os governos ofereciam prêmios a quem resolvesse esse problema.

Enfim, essa coisinha corriqueira, que é um relógio, é o resultado e enormes desafios vencidos ao longo da história do homem.

Filipe III da Espanha e Filipe II de Portugal (que eram a mesma pessoa), assim como Luis XIV, da França, ofereceram verdadeiras fortunas a quem apresentasse uma fórmula de medir o tempo com exatidão a bordo dos navios.

Isso era extremamente importante para se calcular a exata posição dos navios e evitar perigos e mesmo chegar onde se pretendia.

Em 1714, a Inglaterra perdeu uma esquadra inteira por um erro de cálculo da longitude devido a tempos avaliados erradamente. O parlamento inglês ofereceu 20000 libras de prêmio a quem resolvesse o problema.

O vencedor foi um carinha chamado John Harrison (1693-1776), que inventou um mecanismo que, sinceramente, acho difícil de explicar aqui e creio que não interessa muito ao assunto de arte.

Em uma viagem pelo mar, de nove semanas, o relógio de Harrison atrasou cinco segundos. Na época, isso foi fenomenal.

Ao final, indicarei alguns endereços onde isso pode ser visto com mais detalhes técnicos – andei lendo um livro sobre esse desafio de construir um relógio que funcionasse a bordo dos navios e confesso que parei no meio porque não consegui compreender sequer qual era exatamente o problema e muito menos a solução.

É interessante para quem gosta de física, astronomia… dessas coisas!

Medir o tempo e exercer a arte – atividades muito antigas, mas a arte chegou primeiro

Como jóia, o relógio tem uma posição de destaque. Freqüentemente, o mecanismo e a função de marcar o tempo tem se tornado secundária.

Desejava-se o adorno, a jóia, como uma coroa ou gargantilha – o relógio era só a desculpa. Relógios, tanto os de mesa como os de uso pessoal, foram fabricados das mais diferentes maneiras para adorno dos ricos e das suas casas. Até mesmo de cidades, como é o caso do Big Ben em Londres.

Esse relógio, com quatro faces, começou a funcionar desde 31 de maio de 1859: o ponteiro dos minutos tem 4 metros de comprimento.

A divisão das horas em 60 minutos de 60 segundos pode ter resultado do sistema sexagesimal usado na antiga Babilônia e que depois foi usado no Egito. Eles dividiam o círculo em 360 graus e tudo girava em torno dessa forma de medir, acabando por interferir na nossa medida de horas.

O relógio de pulso tem uma história bastante interessante que envolve um brasileiro famoso: Santos Dumont vivia sujando a roupa ao tirar o relógio do bolso, com as mãos manchadas de óleo enquanto trabalhava nos seus modelos de aviões.

Para evitar esse contratempo, pediu a seu amigo Cartier que fabricasse um relógio que pudesse ser acomodado no pulso, e esse foi o primeiro relógio de pulso fabricado na França e chegou a ser chamado de Santos Watch.

O relógio de pulso já era conhecido, mas raramente usado: o exército inglês havia encomendado 1500 relógios a um fabricante suíço para colocar no pulso de militares, considerando que seriam mais úteis assim, durante a batalha. Mas foi depois do episódio com Santos Dumont que Cartier passou a fabricar relógios de pulso, criou fama como fabricante de relógios e difusor da nova moda por todo o mundo.

Dividindo o ano em meses e dias

Os gregos dividiam o ano em doze partes chamadas meses. Eles dividiram cada mês em trinta partes que são chamadas de dias. O ano deles teve um total de 360 dias, ou 12 vezes 30 (12 x 30 = 360).

Como a Terra gira em torno do Sol em um ano e segue um caminho quase circular, os gregos decidiram dividir o círculo em 360 graus.

Dividindo o dia em horas, minutos e segundos

Os egípcios e babilônios decidiram dividir o dia do nascer ao pôr do sol em doze partes que são chamadas de horas. Eles também dividiram a noite, do pôr do sol ao nascer do sol, em doze horas.

Mas o dia e a noite não têm a mesma duração, e a duração do dia e da noite também muda ao longo do ano.

Este sistema de medição do tempo não era muito preciso porque a duração de uma hora mudava dependendo da época do ano. Isso significava que os relógios de água precisavam ser ajustados todos os dias.

Alguém finalmente descobriu que, dividindo o dia inteiro em 24 horas de igual duração (12 horas do dia mais 12 horas da noite), o tempo poderia ser medido com muito mais precisão.

Por que o dia e a noite foram divididos em 12 partes?

Doze é aproximadamente o número de ciclos lunares em um ano, portanto, é um número especial em muitas culturas. A hora é dividida em 60 minutos e cada minuto é dividido em 60 segundos.

A ideia de dividir a hora e o minuto em 60 partes vem do sistema sexagesimal sumério, que se baseia no número 60. Esse sistema foi desenvolvido há cerca de 4.000 anos.

Relógios Mecânicos

Em 1656, ‘Christian Huygens’ (cientista holandês) fez o primeiro ‘relógio de pêndulo’, com um mecanismo que usa um período “natural” de oscilação. “Galileo Galilei” é creditado, na maioria dos livros históricos, por ter inventado o pêndulo já em 1582, mas seu projeto não foi construído antes de sua morte. O relógio de Huygens, quando construído, apresentava um erro de “menos de apenas um minuto por dia”.

Este foi um grande salto no desenvolvimento da manutenção da precisão, uma vez que isso nunca havia sido alcançado. Refinamentos posteriores no relógio de pêndulo reduziram essa margem de erro para “menos de 10 segundos por dia”. Huygens, em 1657, desenvolveu o que é conhecido hoje como “roda de balanço e conjunto de mola”, que ainda é encontrado em alguns relógios de pulso de hoje.

Isso permitiu que os relógios do século XVII mantivessem a precisão do tempo em aproximadamente dez minutos por dia. Enquanto isso, em Londres, Inglaterra (Reino Unido) em 1671, “William Clement” começou a construir relógios com um escape de ‘âncora’ ou ‘recuo’, que interferia ainda menos com o movimento perpétuo do sistema de pêndulo do relógio. “George Graham”, em 1721, inventou um projeto com o grau de precisão de ‘um segundo por dia’, compensando as mudanças no comprimento do pêndulo causadas por variações de temperatura.

relógio mecânico continuou a se desenvolver até que atingiram uma precisão de “um centésimo de segundo por dia”, quando o relógio de pêndulo se tornou o padrão aceito na maioria dos observatórios astronômicos.

Relógios de Pêndulo

Relógios de Pêndulo

Antes da invenção dos relógios de pêndulo, Peter Henlein, da Alemanha, inventou um relógio movido a mola por volta de 1510. Não era muito preciso.

O primeiro relógio com ponteiro dos minutos foi inventado por Jost Burgi em 1577. Ele também teve problemas. O primeiro relógio prático era movido por um pêndulo.

Foi desenvolvido por Christian Huygens por volta de 1656. Em 1600, o relógio de pêndulo também tinha um ponteiro dos minutos. O pêndulo oscila para a esquerda e para a direita e, ao girar, gira uma roda com dentes (veja a figura à direita). A roda giratória gira os ponteiros das horas e dos minutos no relógio. Nos primeiros relógios de pêndulo, o pêndulo costumava oscilar muito (cerca de 50 graus).

Conforme os relógios de pêndulo foram aprimorados, o pêndulo balançou muito menos (cerca de 10 a 15 graus). Um problema com os relógios de pêndulo é que eles pararam de funcionar depois de um tempo e tiveram que ser reiniciados. O primeiro relógio de pêndulo com baterias externas foi desenvolvido por volta de 1840. Em 1906, as baterias estavam dentro do relógio. Como você já aprendeu, um relógio mostra apenas 12 horas por vez, e o ponteiro das horas deve girar em torno do relógio duas vezes para medir 24 horas, ou um dia completo.

Para distinguir as primeiras 12 horas do dia (da meia-noite ao meio-dia) das segundas 12 horas do dia (do meio-dia à meia-noite), usamos estes termos: AM – Ante meridiem, do latim para “antes do meio-dia” P.M.– Post meridiem, do latim para “depois do meio-dia”

Relógio de quartzo

Relógio de quartzo é um tipo de cristal que se parece com o vidro. Quando você aplica voltagem, ou eletricidade, e pressão, o cristal de quartzo vibra ou oscila a uma frequência ou taxa muito constante.

A vibração move os ponteiros do relógio com muita precisão. Os relógios de cristal de quartzo foram inventados em 1920. Europa.

Durante o período de 500-1500 DC, o desenvolvimento de dispositivos de medição do tempo na Europa é conhecido por não ter melhorado muito tecnologicamente, dependendo principalmente do uso do relógio de sol e dos princípios de medição usados no antigo Egito. Esses mostradores foram colocados acima das portas e indicavam o meio-dia e quatro “marés” ou horas do dia ensolarado.

No século X, um modelo inglês (Reino Unido) mostrou a marcação das marés compensada por incluir mudanças sazonais causadas pela altitude do Sol.

Na Itália, do início a meados do século XIV, grandes relógios mecânicos alojados em torres começaram a aparecer em várias das grandes cidades.

Esses relógios parecem ter sido atormentados pelo mesmo problema do “relógio de água”, o de regular os mecanismos e manter a hora exata.

Isso parece ter sido devido ao período de oscilação do escapamento dependendo de uma força motriz que teve atrito suficiente no mecanismo de acionamento.

Um avanço tecnológico veio com a invenção do relógio ‘movido a mola’, por volta de 1500-1510, creditado a “Peter Henlein” de Nuremberg (Alemanha). Eles se tornaram populares instantaneamente, embora o relógio movido a mola tivesse um problema, o de desacelerar quando a mola principal girava.

No século XVI, e até o século XIX, esses relógios eram principalmente reserva dos ricos, quando o tamanho reduzido significava que agora podiam ser colocados em uma prateleira ou mesa.

O desenvolvimento do relógio movido a mola foi o precursor para uma cronometragem precisa.

Fusos horários

Como a Terra gira, é dia em parte do mundo quando é noite do outro lado do mundo. Em 1884, delegados de 25 países se reuniram e concordaram em dividir o mundo em fusos horários.

Se você desenhar uma linha em torno do meio da Terra, é um círculo (equador). Os delegados dividiram os 360 graus do círculo em 24 zonas, cada uma com 15 graus (24 x 15 = 360).

Eles decidiram começar a contar a partir de Greenwich, na Inglaterra, que está a 0 graus de longitude.

Fonte: gaukartifact.com/www.clocksandchimes.co.uk/previews.123rf.com/www.relogios.name

 

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.