Breaking News
Home / História Geral / Conferência de Bandung

Conferência de Bandung

PUBLICIDADE

Conferência de Bandung – O que foi

Nos dias 18 e 25 de abril de 1955, convocados pela Indonésia, Índia, Ceilão, Paquistão e Birmânia, países libertados da tutela colonial, representantes da Ásia e África reuniram em Bandung, para elaborar uma estratégia comum, em um mundo que, cada vez com maior clareza, aparecia como um jogo de interesses entre dois grandes blocos. Representavam milhões de seres humanos com apenas 8% da renda mundial.

Toda a população de cor, mesmo nos nossos dias, mostrava grande heterogenismo.

Ali estavam a China, Vietnã, Filipinas, Japão, que breve arrojaria no milagre do desenvolvimento; Turquia, Irã e Iraque, prestes a concluir tratados de defesa com Grã-Bretanha; Ghana, ainda com o nome de Costa do Ouro e em vias de alcançar a independência, junto aos únicos Estados independentes da África: Egito, Etiópia, Libéria e Sudão.

A assembleia do Terceiro Mundo produziu um documento em que se proibia, a discriminação racial, a corrida armamentista e o colonialismo. No parágrafo 6º da declaração final pedia-se “a abstenção de toda participação em acordos de defesa coletiva que sirvam aos interesses de uma grande potência”.

Em um mundo dividido pela guerra fria, os povos da Ásia e da África proclamavam sua neutralidade, sua equidistância entre sistemas sociais que se mostravam antagônicos, e a vontade de manterem-se afastados de controvérsias alheias aos seus interesses.

Conferência de Bandung
Conferência de Bandung

A doutrina Bandung, credo ou Corão para os povos cristãos e muçulmanos da África, passou por todos territórios coloniais. Nasser, Sukarno, Nehru e Nkrumah eram o espelho em que se mirava uma nova geração de líderes. 1960 é o ano das independências africanas. Apenas em um ano proclamam a independência dezesseis territórios.

Os povos que agora conquistam a liberdade sabem que existe o neocolonialismo que o mundo desenvolvido exerce através de seus interesses econômicos. Já não basta a independência política.

O direito de poder dispor dos recursos econômicos é mais importante que o uso de um hino ou de uma bandeira. No dia 26 de julho de 1956 Nasser anuncia a nacionalização do canal de Suez.

Conferência de Bandung – História

As colonizações em nosso mundo, especialmente nos continentes asiático e africano, tornaram-se um problema crucial desde o século XV.

Embora muitos países tenham declarado sua independência em 1945, especialmente na Ásia, como Indonésia (17 de agosto de 1945), então República Democrática do Vietnã (2 de setembro de 1945), Filipinas (4 de julho de 1946), Paquistão (14 de agosto de 1947) ), Índia (15 de agosto de 1947), Birmânia (4 de janeiro de 1948), Ceilão (4 de fevereiro de 1948) e República Popular da China (1 de outubro de 1949), havia muitos outros países que ainda lutavam por sua independência como Argélia, Tunísia, Marrocos, Congo e outros países africanos.

Alguns dos países asiáticos africanos que tiveram sua independência ainda enfrentavam problemas causados pela colonização. Além disso, o conflito entre os povos dentro dos países tornou-se mais amplo como o efeito de devide et impera.

O nascimento de dois poderosos blocos ideológicos; West Align liderado pelos Estados Unidos da América (capitalista) e East Align liderado pela União Soviética (comunista), estavam criando pior condição do mundo.

Guerra Fria se transformou em um conflito aberto, como na terra da Coréia e da Indochina. A competição e o desenvolvimento de armas nucleares aumentaram.

Embora a organização mundial que é as Nações Unidas tenha a função de resolver todos os problemas mundiais, esta organização não conseguiu tornar a condição mundial mais pacífica.

No início de 1954, o primeiro-ministro do Ceilão, Sir John Kotelawala, convidou os primeiros-ministros da Birmânia (U Nu), Índia (Jawahrlal Nehru), Indonésia (Ali Sastroamidjojo) e Paquistão (Mohammed Ali) para realizar uma reunião informal. A reunião foi bem apoiada por todos os líderes estaduais e governamentais dos países convidados.

Naquela época, o Presidente da Indonésia Soekarno pediu ao Primeiro Ministro da Indonésia, Ali Sastroamidjojo, para deliberar sobre a ideia de realização da Conferência Asiático-Africana durante a Conferência de Colombo. Afirmou que a ideia vinha sendo pensada há 30 anos e soava para construir a solidariedade asiático-africana e foi comprovada através do movimento nacional contra o colonialismo.

Para a preparação, o Governo da Indonésia realizou uma reunião com a presença do Representante da Indonésia na Ásia, África e Pacífico. Teve lugar em Wisma Tugu, Puncak, Java Ocidental de 9 a 22 de março de 1954 para discutir a ideia que seria trazida pelo Primeiro Ministro Ali Sastroamidjojo à Conferência de Colombo, como consideração básica da Indonésia no alargamento da cooperação da região asiática da África.

Em 28 de abril – 2 de maio de 1954, a Conferência de Colombo foi realizada. Discutiu os problemas que se tornaram Conferência Comum. Na conferência, o Primeiro Ministro da Indonésia propôs a realização de outra conferência semelhante, de escopo mais amplo para países asiáticos e africanos. A ideia foi apoiada por todos os membros da conferência, embora alguns ainda hesitassem. A conferência deu à Indonésia a chance de explorar a possibilidade de realizá-la e foi escrita no último parágrafo do Comunicado Final da Conferência de Colombo.

Conferência de Bandung – Resumo

Conferência de Bandung (Conferência Asiático-Africana), 1955

Em abril de 1955, representantes de 29 governos de nações asiáticas e africanas se reuniram em Bandung, Indonésia, para discutir a paz e o papel do Terceiro Mundo na Guerra Fria, o desenvolvimento econômico e a descolonização.

Gedung Merdeka em Bandung durante a Conferência Ásia-África em 1955

Os princípios fundamentais da Conferência de Bandung foram autodeterminação política, respeito mútuo pela soberania, não agressão, não interferência em assuntos internos e igualdade.

Essas questões foram de importância central para todos os participantes da conferência, muitos dos quais haviam emergido recentemente do domínio colonial. Os governos da Birmânia, Índia, Indonésia, Paquistão e Sri Lanka co-patrocinaram a Conferência de Bandung e reuniram mais vinte e quatro nações da Ásia, África e Oriente Médio. Como o processo de descolonização ainda estava em andamento, os delegados da conferência se encarregaram de falar em nome de outros povos colonizados (especialmente na África) que ainda não haviam estabelecido governos independentes.

Os delegados se basearam nos Cinco Princípios de Coexistência Pacífica, elaborados nas negociações entre a Índia e a China em 1954, enquanto buscavam construir a solidariedade entre as nações recentemente independentes.

No encerramento da Conferência de Bandung, os participantes assinaram um comunicado que incluía uma série de objetivos concretos. Esses objetivos incluíam a promoção da cooperação econômica e cultural, a proteção dos direitos humanos e o princípio da autodeterminação, o apelo ao fim da discriminação racial onde quer que ela ocorresse e a reiteração da importância da coexistência pacífica.

Os líderes esperavam focar no potencial de colaboração entre as nações do terceiro mundo, promovendo esforços para reduzir sua dependência da Europa e da América do Norte.

Conferência de Bandung e sua resolução final lançaram as bases para o movimento não alinhado durante a Guerra Fria.

Líderes de países em desenvolvimento se uniram para evitar serem forçados a tomar partido na disputa da Guerra Fria.

A motivação inicial do movimento foi a promoção da paz. Na década de 1970, tornou-se cada vez mais radical em sua condenação das políticas das superpotências da Guerra Fria.

Embora o movimento não alinhado tenha continuado até o final da Guerra Fria, a solidariedade produzida pelo “espírito de Bandung” enfraqueceu no final da década de 1960, quando a maioria dos participantes originais da conferência não estavam mais no poder em seus respectivos países.

O governo dos Estados Unidos inicialmente viu a Conferência de Bandung e o movimento não alinhado que dela emergiu com cautela.

Observadores nos Estados Unidos expressaram preocupação com o fato de a reunião ser um sinal de uma mudança para a esquerda nas tendências ideológicas das nações recém-independentes da África e da Ásia.

Além disso, a conferência revelou duas contradições na política externa dos EUA no que diz respeito à descolonização no Terceiro Mundo. Primeiro, o governo dos Estados Unidos se viu preso entre seu desejo de apoiar a descolonização e a autodeterminação no Sudeste Asiático e na África e sua dependência das potências coloniais da Europa Ocidental como aliadas contra o Bloco Oriental comunista.

A cooperação com a Grã-Bretanha, França e Holanda foi vital para a política dos EUA na Europa, mas apoiar a descolonização seria o mesmo que se opor a esses aliados. Em segundo lugar, a conferência coincidiu com uma mudança fundamental nas relações raciais dos EUA. A decisão Brown vs. Conselho de Educação de 1954 declarou a segregação escolar inconstitucional, mas o processo de acabar com as leis Jim Crow no sul dos Estados Unidos foi longo e difícil. Muitos países ao redor do mundo, particularmente nações recentemente independentes, seguiram o movimento dos direitos civis dos EUA com interesse e questionaram até que ponto a retórica americana de igualdade e autodeterminação combinava com o status dos direitos civis nos Estados Unidos.

Os líderes dos EUA temem que o anticolonialismo de Bandung e a discussão da política racial global que ocorre lá possam se tornar antiamericanos ou antiocidentais.

No final, entretanto, a Conferência de Bandung não levou a uma denúncia geral do Ocidente, como os observadores dos EUA temiam. Em vez disso, os participantes exibiram uma ampla gama de ideologias e lealdades. Os aliados dos EUA na Ásia foram capazes de representar seus interesses comuns com os Estados Unidos nas reuniões da conferência, e o premier chinês Zhou Enlai adotou uma linha moderada em seus discursos aos delegados. Mesmo assim, Bandung deu voz às nações emergentes e demonstrou que elas poderiam ser uma força na política mundial futura, dentro ou fora do quadro da Guerra Fria.

Fonte: Portal São Francisco

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.